Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Search:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


Existe um motivo para que milhões de pessoas adorem tanto os produtos da YANKEE CANDLE: a paixão pela fragrância. As velas aromáticas mais tradicionais e vendidas do mercado norte-americano aromatizam e decoram o ambiente com essências que despertam diversas sensações. Por isso, a marca certamente agradará a todos que queiram ter uma casa bem perfumada e aconchegante. 

A história 
Tudo começou em uma fria noite, um pouco antes do natal de 1969, na cidade de South Hadley, estado de Massachusetts, quando Mike Kittredge (foto abaixo), um jovem estudante do ensino médio de apenas 16 anos, e sem dinheiro para comprar um presente para sua mãe, derreteu alguns lápis de cera vermelho e usou uma embalagem vazia de leite (de papelão) e corda para fazer uma vela decorativa para ela. Quis o destino que uma vizinha visse a vela e convencesse Mike a vendê-la por US$ 1.36. Com o pequeno lucro, Mike comprou cera suficiente para fazer duas velas - uma para a mãe e outra para vender. Assim nascia a YANKEE CANDLE. Foi então que ele abriu uma modesta loja para fabricar e vender velas decorativas na garagem da casa de seus pais. Rapidamente suas velas ganharam popularidade na cidade e região.


Em 1973, todos os 12 funcionários da empresa se mudaram para uma antiga fábrica de papel em Holyoke, no Massachusetts. Tudo para atender a crescente de manda pelas velas. No ano seguinte a empresa lançou no mercado seu produto de maior sucesso: velas aromáticas em frascos de vidro. Os primeiros aromas a fazerem enorme sucesso eram Bayberry (mistura de pinho, louro, bayberry e mirra), Cinammon (canela), Cranberry (frutas vermelhas), Pine (pinho) e French Vanilla (baunilha). O grande sucesso começou em 1977 depois que a YANKEE CANDLE participou de uma feira de presentes na cidade de Boston. Varejistas de todo o país descobriram suas velas aromáticas e fizeram grandes pedidos para suas lojas. No começo da década seguinte, em 1981, a empresa enviou seu primeiro catálogo de pedidos pelo correio. Atualmente a YANKEE CANDLE envia mais de seis milhões de catálogos todos os anos. Pouco depois, em 1983, a empresa mudou sua loja para South Deerfield, também no Massachussets, que movimenta a maior parte do tráfego de automóveis entre Nova York e Vermont. Com isso, as vendas da empresa chegaram a US$ 1 milhão pela primeira vez. No ano seguinte, a fábrica também se mudou para a cidade de South Deerfield, e a loja âncora da marca passou também a vender presentes exclusivos.


Somente em 1986, a marca introduziu a impressão colorida em seus rótulos. Anteriormente, todas as ilustrações eram preenchidas à mão com lápis de cor. Além disso, a empresa inaugurou sua primeira loja de varejo (fora de sua loja de fábrica) em Sturbridge, Massachussets. Em 1990, a marca introduziu sua linha de maior sucesso: Housewarmer® Jar (velas aromáticas em jarras de vidro), desenvolvidas para todos os cômodos da casa e para todas as ocasiões. Em 1994 foram lançados no mercado dois aromas extremamente populares da marca, Home Sweet Home® (aroma de chá com especiarias e canela) e MidSummer’s Night® (cheiro de perfume masculino com notas de musk). Dois anos mais tarde, a marca lançou seu comércio eletrônico, oferecendo aos consumidores mais uma opção de compra. Em 1997, surgiu mais um sucesso de venda: Macintosh (aroma de maçãs). No ano seguinte, a YANKEE CANDLE foi adquirida pela empresa Forstmann Little & Co. Além disso, a empresa atravessou o oceano para instalar um escritório de vendas em Bristol, na Inglaterra, para atender os países do continente. E ainda durante esta década, a marca inaugurou inúmeras lojas por várias cidades americanas.


No início do novo milênio, a marca ampliou sua linha de produtos com o lançamento dos aromatizadores para carro. Em 2002, a marca inaugurou sua primeira loja própria no Reino Unido. Em novembro de 2006, trabalhando duro para atender a demanda das festas de finais de ano, a empresa estabeleceu um recorde ao produzir 1.054.182 velas em apenas sete dias. Neste momento o sucesso já estava garantido. Em 2009, para comemorar seus 40 anos de história, a marca lançou a linha Good Air™, velas que eliminavam odores do ambiente e o deixava com cheirinho fresco. No ano seguinte a YANKEE CANDLE conquistou um marco expressivo em sua história ao conquistar a liderança no segmento de velas aromáticas no Reino Unido. Em 2011, realizou mais um passo importante ao inaugurar sua primeira loja própria no Canadá. Além disso, lançou no mercado duas fragrâncias que se tornariam campeãs de venda: Pink Sands™ (aroma cítrico com florais e baunilha picante) e Bahama Breeze™ (aroma de abacaxi, toranja e manga). Após ser adquirida pela Jarden Corporation em 2013, a YANKEE CANDLE criou no ano seguinte o revolucionário sistema de aquecedor elétrico Scenterpiece™ Easy Melt Cup, que permite trocar de fragrâncias sem precisar tocar na cera.


Inovando mais uma vez, a marca introduziu em 2015 a possibilidade dos consumidores customizarem os rótulos das velas com fotografias, cujas vendas atingiram US$ 1 milhão no primeiro ano. No ano seguinte, para acompanhar a crescente demanda de seus produtos em todo o mundo, a empresa inaugurou sua primeira fábrica no exterior, localizada na República Checa. Ainda este ano, com a aquisição da Jarden Corporation pela Newell Brands por US$ 13.2 bilhões, a YANKEE CANDLE passou a fazer parte de um portfólio que tem marcas como (instrumentos de escrita), (canetas), Rawlings (materiais esportivos), (eletrodomésticos) e (puericultura).


A paixão por fragrância 
Um produto YANKEE CANDLE proporciona uma experiência única. Foi assim que se tornou a marca preferida do público norte-americano em velas aromáticas premium. Parte disso se deve à devoção pela qualidade, mantendo um legado passado por gerações de artesãos especializados em velas como parte da herança e reputação. Além de honrar o passado, a marca está sempre desenvolvendo novas maneiras de melhorar a vida dos clientes atenta ao mundo das fragrâncias, procurando novos sabores e aromas para encantar milhões de pessoas. As fragrâncias são desenvolvidas para alcançar a melhor performance nos produtos. Todas são devidamente revisadas e testadas pela equipe de profissionais especializados para que a força e a qualidade do aroma sejam os mesmos na loja e na casa dos consumidores.


Autêntica. Real. Forte. Duradoura. Feita com extratos de fragrâncias e óleos essenciais reais, os aromas são o padrão pelo qual as outras fragrâncias são testadas. Imaginário, os aromas cobrem uma grande variedade de categorias, incluindo frutas e flores específicas, frescas, limpas e naturais, além de fragrâncias especiais para as festas de fim de ano. As fragrâncias também incluem aromas e conceitos de novas tendências intercalados com os clássicos de sempre. Isso é o que faz a YANKEE CANDLE ser o padrão de qualidade para velas aromáticas no mundo. Utilizam-se apenas quatro componentes na fabricação de uma vela YANKEE CANDLE: Cera de petróleo (produzida com base em uma mistura personalizada especial constituída por parafina de grau premium adaptada às suas especificações), Pavios 100% algodão, Corante e Fragrância.


A maior loja de velas do mundo 
Em South Deerfield, localizada no oeste do estado de Massachusetts, está localizada a maior loja de velas do mundo. Nesta pequena cidade de aproximadamente 2.000 habitantes, foi inaugurada em 1989 a YANKEE CANDLE VILLAGE STORE, que com o decorrer dos anos se transformaria na maior loja de velas do mundo e na segunda atração mais popular entre os turistas em Massachusetts, ficando atrás apenas da Freedom Trail em Boston. A enorme loja oferece aproximadamente 400.000 velas em mais de 200 aromas diferentes. Muito mais do que apenas velas aromáticas, a loja encontra-se dividida em diferentes setores, que vendem de tudo um pouco, passando por souvenires locais, enfeites natalinos, artigos de decoração, utensílios de cozinha, brinquedos e deliciosas guloseimas comestíveis.


As principais atrações da loja são: Candle Museum (onde o visitante pode conhecer a história da marca e aprender um pouco mais sobre o processo de fabricação das velas aromáticas), General Store (vende souvenires alusivos à região da Nova Inglaterra, assim como artigos esportivos para o inverno), Kitchen/Garden Shop (comercializa utensílios e objetos decorativos para cozinha, livros de culinária, ingredientes locais, deliciosas geleias e acessórios para o jardim ou área externa da casa), Bavarian Christmas Village (inaugurada em 1993, é uma espécie de vila alemã do século 14, composta por 18 charmosas casas, que oferece uma enorme quantidade de enfeites e presentes natalinos, onde no centro encontra-se uma árvore de natal de aproximadamente 8 metros de altura, além de contar com a Black Forest, área com direito a neve artificial e o melhor clima de natal) e The Toy Shop (nesta seção é possível encontrar a oficina, a casa do Papai Noel e uma infinidade de brinquedos educativos).


Mas claro, o maior setor da loja, que ocupa aproximadamente 1/4 do espaço físico, é o Candle Emporium, que como o nome já diz é voltado para as velas aromáticas e sazonais da marca, onde é possível fazer a própria vela no “Make your own Jar” ou até mesmo o molde da mão em cera no “Wax Works”. A loja também oferece deliciosas opções de alimentação, como por exemplo, a Yankee Candy (inaugurada em julho de 2011, é um setor dedicado às guloseimas, doces e chocolates, com mais de 125 opções para todos os gostos), Popcornopolis® (com pipocas gourmet de vários sabores, sempre fresquinhas), Au Bon Pain (que serve sanduíches, massas, sopas e saladas), Homemade Fudge (fudges deliciosos e fresquinhos, um doce feito com chocolate, leite, açúcar e manteiga) e sorvetes da marca . Uma curiosidade sobre esta enorme loja: em 1991 teve início uma tradição anual quando Papai Noel fez sua primeira chegada de helicóptero no local. Além desta loja, a marca possui uma segunda (neste formato) em Williamsburg no estado da Virginia, inaugurada em 2005.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. A última delas ocorreu em 2016, quando o logotipo apresentou uma tipografia de letra mais arredondada e moderna.


Com a nova identidade visual, também foram apresentados os novos design de rótulos.


Os slogans 
A Passion for Fragrance. 
America’s Best Loved Candle. 
The World’s Best Loved Candle.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1969 
● Fundador: Michael Kittredge 
● Sede mundial: South Deerfield, Massachusetts, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: The Yankee Candle Company Inc. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Newell Brands Inc.) 
● CEO: Hope Margala 
● Faturamento: US$ 1 bilhão (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 580 
● Presença global: 50 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 6.000 
● Segmento: Decoração 
● Principais produtos: Velas aromáticas, sprays aromatizantes e acessórios 
● Concorrentes diretos: Bath & Body Works, Wood Essence, , Colonial Candle, Partylite e Lancaster Colony 
● Ícones: As essências de suas velas 
● Slogan: A Passion for Fragrance. 
● Website:  

A marca no mundo 
Hoje, com mais de 200 fragrâncias, a marca oferece a maior e mais irresistível seleção de velas e aromas para casa. Além da renomada linha de velas aromáticas Housewarmer®, também oferece uma ampla variedade de velas sazonais e com características especiais, produtos aromatizantes para casa (como cera derretida aromática) e para o carro e acessórios para suas velas. Os produtos são vendidos em mais de 580 lojas próprias nos Estados Unidos, Canadá e alguns países europeus, além de vendas online, da crescente rede de revendedores, com mais de 35 mil lojas de varejo e da distribuição internacional para mais de 50 países. A empresa produz e vende mais de 200 milhões de velas por ano. 

Você sabia? 
A maioria dos produtos é feita por mestres na arte de fazer velas (candlemakers) nas modernas instalações da empresa no estado de Massachusetts. Aliás, suas velas são uma das poucas coisas que ainda levam o selo Made in U.S.A. 
As velas YANKEE CANDLE contêm a maior quantidade possível de óleos aromáticos, preparados especialmente para aromatizar o ambiente, deixando-o maravilhoso e inconfundível, seja para quem procura serenidade, relaxamento ou diversão. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 23/3/2018








De habilidosos designers a técnicas e tecnologias de produção pioneiras, a tradicional britânica CLARKS, que já calçou músicos como Nick Cave, Bob Dylan ou Robbie Williams, é especializada em calçados anatômicos para o conforto dos pés para todas as ocasiões. Para uma marca com quase 200 anos de uma rica história, todos merecem calçar um bom sapato. Por isso, os amantes de calçados que aliam conforto e estilo conhecem bem a marca CLARKS. 

A história
Tudo começou com Cyrus Clark, filho de fazendeiros, que abriu uma pequena oficina de tapetes feitos com lã de ovelha e pele de carneiro na modesta vila de Street, em Somerset, na Inglaterra. Em 1825, juntamente com a ajuda de seu irmão John, e para aproveitar os restos de lã e pele dos tapetes eles produziram os primeiros pares de calçados (na verdade uma espécie de pantufa feita com pele de ovelha) para serem utilizados dentro de casa, sendo maleável e incrivelmente agradável de calçar. Somente pouco depois, em 1830, esses calçados começaram a serem produzidos em grande quantidade e lançados com o nome de Brown Peter. Esses calçados foram um sucesso e permaneceram em produção por mais de 100 anos. Em 1833, com seu irmão definitivamente como sócio, a empresa passou a se chamar C&J Clark. Até então, as pantufas representavam mais de um terço do faturamento da empresa. Na próxima década, as vendas desses calçados cresceram, totalizando 12 mil pares por ano no início de 1840. A empresa também aproveitou outro subproduto da pele de ovelha, adicionando em sua linha de produto meias de lã. O crescimento da empresa foi auxiliado também pelas crenças Quaker da família. Como membros da Sociedade de Amigos, a família conseguiu aproveitar as conexões pessoais e comerciais em todo o Reino Unido e o Império Britânico, e a marca CLARKS rapidamente se tornou um nome proeminente no segmento de calçados no Reino Unido.


O negócio, no entanto, sofreu dificuldades nos anos seguintes, especialmente quando a demanda pelas pantufas despencou e quase levou a empresa à falência. Por isso, em 1863, a decisão tomada foi entregar o comando para William Stephens Clark, filho de James. O jovem tornou-se a força motriz para o crescimento da empresa no próximo século. Sob a nova geração da família, a empresa começou a recorrer a técnicas mais industrializadas, incluindo a adição de máquinas de costura Singer, que permitiram o aumento dos níveis de produção e também que a CLARKS começasse a experimentar novos projetos de calçados. Estes foram inicialmente vendidos sob um novo nome, Torbrand. No início da década de 1890, os experimentos de design levaram ao desenvolvimento de sapatos que seguiram mais de perto as linhas do pé. A CLARKS lançou então no ano de 1893 sua nova linha de sapatos, batizada de “Hygienic” e que se baseava na anatomia natural dos pés. O sucesso desse estilo de calçado levou a empresa a se especializar nos chamados sapatos de “conforto”.


A próxima geração da família se juntou ao negócio no início do século 20 e adotou processos de fabricação mais modernos, técnicas de produção em massa e incorporou novos materiais e novas tecnologias, incluindo técnicas para fabricar solas e palmilhas para melhorar o conforto dos sapatos. Em 1920, a empresa abandonou o nome Torbrand e colocou seu próprio nome em seus calçados, que passaram a se chamar CLARKS. Durante esta década, a marca respondeu às mudanças da moda no setor, particularmente no segmento feminino, e lançou novos sapatos e botas. Na década seguinte, a empresa começou a se expandir além da fabricação e controle de seu mercado de distribuição, o que resultou na aquisição de uma rede de lojas de calçados, rebatizada como Peter Lord, em 1937. A rede cresceu a nível nacional operando aproximadamente 180 lojas.


Após a Segunda Guerra Mundial, a CLARKS teve ainda mais sucesso, já que começou a exportar seus produtos. Um fator importante no sucesso da marca durante esse período veio com o lançamento da Desert Boot (foto abaixo), uma criação de Nathan Clark (bisneto de James), que se tornou parte da próxima geração a assumir a direção da empresa. Como ele havia servido no Exército Britânico na Índia durante a Segunda Guerra Mundial, se inspirou em botas trazidas do Egito por vários oficiais. Foi então que Nathan trouxe o design inicial, que apresentava uma parte superior de camurça em uma sola de borracha crepe, para a empresa. A primeira bota de cano curto Desert Boot foi produzida em 1946, mas foi somente em 1950 que a CLARKS lançou o modelo no mercado, que se tornou um sucesso imediato. A Desert Boot, com seu aspecto que remetia às areias do deserto, também expandiu a base de consumidores da marca, tradicionalmente direcionada para um cliente mais velho. A marca alcançou um novo sucesso em 1965 com o lançamento de outro design de calçado popular: o Wallabee, um sapato baseado no estilo do mocassim (de camurça e com uma sola única feita a partir de borracha crepe) que se tornou um clássico no segmento de calçados de conforto.


Enquanto isso, ainda na década de 1960, a CLARKS também começou a construir uma reputação mundial no segmento de calçados infantis, tornando-se um dos primeiros fabricantes a fornecer sapatos que levavam em consideração as particularidades dos pés das crianças. A empresa já investia há muito tempo no desenvolvimento de novas tecnologias, como por exemplo, um processo para a vulcanização de solas de borracha diretamente sobre as partes superiores do couro, isto ainda na década de 1950. Já na década de 1970, começou a trabalhar com o recém-desenvolvido material poliuretano, que sendo leve e resistente foi incorporado aos novos projetos de sola. No final desta década, a empresa deu continuidade ao processo de expansão internacional. Especialmente em 1978, quando a CLARKS voltou-se para o mercado americano através da fabricante Hanover. Um ano depois, realizou outra aquisição significativa, ao comprar a varejista Bostonian, fundada em 1899 e extremamente forte nos Estados Unidos. As duas aquisições deram à CLARKS uma base de fabricação com produção de aproximadamente 1.5 milhões de sapatos por ano e uma operação de varejo com mais de 500 lojas em todo Estados Unidos.


Nos anos de 1980, a CLARKS começou a perder mercado no Reino Unido e Estados Unidos, principalmente pelo enorme aumento da concorrência em seu setor. Depois de analisar suas operações a empresa passou por um programa de reestruturação completo em 1986, que incluiu encorajar uma série de executivos antigos a se aposentar antecipadamente para substituí-los por funcionários mais jovens. Com isso a empresa contratou Lawrence Tindale para ocupar o cargo de presidente, sendo primeira vez que alguém de fora da família Clark assumiu a liderança dos negócios. Foi então que a empresa começou a reposicionar sua operação de varejo, lançando um novo conceito de loja, a CLARKS SHOP, em uma tentativa de recuperar mercado. No final desta década, a empresa, devido aos altos custos de produção, foi forçada a começar a transferir suas unidades de produção para o exterior, o que foi acelerado na década seguinte. Além disso, a CLARKS também começou a fortalecer o design de seus calçados em um esforço para recuperar sua posição de mercado, particularmente no segmento feminino. E ainda nesta década a marca lançou o clássico Nature, um calçado inovador cujo estilo variava entre o esportivo e casual.


Nos anos seguintes, a CLARKS começou a adotar modelos de sapato mais modernos, ao mesmo tempo em que renovava seus formatos de lojas de varejo. Além disso, iniciou novos esforços de marketing para ampliar o apelo da marca, o que resultou no lançamento da campanha “Act your shoe size, not your age”, que ajudou também a renovar o interesse na botas Desert Boot, que foi adotada por uma nova geração de estrelas pop britânicas. E também criou uma linha de acessórios compostas por cintos, bolsas e carteiras. No início do novo milênio a CLARKS novamente voltou seu foco para expansão internacional, especialmente na Alemanha. A partir de 2010 a marca voltou seus esforços para a expansão na Índia e no enorme mercado chinês com a abertura de centenas de lojas. Mais recentemente a marca lançou a Trigenic Flex, uma linha de calçados inspirada nas mais avançadas tecnologias esportivas, mas projetada para um estilo de vida casual, que combina a inovação com artesanato especializado. Além disso, a marca vem constantemente fechando parcerias com renomados designers para lançar edições limitadas de seus maiores ícones.


Desde o início a CLARKS sempre pensou de forma diferente. E também faz as coisas diferentes. Do primeiro calçado criado pelos irmãos Clark em 1825 para o primeiro sapato em forma de pé do mundo, ou passando pelas coleções infantis disponíveis em diversos tamanhos e várias opções de largura, a marca britânica sempre quis democratizar a utilização de calçados de alta qualidade e conforto para o maior número de pessoas.


Os slogans 
Shoemakers since 1825. 
British shoe makers since 1825. (2011) 
Enjoy every step. (2008) 
Clarks. Shoes designed for living. (2006) 
Be your own label. (2005) 
Clarks. Shoes to live in. (2004) 
For all the places you’ll go.


Dados corporativos 
● Origem: Inglaterra 
● Fundação: 1825 
● Fundador: Cyrus e James Clark 
● Sede mundial: Street, Somerset, Inglaterra 
● Proprietário da marca: C. & J. Clark International Ltd. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Mike Shearwood 
● Faturamento: £1.65 bilhões (2016/2017) 
● Lucro: £19.9 milhões (2016/2017) 
● Lojas: 1.000 
● Presença global: 75 países 
● Presença no Brasil: Não 
● Funcionários: 15.350 
● Segmento: Calçados 
● Principais produtos: Sapatos, botas, sandálias, tênis e acessórios 
● Concorrentes diretos: , , , , Ecco, Aldo e Woodland 
● Ícones: As botas Desert Boot 
● Slogan: Shoemakers since 1825. 
● Website:  

A marca no mundo 
Atualmente a CLARKS, uma das maiores empresas produtoras de calçados do mundo, comercializa uma ampla linha de sapatos, botas, tênis casuais e sandálias (para homem, mulher e criança), além de acessórios como cintos, meias, carteiras e bolsas, em mais de 75 países através de 1.000 lojas (incluindo franqueadas) e outros milhares de pontos de vendas em grandes varejistas. Com faturamento anual superior a £1.65 bilhões (dados de 2016/2017) a marca vende 55 milhões de pares de calçados todos os anos. A cada 1 minuto a CLARKS vende 105 pares de calçados no mundo inteiro. 

Você sabia? 
Os históricos arquivos da empresa contem mais de 22 mil modelos de calçados, alguns deles revolucionários e icônicos, e outros tantos que marcaram diversas gerações. 
Atualmente descendentes da família Clark detém 80% da tradicional empresa. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 1/3/2018








“A mais autêntica cerveja mexicana”. É assim que a marca TECATE pode ser rapidamente definida. Com mais de sete décadas de uma inovadora história, falar sobre a cerveja TECATE é o mesmo que falar de um símbolo nacional mexicano. Seu familiar rótulo vermelho, prateado (outrora dourado) e estilizado de uma águia negra, está praticamente em todos os cantos do comércio, restaurantes e bares do país. 

A história 
Tudo começou em 1944 quando o empresário Don Alberto Aldrete resolveu construir uma cervejaria no estado da Baja California, em um lugar onde predominava principalmente grandes fazendas e próximo a fronteira com o estado americano da Califórnia. Ele instalou a nova cervejaria em antigo edifício construído em 1929, que até então era uma fábrica para produção de óleo vegetal. O empresário resolveu batizar sua nova cerveja de TECATE, mesmo nome da cidade onde a cervejaria estava instalada. A TECATE era uma cerveja tipo Pilsen, produzida com ingredientes 100% naturais e exigentes processos de elaboração, além de seu sabor característico de amargor médio. Pouco tempo depois, em 1947, a Cervecería Tecate já produzia 700 mil hectolitros, que chegavam inclusive ao continente asiático. Em 1949, a marca iniciou sua longa história de inovação ao lançar no mercado mexicano a primeira cerveja em lata de metal, que rapidamente diferenciou a TECATE de suas maiores concorrentes.


O sucesso regional da cerveja TECATE chamou a atenção da tradicional Cervecería Cuauhtémoc, fundada em 1890, e que adquiriu a TECATE em 1954. A incorporação da marca ao portfólio da Cuauhtémoc ajudou a catapultar as vendas nacionalmente e posteriormente em mercados internacionais. Nas décadas seguintes a TECATE conquistou milhões de consumidores mexicanos e se transformou em uma das marcas mais fortes do país. No ano de 1991, em uma demonstração de pioneirismo, lançou a primeira embalagem de 12 latas do mercado mexicano. Em 1992 a marca voltou a inovar ao lançar a TECATE LIGHT, primeira cerveja light do mercado mexicano e, que em pouco tempo, se tornaria líder em sua categoria. A cerveja TECATE LIGHT, com apenas 110 calorias, foi de primordial importância para o estabelecimento da marca no competitivo mercado americano. Em 1995, introduziu a tampa de rosca para suas garrafas, que dispensava assim a utilização de abridor. E pouco depois apresentou a primeira lata de “boca larga” do mercado mexicano. Nos anos seguintes, a marca utilizou uma linha de comunicação polêmica, conhecida principalmente por suas propagandas machistas e masculinas. Afinal, a marca se tornou um símbolo de masculinidade representada pela força da águia preta de seu logotipo.


Em 2010 a holandesa N.V. adquiriu a Cervecería Cuauhtémoc e consequentemente a marca TECATE, que a partir de então ampliou sua rede de distribuição e ingressou em novos mercados mundiais. Além disso, iniciou a expansão da linha de produtos da marca com o lançamento, em 2012, da TECATE MICHELADA (em lata de 473 ml), uma bebida que mistura cerveja com limão, especiarias e um toque de pimenta. Em 2013 a marca lançou no mercado a TECATE TITANIUM, uma cerveja forte e encorpada (com 5.5% de graduação alcoólica), mas agradável de beber, resultado de um processo exigente com uma combinação de maltes importados e variações de temperatura. Nesse mesmo ano a marca voltou a causar polêmica com a campanha “Es Fácil Ser Hombre”, que provocou protestos por parte de vários grupos de mulheres e chegou até em resultar em um campanha de abaixo assinado para retirar a campanha da mídia, pois retratava as mulheres como objetos sexuais. Uma das mais recentes novidades da marca, lançada em 2015, é a TECATE MICHELADA DIABLO, uma bebida refrescante e autêntica que mistura cerveja com suco natural de tomate e sabores naturais de limão, sal e especiarias.


A marca TECATE deve boa parte de sua alta popularidade no mercado mexicano em parte devido a sua estratégia de comunicação de associar a cerveja ao futebol e ao boxe, dois dos mais populares esportes entre o povo mexicano, com grandes patrocínios a eventos e a clubes (incluindo o Manchester City da Inglaterra). Um exemplo disso aconteceu em 2015 com uma campanha composta por quatro comerciais estrelados pelo ator Sylvester Stallone, cujo foco era o vínculo entre o boxe, a bebida e a masculinidade. Em todos os vídeos Stallone aparecia “enfrentando” homens com atitudes “menos masculinas” e os aconselhava a assistirem mais lutas de boxe.


Em 2016, a TECATE resolveu dar uma guinada radical em sua linha de comunicação, invariavelmente acusada de machista. A nova campanha resolveu apoiar a luta contra a violência doméstica (entenda-se violência contra as mulheres) com uma mensagem forte. A marca menciona que, assim como os códigos da sociedade e da masculinidade evoluíram nos últimos anos, a marca também se tornou mais madura e decidiu promover uma masculinidade moderna e inclusiva, dando o primeiro passo com esta campanha e começando uma nova era para a TECATE, a fim de se tornar mais atraente para homens de verdade no México e na América Latina. Na campanha a marca afirma não ser para certos tipos de homens e, que caso um cliente faça parte desse grupo, não deve comprá-la: “If you don’t respect her, Tecate is not for you” ( algo como “Se você não respeita uma mulher, Tecate não é para você”).


A evolução visual 
A identidade visual da marca TECATE passou por pequenas remodelações ao longo dos anos. O principal símbolo de sua identidade visual, a águia preta com um T no peito, sofreu leves modernizações através dos anos. Além disso, a tipografia de letra também foi levemente alterada, como por exemplo, em 2004 quando passou a ser escrita em itálico. O atual logotipo da marca foi adotado em 2015 e apresentou mudanças: a águia agora (de asas abertas) está pousada em cima (lado esquerdo) do nome da marca. Além disso, uma nova tipografia de letra foi apresentada (uma das principais diferenças está na letra A, que perdeu sua ponta).


As latas da cerveja também evoluíram ao longo dos anos. Até 2004, seu familiar rótulo vermelho, dourado e estilizado com uma águia negra com o fundo da colina de Cuchumá, a colina sagrada dos indígenas e parte do Patrimônio Cultural Imaterial do México, reinou absoluto como principal símbolo de identificação da marca. Depois de passar por uma remodelação em 2008, a tradicional lata ganhou um design mais agressivo e moderno em 2015, que substituiu a tradicional cor dourada pela prateada.


Os slogans 
Born Bold. (2016) 
All The Taste. All The Glory. (2014, Tecate Light) 
A Man Knows How to Choose His Team. (2013) 
Cervezas con carácter. (2010) 
Tecate: Por ti. (2008) 
Con carácter. (2007) 
Finally a Cold Latina. (2004)


Dados corporativos 
● Origem: México 
● Criação: 1944 
● Criador: Alberto Aldrete 
● Sede mundial: Monterrey, México 
● Proprietário da marca: CM/ México 
● Capital aberto: Não (subsidiária da N.V.) 
● CEO: Dolf van der Brink 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 16 países 
● Presença no Brasil: Não 
● Segmento: Cervejarias 
● Principais produtos: Cervejas 
● Concorrentes diretos: , , Modelo, Pacifico, Victoria, , Light, e  
● Ícones: A águia preta 
● Slogan: Born Bold. 
● Website:  

A marca no mundo 
Atualmente a marca TECATE, uma das mais importantes da cervejaria N.V., é comercializada em mais de 16 países ao redor do mundo. Segunda cerveja mais consumida do enorme mercado mexicano, a marca tem forte presença nos Estados Unidos, principalmente em estados com muitos imigrantes latinos, como por exemplo, Califórnia, Nevada, Arizona, Texas e Flórida. No México são vendidas 149 latas de TECATE por segundo. A principal cervejaria que produz TECATE está localizada na cidade de Tecate, no estado da Baja California, 60 milhas a sudoeste de San Diego, e cuja capacidade de fabricação é superior a 20 milhões de litros por mês, chegando a envasar 4 mil garrafas por segundo. 

Você sabia? 
As cervejas da marca TECATE representam 50% das vendas totais da no México. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 3/10/2017








O artista Damien Hirst, o ex-presidente Bill Clinton e a modelo Heidi Klum usam. E, para carregá-lo no pulso, realmente é preciso ter personalidade e muito dinheiro. Muito mais que relógios de luxo, as peças produzidas pela OFFICINE PANERAI figuram entre os grandes exemplos do melhor design italiano. Cada relógio PANERAI é tão especial como a tradição que o envolve. Afinal, relógios marcantes e de notáveis proporções constituem a assinatura de marca da manufatura de luxo da cidade de Florença. 

A história 
Tudo começou em 1860 quando o empresário e inovador artesão Giovanni Panerai inaugurou uma pequena oficina relojoeira em Ponte alle Grazie (mais tarde se mudaria para o Palazzo Arcivescovile, na Piazza San Giovanni, onde se encontram agora as suas instalações) na cidade italiana de Florença, com o apoio de alguns dos grandes mestres suíços da relojoaria e que incluía também uma escola de relojoaria. Após a morte de Giovanni Panerai em 1897, foi o seu filho Leon Francesco quem o sucedeu. Muito embora os documentos originais desta época tenham desaparecido nas enchentes de 1966, o que torna a história da empresa familiar difícil de reconstruir, é sabido que, no início do século XX, a empresa tinha o nome de Orologeria Svizzera. No início, importava componentes de relógios suíços, que eram depois montados e regulados na oficina de Florença, um trabalho que era feito pelos relojoeiros formados na própria escola da empresa. Entre os clientes da empresa constavam figuras proeminentes da sociedade de Florença e até mesmo a família real italiana. A partir de 1910, a empresa começou a produzir instrumentos técnicos de elevada precisão para a Regia Marina Italiana (Real Marinha Italiana). Uma carta de Giuseppe Panerai ao capitão Carlo Ronconi, parente da família Panerai, atesta o início da colaboração oficial neste ano, que se prolongaria de forma muito intensa durante toda a época dos conflitos mundiais. Iniciam-se, então, as primeiras experiências com materiais luminescentes, para permitir a legibilidade dos instrumentos em ambientes sem luz, até se descobrir um novo tipo de material baseado em fluído de zinco ativado com rádio, batizado de Radiomir (que mais tarde nomearia o primeiro relógio produzido pela marca). Na sequência desta descoberta, foram feitas várias encomendas, assim como pedidos de patente, que datam de 1916. O nome “Radiomir” deriva das palavras italianas “rádio” e “mira”.


O grande salto para a notoriedade da marca aconteceu nos anos de 1930, durante a militarização italiana da era fascista: a PANERAI passou a fornecer bússolas, relógios e lanternas de mergulho para as unidades submarinas de elite da Marinha Italiana, os célebres homens-rã. Finalmente em 1936, a então Guido Panerai & Figlio tornou-se oficialmente OFFICINE PANERAI, criando o primeiro protótipo de um relógio com uma concepção inteiramente nova, projetado para uma unidade militar especial secreta da Marinha Italiana. Esta produção, de uma natureza altamente especializada, já havia criado uma firme ligação entre o nome PANERAI e o mundo naval, com medidas de tempo e espaço e o desenvolvimento de padrões de qualidade e segurança superiores às normas, uma vez que ela era reservada exclusivamente para atender aos militares. Medidores de distância mecânicos, luminosos para lançamento de torpedos, dispositivos de mira, profundimetros, bússolas, temporizadores para minas - foi graças à tecnologia anteriormente desenvolvida neste setor que a marca foi capaz de criar um relógio militar especializado para uso subaquático. Era o surgimento do primeiro relógio militar para mergulho à prova d’água, o Radiomir, com uma grande caixa em forma de almofada em aço, com 47 milímetros de diâmetro, movimento e coroa rosqueada. Já o mostrador híbrido combinava os algarismos romanos e árabes com um triângulo posicionado às 12 horas.


Depois de passar por pequenas melhorias, em 1938, os relógios Panerai Radiomir passaram a fazer parte do equipamento oficial dos mergulhadores de combate, bem visíveis no pulso dos homens da divisão Gama, os quais a bordo de seus torpedos de baixa velocidade ou em nado livre executaram audaciosos ataques a navios inimigos durante a Segunda Guerra Mundial. Ao final do conflito, os relógios Radiomir rapidamente atraíram a atenção de colecionadores pelo mundo afora. As três centenas de peças produzidas tornaram-se raridades altamente cobiçadas. Um fato interessante: o mostrador do relógio caracterizava-se por uma excepcional luminosidade, obtida por marcadores de horas e ponteiros com uma tinta especial composta de uma mistura de sulfeto de zinco, brometo de rádio e mesotélio. A alta luminosidade da tinta permitia a utilização dos instrumentos na total escuridão sem a necessidade de iluminação auxiliar, o que poderia oferecer risco de identificação pelos inimigos.


Em 1942 a PANERAI desenvolveu aquela que é até hoje a sua imagem de marca: a famosa ponte com alavanca de bloqueio que protege a coroa do relógio. Em 1943 a marca criou outro relógio, também desenvolvido para uso da Marinha Italiana, mas reservado para os oficiais de convés. Era o Panerai Mare Nostrum, um cronógrafo com caixa a prova d’água, que não passou do estágio de protótipo devido à participação da Itália na guerra. A partir de 1950, o Panerai Luminor se juntaria ao Radiomir, e viria inclusive a substituí-lo. Este novo modelo manteve o formato da caixa e o mostrador do relógio histórico, mas introduziu importantes características. A resistência à água foi ampliada graças à adoção de uma ponte especial com alavanca para comprimir a coroa contra a caixa, enquanto o movimento utilizado era um calibre Angelus com 8 dias de reserva de marcha, que reduzia consideravelmente a frequência de carregamento do relógio e portanto a possibilidade de entrada de água pela coroa, o ponto mais vulnerável em relógios dentro da água. Outra importante inovação dizia respeito ao mostrador, cuja luminescência era obtida com base em trítio, e não mais em rádio. O relógio Panerai Luminor, fornecido a unidades especiais da Marinha Italiana, rapidamente tornou-se um item lendário, altamente procurado por colecionadores e entusiastas de todo o mundo.


Em 1956, foi criado um modelo Panerai Radiomir encomendado pela Marinha Egípcia. A sua diferença com relação às versões anteriores estava na presença de um aro rotatório com marcadores de intervalos de 5 minutos. No mesmo ano, a PANERAI criou um protótipo para mergulho em titânio, capaz de resistir a uma profundidade de 1.000 metros. Mas foi somente no ano de 1993, que pela primeira vez, a marca criou uma série limitada e numerada de relógios para venda para o público em geral - o Panerai Luminor Marina e o Mare Nostrum. Eram modelos inspirados nos relógios produzidos para as operações militares da Segunda Guerra Mundial. Dois anos mais tarde, por solicitação do ator Sylvester Stallone, a PANERAI criou uma série especial limitada do Panerai Luminor e Mare Nostrum, chamada Slytech. Todos os modelos traziam a assinatura do ator gravada no fundo.


Em 1997 a OFFICINE PANERAI foi adquirida pelo conglomerado de luxo Richemont, proprietário de marcas consagradas como , e . Até este momento a PANERAI era uma marca de nicho, cujos relógios eram difíceis de encontrar. A integração da marca ao grupo Richemont permitiu a sua evolução, tanto em termos técnicos como de desenvolvimento de imagem. A partir de então, ao valorizar os feitos históricos relacionados à Marinha Italiana e ao destacar a perfeição tecnológica e a preocupação estética dos relógios, o novo CEO da marca, Angelo Bonati, catapultou rapidamente a marca para o sucesso internacional. Primeiro ele optou por manter o DNA dos relógios militares, com caixas de 44 mm e de design limpo e simples. Esta decisão mostrou o caminho: preservar a integridade da história da marca. Ele também acertou ao posicionar seus produtos no mercado mundial de luxo. Ao mesmo tempo, do ponto de vista da comunicação e da visibilidade, conseguiu ligar a imagem dos relógios PANERAI às grandes regatas internacionais, bem como a eventos relevantes no setor do design. Por exemplo, desde 2005 a marca italiana patrocina a Panerai Classic Yachts Challenge, o maior circuito internacional de regatas reservadas a veleiros antigos e clássicos.


O ano de 2001 foi um grande marco na história da marca: a loja Bottega Panerai em Florença reabre na Piazza San Giovanni 16r. Esta era a loja inaugurada pela família Panerai no início do século anterior sob o nome Orologeria Svizzera. Em setembro de 2002, a empresa inaugurou uma moderna fábrica na cidade de Neuchâtel, na Suíça. A PANERAI alcançou o cobiçado status de manufatura em 2005, ano em que passou a desenvolver integralmente os seus próprios movimentos relojoeiros. Até esse ano, a sua produção era baseada nos calibres da ETA, empresa que pertence ao Grupo . O calibre P.2002 marcou um ponto de virada para a OFFICINE PANERAI. Afinal, tratava-se do primeiro movimento de manufatura inteiramente desenvolvido pela empresa em suas instalações, em Neuchâtel. O calibre mecânico compunha-se de um total de 247 componentes e tinha uma dimensão de 31 mm de diâmetro por 6.6 mm de espessura. Três tambores ligados em série asseguravam uma excepcional autonomia de 8 dias, sendo a indicação da reserva de marcha feita em uma janela no fundo.


Nos anos seguintes a marca iniciou a inauguração de sofisticadas lojas próprias em grandes cidades munais. Finalmente, no mês de julho de 2012, a PANERAI inaugurou sua primeira loja no Brasil, localizada no Shopping JK Iguatemi, em São Paulo. A unidade brasileira foi projetada no clássico estilo italiano e inspirada no universo náutico e passou a conquistar clientes que buscavam autenticidade ao invés do glamour. Em 2015, apresentou o primeiro relógio em carbotech, um material composto com base em fibra de carvão utilizado para a caixa do Luminor Submersible 1950 Carbotech 3 Days Automatic. Outro sucesso recente da marca é a parceria com a , fazendo da PANERAI a marca oficial de relógios da montadora italiana. Subdividida em duas coleções – Granturismo e Scuderia – trata-se de modelos fisicamente semelhantes ao Luminator, mas com um visual mais agressivo, em consonância com a forte personalidade da . Além disso, a maioria dos relógios das quatro linhas básicas da marca é feita em produção limitada (normalmente, de 500, 1.000, 2.000 ou 4.000 unidades), e vêm devidamente numeradas. Com isto, a marca consegue manter o status de exclusividade de seus inconfundíveis relógios. Durante sua rica história, das guerras mundiais às colinas de Hollywood, passando pelas forças navais italianas, pelo mundo do mergulho profissional e pela mítica , a história da OFFICINE PANERAI é marcada pelo grande impacto que causou nos mais variados ambientes.


A evolução visual 
A identidade visual da marca italiana passou por algumas remodelações ao longo dos anos.


Os slogans 
Laboratorio di idee. 
Where ideas come to life. 
L’ora della leggenda.


Dados corporativos 
● Origem: Itália 
● Fundação: 1860 
● Fundador: Giovanni Panerai 
● Sede mundial: Milão, Itália 
● Proprietário da marca: Compagnie Financière Richemont S.A. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Angelo Bonati 
● Faturamento: Não divulgado  
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 65 
● Presença global: 50 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 600 
● Segmento: Relojoaria de luxo 
● Principais produtos: Relógios 
● Concorrentes diretos: , , , , , e Girard-Perregaux 
● Ícones: Os modelos Radiomir e Luminor 
● Slogan: Laboratorio di idee. 
● Website:  

A marca no mundo 
A marca italiana vende suas preciosidades através de 65 lojas, incluindo a histórica butique em Florença, que funciona simultaneamente como museu, e selecionados pontos de venda em mais de 50 países ao redor do mundo. Hoje a marca italiana emprega 600 funcionários, 300 dos quais cuidam da produção na moderna fábrica em Neuchâtel, na Suíça. 

Você sabia? 
Produzidos na Suíça, em Neuchâtel, o relógios são desenhados por não mais do que dez designers no escritório da empresa em Milão. Afinal, manter o Made in Italy é fundamental na filosofia de sucesso da marca. 
Os relógios da marca custam entre R$ 20 mil e R$ 560 mil (o modelo Turbillion). 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 11/10/2017








Para músicos, tanto profissionais como amadores, a rede varejista americana GUITAR CENTER é um verdadeiro templo sagrado do consumo. Guitarras, baterias, violões e uma infinidade de equipamentos e acessórios musicais de grandes e renomadas marcas mundiais, tornaram a rede americana o destino preferido para quem ama música. Afinal, a missão da GUITAR CENTER é “Ajudar as Pessoas a Fazer Música”

A história 
As origens da GUITAR CENTER datam do ano de 1959 quando Wayne Mitchell comprou uma pequena loja que vendia e consertava órgãos eletrônicos para uso doméstico ou em igreja localizada em Hollywood, no estado da Califórnia. Pouco depois, em 1961, ele batizou a loja de The Organ Center. A história da empresa começaria a ganhar novos rumos em 1964 quando Joe Banaran, então presidente da Thomas Organ Company, se aproximou de Wayne em busca de uma saída para vender uma nova linha de guitarras e amplificadores, chamada Vox. Com a enorme popularidade dos Beatles, que estavam usando equipamentos Vox, tornou-se evidente que o futuro do varejo de instrumentos musicais estava na venda de guitarras e amplificadores, e não em órgãos. Wayne viu o momento certo para aproveitar esta promissora nova oportunidade de varejo e passou a vender guitarras e amplificadores, mudando o nome da loja para The Vox Center. Em 1971, a loja foi finalmente renomeada para GUITAR CENTER e mudou-se para um imóvel maior, na famosa Sunset Boulevard em Los Angeles. No ano seguinte, uma segunda loja foi inaugurada na cidade de San Francisco, seguida da terceira unidade em San Diego no ano de 1973. No restante da década a GUITAR CENTER continuou sua expansão geográfica pela Califórnia, além de ampliar a oferta de produtos, que incluía baterias e outros instrumentos musicais.


Depois de estabelecer uma forte presença no varejo da Califórnia, na década de 1980 a GUITAR CENTER começou a se expandir a nível nacional com a inauguração de novas lojas nas principais cidades americanas, como por exemplo, Minneapolis, Dallas, Houston e Chicago. Estas novas unidades, com seus tetos altos e espaço aberto para suportar a comercialização maciça de instrumentos, anunciaram o início do formato “superstore” para o seguimento. Outro fato que aumentou a popularidade da rede aconteceu em 1980, com a compra da fabricante de guitarra Kramer, que tinha como seu principal garoto-propaganda Eddie Van Halen. Em 1984, o fundador empresa, Wayne Mitchell, faleceu, deixando para trás uma equipe de gestão qualificada para dar continuidade a sua visão da enorme potência do varejo de instrumentos musicais. Em 1985, a rede já era composta por 12 unidades. Durante os anos de 1990, a GUITAR CENTER vivenciou um período monumental de crescimento, inaugurando aproximadamente 70 lojas ao longo da década, ganhando assim o apelido de “O maior varejista de instrumentos musicais do mundo”. Durante este período de crescimento acelerado, as grandes inaugurações ocorreram a uma taxa de uma ou duas lojas por mês, superando todos os outros varejistas de instrumentos musicais.


A partir de 1996, o comando de dois talentosos executivos garantiu o impulso necessário para a empresa continuar crescendo, culminando com a abertura de capital da GUITAR CENTER na Bolsa de Valores em 1997. Ainda este ano, a marca lançou seu próprio cartão de crédito - que se tornaria o Gear Card. Pouco depois, em 1999, a empresa adquiriu o Musician’s Friend, um dos principais comerciantes diretos de instrumentos musicais, iniciando assim a construção de uma forte presença online da marca. Em 2001 a empresa criou o Guitar Center Professional (conhecido como GC Pro) para atender as necessidades dos profissionais de gravação e estúdios. Com uma seleção abrangente de equipamentos de alta qualidade, serviço individualizado e consulta especializada, a GC Pro levou o serviço de atendimento da empresa a novos níveis. Nesta década, a empresa acelerou a aquisição de concorrentes, como por exemplo, o American Music Group (2001), a Music & Arts (2005), a Woodwind & Brasswind (2007) e a Music 123 (2007), adicionando 62 novas lojas a sua rede, juntamente com vários sites de varejo que atendiam a uma clientela de músicos completamente nova.


Nos anos seguintes, a empresa começou a se concentrar no desenvolvimento de programação de marketing de conteúdo que inspirava as pessoas a tocar música. Em 2014, a Ares Capital Management tornou-se acionista majoritária da GUITAR CENTER. Ainda neste ano a marca inaugurou uma enorme loja em plena Times Square, em Manhattan. Além disso, a empresa ampliou os serviços oferecidos em suas lojas para incluir aulas e pequenos cursos, aluguéis e reparo de instrumentos. Com objetivos sólidos e uma experiência inigualável oferecida por suas lojas, a missão da GUITAR CENTER é permitir aos músicos em todo o mundo experimentar a alegria que vem de tocar um instrumento.


Amor pela música 
Muito mais que um varejista de instrumentos e equipamentos musicais, a GUITAR CENTER tem em seu DNA o amor pela música. E transformou isso em uma ótima ferramenta de marketing. Como por exemplo, em 1985, quando inaugurou em sua famosa loja da Sunset Boulevard a Guitar Center RockWalk (imagem abaixo), uma espécie de calçada da fama que honra grandes nomes e bandas que deram contribuições significativas para a indústria da música. Eles são convidados a colocar as impressões das mãos em blocos de cimento. Os primeiros indicados foram Stevie Wonder, Eddie Van Halen, Jim Marshall, C.F. Martin e Remo Belli, que deixaram suas mãos gravadas na calçada. Nos anos seguintes, monstros sagrados da música como AC/DC, Aerosmith, Marvin Gaye, James Brown, Eric Clapton, Chuck Berry, James Brown, The Doobie Brothers, BB King, Jerry Lee Lewis, Little Richard, Alice Cooper, Jimmy Page, Johnny Cash, e tantos outros, passaram a fazer parte da RockWalk. Adicionalmente, dentro da loja, estão expostos em diversas galerias vários instrumentos de grandes personalidades da história da música, como Elvis Presley, Johnny Cash, Jeff Beck, Kurt Cobain, dentre vários outros. Além disso, em 1988 a marca criou o Guitar Center Drum-Off, uma competição para revelar jovens e talentosos bateristas. A tradicional competição já teve 28 edições.


Os slogans 
Find your sound. 
All we sell is the greatest feeling on earth. (2014) 
We help people make music. 
The Musician’s choice.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1959 
● Fundador: Wayne Mitchell 
● Sede mundial: Westlake Village, Califórnia, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Guitar Center Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Ron Japinga 
● Faturamento: US$ 2.14 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 269 
● Presença global: Não (presente somente nos Estados Unidos) 
● Funcionários: 10.000 
● Segmento: Varejo 
● Principais produtos: Guitarras, violões, baixos, baterias, equipamentos e acessórios musicais 
● Concorrentes diretos: Sam Ash Music, Sweetwater, American Musical Supply e  
● Ícones: A RockWalk da loja de Los Angeles 
● Slogan: Find your sound. 
● Website:  

A marca nos Estados Unidos 
Atualmente a GUITAR CENTER, maior varejista do mundo especializada em instrumentos e equipamentos musicais, possui mais de 260 lojas espalhadas por 32 estados americanos. Com faturamento anual estimado superior a US$ 2 bilhões, a rede tem mais lojas nos estados da Califórnia, Flórida, Illinois e Nova York. Além de instrumentos musicais de todos os estilos, a rede também oferece uma enorme variedade de equipamentos de áudio, gravação, efeito, iluminação e DJ. 

Você sabia? 
A varejista americana ainda é proprietária da Music & Arts, rede que opera mais de 150 lojas especializadas na venda e aluguel de instrumentos para bandas e orquestras, atendendo professores, diretores de banda, professores universitários e estudantes desde 1952. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 13/12/2017








Um pedaço da rica gastronomia da Louisiana em cada refeição. E de forma rápida. Assim são todos os itens oferecidos pelo cardápio da rede americana POPEYES, que oferece um toque especial de preparação ao estilo sulista americano. Por isso, a POPEYES distingue-se com um cardápio exclusivo de uma culinária exótica, com frango picante e camarão frito, entre outros itens regionais da cidade de Nova Orleans. 

A história 
Tudo começou no dia 12 de junho de 1972 quando Alvin Charles “Al” Copeland (foto abaixo) inaugurou o restaurante Chicken on the Run no subúrbio de Arabi, na cidade de Nova Orleans, Louisiana, estado conhecido por sua exuberante culinária recheada de temperos. Inicialmente o pequeno estabelecimento vendia o tradicional frango frito do sul, com costa crocante e carne suculenta. Após alguns meses de desempenho fraco, ele reabriu o restaurante com o nome de POPEYES MIGHTY GOOD FRIED CHICKEN, servindo desta vez o tradicional frango frito picante ao estilo de Nova Orleans. Apesar de muitos acharem que o nome foi em homenagem ao famoso , aquele mesmo comedor de espinafre, a verdade é que foi inspirado no detetive Jimmy “Popeye” Doyle do filme “The French Connection” (“Operação França”). O slogan original do novo restaurante era “So fast, you get your chicken before you get your change” (algo como “Tão rápido, que você pega seu frango antes de conseguir o seu troco”). Aos pouco, o estabelecimento começou a ficar popular em virtude da qualidade de suas comidas.


Em 1976, como uma oportunidade de crescimento, a empresa inaugurou sua primeira loja franqueada, na cidade de Baton Rouge, também no estado de Louisiana. A rede começou a se tornar popular em 1980 com o lançamento da campanha “Love That Chicken from Popeyes” (algo como “Ame aquele frango da Popeyes”). Em 1983 a rede introduziu o que seria um dos itens mais populares do cardápio: Buttermilk Biscuits (deliciosos biscoitos de leite coalhado). No ano seguinte a POPEYES iniciou sua escalada internacional ao inaugurar uma loja na cidade de Toronto no Canadá. O crescimento da rede era tão forte, que em 1985, a empresa inaugurou sua loja de número 500 em Landover, estado de Maryland, colocando assim a marca em pé de igualdade com os grandes concorrentes nacionais. Com isso, POPEYES se tornou a rede de fast food especializada em frango número três do mercado americano, baseada no número de unidades. No final desta década, a rede introduziu em seu cardápio, inicialmente em edição limitada, a lagosta. Além disso, a empresa adquiriu em 1989 a Church’s Chicken, então a segunda maior rede baseada em frango frito do mercado americano.


Pouco depois, em 1991, a POPEYES ampliou sua presença internacional com a inauguração de um restaurante na cidade de Kuala Lumpur, na Malásia. O rumo da empresa começou a mudar no mês de outubro de 1992, quando a recém-constituída America’s Favorite Chicken Company comprou a POPEYES e a Church’s Chicken, ambas focadas em frango frito. No ano seguinte a rede ingressou em uma nova era quando o design de seus restaurantes começou a ser modernizado. Em 1996, a rede inaugurou sua milésima loja na cidade de Atlanta, no estado da Geórgia. No final desta década, em 1999, já com vasta presença em boa parte do território americano, a POPEYES ultrapassou pela primeira vez o faturamento de US$ 1 bilhão. Pouco depois, em 2001, a rede se tornou a segunda maior do mercado americano em seu segmento (em número de unidades).


Em 2008, a marca se reinventou como Popeyes Louisiana Kitchen, com base em suas raízes de longa data na culinária caseira inspirada no estado da Louisiana. Isso incluía um novo logotipo, novos produtos diferenciados e uma nova campanha publicitária divulgando o slogan “Louisiana Fast”. Surgiu então o BONAFIDE® CHICKEN, pedaços de frango marinados em temperos picantes, depois fatiados e empanados em um exclusivo revestimento crocante típico da região de Louisiana.


Em 2009 a POPEYES se tornou ainda mais popular com o lançamento de uma campanha publicitária onde apresentou ao público a carismática porta-voz “Annie the Chicken Queen”, uma fictícia chef afro-americana com um doce e hospitaleiro sotaque da Louisiana, interpretada pela atriz Deidrie Henry. No ano seguinte, a personagem vem à televisão para comunicar que o frango BONAFIDE® da POPEYES bateu o Original Recipe® em um teste nacional. Pouco depois, em 2011, a rede inaugurou seu restaurante de número 2.000 na cidade de Memphis, estado do Tennessee. Além disso, lançou edições limitadas de seu famoso frango frito. Em 2014 lançou o Beer Can Chicken, peito de frango parcialmente cortado em tiras e marinado em alho, alecrim, pimenta e casca de limão, antes de ser empanado e frito.


Em março de 2017 a Restaurant Brands International adquiriu por US$ 1.8 bilhões a rede POPEYES. No início de 2018 a rede anunciou seu ingresso no mercado brasileiro, com a inauguração de uma loja em breve. A rede acredita que a tradição da cultura da cozinha da Louisiana, que incorpora a paixão pela comida combinando ingredientes de alta qualidade, frescos e de sabor marcante, será muito bem recebida em todo o país, trazendo aos brasileiros pratos de alta qualidade e sabor, feitos sem pressa, mas servidos com rapidez.


O cardápio 
A rede POPEYES se diferencia por um exclusivo cardápio ao estilo de Nova Orleans, que é a região de culinária mais rica dos Estados Unidos, com frango temperado picante, camarões fritos (marinados em ervas da Louisiana e empanados com uma receita exclusiva) e outros itens regionais, como sanduíches, saladas, acompanhamentos com temperos cajun e creole (típicos da Louisiana) e deliciosas sobremesas. Além de seu frango frito empanado, um de seus carros-chefe é o sanduíche CHICKEN PO’BOY (dois tenros pedaços de frango empanado em uma baguete francesa, com alface, picles e maionese). A rede também serve pratos familiares com 8, 12 ou 16 pedaços de frango, complementos e deliciosos biscoitos quentes. O tradicional frango frito da POPEYES é fresco e não congelado - e passa mais de 12 horas marinando na loja antes de ser empanado.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. Originalmente vermelho, o logotipo passou por uma discreta atualização alguns anos depois. Em 1993 foi apresentada uma identidade visual mais colorida e complexa. Finalmente em 2008 adotou novas cores, novo design e uma nova tipografia de letra. Além disso, apresentou um novo posicionamento da marca que passou de Popeyes Chicken & Biscuits para Popeyes Louisiana Kitchen.


Nas fachadas de suas lojas o logotipo pode ser aplicado na versão abaixo.


Os slogans 
Louisiana fast. (2008) 
Love That Chicken from Popeyes. (1980) 
So fast, you get your chicken before you get your change. (1972)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 12 de junho de 1972 
● Fundador: Alvin Charles “Al” Copeland 
● Sede mundial: Dunwoody, Geórgia, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Popeyes Louisiana Kitchen Inc. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Restaurant Brands International Inc.) 
● Presidente: Alexandre de Jesus Santoro 
● Faturamento: US$ 1.5 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 2.800 
● Presença global: 25 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Segmento: Alimentação rápida 
● Principais produtos: Frangos fritos, sanduíches, saladas e frutos do mar 
● Concorrentes diretos: , Church’s Chicken, , , , Chester’s, El Pollo Loco,  e  
● Ícones: Bonafide® Chicken 
● Slogan: Louisiana fast. 
● Website:  

A marca no mundo 
Atualmente a POPEYES opera mais de 2.800 lojas em mais de 25 países ao redor do mundo, sendo a segunda maior rede de alimentação rápida focada em frango no planeta, atrás apenas do . Pertencente a Restaurant Brands International Inc., também proprietária do e da canadense , a POPEYES fatura mais de US$ 1.5 bilhões anualmente. 

Você sabia? 
Até 2006, a marca detinha os direitos de usar a imagem do em suas campanhas publicitárias. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Newsweek, BusinessWeek, Forbes, Fortune, Exame e Isto é Dinheiro), jornais (Valor Econômico, Folha e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Mundo Marketing), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 2/4/2018








Acontece nos melhores almoços de família: assim que a massa é servida, o olho percorre a mesa à procura do queijo parmesão. E quando o assunto é parmesão, o tradicional Faixa Azul é o preferido de milhões de brasileiros. Ícone e sinônimo de queijo parmesão, a marca conquistou esse status ao manter uma receita tradicional e exclusiva por mais de 70 anos, que garante sabor e textura insuperáveis. E nos últimos anos a qualidade do parmesão se estendeu a outros tipos de queijos como brie, camembert e emmental, oferecendo assim a mais completa linha de queijos especiais do mercado brasileiro. 

A história 
O parmesão, um dos queijos mais apreciados do mundo, surgiu na cidade de Parma, na Itália, por volta do ano de 1200. Dali, ele ganhou fama como ingrediente de receitas das mamas, como gratinados, massas e risotos, e também pelo consumo puro, em lascas, sem ou com acompanhamentos como azeite. Apesar da qualidade parmigiano-reggiano ter denominação de origem controlada (só pode ser fabricado com esse nome nas cidades de Parma, Reggio Emilia, Modena, Bolonha e Mântua), a marca brasileira Faixa Azul se tornou sinônimo de parmesão no país. E sua história começou quando o imigrante italiano Don Vito Antonio D’April desembarcou no Brasil vindo diretamente da cidade de Parma, trazendo consigo uma receita do tradicional queijo parmesão. Pouco tempo depois, Mestre Vito, como ficou conhecido, iniciou à produção de seu queijo parmesão artesanal em São Gonçalo do Sapucaí, no sudoeste do estado de Minas Gerais.


O cuidado com cada detalhe, o processo adequado para salmoura e o tempo apropriado de maturação (12 meses) resultaram em um queijo de sabor sem igual. Para finalizar cada queijo, Mestre Vito dava um toque especial: uma faixa azul pintada à mão simbolizando a nobreza e a tradição de seus produtos. Rapidamente a notícia se espalhou e os queijos da “Faixa Azul” conquistaram o paladar de toda a região. Em 1940, este fato chamou a atenção da empresa , que tinha acabado de inaugurar uma fábrica na mesma cidade e convidou Don Vito para produzir o queijo parmesão. Faixa Azul tornou-se então a primeira marca de queijo parmesão produzido em escala industrial no Brasil, mantendo sua receita original e o acabamento artesanal. Inicialmente produzido em peças, nas décadas seguintes a marca lançou novas versões do tradicional queijo, como por exemplo, o ralado (que rapidamente caiu no gosto das famílias brasileiras pela praticidade), em lascas e o light (com gorduras totais reduzidas).


Em 2012, o tradicional queijo parmesão chegou às gôndolas em duas edições limitadas pensadas com exclusividade para o fim de ano, o Faixa Azul Reserva Edição Especial, cuja maturação de 18 meses garante sabor mais acentuado e marcante ao queijo e que foi desenvolvido para agradar aos paladares mais exigentes e aos apreciadores da alta gastronomia; e o Faixa Azul Edição Especial, aguardado todos os anos, sendo uma versão miniatura, modelado em uma forma de 2.5 quilos (o convencional da marca pesa 7.5 quilos), e embalado em uma lata comemorativa para remeter à tradição e ao bom gosto da Faixa Azul.


Em 2013 a marca fortaleceu ainda mais sua posição no mercado com lançamento de novos produtos e uma nova campanha de marketing, cujo conceito era “A espera é uma arte”, que chamava a atenção para o principal diferencial do produto: o processo de, pelo menos, 12 meses de maturação. A campanha nasceu da essência do produto e da marca, que acredita que, para ser o primeiro, não se pode correr ou ter pressa. Além disso, uma parceria com o chef Olivier Anquier tinha o objetivo de mostrar o lado gourmet da marca e divulgar novas opções de consumo com a reconhecida qualidade do parmesão Faixa Azul. Já os novos lançamento contaram com o Faixa Azul Ralado Grosso (ideal para usar em receitas gratinadas e dar um toque especial aos pratos), o Fondue Faixa Azul pré-pronto (uma receita inédita que leva parmesão no preparo, além de queijo emmental) e a linha de cremes premium com as opções Parmesão, Emmental e Brie.


Em 2014, a Faixa Azul apresentou uma nova identidade visual para suas embalagens, cujo objetivo era traduzir os valores e a qualidade da marca em uma linha com grande tradição no mercado. O resultado: embalagens com visual moderno, atrativo e arrojado, com o personagem inspirado em Vito Antonino D’April, lendário mestre queijeiro da marca, pintando a tradicional faixa azul. Durante décadas a imagem da marca Faixa Azul ficou mais atrelada ao queijo parmesão. Mas isto começou a mudar em 2015, quando a marca resolveu expandir sua linha com o lançamento de outros tipos de queijos, como gouda, gruyère, emmental, brie, camembert e blue cheese (sendo os três últimos importados em uma parceria com a dinamarquesa Arla Foods), todos seguindo a tradição e alta qualidade de seu principal produto.


Hoje em dia, a produção do Faixa Azul continua sendo feita de modo artesanal, na cidade mineira de São Gonçalo do Sapucaí, onde tudo começou há mais de sete décadas. Os queijos são virados um a um, todos os dias, para que a maturação ocorra de maneira uniforme. A casca do queijo também recebe um tratamento especial com óleo de urucum. Já a faixa azul é pintada no queijo somente quando ele está pronto para o consumo. O resultado desse processo é um produto com características específicas como consistência dura, superfície granulosa, odor suave para forte e sabor mais marcante e persistente, mais adocicado e ácido que a média dos queijos ralados do mercado.


Em 2017, a marca Faixa Azul conquistou o reconhecimento internacional. Isto porque, seu famoso parmesão com 12 meses de maturação, muito admirado pelos brasileiros, ganhou medalha de ouro durante a maior premiação de queijos do mundo: o World Cheese Awards. O título foi entregue durante o Festival Internacional de Queijos de San Sebastián, na Espanha. Além do ouro, Faixa Azul também ganhou medalha de bronze, que foi concedida ao Parmesão Reserva 18 meses de maturação. A conquista deste importante reconhecimento internacional colocou a marca brasileira no mais seleto e restrito grupo dos melhores queijos do mundo. Além disso, com a compra da pelo Grupo Lala, a marca Faixa Azul passou a fazer parte do portfólio da empresa mexicana.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por pequenas remodelações ao longo dos anos. Em 2014 a marca apresentou um novo logotipo, cujo design da tradicional faixa azul foi modernizado, ganhando uma leve inclinação e adotando uma nova tipografia de letra.


Os slogans 
A espera é uma arte. (2013) 
Faixa Azul. A marca dos melhores queijos.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Lançamento: 1940 
● Criador: Vito Antonio D’April 
● Sede mundial: São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Vigor Alimentos S.A. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Gilberto Xandó 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: Não (presente somente no Brasil) 
● Segmento: Laticínios 
● Principais produtos: Queijos 
● Concorrentes diretos: , , Scala, Quatá, Blakis, La Serenissima, e  
● Ícones: A faixa azul 
● Slogan: A espera é uma arte. 
● Website:  

A marca no Brasil 
A marca Faixa Azul está presente em boa parte do mercado brasileiro, com forte presença na região sul e sudeste, oferecendo uma completa linha de queijos especiais (mais de 10 produtos), além é claro do seu tradicional parmesão (disponível nas versões corte fatia, corte cilíndrico, forma, ralado tradicional, ralado grosso e light). 

Você sabia? 
Os queijos de faixa azul eram assim marcados, pela sua qualidade e para identificar - facilmente - pois naquele tempo (há séculos atrás) nem todos sabiam ler o tipo de queijo. A faixa azul era reservada para o queijo parmesão de boa qualidade, pois algumas fábricas diferenciavam assim o seu Parmegianno do “queijo tipo parmesão”, baseado nos mesmos princípios, mas de menor qualidade. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Época Negócios e Exame), jornais (Valor Econômico, Estadão, Folha e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 19/4/2018








O redondinho vermelho inconfundível torna a hora do lanche uma verdadeira diversão. Feito com leite pasteurizado e rico em proteínas e cálcio, o queijo Mini Babybel® é a companhia perfeita para acompanhar deliciosos sanduíches e snacks. Os ingredientes para o seu sucesso incluem uma receita simples e saudável, com 98% de leite, um sabor único e um gosto pela inovação, que conquistou milhões de gulosos pelo mundo afora. 

A história 
Para contar a história da marca Mini Babybel® é preciso voltar ao ano de 1865 quando Jules Bel fundou uma pequena empresa produtora de queijos em Orgelet na região francesa de Jura. Mas foi somente em 1921 que a empresa inovou ao criar o primeiro queijo processado em porção individual (com seu tradicional formato triangular), lançado no mercado com a marca que a tornaria uma das companhias líderes globais na venda de queijos, a “La Vache qui Rit”, ou em uma tradução simples para o português: “A Vaca Que Ri”. Outro fato histórico para a empresa aconteceu no ano de 1952 com o lançamento do Babybel® (em embalagem de 200 gramas), um queijo Tipo Saint Paulin de origem francesa e criado pelos monges Trapistas. Este queijo é fabricado com leite pasteurizado e caracterizado por sua massa amarela, muito macia, untuosa e fechada, de sabor suave e sem acidez. Sua casca fina, amarelada, se forma com tratamento com água, salmoura e uma pequena dose de corante de urucum.


Mas este queijo faria sucesso realmente só em 1977, quando foi lançado no mercado francês o Mini Babybel®, a versão reduzida (embalagem de 20 gramas) do tradicional queijo, feito com 98% de leite, sem corantes ou conservantes e naturalmente ricos em cálcio e proteínas. Mini Babybel® trouxe ao consumidor francês uma nova e inédita delícia, oferecendo o sabor único do Babybel® envolto em pequenas conchas individuais redondas feitas de cera (parafina) vermelha, para manter seu frescor. Prático, delicioso e em sintonia às novas tendências de consumo, o novo produto fez sucesso imediato, especialmente entre as crianças no lanche escolar. Isto porque, o queijo foi lançado para facilitar a vida, e por isso era tão conveniente. Afinal, as porções individuais do delicioso queijo não requeriam talheres e davam independência às crianças ao desembrulhar e comer. Além de ser prático no lanche escolar, era ideal para levar na bolsa e o tamanho exato para aquele lanchinho fora de hora.


Já o crescimento internacional da marca começou em 1979, quando Mini Babybel® cruzou o Atlântico para ser lançado na costa americana, seguido de sua entrada em novos mercados na Europa (no Reino Unido, um de seus mais importantes mercados, foi lançado em 1981), Ásia e África. Então começou a deliciosa história do Mini Babybel® e seus fervorosos fãs nos cinco continentes. No mercado americano, desde seu lançamento, a marca se estabeleceu como um lanche saudável e divertido para ser consumido em qualquer lugar - o que o tornou particularmente adequado aos hábitos alimentares americanos. O Mini Babybel® também ficou conhecido por sua embalagem, consistindo de uma bolsa de rede em que cada pedaço de queijo é envolto em cera, com um invólucro de celofane externo. A primeira variação do produto foi o Mini Babybel® Light (embalagem azul-clara), um queijo com menos gordura e calorias que o original, introduzido na década de 1990.


A partir de 1998 outras variações do tradicional queijo foram lançadas no mercado como Mini Babybel® Cheddar (embalagem roxa, lançado em 2000), Mini Babybel® Gouda (embalagem laranja), Mini Babybel® Emmental (embalagem amarela), Mini Babybel® Goat (queijo de cabra), Mini Babybel® White Cheddar (embalagem creme ou preta, lançado em 2011), Mini Babybel® Sharp Original (embalagem vermelho-escuro) e Mini Babybel® Mozzarella (embalagem verde), este último introduzido em 2012. A marca também lançou novos produtos, como por exemplo, o Babybel® Maxi, com embalagem de 200 gramas ou 380 gramas; o Chesse and Crackers, uma prática embalagem com um dos seus pequenos queijos juntamente com um pacote de bolachas crackers; e o Mini-Roulés, o tradicional queijo em um novo formato, enrolado em tiras.


Além das variações, a marca também passou a oferecer aos consumidores edições limitadas (incluindo uma com vários sabores diferentes) e embalagens especiais em datas comemorativas, como por exemplo, o Dia das Bruxas, oferecendo assim a mesma alta qualidade e senso de diversão saudável que fizeram do Mini Babybel® um enorme sucesso. Mais recentemente, em 2016, para atender a alta demanda do mercado americano, a empresa inaugurou uma nova fábrica em Brookings, no estado da Dakota do Sul, cuja capacidade de produção é superior a 1.5 milhões de unidades por dia. A grande novidade recente da marca é o Mini Babybel® Bio, produzido a partir de leite 100% biológico.


Além de nutricionalmente ricos, estes queijinhos são também inovadores do ponto de vista da utilização, pois possuem uma forma ideal para transportar e consumir em qualquer local ou a qualquer hora: na escola, na praia, em festas ou em passeios de família. Já na gastronomia, o Mini Babybel® é ideal para ser consumido com vinho branco suave e com espumantes. Como aperitivo, lanche ou até servido com legumes ou uma salada de folhas para o almoço ou jantar, essas delícias encontraram o seu lugar em todos os paladares.


Uma campanha criativa 
Recentemente em Portugal, a marca lançou a campanha Esquadrão Queijinho, onde super-heróis animados (em formatos dos tradicionais queijinhos) tinham como principal missão salvar mães e filhos das tentações menos saudáveis na hora de escolher um snack ou preparar o lanche para a escola. O esquadrão composto por Super Queijinho, Super Geek, Super Artista, O Capitão Palhaço, Miss Zen e Miss Aventura, mostra que Mini Babybel® é saudável, nutritivo e conveniente. O mote da campanha era “Salva o Dia com Babybel”.


A polêmica 
Em 2012, a tradicional marca se envolveu em uma enorme polêmica na França. Isto porque a marca sofreu a ira dos consumidores franceses devido a uma promoção dirigida ao público infantil que foi considerada apelativa e ofensiva para com as pessoas com dificuldade de aprendizagem. O queijo famoso, redondo, com embalagem vermelha e comum em lanches escolares na Europa, estava dando carimbos de tinta para a criançada na França no verão. Um deles dizia: “Des vacances de malade mental”, uma expressão que em linguagem figurada significa “tenha férias mentais”, mas em linguagem literal diz “tenha férias como um doente mental”. Associações francesas de pais de crianças com dificuldades de aprendizagem imediatamente expressaram sua indignação e ameaçaram um boicote à marca e todos os seus produtos.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. Inicialmente representado pela icônica embalagem do produto (redonda e vermelha), o logotipo passou por duas remodelações (1990 e 2003), ganhando novas tipografias de letras e design. Em 2014, a atual identidade visual da marca foi apresentada, representada pela embalagem do produto em uma versão totalmente modernizada.


Os slogans 
Snack a little bigger. (2013) 
Unwrap Your Inner Child. 
Real cheese, only smaller. (2008) 
Real cheese, worth chasing. (2007)


Dados corporativos 
● Origem: França 
● Lançamento: 1952 (Babybel®) e 1977 (Mini Babybel®) 
● Criador: Fromageries Bel S.A. 
● Sede mundial: Suresnes, França 
● Proprietário da marca: Fromageries Bel S.A. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Antoine Fiévet 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 76 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Segmento: Alimentos 
● Principais produtos: Queijos 
● Concorrentes diretos: , Saint Albray, Galbani e  
● Ícones: A embalagem de cera vermelha 
● Slogan: Snack a little bigger. 

A marca no mundo 
Atualmente a Mini Babybel®, sexta maior marca do mercado mundial de queijos, é comercializada em 76 países e oferece diversas variedades. Aproximadamente 75% do consumo de Mini Babybel® é feito fora da França e por ano são devoradas mais de 1 bilhão de unidades do delicioso queijinho, extremamente popular nos Estados Unidos, Reino Unido e França. A marca pertence ao grupo francês Bel, também proprietário de outras famosas marcas de queijo como The Laughing Cow e Boursin. 

Você sabia? 
A tradicional embalagem do produto pode variar de país para país. Por exemplo, na Europa são 6 mini-queijos em cada embalagem. Já no Brasil são cinco unidades. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Newsweek, BusinessWeek, Forbes, Fortune e Exame), jornais (Valor Econômico, Folha e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Mundo Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 10/4/2018








O universo da música na palma da mão. A qualquer hora. Em qualquer lugar. Assim é o DEEZER, um dos mais populares serviços de streaming de músicas do planeta. Combinando recomendação humana dos editores da empresa com tecnologia de ponta, o DEEZER ajuda milhões de pessoas a descobrirem a música perfeita. 

A história 
Tudo começou em 2006 quando o francês Daniel Marhely (foto abaixo), na época com 22 anos, começou a trabalhar em um projeto, cujo objetivo era simplificar o acesso à música para seus amigos. De dentro do seu quarto, em Paris, Daniel rapidamente identificou o potencial de sua ideia e reuniu uma pequena equipe, que incluía Jonathan Benassaya, para tirar o projeto do papel. O projeto ganhou forma sob o nome de Blogmusik. Rapidamente, o site se tornou popular e gerou tanto buzz que Daniel decidiu fechá-lo depois da objeção dos detentores dos direitos autorais das músicas. Para resolver este problema, Daniel foi negociar diretamente com os proprietários dos direitos autorais, o que levou a um acordo histórico assinado em 2007. Finalmente no mês de junho o Blogmusik voltou ao ar com o nome de DEEZER, o primeiro serviço de streaming gratuito e legal, cujos direitos autorais das músicas foram negociados com gravadoras e artistas. Não demorou muito para que investidores e outras gravadoras aderissem ao projeto.


Em 2009, o DEEZER adquiriu os catálogos de todas as grandes gravadoras e de mais de 1.000 selos independentes, ampliando assim sua oferta de músicas. Neste mesmo ano ocorreu o lançamento do Deezer Premium+, um plano de assinatura que dava direito a serviços exclusivos, não somente música on demand, mas também entretenimento e esportes, sem publicidade, e em áudio de alta qualidade, através do computador, dispositivos móveis e tablets. Em 2010, assinou o primeiro acordo com a operadora de telefonia móvel Orange France para integrar o serviço Deezer Premium+ ao plano do celular, ampliando assim sua base de usuários. Atualmente, o DEEZER tem parceria com mais de 40 empresas de telecomunicação, incluindo a no Brasil. No ano seguinte a marca iniciou sua expansão internacional com o lançamento de seus serviços no Reino Unido e pouco depois em outros países da Europa. Além disso, o integrou DEEZER como um de seus aplicativos de música escolhidos. Isto tornou o serviço ainda mais popular.


Em 2012, a empresa já tinha recebido mais de €100 milhões em investimentos. Com isso, o DEEZER pode acelerar ainda mais sua expansão internacional e investiu em tecnologia de ponta. Em 2013 a marca apresentou mais uma novidade: o App Studio, um espaço dedicado a todos os aplicativos integrados ao DEEZER. Foi também neste ano que o DEEZER foi lançado oficialmente no mercado brasileiro. Para o mercado brasileiro, traçou estratégias dedicadas ao público pensando, principalmente, no perfil de consumo de música no país. O streaming oferece conteúdos diferenciados e exclusivos com foco principal em alguns dos gêneros mais populares no país: sertanejo e gospel, além de um trabalho dedicado em parceria com times de futebol, como o Flamengo. Além de já ter o Barcelona e Manchester que também tem apelo local.


Em 2014, o DEEZER evoluiu com a introdução de uma página inicial personalizada com recomendações musicais baseadas no gosto do usuário. Já com o novo recurso FLOW, oferece a combinação única de todas as músicas favoritas do usuário e novas recomendações em um fluxo constante. Além disso, também era possível baixar músicas e ouvi-las offline. O DEEZER passou também a oferecer o recurso Lyrics, um sistema que permite aos usuários acompanharem as letras das músicas enquanto as faixas são executadas no player. Pela primeira vez na história, os fãs de karaokê tiveram acesso a milhões de letras de músicas ao toque de um simples botão. Em outubro deste ano, a empresa comprou o serviço de podcasting sob demanda Stitcher, ampliando assim sua oferta de produtos. Finalmente, ainda em 2014, o DEEZER foi lançado oficialmente no enorme e voraz mercado americano. O ano de 2015 foi repleto de novidades, como por exemplo, o lançamento do DEEZER ELITE (músicas em alta definição de qualidade) em todo o mundo e a introdução do serviço de comentários ao vivo sobre futebol. Em 2017, para comemorar seu 10º aniversário, o streaming criou a playlist Deezer: 10 years, 10 songs com os maiores sucessos da última década.


Atualmente o DEEZER oferece músicas com alta qualidade sonora e equalizador com sistema surround, concedendo ainda ao usuário a opção de criar playlists, ouvir rádios temáticas (como rock, jazz, blues, bossa nova) e rádios por artista. Também conta com uma comunidade, onde o usuário pode compartilhar músicas e playlists com seus amigos. O Deezer está disponível em todos os dispositivos, como smartphones, tablets, PCs, notebooks, home theaters, automóveis e smart TVs.


Os slogans 
Flow my music. 
Listen, discover, and take your music anywhere. 
Where music comes alive. 
Leve a música para uma nova dimensão.


Dados corporativos 
● Origem: França 
● Fundação: Junho de 2007 
● Fundador: Daniel Marhely e Jonathan Benassaya 
● Sede mundial: Paris, França 
● Proprietário da marca: Deezer S.A. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Hans-Holger Albrecht 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Usuários: 16 milhões 
● Presença global: 185 países
● Presença no Brasil: Sim  
● Maiores mercados: França e Brasil 
● Funcionários: 300 
● Segmento: Entretenimento 
● Principais produtos: Música online (streaming) 
● Concorrentes diretos: , Music, Music, SoundCloud, Napster, Tidal, Qobuz e Pandora 
● Slogan: Listen, discover, and take your music anywhere. 
● Website:  

A marca no mundo 
Atualmente o DEEZER está presente em 185 países ao redor do mundo, oferece mais de 43 milhões de músicas em sua biblioteca, resultado de parcerias com milhares de gravadoras e selos independentes, além de 30 mil canais de rádio, para mais de 16 milhões de usuários, dos quais 6.9 milhões são assinantes. O DEEZER é extremamente popular e forte na Europa e no Brasil (seu segundo maior mercado no mundo). 

Você sabia? 
O DEEZER também oferece o Plano Familiar, que pode ser utilizado por até seis pessoas e permite a criação de perfis específicos para cada uma. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Isto é Dinheiro e Exame), jornais (Valor Econômico e Folha), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 23/10/2017








As lojas da tradicional HARVEY NICHOLS são sempre uma boa parada pra quem realmente gosta de moda, de conhecer novos estilistas, ou esta atrás daquela edição especial, tanto em roupas, acessórios e cosméticos. Afinal, desde 1831 a rede inglesa, que pode ser comparada com uma catedral do consumo de luxo, traz para suas prateleiras e araras produtos de grandes e renomadas grifes e as maiores tendências mundiais para uma clientela sofisticada. E sempre oferecendo uma experiência de compra fantástica quando se trata de moda de luxo.

A história
Tudo começou em 1831 quando Benjamin Harvey inaugurou uma loja especializada em tecidos, especialmente o linho, em uma modesta casa geminada na esquina da Knightsbridge com a Sloane Street, em Londres. Em 1835, a loja precisava de mais espaço físico e se expandiu para o número 8 ao lado. A loja continuaria ampliando sua área física incorporando propriedades vizinhas ao longo dos anos seguintes. Em 1841, Benjamin empregou James Nichols que, em 1845, foi promovido à administração e, em 1848, casou-se com a sobrinha de Harvey, Anne Beale. Benjamin Harvey morreu em 1850, deixando o negócio sob os cuidados de sua esposa, Anne Harvey, que firmou uma parceria com James Nichols para formar a Harvey Nichols & Co. Com isso, a loja passou a vender luxuosos tapetes orientais, seda, e outros tecidos de luxo que não o linho. Nos anos seguintes ampliou sua oferta de produtos, passando também a vender roupas e acessórios. Em 1874, a loja ocupava todo o quarteirão entre a Seville Street e a Sloane Street. Em 1889, o espaço existente foi demolido para abrir caminho para uma nova loja de departamento. O edifício como conhecemos hoje foi construído em etapas entre 1889 e 1894.


Em 1975, o restaurante Harvey’s foi inaugurado no quinto andar, que rapidamente atraiu uma clientela assídua e especial, como por exemplo, a Princesa Diana, para quem tinha uma mesa reservada nos fundos. Este acontecimento foi de vital importância para posicionar a HARVEY NICHOLS como uma loja de departamento de luxo e destino dos ricos e famosos. Na década de 1980, a HARVEY NICHOLS foi uma força motriz na introdução de coleções misturadas, incentivando designers como Max Mara e Nicole Farhi a produzir uma variedade de peças. Além disso, quatro dos seis andares da loja foram dedicados à moda, incluindo um espaço especificamente direcionado para os adolescentes. Em 1991, a HARVEY NICHOLS foi adquirida pela empresa Dickson Concepts. Posteriormente, a icônica loja de Londres passou por uma reforma transformadora. Em 1992, um novo restaurante, café, bar e mercado de alimentos (onde é possível encontrar sofisticados alimentos e vinhos) abriram no quinto andar, com um elevador exclusivo que permitiu aos clientes frequentarem após o fechamento da loja principal. Este conceito provou-se imensamente popular, fazendo com que a HARVEY NICHOLS conquistasse uma reputação como destino para uma gastronomia sofisticada.


A expansão nacional da HARVEY NICHOLS, até então com uma única loja em Londres, começou em 1996 com a inauguração de uma unidade na cidade de Leeds. Pouco depois, em uma estratégia ousada de globalização, a rede inaugurou em 2000 sua primeira loja internacional, localizada na cidade de Riad, na Arábia Saudita. Em 2001, a rede inaugurou uma nova loja (adotando o formato pequeno) na cidade de Birmingham. No ano seguinte foi inaugurada uma unidade na Escócia, na cidade de Edimburgo. A expansão da rede continuou em 2005 com a abertura da primeira unidade em Hong Kong e outra na cidade de Dublin. Em 2006 a rede ingressou em novos mercados: primeiro inaugurou em maio uma unidade dentro Mall of the em Dubai; e depois, no dia 13 de outubro abriu uma moderna loja na cidade turca de Istambul (uma segunda unidade seria inaugurada em 2010 em Ankara). Mas durante sua expansão internacional a rede inglesa também experimentou fracassos, como por exemplo, em outubro de 2008 quando inaugurou uma loja em Jacarta na Indonésia, fechada em 2010 devido a resultados de vendas decepcionantes. Com a inauguração de uma loja na cidade de Bristol em 2008, a empresa já possuía seis unidades no Reino Unido.
 

Em 2011, a HARVEY NICHOLS conseguiu atrair a fúria dos ativistas ao colocar nas prateleiras patê de carne de rena para o natal. Na lata do patê, o fabricante descrevia o produto como uma “iguaria” que vinha de “um primo da rena Rudolph, criado em fazenda”. O tal patê utilizava carne de renas do Ártico e levava conhaque e especiarias. Na época, um porta-voz da loja de departamento disse que o patê de rena era um sucesso com sua clientela chique e chegou a se esgotar na principal loja da rede em Londres. Em 2012 a HARVEY NICHOLS chegou ao Kuwait. Em novembro desse mesmo ano, a rede inaugurou na cidade de Liverpool um novo conceito de loja, batizado de Beauty Bazaar (oferece ampla linha de cosméticos e maquiagens) e cuja proposta é ser um “supermercado de beleza”, pois tem uma curadoria de produtos selecionados a dedo por editoras de beleza de grandes revistas de moda. O principal símbolo da HARVEY NICHOLS é a tradicional loja de Knightsbridge, em uma das áreas mais movimentadas de Londres e a poucos quarteirões do Kensigton Palace. Este verdadeiro templo do consumo de luxo tem sete andares dedicados à moda e um à comida e gastronomia.


As polêmicas campanhas
A HARVEY NICHOLS sempre teve uma comunicação criativa, mas acima de tudo polêmica. Já foram usadas imagens de um casal seminu, de mulheres voltando para casa na manhã seguinte a um encontro casual, retratou os consumidores como abutres (a foto mostrava a disputa dos dois abutres por uma jaqueta de couro vermelha), além de estampar as páginas da revista com uma campanha que trazia a modelo Bo Gilbert de 100 anos de idade. Em 2012, a rede inglesa lançou uma campanha publicitária com modelos com a calça molhada (como marcas de xixi) ao lado do slogan: “The Harvey Nichols Sale... Try To Contain Your Excitement” (algo como “Liquidação Harvey Nichols... Tente conter a sua excitação”). A campanha gerou enorme polêmica no Reino Unido. Já em 2013, para sua campanha de natal a marca optou por adotar um posicionamento que também gerou polêmica. A campanha “Sorry, I Spent It On Myself” incentivava os consumidores a serem um pouco mais egoístas e, em vez de comprarem presentes caros para os familiares e amigos, gastarem com eles mesmos no natal.


Já em julho de 2015, a rede inglesa criou um programa de fidelidade, o Rewards App, que recompensa os clientes com serviços e vantagens exclusivas para cada ponto gasto, tanto nas lojas como no comércio eletrônico. Para promovê-lo, a campanha publicitária Shoplifters utilizou imagens reais de câmeras de segurança que exibem pessoas furtando objetos em suas lojas. Cabeças animadas escondiam a real identidade dos criminosos, dando um tom divertido e irônico para as cenas. No final, a assinatura diz: “Gosta de coisas grátis? Consiga-as legalmente”. A campanha conquistou inúmeros prêmios internacionais.


A evolução visual
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos, ganhando ares mais sofisticados.


Dados corporativos
● Origem: Inglaterra
● Fundação: 1831
● Fundador: Benjamin Harvey
● Sede mundial: Londres, Inglaterra
● Proprietário da marca: Harvey Nichols Group Limited
● Capital aberto: Não (subsidiária da Broad Gain UK Ltd.)
● CEO: Stacey Cartwright
● Faturamento: £194.5 milhões (2016)
● Lucro: Não divulgado
● Lojas: 15
● Presença global: 8 países
● Presença no Brasil: Não
● Funcionários: 7.500
● Segmento: Varejo (loja de departamento)
● Principais produtos: Roupas, calçados, acessórios, cosméticos e comidas
● Concorrentes diretos: , , Debenhams, House of Fraser, Liberty London e
● Ícones: A loja de Knightsbridge
● Website:  

A marca no mundo
Atualmente a HARVEYS NICHOLS, que faturou £194.5 milhões em 2016, possui 8 lojas no Reino Unido em cidades como Londres, Manchester, Bristol, Liverpool, Leeds, Birmingham, Dublin e Edimburgo. Além disso, a tradicional rede possui 7 unidades internacionais na Arábia Saudita, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Hong Kong e Turquia.

Você sabia?
Pesquisas apontaram que os jovens frequentam mais a HARVEY NICHOLS que a , sua principal concorrente em Londres.
Em 2004, a HARVEY NICHOLS parou de vender produtos com peles de animais após inúmeros protestos. Mas em 2012 as roupas e acessórios com peles de animais voltaram para suas prateleiras. Após fortes protestos de ativistas dos direitos dos animais, no ano seguinte a diretora de moda da empresa pediu demissão.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Elle e Época Negócios), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 10/11/2017








A GoDaddy é o lugar certo para milhões de pessoas nomearem suas ideias, construírem um site profissional, atraírem clientes e gerenciarem seu trabalho. Quer seja registrar um domínio, criar ou hospedar um site, a GoDaddy oferece soluções completas para que pessoas e empresas possam se comunicar e fazer negócios da maneira mais eficiente. Hoje em dia, a missão da GoDaddy é fazer os negócios menores serem mais eficientes do que são, ajudando-os a usar o poder da internet. 

A história 
Tudo começou com Robert Ralph Parsons (foto abaixo), mais conhecido como Bob, um condecorado veterano de guerra que serviu no corpo de fuzileiros navais dos Estados Unidos no Vietnã, que após vender por milhões de dólares sua empresa de softwares em 1994 decidiu se aposentar. Porém, sua aposentadoria não duraria muito. Isto porque no ano de 1997 ele fundou a Jomax Technologies, que nascia com uma missão muito concreta: disponibilizar a qualquer pessoa uma forma de expor as suas ideias online. Com a internet ainda engatinhando, a nova empresa iria oferecer registros de domínio e hospedagem de sites.


Em 1999, um grupo de funcionários da Jomax Technologies decidiu que a empresa precisava de um novo nome. O problema do nome Jomax - inspirado em uma estrada por onde Bob Parsons passava sempre – era que não fixava na cabeça das pessoas. Por isso era necessário encontrar um nome mais eficaz, especialmente naquela altura em que a empresa começava a crescer e avançar no mercado americano. Após uma semana de tentativas frustradas, alguém no escritório perguntou: “E que tal Big Daddy?”. Todos riram, mas a ideia não foi descartada: após uma pesquisa, constataram que o nome já estava sendo utilizado. Então, Bob Parsons perguntou “e Go Daddy?” (“Vai, Papai”, em tradução literal para português): o domínio estava disponível e recebeu a aprovação de todos. Surgia assim o nome Go Daddy.com. No ano seguinte, a GoDaddy tornou-se um registrador de nomes de domínio credenciado pelo ICANN, um órgão subordinado ao governo americano. Isto deu ainda mais credibilidade para a empresa, cujo diferencial estava na grande variedade de extensões disponíveis para registro, e também nas opções de privacidade de domínio oferecidas.


Até o final de 2004, a GoDaddy era uma marca pouco conhecida pelo público em geral. Porém, no início de 2005 a GoDaddy começou a investir pesado em marketing e propaganda, o que culminou com a veiculação de seu primeiro comercial no intervalo do Super Bowl (final do futebol americano profissional e programa de maior audiência nos Estados Unidos). Coincidência ou não, ainda este ano a GoDaddy se tornou se tornou a maior empresa de registro de domínios do mundo credenciada pelo ICANN (abreviação para Internet Corporation for Assigned Names and Numbers), gerenciando mais de 11 milhões de domínios na internet. Nos anos seguintes, além de ingressar em novos mercados mundiais, a empresa, juntamente com os serviços de hospedagem e registro de domínio, passou a oferecer soluções e serviços de e-business, como por exemplo, email marketing, desenvolvimento de sites, serviços de marketing na internet, loja virtual, SSL e serviços de segurança. Em 2009, a empresa já superava a marca de 1 milhão de clientes. No início de 2010, em resposta a uma nova regra do governo chinês, a GoDaddy parou de registrar sites no país.


Pouco depois, no final de 2011, Bob Parsons vendeu o controle da empresa para um consórcio formado por fundos de investimentos e deixou o cargo de CEO na época. Com uma nova administração e estratégia, em 2012 a empresa ingressou no enorme mercado indiano. Finalmente em 2013, a GoDaddy desembarcou oficialmente no mercado brasileiro, e passou a oferecer uma página de acesso e suporte em português, com consultores baseados no país. Em termos de marketing, no entanto, a GoDaddy até que desembarcou comportada no Brasil. A primeira peça publicitária exibida em canais pagos mostrava um inofensivo cachorro pug falante. Havia também uma escultural morena, mas, estranhamente para uma peça de marketing feita pela GoDaddy, o destaque era para o cão. Pouco depois, o foco foi a América Latina, com a abertura de operações no México, Argentina, Colômbia, Venezuela, Chile e Peru. Além disso, estreou em 21 novos mercados da Europa. Nos anos seguintes, a GoDaddy adquiriu várias outras empresas, incorporando assim novos serviços ao seu portfólio de produtos.


A polêmica comunicação 
E coloca polêmica nisso. Conhecida por seus comerciais polêmicos, de “gosto duvidoso” e por vezes sexista, a marca lançou uma série de campanhas controversas, geralmente envolvendo mulheres com generosos decotes. O próprio fundador da empresa definia a comunicação da marca como “divertida, nervosa e um pouco inapropriada”. Os primeiros anúncios de televisão da marca foram estrelados pela então popular lutadora da WWE (World Wrestling Entertainment), Candice Michelle, geralmente aparecendo de uma maneira sexualmente sugestiva. Ela ficou conhecida pelos fãs como “The GoDaddy Girl” e realizava a “GoDaddy Dance” (girando os braços ao redor de seu corpo enquanto gira lentamente). Em 2005 a marca começou a anunciar nos intervalos do Super Bowl, evento esportivo mais importante dos Estados Unidos e que possui os 30 segundos mais caros da televisão mundial. Desde então, a marca se tornou presença constante nos intervalos do Super Bowl, o que contribuiu para fortalecer a imagem e conhecimento da marca, não somente nos Estados Unidos, como em muitos países no mundo. Mas essa presença no Super Bowl também é conturbada, com comerciais sendo censurado e outros causando enorme polêmica, como um ardente beijo entre uma bela modelo e um típico nerd. Em 2013, o ator Jean-Claude Van Damme estrelou uma série de comerciais da marca em uma tentativa de se afastar de sua imagem polêmica e até sexista.


Já em relação aos esportes, em 2007, a GoDaddy começou a patrocinar a piloto da Fórmula Indy Danica Patrick (foto abaixo), que posteriormente começou a desempenhar um papel de destaque nos comerciais da marca e se tornou sua principal garota-propaganda (The GoDaddy Girl), sendo uma verdadeira estrela em um segmento amplamente dominado por homens. Danica andou com as cores da GoDaddy tanto na Fórmula Indy quanto na (categoria mais popular do automobilismo americano) até 2015. A GoDaddy, principal patrocinadora da carreira de Danica, está de volta. A marca retornou em 2018 para as últimas duas corridas da carreira da piloto. Nos últimos anos a GoDaddy vem tentando mudar a comunicação da sua marca, principalmente para atrair o público feminino. Mas não é uma tarefa fácil para uma marca que adora polêmica.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas modificações ao longo dos anos. O logotipo original tem uma história curiosa: após muitas tentativas, a designer contratada para fazer o logotipo da marca estava em casa desenhando no computador com sua filha. Por acaso, uma das imagens que fizeram pareceu-lhe boa o suficiente para enviar a Bob Parsons. O fundador da GoDaddy adorou a imagem (um homem com o cabelo laranja, óculos com lentes verdes e uma estrela na cabeça) e decidiu então adotá-la como símbolo no logotipo da marca. A estrela na cabeça era uma clara alusão ao próprio Bob Parsons, que usava um brinco de diamante. Inicialmente escrita “Go Daddy.com”, este logotipo ganhou variações ao longo dos anos, como por exemplo, uma com um fundo oval preto. Em 2013, o logotipo perdeu a expressão “.com” e, pouco depois, o nome da marca passou a ser escrito GoDaddy. No início de abril de 2016, a marca apresentou um novo logotipo: enquanto o ícone permaneceu o mesmo, a fonte foi alterada, se tornando mais sóbria.


Os slogans 
Go You. GoDaddy. (2016) 
It’s go time! (2013) 
Name It. Make It. Own It. (2013) 
Domains, websites & everything in between! 
The web is your domain. 
Make a .com name with us.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1997 
● Fundador: Bob Parsons 
● Sede mundial: Scottsdale, Arizona, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: GoDaddy Inc. 
● Capital aberto: Sim (2015) 
● Chairman: Charles Robel 
● CEO: Scott Wagner 
● Faturamento: US$ 2.23 bilhões (2017) 
● Lucro: US$ 139.8 milhões (2017) 
● Valor de mercado: US$ 11.1 bilhões (maio/2017) 
● Presença global: 56 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 7.000 
● Segmento: Internet 
● Principais produtos: Registros de domínio, hospedagens de site e email marketing 
● Concorrentes diretos: Namechaeap, Enom, DreamHost, Bluehost, DomainRacer, Hostgator, Host e  
● Ícones: As ousadas campanhas publicitárias 
● Slogan: Go You. GoDaddy. 
● Website:  

A marca no mundo 
Atualmente a GoDaddy tem mais de 17 milhões de clientes globalmente (em sua maioria pequenas e médias empresas) e mais de 75 milhões de nomes de domínios gerenciados. Apesar de ser uma empresa norte-americana, a GoDaddy está presente em mais de 56 países, com suporte em 22 idiomas e 44 moedas. Com mais de 7 mil funcionários e faturamento superior a US$ 2.2 bilhões em 2017, a GoDaddy é a maior empresa de registros de domínio do planeta. Além disso, a empresa possui mais de 55.000 servidores, distribuídos em data centers nos Estados Unidos, Europa e Ásia. Segundo informações da empresa, ao contratar uma hospedagem com a GoDaddy, a escolha do servidor é feita de acordo com a localização do cliente. 


Você sabia? 
Os principais escritórios da empresa estão localizados nos corredores de tecnologia mais modernos do mundo, como por exemplo, Vale do Silício, Cambridge, Seattle, Boston, Hyderabad, Belfast e Phoenix. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Newsweek, BusinessWeek, Forbes, Fortune, Isto é Dinheiro e Exame), jornais (Valor Econômico, Estadão e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 9/5/2018








Design contemporâneo com inspiração local e quartos funcionais combinados com áreas públicas diferenciam a Hampton by Hilton™ de outras marcas de hotéis. Cada hotel da rede oferece aos viajantes a lazer ou a trabalho acomodações de alta qualidade, um café da manhã fantástico e a experiência excepcional que eles esperam ter. Tudo isso apoiado pela política 100% Satisfaction Guarantee™, que reforça o compromisso em oferecer sempre um excelente serviço. 

A história 
Tudo começou em 1983 quando a Holiday Corporation, empresa proprietária dos hotéis , tradicional rede fundada em 1952, resolveu criar uma divisão para o desenvolvimento de uma nova bandeira de hotel econômico, comandada por Ray Schultz. Finalmente no verão de 1984 a empresa inaugurou a primeira unidade do Hampton Inn na cidade de Memphis, no estado americano do Tennessee. O hotel de dois andares oferecia 128 quartos e um serviço cortês. No final desta década, em 1989, a marca de forma pioneira na indústria da hotelaria introduziu o 100% Hampton Guarantee®, um programa onde se o hóspede não estivesse satisfeito com os serviços, ele não pagava a diária. Nesse mesmo ano a marca passou a fazer parte da Promus Hotel Corporation, que começou a mudar o posicionamento da marca: de uma rede econômica para uma rede de hotéis de preço médio (o chamado mid-price hotel), com diversos serviços e amenidades. A rede foi a primeira no segmento de hotéis de preço médio a oferecer café da manhã continental grátis e chamadas telefônicas locais gratuitas.


Em 1990, a rede já possuía mais de 220 hotéis, disponibilizando mais de 27 mil quartos. Três anos mais tarde, a rede inaugurou sua primeira unidade internacional, localizada em Niagara Falls no Canadá, e pouco depois um hotel em Monterrey, no México. No ano seguinte, a empresa foi uma das primeiras grandes redes de hotéis a disponibilizar informações pela internet, além de inaugurar o primeiro hotel na América Central, em San José, na Costa Rica. Além disso, nessa época 75% de seus quartos era oferecido para não fumantes. Pouco depois, em 1995, a marca lançou no mercado o Hampton Inn & Suites, que oferecia habitações com dois quartos em estilo suíte, com áreas de estar e cozinha, e cuja primeira unidade foi inaugurada em Newport News, no estado da Virginia. No final desta década, em 1999, a marca foi adquirida por US$ 3.7 bilhões pela tradicional Worldwide. Começava então uma nova fase de desenvolvimento para a marca, incluindo a implantação dos padrões de qualidade dos hotéis . No ano de 2000, a rede atingiu uma marca histórica: a inauguração de seu milésimo hotel na cidade de Hayward, no estado da Califórnia.


Em 2004, como parte da campanha “Make it Hampton”, a rede iniciou um processo de modernização de seus serviços e hotéis no valor de US$ 100 milhões para melhorar a experiência dos hóspedes. Este programa incluía conexão de mp3 player, rádio-despertador mais fácil de configurar do setor, roupa de cama branca, adição de itens de comida quente no café da manhã continental, o On The Run™ Breakfast Bags (café da manhã para viagem que contém água, frutas, muffin, uma caixa de balas de menta e uma barra de cereais) e acesso gratuito à internet de alta velocidade para os quartos.


Pouco depois, em 2006, mais uma novidade ao anunciar um novo e super confortável pacote de roupas de cama, batizado de Clean and Fresh Hampton Bed®, que oferecia uma capa de edredom branca e engomada, edredom macio, lençóis brancos de 200 fios e três ou quatro travesseiros (dependendo do tipo de quarto), incluindo um travesseiro lombar ideal para ler e assistir televisão. Em 2008 a rede inaugurou seu hotel de número 1.500. E no ano seguinte, expandiu suas operações para o continente europeu com a inauguração de seu primeiro hotel no Reino Unido. As inovações continuaram nos anos seguintes, como por exemplo, em 2010 quando foi introduzido waffles fresquinhos como parte do tradicional café da manhã da rede.


Em 2015 a rede passou a adotar oficialmente o nome de Hampton by Hilton™ no mundo inteiro. Ainda este ano a rede inaugurou sua primeira unidade no enorme mercado chinês e também ingressou na Rússia. Pouco depois, em 2016, com a inauguração de um hotel no Havaí, a rede Hampton by Hilton™ passou a ter presença em todos os 50 estados americanos. Depois de inaugurar seu maior hotel no mundo (localizado na cidade de Berlim com 344 quartos) e unidades na República Dominicana, Colômbia, no México e no Uruguai, em 2018, a Hampton by Hilton™ anunciou sua chegada ao Brasil para o desenvolvimento de cinco hotéis da franquia. O primeiro hotel deverá ser inaugurado em 2019, no aeroporto internacional de Guarulhos em São Paulo. O hotel terá 160 quartos localizados a menos de quatro quilômetros do aeroporto e contará com um restaurante servindo três refeições por dia, cardápio local e internacional, bar e lounge, academia, espaço para eventos para até 300 pessoas e traslado entre aeroporto e hotel.


Com mais de 2.300 localizações no mundo todo, os hotéis Hampton by Hilton™ oferecem aos milhões de hóspedes acomodações e comodidades de alta qualidade. Os hóspedes desfrutam de acesso WiFi gratuito e café da manhã grátis com opções quentes e waffles fresquinhos, além de cereais, frutas e iogurtes em abundância. Conte sempre com um serviço amigável e cortês, e muito mais. No Hampton by Hilton™, a felicidade está em fazer o hóspede feliz. Assim, se a rede puder aprimorar a sua estada, fale com qualquer membro da equipe, que fará tudo o que for preciso para deixá-lo 100% feliz. É a cultura corporativa conhecida como Hamptonality, termo que a marca utiliza para definir o serviço proativo, atencioso, apaixonado, autêntico e amigável que os membros da equipe oferecem aos hóspedes diariamente para criar momentos inesquecíveis e que pode ser percebido no sorriso ou ouvido no tom de um “bom dia!” de cada um de seus funcionários. O serviço impecável, acomodações de alta qualidade, comodidades no quarto e tecnologia de ponta, combinados com inúmeros locais e tarifas competitivas, solidificaram a Hampton by Hilton™ como líder em seu segmento e uma das marcas de hotéis que mais crescem no mundo.


A evolução visual 
A marca passou por pequenas remodelações ao longo dos anos, mas sempre manteve a arquitetura tradicional de seu logotipo. Em 2007, todos os hotéis no Canadá e na América Latina passaram a carregar a assinatura Hampton Inn by Hilton™, assim como em 2009 com suas unidades na Europa. Somente em 2015, todos os hotéis da rede no mundo adotaram oficialmente o nome de Hampton by Hilton™.


Os slogans 
We Go Together. (2015) 
Feel the Hamptonality. (2012) 
We love having you here. 
Make it Hampton. (2004)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1984 
● Fundador: Holiday Corporation 
● Sede mundial: Memphis, Tennessee, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Worldwide Holdings Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Christopher J. Nassetta 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Hotéis: 2.346 
● Presença global: 21 países 
● Presença no Brasil: Sim (futuramente) 
● Segmento: Hotelaria 
● Principais produtos: Hotéis de preço médio 
● Concorrentes diretos: Fairfield Inn by , Express, , e  
● Ícones: 100% Hampton Guarantee® 
● Slogan: Feel the Hamptonality. 
● Website:  

A marca no mundo 
Atualmente a rede Hampton by Hilton™ possui mais de 2.345 hotéis, disponibilizando mais de 238 mil quartos em 21 países ao redor do mundo. A marca faz parte da Worldwide, proprietária de redes como Waldorf Astoria, DoubleTree, Embassy Suites e logicamente , e que conta com mais de 5.300 hotéis em 106 países. 

Você sabia? 
A rede ainda oferece café e chá gratuitos no saguão, 24 horas por dia; luz noturna no banheiro; canal de filmes grátis; e cafeteira, ferro e tábua de passar roupas em todos os quartos, além de habitações adaptadas para deficientes físicos. 
Hampton by Hilton™, como parte da Worldwide, participa do Hilton Honors®, o premiado programa de fidelidade da empresa. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 12/6/2018








Com mais de quatro décadas de uma saborosa história, TONY ROMA’S é um dos nomes mais reconhecidos no setor de restaurantes casuais. De Miami a Los Angeles, de Orlando a São Paulo e de Tóquio a Madri, a rede americana faz sucesso com suas suculentas costelas com molhos exclusivos, reconhecível por seu corte específico, textura, maciez e sabor. 

A história
Tony Roma nasceu em 1923. Caçula de seis irmãos foi criado pela mãe italiana e era uma pessoa muito carismática, excêntrica e empolgante. Antes de abrir seu primeiro restaurante, foi Diretor de Comidas e Bebidas no tradicional Club em Nova York, onde trabalhou junto ao lendário Hugh Heffner. Por atuar em clubes noturnos na década de 1960, Roma teve contato com muitas celebridades e fez amizade com estrelas como Tony Bennett, Ed McMahon e os componentes do infame “Rat Pack”, o que facilitaria na divulgação de seu futuro restaurante. Depois de se aposentar do Club, Roma viajou para a ensolarada Miami, no estado da Flórida, onde no dia 20 de janeiro de 1972 inaugurou um pequeno restaurante especializado em carnes (steaks) e hambúrgueres. Inicialmente batizado de TONY ROMA’S PLACE, estava localizado em North Miami e apresentava um ambiente informal e aconchegante. Um dia Tony e seu chef de cozinha, David Smith (imagem abaixo), decidiram colocar umas costelas suínas (Baby Back Ribs) na grelha e servi-las com um molho que eles criaram. As costelas deveriam ser um item temporário, mas fizeram tanto sucesso que se tornaram permanente no cardápio do restaurante. Era o surgimento da mundialmente famosa Ribs do Tony Roma’s (conhecida como “The Original Baby Back Ribs”).


O sucesso era tremendo que as pessoas viajavam quilômetros para experimentar a famosa criação no restaurante de Tony. Com isso, rapidamente se tornou um dos restaurantes de maior sucesso e um dos mais populares da cidade de Miami, estabelecendo definitivamente seu nicho no mercado, especializado em costelas. Em janeiro de 1976, Clint Murchison Jr., então proprietário da equipe de futebol americano profissional do Dallas Cowboys, comprou a maioria dos direitos de franquia nos Estados Unidos e fundou a empresa Roma Corporation. Com isso, um segundo restaurante foi inaugurado em Broward County, também na Flórida, ainda em 1976 e, em dezembro, uma nova unidade foi inaugurada na badalada e endinheirada Beverly Hills, na Califórnia, cuja abertura contou com a presença de celebridades de Hollywood e astros do esporte americano. Durante os quatro anos seguintes, novas unidades foram inauguradas nos estados do Havaí, Nevada, Nova York, Tennessee e Texas. Já a primeira unidade internacional (uma franquia) foi inaugurada no Japão no dia 9 de agosto de 1979. A primeira franquia doméstica foi inaugurada em julho de 1982 na cidade de San José, na Califórnia.


Em 1983 a rede inaugurou sua primeira loja no Canadá, em Winnipeg. Nesta época TONY ROMA’S venceu a competição “Best Ribs in America” pela primeira vez (de muitas!). Em 1994, a empresa iniciou uma agressiva expansão no continente asiático, abrindo unidades em diversos países, como por exemplo, a Indonésia. Ainda este ano foi inaugurada a primeira unidade no Peru. Além disso, a rede começou a desenvolver novas opções de molhos para suas carnes e costelas, como por exemplo, Blue Ridge Smokies (com acentuado sabor defumado) e Red Hots (apimentado). No final desta década, TONY ROMA’S abriu seu primeiro restaurante na América Central, em El Salvador. Pouco depois, em 1999, a rede desenvolveu e lançou um dos maiores ícones da marca: o drinque ROMARITA®, reinterpretação da famosa margarita, uma precisa mistura de tequila Gold e licor , com direito a sal na borda da taça. O drinque fez tanto sucesso que nos anos seguintes foram criadas outras variações. No dia 2 de julho de 2001 David Smith, o primeiro chef do TONY ROMA’S se aposentou oficialmente. Ele foi o responsável pela criação de muitos pratos famosos da rede como as deliciosas Baby Back Ribs. Pouco depois, no dia 13 de junho de 2003, Tony Roma faleceu aos 78 anos, mas sua fama continuou crescendo e permanece viva através de seus restaurantes. Em 2004 a rede lançou o Kickin’ Shrimp (tenros camarões dourados com molho condimentado e gergelim, servidos em uma charmosa taça sobre uma saladinha), que se tornou um de seus pratos mais populares. Neste momento o TONY ROMA’S já tinha diversificado seu cardápio para incluir também frutos do mar e saladas frescas.


Em 2005 a rede continuou sua expansão internacional com a abertura de um restaurante em Dubai. Finalmente em janeiro de 2014, após doze anos de uma tentativa fracassada na cidade de Campinas, o TONY ROMA’S inaugurou um novo restaurante, localizado no bairro de Moema, em São Paulo, trazendo como prato principal, a lendária Baby Back Ribs, que ganhou um molho exclusivo para o paladar brasileiro, apenas tempero de ervas, azeite e um pouquinho de limão, realçando o sabor natural da carne e sendo ainda uma opção para quem prefere pratos mais leves. Em 2016, a rede inaugurou na cidade de Orlando, na Flórida, o novo conceito de restaurante global, posicionando a marca para o futuro crescimento doméstico e internacional, transformando o ambiente e introduzindo novas ofertas inovadoras de alimentos e bebidas para atender às demandas do consumidor de hoje. Além disso, lançou a premiada campanha “Show Us Your Rib Face”, que incentiva os fãs a vestirem um babador e a tirarem uma foto de si mesmo deliciando-se com as costelas perfeitas do TONY ROMA’S, para concorrer a um ano de graça das suculentas Baby Back Ribs, entre outros grandes prêmios.


Além do carro chefe, a suculenta costelinha suína grelhada e generosamente banhada com um dos molhos barbecue da marca, a rede tem as opções de steaks, pratos à base de frutos do mar, acompanhamentos, saladas e sobremesas. Fazem sucesso seus premiados molhos batizados de “signature sauces” – mais de 30 tipos – e o tradicional Onion Loaf (anéis de cebola empanados). Destaque também para seus drinques exclusivos, além do Flat Bread, uma massa de pão sueco fina e crocante, com molho Caesar, mussarela gratinada, tiras de frango ou carne, molho pesto de tomate, finalizado com parmesão e manjericão; o Peach & Blackberry Cobbler, uma fusão de sabores de pêssegos e amoras, coberta com uma fina massa e um toque de canela, servida com uma bola de sorvete de creme; e o tradicional bolo americano, Red Velvet, macio e recheado com glacê de baunilha, receita exclusiva da rede. Outro sucesso da marca é a Ribs Mountain, uma montanha de costela, feita com ossinhos da Original Baby Back Ribs, grelhada e banhada com molho barbecue da casa, acompanhada de batatas fritas e de coleslaw, deliciosa salada de repolhos com iogurte e especiarias.


A evolução visual 
A identidade da marca passou por pequenas remodelações ao longo dos anos. As principais mudanças foram em relação à tipografia de letra e a cor principal.


Os slogans 
Legendary for Ribs, Famous for so much more! 
Famous for Ribs. 
A Place for Ribs.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 20 de janeiro de 1972 
● Fundador: Tony Roma 
● Sede mundial: Orlando, Flórida, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Romacorp Inc. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: John Brisco 
● Faturamento: US$ 1.5 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 150 
● Presença global: 30 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 13.000 
● Segmento: Restaurantes casuais 
● Principais produtos: Costelas, carnes, hambúrgueres, frutos do mar e saladas 
● Concorrentes diretos: , , , , Famous Dave’s, Shane’s Rib Shack e Texas Roadhouse 
● Ícones: As costelas e o drinque Romarita® 
● Slogan: Legendary for Ribs, Famous for so much more! 
● Website:  

A marca no mundo 
Atualmente, uma das mais tradicionais redes de steak houses americanas, conta com aproximadamente 150 unidades em 30 países como Estados Unidos (20 restaurantes distribuídos por 10 estados) e Canadá (maior números de lojas no mundo), além de sólida presença na América Latina, Europa, Ásia e Caribe. Além dos restaurantes, a empresa licencia a marca TONY ROMA’S para molhos, carnes e comidas prontas, vendidas em grandes varejistas do mercado americano e canadense. 

Você sabia? 
A rede também oferece a costela St. Louis Ribs, marinada, grelhada e caramelizada com um dos molhos exclusivos da rede. 
O TONY ROMA’S é considerado o pioneiro na introdução das famosas Baby Back Ribs no segmento de restaurantes casuais. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), portais (IG), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 31/10/2017








Automóveis de luxo baseados no design, na inovação e no máximo desempenho. Assim pode ser definida a marca japonesa ACURA, que por mais de três décadas tem como obsessão elevar a experiência de dirigir a um patamar excepcional, sempre prezando pela segurança e performance. 

A história 
Da mesma forma que as montadoras americanas ofereciam, havia décadas, versões mais luxuosas do mesmo projeto de automóvel, a indústria automobilística japonesa enxergou nessa diversificação uma boa estratégia para o enorme e voraz mercado americano na década de 1980. Com isso, a montadora , fundada em 1948 por Soichiro Honda, criou a ACURA (pronuncia-se É-kiu-ra), como uma resposta à criação da (pela em 1983) e da (pela em 1985), para o desenvolvimento de automóveis de luxo direcionados originalmente ao mercado americano. Em menos de um ano, após longas pesquisas de mercado, os dedicados engenheiros japoneses da definiram como seriam os primeiros automóveis da marca ACURA. Mesmo tendo sido a última das três marcas japonesas a ser criada a ACURA foi a primeira a apresentar automóveis ao mercado americano e canadense no dia 27 de março de 1986, através da inauguração de 60 concessionárias em 18 estados. A nova marca disponibilizou ao público dois modelos: o sedã de luxo LEGEND e o compacto INTEGRA. O Legend era oferecido inicialmente na versão sedã (4.8m de comprimento), disponibilizando o modelo cupê (4.7m) no ano seguinte. Baseado no Civic, em termos de mecânica e plataforma, o Integra foi oferecido com motores 1.5L e 1.6L, nas versões sedã (cinco portas) e hatchback (três portas).


Um ano depois do lançamento, a ACURA já tinha o modelo de luxo importado mais vendido dos Estados Unidos. Foram comercializadas 109 mil unidades do Legend e 55 mil do Integra. Com apenas quatro anos de mercado, em 1990, a ACURA apresentou ao público um verdadeiro ícone no segmento de automóveis superesportivos: o NSX, primeiro automóvel do mundo a ser produzido em monobloco de alumínio, o que proporcionou uma redução de 40% em relação ao peso de um similar em aço. Feito para duas pessoas, e inspirado no caça F-16, privilegiava a visibilidade e tinha linhas agressivas, faróis escamoteáveis, além de grandes tomadas de ar laterais. Já o motor era um três litros de aspiração natural, sem turbo ou compressor e produzia 273 cv. Com esse motor, o NSX chegava aos 270 km/h e tinha uma aceleração de zero a 100 km/h em 5.6 segundos, e – era a resposta da para os superesportivos italianos e alemães da época. Os números eram equivalentes aos do 911 e da 348. O NSX só receberia maiores atualizações estéticas em 2002: perderia seus faróis escamoteáveis e ganharia rodas de 17 polegadas nos dois eixos. As características mecânicas e de desempenho permaneceriam as mesmas, exceto na versão NSX-R, que abria mão de certos itens de conveniência, como o ar-condicionado, para reduzir o peso.


A segunda geração do Integra foi lançada também em 1990 e introduziu importantes avanços para a categoria, como freios ABS e duplo air-bag, bem como o comando variável de admissão VTEC, proporcionando melhor performance sem aumento do consumo de combustível. Em 1991 a marca lançou seus veículos em Hong Kong, iniciando assim uma tímida expansão internacional. E no ano seguinte ampliou sua oferta para o mercado americano com o modelo VIGOR, baseado no Accord, porém com mais equipamentos de série. Pouco depois, em 1995, a ACURA ingressou em um novo segmento ao lançar seu primeiro veículo utilitário, o SLX, de porte médio e baseado no Tropper, que oferecia motores a diesel e gasolina. A primeira geração do ACURA RL, lançada em 1996, era uma versão rebatizada da terceira geração do Legend.


Embora as vendas tenham diminuído a partir de meados dos anos de 1990, a marca experimentou um ressurgimento no início da década de 2000, principalmente devido a mudanças drásticas no design e a apresentações de novos modelos. Primeiro, em 2000, a ACURA ingressou em uma nova categoria de mercado com o lançamento da MDX, primeiro utilitário esportivo de grande porte da marca. A ampliação da linha de modelos ainda incluiu o TSX (2004), um sedã médio. Após se firmar no mercado americano e canadense, a ACURA partiu para novos horizontes, e estabeleceu-se no México em 2004, na China em 2006 e no Japão em 2008. Neste período a ACURA ampliou sua gama de veículos com o lançamento do RDX (2006), um utilitário esportivo compacto. A partir de 2009 a ACURA iniciou o lançamento de novos modelos como o ZDX (2009), um crossover de porte médio; o TSX Sport Wagon (2010), primeira perua da marca japonesa; o ILX (2012), um sedã compacto; o RLX (2013), um sedã de grande porte e o mais luxuoso da linha; e o TLX (2014), um sedã de médio porte. Nos últimos anos a ACURA ingressou em novos mercados como a Rússia em 2014 (saiu dois anos depois devido às fracas vendas) e Kuwait (2015).


Depois de um hiato de mais de 10 anos sem ser produzido, em 2016 a ACURA apresentou a nova geração do NSX, um dos mais lendários esportivos da Terra do Sol Nascente. A nova geração tem um motor V6 biturbo de 3.5 litros montado à mão, em um processo que leva mais de seis horas, além de tração integral. A parte aerodinâmica faz com que o novo NSX seja totalmente diferente do seu precursor: ele é mais sutil, aparenta ser mais compacto, mas ainda assim demonstra ter personalidade. O desenho do carro foi pensado para complementar a performance e também contribuir para a dinâmica térmica do veículo – tudo sem perder o estilo. O modelo é fabricado no estado de Ohio, sendo o carro mais caro já fabricado nos Estados Unidos, desbancando o Viper. No mercado americano, a versão de entrada custa US$ 156 mil, enquanto o top de linha chega a US$ 220 mil.


Em 2016 a ACURA celebrou os 10 anos de sua chegada à China e para comemorar a ocasião, decidiu apostar ainda mais forte no gigante asiático. Uma das principais apostas é o CDX, o primeiro veículo da marca fabricado localmente e desenvolvido principalmente pensando nos gostos dos consumidores chineses. O veículo apresenta um tamanho muito similar ao do  HR-V (utilitário compacto) embora seja um pouco mais comprido e largo e seu enfoque seja claramente premium, como toda a linha da ACURA. Em relação ao design chama a atenção a grade pentagonal e um logotipo de grandes dimensões, assim como o design dos faróis dianteiros e lanternas traseiras com tecnologia LED.


A inovação 
A ACURA sempre foi inovadora no segmento de veículos luxuosos, sendo pioneira em várias novidades. Foi pioneira ao incorporar motores multi-válvulas no ano de 1986. Também foi a primeira no mundo a oferecer navegação no painel. Em seguida, também apresentando tráfego em tempo real no painel. Depois de estrear no modelo RL de 1997, o navegador de tela central no painel tornou-se padrão em todos os modelos da marca. Já o MDX foi o primeiro veículo de sete passageiros com três fileiras de banco. Já a indústria automobilística teve que se familiarizar com o termo “vetor de torque” para descrever o que fazia o Super Handling All-Wheel Drive (SH-AWD), que apareceu pela primeira vez no modelo RL em 2004, e tornou-se uma assinatura da ACURA para toda sua linha. O SH-AWD é um sistema de tração integral que opera com repartição de torque desigual entre as rodas do mesmo eixo, a fim de melhorar o comportamento em curvas.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou apenas por uma grande remodelação ao longo de sua história. Originalmente na cor vermelha, somente em 1990, a nova identidade visual adotou a cor preta e ganhou um símbolo. Embora pareça uma letra A de ACURA, o principal símbolo da marca, na verdade, é um compasso de espessura, escolhido por representar a precisão extrema. Já a cor branca, utilizada quando o logotipo é aplicado em um fundo preto, denota integridade, pureza e perfeição. A identidade visual da marca pode ser aplicada de duas maneiras: na horizontal com o símbolo à esquerda ou com o símbolo acima do nome da marca.


Os slogans 
Precision Crafted Performance. (2016) 
Made for mankind. (2013) 
Advance. (2006) 
The road will never be the same. 
The True Definition of Luxury. Yours. (1988) 
Precision Crafted Automobiles. (1986)


Dados corporativos 
● Origem: Japão 
● Fundação: 27 de março de 1986 
● Fundador: Soichiro Honda 
● Sede mundial: Tóquio, Japão 
● Proprietário da marca: Acura Inc. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Motor Co., Ltd.) 
● CEO: Jon Ikeda 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Vendas globais: 195.700 unidades (2016) 
● Presença global: 10 países 
● Presença no Brasil: Não 
● Funcionários: 6.000 
● Segmento: Automobilístico 
● Principais produtos: Automóveis e utilitários de luxo 
● Concorrentes diretos: , , , , , , , e  
● Slogan: Precision Crafted Performance. 
● Website:  

A marca no mundo 
Atualmente a marca ACURA vende seus luxuosos automóveis e utilitários esportivos em 10 países ao redor do mundo, incluindo Estados Unidos, Canadá, China e México. Em 2016 a marca vendeu globalmente mais de 195 mil veículos, com os Estados Unidos representando 82% deste montante. Somente nos Estados Unidos a ACURA tem aproximadamente 50 concessionárias distribuídas por 37 estados. 


Você sabia? 
Poucos sabem, mas o piloto brasileiro Ayrton Senna contribuiu para o desenvolvimento do projeto base do protótipo NSX em sua fase de teste. Isso se deu durante a parceria feita entre a montadora que se mantinha como fornecedora de motores para equipe McLaren. 
No Brasil, alguns de seus automóveis foram importados de forma independente nos anos de 1990, após o Governo Federal abrir as importações no país. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), jornais (Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 


Última atualização em 4/12/2017








Caminhões com alta tecnologia que transportam carga com o máximo de desempenho. Vans confortáveis para conduzir pessoas com segurança. E ônibus capazes de transportar milhões de passageiros de maneira segura e eficiente. Conhecida pelas linhas arrojadas e modernas de seus veículos comerciais, a IVECO transporta com eficiência e máxima segurança toneladas de cargas e milhões de pessoas no mundo inteiro. 

A história 
A história da IVECO tem início na década de 1970, quando a Europa vivia um contexto sócio-econômico difícil, agravado pela primeira grande crise petrolífera no continente. Tudo começou quando cinco companhias de base histórica em três países europeus (Itália, França e Alemanha) decidiram unir seus conhecimentos para criar uma nova realidade no segmento de veículos comerciais. O resultado foi a fundação da IVECO no dia 1 de janeiro de 1975 proveniente da união desses cinco fabricantes europeus de caminhões e ônibus: as italianas Veicoli Industriali, OM e Veicoli Speciali (todas pertencentes ao Grupo ), a francesa Unic (cujas origens datam de 1905) e a alemã Magirus–Deutz (fundada em 1866). Cada uma dessas empresas tinha feito importantes contribuições para a história do setor de veículos comerciais na Europa a partir do final do século XIX. IVECO derivou da abreviação do nome da empresa recém-constituída: Industrial Vehicle Corporation.


Naquela época, já se falava em uma Europa unificada, nos moldes da atual União Europeia, mas em meio às dificuldades, a ideia foi delegada à segundo plano. Para a IVECO, esse cenário adverso também não era vantajoso, uma vez que se tratava de uma empresa composta por três países europeus. O início do caminho a ser percorrido pela nova multinacional era de grandes incertezas. Com a aliança de cinco empresas, a estratégia não poderia ser simplista. A proposta era atingir um mercado amplo, capaz de atender às expectativas tanto no quesito quantitativo quanto qualitativo. Diante disso, e apesar da crise no continente europeu na época, a empresa foi arrojada e vislumbrou o surgimento de um mercado automobilístico emergente, que já dava sinais de crescimento e se mostrava ávido por veículos de transportes modernos e especializados. A decisão foi acertada e a empresa construiu uma posição entre os líderes mundiais no segmento de transporte rodoviário. Para se ter ideia, nos primeiros quatro anos de atividades na Europa, a IVECO mantinha um portfólio de produtos composto por mais de 200 modelos básicos e 600 versões, desde 2.7 toneladas de peso bruto, para um veículo leve, e mais de 40 toneladas para veículos pesados, sem contar os ônibus e motores.


Em 1977, a empresa resolveu buscar novos mercados fora da Europa. A montadora então identificou um forte nicho no norte do continente africano, fornecendo um total aproximado de 25.000 veículos. Também nesse ano foi criada a ITONA (abreviação de Iveco Trucks of North America), uma estratégia de marketing adotada para fornecer caminhões da categoria média, 10 à 13 toneladas, utilizando as características dos veículos europeus, porém, respeitando a atuação do mercado local, neste caso americano. Mas foi em 1978 que a montadora apresentaria um verdadeiro ícone: a linha de veículos comerciais leves Daily, primeiro projeto nascido após a união das cinco empresas, cujos veículos foram os primeiros a ostentar a marca IVECO na grade dianteira (nessa época o que identificava os veículos da marca era a letra “I”). Considerado o primeiro IVECO original, já nasceu com quatro modelos básicos e sete versões, com um total de 40 combinações. Hoje em dia a linha Daily oferece também as versões furgões, vans e micro-ônibus. Da divisão de motores nasceu o primeiro motor turbo diesel para veículos comerciais em 1980, o TurboDaily.


Um dos grandes destaques da linha IVECO foi lançado em 1984: o TurboStar, um veículo pesado (caminhão) que se tornou um campeão de vendas na Itália e um importante produto no mercado europeu, atingindo um total de 50.000 unidades vendidas em sete anos. No ano seguinte, os engenheiros da empresa criaram o primeiro motor diesel super leve com injeção direta. E foi a partir de 1985 que a IVECO acelerou acordos com algumas montadoras para desembarcar em outros países. Na própria Itália se juntou com a Astra em 1986 (hoje pertencente ao grupo e especializada em caminhões para construção e mineração, cujas origens datam de 1947). A conquista do mercado britânico foi por meio de um acordo com a , quando, em 1986, nasceu a Iveco Truck Ltda. O Cargo era um caminhão produzido pela IVECO que, após a joint-venture, virou Cargo. Em 1989, a empresa lançou o primeiro motor diesel com EGR (sistema para a redução das emissões de gases poluentes). Nesse mesmo ano, a linha Daily foi totalmente reformulada, ganhando novo design e novas tecnologias. Já na década 1990, a empresa fez uma grande reformulação em sua linha de produtos com o objetivo construir caminhões e criar a gama Euro: Eurocargo, Eurotech, Trakker e Eurostar (que conquistaram vários prêmios internacionais).


A partir desta década, a IVECO partiu para novas aquisições e alianças. Em setembro de 1990, a empresa adquiriu 60% do controle da espanhola Enasa, que desde 1947 produzia os populares caminhões industriais Pegaso. Assim, depois de Itália, França, Alemanha e Inglaterra, a Espanha passou a ser o quinto mercado doméstico da IVECO. Um ano depois, adquiriu, na Inglaterra, a Seddon Atkinson, especializada em veículos especiais para construção civil e coleta de resíduos. Ainda neste ano, a empresa começou a produzir na China o caminhão leve TurboDaily sob licença pela Nanjing. E em 1992, assumiu a International Trucks da Austrália. Pouco depois, em 1998, a IVECO lançou o motor Cursor 8 e o Cursor 10 (em 1999), este último sendo o primeiro motor diesel com turbina de geometria variável e com injeção common-rail. Em 2002 a marca lançou um de seus maiores sucessos comerciais: o caminhão super pesado Stralis.


A partir de 2007 a IVECO renovou completamente sua oferta de produtos para atender os diferentes tipos de segmentos. No dia 1º de janeiro de 2011 foi oficialmente formada a Industrial, incorporando CNH, IVECO e FPT Industrial. Atualmente essa empresa é conhecida como CNH Industrial e reúne todas as empresas ligadas à área de veículos comerciais (tratores, máquinas agrícolas, motores diesel de aplicação comercial, caminhões, vans, furgões e ônibus). As marcas do Grupo Iveco hoje são: IVECO (caminhões e veículos comerciais leves), IVECO BUS (ônibus e oficialmente estabelecida em 2013), IVECO DEFENCE VEHICLES (para aérea militar), ASTRA (caminhões de construção e mineração) e MAGIRUS (veículos de combate a incêndio e resgate). Ainda em 2011, a IVECO apresentou a nova versão do caminhão Stralis, que se tornou o primeiro veículo com transmissão automatizada de 16 marchas da marca. Em 2012, a marca apresentou o novo Hi-Way, tudo o que se espera de um caminhão: potência aliada à estabilidade, design aliado ao conforto e tecnologia aliada à versatilidade. Com o Hi-Way, a força bruta está nos pés por meio do motor FPT Cursor 13. Já a economia fica por conta da transmissão automatizada com 16 velocidades.
 

Em 2015, a IVECO completou 40 anos: um marco importante para uma grande marca que moldou a história do transporte comercial mundial. Isso representa não apenas 40 anos de sucesso, mas também 150 anos (devido às empresas que deram origem a IVECO) de trabalho junto aos clientes, excelente desempenho, veículos que se tornaram presentes em estradas de todo o mundo e que hoje transmitem uma mensagem de tecnologia e de transporte sustentável. Para celebrar esse momento, a IVECO criou um logotipo especial em homenagem à ocasião, que representa um veículo estilizado com o slogan “40 years of Iveco, 150 years of experience” (em português “40 anos de Iveco, 150 anos de experiência”).


Em 2016, a marca revolucionou o mercado brasileiro no segmento de transporte de passageiros com necessidades especiais e mobilidade reduzida ao lançar o Daily Elevittá. Implementado de fábrica, ele é o primeiro da categoria com o inovador sistema de elevador que possibilita a acessibilidade com maior autonomia, mantendo o alto padrão de conforto e segurança para todos os passageiros. Com capacidade de transporte para até três pessoas com necessidades especiais, o Daily Elevittá não diminui a quantidade total de passageiros, sendo garantia de versatilidade e comodidade e praticidade para os passageiros.


Considerada uma das maiores fabricantes de caminhões do mundo, a IVECO é uma empresa fullliner, com uma gama completa de veículos comerciais em todos os segmentos do mercado. Inovação e visão estratégica fazem parte do DNA da empresa, por isso investe continuamente em tecnologia e no desenvolvimento de produtos e em modernas metodologias produtivas. Um dos diferenciais da marca é a renovação de seus produtos. Desde que foi fundada, a empresa se preocupa em modernizar seus veículos, que atendem ao dinamismo do mercado atual de transporte profissional. Além de oferecer produtos que levam eficiência, modernidade e segurança nas jornadas pelas estradas de centenas de países, a IVECO também se preocupa com as soluções para tornar a manutenção dos veículos mais rápida e econômica. Graças à atenção contínua dada à inovação e às novas tecnologias, a empresa se tornou líder europeia na área de tração alternativa, antecipando soluções que contribuirão para reduzir ainda mais o impacto ambiental no setor dos transportes e se tornando a parceira ideal para o transporte sustentável, como a nova recompensa da marca declara: IVECO, sua parceira para o transporte sustentável.


A evolução visual 
A identidade visual da marca sofreu algumas modificações ao longo dos anos. O primeiro logotipo da marca era uma grande letra I, com o nome IVECO abaixo. A primeira alteração ocorreu em 1977, quando o logotipo passou a ser aplicado na horizontal, com a letra I no lado esquerdo. Pouco depois, em 1979, a identidade visual da marca ganhou nova tipografia de letra e design. Finalmente em 1982 o logotipo somente com o nome da marca por extenso foi adotado.


A versão cromada, utilizada na grade dianteira dos veículos também surgiu no início da década de 1980.


Os slogans 
Transport is Energy. (2011) 
Carregada de Potência. (2016) 
Your Partner for Sustainable Transport. (Iveco Bus)


Dados corporativos 
● Origem: Europeia 
● Fundação: 1 de janeiro de 1975 
● Fundador: Fusão de cinco fabricantes de veículos comerciais 
● Sede mundial: Turim, Itália 
● Proprietário da marca: Iveco S.p.A. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da CNH Industrial N.V.) 
● Chairman: Sergio Marchionne 
● Presidente: Pierre Lahutte 
● Faturamento: US$ 10.4 bilhões (2017) 
● Lucro: US$ 272 milhões (2017) 
● Presença global: 160 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 26.000 
● Segmento: Automobilístico 
● Principais produtos: Caminhões, vans e ônibus 
● Concorrentes diretos: , Volvo, , , , Western Star, Freightliner, , Man e  
● Ícones: A linha de comerciais leves Daily 
● Slogan: Transport is Energy. 

A marca no Brasil 
No país, a empresa começou suas atividades oficialmente em 1997 com o lançamento da pedra fundamental no terreno onde foi construído o complexo industrial em Sete Lagoas (MG), com inauguração ocorrida em novembro de 2000. Em junho de 2008, a empresa inaugurou o seu centro de desenvolvimento de produto (o primeiro fora da Europa e onde trabalham aproximadamente 300 engenheiros e técnicos com a responsabilidade de desenvolver os futuros produtos da marca para os mercados brasileiro e latino-americano), em 2010 um moderno centro de distribuição de peças em Sorocaba (SP) e, em 2013, uma unidade industrial da Iveco Veículos de Defesa, em Sete Lagoas (MG). Fruto da parceria entre a IVECO e o Exército Brasileiro, o VBTP-MR Guarani, um blindado anfíbio com capacidade para até 11 tripulantes, é o primeiro modelo projetado e fabricado na unidade da Iveco Veículos de Defesa no Brasil – a única fora da Europa. Já a sua linha de caminhões é uma das mais completas do mercado, a partir de 3.5 toneladas de PBT até os pesados das famílias Stralis e Tector. Em 2014 a IVECO BUS ingressou oficialmente no Brasil para atuar no mercado de transporte de passageiros. A IVECO possui mais de 100 concessionárias espalhadas pelo país.


A marca no mundo 
A IVECO está presente em mais de 160 países ao redor do mundo e oferece uma completa linha de produtos (veículos comerciais leves, médios e pesados, caminhões fora-de-estrada, ônibus urbanos e intermunicipais, bem como veículos especiais para aplicações como combate a incêndios, missões off-road, defesa e proteção civil) que atende plenamente às exigências da área de transporte profissional. Empregando mais de 26 mil pessoas, a empresa vende anualmente mais de 150 mil veículos e gerencia 23 fábricas em 19 países (Europa, Ásia, África, Oceania e América Latina) e seis centros de desenvolvimento de produto globais, além de manter importantes operações industriais e comerciais na China com parceiros locais. Um total de 5.000 pontos de vendas e postos de serviços em mais de 160 países garantem o suporte técnico onde quer que um veículo IVECO esteja rodando. 

Você sabia? 
A IVECO é líder na Europa no segmento de veículos comerciais movidos a gás natural, com mais de 23 mil unidades em circulação. 
A IVECO sempre foi protagonista no campo da inovação, principalmente no que se refere aos motores (foi a primeira a introduzir o turbo em toda a linha diesel, a primeira a adotar motores common-rail e a primeira a lançar veículos EuroV). 
A história da empresa também é marcada por grandes patrocínios, estratégia adota para fazê-la conhecida mundialmente. Assim, a IVECO esteve presente nos Jogos Olímpicos de Moscou (1980), na Copa Davis (1982) e nas jornadas do explorador Jacques Cousteau na Amazônia (1993). Além disso, a IVECO é presença constante no Rally Dakar, competição em que chegou ao lugar mais alto do pódio em 2012 e 2016, com uma equipe oficial. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), jornais (Valor Econômico, Folha e Estadão), sites especializados (Naboleia), sites especializados em Marketing e Branding (Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 13/3/2018








Com mais de um século de uma história pioneira, a americana BFGoodrich dedica-se a desenvolver pneus de alto desempenho para quem tem paixão pela condução em praticamente qualquer ambiente e terreno. Combinando conhecimentos técnicos com mais de 40 anos de experiência em automobilismo, a BFGoodrich oferece pneus para uma gama completa de experiências de condução, desde uma rua a um terreno fora de estrada, sempre com uma obsessão em comum: desempenho extremo e total controle. 

A história 
Tudo começou quando o médico-cirurgião e empresário visionário Benjamin Franklin Goodrich se envolveu na indústria da borracha em 1869, tornando-se o maior acionista da Hudson River Rubber Company, na cidade de Nova York. Enfrentando a dura concorrência de inúmeros outros produtores de borracha locais, ele decidiu mudar seus negócios para a cidade de Akron, estado de Ohio. Isto porque os residentes da cidade haviam angariado US$ 13.600 para incentivar Goodrich a mudar sua empresa de Nova York para Akron. Surgiu então, no dia 31 de dezembro de 1870, a Goodrich, Tew & Co. na cidade de Akron, durante décadas conhecida como a “Capital da Borracha do Mundo”. A primeira fábrica da empresa, situada ao lado do Canal de Ohio, fabricava mangueiras de incêndio, que não estourariam sob pressão. Em 1880, após encerrar a sociedade com seu cunhado Harvey W. Tew, o nome da empresa foi alterado para B.F.Goodrich Company. Nessa época, a empresa também fabricava mangueiras para jardim e pneus para bicicleta. Os pneus definitivamente tornaram-se parte da linha de produtos da empresa em 1896, quando a Winton Motor-Carriage Co., produtora de carruagens, pediu a BFGoodrich que produzisse quatro protótipos experimentais, fortes suficiente para lidar com altas velocidades e cargas mais pesadas. A empresa respondeu com os primeiros pneus para automóveis.


Em poucos anos, a empresa alcançou o sucesso e se tornou uma das marcas de pneus mais populares do país. A partir de então, a marca BFGoodrich identificou-se pelo seu caráter pioneiro, pela sua vontade de superar os limites da performance. Deste espírito de superação nasceu um amplo número de progressos importantes no segmento de pneus. Um exemplo disso ocorreu em 1903, quando o primeiro automóvel (um Model A) atravessou os Estados Unidos de leste a oeste equipado com pneus BFGoodrich. O sucesso da marca não se restringiu somente a terra. Ainda em 1903, a empresa despertou para o promissor mercado da aeronáutica. A BFGoodrich equipou o avião da Curtiss Aeroplane Corporation, vencedor da primeira corrida aeronáutica internacional organizada em Reims, na França. Pouco depois, em 1910, inventou pneus de longa duração, através da adição de carbono à mistura da borracha. O sucesso da empresa em seu negócio de pneus levou a diversificação de produtos, como por exemplo, na época da Primeira Guerra Mundial, quando produzia borracha para bens de consumo como sapatos, botas, bolas de tênis e roupas impermeáveis, e para produtos industriais. Em 1927, pilotado por Charles Lindbergh, o “Espírito de Saint Louis” se tornou o primeiro aeroplano a voar direto (sem-parar) através do Atlântico, de Nova York até Paris, e estava equipado com pneus BFGoodrich. Em 1936, a empresa ingressou no mercado mexicano através de uma joint-venture, iniciando assim sua expansão internacional.


No ano seguinte, a empresa sintetizou borracha e inventou o primeiro pneu de borracha sintética, feita com uma substância patenteada, de nome “Chemigun”. Os experimentos da empresa com borracha sintética durante a Segunda Guerra Mundial ajudaram a revolucionar essa indústria. A BFGoodrich também ajudou a desenvolver os primeiros sistemas de degelo usados em aviões. Outras grandes inovações desenvolvidas e lançadas pela empresa ocorreram em 1945 com o primeiro pneu comercial feito inteiramente de borracha sintética; e em 1947 com o primeiro pneu sem câmara de ar, que revolucionou o segmento e facilitou a vida dos motoristas, ajudando a reduzir a aquaplanagem e proporcionando melhor tração na chuva. O gigantismo da BFGoodrich pode ser comprovado em 1955, quando a empresa fabricava produtos em cinco áreas diferentes, incluindo pneus, produtos químicos e plásticos, calçados e pavimentos, produtos industriais e produtos de borracha esponjosa. Em 1965, a BFGoodrich criou o primeiro pneu radial americano para automóveis, conhecido como Lifesaver. Essa inovação tornou os pneus ainda mais seguros, pois possuíam maior vida útil e permitiam uma melhor absorção de solavancos. Pouco depois, em 1967, a marca americana introduziu outra grande novidade do segmento: o primeiro pneu capaz de ser dirigido quando furado, hoje conhecido como pneu Run Flat. Esta foi mais uma forma de mostrar que a marca estava um passo à frente de suas concorrentes, sempre fornecendo o que havia de mais recente e de melhor no segmento de pneus.


Na década seguinte, em 1972, a empresa introduziu na América do Norte os pneus de carcaça radial enquanto outros fabricantes ainda continuavam a desenvolver pneus diagonais; e, em 1976, criou o primeiro pneu radial para veículos comerciais leves: o All-Terrain T/A®, que inventou a categoria todo-terreno, estabelecendo o padrão de desempenho on-road e off-road (dentro e fora da pista). Esse pneu, desenvolvido na região da Baja Califórnia no México, era perfeito para motoristas que gostavam de aventura e procuravam mais confiança ao andar por terrenos instáveis, já que proporcionava mais tração em todos os tipos de terreno, aderência e flancos mais robustos. Além disso, este tipo de pneu garantia 10% a mais de tração na lama e 19% na neve. A quarta geração desse pneu, batizada de All-Terrain T/A® KO2, foi lançada em 2015 e já vendeu mais de cinco milhões de unidades. Além disso, em 1977, a marca ganhou ainda mais notoriedade ao equipar com seus pneus o ônibus espacial Columbia.


Nos anos de 1980, a empresa cresceu e se tornou uma das maiores fabricantes de pneus e de produtos de borracha do mundo, ajudado em parte pela fusão no mês de agosto de 1986 com a Uniroyal, fundada em 1892, que adquiriu sua divisão de pneus. A nova empresa foi batizada de Uniroyal Goodrich Tire Company. O novo negócio durou pouco. Isto porque, a francesa adquiriu a empresa em 1990 por US$ 1.5 bilhões. A partir deste momento a BFGoodrich se tornou subsidiária da empresa francesa. Em 1999 a marca inventou e lançou o primeiro pneu com faixa de rodagem colorida: o Scorcher T/A. Em 2000, a marca BFGoodrich foi lançada em toda a Europa, com o objetivo de capturar a participação de mercado no rápido crescimento do segmento de veículos utilitários esportivos do continente. Nos anos seguintes a marca continuou inovando no segmento ao lançar o primeiro pneu de 24 polegadas para 4X4 (2002); o G-Force Profiler (2004), um pneu de alto rendimento com controle único para dirigir; e com o novo Profiler 2 (2005), que consolidava sua linha de pneus para carros de passageiros e oferecia a todos os motoristas a oportunidade de experimentar o melhor em performance e prazer em dirigir. Sempre investindo em pesquisa e no desenvolvimento de novas tecnologias, a BFGoodrich continua presente, ao longo dos mais de 100 anos de existência, entre as líderes do mercado automotivo.


A história e a competição automobilística estão intimamente ligadas a BFGoodrich, particularmente na América, onde a marca se tornou o primeiro fabricante de pneus a ganhar por duas vezes consecutivas (em 1914 e 1915) a corrida mítica das 500 milhas de Indianápolis, e depois na Europa no campeonato mundial de rali em 2006 (ao permitir que Sébastien Loeb ganhasse o título por cinco vezes consecutivas) ou nas pistas e nos desertos do mundo inteiro, particularmente ao ganhar oito vezes o Rali Dakar a partir de 2002. A marca continua a ser um ator determinante nas diversas corridas automobilísticas, particularmente na América do Norte, onde a qualidade de seus pneus se exprime através de uma variedade de superfícies, quer seja terra, areia, pedra ou mesmo asfalto.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações radicais ao longo dos anos. Até o final da década de 1970 utilizando logotipos onde predominavam a cor azul, a tradicional combinação de cores (vermelho e azul) passou a integrar uma nova identidade visual, onde também foram retirados os pontos das iniciais BF. Esse logotipo ganhou uma versão mais moderna e vibrante, adotada no final da década de 1990.


Os slogans 
BF Goodrich. Fun is not a straight line. (2000) 
Take Control. (1998) 
When You’re Ready To Get Serious. 
#1 in high performance radials. 
Everything in Rubber. 
First in Rubber.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 31 de dezembro de 1870 
● Fundador: Dr. Benjamin Flanklin Goodrich 
● Sede mundial: Greenville, South Carolina, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: BFGoodrich Tires, Inc. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Compagnie Generale des Etablissements
● Presidente: Scott Clark 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 35 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 15.000 
● Segmento: Pneumático 
● Principais produtos: Pneus para carros, picapes, vans, ônibus e caminhões 
● Concorrentes diretos: , , , , , , , Kumho, Nexen e Toyo 
● Ícones: O pneu All-Terrain T/A® 
● Slogan: Take Control. 

A marca no mundo 
Atualmente a BFGoodrich, uma subsidiária integral da francesa , comercializa uma ampla linha de pneus para automóveis, picapes, SUVs, vans, ônibus e caminhões em mais de 35 países ao redor do mundo. 

Você sabia? 
As contribuições da BFGoodrich para a herança americana não se limitaram aos produtos de borracha. Em 1923, a empresa anexou um fecho de correr recém-criado em suas galochas de borracha e chamou-as de Zipper. Hoje em dia, as botas já não são mais vendidas, mas o termo “zíper” é uma palavra familiar em todo o país. 
Em 1926, um engenheiro da BFGoodrich desenvolveu um método para plastificar o cloreto de polivinilo (PVC), transformando este composto químico residual no material hoje reconhecido como vinil. A empresa comercializou seus produtos de PVC sob as marcas Geon e Koroseal, aplicando-os a usos tão variados como telhas, mangueiras de jardim e isolamento elétrico. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 22/1/2018








Ela já esteve nos pés de monstros sagrados do esporte como Pelé, Dan Marino, Muhammad Ali, Carlos Monzón, Guillermos Vilas e George Foreman. Outrora dominante no mundo dos esportes profissionais, a tradicional PONY se reinventou para transformar-se em uma marca de lifestyle, carregando em seus produtos seu DNA histórico e a cultura da cidade de Nova York. Uma marca de atitude, que se inspira no esporte e desenvolve modelos de tênis com design moderno, sem deixar o conforto de lado. 

A história 
Para falar sobre os primórdios da PONY é preciso voltar para a Nova York de 1969. A cidade era o epicentro dos esportes americanos, já que suas equipes profissionais, os Mets (beisebol), os Jets (futebol americano) e os Knicks (basquete) haviam conquistado títulos de suas respectivas ligas profissionais. E, claro, os atletas dessas equipes usavam tênis para competir. A indústria do vestuário esportivo, por sua vez, buscava a criação de modelos que pudessem se adaptar a diferentes disciplinas olímpicas, mesmo as mais populares. Nesse cenário, o uruguaio Roberto Muller, um engenheiro químico e têxtil formado pela Universidade de Leeds na Inglaterra, conseguiu identificar que calçados e roupas esportivas poderiam se tornar um elemento-chave do guarda-roupa, além das competições esportivas. Para concretizar a ideia, Muller falou com um grupo de investidores, entre os quais Horst Dassler, então chairman da alemã , e, em 1972, fundou a PONY, cujo primeiro escritório estava localizado em plena Madison Avenue em Nova York.


A ideia era criar tênis esportivos, mas acima de tudo, mergulhados no espírito efervescente de Nova York. Basta lembrar que o nome da marca decorre do acrônimo “A Product Of New York”. E mais, transformá-los em peças do uso diário nas ruas. Mas para isso ele precisaria dos esportes profissionais e dos atletas. E para isso lançou modelos de tênis com alta tecnologia para atletismo, basquete, futebol americano, beisebol e soccer. O sucesso foi tão rápido quanto incomum. Em alguns anos, a marca patrocinava grandes estrelas esportivas como Pelé, a tenista Tracy Austin e o boxeador Muhammad Ali, bem como uma longa lista de atletas profissionais das ligas de basquete, beisebol e futebol americano, como os jogadores O.J. Simpson e Dan Marino. E apareceu com destaque em grandes momentos da história do esporte mundial, como por exemplo, em 1976 quando Pelé marcou seu gol de número 1.245 e foi premiado com uma réplica dourada da chuteira PONY que ele usou durante a façanha; ainda em 1976 quando a marca participou pela primeira vez dos Jogos Olímpicos de Montreal e atletas vestindo equipamentos da marca conquistaram medalhas de ouro, prata e bronze no basquete, boxe e atletismo; em 1977 quando aproximadamente 50 jogadores da NBA utilizavam tênis da marca; em 1978 quando os calçados da marca foram vistos tanto em Larry Holmes quanto em Ken Norton na luta pelo título dos pesos pesados do boxe; em 1979 quando o jogador de basquete David Thompson juntou-se à equipe PONY e ganhou o prêmio MVP do All Star (jogo das estrelas da NBA); ou mesmo quando os jogadores de futebol Paolo Rossi e Sócrates utilizaram chuteiras da PONY nas Copas do Mundo da Argentina em 1978 e da Espanha em 1982. O sucesso da PONY rapidamente chegou a outros países, onde a marca firmou acordos de licenciamento e distribuição.


Em pouco mais de uma década, a PONY já gozava de presença e prestígio em mais de 100 países e conseguiu se estabelecer como uma marca global em termos de desempenho, imagem e posicionamento, algo que as marcas esportivas alemãs levaram décadas para alcançar. E pensar na PONY naquela época era lembrar as glórias esportivas de grandes atletas usando roupas e calçados da marca que foram além das competições. Os produtos da marca eram tão legais e descolados que os atletas rapidamente transferiram esse estilo para as ruas. Tênis, camisas e calças esportivas se transformaram em elementos de moda e estilo. Neste momento houve uma explosão nas vendas. Em 1983 a marca lançou no mercado um de seus maiores sucessos: o tênis de basquete Pro 80, introduzido em um momento em que o couro branco era um design comumente utilizado na indústria do calçado esportivo. Sua silhueta foi inspirada em um tênis de 1979, endossado pelo jogador de basquete David Thompson, e se tornou um sucesso em vendas, tanto dentro como fora das quadras. Apesar do enorme sucesso da marca, Muller deixou a empresa em 1986, alegando questões financeiras. Neste mesmo ano o jogador de basquete Spud Webb, que com apenas 1.70 metros, vestindo tênis PONY ganhou a famosa competição de enterradas anual da NBA, o Slam Dunk Contest, batendo o gigante Dominique Wilkins de 2.03 metros. Mais um feito que proporcionou uma enorme visibilidade para a marca. Nesta época o faturamento da marca ultrapassava os US$ 800 milhões.


Nos anos seguintes a PONY se inseriu cada vez mais no mundo da cultura e da arte, patrocinando 90% dos grupos de breakdance em Nova York, com seus calçados sendo escolhidos por alguns skatistas mais icônicos da época, e com grandes celebridades e artistas do rock e hip hop vestindo sua marca. Era definitivamente a infiltração do esporte no mundo da moda. Já no final da década de 1990, a PONY tinha perdido sua relevância no campo esportivo e as vendas despencavam. Depois de passar pelas mãos de vários proprietários a marca PONY foi relançada em 2001 e os sneakers foram clicados em pés de famosos, incluindo Justin Timberlake, Korn, Snoop Dogg e Paris Hilton. Era um novo posicionamento: uma marca de lifestyle, mas sem esquecer sua enorme herança esportiva. Em 2005, a marca lançou uma linha em colaboração com o rapper Snoop Dogg. No ano seguinte, a marca foi adquirida (exceto na América do Norte) pela Symphony Holdings, uma empresa pública com sede em Hong Kong. Os novos proprietários contrataram Jim Stroesser, que foi um parceiro-chave na reconstrução da , para mais uma vez reconstruir a PONY. E isto culminou, em 2008, com a campanha publicitária “Back In the Game”. Afinal, a marca PONY sempre foi um clássico do segmento. Desde a sua incubação nas ruas de Nova York até a competitividade nos campos e quadras profissionais.


O relançamento da PONY no mercado mundial como uma marca com um ar de estilo de vida urbano, inspirada pela música, arte, cultura, referências ao Brooklyn, fusões de vanguarda e estilo único, foi um sucesso. Uma marca de tênis que representa a cultura do streetwear, que propõe moda e estilo de vida, perfeito para aqueles que procuram imprimir um toque único para o visual da cidade. Hoje em dia, a PONY, que nasceu nas ruas movimentadas de Nova York e nunca mais saiu da vida dos jovens apaixonados por movimento, se denomina uma marca “Sneakers for real peolple”.


A evolução visual 
O tradicional logotipo da marca, conhecido como “Pony Chevron” passou por algumas pequenas modificações ao longo de sua história. Originalmente com o nome da marca em vermelho e o símbolo em azul, a identidade visual ganhou ares mais modernos com nova tipografia de letra e aumento do tradicional Chevron. O logotipo pode ser aplicado na tradicional cor vermelha ou em azul e preto.


Os slogans 
Sneakers for real people. 
Back In the Game. (2008) 
The mark with the Chevron. (1981) 
Built to Win. 
When sports are more than just a game. (década de 1980)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1972 
● Fundador: Roberto Muller 
● Sede mundial: New York City, New York, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Pony International LLC 
● Capital aberto: Não 
● CEO: John Haugh 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 70 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 100 
● Segmento: Esportivo 
● Principais produtos: Tênis, sneakers e roupas 
● Concorrentes diretos: , , , , , , e  
● Ícones: O Chevron de seu logotipo 
● Slogan: Sneakers for real people. 

A marca no mundo 
A PONY oferece uma completa linha de tênis casuais e sneakers, além de roupas, em mais de 70 países ao redor do mundo. Atualmente a marca PONY pertence ao Iconix Brand Group (América do Norte) e a Symphony Holdings (resto do mundo). 

Você sabia? 
Um dos modelos mais icônicos da PONY, o M-100, criado em 1988, representou um marco na prática do basquete mundial. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 6/2/2018








Se você acha que varejo é tudo igual, espere até conhecer a rede americana WEGMANS. Em qualquer uma de suas lojas, sempre amplas e com corredores espaçosos, colaboradores prestativos ajudam clientes a encontrarem os ingredientes mais frescos possíveis, além de deliciosas refeições preparadas com carinho por grandes chefs. Oferecendo opções, qualidade e valor a WEGMANS tornou a experiência de compra um verdadeiro prazer. Afinal, a missão da marca é ajudar as famílias a viver uma vida melhor e mais saudável através da alimentação. 

A história 
Os irmãos Walter e John Wegman aprenderam a lidar com alimentos trabalhando na pequena mercearia de seus pais em Rochester, estado de Nova York. Walter trabalhava na loja enquanto John vendia produtos frescos em um carrinho de mão para as donas de casa. Em 1916, John inaugurou a Rochester Fruit & Vegetable Company, que seria a origem da WEGMANS FOOD MARKETS. Walter se juntou a ele um ano depois. A nova empresa comercializava frutas, verduras e legumes frescos. Em 1921, os irmãos compraram a Seel Grocery Co. e expandiram as operações para incluir mantimentos em geral e produtos panificados. Mas foi em 1930 que os irmãos ganharam as manchetes nacionais ao inaugurarem uma gigantesca loja, para os padrões da época, com inovações surpreendentes como uma lanchonete com capacidade para 300 pessoas. A loja vendia uma grande variedade de alimentos como carnes, mantimentos, produtos lácteos e panificados. Pouco depois, em 1932, a WEGMANS apresentou duas grandes novidades: vitrines refrigeradas e sprays de água vaporizada para manter os produtos frescos. Dois anos mais tarde, a empresa começou a oferecer o serviço de bufê, além de uma escola de culinária em sua loja na East Main Street. Já o Wegmans Food Institute oferecia dicas semanais aos consumidores sobre a preparação de alimentos e nutrição.


Em 1940, alimentos congelados apareceram pela primeira vez nas prateleiras da WEGMANS. No ano seguinte, a empresa inaugurou a primeira loja em um subúrbio e a primeira unidade localizada dentro de um shopping center, tornando-se a nona loja da rede. Essa loja apresentava algumas novidades como caixas registradoras de pagamentos em ambas as extremidades e até um elevador, que transportava as mercadorias do porão para o andar de vendas. No final desta década, em 1949, a rede implementou em suas lojas o sistema de auto-atendimento. Em 1950, com a morte de seu tio, Robert tornou-se presidente da empresa aos 31 anos. Quando assumiu o comando, Robert Wegman decidiu que seu objetivo era construir a melhor rede de supermercados do país. Uma de suas primeiras atitudes foi aumentar o salário de todos os funcionários. Isto porque, ele acreditava que, se uma empresa deseja que seus funcionários se importem com os clientes, ela precisa se preocupar com as necessidades deles. Em 1953, a rede inaugurou o maior supermercado da cidade de Rochester. As características da loja incluíam bordas exteriores e acabamento em pau-brasil, uma seção de produtos refrigerados, um Kiddie Corner (onde os pais podiam deixar seus filhos enquanto faziam compras) e um sistema onde os clientes observavam suas carnes sendo embaladas. No ano seguinte, a empresa anunciou um plano de participação nos lucros para os funcionários, comprovando mais uma vez a total importância deles para o crescimento dos negócios.


Até o final da década de 1950, a rede inaugurou outras lojas, que apresentavam novidades como técnicas especiais de iluminação, uma janela através da qual os clientes podiam assistir as embalagens automáticas de carne, caixas registradoras que calculavam automaticamente o troco, esteiras rolantes nos caixas, portas automáticas e ar-condicionado. Somente no ano de 1968 a rede inaugurou sua primeira loja fora de Rochester, localizada em Syracuse, também no estado de Nova York. Em 1971, foi criado o Departamento de Assuntos do Consumidor para atuar como a voz do cliente dentro da empresa e para conscientizar os compradores sobre nutrição, segurança alimentar e outras questões relacionadas. A WEGMANS também foi a primeira rede de supermercados de Nova York a oferecer serviço 24 horas em algumas de suas lojas. Além disso, para atender às demandas adicionais de treinamento, a empresa inaugurou sua própria escola de treinamento. Em 1972, a rede ampliou sua gama de serviços ao inaugurar a primeira farmácia dentro de uma de suas lojas. Dois anos mais tarde, inaugurou o departamento Seafood Market, oferecendo peixes e frutos do mar sempre frescos. Em 1979 a WEGMANS lançou seus primeiros produtos com marca própria e inaugurou a primeira seção Super Natural Health Food Center, que oferecia mais de 3.500 itens de alimentos naturais. Ainda nesta década a WEGMANS iniciou a doação de alimentos para bancos de alimentos, demonstrando assim sua responsabilidade social nas áreas em que atuava.


No ano de 1987, a WEGMANS inaugurou um armazém de processamento, permitindo que a rede lidasse com flores frescas e plantas para as lojas de forma mais eficiente e econômica. A década seguinte começou com o lançamento do Shoppers Club, um programa de desconto eletrônico, como uma alternativa ao recorte de cupons. Além disso, a empresa lançou como teste de mercado as sacolas plásticas recicláveis, que pouco depois foram adotadas em todas as suas lojas. Em 1992, a rede lançou mais uma linha própria de produtos: Food You Feel Good About (alimentos naturais e saudáveis). No ano seguinte, a rede inaugurou sua primeira loja fora do estado de Nova York, localizada em Erie, na Pensilvânia. No ano seguinte, inaugurou o primeiro Nature’s Marketplace em uma de suas lojas em Rochester, um departamento que oferecia alimentos naturais e orgânicos, suplementos, chás, entre outros itens. No final desta década, em 1999, a rede inaugurou sua primeira loja no estado de Nova Jersey.


Depois da virada do milênio, em 2003, a rede ampliou suas marcas próprias com uma linha de produtos orgânicos. Nos anos seguintes, a empresa ingressou em novos mercados com a inauguração de suas primeiras lojas nos estados da Virginia (2004) e Maryland (2005). Em mais uma atitude inovadora, no mês de janeiro de 2008, a WEGMANS anunciou que deixaria de vender produtos derivados do tabaco devido a seus efeitos maléficos na saúde humana e no meio ambiente e passou a oferecer programas para se livrar do vício para todos os funcionários. Em 2014, a WEGMANS se tornou uma das primeiras redes de supermercado dos Estados Unidos a aceitar pagamento via Pay.


As lojas 
Sinta-se como em um charmoso mercado europeu ao ar livre. Deslumbrantes exposições de produtos frescos, pães artesanais e outros itens como bolos e tortas saindo do forno várias vezes ao dia, enorme variedade de alimentos naturais e orgânicos. Carnes, frutos do mar e peixes sempre frescos, produtos de delicatessen e queijos importados, comidas internacionais preparadas por chefs, mais de sete mil tipos de cervejas, sanduíches gourmets, sushis preparados diariamente, além de todos os itens de mercearia, laticínios, congelados e utensílios domésticos encontrados em supermercado. Mas com uma experiência única. Assim é a rede WEGMANS.


Para criar uma experiência de compra sempre surpreendente, a WEGMANS tornou-se um verdadeiro destino turístico nas localidades onde suas lojas estão instaladas. Para muitos, fazer compras em uma loja da rede não é apenas satisfazer uma necessidade de abastecimento da casa, é uma excelente atividade de entretenimento. O ambiente de suas lojas é semelhante ao de um shopping center, mas sem paredes. Muito diferente da ambientação que predomina nos supermercados em geral. Ao contrário do habitual, os clientes da rede não correm de gôndola em gôndola na ânsia de concluir suas compras o mais rapidamente possível. As pessoas se movem lentamente e apreciam tudo como se estivessem em uma galeria de arte. Além disso, os clientes podem relaxar em aconchegantes cafeterias, escolher refeições preparadas por chefs ou até mesmo pedir seus coquetéis favoritos em embalagens para levar para casa. As lojas ainda oferecem farmácia (que vendem até mesmo medicamentos para animais de estimação), seção de flores e presentes, uma grande variedade de utensílios domésticos, mercadorias sazonais e cosméticos. A rede frequentemente testa novos formatos de ambientação, todos voltados para surpreender e aumentar a conveniência e experiência dos clientes.


A fazenda 
No ano de 2007 a empresa iniciou a Wegmans Organic Farm, na pequena cidade de Canandaigua, estado de Nova York. A fazenda de 50 acres opera com a seguinte missão: seguindo o desejo de seus clientes por produtos frescos que são orgânicos e cultivados localmente, a empresa opera a fazenda orgânica para desenvolver e compartilhar as melhores práticas com seus clientes e parceiros. A WEGMANS continuamente trabalha para cultivar as variedades mais saborosas e aumentar a oferta regional de frutas e vegetais, tornando assim as fazendas locais mais sustentáveis economicamente.


Qual o segredo de tanto sucesso? 
Desde 1998, a WEGMANS faz parte do ranking das “100 Melhores Empresas para se Trabalhar” (100 Best Companies to Work For) da tradicional revista . Foi a primeira colocada em 2005 e segunda em 2018. Como é possível uma rede pequena para os padrões do mercado americano, de controle familiar e com mais de 100 anos conseguir manter um padrão de excelência tão elevado e por tanto tempo? Sua receita de sucesso não é tão complexa. Primeiro, seja um empregador extraordinário. A empresa faz um esforço incansável para manter seus 48.000 funcionários felizes. Esses funcionários desfrutam de horários flexíveis, possuem amplas oportunidades de carreira e podem se aproveitar do programa de bolsa de estudos (iniciado em 1983) que já beneficiou mais de 35.000 pessoas. Além disso, a empresa faz pequenos gestos que demonstram consideração com os funcionários: bolo no aniversário e chocolate quente para quem trabalha na área externa durante o inverno. Por isso, é muito difícil encontrar alguém trabalhando em suas lojas que não esteja com um enorme sorriso no rosto e se esforçando para agradar ou superar as expectativas dos clientes. Isso se traduz em número baixo de reclamações e alto índice de fidelidade dos consumidores.


Além de tudo isso, uma de suas características notáveis é o esforço para se manter na vanguarda na adoção de inovações e novas tecnologias no ponto de venda. A WEGMANS foi fundamental no desenvolvimento e implantação das normas de código de barra no início dos anos de 1970; esteve entre as primeiras a utilizar os cupons eletrônicos e cartões de fidelidade; reinventou o design dos supermercados e também o merchandising; e implantou o conceito de “compre produtos locais” (Buy American) antes de se tornar uma tendência. Entre as novidades adotados nos últimos anos estão um sistema que gera uma lista de compras de ingredientes a partir de receitas escolhidas pelo cliente e um aplicativo para o iPhone que organiza a lista de compras do cliente de acordo com a distribuição das gôndolas. Outro fator de sucesso é que dentro da filosofia de ajudar a melhorar as comunidades onde suas lojas estão instaladas, a WEGMANS apóia inúmeras causas e eventos nessas áreas. Por exemplo, todos os anos, a empresa doa mais de 6.57 milhões de quilos de alimentos para bancos de alimentos locais e cozinhas que preparam sopas para pessoas carentes. Com isso, a marca está solidamente associada com o atributo “bondade”, tanto dentro quanto fora das lojas, solidificando ainda mais a lealdade daqueles que trabalham e compram lá.


E tem mais. A família fundadora dá rosto ao negócio e a marca. Em qualquer final de semana não é incomum ver altos executivos da empresa (como a CEO, Colleen Wegman, a loira na foto abaixo) empurrando um carrinho, fazendo suas compras, e conversando com funcionários e clientes. E muitos clientes costumam revelar a eles que consideram a WEGMANS como a extensão de suas casas. Tudo isso somado, trouxe à WEGMANS uma aura de magia que a transformou na melhor rede de supermercados do mercado americano. E isto pode comprovar: em 2017, mais de 7.300 pessoas contataram a empresa pedindo uma loja em sua comunidade. Outros 11.000 escreveram para dizer o quanto gostam de fazer compras em suas lojas ou apreciam a forma como os funcionários os tratam, ou o quanto eles gostam dos produtos e serviços oferecidos.


A evolução visual 
O logotipo da marca americana passou por inúmeras remodelações ao longo dos anos. Com o decorrer do tempo o logotipo foi simplificado e adotou tipografias de letra mais modernas. A atual identidade visual foi adotada em 2008 e apresentou uma tipografia de letra moderna e mais marcante (em especial com o W alongado).


Em muitos de seus produtos, nos uniformes dos funcionários, nas redes sociais ou na ambientação das lojas, a marca costuma utilizar o ícone abaixo, também criado em 2008.


Os slogans 
Helping you make great meals easy. 
Every day you get our best.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1916 
● Fundador: Walter e John Wegman 
● Sede mundial: Rochester, New York, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Wegmans Food Markets Inc. 
● Capital aberto: Não 
● Chairman: Danny Wegman 
● CEO: Colleen Wegman 
● Faturamento: US$ 8.7 bilhões (2017) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 97 
● Presença global: Não (presente somente nos Estados Unidos) 
● Funcionários: 48.000 
● Segmento: Varejo 
● Principais produtos: Alimentos, bebidas e utensílios domésticos 
● Concorrentes diretos: , Trader Joe’s, , e  
● Ícones: A simpatia dos funcionários 
● Slogan: Helping you make great meals easy. 
● Website:  

A marca nos Estados Unidos 
Atualmente a WEGMANS, uma das maiores empresas privadas dos Estados Unidos e uma das mais conceituadas redes regionais de supermercados, conta com 97 lojas em seis estados americanos (Nova York, Pensilvânia, Nova Jersey, Virgínia, Maryland e Massachusetts). Cada loja da rede oferece de 50.000 a 70.000 produtos (nas maiores unidades), contra uma média de pouco mais de 40.000 (segundo o Food Marketing Institute) na maioria dos supermercados americanos. Além disso, é possível encontrar mais de 3.000 produtos orgânicos em todas as lojas da rede. Empregando 48 mil pessoas, a empresa faturou US$ 8.7 bilhões em 2017. 

Você sabia? 
No ano de 2017, a WEGMANS ocupou a posição de número 31 na lista Supermarket News, que aponta os 75 melhores supermercados americanos com base no volume de vendas. Além disso, a WEGMANS ficou em segunda no “Reputation Quotient” de 2018, realizado pela The Harris Poll, que mostra o nível da reputação de grandes marcas nos Estados Unidos entre seus consumidores. 
A mãe do ator Alec Baldwin teria se recusado de mudar da cidade de Nova York para Los Angeles porque na cidade californiana não existe um supermercado WEGMANS. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), jornais (Valor Econômico e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).  

Última atualização em 30/5/2018








Desde 1843, a STANLEY define o padrão de excelência e qualidade em ferramentas. Poucas marcas no mundo têm uma história mais forte ou inovadora em oferecer as ferramentas certas que ajudam profissionais e amadores de todo o mundo a construir, reformar e proteger milhões de imóveis. Desde um pai de família que instala um ventilador de teto até o empreiteiro profissional que constrói novas residências, é seguro apostar que a STANLEY tem a ferramenta certa para o trabalho. 

A história 
As origens da empresa remontam ao ano de 1843 quando Frederick Trent Stanley, um comerciante de 41 anos de idade, juntamente com seu irmão mais novo, William Stanley, fundou a Stanley’s Bolt Manufactory na pequena cidade de New Britain, estado americano do Connecticut. Inicialmente a modesta oficina fabricava parafusos, dobradiças e outras ferramentas em ferro forjado. Com qualidade superior e inovações constantes, os produtos da marca começaram a ganhar reputação na região. Em 1854 a empresa começou a fabricar réguas de precisão. Pouco depois, em 1857, mesmo ano em que lançou no mercado medidores de precisão, seu primo Henry Stanley fundou a Stanley Rule e Level Company, uma empresa para produzir aparelhos de medição e ferramentas manuais, também sediada na cidade de New Britain. Ambas as empresas cresceram em paralelo ao longo das décadas seguintes, acumulando uma vasta gama de produtos e uma impressionante experiência no setor, como por exemplo, em 1863, quando a STANLEY adicionou o martelo a sua linha de produtos; ou em 1870 com o lançamento das primeiras chaves de fenda.


Em 1902, a empresa que já se chamava Stanley Works começou a exportar seus produtos. A empresa ampliou sua capacidade produtiva nos anos seguintes com a inauguração de novas fábricas em Niles (1909), estado de Ohio e estrategicamente localizada no cinturão de aço do nordeste americano, e no Canadá em 1914. Ainda em 1914 lançou o grampeador de alta pressão, ideal para o uso em tapeçarias, estofados, molduras, entre outras atividades. Em 1920, as duas empresas se uniram para formar oficialmente a STANLEY WORKS para produzir ferramentas manuais. Isto permitiu que a empresa aumentasse sua força de trabalho em aproximadamente 1.200 trabalhadores e suas vendas líquidas em US$ 6 milhões. A empresa continuou a crescer e a expandir-se nos anos seguintes com um lendário compromisso de qualidade e serviço, como por exemplo, em 1926, quando a STANLEY já estava produzindo ferramentas na Alemanha. Em 1931, de forma inovadora, a empresa apresentou a Stanley Magic Eye, primeiro operador automático de portas giratórias do mundo, ingressando assim em uma nova categoria de mercado. Ainda neste ano, lançou sua primeira fita métrica de aço. Uma série de outros produtos também foram introduzidos durante o período, mais notavelmente uma linha de ferramentas elétricas, que foram produzidas sob uma nova divisão estabelecida em 1929.


Pouco depois, em 1936, a marca lançou no mercado o estilete. Em 1937 a STANLEY ingressou no mercado do Reino Unido através da aquisição de outra empresa. Apesar dessas inovações, esta década foi marcada por um período de grandes dificuldades e prejuízos em virtude da Grande Depressão econômica que assolou os Estados Unidos e atingiu duramente o setor de construção e, portanto, as indústrias de ferramentas e ferragens. Com o advento da Segunda Guerra Mundial, a empresa, por necessidade, foi forçada a se readequar, transformando-se em fabricante de equipamentos militares. O baby boom do pós-guerra foi importante para a STANLEY, pois impulsionou a indústria de construção nos Estados Unidos e, portanto, a demanda por ferramentas. Além disso, a empresa também se beneficiou com o chamado “Do It Yourself” (Faça Você Mesmo) no segmento de reformas domésticas. Em 1961, a STANLEY lançou no mercado sua primeira furadeira portátil sem fio. Ainda nesta década a empresa continuou sua expansão internacional ingressando no mercado australiano (1963). Foi também em 1963 que a marca lançou a inovadora fita métrica PowerLock, com caixa e bloqueio da fita, permitindo uma medição mais precisa e segura.
 

Pouco depois, em 1966, a empresa abriu seu capital na Bolsa de Valores e, com o dinheiro levantado, expandiu-se ainda mais internacionalmente. Neste período a STANLEY adquiriu outras empresas, como por exemplo, a Berry Industries (fabricante de portas automáticas de garagem, em 1965) e a Ackley Manufacturing Company (ferramentas hidráulicas, em 1971). A expansão e inovação também atingiram a linha de produtos, como por exemplo, em 1975 com o lançamento de sua primeira porta automática de entrada deslizante. Além disso, a STANLEY lançou kits e malas de ferramentas completas. Em 1980, a marca ganhou enorme exposição ao projetar e instalar portas de plataforma para o Aeroporto Internacional de Orlando, na Flórida. Além disso, ao trabalhar mais de perto com atacadistas e varejistas, aumentou sua participação de mercado e, talvez o mais importante, ampliou consideravelmente o investimento em publicidade televisiva. Com isso o slogan “Stanley ajuda você a fazer as coisas direito” (Stanley helps you do things right) tornou-se familiar em diferentes línguas ao redor do mundo. Esta década também foi marcada pela expansão da marca para o continente asiático.


Em 1999 a marca lançou no mercado a linha FatMax®, composta inicialmente por fitas métricas e martelos anti-vibração, extremamente resistentes e mais ergonômicos. Já em 2008, a marca relançou suas tradicionais plainas manuais. Pouco depois, em 2011, introduziu as lâminas de carbono extremamente resistentes para serem utilizadas em estiletes. Em março de 2010, ocorreu a fusão entre a STANLEY e a , fundada em 1910 por S. Duncan Black e Alonzo G. Decker e que seis anos mais tarde mudou o segmento com a primeira patente de uma ferramenta elétrica portátil. A nova empresa fornecia ferramentas e soluções nas quais as indústrias, profissionais e os consumidores confiam para serem bem sucedidos quando realmente importa. Com isso, foi formada a maior fabricante do mundo de ferramentas e sistemas de segurança. Por mais de 170 anos, a STANLEY está constantemente comprometida em fornecer aos amadores e profissionais produtos inteligentes, resistentes, pioneiros e à altura do trabalho a ser realizado.


Cada ferramenta STANLEY é criada para ajudá-lo a trabalhar melhor, de forma inteligente e mais rápida. As equipes de desenvolvimento de produtos trabalham lado a lado todos os dias com verdadeiros profissionais, para verem como trabalham e identificarem as formas de ajudar a melhorar o seu desempenho. Significa que todas as ferramentas chegam ao mercado com algo especial: conhecimento. Desde a fita que ajuda nas medições exatas até o martelo que prega com força e exatidão, a STANLEY cria ferramentas que ajudam milhões de pessoas a darem o melhor de si. Além disso, a marca oferece serviços através das divisões STANLEY SECURITY (sistemas de segurança comercial abrangentes, incluindo alarmes de detecção, controles de acesso, vigilância por vídeo, detecção de incêndio e monitoramento 24 horas por dia), STANLEY ENGINEERED FASTENING (soluções de ponta para indústrias), STANLEY INFRASTRUCTURE (maior fabricante de ferramentas hidráulicas portáteis do mundo) e STANLEY HEALTHCARE (líder em soluções de segurança para idosos e crianças nos mercados de assistência médica, hospitais e casas de repouso com sistemas de rastreamento, monitoramento de temperatura e umidade, entre outros).


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. Na década de 1950 o logotipo assumiu definitivamente as cores amarela e preta. Em 2013 o atual logotipo da marca foi adotado e, apesar de manter as tradicionais cores, ganhou uma nova tipografia de letra (mais espaçada) e um pequeno detalhe na letra N.


Os slogans 
Performance in Action. (2013) 
Make Something Great. 
Stanley helps you do things right. (década de 1970)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1843 
● Fundador: Frederick Trent Stanley 
● Sede mundial: New Britain, Connecticut, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Stanley Black & Decker Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO & Presidente: James Loree 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 100 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 57.700 (Stanley Black & Decker Inc.) 
● Segmento: Ferramentas 
● Principais produtos: Martelos, chaves de fenda, alicates, soquetes e furadeiras elétricas 
● Concorrentes diretos: Würth, Makita, , , Bahco, Gedore, Irwin, Tomboy Tools e Snap-On 
● Ícones: A cor amarela 
● Slogan: Performance in Action. 

A marca no mundo 
Atualmente a STANLEY, que pertence à empresa Stanley Black & Decker Inc., proprietária de marcas como , Dewalt e Craftsman, comercializa sua vasta linha de ferramentas (martelos, alicates, furadeiras elétricas, serras de mão, formões, entre outros itens) em mais de 100 países ao redor do mundo. A marca STANLEY oferece mais de 50.000 produtos diferentes para o público em geral, profissionais e setor industrial. 

Você sabia? 
As ferramentas STANLEY são fabricadas sob rigorosos padrões de qualidade internacionais, respaldadas por uma garantia de 2 anos contra defeitos de fabricação e funcionamento. 
A STANLEY está ativamente envolvida em diversas parcerias, como por exemplo, com o FC Barcelona (onde é uma das patrocinadoras oficiais), com a equipe da Joe Gibbs Racing através do piloto Daniel Suárez, ou com a MotoGP, campeonato de motociclismo mais importante do mundo. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 21/5/2018








A Pés Sem Dor é uma empresa que oferece conforto e bem estar a milhões de brasileiros, eliminando ou reduzindo as dores dos pés, tornozelos e joelhos, oferecendo qualidade de vida através de palmilhas feitas sob medida, inovação e bom serviço. 

A história 
Tudo começou com o americano Thomas Amos Case (foto abaixo), um engenheiro mecânico formado pela tradicional Universidade de Michigan, que no mês de maio de 1977 havia sido um dos fundadores da , inicialmente uma empresa de recolocação e recrutamento de executivos e que nos anos seguintes dominou o setor de recrutamento e seleção de pessoas no mercado brasileiro. Em 2006, a americana Tiger Management desembolsou uma cifra milionária (estimados US$ 50 milhões) para assumir o controle da empresa. Aos 69 anos com o dinheiro recebido, o empresário bem que poderia se dar ao luxo da aposentadoria, curtindo a vida em alto estilo e com uma fortuna capaz de garantir o futuro de mais de uma geração dos Case. Ele até que tentou. Mas seu instinto empreendedor falou mais alto.


Coincidentemente, tal como acontecera com a , que ele resolveu fundar ao ser demitido de uma fabricante de silos agrícolas em que trabalhava, em Londrina, no interior do Paraná, a volta aos negócios se deu também em decorrência de motivos pessoais. Praticante diário de exercícios físicos, ele sofria com dores terríveis nas pernas e pés, em decorrência da deformação conhecida como “pés chatos” (que faz com que toda a sola do pé fique em contato com o solo e causa dores). Seu fisioterapeuta e personal trainer, por acaso, fabricava artesanalmente palmilhas para aliviar o desconforto e as dores. Em uma rápida pesquisa de mercado, ele e o fisioterapeuta verificaram que havia enormes oportunidades nessa área da ortopedia para produtos de alta qualidade. Afinal aproximadamente 80% da população brasileira têm algum tipo de dor nos pés e pernas. E mais: as palmilhas disponíveis no mercado nacional eram feitas artesanalmente e não tinham precisão.


Diante desta situação, eles rapidamente trataram colocar a ideia em prática. Fizeram as malas e foram para a Europa em busca dos fabricantes com a melhor tecnologia para a produção de ponta de palmilhas, e disponibilizá-las à população brasileira. Eles visitaram 14 empresas em seis países diferentes. Dentre as empresas, foram visitadas a Novel e PedCad, empresas alemãs, ambas com mais de 20 anos de experiência em pés, que eles fecharam parcerias. Fundada em 2009, com o sugestivo nome de Pés Sem Dor, a nova empresa tinha como sócios Case, que detinha 80% do capital, e o fisioterapeuta, que ficou com os restantes 20%. Inicialmente, os dois sócios construíram uma fábrica de palmilhas em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, que abrigava os equipamentos alemães. A nova empresa prometia acabar ou reduzir com dores nos pés causadas por problemas como calos, joanetes, pés cavos ou chatos e até pelo uso prolongado de salto alto. As palmilhas eram confeccionadas sob medida, após uma avaliação com fisioterapeutas especializados.


A expansão da empresa começou em 2010 com a adoção do sistema de franquia. Além disso, a empresa passou a produzir também sandálias ortopédicas personalizadas, que eram feitas com base no molde das palmilhas dos clientes. As sandálias eram confeccionadas em dois modelos: FlipFlop e Comfort, e em diversas combinações de cores. Em 2013, já eram 10 lojas franqueadas espalhadas por cinco estados brasileiros. Apesar do crescimento os resultados ainda não eram satisfatórios e a empresa não conseguia produzir as palmilhas com os níveis de qualidade desejados. A virada começou em 2016 quando Case decidiu deixar de lado os tradicionais sistemas de produção 2D e migrar para a tecnologia 3D, cuja aplicação industrial ainda engatinhava. Para chegar ao estado da arte na produção de palmilhas, Case não economizou. Todas as lojas da rede Pés Sem Dor foram equipadas com baropodômetros, aparelhos que avaliam a pressão sob a sola dos pés, gerando informações que são transmitidas por scanners para as impressoras 3D instaladas no atual centro de produção de palmilhas, na região da Avenida Paulista, em São Paulo. Com esses equipamentos, a intervenção humana no desenho e fabricação das palmilhas é praticamente zero. Além disso, o antigo processo utilizava o EVA, uma espuma que necessita de descarte seguro dos restos em caçambas. Desde então, os produtos são feitos de um elastômero flexível chamado TPU.


Recentemente a empresa também resolveu focar seus esforços em uma fatia de possíveis clientes formadas por profissionais do comércio e da indústria que por conta de suas funções trabalham muitas horas diárias em pé, como os empregados de shoppings centers e fábricas, como funcionários de frigoríficos e operários em linhas de montagem. Atualmente, a Pés Sem Dor mantém projetos-pilotos para o emprego de suas palmilhas em trabalhadores da e do Naturafrig, um frigorífico baseado no Mato Grosso do Sul. Hoje em dia, o processo é simples e rápido: um scanner 3D faz o mapeamento da sola dos pés, e um programa de computador aplica as correções necessárias com o acompanhamento de um fisioterapeuta. O desenho é enviado para uma impressora 3D, que, em duas horas, imprime um par de palmilhas. A avaliação é gratuita nos pontos de venda da marca, que lembram mais um consultório médico do que uma loja. Segundo a empresa, a maioria dos clientes chega à Pés Sem Dor por indicação médica. Mais de 550 médicos indicam o trabalho da empresa. Além da avaliação com os aparelhos, os fisioterapeutas consideram também os hábitos do cliente.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por apenas uma pequena remodelação. Isto ocorreu em relação ao tom de verde do pé (ficou mais escuro) e a adoção de uma nova frase abaixo do nome da marca (Palmilha Sob Medida).


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 2009 
● Fundador: Thomas A. Case 
● Sede mundial: São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Pés Sem Dor Brasil Ltda. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Thomas A. Case 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 44 
● Presença global: Não (presente somente no Brasil) 
● Funcionários: 100 
● Segmento: Ortopédico 
● Principais produtos: Palmilhas ortopédicas customizadas e sandálias ortopédicas 
● Concorrentes diretos: Sottopiede, TechFeet e Laboratório do Pé 
● Website:  

A marca no Brasil 
Atualmente a Pés Sem Dor, maior empresa no segmento de palmilhas customizadas do país, tem aproximadamente 45 lojas em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Cuiabá, além de cidades no interior paulista como Ribeirão Preto, Sorocaba e Jundiaí. Não existe loja de rua. Todas as unidades são instaladas em prédios comerciais, como se fossem consultórios de fisioterapias. Cada par de palmilha custa em média R$ 500. Segundo a empresa, que já atendeu mais de 60 mil clientes, 94% deles estão satisfeitos com o produto e os 6% restantes receberam seu dinheiro de volta. 

Você sabia? 
A confiança em seus produtos e tecnologias levou o marketing da empresa a oferecer aos clientes a possibilidade de receber seu dinheiro de volta até três meses depois da compra, caso estejam insatisfeitos com suas palmilhas. 
Primando pela qualidade de serviço e atendimento, os funcionários da Pés Sem Dor passam por rigoroso treinamento, focando principalmente no atendimento ao cliente. Tanto os colaboradores como os franqueados são treinados. A empresa também se preocupa com a tecnologia em todas as etapas, desde o atendimento ao cliente até a fabricação das palmilhas ortopédicas sob medida. Todo o processo de avaliação e produção das palmilhas acontece em ambiente digital. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Época Negócios, Exame e PEGN), portais (UOL), jornais (Valor Econômico, Estadão e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 27/4/2018








Uma pequena estrela estilizada com um A é quase onipresente em provas de automobilismo e motociclismo no mundo inteiro. Ela representa a italiana Alpinestars, que equipa e protege os melhores pilotos do planeta. Construindo uma reputação de inovação e prestígio, o objetivo da marca sempre foi fornecer aos pilotos uma vantagem competitiva, inovando continuamente e desenvolvendo novas tecnologias e materiais para melhorar o desempenho e aumentar a segurança. 

A história 
Apesar do nome inglês a Alpinestars nasceu na Itália em 1963, quando um artesão de couro chamado Sante Mazzarolo inaugurou uma pequena oficina e começou a produzir botas de esqui e alpinismo. O nome da marca deriva de uma espécie de flor (Stella Alpina) presente nas montanhas da pequena cidade de Asolo, norte da Itália, onde a empresa surgiu. Rapidamente, Mazzarolo aproveitou a crescente popularidade do MotoCross pela Europa para investir sua experiência e talento em prol do esporte, criando botas que alcançavam as exigências de proteção e design dos melhores pilotos, cujas opiniões foram extremamente relevantes para o desenvolvimento do novo produto. A primeira bota para motociclismo da Alpinestars foi apresentada no ano de 1965 com diversas inovações (desde um protetor de canela de aço a um sistema de fechamento com presilhas ao invés de cordões). A bota revolucionária que Mazzarolo criou se tornaria um ícone de proteção do MotoCross.


A Alpinestars sabia que as corridas eram a melhor maneira de desenvolver e divulgar seu produto, e trabalhando com pilotos como o pentacampeão mundial de MotoCross Roger Decoster e o tetra-campeão mundial Heikki Mikkola, a marca rapidamente se tornou conhecida por suas botas de alta qualidade e sua imagem profissional. Depois de estabelecer sua botas de MotoCross, a marca italiana ingressou no mercado de motociclismo no final dos anos de 1970. Mais uma vez, avanços técnicos tais como os sliders de bota e novos níveis de proteção chamaram a atenção dos melhores pilotos levando o tri-campeão da MotoGP Kenny Roberts a utilizar as novas botas Alpinestars nas pistas de todo o mundo. Fazer os melhores produtos para os melhores pilotos sempre foi a prioridade da Alpinestars. Por isso, pilotos lendários como Kevin Schwantz, Mick Doohan e Alex Criville na motovelocidade e Bob Hannah, Ricky Jonhson e Jeremy McGrath no MotoCross foram todos vencedores com Alpinestars e contribuíram para fazer dos produtos os melhores do mercado.


Na década de 1980 a empresa instalou escritório na cidade de Los Angeles, de olho no enorme mercado americano. Apesar da marca ser reconhecida no segmento das duas rodas, a empresa também começou a ser importante no automobilismo, tendo iniciado em 1990 um programa de desenvolvimento para calçados técnicos de corridas na Fórmula 1 e na IndyCar. A partir de 1993, o filho do fundador, Gabriele Mazzarolo, assumiu o comando da empresa e iniciou uma fase de expansão internacional. Pouco depois, em 1995, a marca italiana, até então conhecida por seus calçados esportivos, desenvolveu e lançou o primeiro item de vestuário técnico (jaqueta para motociclismo), seguido em 1999 pelo início do desenvolvimento de macacões de couro de alta performance. Carlos Checa foi o primeiro piloto da MotoGP a testar esses macacões da Alpinestars e auxiliar nos testes de desenvolvimento. Depois vieram luvas, calças, joelheiras, cotoveleiras e equipamentos de proteção como bala-clava. Em 2002, ingressou oficialmente no mundo do automobilismo com produtos como luvas, jaquetas, macacões, calças, roupas de baixo e meias. Com isso, a Alpinestars ampliou seu leque de atuação produzindo todos os tipos de equipamentos técnicos de proteção para motociclismo e automobilismo.


Pouco depois, em 2004, a marca lançou uma linha de vestuário casual com moletons, camisetas, regatas, jaquetas, coletes, calças, bermudas, cintos e até bonés. Foi neste mesmo ano que a marca iniciou uma parceria com uma equipe na Downhill Mountain Bike World Cup, ingressando assim no desenvolvimento de vestuário e equipamentos de proteção para ciclistas de competição. Em 2009 inovou mais uma vez ao apresentar as jaquetas de competição com um colete dotado de airbag, que, a partir de 2014, passou a fazer parte de sua linha casual, voltada para motociclistas urbanos. O colete com airbag se baseia no Tech-Air™, desenvolvido desde 2001 e o primeiro sistema urbano de airbags autossuficientes, que funcionam de forma independente, sem a necessidade de que sensores sejam instalados na motocicleta (é alimentado por uma bateria e inflado usando uma mistura de gás à base de nitrogênio). Uma curiosidade: em junho de 2013, o piloto de motociclismo Marc Márquez bateu a uma velocidade de aproximadamente 337 km enquanto usava o colete com airbag e não sofreu ferimentos graves. Nos últimos anos a marca lançou acessórios casuais, como por exemplo, mochilas e até uma linha de relógios esportivos. Uma novidade recente da marca é o Novus, um capacete aberto que apresenta uma série de inovações como visor, visor solar, sistema de ventilação e sistema de ajuste de precisão da cabeça, tornando-o perfeito para a cidade e deslocamentos urbanos.


Telemetria e aquisição de dados das motocicletas e automóveis de corrida tem sido uma prática comum a alguns anos, no entanto, adquirir dados diretamente do corpo do piloto não. E foi justamente o que a Alpinestars desenvolveu, uma tecnologia para permitir aos técnicos a capacidade de analisar as forças gravitacionais e de impacto, assim como as mudanças fisiológicas pelas quais uma pessoa passa quando anda no limite de uma máquina de alta performance. Por isso a marca italiana desenvolveu o macacão “Advanced Safety Technology”, equipado com o novo sistema A.S.T. Os sensores do macacão gravam a força máxima do impacto recebida pelo piloto, fornecendo dados reais da situação, acima e além dos testes normalmente realizados no laboratório da empresa. Além disso, é possível monitorar os dados fisiológicos do piloto. As informações podem então ser estudada para se analisar pontos de pressão, forças G laterais, batimentos cardíacos do piloto e a performance do sistema de resfriamento do macacão.


Durante mais de cinco décadas, a Alpinestars, que equipou inúmeros campeões do passado e do presente, é líder mundial em produtos de corrida profissional, proteção de airbag para motociclismo, vestuário de alto desempenho e calçados técnicos. Com o desenvolvimento de produtos que buscam cada vez mais otimizar a segurança, a Alpinestars se certifica de garantir qualidade e proteção para milhões de pilotos. Por isso durante todo o desenvolvimento e fabricação, os produtos das linhas de proteção, utilizam materiais de ponta como o Kevlar®, que minimiza impactos de forma eficiente. Mas toda a proteção seria de certa forma inválida no caso do desempenho ser comprometido. Por isso, os materiais são desenvolvidos pensando em duas vertentes: proteção e conforto. Até hoje, o legado dentro do motociclismo da Alpinestars e suas raízes na arte italiana estão presentes em cada peça de vestuário.


A Alpinestars entende que o melhor design e pesquisa são alcançados em condições extremas através do seu envolvimento direto com a Fórmula 1, o Campeonato Mundial de Rali, a (categoria de automobilismo mais popular dos Estados Unidos), AMA (American Motorcyclist Association), World Motocross e MotoGP. Com estas colaborações e experiência, combinadas com departamentos de pesquisa e desenvolvimento altamente especializados, a Alpinestars garante que estejam constantemente alargando os limites da tecnologia com cada novo produto que lançam, para beneficiar os consumidores, tanto sobre duas, como sobre quatro rodas. Grandes pilotos como Michael Schumacher, Sebastian Vettel, Jimmie Johnson e Mark Webber, tiveram um papel importante no desenvolvimento dos produtos de automobilismo da Alpinestars.


A evolução visual 
A identidade visual da marca italiana passou por pequenas remodelações ao longo dos anos.


Dados corporativos 
● Origem: Itália 
● Fundação: 1963 
● Fundador: Sante Mazzarolo 
● Sede mundial: Asolo, Itália 
● Proprietário da marca: Alpinestars S.p.A. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Gabriele Mazzarolo 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 80 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 500 
● Segmento: Esportivo 
● Principais produtos: Calçados e vestuários de proteção esportiva 
● Concorrentes diretos: , , Simpson, OMP, Sparco, Duhan e Komine 
● Website:  

A marca no mundo 
A Alpinestars está presente em mais de 80 países comercializando produtos de alta qualidade e desempenho para motociclismo, automobilismo e ciclismo, incluindo protetores, jaquetas, macacões, calças, botas, sapatilhas e luvas. A empresa possui escritórios em Los Angeles e Tóquio, enquanto a sede mundial e as principais instalações de pesquisa e desenvolvimento permanecem no norte da Itália. 

Você sabia? 
Seu atual presidente, Gabriele Mazzarolo, já foi piloto e é o principal testador dos produtos Alpinestars. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 21/11/2017








Quer seja um hotel cinco estrelas em Nova York, um luxuoso bangalô em alguma exótica ilha do Pacífico, um deslumbrante resort no Caribe ou uma aconchegante pousada no interior de São Paulo. Trivago oferece os melhores hotéis do mundo pelas melhores diárias através de um simples clique. Por isso, quando você deseja encontrar o hotel ideal pelo melhor preço, pense Trivago. 

A história 
A ideia para a criação do Trivago nasceu em 2004, na sequência de um encontro entre os empreendedores Stephan Stubner, Peter Vinnemeier e Rolf Schrïmgens na cidade de Munique. A primeira versão beta do site foi lançada oficialmente no mês de janeiro de 2005, focada, sobretudo, em construir conteúdos comunitários de viagens, especialmente avaliação e comparação de hotéis. Apesar de funcionar, inicialmente, a partir de um escritório temporário debaixo de uma modesta garagem, na cidade alemã de Düsseldorf, no final do ano o site já recebia 150 mil visitas por mês. Em 2007, o Trivago começou sua expansão internacional, lançando sites locais na Espanha, França e Reino Unido, iniciando a comparação de preços entre vários sites de reserva (em vez da tradicional reserva direta) que é hoje em dia preponderante na funcionalidade do site.


Neste momento um grupo de investidores decidiu colocar dinheiro na empresa para acelerar sua expansão e crescimento. Com isso, no ano seguinte, o Trivago lançou sites locais na Polônia e na Suécia. Em 2009, o Trivago tornou-se rentável e veiculou seu primeiro anúncio televisivo na Alemanha. Nesta época, a taxa de crescimento anual da empresa aproximava-se dos 400%. E nesse mesmo ano, a empresa lançou seus primeiros sites locais fora da Europa. Com isso, Trivago foi introduzido nos Estados Unidos, China, Japão, Brasil e México. Em 2010 quando mais de 100 sites de reserva já estavam incluídos na comparação de preços, metade dos alemães e dos espanhóis conhecia a marca Trivago (a Espanha viria a tornar-se o mercado mais importante para a empresa, no ano seguinte). Em 2012 o site gerava mais de 1 milhão de encaminhamentos por dia para sites de reserva e a marca Trivago era a mais reconhecida para pesquisa e reserva de hotéis online na Alemanha, Itália e Espanha. Em dezembro desse mesmo ano, a , maior grupo norte-americano de turismo online, divulgou oficialmente a aquisição de 61.6% do Trivago por €474 milhões. Apesar da aquisição, a gestão da empresa permaneceu totalmente independente e na tutela dos três fundadores iniciais. Em 2013, a expansão além da Europa estava cada vez mais consolidada com o lançamento de campanhas na Austrália, Coréia do Sul, Índia e Japão, ao mesmo tempo em que um em cada cinco norte-americanos afirmava conhecer ou já ter usado o Trivago. Mais recentemente, a empresa disponibilizou novas opções como teste para seus clientes, como por exemplo, o aluguel de casas por temporada, na Alemanha, Itália, Canadá, Reino Unido e Estados Unidos, cinco dos seus principais mercados, já com mais de 150 mil imóveis para aluguel por temporada.


Atualmente, com mais de 175 milhões de avaliações de hotéis agregadas e mais de 19 milhões de imagens, fica mais fácil encontrar informações sobre o local para onde se quer viajar. Para ter uma visão geral de um hotel, o Trivago exibe uma média das avaliações junto a diversas opiniões de outros sites de reservas. O Trivago ajuda a encontrar informações sobre sua viagem para Paris, Nova York, São Paulo, Tóquio e milhares de outros destinos, incluindo o hotel ideal para você. O Trivago permite encontrar facilmente o hotel ideal pelo melhor preço. Basta informar para onde quer ir e as datas desejadas para viajar, e deixe que o mecanismo de busca compare preços de acomodações. Para refinar os resultados da busca, filtre por preço, distância (da praia, por exemplo), categoria por estrelas, instalações e muito mais (como pesquisar hotéis próximos de um ponto de interesse, como o centro da cidade ou um endereço específico). De hostels econômicos, passando por resorts a suítes de luxo, o Trivago facilita a reserva online. Em todos os continentes, o Trivago possui maestria no atendimento, sempre pensando no melhor para o bolso de seus clientes.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. O logotipo original foi substituído por uma versão mais moderna em 2007, quando a atual combinação de cores foi adotada. Em 2013 a marca apresentou seu logotipo atual com atualização nos tons das cores e uma nova tipografia de letra.


Os slogans 
Hotel? Trivago! (2012) 
Trips Vacations Go. (2008) 
The world’s largest hotel search.


Dados corporativos 
● Origem: Alemanha 
● Fundação: Janeiro de 2005 
● Fundador: Peter Vinnemeier, Malte Siewert e Rolf Schrömgens 
● Sede mundial: Düsseldorf, Alemanha 
● Proprietário da marca: Trivago N.V. 
● Capital aberto: Sim (2016) 
● CEO: Rolf Schrömgens 
● Faturamento: €754.2 milhões (2016) 
● Lucro: - €51.4 milhões (2016) 
● Valor de mercado: US$ 2.65 bilhões (janeiro/2018) 
● Presença global: 55 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 1.200 
● Segmento: Turismo 
● Principais produtos: Buscador e comparador de preços de hotéis 
● Concorrentes diretos: , , Booking, Hotelscompare, DetectaHotel, Kayak, Priceline e  
● Slogan: Hotel? Trivago! 
● Website:  

A marca no mundo 
Com apenas alguns cliques, o Trivago permite aos usuários comparar preços de hotéis a partir de mais de 400 sites de reserva com mais de 1.8 milhões de estabelecimentos em mais de 190 países. Além disso, o Trivago tem 55 websites locais em 33 idiomas. Todos os anos, o site recebe aproximadamente 1.4 bilhões de visitas de viajantes que utilizam regularmente o recurso de comparação de hotéis para verificar as ofertas disponíveis em uma mesma cidade. O Trivago não usa de publicidade ou patrocínios, gerando receitas unicamente através dos encaminhamentos dos utilizadores para os sites de reserva. 

Você sabia? 
Não oficialmente (afinal, nunca foi confirmado pela empresa), o nome Trivago é uma abreviatura da expressão trip vacation go
O Trivago Hotel Price Index (tHPI) é um estudo mensal que analisa a variação do preço médio por quarto duplo nos hotéis das principais cidades mundiais. Os valores fornecidos por mais de 200 sites de reserva e redes de hotéis criam o preço médio de hotel para cidades, regiões e países. 
E para onde os brasileiros vão? O Trivago diz que a gaúcha Gramado e a paulista Campos do Jordão são os destinos nacionais mais buscados em julho. Já nas férias de fim de ano, Gramado divide o posto de preferido com o Rio de Janeiro. Para o exterior, os cinco destinos mais procurados são Buenos Aires, Santiago, Nova York, Paris e Orlando. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Exame e Isto é Dinheiro), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 5/1/2018








A PROSEGUR protege com eficiência e segurança bens e patrimônios de milhões de pessoas e empresas em muitas partes do mundo. Desde os serviços de coleta e suprimento, transporte e custódia de cédulas, moedas, bilhetes de loteria, cheques, joias, obras de arte e objetos especiais com alto valor agregado, até vigilância e monitoramento, os clientes se sentem seguros com a empresa espanhola. 

A história
Tudo começou quando Herberto Juan Gut Beltramo, que nasceu na cidade argentina de Rosário, chegou à Espanha no final de 1975 com o aval e US$ 25 mil da família Juncadella, que possuía uma empresa de transporte de valores e segurança, para estudar o mercado espanhol e analisar as possibilidades de abrir uma filial. Os serviços de segurança privada, incluindo a segurança de transporte de dinheiro e o fornecimento de guardas de segurança, se mostraram populares depois da queda do regime autoritário de Franco, em 1975, e Herberto Gut aproveitou este momento para fundar a PROSEGUR no dia 14 de maio de 1976. A PROSEGUR começou suas atividades como uma empresa de segurança privada, inicialmente com um foco especial em usinas de energia, instalações industriais e centros comerciais. No ano seguinte, apostando na implantação de serviços em novos segmentos de mercado, a empresa passou a oferecer a atividade de vigilância.


Já em 1980 a empresa iniciou sua expansão internacional com a abertura de uma filial em Portugal. Pouco depois, em 1982, a PROSEGUR iniciou uma fase de expansão e consolidação no mercado espanhol através da aquisição de pequenas empresas locais. Em 1987, a PROSEGUR tornou-se a primeira companhia de segurança da Espanha a vender ações em uma oferta pública inicial na Bolsa de Valores de Madri. No início da década seguinte, em 1992, a empresa criou a divisão de alarmes, oferecendo proteção monitorada para residências e empresas. A matriz espanhola ingressou oficialmente no mercado da América do Sul em 1995 quando adquiriu 50% das atividades de vigilância da Juncadella na Argentina, Chile e Uruguai. Em meados de 1997, Herberto faleceu em um trágico acidente de automóvel na cidade de Madri.


Em 2001, a PROSEGUR comemorou 25 anos de atividade ingressando no enorme mercado francês. Ainda este ano, ao adquirir o restante da Juncadella, a empresa espanhola absorveu seus 23.500 funcionários nas filiais do Brasil, Peru, Paraguai, Bolívia, Argentina, Chile e Uruguai. Em 2007, dando continuidade a sua política de aquisições para reforçar as diversas áreas de negócio, a PROSEGUR adquiriu - na área de vigilância, logística de valores e gestão de numerário - a empresa colombiana Thomas Greg & Sons. No ano de 2011, a empresa iniciou uma nova etapa em sua internacionalização ingressando na Ásia (Índia e Cingapura) e na Alemanha. No ano seguiste passou a oferecer serviços de segurança para o enorme mercado chinês. Pouco depois, em 2013, ingressou no mercado australiano através da aquisição da segunda maior empresa de transporte de valores do país, a divisão australiana da Chubb Security por €95 milhões. No ano seguinte, ampliou sua oferta de produtos com o lançamento dos serviços no segmento de Cibersegurança. Mais recentemente, em 2016, quando comemorou 40 anos de serviços prestados, a PROSEGUR ingressou em um novo mercado: África do Sul.


Atualmente a PROSEGUR, terceira maior empresa privada do mundo em soluções integrais de segurança, apesar de sua visão global atua localmente, operando de acordo com as particularidades de cada mercado, já que o setor é altamente regulado e varia de acordo com a legislação de cada país. A PROSEGUR oferece uma completa gama de serviços como: Gestão de Caixas Eletrônicos (pioneira neste segmento para as principais instituições financeiras, assumindo toda a cadeia de funcionamento como abastecimento e reposição de dinheiro, monitoramento e controle de saldo, fechamento contábil e checagem de operação, custódia das chaves, manutenção e central de monitoramento), Gestão de Numerário (realiza a classificação e processamento de dinheiro com a mais avançada tecnologia, integrando as atividades de transporte de valores e gestão de numerário em um mesmo serviço), Vigilância Ativa (presencial armada ou desarmada, com cães, rondas internas e controle de acesso), Alarmes (serviços de monitoramento com alarmes, com e sem fio, para proteger estabelecimentos comerciais e residências), Transporte de Cargas Especiais (que se diferencia pelo alto nível de segurança que oferece, além de contar com a facilidade de reunir em uma única solução todas as etapas e serviços que demandam o transporte de cargas com alto valor agregado) e Transporte Internacional (serviço porta a porta que inclui suporte aos trâmites aduaneiros e a gestão de todos os documentos necessários).


Entre os produtos mais populares da PROSEGUR estão: Caixa Fácil (um produto revolucionário de guarda e aferição de valores, desenvolvido após extensa pesquisa, é composto por um cofre inteligente com blindagem reforçada e com o que existe de mais atual em tecnologia de reconhecimento de cédulas e segurança Uma vez depositado no cofre, o risco sobre os valores passa a ser integralmente da PROSEGUR) e o CataMoeda (um serviço inovador para solucionar o problema da falta de troco de maneira criativa, trazendo benefícios para o varejo e para os consumidores, que convertem suas moedas esquecidas em poder de compra).


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. O tradicional logotipo amarelo continha o globo terrestre e a letra S, em alusão a segurança que blinda seus serviços. A primeira modificação significativa ocorreu em 1996 e somente na América do Sul, onde a empresa argentina Juncadella era proprietária da marca: o logotipo se tornou redondo, ganhou novas cores (verde e vermelho) e o nome da marca. Seis anos depois, em 2002, quando a PROSEGUR da Espanha adquiriu as operações da América do Sul, o logotipo voltou as suas raízes visuais com a utilização da tradicional cor amarela. O atual logotipo da marca foi apresentado em 2005: o globo terrestre ganhou um design mais moderno. O tradicional globo terrestre pode ser aplicado do lado esquerdo ou acima do nome da marca.


Os slogans 
Seguridad de Confianza. 
Security you can trust. 
Você pode confiar.


Dados corporativos 
● Origem: Espanha 
● Fundação: Herberto Juan Gut Beltramo 
● Fundador: 14 de maio de 1976 
● Sede mundial: Madri, Espanha 
● Proprietário da marca: Prosegur Compañía de Seguridad S.A. 
● Capital aberto: Sim 
● Chairman: Helena Revoredo Delvecchio 
● CEO: Christian Gut Revoredo 
● Faturamento: €3.9 bilhões (2016) 
● Lucro: €185 milhões (2016) 
● Valor de mercado: €3.8 bilhões (fevereiro/2018) 
● Presença global: 17 países
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 168.000 
● Segmento: Segurança e logística 
● Principais produtos: Logística de valores e soluções integradas de segurança e alarmes 
● Concorrentes diretos: , Protege, G4S e Loomis 
● Ícones: A cor amarela 
● Slogan: Seguridad de Confianza. 
● Website:  

A marca no Brasil 
A PROSEGUR chegou ao Brasil em 1981, quando ainda fazia parte do Grupo argentino Juncadella e foi apenas em 2001, que a matriz espanhola comprou a PROSEGUR no Brasil. No decorrer dos anos a empresa cresceu no país e passou a ter forte presença nas regiões sul, sudeste e centro-oeste e posteriormente na região nordeste do país. Em 2005, adquiriu os ativos das empresas de transporte de valores Preserve e Transprev. Com essa incorporação e o crescimento das equipes a empresa tornou-se a líder de mercado neste setor no país. Em 2011 a empresa ingressou para o setor de grandes eventos e foi escolhida para prestar a segurança da edição do , no Rio de Janeiro, além de ser escolhida pela FIFA a primeira empresa de segurança privada a realizar a segurança de jogos amistosos da seleção brasileira em Goiânia e Belém. No ano seguinte, a PROSEGUR consolidou sua presença na região sudeste com a aquisição da Transbank e no nordeste com a aquisição da Nordeste Transporte de Valores. Com uma frota própria de 1.700 carros-fortes, distribuídos em mais de 100 filiais, a empresa atende seus clientes com agilidade e rápida resposta a qualquer demanda de transporte com a máxima eficiência.


A marca no mundo 
Com mais de 165 mil funcionários, a PROSEGUR oferece soluções globais de segurança em 17 países na Europa (Alemanha, Espanha, Portugal e França), Ásia (China, Cingapura e Índia), América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Paraguai, Peru e Uruguai), África (África do Sul) e Oceania (Austrália). Com faturamento de €3.9 bilhões em 2016, a empresa possui mais de 9 mil veículos e carros-fortes, mais de 100 mil guardas e vigilantes, 500 mil câmeras de monitoramento, 425 mil alarmes instalados, além de gerenciar mais de 100 mil caixas automáticos. A empresa é líder de mercado no Brasil, na Espanha e em todos os países da América Latina onde está presente. Os carros-fortes da empresa transportam anualmente mais de US$ 500 bilhões. 

Você sabia? 
No mês de abril de 2017, bandidos fortemente armados realizaram um mega-assalto a sede da transportadora de valores em Ciudad del Este no Paraguai. Armados com fuzis, entre eles o modelo .50 que derruba até helicóptero, os ladrões explodiram a entrada da empresa e trocaram tiros com vigilantes. Segundo autoridades e a empresa, os bandidos levaram mais de US$ 9 milhões. 
A eficiência só se consegue com investimento sério em inovação. Cada um dos sistemas de segurança que a empresa desenvolve foi testado previamente em uma de suas 600 bases operacionais em todo o mundo. Desta forma, a PROSEGUR o máximo de rendimento e eficácia antes de seu lançamento ao mercado. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), jornais (Valor Econômico e El País), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 22/2/2018








Faça chuva ou faça sol, o Climatempo está presente no cotidiano de milhões de brasileiros. Utilizando tecnologia de ponta, equipe técnica qualificada e profunda experiência em estatística e análise de dados, a empresa é capaz de oferecer uma previsão do tempo altamente acurada e a melhor prestação de serviço meteorológico do mercado brasileiro, com total independência. 

A história 
Tudo começou na década de 1980 com a chegada a cidade de São Paulo dos meteorologistas Carlos Magno do Nascimento e Ana Lúcia Frony (imagem abaixo). O casal trocou as praias cariocas pelo trabalho no Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), ligado ao Ministério da Agricultura. Depois de um tempo trabalhando no instituto, eles perceberam que aqui havia enorme demanda por esse tipo de informação e os órgãos públicos não davam conta. E começaram a pensar em montar um negócio próprio. Isto aconteceu no mês de setembro de 1988, quando com um capital de aproximadamente US$ 10 mil, emprestados de familiares, o casal resolveu criar uma pequena consultoria na garagem do sobrado onde moravam, no bairro da Aclimação, em São Paulo. Era o embrião do Climatempo. O primeiro cliente da empresa foi a , que precisava de uma fonte segura para previsão de geada no parque cafeeiro do Brasil. Depois vieram a Rádio Eldorado AM/FM de São Paulo e o jornal . Da ideia inicial de fornecer boletins informativos à imprensa e aos agricultores, rapidamente eles passaram a atuar como “garotos do tempo” da Rádio Eldorado e a prestar serviços personalizados para os mais variados tipos de indústria.


Nos anos seguintes teve como marcas registradas o pioneirismo, a liderança e a inovação. E começou a expandir seus serviços, que se estenderam à internet, com trabalhos realizados para o , , entre outros portais. Foi a primeira a oferecer boletins informativos para meios de comunicação e análises customizadas para diversos setores da indústria. Além disso, em 1999, tornou-se também pioneira no segmento ao criar seu próprio canal, a TV Climatempo, único canal brasileiro de meteorologia em rede nacional que oferece informações meteorológicas confiáveis e pontuais, 24 horas por dia, 7 dias na semana. O canal atinge um grande público no Brasil com uma programação de prestação de serviço e de conteúdo socioeducativo. Durante todo o dia a programação apresenta conteúdos sobre as condições climáticas, previsão de temperaturas, notícias sobre o clima no Brasil e no mundo, além de alertas meteorológicos. O canal também apresenta uma programação socioeducativa com diversos conteúdos sobre turismo, meio ambiente, sustentabilidade, agricultura, lazer, moda e cultura.


Com a ampliação cada vez mais rápida do universo digital, o portal Climatempo, nasceu em 2000, com informações precisas de previsões climáticas e boletins de todas as regiões do país, além de imagens de satélites em tempo real. As análises das previsões também passaram a ser feitas para períodos de tempo cada vez maiores, o que auxiliou indústrias, agricultores e órgãos governamentais na tomada de decisões com mais segurança em áreas que dependiam das condições climáticas. Ainda em 2000, a empresa aproveitou o boom da internet para lançar um portal dedicado unicamente ao agronegócio (AgroClima), que com notícias diárias rapidamente se tornou referência no setor. No início de 2006 foi criado o Grupo Climatempo, uma holding formada pela união do Climatempo Meteorologia (consultoria), a TV Climatempo, a Climatempo Produções, a Agência Climatempo e a Climanet (serviços de tecnologia e informática que incluem os portais e os produtos para celulares). Em 2010, para que milhões de brasileiros tivessem a previsão climática na palma da mão, a empresa lançou seu primeiro aplicativo para iOs e Android. No ano seguinte, introduziu o Sistema de Monitoramento e Alerta Climático (SMAC) para o mercado da construção civil. O produto emite alertas em tempo real de tempestades, ventanias, granizo ou ocorrência de raios.


O Climatempo sempre à frente do seu tempo investe em ideias de projetos de pesquisa científica. Por isso, criou um grupo de Pesquisa e Desenvolvimento para criar técnicas de melhoramento para prever o tempo. Quando a telefonia engatinhava no país, criou o serviço inovador de previsão do tempo por telefone. Na época em que internet e TV por assinatura ainda eram um item de luxo para muitos, lançou o primeiro portal sobre meteorologia e também o pioneiro canal de meteorologia 100% nacional. De olho na tecnologia foram criados aplicativos para todos os sistemas operacionais móveis, sem contar a interação com as redes sociais mais populares do país. A inovação também acompanha a evolução dos serviços de consultoria meteorológica e dos canais segmentados do Climatempo. Por exemplo, no portal Climakids (criado em 2012 através de uma parceria com a Maurício de Sousa Produções), as crianças aprendem sobre previsão do tempo de maneira divertida e didática. Já o Tempo de Moda informa às mulheres não apenas sobre o clima, mas também qual a melhor combinação de roupa nas principais capitais do país. Para quem gosta de atividade esportiva ao ar livre conta com o canal exclusivo sobre intensidade e direção ventos, além de informações sobre subida de maré, altura das ondas e qualidade do ar. O portal Clima de Viagem (lançado em 2015) oferece conteúdos que envolvem tempo, clima e informações turísticas das principais cidades do Brasil e do mundo, além de dicas de viagem e passeios.


Seus mais recentes produtos, lançados em 2017, foram o Agroclima PRO (uma solução focada no mercado de agricultura e pecuária, que por meio da análise de modelos numéricos e meteorologia de precisão, oferece previsões de curto, médio e longo prazo) e o AGROtalk (evento agrícola pioneiro, online e gratuito sobre clima e produtividade no campo, que oferece informações para aperfeiçoar o planejamento da safra e a operação do dia a dia no campo com a ajuda do conhecimento meteorológico e de tecnologias). O Grupo Climatempo trabalha para um perfil variado de clientes, que vai da empresa de sorvete que deseja saber quando fará calor para aumentar o estoque à produtora de cinema que necessita marcar uma gravação durante um dia ensolarado. E de olho nesses vários públicos, a empresa tem criado produtos diferenciados, como previsão sob encomenda para noivos que programam a festa de casamento ao ar livre e até um programa de meteorologia na internet, com linguagem mais jovem, apresentado por três garotas do tempo.


Os avanços tecnológicos também fazem parte da cultura do Grupo Climatempo. Com constantes investimentos na área e em equipamentos modernos de última geração para a produção de conteúdo meteorológico, atua fortemente na convergência de mídias, fornecendo previsões em qualquer lugar e a qualquer hora, seja por meio de texto, internet, TV, celular e podcasts. Agilidade, precisão e alta tecnologia, além de profissionais com muitos anos de experiência no mercado são alguns dos fatores decisivos para o sucesso e pioneirismo do Grupo Climatempo.


A consultoria 
Utilizando a meteorologia como ferramenta estratégica e fundamental na gestão de riscos, a CLIMATEMPO CONSULTORIA realiza previsões e análises customizadas conforme a necessidade de cada cliente: Monitoramento 24 horas (oferece o acompanhamento das variações meteorológicas por meio da análise de radares e satélites, estações meteorológicas, aeroportos, além de equipamentos que permitem alertas de temporais, queda de granizo, descargas elétricas e rajadas de vento), Previsão de tempo (fornece, diariamente, as condições meteorológicas esperadas para os próximos 15 dias), Boletins náuticos (serviço específico de previsão para a região litorânea, que informa a previsão da altura e orientação das ondas, direção e intensidade do vento e a previsão de tempo para os próximos dias), Weather index (oferece uma projeção de consumo baseado em parâmetros de correlação com as variáveis do clima, sendo possível compreender de forma detalhada o impacto das condições do tempo e do clima na lucratividade das empresas, possibilitando tomadas de decisões estratégicas na produção e no marketing), Monitoramento de descargas elétricas (serviço que acompanha, por meio da análise de informações de radares, satélites e de uma rede própria de sensores, e fornece, com antecedência, informações para que uma empresa possa se proteger das descargas elétricas), Previsão climática (análise da tendência do clima com até 12 meses de antecedência), Relatórios e laudos meteorológicos (documento com valor legal que atesta as condições do tempo para uma determinada data e local) e Boletim de Safras (dispõe de uma previsão de tempo esperada para os próximos 15 dias e climática para um ano. Com este boletim, é possível entender o impacto do tempo e do clima no desenvolvimento de plantações e ter um acompanhamento das safras nas principais áreas produtoras do Brasil e do mundo – monitorando aproximadamente 90% da produção agrícola do mundo).


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo de sua história. A primeira mudança aconteceu em 2007, quando seu logotipo passou por uma reformulação e modernização de imagem, ganhando o icônico slogan: O céu fala. A gente entende. Mais recentemente o logotipo adotou um tom de azul mais claro.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: Setembro de 1988 
● Fundador: Carlos Magno do Nascimento e Ana Lúcia Frony 
● Sede mundial: São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Climatempo Assessoria E Consultoria Meteorológicas Ltda. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Carlos Magno do Nascimento 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: Não (presente somente no Brasil) 
● Funcionários: 150 
● Segmento: Meteorologia 
● Principais produtos: Canal de TV, portal e aplicativo com previsão do tempo 
● Concorrentes diretos: , Somar e TempoAgora 
● Slogan: O céu fala. A gente entende. 
● Website:  

A marca no Brasil 
Atualmente o Climatempo, maior empresa privada de previsão do tempo e análises meteorológicas da América Latina, oferece seus serviços em todo o Brasil através da TV Climatempo, do portal de internet (que recebe uma média de 2 milhões de visitantes únicos por dia) e aplicativos (com mais de 2.5 milhões de downloads). A empresa oferece ainda análises customizadas para os meios de comunicação e mais de 22 segmentos da economia brasileira, como por exemplo, agricultura, moda, varejo, energia elétrica, construção civil, entre outros mercados que investem em consultoria meteorológica para tomada de decisão. A empresa conta com mais de 150 profissionais, das áreas de tecnologia da informação, meteorologia, geografia, jornalismo, física, engenharia e de artes, que se dedicam diariamente à prestação de serviços, garantindo a qualidade e a credibilidade da marca Climatempo. 

Você sabia? 
Na década de 1990, Carlos Magno, um dos fundadores da empresa, também atuou como “homem do tempo”: apresentou o quadro no Jornal Nacional, no Bom Dia Brasil e no Jornal Hoje, na
O Grupo Climatempo tem seu próprio modelo matemático de previsão do tempo a partir do uso de um supercomputador aumentando a precisão dos seus serviços e realiza previsões para 15 dias em apenas uma hora. 
Em 2014, o aplicativo do Climatempo foi eleito o segundo mais importante para os moradores de São Paulo, atrás apenas do Maps. A pesquisa foi realizada pelo e constatou que 62% dos entrevistados consideravam o aplicativo o mais importante para o dia a dia na cidade. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Exame, Isto é Dinheiro, Veja e Época Negócios), jornais (Valor Econômico, Estadão, Folha e O Globo), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 14/2/2018








A marca carrega o homônimo nome de um dos maiores compositores de música clássica da história. Uma garrafa bojuda e escura com design inconfundível. E dentro um delicioso e cremoso licor de chocolate, que mais parece um bombom engarrafado. Essa é a receita da marca MOZART para conquistar o paladar de milhões de pessoas pelo mundo afora. 

A história 
Para contar a história do licor de chocolate cremoso mais famoso do mundo é preciso voltar no tempo. Afinal, dentro de cada garrafa há 150 anos de experiência e tradição na fabricação de licores. Tudo começou no ano de 1873 em um pequeno povoado ao norte da Alemanha chamado Steinhagen. Foi lá que Heinrich Christoph König fundou uma empresa para a produção de conhaques e vinhos, que rapidamente fizeram sucesso. Oito décadas mais tarde, em 1954, a quinta geração da família resolveu transferir a empresa para a cidade de Salzburgo, na Áustria. Surgia assim a Mozart Distillerie, batizada assim em homenagem ao compositor Wolfgang Amadeus Mozart, que nasceu na cidade no ano de 1756. A nova empresa produzia inicialmente bebidas típicas austríacas, que fizeram sucesso por todo o país.


A história começaria a mudar quando a destilaria resolveu desenvolver uma receita para um licor a base de chocolate. A empresa desenvolveu então um método único de produção que dava ao novo licor uma suavidade e cremosidade que conquistaria os paladares mais exigentes do mundo. Feito com o mais puro chocolate belga, com uma pasta feita de duas espécies de cacau: o Forasteiro, encontrado na África Ocidental e o Trinitário, importado do Caribe. O licor ainda contava com um leve toque de baunilha Bourbon, genuína de Madagascar, e óbvio, uma boa aguardente de cereja ou cana de açúcar. O novo licor foi lançado no mercado austríaco em 1981. Por ter como lema o compromisso com a alta qualidade, e assim como a famosa Flauta Mágica, composição de sucesso do grande gênio da música clássica, o licor foi batizado de MOZART GOLD. Afinal, enfatizava a mistura de diferentes elementos que compunham o licor de maneira semelhante às diferentes partes de uma obra musical. Era cheio de classe, requinte e estilo. A começar por sua garrafa, que mais parece um bombom gigante, um show a parte combinando perfeitamente com o conteúdo que preserva.


Durante alguns anos o MOZART ficou restrito ao mercado austríaco, mas começou a ganhar notoriedade mundial ao ser vendido nas lojas do Freeshop dos principais aeroportos europeus. Rapidamente, os viajantes e turistas de outras partes do mundo enxergaram no licor um presente sofisticado e único. Afinal, era um jeito bem inusitado de “comer” chocolate. Além disso, o enorme sucesso foi alcançado pela versatilidade do licor, que permitia diferentes combinações para obter variações requintadas e refinadas: com vodca ou com café, com baunilha ou menta, com creme de leite, com frutas. Em 2005 a marca lançou uma nova variação, o Mozart Dark Chocolate (a combinação perfeita entre o chocolate amargo 87%, baunilha e caramelo). Em 2008, a empresa japonesa fabricante de bebidas Suntory Limited (atual Beam Suntory), que importava o licor MOZART para o Japão desde 1990, adquiriu 50% da Mozart Distillerie. O acordo permitiu que a destilaria austríaca expandisse suas vendas fora do mercado europeu, especialmente em países emergentes como a Índia e a China.


Pouco depois a marca iniciou uma diversificação maior de sua linha de produtos com o lançamento de diversas variações do licor original, como por exemplo, com o Mozart White Chocolate Vanilla Cream (um sabor suave do mais puro chocolate branco); com o Mozart Chocolate Vodka (feito com um macerado de chocolate criado com cacau, baunilha e destilado para criar uma espécie de vodca sutilmente seca, com 40% de graduação alcoólica), introduzido em 2009; com o lançamento do Mozart R.G. Chocolate Cream (refinando o macerado de cacau em barris Bourbon por pelo menos seis meses), introduzido em 2014 para comemorar o aniversário de 60 anos da destilaria; ou com as edições limitadas Mozart Amadé Chocolate Orange (chocolate amargo com laranja) e Mozart Pumpkin Spice Chocolate Liqueur (combinação única de chocolate, caramelo e notas naturais de abóbora, canela, cravo e baunilha), esta última introduzida em 2016 para o Dia das Bruxas. A última novidade da marca foi lançada no mercado em 2017 e atende pelo nome Mozart White Chocolate Cream Strawberry (combinação de aromas de morangos e baunilha Bourbon), desenvolvido para ser bebido gelado.


Inimitável e inigualável, os ingredientes do licor MOZART, que possui graduação alcoólica de 17%, podem até não ser secretos, mas sua produção requer uma precisão milimétrica em um processo complexo. Uma vez que as matérias-primas tenham sido entregues, elas embarcam em uma longa jornada que envolve muitas etapas de processamento e verificações de qualidade. O cacau e a baunilha Bourbon são macerados a frio no destilado. Posteriormente os outros ingredientes, como o chocolate belga, o creme de leite e a manteiga de cacau são fundidos na receita em uma ordem específica, onde é levada em consideração até mesmo a temperatura e técnicas de mistura. Segundo a empresa, esse jogo de temperaturas e as técnicas de misturas empregadas no preparo são cruciais para o resultado final no sabor e aparência. Além disso, é utilizado ultra-som para pulverizar o cacau e obter uma consistência mais suave no produto acabado.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por apenas uma remodelação mais acentuada. Isto aconteceu em 2014 quando o logotipo adotou uma nova tipografia de letra, mais clássica. O nome da marca agora vem acompanhado da frase “Chocolate Liqueur”.


A tradicional e distinta garrafa, que daria ao licor o apelido de “Golden Ball” (em português “Bola Dourada”), também ganhou um novo rótulo em 2014 (imagem à direita). Para uma melhor compreensão, os nomes dos produtos foram ligeiramente alterados e adaptados em clara referência ao conteúdo da garrafa, como por exemplo, o Mozart Chocolate Cream (anteriormente Mozart Gold), Mozart White Chocolate Vanilla Cream (anteriormente Mozart White), Mozart Dark Chocolate (anteriormente Mozart Black) e Mozart Chocolate Vodka (anteriormente Mozart Dry). Além disso, o rótulo passou a conter a imagem do rosto de Wolfgang Amadeus Mozart.


Dados corporativos 
● Origem: Áustria 
● Lançamento: 1981 
● Criador: Mozart Distillerie GmbH 
● Sede mundial: Salzburgo, Áustria 
● Proprietário da marca: Mozart Distillerie GmbH 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Harald König 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 70 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Segmento: Bebidas alcoólicas 
● Principais produtos: Licores cremosos de chocolate 
● Concorrentes diretos: Kahlúa, , , Carolans, , Merrys e Chocolate Cream 
● Ícones: O design da garrafa 
● Slogan: Chocolate worth your time. 
● Website:  

A marca no mundo 
Atualmente a vasta gama de licores a base de chocolate da marca austríaca é comercializada em mais de 70 países ao redor do mundo. A MOZART é líder global em licores cremosos de chocolate. Além das tradicionais garrafas de 500 ml e 700 ml, uma garrafa de 1 litro é vendida exclusivamente em lojas do Freeshop no mundo inteiro. 

Você sabia? 
Dietmar Fadinger é o mestre destilador e chocolatier, responsável pela elaboração dos licores MOZART. 
Somente em 1991 a empresa garantiu o direito sob a marca MOZART. 
A empresa afirma que o Andante do Quarteto de Cordas de Mozart No. 2 em Ré Maior, K. 155 (K. 134a) é tocado em cada lote aproximadamente 380 vezes (durante um período de 24 horas) como parte do processo de fabricação, que eles descrevem como “soundmilling”


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites (Papo de Bar), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 6/6/2018




codigo dessa postagem para Site & blogs em codigo html5




As 10 ultimas Paginas adicionadas
As 10 ultimas Paginas adicionadas


0





ul { list-style-type: none; margin: 0; padding: 0; overflow: hidden; background-color: #333; } li { float: left; } li a { display: block; color: white; text-align: center; padding: 14px 16px; text-decoration: none; } li a:hover:not(.active) { background-color: #111; } .active { background-color: #4CAF50; } DMCA report abuse Home Todas Pastas Auto Post sitemap Blog "Sem Imagens" oLink xxx YANKEE CANDLE Tags:#para, #produtos, #yankee, #candle, #pela, #fragrncia, #velas, #aromticas, #mais, #isso, #marca, #casa, #cidade, #estado, #massachusetts, #anos, #cera, #fazer, #vela, #ento, #loja, #suas, #empresa, #seguinte, #produto, #maior, #sucesso, #aromas, #todo, #tambm, #nova, #primeira, #aroma, #venda, #esta, #fragrncias, #mundo, #como, #oferece, #vende, #aromtica, #arte, Search:para, produtos, yankee, candle, pela, fragrncia, velas, aromticas, mais, isso, marca, casa, cidade, estado, massachusetts, anos, cera, fazer, vela, ento, loja, suas, empresa, seguinte, produto, maior, sucesso, aromas, todo, tambm, nova, primeira, aroma, venda, esta, fragrncias, mundo, como, oferece, vende, aromtica, arte, Existe um motivo para que milhões de pessoas adorem tanto os produtos da YANKEE CANDLE: a paixão pela fragrância. As velas aromáticas mais tradicionais e vendidas do mercado norte-americano aromatizam e decoram o ambiente com essências que despertam diversas sensações. Por isso, a marca certamente agradará a todos que queiram ter uma casa bem perfumada e aconchegante. A história Tudo começou em uma fria noite, um pouco antes do natal de 1969, na cidade de South Hadley, estado de Massachusetts, quando Mike Kittredge (foto abaixo), um jovem estudante do ensino médio de apenas 16 anos, e sem dinheiro para comprar um presente para sua mãe, derreteu alguns lápis de cera vermelho e usou uma embalagem vazia de leite (de papelão) e corda para fazer uma vela decorativa para ela. Quis o destino que uma vizinha visse a vela e convencesse Mike a vendê-la por US$ 1.36. Com o pequeno lucro, Mike comprou cera suficiente para fazer duas velas - uma para a mãe e outra para vender. Assim nascia a YANKEE CANDLE. Foi então que ele abriu uma modesta loja para fabricar e vender velas decorativas na garagem da casa de seus pais. Rapidamente suas velas ganharam popularidade na cidade e região. Em 1973, todos os 12 funcionários da empresa se mudaram para uma antiga fábrica de papel em Holyoke, no Massachusetts. Tudo para atender a crescente de manda pelas velas. No ano seguinte a empresa lançou no mercado seu produto de maior sucesso: velas aromáticas em frascos de vidro. Os primeiros aromas a fazerem enorme sucesso eram Bayberry (mistura de pinho, louro, bayberry e mirra), Cinammon (canela), Cranberry (frutas vermelhas), Pine (pinho) e French Vanilla (baunilha). O grande sucesso começou em 1977 depois que a YANKEE CANDLE participou de uma feira de presentes na cidade de Boston. Varejistas de todo o país descobriram suas velas aromáticas e fizeram grandes pedidos para suas lojas. No começo da década seguinte, em 1981, a empresa enviou seu primeiro catálogo de pedidos pelo correio. Atualmente a YANKEE CANDLE envia mais de seis milhões de catálogos todos os anos. Pouco depois, em 1983, a empresa mudou sua loja para South Deerfield, também no Massachussets, que movimenta a maior parte do tráfego de automóveis entre Nova York e Vermont. Com isso, as vendas da empresa chegaram a US$ 1 milhão pela primeira vez. No ano seguinte, a fábrica também se mudou para a cidade de South Deerfield, e a loja âncora da marca passou também a vender presentes exclusivos. Somente em 1986, a marca introduziu a impressão colorida em seus rótulos. Anteriormente, todas as ilustrações eram preenchidas à mão com lápis de cor. Além disso, a empresa inaugurou sua primeira loja de varejo (fora de sua loja de fábrica) em Sturbridge, Massachussets. Em 1990, a marca introduziu sua linha de maior sucesso: Housewarmer® Jar (velas aromáticas em jarras de vidro), desenvolvidas para todos os cômodos da casa e para todas as ocasiões. Em 1994 foram lançados no mercado dois aromas extremamente populares da marca, Home Sweet Home® (aroma de chá com especiarias e canela) e MidSummer’s Night® (cheiro de perfume masculino com notas de musk). Dois anos mais tarde, a marca lançou seu comércio eletrônico, oferecendo aos consumidores mais uma opção de compra. Em 1997, surgiu mais um sucesso de venda: Macintosh (aroma de maçãs). No ano seguinte, a YANKEE CANDLE foi adquirida pela empresa Forstmann Little & Co. Além disso, a empresa atravessou o oceano para instalar um escritório de vendas em Bristol, na Inglaterra, para atender os países do continente. E ainda durante esta década, a marca inaugurou inúmeras lojas por várias cidades americanas.No início do novo milênio, a marca ampliou sua linha de produtos com o lançamento dos aromatizadores para carro. Em 2002, a marca inaugurou sua primeira loja própria no Reino Unido. Em novembro de 2006, trabalhando duro para atender a demanda das festas de finais de ano, a empresa estabeleceu um recorde ao produzir 1.054.182 velas em apenas sete dias. Neste momento o sucesso já estava garantido. Em 2009, para comemorar seus 40 anos de história, a marca lançou a linha Good Air™, velas que eliminavam odores do ambiente e o deixava com cheirinho fresco. No ano seguinte a YANKEE CANDLE conquistou um marco expressivo em sua história ao conquistar a liderança no segmento de velas aromáticas no Reino Unido. Em 2011, realizou mais um passo importante ao inaugurar sua primeira loja própria no Canadá. Além disso, lançou no mercado duas fragrâncias que se tornariam campeãs de venda: Pink Sands™ (aroma cítrico com florais e baunilha picante) e Bahama Breeze™ (aroma de abacaxi, toranja e manga). Após ser adquirida pela Jarden Corporation em 2013, a YANKEE CANDLE criou no ano seguinte o revolucionário sistema de aquecedor elétrico Scenterpiece™ Easy Melt Cup, que permite trocar de fragrâncias sem precisar tocar na cera. Inovando mais uma vez, a marca introduziu em 2015 a possibilidade dos consumidores customizarem os rótulos das velas com fotografias, cujas vendas atingiram US$ 1 milhão no primeiro ano. No ano seguinte, para acompanhar a crescente demanda de seus produtos em todo o mundo, a empresa inaugurou sua primeira fábrica no exterior, localizada na República Checa. Ainda este ano, com a aquisição da Jarden Corporation pela Newell Brands por US$ 13.2 bilhões, a YANKEE CANDLE passou a fazer parte de um portfólio que tem marcas como Paper Mate (instrumentos de escrita), Parker (canetas), Rawlings (materiais esportivos), Oster (eletrodomésticos) e NUK (puericultura). A paixão por fragrância Um produto YANKEE CANDLE proporciona uma experiência única. Foi assim que se tornou a marca preferida do público norte-americano em velas aromáticas premium. Parte disso se deve à devoção pela qualidade, mantendo um legado passado por gerações de artesãos especializados em velas como parte da herança e reputação. Além de honrar o passado, a marca está sempre desenvolvendo novas maneiras de melhorar a vida dos clientes atenta ao mundo das fragrâncias, procurando novos sabores e aromas para encantar milhões de pessoas. As fragrâncias são desenvolvidas para alcançar a melhor performance nos produtos. Todas são devidamente revisadas e testadas pela equipe de profissionais especializados para que a força e a qualidade do aroma sejam os mesmos na loja e na casa dos consumidores. Autêntica. Real. Forte. Duradoura. Feita com extratos de fragrâncias e óleos essenciais reais, os aromas são o padrão pelo qual as outras fragrâncias são testadas. Imaginário, os aromas cobrem uma grande variedade de categorias, incluindo frutas e flores específicas, frescas, limpas e naturais, além de fragrâncias especiais para as festas de fim de ano. As fragrâncias também incluem aromas e conceitos de novas tendências intercalados com os clássicos de sempre. Isso é o que faz a YANKEE CANDLE ser o padrão de qualidade para velas aromáticas no mundo. Utilizam-se apenas quatro componentes na fabricação de uma vela YANKEE CANDLE: Cera de petróleo (produzida com base em uma mistura personalizada especial constituída por parafina de grau premium adaptada às suas especificações), Pavios 100% algodão, Corante e Fragrância. A maior loja de velas do mundo Em South Deerfield, localizada no oeste do estado de Massachusetts, está localizada a maior loja de velas do mundo. Nesta pequena cidade de aproximadamente 2.000 habitantes, foi inaugurada em 1989 a YANKEE CANDLE VILLAGE STORE, que com o decorrer dos anos se transformaria na maior loja de velas do mundo e na segunda atração mais popular entre os turistas em Massachusetts, ficando atrás apenas da Freedom Trail em Boston. A enorme loja oferece aproximadamente 400.000 velas em mais de 200 aromas diferentes. Muito mais do que apenas velas aromáticas, a loja encontra-se dividida em diferentes setores, que vendem de tudo um pouco, passando por souvenires locais, enfeites natalinos, artigos de decoração, utensílios de cozinha, brinquedos e deliciosas guloseimas comestíveis. As principais atrações da loja são: Candle Museum (onde o visitante pode conhecer a história da marca e aprender um pouco mais sobre o processo de fabricação das velas aromáticas), General Store (vende souvenires alusivos à região da Nova Inglaterra, assim como artigos esportivos para o inverno), Kitchen/Garden Shop (comercializa utensílios e objetos decorativos para cozinha, livros de culinária, ingredientes locais, deliciosas geleias e acessórios para o jardim ou área externa da casa), Bavarian Christmas Village (inaugurada em 1993, é uma espécie de vila alemã do século 14, composta por 18 charmosas casas, que oferece uma enorme quantidade de enfeites e presentes natalinos, onde no centro encontra-se uma árvore de natal de aproximadamente 8 metros de altura, além de contar com a Black Forest, área com direito a neve artificial e o melhor clima de natal) e The Toy Shop (nesta seção é possível encontrar a oficina, a casa do Papai Noel e uma infinidade de brinquedos educativos). Mas claro, o maior setor da loja, que ocupa aproximadamente 1/4 do espaço físico, é o Candle Emporium, que como o nome já diz é voltado para as velas aromáticas e sazonais da marca, onde é possível fazer a própria vela no “Make your own Jar” ou até mesmo o molde da mão em cera no “Wax Works”. A loja também oferece deliciosas opções de alimentação, como por exemplo, a Yankee Candy (inaugurada em julho de 2011, é um setor dedicado às guloseimas, doces e chocolates, com mais de 125 opções para todos os gostos), Popcornopolis® (com pipocas gourmet de vários sabores, sempre fresquinhas), Au Bon Pain (que serve sanduíches, massas, sopas e saladas), Homemade Fudge (fudges deliciosos e fresquinhos, um doce feito com chocolate, leite, açúcar e manteiga) e sorvetes da marca Ben & Jerry’s. Uma curiosidade sobre esta enorme loja: em 1991 teve início uma tradição anual quando Papai Noel fez sua primeira chegada de helicóptero no local. Além desta loja, a marca possui uma segunda (neste formato) em Williamsburg no estado da Virginia, inaugurada em 2005. A evolução visual A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. A última delas ocorreu em 2016, quando o logotipo apresentou uma tipografia de letra mais arredondada e moderna. Com a nova identidade visual, também foram apresentados os novos design de rótulos. Os slogans A Passion for Fragrance. America’s Best Loved Candle. The World’s Best Loved Candle. Dados corporativos ● Origem: Estados Unidos ● Fundação: 1969 ● Fundador: Michael Kittredge ● Sede mundial: South Deerfield, Massachusetts, Estados Unidos ● Proprietário da marca: The Yankee Candle Company Inc. ● Capital aberto: Não (subsidiária da Newell Brands Inc.) ● CEO: Hope Margala ● Faturamento: US$ 1 bilhão (estimado) ● Lucro: Não divulgado ● Lojas: 580 ● Presença global: 50 países ● Presença no Brasil: Sim ● Funcionários: 6.000 ● Segmento: Decoração ● Principais produtos: Velas aromáticas, sprays aromatizantes e acessórios ● Concorrentes diretos: Bath & Body Works, Wood Essence, Glade, Colonial Candle, Partylite e Lancaster Colony ● Ícones: As essências de suas velas ● Slogan: A Passion for Fragrance. ● Website: www.yankeecandle.com A marca no mundo Hoje, com mais de 200 fragrâncias, a marca oferece a maior e mais irresistível seleção de velas e aromas para casa. Além da renomada linha de velas aromáticas Housewarmer®, também oferece uma ampla variedade de velas sazonais e com características especiais, produtos aromatizantes para casa (como cera derretida aromática) e para o carro e acessórios para suas velas. Os produtos são vendidos em mais de 580 lojas próprias nos Estados Unidos, Canadá e alguns países europeus, além de vendas online, da crescente rede de revendedores, com mais de 35 mil lojas de varejo e da distribuição internacional para mais de 50 países. A empresa produz e vende mais de 200 milhões de velas por ano. Você sabia? ● A maioria dos produtos é feita por mestres na arte de fazer velas (candlemakers) nas modernas instalações da empresa no estado de Massachusetts. Aliás, suas velas são uma das poucas coisas que ainda levam o selo Made in U.S.A. ● As velas YANKEE CANDLE contêm a maior quantidade possível de óleos aromáticos, preparados especialmente para aromatizar o ambiente, deixando-o maravilhoso e inconfundível, seja para quem procura serenidade, relaxamento ou diversão. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). Última atualização em 23/3/2018 CLARKS De habilidosos designers a técnicas e tecnologias de produção pioneiras, a tradicional britânica CLARKS, que já calçou músicos como Nick Cave, Bob Dylan ou Robbie Williams, é especializada em calçados anatômicos para o conforto dos pés para todas as ocasiões. Para uma marca com quase 200 anos de uma rica história, todos merecem calçar um bom sapato. Por isso, os amantes de calçados que aliam conforto e estilo conhecem bem a marca CLARKS. A históriaTudo começou com Cyrus Clark, filho de fazendeiros, que abriu uma pequena oficina de tapetes feitos com lã de ovelha e pele de carneiro na modesta vila de Street, em Somerset, na Inglaterra. Em 1825, juntamente com a ajuda de seu irmão John, e para aproveitar os restos de lã e pele dos tapetes eles produziram os primeiros pares de calçados (na verdade uma espécie de pantufa feita com pele de ovelha) para serem utilizados dentro de casa, sendo maleável e incrivelmente agradável de calçar. Somente pouco depois, em 1830, esses calçados começaram a serem produzidos em grande quantidade e lançados com o nome de Brown Peter. Esses calçados foram um sucesso e permaneceram em produção por mais de 100 anos. Em 1833, com seu irmão definitivamente como sócio, a empresa passou a se chamar C&J Clark. Até então, as pantufas representavam mais de um terço do faturamento da empresa. Na próxima década, as vendas desses calçados cresceram, totalizando 12 mil pares por ano no início de 1840. A empresa também aproveitou outro subproduto da pele de ovelha, adicionando em sua linha de produto meias de lã. O crescimento da empresa foi auxiliado também pelas crenças Quaker da família. Como membros da Sociedade de Amigos, a família conseguiu aproveitar as conexões pessoais e comerciais em todo o Reino Unido e o Império Britânico, e a marca CLARKS rapidamente se tornou um nome proeminente no segmento de calçados no Reino Unido. O negócio, no entanto, sofreu dificuldades nos anos seguintes, especialmente quando a demanda pelas pantufas despencou e quase levou a empresa à falência. Por isso, em 1863, a decisão tomada foi entregar o comando para William Stephens Clark, filho de James. O jovem tornou-se a força motriz para o crescimento da empresa no próximo século. Sob a nova geração da família, a empresa começou a recorrer a técnicas mais industrializadas, incluindo a adição de máquinas de costura Singer, que permitiram o aumento dos níveis de produção e também que a CLARKS começasse a experimentar novos projetos de calçados. Estes foram inicialmente vendidos sob um novo nome, Torbrand. No início da década de 1890, os experimentos de design levaram ao desenvolvimento de sapatos que seguiram mais de perto as linhas do pé. A CLARKS lançou então no ano de 1893 sua nova linha de sapatos, batizada de “Hygienic” e que se baseava na anatomia natural dos pés. O sucesso desse estilo de calçado levou a empresa a se especializar nos chamados sapatos de “conforto”. A próxima geração da família se juntou ao negócio no início do século 20 e adotou processos de fabricação mais modernos, técnicas de produção em massa e incorporou novos materiais e novas tecnologias, incluindo técnicas para fabricar solas e palmilhas para melhorar o conforto dos sapatos. Em 1920, a empresa abandonou o nome Torbrand e colocou seu próprio nome em seus calçados, que passaram a se chamar CLARKS. Durante esta década, a marca respondeu às mudanças da moda no setor, particularmente no segmento feminino, e lançou novos sapatos e botas. Na década seguinte, a empresa começou a se expandir além da fabricação e controle de seu mercado de distribuição, o que resultou na aquisição de uma rede de lojas de calçados, rebatizada como Peter Lord, em 1937. A rede cresceu a nível nacional operando aproximadamente 180 lojas. Após a Segunda Guerra Mundial, a CLARKS teve ainda mais sucesso, já que começou a exportar seus produtos. Um fator importante no sucesso da marca durante esse período veio com o lançamento da Desert Boot (foto abaixo), uma criação de Nathan Clark (bisneto de James), que se tornou parte da próxima geração a assumir a direção da empresa. Como ele havia servido no Exército Britânico na Índia durante a Segunda Guerra Mundial, se inspirou em botas trazidas do Egito por vários oficiais. Foi então que Nathan trouxe o design inicial, que apresentava uma parte superior de camurça em uma sola de borracha crepe, para a empresa. A primeira bota de cano curto Desert Boot foi produzida em 1946, mas foi somente em 1950 que a CLARKS lançou o modelo no mercado, que se tornou um sucesso imediato. A Desert Boot, com seu aspecto que remetia às areias do deserto, também expandiu a base de consumidores da marca, tradicionalmente direcionada para um cliente mais velho. A marca alcançou um novo sucesso em 1965 com o lançamento de outro design de calçado popular: o Wallabee, um sapato baseado no estilo do mocassim (de camurça e com uma sola única feita a partir de borracha crepe) que se tornou um clássico no segmento de calçados de conforto. Enquanto isso, ainda na década de 1960, a CLARKS também começou a construir uma reputação mundial no segmento de calçados infantis, tornando-se um dos primeiros fabricantes a fornecer sapatos que levavam em consideração as particularidades dos pés das crianças. A empresa já investia há muito tempo no desenvolvimento de novas tecnologias, como por exemplo, um processo para a vulcanização de solas de borracha diretamente sobre as partes superiores do couro, isto ainda na década de 1950. Já na década de 1970, começou a trabalhar com o recém-desenvolvido material poliuretano, que sendo leve e resistente foi incorporado aos novos projetos de sola. No final desta década, a empresa deu continuidade ao processo de expansão internacional. Especialmente em 1978, quando a CLARKS voltou-se para o mercado americano através da fabricante Hanover. Um ano depois, realizou outra aquisição significativa, ao comprar a varejista Bostonian, fundada em 1899 e extremamente forte nos Estados Unidos. As duas aquisições deram à CLARKS uma base de fabricação com produção de aproximadamente 1.5 milhões de sapatos por ano e uma operação de varejo com mais de 500 lojas em todo Estados Unidos. Nos anos de 1980, a CLARKS começou a perder mercado no Reino Unido e Estados Unidos, principalmente pelo enorme aumento da concorrência em seu setor. Depois de analisar suas operações a empresa passou por um programa de reestruturação completo em 1986, que incluiu encorajar uma série de executivos antigos a se aposentar antecipadamente para substituí-los por funcionários mais jovens. Com isso a empresa contratou Lawrence Tindale para ocupar o cargo de presidente, sendo primeira vez que alguém de fora da família Clark assumiu a liderança dos negócios. Foi então que a empresa começou a reposicionar sua operação de varejo, lançando um novo conceito de loja, a CLARKS SHOP, em uma tentativa de recuperar mercado. No final desta década, a empresa, devido aos altos custos de produção, foi forçada a começar a transferir suas unidades de produção para o exterior, o que foi acelerado na década seguinte. Além disso, a CLARKS também começou a fortalecer o design de seus calçados em um esforço para recuperar sua posição de mercado, particularmente no segmento feminino. E ainda nesta década a marca lançou o clássico Nature, um calçado inovador cujo estilo variava entre o esportivo e casual. Nos anos seguintes, a CLARKS começou a adotar modelos de sapato mais modernos, ao mesmo tempo em que renovava seus formatos de lojas de varejo. Além disso, iniciou novos esforços de marketing para ampliar o apelo da marca, o que resultou no lançamento da campanha “Act your shoe size, not your age”, que ajudou também a renovar o interesse na botas Desert Boot, que foi adotada por uma nova geração de estrelas pop britânicas. E também criou uma linha de acessórios compostas por cintos, bolsas e carteiras. No início do novo milênio a CLARKS novamente voltou seu foco para expansão internacional, especialmente na Alemanha. A partir de 2010 a marca voltou seus esforços para a expansão na Índia e no enorme mercado chinês com a abertura de centenas de lojas. Mais recentemente a marca lançou a Trigenic Flex, uma linha de calçados inspirada nas mais avançadas tecnologias esportivas, mas projetada para um estilo de vida casual, que combina a inovação com artesanato especializado. Além disso, a marca vem constantemente fechando parcerias com renomados designers para lançar edições limitadas de seus maiores ícones. Desde o início a CLARKS sempre pensou de forma diferente. E também faz as coisas diferentes. Do primeiro calçado criado pelos irmãos Clark em 1825 para o primeiro sapato em forma de pé do mundo, ou passando pelas coleções infantis disponíveis em diversos tamanhos e várias opções de largura, a marca britânica sempre quis democratizar a utilização de calçados de alta qualidade e conforto para o maior número de pessoas. Os slogans Shoemakers since 1825. British shoe makers since 1825. (2011) Enjoy every step. (2008) Clarks. Shoes designed for living. (2006) Be your own label. (2005) Clarks. Shoes to live in. (2004) For all the places you’ll go. Dados corporativos ● Origem: Inglaterra ● Fundação: 1825 ● Fundador: Cyrus e James Clark ● Sede mundial: Street, Somerset, Inglaterra ● Proprietário da marca: C. & J. Clark International Ltd. ● Capital aberto: Não ● CEO: Mike Shearwood ● Faturamento: £1.65 bilhões (2016/2017) ● Lucro: £19.9 milhões (2016/2017) ● Lojas: 1.000 ● Presença global: 75 países ● Presença no Brasil: Não ● Funcionários: 15.350 ● Segmento: Calçados ● Principais produtos: Sapatos, botas, sandálias, tênis e acessórios ● Concorrentes diretos: Geox, Hush Puppies, Camper, Timberland, Ecco, Aldo e Woodland ● Ícones: As botas Desert Boot ● Slogan: Shoemakers since 1825. ● Website: www.clarks.com A marca no mundo Atualmente a CLARKS, uma das maiores empresas produtoras de calçados do mundo, comercializa uma ampla linha de sapatos, botas, tênis casuais e sandálias (para homem, mulher e criança), além de acessórios como cintos, meias, carteiras e bolsas, em mais de 75 países através de 1.000 lojas (incluindo franqueadas) e outros milhares de pontos de vendas em grandes varejistas. Com faturamento anual superior a £1.65 bilhões (dados de 2016/2017) a marca vende 55 milhões de pares de calçados todos os anos. A cada 1 minuto a CLARKS vende 105 pares de calçados no mundo inteiro. Você sabia? ● Os históricos arquivos da empresa contem mais de 22 mil modelos de calçados, alguns deles revolucionários e icônicos, e outros tantos que marcaram diversas gerações. ● Atualmente descendentes da família Clark detém 80% da tradicional empresa. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). Última atualização em 1/3/2018 TECATE “A mais autêntica cerveja mexicana”. É assim que a marca TECATE pode ser rapidamente definida. Com mais de sete décadas de uma inovadora história, falar sobre a cerveja TECATE é o mesmo que falar de um símbolo nacional mexicano. Seu familiar rótulo vermelho, prateado (outrora dourado) e estilizado de uma águia negra, está praticamente em todos os cantos do comércio, restaurantes e bares do país. A história Tudo começou em 1944 quando o empresário Don Alberto Aldrete resolveu construir uma cervejaria no estado da Baja California, em um lugar onde predominava principalmente grandes fazendas e próximo a fronteira com o estado americano da Califórnia. Ele instalou a nova cervejaria em antigo edifício construído em 1929, que até então era uma fábrica para produção de óleo vegetal. O empresário resolveu batizar sua nova cerveja de TECATE, mesmo nome da cidade onde a cervejaria estava instalada. A TECATE era uma cerveja tipo Pilsen, produzida com ingredientes 100% naturais e exigentes processos de elaboração, além de seu sabor característico de amargor médio. Pouco tempo depois, em 1947, a Cervecería Tecate já produzia 700 mil hectolitros, que chegavam inclusive ao continente asiático. Em 1949, a marca iniciou sua longa história de inovação ao lançar no mercado mexicano a primeira cerveja em lata de metal, que rapidamente diferenciou a TECATE de suas maiores concorrentes. O sucesso regional da cerveja TECATE chamou a atenção da tradicional Cervecería Cuauhtémoc, fundada em 1890, e que adquiriu a TECATE em 1954. A incorporação da marca ao portfólio da Cuauhtémoc ajudou a catapultar as vendas nacionalmente e posteriormente em mercados internacionais. Nas décadas seguintes a TECATE conquistou milhões de consumidores mexicanos e se transformou em uma das marcas mais fortes do país. No ano de 1991, em uma demonstração de pioneirismo, lançou a primeira embalagem de 12 latas do mercado mexicano. Em 1992 a marca voltou a inovar ao lançar a TECATE LIGHT, primeira cerveja light do mercado mexicano e, que em pouco tempo, se tornaria líder em sua categoria. A cerveja TECATE LIGHT, com apenas 110 calorias, foi de primordial importância para o estabelecimento da marca no competitivo mercado americano. Em 1995, introduziu a tampa de rosca para suas garrafas, que dispensava assim a utilização de abridor. E pouco depois apresentou a primeira lata de “boca larga” do mercado mexicano. Nos anos seguintes, a marca utilizou uma linha de comunicação polêmica, conhecida principalmente por suas propagandas machistas e masculinas. Afinal, a marca se tornou um símbolo de masculinidade representada pela força da águia preta de seu logotipo. Em 2010 a holandesa Heineken N.V. adquiriu a Cervecería Cuauhtémoc e consequentemente a marca TECATE, que a partir de então ampliou sua rede de distribuição e ingressou em novos mercados mundiais. Além disso, iniciou a expansão da linha de produtos da marca com o lançamento, em 2012, da TECATE MICHELADA (em lata de 473 ml), uma bebida que mistura cerveja com limão, especiarias e um toque de pimenta. Em 2013 a marca lançou no mercado a TECATE TITANIUM, uma cerveja forte e encorpada (com 5.5% de graduação alcoólica), mas agradável de beber, resultado de um processo exigente com uma combinação de maltes importados e variações de temperatura. Nesse mesmo ano a marca voltou a causar polêmica com a campanha “Es Fácil Ser Hombre”, que provocou protestos por parte de vários grupos de mulheres e chegou até em resultar em um campanha de abaixo assinado para retirar a campanha da mídia, pois retratava as mulheres como objetos sexuais. Uma das mais recentes novidades da marca, lançada em 2015, é a TECATE MICHELADA DIABLO, uma bebida refrescante e autêntica que mistura cerveja com suco natural de tomate e sabores naturais de limão, sal e especiarias. A marca TECATE deve boa parte de sua alta popularidade no mercado mexicano em parte devido a sua estratégia de comunicação de associar a cerveja ao futebol e ao boxe, dois dos mais populares esportes entre o povo mexicano, com grandes patrocínios a eventos e a clubes (incluindo o Manchester City da Inglaterra). Um exemplo disso aconteceu em 2015 com uma campanha composta por quatro comerciais estrelados pelo ator Sylvester Stallone, cujo foco era o vínculo entre o boxe, a bebida e a masculinidade. Em todos os vídeos Stallone aparecia “enfrentando” homens com atitudes “menos masculinas” e os aconselhava a assistirem mais lutas de boxe. Em 2016, a TECATE resolveu dar uma guinada radical em sua linha de comunicação, invariavelmente acusada de machista. A nova campanha resolveu apoiar a luta contra a violência doméstica (entenda-se violência contra as mulheres) com uma mensagem forte. A marca menciona que, assim como os códigos da sociedade e da masculinidade evoluíram nos últimos anos, a marca também se tornou mais madura e decidiu promover uma masculinidade moderna e inclusiva, dando o primeiro passo com esta campanha e começando uma nova era para a TECATE, a fim de se tornar mais atraente para homens de verdade no México e na América Latina. Na campanha a marca afirma não ser para certos tipos de homens e, que caso um cliente faça parte desse grupo, não deve comprá-la: “If you don’t respect her, Tecate is not for you” ( algo como “Se você não respeita uma mulher, Tecate não é para você”). A evolução visual A identidade visual da marca TECATE passou por pequenas remodelações ao longo dos anos. O principal símbolo de sua identidade visual, a águia preta com um T no peito, sofreu leves modernizações através dos anos. Além disso, a tipografia de letra também foi levemente alterada, como por exemplo, em 2004 quando passou a ser escrita em itálico. O atual logotipo da marca foi adotado em 2015 e apresentou mudanças: a águia agora (de asas abertas) está pousada em cima (lado esquerdo) do nome da marca. Além disso, uma nova tipografia de letra foi apresentada (uma das principais diferenças está na letra A, que perdeu sua ponta). As latas da cerveja também evoluíram ao longo dos anos. Até 2004, seu familiar rótulo vermelho, dourado e estilizado com uma águia negra com o fundo da colina de Cuchumá, a colina sagrada dos indígenas e parte do Patrimônio Cultural Imaterial do México, reinou absoluto como principal símbolo de identificação da marca. Depois de passar por uma remodelação em 2008, a tradicional lata ganhou um design mais agressivo e moderno em 2015, que substituiu a tradicional cor dourada pela prateada.Os slogans Born Bold. (2016) All The Taste. All The Glory. (2014, Tecate Light) A Man Knows How to Choose His Team. (2013) Cervezas con carácter. (2010) Tecate: Por ti. (2008) Con carácter. (2007) Finally a Cold Latina. (2004) Dados corporativos ● Origem: México ● Criação: 1944 ● Criador: Alberto Aldrete ● Sede mundial: Monterrey, México ● Proprietário da marca: CM/Heineken México ● Capital aberto: Não (subsidiária da Heineken N.V.) ● CEO: Dolf van der Brink ● Faturamento: Não divulgado ● Lucro: Não divulgado ● Presença global: 16 países ● Presença no Brasil: Não ● Segmento: Cervejarias ● Principais produtos: Cervejas ● Concorrentes diretos: Corona, Sol, Modelo, Pacifico, Victoria, Michelob, Coors Light, Bud Light e Miller Lite ● Ícones: A águia preta ● Slogan: Born Bold. ● Website: www.tecate.com A marca no mundo Atualmente a marca TECATE, uma das mais importantes da cervejaria Heineken N.V., é comercializada em mais de 16 países ao redor do mundo. Segunda cerveja mais consumida do enorme mercado mexicano, a marca tem forte presença nos Estados Unidos, principalmente em estados com muitos imigrantes latinos, como por exemplo, Califórnia, Nevada, Arizona, Texas e Flórida. No México são vendidas 149 latas de TECATE por segundo. A principal cervejaria que produz TECATE está localizada na cidade de Tecate, no estado da Baja California, 60 milhas a sudoeste de San Diego, e cuja capacidade de fabricação é superior a 20 milhões de litros por mês, chegando a envasar 4 mil garrafas por segundo. Você sabia? ● As cervejas da marca TECATE representam 50% das vendas totais da Heineken no México. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). Última atualização em 3/10/2017 OFFICINE PANERAI O artista Damien Hirst, o ex-presidente Bill Clinton e a modelo Heidi Klum usam. E, para carregá-lo no pulso, realmente é preciso ter personalidade e muito dinheiro. Muito mais que relógios de luxo, as peças produzidas pela OFFICINE PANERAI figuram entre os grandes exemplos do melhor design italiano. Cada relógio PANERAI é tão especial como a tradição que o envolve. Afinal, relógios marcantes e de notáveis proporções constituem a assinatura de marca da manufatura de luxo da cidade de Florença. A história Tudo começou em 1860 quando o empresário e inovador artesão Giovanni Panerai inaugurou uma pequena oficina relojoeira em Ponte alle Grazie (mais tarde se mudaria para o Palazzo Arcivescovile, na Piazza San Giovanni, onde se encontram agora as suas instalações) na cidade italiana de Florença, com o apoio de alguns dos grandes mestres suíços da relojoaria e que incluía também uma escola de relojoaria. Após a morte de Giovanni Panerai em 1897, foi o seu filho Leon Francesco quem o sucedeu. Muito embora os documentos originais desta época tenham desaparecido nas enchentes de 1966, o que torna a história da empresa familiar difícil de reconstruir, é sabido que, no início do século XX, a empresa tinha o nome de Orologeria Svizzera. No início, importava componentes de relógios suíços, que eram depois montados e regulados na oficina de Florença, um trabalho que era feito pelos relojoeiros formados na própria escola da empresa. Entre os clientes da empresa constavam figuras proeminentes da sociedade de Florença e até mesmo a família real italiana. A partir de 1910, a empresa começou a produzir instrumentos técnicos de elevada precisão para a Regia Marina Italiana (Real Marinha Italiana). Uma carta de Giuseppe Panerai ao capitão Carlo Ronconi, parente da família Panerai, atesta o início da colaboração oficial neste ano, que se prolongaria de forma muito intensa durante toda a época dos conflitos mundiais. Iniciam-se, então, as primeiras experiências com materiais luminescentes, para permitir a legibilidade dos instrumentos em ambientes sem luz, até se descobrir um novo tipo de material baseado em fluído de zinco ativado com rádio, batizado de Radiomir (que mais tarde nomearia o primeiro relógio produzido pela marca). Na sequência desta descoberta, foram feitas várias encomendas, assim como pedidos de patente, que datam de 1916. O nome “Radiomir” deriva das palavras italianas “rádio” e “mira”. O grande salto para a notoriedade da marca aconteceu nos anos de 1930, durante a militarização italiana da era fascista: a PANERAI passou a fornecer bússolas, relógios e lanternas de mergulho para as unidades submarinas de elite da Marinha Italiana, os célebres homens-rã. Finalmente em 1936, a então Guido Panerai & Figlio tornou-se oficialmente OFFICINE PANERAI, criando o primeiro protótipo de um relógio com uma concepção inteiramente nova, projetado para uma unidade militar especial secreta da Marinha Italiana. Esta produção, de uma natureza altamente especializada, já havia criado uma firme ligação entre o nome PANERAI e o mundo naval, com medidas de tempo e espaço e o desenvolvimento de padrões de qualidade e segurança superiores às normas, uma vez que ela era reservada exclusivamente para atender aos militares. Medidores de distância mecânicos, luminosos para lançamento de torpedos, dispositivos de mira, profundimetros, bússolas, temporizadores para minas - foi graças à tecnologia anteriormente desenvolvida neste setor que a marca foi capaz de criar um relógio militar especializado para uso subaquático. Era o surgimento do primeiro relógio militar para mergulho à prova d’água, o Radiomir, com uma grande caixa em forma de almofada em aço, com 47 milímetros de diâmetro, movimento Rolex e coroa rosqueada. Já o mostrador híbrido combinava os algarismos romanos e árabes com um triângulo posicionado às 12 horas. Depois de passar por pequenas melhorias, em 1938, os relógios Panerai Radiomir passaram a fazer parte do equipamento oficial dos mergulhadores de combate, bem visíveis no pulso dos homens da divisão Gama, os quais a bordo de seus torpedos de baixa velocidade ou em nado livre executaram audaciosos ataques a navios inimigos durante a Segunda Guerra Mundial. Ao final do conflito, os relógios Radiomir rapidamente atraíram a atenção de colecionadores pelo mundo afora. As três centenas de peças produzidas tornaram-se raridades altamente cobiçadas. Um fato interessante: o mostrador do relógio caracterizava-se por uma excepcional luminosidade, obtida por marcadores de horas e ponteiros com uma tinta especial composta de uma mistura de sulfeto de zinco, brometo de rádio e mesotélio. A alta luminosidade da tinta permitia a utilização dos instrumentos na total escuridão sem a necessidade de iluminação auxiliar, o que poderia oferecer risco de identificação pelos inimigos. Em 1942 a PANERAI desenvolveu aquela que é até hoje a sua imagem de marca: a famosa ponte com alavanca de bloqueio que protege a coroa do relógio. Em 1943 a marca criou outro relógio, também desenvolvido para uso da Marinha Italiana, mas reservado para os oficiais de convés. Era o Panerai Mare Nostrum, um cronógrafo com caixa a prova d’água, que não passou do estágio de protótipo devido à participação da Itália na guerra. A partir de 1950, o Panerai Luminor se juntaria ao Radiomir, e viria inclusive a substituí-lo. Este novo modelo manteve o formato da caixa e o mostrador do relógio histórico, mas introduziu importantes características. A resistência à água foi ampliada graças à adoção de uma ponte especial com alavanca para comprimir a coroa contra a caixa, enquanto o movimento utilizado era um calibre Angelus com 8 dias de reserva de marcha, que reduzia consideravelmente a frequência de carregamento do relógio e portanto a possibilidade de entrada de água pela coroa, o ponto mais vulnerável em relógios dentro da água. Outra importante inovação dizia respeito ao mostrador, cuja luminescência era obtida com base em trítio, e não mais em rádio. O relógio Panerai Luminor, fornecido a unidades especiais da Marinha Italiana, rapidamente tornou-se um item lendário, altamente procurado por colecionadores e entusiastas de todo o mundo. Em 1956, foi criado um modelo Panerai Radiomir encomendado pela Marinha Egípcia. A sua diferença com relação às versões anteriores estava na presença de um aro rotatório com marcadores de intervalos de 5 minutos. No mesmo ano, a PANERAI criou um protótipo para mergulho em titânio, capaz de resistir a uma profundidade de 1.000 metros. Mas foi somente no ano de 1993, que pela primeira vez, a marca criou uma série limitada e numerada de relógios para venda para o público em geral - o Panerai Luminor Marina e o Mare Nostrum. Eram modelos inspirados nos relógios produzidos para as operações militares da Segunda Guerra Mundial. Dois anos mais tarde, por solicitação do ator Sylvester Stallone, a PANERAI criou uma série especial limitada do Panerai Luminor e Mare Nostrum, chamada Slytech. Todos os modelos traziam a assinatura do ator gravada no fundo. Em 1997 a OFFICINE PANERAI foi adquirida pelo conglomerado de luxo Richemont, proprietário de marcas consagradas como IWC, Cartier e Montblanc. Até este momento a PANERAI era uma marca de nicho, cujos relógios eram difíceis de encontrar. A integração da marca ao grupo Richemont permitiu a sua evolução, tanto em termos técnicos como de desenvolvimento de imagem. A partir de então, ao valorizar os feitos históricos relacionados à Marinha Italiana e ao destacar a perfeição tecnológica e a preocupação estética dos relógios, o novo CEO da marca, Angelo Bonati, catapultou rapidamente a marca para o sucesso internacional. Primeiro ele optou por manter o DNA dos relógios militares, com caixas de 44 mm e de design limpo e simples. Esta decisão mostrou o caminho: preservar a integridade da história da marca. Ele também acertou ao posicionar seus produtos no mercado mundial de luxo. Ao mesmo tempo, do ponto de vista da comunicação e da visibilidade, conseguiu ligar a imagem dos relógios PANERAI às grandes regatas internacionais, bem como a eventos relevantes no setor do design. Por exemplo, desde 2005 a marca italiana patrocina a Panerai Classic Yachts Challenge, o maior circuito internacional de regatas reservadas a veleiros antigos e clássicos. O ano de 2001 foi um grande marco na história da marca: a loja Bottega Panerai em Florença reabre na Piazza San Giovanni 16r. Esta era a loja inaugurada pela família Panerai no início do século anterior sob o nome Orologeria Svizzera. Em setembro de 2002, a empresa inaugurou uma moderna fábrica na cidade de Neuchâtel, na Suíça. A PANERAI alcançou o cobiçado status de manufatura em 2005, ano em que passou a desenvolver integralmente os seus próprios movimentos relojoeiros. Até esse ano, a sua produção era baseada nos calibres da ETA, empresa que pertence ao Grupo Swatch. O calibre P.2002 marcou um ponto de virada para a OFFICINE PANERAI. Afinal, tratava-se do primeiro movimento de manufatura inteiramente desenvolvido pela empresa em suas instalações, em Neuchâtel. O calibre mecânico compunha-se de um total de 247 componentes e tinha uma dimensão de 31 mm de diâmetro por 6.6 mm de espessura. Três tambores ligados em série asseguravam uma excepcional autonomia de 8 dias, sendo a indicação da reserva de marcha feita em uma janela no fundo. Nos anos seguintes a marca iniciou a inauguração de sofisticadas lojas próprias em grandes cidades munais. Finalmente, no mês de julho de 2012, a PANERAI inaugurou sua primeira loja no Brasil, localizada no Shopping JK Iguatemi, em São Paulo. A unidade brasileira foi projetada no clássico estilo italiano e inspirada no universo náutico e passou a conquistar clientes que buscavam autenticidade ao invés do glamour. Em 2015, apresentou o primeiro relógio em carbotech, um material composto com base em fibra de carvão utilizado para a caixa do Luminor Submersible 1950 Carbotech 3 Days Automatic. Outro sucesso recente da marca é a parceria com a Ferrari, fazendo da PANERAI a marca oficial de relógios da montadora italiana. Subdividida em duas coleções – Granturismo e Scuderia – trata-se de modelos fisicamente semelhantes ao Luminator, mas com um visual mais agressivo, em consonância com a forte personalidade da Ferrari. Além disso, a maioria dos relógios das quatro linhas básicas da marca é feita em produção limitada (normalmente, de 500, 1.000, 2.000 ou 4.000 unidades), e vêm devidamente numeradas. Com isto, a marca consegue manter o status de exclusividade de seus inconfundíveis relógios. Durante sua rica história, das guerras mundiais às colinas de Hollywood, passando pelas forças navais italianas, pelo mundo do mergulho profissional e pela mítica Ferrari, a história da OFFICINE PANERAI é marcada pelo grande impacto que causou nos mais variados ambientes. A evolução visual A identidade visual da marca italiana passou por algumas remodelações ao longo dos anos. Os slogans Laboratorio di idee. Where ideas come to life. L’ora della leggenda. Dados corporativos ● Origem: Itália ● Fundação: 1860 ● Fundador: Giovanni Panerai ● Sede mundial: Milão, Itália ● Proprietário da marca: Compagnie Financière Richemont S.A. ● Capital aberto: Não ● CEO: Angelo Bonati ● Faturamento: Não divulgado  ● Lucro: Não divulgado ● Lojas: 65 ● Presença global: 50 países ● Presença no Brasil: Sim ● Funcionários: 600 ● Segmento: Relojoaria de luxo ● Principais produtos: Relógios ● Concorrentes diretos: Richard Mille, Rolex, IWC, TAG Heuer, Hublot, Omega e Girard-Perregaux  ● Ícones: Os modelos Radiomir e Luminor ● Slogan: Laboratorio di idee. ● Website: www.panerai.com A marca no mundo A marca italiana vende suas preciosidades através de 65 lojas, incluindo a histórica butique em Florença, que funciona simultaneamente como museu, e selecionados pontos de venda em mais de 50 países ao redor do mundo. Hoje a marca italiana emprega 600 funcionários, 300 dos quais cuidam da produção na moderna fábrica em Neuchâtel, na Suíça. Você sabia? ● Produzidos na Suíça, em Neuchâtel, o relógios são desenhados por não mais do que dez designers no escritório da empresa em Milão. Afinal, manter o Made in Italy é fundamental na filosofia de sucesso da marca. ● Os relógios da marca custam entre R$ 20 mil e R$ 560 mil (o modelo Turbillion). As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). Última atualização em 11/10/2017GUITAR CENTER Para músicos, tanto profissionais como amadores, a rede varejista americana GUITAR CENTER é um verdadeiro templo sagrado do consumo. Guitarras, baterias, violões e uma infinidade de equipamentos e acessórios musicais de grandes e renomadas marcas mundiais, tornaram a rede americana o destino preferido para quem ama música. Afinal, a missão da GUITAR CENTER é “Ajudar as Pessoas a Fazer Música”. A história As origens da GUITAR CENTER datam do ano de 1959 quando Wayne Mitchell comprou uma pequena loja que vendia e consertava órgãos eletrônicos para uso doméstico ou em igreja localizada em Hollywood, no estado da Califórnia. Pouco depois, em 1961, ele batizou a loja de The Organ Center. A história da empresa começaria a ganhar novos rumos em 1964 quando Joe Banaran, então presidente da Thomas Organ Company, se aproximou de Wayne em busca de uma saída para vender uma nova linha de guitarras e amplificadores, chamada Vox. Com a enorme popularidade dos Beatles, que estavam usando equipamentos Vox, tornou-se evidente que o futuro do varejo de instrumentos musicais estava na venda de guitarras e amplificadores, e não em órgãos. Wayne viu o momento certo para aproveitar esta promissora nova oportunidade de varejo e passou a vender guitarras e amplificadores, mudando o nome da loja para The Vox Center. Em 1971, a loja foi finalmente renomeada para GUITAR CENTER e mudou-se para um imóvel maior, na famosa Sunset Boulevard em Los Angeles. No ano seguinte, uma segunda loja foi inaugurada na cidade de San Francisco, seguida da terceira unidade em San Diego no ano de 1973. No restante da década a GUITAR CENTER continuou sua expansão geográfica pela Califórnia, além de ampliar a oferta de produtos, que incluía baterias e outros instrumentos musicais. Depois de estabelecer uma forte presença no varejo da Califórnia, na década de 1980 a GUITAR CENTER começou a se expandir a nível nacional com a inauguração de novas lojas nas principais cidades americanas, como por exemplo, Minneapolis, Dallas, Houston e Chicago. Estas novas unidades, com seus tetos altos e espaço aberto para suportar a comercialização maciça de instrumentos, anunciaram o início do formato “superstore” para o seguimento. Outro fato que aumentou a popularidade da rede aconteceu em 1980, com a compra da fabricante de guitarra Kramer, que tinha como seu principal garoto-propaganda Eddie Van Halen. Em 1984, o fundador empresa, Wayne Mitchell, faleceu, deixando para trás uma equipe de gestão qualificada para dar continuidade a sua visão da enorme potência do varejo de instrumentos musicais. Em 1985, a rede já era composta por 12 unidades. Durante os anos de 1990, a GUITAR CENTER vivenciou um período monumental de crescimento, inaugurando aproximadamente 70 lojas ao longo da década, ganhando assim o apelido de “O maior varejista de instrumentos musicais do mundo”. Durante este período de crescimento acelerado, as grandes inaugurações ocorreram a uma taxa de uma ou duas lojas por mês, superando todos os outros varejistas de instrumentos musicais. A partir de 1996, o comando de dois talentosos executivos garantiu o impulso necessário para a empresa continuar crescendo, culminando com a abertura de capital da GUITAR CENTER na Bolsa de Valores em 1997. Ainda este ano, a marca lançou seu próprio cartão de crédito - que se tornaria o Gear Card. Pouco depois, em 1999, a empresa adquiriu o Musician’s Friend, um dos principais comerciantes diretos de instrumentos musicais, iniciando assim a construção de uma forte presença online da marca. Em 2001 a empresa criou o Guitar Center Professional (conhecido como GC Pro) para atender as necessidades dos profissionais de gravação e estúdios. Com uma seleção abrangente de equipamentos de alta qualidade, serviço individualizado e consulta especializada, a GC Pro levou o serviço de atendimento da empresa a novos níveis. Nesta década, a empresa acelerou a aquisição de concorrentes, como por exemplo, o American Music Group (2001), a Music & Arts (2005), a Woodwind & Brasswind (2007) e a Music 123 (2007), adicionando 62 novas lojas a sua rede, juntamente com vários sites de varejo que atendiam a uma clientela de músicos completamente nova. Nos anos seguintes, a empresa começou a se concentrar no desenvolvimento de programação de marketing de conteúdo que inspirava as pessoas a tocar música. Em 2014, a Ares Capital Management tornou-se acionista majoritária da GUITAR CENTER. Ainda neste ano a marca inaugurou uma enorme loja em plena Times Square, em Manhattan. Além disso, a empresa ampliou os serviços oferecidos em suas lojas para incluir aulas e pequenos cursos, aluguéis e reparo de instrumentos. Com objetivos sólidos e uma experiência inigualável oferecida por suas lojas, a missão da GUITAR CENTER é permitir aos músicos em todo o mundo experimentar a alegria que vem de tocar um instrumento. Amor pela música Muito mais que um varejista de instrumentos e equipamentos musicais, a GUITAR CENTER tem em seu DNA o amor pela música. E transformou isso em uma ótima ferramenta de marketing. Como por exemplo, em 1985, quando inaugurou em sua famosa loja da Sunset Boulevard a Guitar Center RockWalk (imagem abaixo), uma espécie de calçada da fama que honra grandes nomes e bandas que deram contribuições significativas para a indústria da música. Eles são convidados a colocar as impressões das mãos em blocos de cimento. Os primeiros indicados foram Stevie Wonder, Eddie Van Halen, Jim Marshall, C.F. Martin e Remo Belli, que deixaram suas mãos gravadas na calçada. Nos anos seguintes, monstros sagrados da música como AC/DC, Aerosmith, Marvin Gaye, James Brown, Eric Clapton, Chuck Berry, James Brown, The Doobie Brothers, BB King, Jerry Lee Lewis, Little Richard, Alice Cooper, Jimmy Page, Johnny Cash, e tantos outros, passaram a fazer parte da RockWalk. Adicionalmente, dentro da loja, estão expostos em diversas galerias vários instrumentos de grandes personalidades da história da música, como Elvis Presley, Johnny Cash, Jeff Beck, Kurt Cobain, dentre vários outros. Além disso, em 1988 a marca criou o Guitar Center Drum-Off, uma competição para revelar jovens e talentosos bateristas. A tradicional competição já teve 28 edições. Os slogans Find your sound. All we sell is the greatest feeling on earth. (2014) We help people make music. The Musician’s choice. Dados corporativos ● Origem: Estados Unidos ● Fundação: 1959 ● Fundador: Wayne Mitchell ● Sede mundial: Westlake Village, Califórnia, Estados Unidos ● Proprietário da marca: Guitar Center Inc. ● Capital aberto: Não ● CEO: Ron Japinga ● Faturamento: US$ 2.14 bilhões (estimado) ● Lucro: Não divulgado ● Lojas: 269 ● Presença global: Não (presente somente nos Estados Unidos) ● Funcionários: 10.000 ● Segmento: Varejo ● Principais produtos: Guitarras, violões, baixos, baterias, equipamentos e acessórios musicais ● Concorrentes diretos: Sam Ash Music, Sweetwater, American Musical Supply e Best Buy ● Ícones: A RockWalk da loja de Los Angeles ● Slogan: Find your sound. ● Website: www.guitarcenter.com A marca nos Estados Unidos Atualmente a GUITAR CENTER, maior varejista do mundo especializada em instrumentos e equipamentos musicais, possui mais de 260 lojas espalhadas por 32 estados americanos. Com faturamento anual estimado superior a US$ 2 bilhões, a rede tem mais lojas nos estados da Califórnia, Flórida, Illinois e Nova York. Além de instrumentos musicais de todos os estilos, a rede também oferece uma enorme variedade de equipamentos de áudio, gravação, efeito, iluminação e DJ. Você sabia? ● A varejista americana ainda é proprietária da Music & Arts, rede que opera mais de 150 lojas especializadas na venda e aluguel de instrumentos para bandas e orquestras, atendendo professores, diretores de banda, professores universitários e estudantes desde 1952. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). Última atualização em 13/12/2017 POPEYES Um pedaço da rica gastronomia da Louisiana em cada refeição. E de forma rápida. Assim são todos os itens oferecidos pelo cardápio da rede americana POPEYES, que oferece um toque especial de preparação ao estilo sulista americano. Por isso, a POPEYES distingue-se com um cardápio exclusivo de uma culinária exótica, com frango picante e camarão frito, entre outros itens regionais da cidade de Nova Orleans. A história Tudo começou no dia 12 de junho de 1972 quando Alvin Charles “Al” Copeland (foto abaixo) inaugurou o restaurante Chicken on the Run no subúrbio de Arabi, na cidade de Nova Orleans, Louisiana, estado conhecido por sua exuberante culinária recheada de temperos. Inicialmente o pequeno estabelecimento vendia o tradicional frango frito do sul, com costa crocante e carne suculenta. Após alguns meses de desempenho fraco, ele reabriu o restaurante com o nome de POPEYES MIGHTY GOOD FRIED CHICKEN, servindo desta vez o tradicional frango frito picante ao estilo de Nova Orleans. Apesar de muitos acharem que o nome foi em homenagem ao famoso Marinheiro Popeye, aquele mesmo comedor de espinafre, a verdade é que foi inspirado no detetive Jimmy “Popeye” Doyle do filme “The French Connection” (“Operação França”). O slogan original do novo restaurante era “So fast, you get your chicken before you get your change” (algo como “Tão rápido, que você pega seu frango antes de conseguir o seu troco”). Aos pouco, o estabelecimento começou a ficar popular em virtude da qualidade de suas comidas. Em 1976, como uma oportunidade de crescimento, a empresa inaugurou sua primeira loja franqueada, na cidade de Baton Rouge, também no estado de Louisiana. A rede começou a se tornar popular em 1980 com o lançamento da campanha “Love That Chicken from Popeyes” (algo como “Ame aquele frango da Popeyes”). Em 1983 a rede introduziu o que seria um dos itens mais populares do cardápio: Buttermilk Biscuits (deliciosos biscoitos de leite coalhado). No ano seguinte a POPEYES iniciou sua escalada internacional ao inaugurar uma loja na cidade de Toronto no Canadá. O crescimento da rede era tão forte, que em 1985, a empresa inaugurou sua loja de número 500 em Landover, estado de Maryland, colocando assim a marca em pé de igualdade com os grandes concorrentes nacionais. Com isso, POPEYES se tornou a rede de fast food especializada em frango número três do mercado americano, baseada no número de unidades. No final desta década, a rede introduziu em seu cardápio, inicialmente em edição limitada, a lagosta. Além disso, a empresa adquiriu em 1989 a Church’s Chicken, então a segunda maior rede baseada em frango frito do mercado americano. Pouco depois, em 1991, a POPEYES ampliou sua presença internacional com a inauguração de um restaurante na cidade de Kuala Lumpur, na Malásia. O rumo da empresa começou a mudar no mês de outubro de 1992, quando a recém-constituída America’s Favorite Chicken Company comprou a POPEYES e a Church’s Chicken, ambas focadas em frango frito. No ano seguinte a rede ingressou em uma nova era quando o design de seus restaurantes começou a ser modernizado. Em 1996, a rede inaugurou sua milésima loja na cidade de Atlanta, no estado da Geórgia. No final desta década, em 1999, já com vasta presença em boa parte do território americano, a POPEYES ultrapassou pela primeira vez o faturamento de US$ 1 bilhão. Pouco depois, em 2001, a rede se tornou a segunda maior do mercado americano em seu segmento (em número de unidades). Em 2008, a marca se reinventou como Popeyes Louisiana Kitchen, com base em suas raízes de longa data na culinária caseira inspirada no estado da Louisiana. Isso incluía um novo logotipo, novos produtos diferenciados e uma nova campanha publicitária divulgando o slogan “Louisiana Fast”. Surgiu então o BONAFIDE® CHICKEN, pedaços de frango marinados em temperos picantes, depois fatiados e empanados em um exclusivo revestimento crocante típico da região de Louisiana. Em 2009 a POPEYES se tornou ainda mais popular com o lançamento de uma campanha publicitária onde apresentou ao público a carismática porta-voz “Annie the Chicken Queen”, uma fictícia chef afro-americana com um doce e hospitaleiro sotaque da Louisiana, interpretada pela atriz Deidrie Henry. No ano seguinte, a personagem vem à televisão para comunicar que o frango BONAFIDE® da POPEYES bateu o KFC® Original Recipe® em um teste nacional. Pouco depois, em 2011, a rede inaugurou seu restaurante de número 2.000 na cidade de Memphis, estado do Tennessee. Além disso, lançou edições limitadas de seu famoso frango frito. Em 2014 lançou o Beer Can Chicken, peito de frango parcialmente cortado em tiras e marinado em alho, alecrim, pimenta e casca de limão, antes de ser empanado e frito. Em março de 2017 a Restaurant Brands International adquiriu por US$ 1.8 bilhões a rede POPEYES. No início de 2018 a rede anunciou seu ingresso no mercado brasileiro, com a inauguração de uma loja em breve. A rede acredita que a tradição da cultura da cozinha da Louisiana, que incorpora a paixão pela comida combinando ingredientes de alta qualidade, frescos e de sabor marcante, será muito bem recebida em todo o país, trazendo aos brasileiros pratos de alta qualidade e sabor, feitos sem pressa, mas servidos com rapidez. O cardápio A rede POPEYES se diferencia por um exclusivo cardápio ao estilo de Nova Orleans, que é a região de culinária mais rica dos Estados Unidos, com frango temperado picante, camarões fritos (marinados em ervas da Louisiana e empanados com uma receita exclusiva) e outros itens regionais, como sanduíches, saladas, acompanhamentos com temperos cajun e creole (típicos da Louisiana) e deliciosas sobremesas. Além de seu frango frito empanado, um de seus carros-chefe é o sanduíche CHICKEN PO’BOY (dois tenros pedaços de frango empanado em uma baguete francesa, com alface, picles e maionese). A rede também serve pratos familiares com 8, 12 ou 16 pedaços de frango, complementos e deliciosos biscoitos quentes. O tradicional frango frito da POPEYES é fresco e não congelado - e passa mais de 12 horas marinando na loja antes de ser empanado. A evolução visual A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. Originalmente vermelho, o logotipo passou por uma discreta atualização alguns anos depois. Em 1993 foi apresentada uma identidade visual mais colorida e complexa. Finalmente em 2008 adotou novas cores, novo design e uma nova tipografia de letra. Além disso, apresentou um novo posicionamento da marca que passou de Popeyes Chicken & Biscuits para Popeyes Louisiana Kitchen. Nas fachadas de suas lojas o logotipo pode ser aplicado na versão abaixo. Os slogans Louisiana fast. (2008) Love That Chicken from Popeyes. (1980) So fast, you get your chicken before you get your change. (1972) Dados corporativos ● Origem: Estados Unidos ● Fundação: 12 de junho de 1972 ● Fundador: Alvin Charles “Al” Copeland ● Sede mundial: Dunwoody, Geórgia, Estados Unidos ● Proprietário da marca: Popeyes Louisiana Kitchen Inc. ● Capital aberto: Não (subsidiária da Restaurant Brands International Inc.) ● Presidente: Alexandre de Jesus Santoro ● Faturamento: US$ 1.5 bilhões (estimado) ● Lucro: Não divulgado ● Lojas: 2.800 ● Presença global: 25 países ● Presença no Brasil: Sim ● Segmento: Alimentação rápida ● Principais produtos: Frangos fritos, sanduíches, saladas e frutos do mar ● Concorrentes diretos: KFC, Church’s Chicken, Chick-Fil-A, Nando’s, Pollo Campero, Chester’s, El Pollo Loco, Subway e McDonald’s ● Ícones: Bonafide® Chicken ● Slogan: Louisiana fast. ● Website: www.popeyes.com A marca no mundo Atualmente a POPEYES opera mais de 2.800 lojas em mais de 25 países ao redor do mundo, sendo a segunda maior rede de alimentação rápida focada em frango no planeta, atrás apenas do KFC. Pertencente a Restaurant Brands International Inc., também proprietária do Burger King e da canadense Tim Hortons, a POPEYES fatura mais de US$ 1.5 bilhões anualmente. Você sabia? ● Até 2006, a marca detinha os direitos de usar a imagem do Marinheiro Popeye em suas campanhas publicitárias. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Newsweek, BusinessWeek, Forbes, Fortune, Exame e Isto é Dinheiro), jornais (Valor Econômico, Folha e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Mundo Marketing), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). Última atualização em 2/4/2018 FAIXA AZUL Acontece nos melhores almoços de família: assim que a massa é servida, o olho percorre a mesa à procura do queijo parmesão. E quando o assunto é parmesão, o tradicional Faixa Azul é o preferido de milhões de brasileiros. Ícone e sinônimo de queijo parmesão, a marca conquistou esse status ao manter uma receita tradicional e exclusiva por mais de 70 anos, que garante sabor e textura insuperáveis. E nos últimos anos a qualidade do parmesão se estendeu a outros tipos de queijos como brie, camembert e emmental, oferecendo assim a mais completa linha de queijos especiais do mercado brasileiro. A história O parmesão, um dos queijos mais apreciados do mundo, surgiu na cidade de Parma, na Itália, por volta do ano de 1200. Dali, ele ganhou fama como ingrediente de receitas das mamas, como gratinados, massas e risotos, e também pelo consumo puro, em lascas, sem ou com acompanhamentos como azeite. Apesar da qualidade parmigiano-reggiano ter denominação de origem controlada (só pode ser fabricado com esse nome nas cidades de Parma, Reggio Emilia, Modena, Bolonha e Mântua), a marca brasileira Faixa Azul se tornou sinônimo de parmesão no país. E sua história começou quando o imigrante italiano Don Vito Antonio D’April desembarcou no Brasil vindo diretamente da cidade de Parma, trazendo consigo uma receita do tradicional queijo parmesão. Pouco tempo depois, Mestre Vito, como ficou conhecido, iniciou à produção de seu queijo parmesão artesanal em São Gonçalo do Sapucaí, no sudoeste do estado de Minas Gerais. O cuidado com cada detalhe, o processo adequado para salmoura e o tempo apropriado de maturação (12 meses) resultaram em um queijo de sabor sem igual. Para finalizar cada queijo, Mestre Vito dava um toque especial: uma faixa azul pintada à mão simbolizando a nobreza e a tradição de seus produtos. Rapidamente a notícia se espalhou e os queijos da “Faixa Azul” conquistaram o paladar de toda a região. Em 1940, este fato chamou a atenção da empresa Vigor, que tinha acabado de inaugurar uma fábrica na mesma cidade e convidou Don Vito para produzir o queijo parmesão. Faixa Azul tornou-se então a primeira marca de queijo parmesão produzido em escala industrial no Brasil, mantendo sua receita original e o acabamento artesanal. Inicialmente produzido em peças, nas décadas seguintes a marca lançou novas versões do tradicional queijo, como por exemplo, o ralado (que rapidamente caiu no gosto das famílias brasileiras pela praticidade), em lascas e o light (com gorduras totais reduzidas). Em 2012, o tradicional queijo parmesão chegou às gôndolas em duas edições limitadas pensadas com exclusividade para o fim de ano, o Faixa Azul Reserva Edição Especial, cuja maturação de 18 meses garante sabor mais acentuado e marcante ao queijo e que foi desenvolvido para agradar aos paladares mais exigentes e aos apreciadores da alta gastronomia; e o Faixa Azul Edição Especial, aguardado todos os anos, sendo uma versão miniatura, modelado em uma forma de 2.5 quilos (o convencional da marca pesa 7.5 quilos), e embalado em uma lata comemorativa para remeter à tradição e ao bom gosto da Faixa Azul. Em 2013 a marca fortaleceu ainda mais sua posição no mercado com lançamento de novos produtos e uma nova campanha de marketing, cujo conceito era “A espera é uma arte”, que chamava a atenção para o principal diferencial do produto: o processo de, pelo menos, 12 meses de maturação. A campanha nasceu da essência do produto e da marca, que acredita que, para ser o primeiro, não se pode correr ou ter pressa. Além disso, uma parceria com o chef Olivier Anquier tinha o objetivo de mostrar o lado gourmet da marca e divulgar novas opções de consumo com a reconhecida qualidade do parmesão Faixa Azul. Já os novos lançamento contaram com o Faixa Azul Ralado Grosso (ideal para usar em receitas gratinadas e dar um toque especial aos pratos), o Fondue Faixa Azul pré-pronto (uma receita inédita que leva parmesão no preparo, além de queijo emmental) e a linha de cremes premium com as opções Parmesão, Emmental e Brie. Em 2014, a Faixa Azul apresentou uma nova identidade visual para suas embalagens, cujo objetivo era traduzir os valores e a qualidade da marca em uma linha com grande tradição no mercado. O resultado: embalagens com visual moderno, atrativo e arrojado, com o personagem inspirado em Vito Antonino D’April, lendário mestre queijeiro da marca, pintando a tradicional faixa azul. Durante décadas a imagem da marca Faixa Azul ficou mais atrelada ao queijo parmesão. Mas isto começou a mudar em 2015, quando a marca resolveu expandir sua linha com o lançamento de outros tipos de queijos, como gouda, gruyère, emmental, brie, camembert e blue cheese (sendo os três últimos importados em uma parceria com a dinamarquesa Arla Foods), todos seguindo a tradição e alta qualidade de seu principal produto. Hoje em dia, a produção do Faixa Azul continua sendo feita de modo artesanal, na cidade mineira de São Gonçalo do Sapucaí, onde tudo começou há mais de sete décadas. Os queijos são virados um a um, todos os dias, para que a maturação ocorra de maneira uniforme. A casca do queijo também recebe um tratamento especial com óleo de urucum. Já a faixa azul é pintada no queijo somente quando ele está pronto para o consumo. O resultado desse processo é um produto com características específicas como consistência dura, superfície granulosa, odor suave para forte e sabor mais marcante e persistente, mais adocicado e ácido que a média dos queijos ralados do mercado. Em 2017, a marca Faixa Azul conquistou o reconhecimento internacional. Isto porque, seu famoso parmesão com 12 meses de maturação, muito admirado pelos brasileiros, ganhou medalha de ouro durante a maior premiação de queijos do mundo: o World Cheese Awards. O título foi entregue durante o Festival Internacional de Queijos de San Sebastián, na Espanha. Além do ouro, Faixa Azul também ganhou medalha de bronze, que foi concedida ao Parmesão Reserva 18 meses de maturação. A conquista deste importante reconhecimento internacional colocou a marca brasileira no mais seleto e restrito grupo dos melhores queijos do mundo. Além disso, com a compra da Vigor pelo Grupo Lala, a marca Faixa Azul passou a fazer parte do portfólio da empresa mexicana.A evolução visual A identidade visual da marca passou por pequenas remodelações ao longo dos anos. Em 2014 a marca apresentou um novo logotipo, cujo design da tradicional faixa azul foi modernizado, ganhando uma leve inclinação e adotando uma nova tipografia de letra. Os slogans A espera é uma arte. (2013) Faixa Azul. A marca dos melhores queijos. Dados corporativos ● Origem: Brasil ● Lançamento: 1940 ● Criador: Vito Antonio D’April ● Sede mundial: São Paulo, Brasil ● Proprietário da marca: Vigor Alimentos S.A. ● Capital aberto: Não ● Presidente: Gilberto Xandó ● Faturamento: Não divulgado ● Lucro: Não divulgado ● Presença global: Não (presente somente no Brasil) ● Segmento: Laticínios ● Principais produtos: Queijos ● Concorrentes diretos: Tirolez, Polenghi, Scala, Quatá, Blakis, La Serenissima, Philadelphia Cream Cheese e Président ● Ícones: A faixa azul ● Slogan: A espera é uma arte. ● Website: www.faixaazul.com.br A marca no Brasil A marca Faixa Azul está presente em boa parte do mercado brasileiro, com forte presença na região sul e sudeste, oferecendo uma completa linha de queijos especiais (mais de 10 produtos), além é claro do seu tradicional parmesão (disponível nas versões corte fatia, corte cilíndrico, forma, ralado tradicional, ralado grosso e light). Você sabia? ● Os queijos de faixa azul eram assim marcados, pela sua qualidade e para identificar - facilmente - pois naquele tempo (há séculos atrás) nem todos sabiam ler o tipo de queijo. A faixa azul era reservada para o queijo parmesão de boa qualidade, pois algumas fábricas diferenciavam assim o seu Parmegianno do “queijo tipo parmesão”, baseado nos mesmos princípios, mas de menor qualidade.  As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Época Negócios e Exame), jornais (Valor Econômico, Estadão, Folha e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). Última atualização em 19/4/2018 MINI BABYBEL® O redondinho vermelho inconfundível torna a hora do lanche uma verdadeira diversão. Feito com leite pasteurizado e rico em proteínas e cálcio, o queijo Mini Babybel® é a companhia perfeita para acompanhar deliciosos sanduíches e snacks. Os ingredientes para o seu sucesso incluem uma receita simples e saudável, com 98% de leite, um sabor único e um gosto pela inovação, que conquistou milhões de gulosos pelo mundo afora. A história Para contar a história da marca Mini Babybel® é preciso voltar ao ano de 1865 quando Jules Bel fundou uma pequena empresa produtora de queijos em Orgelet na região francesa de Jura. Mas foi somente em 1921 que a empresa inovou ao criar o primeiro queijo processado em porção individual (com seu tradicional formato triangular), lançado no mercado com a marca que a tornaria uma das companhias líderes globais na venda de queijos, a “La Vache qui Rit”, ou em uma tradução simples para o português: “A Vaca Que Ri”. Outro fato histórico para a empresa aconteceu no ano de 1952 com o lançamento do Babybel® (em embalagem de 200 gramas), um queijo Tipo Saint Paulin de origem francesa e criado pelos monges Trapistas. Este queijo é fabricado com leite pasteurizado e caracterizado por sua massa amarela, muito macia, untuosa e fechada, de sabor suave e sem acidez. Sua casca fina, amarelada, se forma com tratamento com água, salmoura e uma pequena dose de corante de urucum. Mas este queijo faria sucesso realmente só em 1977, quando foi lançado no mercado francês o Mini Babybel®, a versão reduzida (embalagem de 20 gramas) do tradicional queijo, feito com 98% de leite, sem corantes ou conservantes e naturalmente ricos em cálcio e proteínas. Mini Babybel® trouxe ao consumidor francês uma nova e inédita delícia, oferecendo o sabor único do Babybel® envolto em pequenas conchas individuais redondas feitas de cera (parafina) vermelha, para manter seu frescor. Prático, delicioso e em sintonia às novas tendências de consumo, o novo produto fez sucesso imediato, especialmente entre as crianças no lanche escolar. Isto porque, o queijo foi lançado para facilitar a vida, e por isso era tão conveniente. Afinal, as porções individuais do delicioso queijo não requeriam talheres e davam independência às crianças ao desembrulhar e comer. Além de ser prático no lanche escolar, era ideal para levar na bolsa e o tamanho exato para aquele lanchinho fora de hora. Já o crescimento internacional da marca começou em 1979, quando Mini Babybel® cruzou o Atlântico para ser lançado na costa americana, seguido de sua entrada em novos mercados na Europa (no Reino Unido, um de seus mais importantes mercados, foi lançado em 1981), Ásia e África. Então começou a deliciosa história do Mini Babybel® e seus fervorosos fãs nos cinco continentes. No mercado americano, desde seu lançamento, a marca se estabeleceu como um lanche saudável e divertido para ser consumido em qualquer lugar - o que o tornou particularmente adequado aos hábitos alimentares americanos. O Mini Babybel® também ficou conhecido por sua embalagem, consistindo de uma bolsa de rede em que cada pedaço de queijo é envolto em cera, com um invólucro de celofane externo. A primeira variação do produto foi o Mini Babybel® Light (embalagem azul-clara), um queijo com menos gordura e calorias que o original, introduzido na década de 1990. A partir de 1998 outras variações do tradicional queijo foram lançadas no mercado como Mini Babybel® Cheddar (embalagem roxa, lançado em 2000), Mini Babybel® Gouda (embalagem laranja), Mini Babybel® Emmental (embalagem amarela), Mini Babybel® Goat (queijo de cabra), Mini Babybel® White Cheddar (embalagem creme ou preta, lançado em 2011), Mini Babybel® Sharp Original (embalagem vermelho-escuro) e Mini Babybel® Mozzarella (embalagem verde), este último introduzido em 2012. A marca também lançou novos produtos, como por exemplo, o Babybel® Maxi, com embalagem de 200 gramas ou 380 gramas; o Chesse and Crackers, uma prática embalagem com um dos seus pequenos queijos juntamente com um pacote de bolachas crackers; e o Mini-Roulés, o tradicional queijo em um novo formato, enrolado em tiras. Além das variações, a marca também passou a oferecer aos consumidores edições limitadas (incluindo uma com vários sabores diferentes) e embalagens especiais em datas comemorativas, como por exemplo, o Dia das Bruxas, oferecendo assim a mesma alta qualidade e senso de diversão saudável que fizeram do Mini Babybel® um enorme sucesso. Mais recentemente, em 2016, para atender a alta demanda do mercado americano, a empresa inaugurou uma nova fábrica em Brookings, no estado da Dakota do Sul, cuja capacidade de produção é superior a 1.5 milhões de unidades por dia. A grande novidade recente da marca é o Mini Babybel® Bio, produzido a partir de leite 100% biológico. Além de nutricionalmente ricos, estes queijinhos são também inovadores do ponto de vista da utilização, pois possuem uma forma ideal para transportar e consumir em qualquer local ou a qualquer hora: na escola, na praia, em festas ou em passeios de família. Já na gastronomia, o Mini Babybel® é ideal para ser consumido com vinho branco suave e com espumantes. Como aperitivo, lanche ou até servido com legumes ou uma salada de folhas para o almoço ou jantar, essas delícias encontraram o seu lugar em todos os paladares. Uma campanha criativa Recentemente em Portugal, a marca lançou a campanha Esquadrão Queijinho, onde super-heróis animados (em formatos dos tradicionais queijinhos) tinham como principal missão salvar mães e filhos das tentações menos saudáveis na hora de escolher um snack ou preparar o lanche para a escola. O esquadrão composto por Super Queijinho, Super Geek, Super Artista, O Capitão Palhaço, Miss Zen e Miss Aventura, mostra que Mini Babybel® é saudável, nutritivo e conveniente. O mote da campanha era “Salva o Dia com Babybel”. A polêmica Em 2012, a tradicional marca se envolveu em uma enorme polêmica na França. Isto porque a marca sofreu a ira dos consumidores franceses devido a uma promoção dirigida ao público infantil que foi considerada apelativa e ofensiva para com as pessoas com dificuldade de aprendizagem. O queijo famoso, redondo, com embalagem vermelha e comum em lanches escolares na Europa, estava dando carimbos de tinta para a criançada na França no verão. Um deles dizia: “Des vacances de malade mental”, uma expressão que em linguagem figurada significa “tenha férias mentais”, mas em linguagem literal diz “tenha férias como um doente mental”. Associações francesas de pais de crianças com dificuldades de aprendizagem imediatamente expressaram sua indignação e ameaçaram um boicote à marca e todos os seus produtos. A evolução visual A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. Inicialmente representado pela icônica embalagem do produto (redonda e vermelha), o logotipo passou por duas remodelações (1990 e 2003), ganhando novas tipografias de letras e design. Em 2014, a atual identidade visual da marca foi apresentada, representada pela embalagem do produto em uma versão totalmente modernizada. Os slogans Snack a little bigger. (2013) Unwrap Your Inner Child. Real cheese, only smaller. (2008) Real cheese, worth chasing. (2007) Dados corporativos ● Origem: França ● Lançamento: 1952 (Babybel®) e 1977 (Mini Babybel®) ● Criador: Fromageries Bel S.A. ● Sede mundial: Suresnes, França ● Proprietário da marca: Fromageries Bel S.A. ● Capital aberto: Não ● CEO: Antoine Fiévet ● Faturamento: Não divulgado ● Lucro: Não divulgado ● Presença global: 76 países ● Presença no Brasil: Sim ● Segmento: Alimentos ● Principais produtos: Queijos ● Concorrentes diretos: Président, Saint Albray, Galbani e Polenghi ● Ícones: A embalagem de cera vermelha ● Slogan: Snack a little bigger. ● Website: www.groupe-bel.com/en/brands/discover-bel-brands/ A marca no mundo Atualmente a Mini Babybel®, sexta maior marca do mercado mundial de queijos, é comercializada em 76 países e oferece diversas variedades. Aproximadamente 75% do consumo de Mini Babybel® é feito fora da França e por ano são devoradas mais de 1 bilhão de unidades do delicioso queijinho, extremamente popular nos Estados Unidos, Reino Unido e França. A marca pertence ao grupo francês Bel, também proprietário de outras famosas marcas de queijo como The Laughing Cow e Boursin. Você sabia? ● A tradicional embalagem do produto pode variar de país para país. Por exemplo, na Europa são 6 mini-queijos em cada embalagem. Já no Brasil são cinco unidades. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Newsweek, BusinessWeek, Forbes, Fortune e Exame), jornais (Valor Econômico, Folha e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Mundo Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). Última atualização em 10/4/2018 DEEZER O universo da música na palma da mão. A qualquer hora. Em qualquer lugar. Assim é o DEEZER, um dos mais populares serviços de streaming de músicas do planeta. Combinando recomendação humana dos editores da empresa com tecnologia de ponta, o DEEZER ajuda milhões de pessoas a descobrirem a música perfeita. A história Tudo começou em 2006 quando o francês Daniel Marhely (foto abaixo), na época com 22 anos, começou a trabalhar em um projeto, cujo objetivo era simplificar o acesso à música para seus amigos. De dentro do seu quarto, em Paris, Daniel rapidamente identificou o potencial de sua ideia e reuniu uma pequena equipe, que incluía Jonathan Benassaya, para tirar o projeto do papel. O projeto ganhou forma sob o nome de Blogmusik. Rapidamente, o site se tornou popular e gerou tanto buzz que Daniel decidiu fechá-lo depois da objeção dos detentores dos direitos autorais das músicas. Para resolver este problema, Daniel foi negociar diretamente com os proprietários dos direitos autorais, o que levou a um acordo histórico assinado em 2007. Finalmente no mês de junho o Blogmusik voltou ao ar com o nome de DEEZER, o primeiro serviço de streaming gratuito e legal, cujos direitos autorais das músicas foram negociados com gravadoras e artistas. Não demorou muito para que investidores e outras gravadoras aderissem ao projeto. Em 2009, o DEEZER adquiriu os catálogos de todas as grandes gravadoras e de mais de 1.000 selos independentes, ampliando assim sua oferta de músicas. Neste mesmo ano ocorreu o lançamento do Deezer Premium+, um plano de assinatura que dava direito a serviços exclusivos, não somente música on demand, mas também entretenimento e esportes, sem publicidade, e em áudio de alta qualidade, através do computador, dispositivos móveis e tablets. Em 2010, assinou o primeiro acordo com a operadora de telefonia móvel Orange France para integrar o serviço Deezer Premium+ ao plano do celular, ampliando assim sua base de usuários. Atualmente, o DEEZER tem parceria com mais de 40 empresas de telecomunicação, incluindo a TIM no Brasil. No ano seguinte a marca iniciou sua expansão internacional com o lançamento de seus serviços no Reino Unido e pouco depois em outros países da Europa. Além disso, o Facebook integrou DEEZER como um de seus aplicativos de música escolhidos. Isto tornou o serviço ainda mais popular. Em 2012, a empresa já tinha recebido mais de €100 milhões em investimentos. Com isso, o DEEZER pode acelerar ainda mais sua expansão internacional e investiu em tecnologia de ponta. Em 2013 a marca apresentou mais uma novidade: o App Studio, um espaço dedicado a todos os aplicativos integrados ao DEEZER. Foi também neste ano que o DEEZER foi lançado oficialmente no mercado brasileiro. Para o mercado brasileiro, traçou estratégias dedicadas ao público pensando, principalmente, no perfil de consumo de música no país. O streaming oferece conteúdos diferenciados e exclusivos com foco principal em alguns dos gêneros mais populares no país: sertanejo e gospel, além de um trabalho dedicado em parceria com times de futebol, como o Flamengo. Além de já ter o Barcelona e Manchester que também tem apelo local. Em 2014, o DEEZER evoluiu com a introdução de uma página inicial personalizada com recomendações musicais baseadas no gosto do usuário. Já com o novo recurso FLOW, oferece a combinação única de todas as músicas favoritas do usuário e novas recomendações em um fluxo constante. Além disso, também era possível baixar músicas e ouvi-las offline. O DEEZER passou também a oferecer o recurso Lyrics, um sistema que permite aos usuários acompanharem as letras das músicas enquanto as faixas são executadas no player. Pela primeira vez na história, os fãs de karaokê tiveram acesso a milhões de letras de músicas ao toque de um simples botão. Em outubro deste ano, a empresa comprou o serviço de podcasting sob demanda Stitcher, ampliando assim sua oferta de produtos. Finalmente, ainda em 2014, o DEEZER foi lançado oficialmente no enorme e voraz mercado americano. O ano de 2015 foi repleto de novidades, como por exemplo, o lançamento do DEEZER ELITE (músicas em alta definição de qualidade) em todo o mundo e a introdução do serviço de comentários ao vivo sobre futebol. Em 2017, para comemorar seu 10º aniversário, o streaming criou a playlist Deezer: 10 years, 10 songs com os maiores sucessos da última década. Atualmente o DEEZER oferece músicas com alta qualidade sonora e equalizador com sistema surround, concedendo ainda ao usuário a opção de criar playlists, ouvir rádios temáticas (como rock, jazz, blues, bossa nova) e rádios por artista. Também conta com uma comunidade, onde o usuário pode compartilhar músicas e playlists com seus amigos. O Deezer está disponível em todos os dispositivos, como smartphones, tablets, PCs, notebooks, home theaters, automóveis e smart TVs. Os slogans Flow my music. Listen, discover, and take your music anywhere. Where music comes alive. Leve a música para uma nova dimensão. Dados corporativos ● Origem: França ● Fundação: Junho de 2007 ● Fundador: Daniel Marhely e Jonathan Benassaya ● Sede mundial: Paris, França ● Proprietário da marca: Deezer S.A. ● Capital aberto: Não ● CEO: Hans-Holger Albrecht ● Faturamento: Não divulgado ● Lucro: Não divulgado ● Usuários: 16 milhões ● Presença global: 185 países● Presença no Brasil: Sim  ● Maiores mercados: França e Brasil ● Funcionários: 300 ● Segmento: Entretenimento ● Principais produtos: Música online (streaming) ● Concorrentes diretos: Spotify, Apple Music, Google Music, SoundCloud, Napster, Tidal, Qobuz e Pandora  ● Slogan: Listen, discover, and take your music anywhere. ● Website: www.deezer.com/br/ A marca no mundo Atualmente o DEEZER está presente em 185 países ao redor do mundo, oferece mais de 43 milhões de músicas em sua biblioteca, resultado de parcerias com milhares de gravadoras e selos independentes, além de 30 mil canais de rádio, para mais de 16 milhões de usuários, dos quais 6.9 milhões são assinantes. O DEEZER é extremamente popular e forte na Europa e no Brasil (seu segundo maior mercado no mundo). Você sabia? ● O DEEZER também oferece o Plano Familiar, que pode ser utilizado por até seis pessoas e permite a criação de perfis específicos para cada uma. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Isto é Dinheiro e Exame), jornais (Valor Econômico e Folha), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). Última atualização em 23/10/2017 HARVEY NICHOLS As lojas da tradicional HARVEY NICHOLS são sempre uma boa parada pra quem realmente gosta de moda, de conhecer novos estilistas, ou esta atrás daquela edição especial, tanto em roupas, acessórios e cosméticos. Afinal, desde 1831 a rede inglesa, que pode ser comparada com uma catedral do consumo de luxo, traz para suas prateleiras e araras produtos de grandes e renomadas grifes e as maiores tendências mundiais para uma clientela sofisticada. E sempre oferecendo uma experiência de compra fantástica quando se trata de moda de luxo.A históriaTudo começou em 1831 quando Benjamin Harvey inaugurou uma loja especializada em tecidos, especialmente o linho, em uma modesta casa geminada na esquina da Knightsbridge com a Sloane Street, em Londres. Em 1835, a loja precisava de mais espaço físico e se expandiu para o número 8 ao lado. A loja continuaria ampliando sua área física incorporando propriedades vizinhas ao longo dos anos seguintes. Em 1841, Benjamin empregou James Nichols que, em 1845, foi promovido à administração e, em 1848, casou-se com a sobrinha de Harvey, Anne Beale. Benjamin Harvey morreu em 1850, deixando o negócio sob os cuidados de sua esposa, Anne Harvey, que firmou uma parceria com James Nichols para formar a Harvey Nichols & Co. Com isso, a loja passou a vender luxuosos tapetes orientais, seda, e outros tecidos de luxo que não o linho. Nos anos seguintes ampliou sua oferta de produtos, passando também a vender roupas e acessórios. Em 1874, a loja ocupava todo o quarteirão entre a Seville Street e a Sloane Street. Em 1889, o espaço existente foi demolido para abrir caminho para uma nova loja de departamento. O edifício como conhecemos hoje foi construído em etapas entre 1889 e 1894. Em 1975, o restaurante Harvey’s foi inaugurado no quinto andar, que rapidamente atraiu uma clientela assídua e especial, como por exemplo, a Princesa Diana, para quem tinha uma mesa reservada nos fundos. Este acontecimento foi de vital importância para posicionar a HARVEY NICHOLS como uma loja de departamento de luxo e destino dos ricos e famosos. Na década de 1980, a HARVEY NICHOLS foi uma força motriz na introdução de coleções misturadas, incentivando designers como Max Mara e Nicole Farhi a produzir uma variedade de peças. Além disso, quatro dos seis andares da loja foram dedicados à moda, incluindo um espaço especificamente direcionado para os adolescentes. Em 1991, a HARVEY NICHOLS foi adquirida pela empresa Dickson Concepts. Posteriormente, a icônica loja de Londres passou por uma reforma transformadora. Em 1992, um novo restaurante, café, bar e mercado de alimentos (onde é possível encontrar sofisticados alimentos e vinhos) abriram no quinto andar, com um elevador exclusivo que permitiu aos clientes frequentarem após o fechamento da loja principal. Este conceito provou-se imensamente popular, fazendo com que a HARVEY NICHOLS conquistasse uma reputação como destino para uma gastronomia sofisticada. A expansão nacional da HARVEY NICHOLS, até então com uma única loja em Londres, começou em 1996 com a inauguração de uma unidade na cidade de Leeds. Pouco depois, em uma estratégia ousada de globalização, a rede inaugurou em 2000 sua primeira loja internacional, localizada na cidade de Riad, na Arábia Saudita. Em 2001, a rede inaugurou uma nova loja (adotando o formato pequeno) na cidade de Birmingham. No ano seguinte foi inaugurada uma unidade na Escócia, na cidade de Edimburgo. A expansão da rede continuou em 2005 com a abertura da primeira unidade em Hong Kong e outra na cidade de Dublin. Em 2006 a rede ingressou em novos mercados: primeiro inaugurou em maio uma unidade dentro Mall of the Emirates em Dubai; e depois, no dia 13 de outubro abriu uma moderna loja na cidade turca de Istambul (uma segunda unidade seria inaugurada em 2010 em Ankara). Mas durante sua expansão internacional a rede inglesa também experimentou fracassos, como por exemplo, em outubro de 2008 quando inaugurou uma loja em Jacarta na Indonésia, fechada em 2010 devido a resultados de vendas decepcionantes. Com a inauguração de uma loja na cidade de Bristol em 2008, a empresa já possuía seis unidades no Reino Unido.   Em 2011, a HARVEY NICHOLS conseguiu atrair a fúria dos ativistas ao colocar nas prateleiras patê de carne de rena para o natal. Na lata do patê, o fabricante descrevia o produto como uma “iguaria” que vinha de “um primo da rena Rudolph, criado em fazenda”. O tal patê utilizava carne de renas do Ártico e levava conhaque e especiarias. Na época, um porta-voz da loja de departamento disse que o patê de rena era um sucesso com sua clientela chique e chegou a se esgotar na principal loja da rede em Londres. Em 2012 a HARVEY NICHOLS chegou ao Kuwait. Em novembro desse mesmo ano, a rede inaugurou na cidade de Liverpool um novo conceito de loja, batizado de Beauty Bazaar (oferece ampla linha de cosméticos e maquiagens) e cuja proposta é ser um “supermercado de beleza”, pois tem uma curadoria de produtos selecionados a dedo por editoras de beleza de grandes revistas de moda. O principal símbolo da HARVEY NICHOLS é a tradicional loja de Knightsbridge, em uma das áreas mais movimentadas de Londres e a poucos quarteirões do Kensigton Palace. Este verdadeiro templo do consumo de luxo tem sete andares dedicados à moda e um à comida e gastronomia. As polêmicas campanhas A HARVEY NICHOLS sempre teve uma comunicação criativa, mas acima de tudo polêmica. Já foram usadas imagens de um casal seminu, de mulheres voltando para casa na manhã seguinte a um encontro casual, retratou os consumidores como abutres (a foto mostrava a disputa dos dois abutres por uma jaqueta de couro vermelha), além de estampar as páginas da revista Vogue com uma campanha que trazia a modelo Bo Gilbert de 100 anos de idade. Em 2012, a rede inglesa lançou uma campanha publicitária com modelos com a calça molhada (como marcas de xixi) ao lado do slogan: “The Harvey Nichols Sale... Try To Contain Your Excitement” (algo como “Liquidação Harvey Nichols... Tente conter a sua excitação”). A campanha gerou enorme polêmica no Reino Unido. Já em 2013, para sua campanha de natal a marca optou por adotar um posicionamento que também gerou polêmica. A campanha “Sorry, I Spent It On Myself” incentivava os consumidores a serem um pouco mais egoístas e, em vez de comprarem presentes caros para os familiares e amigos, gastarem com eles mesmos no natal. Já em julho de 2015, a rede inglesa criou um programa de fidelidade, o Rewards App, que recompensa os clientes com serviços e vantagens exclusivas para cada ponto gasto, tanto nas lojas como no comércio eletrônico. Para promovê-lo, a campanha publicitária Shoplifters utilizou imagens reais de câmeras de segurança que exibem pessoas furtando objetos em suas lojas. Cabeças animadas escondiam a real identidade dos criminosos, dando um tom divertido e irônico para as cenas. No final, a assinatura diz: “Gosta de coisas grátis? Consiga-as legalmente”. A campanha conquistou inúmeros prêmios internacionais. A evolução visual A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos, ganhando ares mais sofisticados. Dados corporativos ● Origem: Inglaterra ● Fundação: 1831 ● Fundador: Benjamin Harvey ● Sede mundial: Londres, Inglaterra ● Proprietário da marca: Harvey Nichols Group Limited ● Capital aberto: Não (subsidiária da Broad Gain UK Ltd.) ● CEO: Stacey Cartwright ● Faturamento: £194.5 milhões (2016) ● Lucro: Não divulgado ● Lojas: 15 ● Presença global: 8 países ● Presença no Brasil: Não ● Funcionários: 7.500 ● Segmento: Varejo (loja de departamento) ● Principais produtos: Roupas, calçados, acessórios, cosméticos e comidas ● Concorrentes diretos: Harrods, Selfridges & Co., Debenhams, House of Fraser, Liberty London e John Lewis ● Ícones: A loja de Knightsbridge ● Website: www.harveynichols.com A marca no mundo Atualmente a HARVEYS NICHOLS, que faturou £194.5 milhões em 2016, possui 8 lojas no Reino Unido em cidades como Londres, Manchester, Bristol, Liverpool, Leeds, Birmingham, Dublin e Edimburgo. Além disso, a tradicional rede possui 7 unidades internacionais na Arábia Saudita, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Hong Kong e Turquia. Você sabia? ● Pesquisas apontaram que os jovens frequentam mais a HARVEY NICHOLS que a Harrods, sua principal concorrente em Londres. ● Em 2004, a HARVEY NICHOLS parou de vender produtos com peles de animais após inúmeros protestos. Mas em 2012 as roupas e acessórios com peles de animais voltaram para suas prateleiras. Após fortes protestos de ativistas dos direitos dos animais, no ano seguinte a diretora de moda da empresa pediu demissão. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Elle e Época Negócios), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).Última atualização em 10/11/2017GoDaddy A GoDaddy é o lugar certo para milhões de pessoas nomearem suas ideias, construírem um site profissional, atraírem clientes e gerenciarem seu trabalho. Quer seja registrar um domínio, criar ou hospedar um site, a GoDaddy oferece soluções completas para que pessoas e empresas possam se comunicar e fazer negócios da maneira mais eficiente. Hoje em dia, a missão da GoDaddy é fazer os negócios menores serem mais eficientes do que são, ajudando-os a usar o poder da internet. A história Tudo começou com Robert Ralph Parsons (foto abaixo), mais conhecido como Bob, um condecorado veterano de guerra que serviu no corpo de fuzileiros navais dos Estados Unidos no Vietnã, que após vender por milhões de dólares sua empresa de softwares em 1994 decidiu se aposentar. Porém, sua aposentadoria não duraria muito. Isto porque no ano de 1997 ele fundou a Jomax Technologies, que nascia com uma missão muito concreta: disponibilizar a qualquer pessoa uma forma de expor as suas ideias online. Com a internet ainda engatinhando, a nova empresa iria oferecer registros de domínio e hospedagem de sites. Em 1999, um grupo de funcionários da Jomax Technologies decidiu que a empresa precisava de um novo nome. O problema do nome Jomax - inspirado em uma estrada por onde Bob Parsons passava sempre – era que não fixava na cabeça das pessoas. Por isso era necessário encontrar um nome mais eficaz, especialmente naquela altura em que a empresa começava a crescer e avançar no mercado americano. Após uma semana de tentativas frustradas, alguém no escritório perguntou: “E que tal Big Daddy?”. Todos riram, mas a ideia não foi descartada: após uma pesquisa, constataram que o nome já estava sendo utilizado. Então, Bob Parsons perguntou “e Go Daddy?” (“Vai, Papai”, em tradução literal para português): o domínio estava disponível e recebeu a aprovação de todos. Surgia assim o nome Go Daddy.com. No ano seguinte, a GoDaddy tornou-se um registrador de nomes de domínio credenciado pelo ICANN, um órgão subordinado ao governo americano. Isto deu ainda mais credibilidade para a empresa, cujo diferencial estava na grande variedade de extensões disponíveis para registro, e também nas opções de privacidade de domínio oferecidas. Até o final de 2004, a GoDaddy era uma marca pouco conhecida pelo público em geral. Porém, no início de 2005 a GoDaddy começou a investir pesado em marketing e propaganda, o que culminou com a veiculação de seu primeiro comercial no intervalo do Super Bowl (final do futebol americano profissional e programa de maior audiência nos Estados Unidos). Coincidência ou não, ainda este ano a GoDaddy se tornou se tornou a maior empresa de registro de domínios do mundo credenciada pelo ICANN (abreviação para Internet Corporation for Assigned Names and Numbers), gerenciando mais de 11 milhões de domínios na internet. Nos anos seguintes, além de ingressar em novos mercados mundiais, a empresa, juntamente com os serviços de hospedagem e registro de domínio, passou a oferecer soluções e serviços de e-business, como por exemplo, email marketing, desenvolvimento de sites, serviços de marketing na internet, loja virtual, SSL e serviços de segurança. Em 2009, a empresa já superava a marca de 1 milhão de clientes. No início de 2010, em resposta a uma nova regra do governo chinês, a GoDaddy parou de registrar sites no país. Pouco depois, no final de 2011, Bob Parsons vendeu o controle da empresa para um consórcio formado por fundos de investimentos e deixou o cargo de CEO na época. Com uma nova administração e estratégia, em 2012 a empresa ingressou no enorme mercado indiano. Finalmente em 2013, a GoDaddy desembarcou oficialmente no mercado brasileiro, e passou a oferecer uma página de acesso e suporte em português, com consultores baseados no país. Em termos de marketing, no entanto, a GoDaddy até que desembarcou comportada no Brasil. A primeira peça publicitária exibida em canais pagos mostrava um inofensivo cachorro pug falante. Havia também uma escultural morena, mas, estranhamente para uma peça de marketing feita pela GoDaddy, o destaque era para o cão. Pouco depois, o foco foi a América Latina, com a abertura de operações no México, Argentina, Colômbia, Venezuela, Chile e Peru. Além disso, estreou em 21 novos mercados da Europa. Nos anos seguintes, a GoDaddy adquiriu várias outras empresas, incorporando assim novos serviços ao seu portfólio de produtos. A polêmica comunicação E coloca polêmica nisso. Conhecida por seus comerciais polêmicos, de “gosto duvidoso” e por vezes sexista, a marca lançou uma série de campanhas controversas, geralmente envolvendo mulheres com generosos decotes. O próprio fundador da empresa definia a comunicação da marca como “divertida, nervosa e um pouco inapropriada”. Os primeiros anúncios de televisão da marca foram estrelados pela então popular lutadora da WWE (World Wrestling Entertainment), Candice Michelle, geralmente aparecendo de uma maneira sexualmente sugestiva. Ela ficou conhecida pelos fãs como “The GoDaddy Girl” e realizava a “GoDaddy Dance” (girando os braços ao redor de seu corpo enquanto gira lentamente). Em 2005 a marca começou a anunciar nos intervalos do Super Bowl, evento esportivo mais importante dos Estados Unidos e que possui os 30 segundos mais caros da televisão mundial. Desde então, a marca se tornou presença constante nos intervalos do Super Bowl, o que contribuiu para fortalecer a imagem e conhecimento da marca, não somente nos Estados Unidos, como em muitos países no mundo. Mas essa presença no Super Bowl também é conturbada, com comerciais sendo censurado e outros causando enorme polêmica, como um ardente beijo entre uma bela modelo e um típico nerd. Em 2013, o ator Jean-Claude Van Damme estrelou uma série de comerciais da marca em uma tentativa de se afastar de sua imagem polêmica e até sexista. Já em relação aos esportes, em 2007, a GoDaddy começou a patrocinar a piloto da Fórmula Indy Danica Patrick (foto abaixo), que posteriormente começou a desempenhar um papel de destaque nos comerciais da marca e se tornou sua principal garota-propaganda (The GoDaddy Girl), sendo uma verdadeira estrela em um segmento amplamente dominado por homens. Danica andou com as cores da GoDaddy tanto na Fórmula Indy quanto na Nascar (categoria mais popular do automobilismo americano) até 2015. A GoDaddy, principal patrocinadora da carreira de Danica, está de volta. A marca retornou em 2018 para as últimas duas corridas da carreira da piloto. Nos últimos anos a GoDaddy vem tentando mudar a comunicação da sua marca, principalmente para atrair o público feminino. Mas não é uma tarefa fácil para uma marca que adora polêmica. A evolução visual A identidade visual da marca passou por algumas modificações ao longo dos anos. O logotipo original tem uma história curiosa: após muitas tentativas, a designer contratada para fazer o logotipo da marca estava em casa desenhando no computador com sua filha. Por acaso, uma das imagens que fizeram pareceu-lhe boa o suficiente para enviar a Bob Parsons. O fundador da GoDaddy adorou a imagem (um homem com o cabelo laranja, óculos com lentes verdes e uma estrela na cabeça) e decidiu então adotá-la como símbolo no logotipo da marca. A estrela na cabeça era uma clara alusão ao próprio Bob Parsons, que usava um brinco de diamante. Inicialmente escrita “Go Daddy.com”, este logotipo ganhou variações ao longo dos anos, como por exemplo, uma com um fundo oval preto. Em 2013, o logotipo perdeu a expressão “.com” e, pouco depois, o nome da marca passou a ser escrito GoDaddy. No início de abril de 2016, a marca apresentou um novo logotipo: enquanto o ícone permaneceu o mesmo, a fonte foi alterada, se tornando mais sóbria. Os slogans Go You. GoDaddy. (2016) It’s go time! (2013) Name It. Make It. Own It. (2013) Domains, websites & everything in between! The web is your domain. Make a .com name with us. Dados corporativos ● Origem: Estados Unidos ● Fundação: 1997 ● Fundador: Bob Parsons ● Sede mundial: Scottsdale, Arizona, Estados Unidos ● Proprietário da marca: GoDaddy Inc. ● Capital aberto: Sim (2015) ● Chairman: Charles Robel ● CEO: Scott Wagner ● Faturamento: US$ 2.23 bilhões (2017) ● Lucro: US$ 139.8 milhões (2017) ● Valor de mercado: US$ 11.1 bilhões (maio/2017) ● Presença global: 56 países ● Presença no Brasil: Sim ● Funcionários: 7.000 ● Segmento: Internet ● Principais produtos: Registros de domínio, hospedagens de site e email marketing ● Concorrentes diretos: Namechaeap, Enom, DreamHost, Bluehost, DomainRacer, Hostgator, UOL Host e Locaweb ● Ícones: As ousadas campanhas publicitárias ● Slogan: Go You. GoDaddy. ● Website: br.godaddy.com A marca no mundo Atualmente a GoDaddy tem mais de 17 milhões de clientes globalmente (em sua maioria pequenas e médias empresas) e mais de 75 milhões de nomes de domínios gerenciados. Apesar de ser uma empresa norte-americana, a GoDaddy está presente em mais de 56 países, com suporte em 22 idiomas e 44 moedas. Com mais de 7 mil funcionários e faturamento superior a US$ 2.2 bilhões em 2017, a GoDaddy é a maior empresa de registros de domínio do planeta. Além disso, a empresa possui mais de 55.000 servidores, distribuídos em data centers nos Estados Unidos, Europa e Ásia. Segundo informações da empresa, ao contratar uma hospedagem com a GoDaddy, a escolha do servidor é feita de acordo com a localização do cliente. 
Você sabia? ● Os principais escritórios da empresa estão localizados nos corredores de tecnologia mais modernos do mundo, como por exemplo, Vale do Silício, Cambridge, Seattle, Boston, Hyderabad, Belfast e Phoenix. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Newsweek, BusinessWeek, Forbes, Fortune, Isto é Dinheiro e Exame), jornais (Valor Econômico, Estadão e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).
Última atualização em 9/5/2018 HAMPTON by HILTON™ Design contemporâneo com inspiração local e quartos funcionais combinados com áreas públicas diferenciam a Hampton by Hilton™ de outras marcas de hotéis. Cada hotel da rede oferece aos viajantes a lazer ou a trabalho acomodações de alta qualidade, um café da manhã fantástico e a experiência excepcional que eles esperam ter. Tudo isso apoiado pela política 100% Satisfaction Guarantee™, que reforça o compromisso em oferecer sempre um excelente serviço. A história Tudo começou em 1983 quando a Holiday Corporation, empresa proprietária dos hotéis Holiday Inn, tradicional rede fundada em 1952, resolveu criar uma divisão para o desenvolvimento de uma nova bandeira de hotel econômico, comandada por Ray Schultz. Finalmente no verão de 1984 a empresa inaugurou a primeira unidade do Hampton Inn na cidade de Memphis, no estado americano do Tennessee. O hotel de dois andares oferecia 128 quartos e um serviço cortês. No final desta década, em 1989, a marca de forma pioneira na indústria da hotelaria introduziu o 100% Hampton Guarantee®, um programa onde se o hóspede não estivesse satisfeito com os serviços, ele não pagava a diária. Nesse mesmo ano a marca passou a fazer parte da Promus Hotel Corporation, que começou a mudar o posicionamento da marca: de uma rede econômica para uma rede de hotéis de preço médio (o chamado mid-price hotel), com diversos serviços e amenidades. A rede foi a primeira no segmento de hotéis de preço médio a oferecer café da manhã continental grátis e chamadas telefônicas locais gratuitas. Em 1990, a rede já possuía mais de 220 hotéis, disponibilizando mais de 27 mil quartos. Três anos mais tarde, a rede inaugurou sua primeira unidade internacional, localizada em Niagara Falls no Canadá, e pouco depois um hotel em Monterrey, no México. No ano seguinte, a empresa foi uma das primeiras grandes redes de hotéis a disponibilizar informações pela internet, além de inaugurar o primeiro hotel na América Central, em San José, na Costa Rica. Além disso, nessa época 75% de seus quartos era oferecido para não fumantes. Pouco depois, em 1995, a marca lançou no mercado o Hampton Inn & Suites, que oferecia habitações com dois quartos em estilo suíte, com áreas de estar e cozinha, e cuja primeira unidade foi inaugurada em Newport News, no estado da Virginia. No final desta década, em 1999, a marca foi adquirida por US$ 3.7 bilhões pela tradicional Hilton Worldwide. Começava então uma nova fase de desenvolvimento para a marca, incluindo a implantação dos padrões de qualidade dos hotéis Hilton. No ano de 2000, a rede atingiu uma marca histórica: a inauguração de seu milésimo hotel na cidade de Hayward, no estado da Califórnia. Em 2004, como parte da campanha “Make it Hampton”, a rede iniciou um processo de modernização de seus serviços e hotéis no valor de US$ 100 milhões para melhorar a experiência dos hóspedes. Este programa incluía conexão de mp3 player, rádio-despertador mais fácil de configurar do setor, roupa de cama branca, adição de itens de comida quente no café da manhã continental, o On The Run™ Breakfast Bags (café da manhã para viagem que contém água, frutas, muffin, uma caixa de balas de menta e uma barra de cereais) e acesso gratuito à internet de alta velocidade para os quartos. Pouco depois, em 2006, mais uma novidade ao anunciar um novo e super confortável pacote de roupas de cama, batizado de Clean and Fresh Hampton Bed®, que oferecia uma capa de edredom branca e engomada, edredom macio, lençóis brancos de 200 fios e três ou quatro travesseiros (dependendo do tipo de quarto), incluindo um travesseiro lombar ideal para ler e assistir televisão. Em 2008 a rede inaugurou seu hotel de número 1.500. E no ano seguinte, expandiu suas operações para o continente europeu com a inauguração de seu primeiro hotel no Reino Unido. As inovações continuaram nos anos seguintes, como por exemplo, em 2010 quando foi introduzido waffles fresquinhos como parte do tradicional café da manhã da rede. Em 2015 a rede passou a adotar oficialmente o nome de Hampton by Hilton™ no mundo inteiro. Ainda este ano a rede inaugurou sua primeira unidade no enorme mercado chinês e também ingressou na Rússia. Pouco depois, em 2016, com a inauguração de um hotel no Havaí, a rede Hampton by Hilton™ passou a ter presença em todos os 50 estados americanos. Depois de inaugurar seu maior hotel no mundo (localizado na cidade de Berlim com 344 quartos) e unidades na República Dominicana, Colômbia, no México e no Uruguai, em 2018, a Hampton by Hilton™ anunciou sua chegada ao Brasil para o desenvolvimento de cinco hotéis da franquia. O primeiro hotel deverá ser inaugurado em 2019, no aeroporto internacional de Guarulhos em São Paulo. O hotel terá 160 quartos localizados a menos de quatro quilômetros do aeroporto e contará com um restaurante servindo três refeições por dia, cardápio local e internacional, bar e lounge, academia, espaço para eventos para até 300 pessoas e traslado entre aeroporto e hotel. Com mais de 2.300 localizações no mundo todo, os hotéis Hampton by Hilton™ oferecem aos milhões de hóspedes acomodações e comodidades de alta qualidade. Os hóspedes desfrutam de acesso WiFi gratuito e café da manhã grátis com opções quentes e waffles fresquinhos, além de cereais, frutas e iogurtes em abundância. Conte sempre com um serviço amigável e cortês, e muito mais. No Hampton by Hilton™, a felicidade está em fazer o hóspede feliz. Assim, se a rede puder aprimorar a sua estada, fale com qualquer membro da equipe, que fará tudo o que for preciso para deixá-lo 100% feliz. É a cultura corporativa conhecida como Hamptonality, termo que a marca utiliza para definir o serviço proativo, atencioso, apaixonado, autêntico e amigável que os membros da equipe oferecem aos hóspedes diariamente para criar momentos inesquecíveis e que pode ser percebido no sorriso ou ouvido no tom de um “bom dia!” de cada um de seus funcionários. O serviço impecável, acomodações de alta qualidade, comodidades no quarto e tecnologia de ponta, combinados com inúmeros locais e tarifas competitivas, solidificaram a Hampton by Hilton™ como líder em seu segmento e uma das marcas de hotéis que mais crescem no mundo. A evolução visual A marca passou por pequenas remodelações ao longo dos anos, mas sempre manteve a arquitetura tradicional de seu logotipo. Em 2007, todos os hotéis no Canadá e na América Latina passaram a carregar a assinatura Hampton Inn by Hilton™, assim como em 2009 com suas unidades na Europa. Somente em 2015, todos os hotéis da rede no mundo adotaram oficialmente o nome de Hampton by Hilton™. Os slogans We Go Together. (2015) Feel the Hamptonality. (2012) We love having you here. Make it Hampton. (2004) Dados corporativos ● Origem: Estados Unidos ● Fundação: 1984 ● Fundador: Holiday Corporation ● Sede mundial: Memphis, Tennessee, Estados Unidos ● Proprietário da marca: Hilton Worldwide Holdings Inc. ● Capital aberto: Não ● CEO: Christopher J. Nassetta ● Faturamento: Não divulgado ● Lucro: Não divulgado ● Hotéis: 2.346 ● Presença global: 21 países ● Presença no Brasil: Sim (futuramente) ● Segmento: Hotelaria ● Principais produtos: Hotéis de preço médio ● Concorrentes diretos: Fairfield Inn by Marriott, Holiday Inn Express, Comfort Inn/Suites, Bset Western e Howard Johnson ● Ícones: 100% Hampton Guarantee® ● Slogan: Feel the Hamptonality. ● Website: www.hampton.com A marca no mundo Atualmente a rede Hampton by Hilton™ possui mais de 2.345 hotéis, disponibilizando mais de 238 mil quartos em 21 países ao redor do mundo. A marca faz parte da Hilton Worldwide, proprietária de redes como Waldorf Astoria, DoubleTree, Embassy Suites e logicamente Hilton Hotels & Resorts, e que conta com mais de 5.300 hotéis em 106 países. Você sabia? ● A rede ainda oferece café e chá gratuitos no saguão, 24 horas por dia; luz noturna no banheiro; canal de filmes grátis; e cafeteira, ferro e tábua de passar roupas em todos os quartos, além de habitações adaptadas para deficientes físicos. ● Hampton by Hilton™, como parte da Hilton Worldwide, participa do Hilton Honors®, o premiado programa de fidelidade da empresa. As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). Última atualização em 12/6/2018 TONY ROMA'S Com mais de quatro décadas de uma saborosa história, TONY ROMA’S é um dos nomes mais reconhecidos no setor de restaurantes casuais. De Miami a Los Angeles, de Orlando a São Paulo e de Tóquio a Madri, a rede americana faz sucesso com suas suculentas costelas com molhos exclusivos, reconhecível por seu corte específico, textura, maciez e sabor. A históriaTony Roma nasceu em 1923. Caçula de seis irmãos foi criado pela mãe italiana e era uma pessoa muito carismática, excêntrica e empolgante. Antes de abrir seu primeiro restaurante, foi Diretor de Comidas e Bebidas no tradicional Playboy Club em Nova York, onde trabalhou junto ao lendário Hugh Heffner. Por atuar em clubes noturnos na década de 1960, Roma teve contato com muitas celebridades e fez amizade com estrelas como Tony Bennett, Ed McMahon e os componentes do infame “Rat Pack”, o que facilitaria na divulgação de seu futuro restaurante. Depois de se aposentar do Playboy Club, Roma viajou para a ensolarada Miami, no estado da Flórida, onde no dia 20 de janeiro de 1972 inaugurou um pequeno restaurante especializado em carnes (steaks) e hambúrgueres. Inicialmente batizado de TONY ROMA’S PLACE, estava localizado em North Miami e apresentava um ambiente informal e aconchegante. Um dia Tony e seu chef de cozinha, David Smith (imagem abaixo), decidiram colocar umas costelas suínas (Baby Back Ribs) na grelha e servi-las com um molho que eles criaram. As costelas deveriam ser um item temporário, mas fizeram tanto sucesso que se tornaram permanente no cardápio do restaurante. Era o surgimento da mundialmente famosa Ribs do Tony Roma’s (conhecida como “The Original Baby Back Ribs”). O sucesso era tremendo que as pessoas viajavam quilômetros para experimentar a famosa criação no restaurante de Tony. Com isso, rapidamente se tornou um dos restaurantes de maior sucesso e um dos mais populares da cidade de Miami, estabelecendo definitivamente seu nicho no mercado, especializado em costelas. Em janeiro de 1976, Clint Murchison Jr., então proprietário da equipe de futebol americano profissional do Dallas Cowboys, comprou a maioria dos direitos de franquia nos Estados Unidos e fundou a empresa Roma Corporation. Com isso, um segundo restaurante foi inaugurado em Broward County, também na Flórida, ainda em 1976 e, em dezembro, uma nova unidade foi inaugurada na badalada e endinheirada Beverly Hills, na Califórnia, cuja abertura contou com a presença de celebridades de Hollywood e astros do esp