Ardov, Victor



“O papão”. In: Os mais belos contos burlescos, irônicos e sarcásticos, dos mais
famosos autores. Trad. Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro: Vecchi, 1947.


Artzybachev, Mikhail P. (Mikail, Artzibachev)



“O revolucionário”. In: Os russos: antigos e modernos. Trad. Esther Mesquita. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



“O velho procurador narrou”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia
Trad. Gilberto Galvão. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



“Um assassinato”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 1ª. Série.
Trad. Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),








Dostoiévski, Fiódor M. (Fédor, Fiodor, Theodore, Teodoro, Dostoevsky, Dostoiewsky, Dostoyevski)




“A árvore de Cristo”. In: Livro de Natal – As mais lindas histórias de Natal dos maiores escritores do mundo. Tradução anônima. Seleção de Araújo Nabuco. São Paulo: Martins, 1947.
Ilustração de Zamboni.


“A mulher do outro – aventura extraordinária”. In: Três novelas russas
Tradução de Lúcio Cardoso. Rio de Janeiro: A Noite, 1947.


A órfã. Tradução de Adolfo Bezerra de Menezes Neto. Rio de Janeiro: Edições do Povo, 1947.



“Bobok (Recordações de alguém)”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia
Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



Crime e castigo, seguido do Diário de Raskolnikov. Tradução de Rosário Fusco. 
Coleção Fogos Cruzados. Rio de Janeiro: José Olympio, 1949.



Diário de um escritor. Tradução de Frederico dos Reys Coutinho. Rio de Janeiro: Vecchi, 1943.



“Ela era doce e humilde”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Valdemar Cavalcanti. Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Ensaio sobre o burguez. Tradução de Elias Davidovich.
Rio de Janeiro: Collecção Minha Livraria, 1932.



Humilhados e ofendidos. Tradução de Rachel de Queiroz. Rio de Janeiro: José Olympio, 1944.


Netotchka. Tradução de Costa Neves. Rio de Janeiro: Brasil, 1937. 
Reed. como Nietotchka Niezvanova. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947.



O embusteiro. Tradução de Carlos M. A. Bittencourt. São Paulo: Assunção, 1945.



O espírito subterrâneo. Tradução de Rosário Fusco. Rio de Janeiro: Panamericana [EPASA], c.1944.




O eterno marido. Tradução de Violeta Alcântara Carreira. São Paulo: Cultura Brasileira, 1935. 
Reed. São Paulo: Martins, 1944.



O eterno marido. Tradução de Costa Neves. Coleção Obras Completas de Dostoievski. 
Rio de Janeiro: José Olympio, 1944. 



O idiota. Tradução de José Geraldo Vieira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1949.



O jogador. Tradução de Otto Schneider. Rio de Janeiro: Panamericana, 1943.



O príncipe idiota. Tradução de Dermeval Café e Oswaldo Castro. 
Rio de Janeiro: Waissman, Reis & Cia., 1931.


“O sonho de um homem ridículo”. In: Contos russos. Tradução anônima.
Edições Colête, vol. 7.  São Paulo: A Bolsa do Livro, 1944.



“O sonho de um homem ridículo (Conto fantástico)”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série. Tradução de Frederico dos Reys Coutinho. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.


O sonho do tio. Tradução anônima. Edições Colête. São Paulo: A Bolsa do Livro, 1945.



O sósia. Tradução de Corália Rego Lins. Rio de Janeiro: Vecchi, 1943.



O tyrano. Tradução de Elias Davidovich. Rio de Janeiro: Calvino, 1933.



Os irmãos Karamazoff. Tradução de Raul Rizinsky (pseud. de Leôncio Basbaum). 
Collecção de Obras Celebres. Rio de Janeiro: Americana, 1931.



Os irmãos Karamazov. Tradução de Paulo Mendes de Almeida.
Coleção Excelsior. São Paulo: Martins, 1944.



Os irmãos Karamazov. Tradução de Boris Solomonov (pseud. de Boris Schnaiderman). 
Coleção As Obras Eternas. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.



Os pobres diabos. Tradução de Elias Davidovich. Rio de Janeiro: Flores e Mano, 1932.



Os possessos. Tradução de Augusto Rodrigues. Rio de Janeiro: Panamericana [EPASA], 1943.


Recordação da casa dos mortos. Tradução de Fernão Neves (pseud. de Fernando Nery). 
Rio de Janeiro: Castilho, 1917.



Recordações da casa dos mortos. Tradução de Antônio de Oliveira Garcia. 
Coleção Excelsior. São Paulo: Martins, 1942.



Recordações da casa dos mortos. Tradução de Rachel de Queiroz. 
Rio de Janeiro: José Olympio, 1945.



Recordações da casa dos mortos. Tradução de José Geraldo Vieira. 
Coleção Saraiva, vol. 7. São Paulo: Saraiva, 1948.


Stepantchikovo. Tradução de D. Martins de Oliveira. Rio de Janeiro: Século XX, 1942.



Um jogador (das notas de um rapaz) – Igrok. Tradução anônima. [Georges Selzoff e Allyrio Meira Wanderley]. Bibliotheca de Auctores Russos. São Paulo: Cultura, 1931.



Um jogador (notas de um jovem). Tradução de Costa Neves. Rio de Janeiro: José Olympio, 1944.


“Um ladrão honrado”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.


Existem vários outros registros de obras de Dosotiévski, inclusive em meu levantamento publicado aqui. Hoje, porém, eu não os incluiria mais numa dostoievskiana brasileira, por se tratarem comprovadamente ou, em alguns casos, muito provavelmente de traduções lusitanas. São eles:


  • Alma de creança. Tradução de Henrique Marques Junior. Collecção Chic. Rio de Janeiro: Azevedo & Costa, 1915 – Trata-se de uma trdução lusitana publicada em Lisboa em 1914, pela Guimarães. 
  • Alma de creança. Tradução anônima. Rio de Janeiro: Universal, 1932.
  • Alma de creança. Tradução anônima. Collecções Econômicas SIP, vol. 42. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936.
  • Alma de criança. Tradução de Henrique Marques Junior. Vide acima. São Paulo: Brasileira, 1936. 


  • Crime e castigo numa suposta tradução de Fernão Neves que teria saído pela Livraria Castilho por volta de 1920. Não existe. Trata-se de uma confusão ou lapso de memória de Brito Broca, em seu prefácio à tradução de Rosário Fusco (1949).
  • Crime e castigo. "Traducção integral do original russo de Ivan Petrovitch". Collecção de Obras Celebres.  Rio de Janeiro: Americana, 1930. Mentira. Trata-se de cópia da tradução portuguesa de Câmara Lima, 1901. Mas fique registrada a célebre capa de Di Cavalcanti para essa edição:

  • Crime e castigo. Tradução anônima, revista por Elias Davidovich. Rio de Janeiro: Guanabara, 1936. Trata-se da tradução portuguesa de Câmara Lima, 1901.
  • Crime e castigo. Tradução de J. Jobinsky, revista por Aurélio Pinheiro. Rio de Janeiro: Pongetti, 1936. Mentira. Trata-se de cópia da tradução portuguesa de Câmara Lima, 1901.
  • Crime e castigo.Tradução de J. Jobinsky revista por Marques Rebelo. Rio de Janeiro: Pongetti, 1941. Mentira. Trata-se de cópia da tradução portuguesa de Câmara Lima, 1901. 
  • Crime e castigo. Tradução anônima, revista por Marques Rebelo. Rio de Janeiro: Pongetti, 1943. Trata-se da tradução portuguesa de Câmara Lima, 1901.
  • Crime e castigo. Tradução anônima. Série O Livro de Bolso. São Paulo: O Livro de Bolso, 1941. Trata-se da tradução portuguesa de Câmara Lima, 1901.
  • Crime e castigo. Tradução anônima. [“Tradução da Editora”]. São Paulo: Cruzeiro do Sul, 1943. Trata-se da tradução portuguesa de Câmara Lima, 1901.


  • Humilhados e offendidos. Tradução revista por Bandeira Duarte. Rio de Janeiro: Marisa, 1931. Muito provavelmente trata-se de tradução portuguesa, como outras traduções revistas por Bandeira Duarte.
  • Humilhados e ofendidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1935. Segue a de Bandeira Duarte;


  • Noites brancas, Está morta, O grande inquisidor. Tradução anônima. São Paulo: Clube do Livro, 1948. Todas as traduções anônimas do Clube do Livro eram portuguesas ou apropriações de outras traduções nacionais.
  • O eterno marido. Tradução anônima. São Paulo: Clube do Livro, 1946. Vide acima.
  • O jogador. Tradução anônima. São Paulo: Clube do Livro, 1945. Vide acima.


  • Recordações da casa dos mortos. Tradução anônima. Bibliotheca de Romances Celebres. São Paulo: Moderna Paulistana, s/d (c. 1932-33).
  • Recordações da casa dos mortos. Tradução anônima. Coleção SIP. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936.
  • Recordações da casa dos mortos. Tradução revista por Joaquim Moura de Menezes. São Paulo: Cia. Brasil, c.1945.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),








Sem autoria (contos tradicionais e folclóricos)



Os mais belos contos de fadas russos. Contém catorze contos: “Kotschei, o imortal”,
“Sadko, o mercador”, “O czar Saltan”, “O galo de ouro”, “Ruslan e Ludmila”, “Cirilo, o curtidor”, “A fada que sabia tudo”,
 “A princesa adormecida e os sete gigantes”, “A princesa serpente”,
“Como foram destruídos os Bogatirs na Santa Rússia” [todos estes em tradução de Galvão de Queiroz];
“O anel encantado”, “O gênio da estepe”, “Os dois filhos de Ivã, o soldado” e
“O camponês prevenido” [estes em tradução de Manuel R. da Silva].
1a. série. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Os mais belos contos de fadas russos. Contém dezoito contos: “O rei e a mação encantada” (DC),
“Um sonho difícil de explicar” (AF), “O ogro de Kiev” (PF), “O príncipe amigo dos animais” (DC),
“O forte gigante e o anão astuto” (DC), “O valente Tomás” (AF), “Joãozinho, o tolo” (AF),
“A princesa convertida em pato” (AF), “A pluma de Fenist, o falcão radiante” (AF),
“O protegido da rapôsa” (AF), “O alforje encantado” (AF), “O servo invisível” (n/c),
“A pedra, a espada e o cacête mágico” (DC), “Marcov, o rico, e Basílio, o infortunado” (AF),
“O camponês e a serpente” (DC), “A senhorita esperta” (AF) e “Verlioka, o gigante ruim” (AF).
As traduções são de Dulce Cordeiro, Alfredo Ferreira e Persiano da Fonseca,
assinalados por suas iniciais entre parênteses ao lado dos contos respectivos.
2ª. série. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945. 

Devo o conteúdo dessa 2a. série à gentileza de Saulo von Randow Jr.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),









Leskov, Nikolai S. (Nicolau, Lescov, Lieskov)



“Lady Macbeth de Mtsenk”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia. 
Tradução de J. da Cunha Borges. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



“Um tolo”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Joel Silveira. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Libedínski, Iúri (Lebedinsky, E.)



A semana: novella. Contém: “A semana”, seguida de três contos de Leonid Andréiev: “A flor espezinhada”,  “O advogado Kolosof” e “A conversão do Diabo”.
Tradução de Cássio M. Fonseca. São Paulo: Pax, 1931.
[Agradeço a "Leonid Andreyev" - imagino que seja Milton Santos, o grande conhecedor
de Andreiev no Brasil - pela informação nos comentários]



Merejkóvski, Dmitri (Dimitri, Dmitry, [de] Merejkowski, Merejkowsky)


A morte dos deuses – Romance de Juliano o Apóstata. Tradução de J. Ferreira-Souza Ferreira. 
Rio de Janeiro: Garnier, 1902.  Valeria a pena comparar essa “traducção brazileira”, como vem estampado na página de rosto, à do lusitano Anibal de Vasconcelos (Porto: Moreira, 1901).



Jesus desconhecido. Tradução de Gustavo Barroso. São Paulo: Nacional, 1935.



Juliano, o apóstata (A morte dos deuses). Tradução de Paulo Moreira da Silva. 
Coleção Grandes Biografias. Porto Alegre: Globo, 1945. 



Napoleão – o homem e sua vida. Tradução de Agrippino Grieco. São Paulo: Nacional, 1934. 



O romance de Leonardo da Vinci (A ressurreição dos deuses). Tradução de Brenno Silveira. 
Porto Alegre: Globo, 1946. 



Tutankhamon em Creta (O nascimento dos deuses). Tradução de “E.D.A.”. 
Rio de Janeiro: Calvino, 1934.



“Um quadro de história”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944 (2ª. ed.).


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),









Tasin, Nikolai


“Nas garras da morte”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.



Tchekhov, Anton (Tchecoff, Tchecov, Tschecov, Chejov)


“A linguaruda”. In: Antologia dos grandes contos humorísticos. Tradução anônima. 
Introdução de Monteiro Lobato. São Paulo: Brasiliense, 1944.


Amor impossível. Contém: “Amor impossível”, “O bilhete premiado”, “No restaurante postal”, “Um animal de raça”, “O enxoval”. Tradução de Marina Salles Goulart de Andrade e Gilberto Galvão. Coleção Os Grandes Nomes. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Contos. Contém: “La cigale”, “Sonhos”, “O buraco”, “O beijo”, “Varka” e “A estepe”. 
Tradução de Costa Neves. Coleção Clássicos Jackson, vol. XXXVII. 
Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1950.



“Do amor”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série. 
Tradução de Edison Carneiro. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



“No mar da Criméia”. In: As obras-primas do conto universal. 
Tradução de Almiro R. Barbosa e Edgard Cavalheiro. Porto Alegre: Martins, 1943.



“O coração de Olenka”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Rachel de Queiroz. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



“O homem do estojo”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia
Tradução de Edison Carneiro. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.


“O inimigo”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Oswaldo Alves. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



O pavilhão nº. 6. Contém: “O pavilhão nº. 6”, “A desgraça”, “A felicidade”, “A obra de arte” e 
“Os simuladores”. Tradução anônima. [Georges Selzoff, Fúlvio Abramo e Victor Ragghianti]. 
Bibliotheca dos Auctores Russos. São Paulo: Cultura, 1931. 


“O violino de Rothschild”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Luís Martins. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Olhos mortos de sono. Contém: “Olhos mortos de sono”, “Os nervos”, “A condecoração”, 
“Medidas preventivas”, “A vingança”, “O orador”, “As sensações fortes”, “Um bom final”, 
“A obra de arte”, “Uma noite de terror”, “História de uma enguia”, “O medo”, “Entre meninos”, 
“A jóia roubada”, “Dois valentes”, “O vingador”, “Ivan Matveievitch”, “O álbum”, 
“Língua comprida”, “Grischa”, “Celebridades”, “Na hospedaria”, “Os veranistas”. 
Tradução de Carlos M. A. Bittencourt. Coleção Seleta, vol. 2. São Paulo: Assunção, 1945. 



Os inimigos. Contém: “Os inimigos”, “Delírio (Gussieff)”, “Algazarra em família”, “No carro 
(o caminho da mestra-escola)”, “Verotchka”, “Estudante (conto do jardineiro chefe)”, “Zinotchka” 
e “Uma noite atroz”. Tradução anônima. [Georges Selzoff, Fúlvio Abramo e Victor Ragghianti]. Bibliotheca dos Auctores Russos. São Paulo: Cultura, 1930.



“Os ladrões”. In: 3 novelas russas. Tradução de José de Barros Pinto. São Paulo: Flama, 1944.


“Vanka”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Manuel Bandeira. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Um caso de clínica médica. Tradução de Yolanda Vettori. 
Coleção As 100 Obras-primas da Literatura Universal. Rio de Janeiro: Pongetti, 1945.


“Uma boa mulher”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores
Tradução de Marina Salles Goulart de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.



“Uma frase milagrosa”. In: Os mais belos contos burlescos, irônicos e sarcásticos, dos mais famosos autores. Tradução de Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro: Vecchi, 1947.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),









Averchenko, Arkadi (Arkadio, Arcádio, Avertchenko)



“A maldição da glória”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série. Tradução de Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



“A odisséia de uma vaca”. In: Contos soviéticos. Tradução de Luiz Alípio de Barros. 
Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1944.


“Oedipo Rei”. In Antologia dos grandes contos humorísticos. Tradução anônima. 
Org. Araújo Nabuco e Edgard Cavalheiro. São Paulo: Brasiliense, 1944.



“Um drama sensacional”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia. 
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.


“Uma vaca!”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Frederico dos Reys Coutinho. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),








Górki, Maksim (Máximo, Maxime, Maxim, Gorki, Gorky)




A batalha da vida. Tradução de J. da Cunha Borges. Rio de Janeiro: Vecchi, 1942.


A infância de Klim Sanguine. Tradução de Lúcio do Nascimento Rangel. 
Rio de Janeiro: Athena, 1937.


A mãe. Rio de Janeiro: Marisa, 1931.



A mãe. Tradução revista por Renato Travassos. Collecção de Obras Celebres. 
Rio de Janeiro: Americana, 1931.


A mãe. Rio de Janeiro: Calvino, 1932.



A mãe. Collecções Econômicas SIP. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1935.


A mãe. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



A mãe. Tradução de Araújo Neves. Rio de Janeiro: Pongetti, 1944.



A minha infancia. Tradução revista por R. Galba. Rio de Janeiro: Minha Livraria Ed., c.1934.


“Adversários”. In: O espírito do conto francês, alemão, ianque, inglês, russo
Tradução de Sonia Moniz. Coleção Cultura Moderna. Rio de Janeiro: Curiosidade, 1942.



“Angústia”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia
Tradução de Frederico dos Reys Coutinho. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.


Aos intelectuais. Carta aberta (em resposta a alguns escritores americanos)
Rio de Janeiro: Alba, c.1935.


Contos da Estépe. Contém: “Impressões de um homem pacífico”, “Os três”, “O avô Arkhip e Lenka”, “O canto do falcão”, “Yemelian Pilaie”, “O Khan e seu filho”, “Sasubrina”, “Makar Tchudra”, “Vinte seis e uma” e “A velha Iserguila”. Tradução revista por Antônio de Oliveira. 
Rio de Janeiro: Nosso Livro, 1944. 


Em guarda! Aspectos da Rússia soviética. Tradução de Aurélio Pinheiro. 
Rio de Janeiro: Andersen, 1934. 


Flor da miséria e outras histórias. Rio de Janeiro: Edições do Povo, 1947.  



Ganhando meu pão: memórias autobiográficas. Tradução de Abelardo Romero. 
Rio de Janeiro: Vecchi, 1942.



“Kirilka”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Murilo Miranda. Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Konovaloff. Contém: “Konovaloff”, “A feira”, “Kirilka” e “Uma vez, no outomno”. 
Tradução anônima. [Georges Selzoff, Fúlvio Abramo e Victor Ragghianti]. 
Bibliotheca de Auctores Russos. São Paulo: Cultura, 1930. 



Lenine. Rio de Janeiro: Collecção Minha Livraria, 1932. 


“Meu companheiro raro”. In: Contos russos. Não localizei créditos de tradução. 
São Paulo: Pax, c. 1930.


Na prisão. Tradução de Djalma Maciel. Rio de Janeiro: Edições do Povo, 1946.



O espião. Tradução revista por Bandeira Duarte. Rio de Janeiro: Marisa, 1931.



O espião. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1934.


O espião. Tradução de Milton Tavares. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



“O herói”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série. 
Tradução de Líbero Rangel de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



“O ruivo”. In: 3 Novelas russas. Tradução de José de Barros Pinto. São Paulo: Flama, 1944.


Os Artamonov. Tradução de Boris Solomonov (pseud. de Boris Schnaiderman) e Galvão de Queiroz. Coleção “Os Grandes Nomes”. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Os degenerados: os Orlof, os ex-homens, os amigos. São Paulo: Editorial Paulista, 1934.


Os degenerados. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936.



Os degenerados. Tradução revista por Marques Rebelo. Rio de Janeiro: Pongetti, 1943.
[A partir de 1951, a Pongetti relança o mesmo texto, agora como "tradução revista por Mario Jobinski"]




Os vagabundos. Collecções Econômicas SIP. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936.


Os vagabundos. Tradução de Araújo Alves. Rio de Janeiro: Pongetti, 1944.


Psychologia do povo russo. Tradução de Elias Davidovich. Rio de Janeiro: Minha Livraria Ed., 1936. 


“Sonho de uma noite de Natal”. In: Livro de Natal – As mais lindas histórias de Natal dos maiores escritores do mundo. Tradução de Luiz Macedo. São Paulo: Martins, 1947. 



Tormenta sobre a cidade. Tradução de J. da Cunha Borges. Rio de Janeiro: Vecchi, 1943.


Três russos: Tolstoi, Tchekov, Andreev. Tradução de Lúcio do Nascimento Rangel. 
Coleção Pensamento e Vida. Rio de Janeiro: Pongetti, 1945.


“Um incidente”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Marina Salles Goulart de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.


“Um livro inquietante”. In: Contos russos. Não localizei créditos de tradução. 
São Paulo: Pax, c. 1930.



Uma confissão. Collecção de Obras Celebres. Rio de Janeiro: Waissman, Reis & Cia., 1931.


Uma confissão. Rio de Janeiro: Calvino, 1932.


“Uma noite de outono”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Emil Farhat. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Varenka Olessova. Tradução anônima. Introdução de Afonso Schmidt.
São Paulo: Clube do Livro, 1949.


“Vinte e seis e uma”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Edison Carneiro. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.


Wania. Tradução anônima. São Paulo: Unitas, 1934.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),








já comentei duas fraudes em traduções de [a] utopia de thomas more [ou morus] no brasil.

uma delas saiu pela editora rideel, em nome de heloísa da graça buratti, sendo cópia ligeiramente adulterada da tradução de luís de andrade. veja e . vale notar que, na sequência, a editora retirou a obra de circulação e de seu catálogo.

a outra saiu pela editora martin claret em nome de pietro nassetti, sendo cópia da tradução portuguesa de maria isabel gonçalves tomás. veja-se o artigo de ana cláudia romano ribeiro, as traduções brasileiras de a utopia, de tomás morus

quanto às traduções legítimas, temos a primeira em 1937, pela athena editora, com tradução de luís de andrade a partir do texto em francês, vertido do neolatim por victor stouvenel, 1842). teve inúmeras reedições ao longo das décadas, em várias editoras. já comentei em outro lugar que não me surpreenderia se "luís de andrade" fosse pseudônimo.



apenas em 1980 teremos nova tradução, agora feita por anah de melo franco [ana guilhermina pereira de melo franco], com apresentação de seu marido afonso arinos de melo franco, lançada pela editora da unb, em sua coleção clássicos ipri. também foi vertida do francês, na tradução de paul grunebaum-ballin a partir do neolatim (1935). a tradução de anah de melo franco foi reeditada pela unb em 2004, acrescida de um prefácio de joão almino. encontra-se disponível para download .

em 1993, a martins fontes publica a tradução de jefferson luiz camargo e marcelo brandão cipolla, na edição cambridge de logan e adams. foi revista e ampliada em sua terceira edição, em 2009.

em 1997, sai pela l&pm a tradução de paulo neves. ainda não localizei a edição utilizada, mas com toda probabilidade a língua de partida foi o francês.

em 2016, a vozes publica a tradução de leandro dorval cardoso, a única, até onde sei, feita a partir do original em neolatim, na edição bilíngue cambridge de logan, adams e miller.

há ainda o caso da editora escala, que em 1995, em sua coleção grandes obras do pensamento universal, v. 9, lança uma tradução atribuída a ciro mioranza - vide o artigo já citado de ana cláudia r. ribeiro, apontando semelhanças com a tradução de luís de andrade.









Turguêniev, Ivan (Ivã, Turgenev, Turgenov, Turguenev, Turguenef, Turguenieff)


“A aventura do tenente Yergunov”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores.
2ª. série. Tradução de Galvão de Queiroz. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Águas da primavera. Tradução de Brito Broca e Georges Selzoff.
Bibliotheca de Auctores Russos. São Paulo: Cultura, 1932.


Ássia. Contém também Decadência. Tradução anônima.
Coleção Volga. São Paulo: Unitas, 1933.


“Ássia”. In: Contos russos. Tradução anônima. Edições Colête, vol. 7.
 São Paulo: A Bolsa do Livro, 1944.



“Biriuk”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.



Fumaça. Tradução de Jorge Moreira Nunes. Coleção As 100 Obras-Primas da Literatura Universal.
Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1945.



Ninho de fidalgos. Tradução de Elsie Lessa e Georges Selzoff.
Bibliotheca de Auctores Russos. São Paulo: Cultura, 1932.



“O encontro”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Lauro Escorel.
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



“O médico do distrito”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia. 
Tradução de Frederico dos Reys Coutinho. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



O primeiro amor, O mêdo, Birouck. Tradução de Brito Broca.
Rio de Janeiro: José Olympio, 1949.



Paes e filhos. Tradução de Ivan Emilianovitch. São Paulo: Cultura Brasileira, 1935.
Reed. São Paulo: Martins, 1941. Reed. Pais e filhos. São Paulo: Clube do Livro, 1943.


Primeiro Amor e Assia. Tradução de Edy Maria Dutra da Costa. São Paulo: Assunção, 1946.


Roudine. Tradução de Elias Davidovich.
Collecção Benjamin Costallat. Rio de Janeiro: Flores e Mano, 1932.



Rudine. Tradução revista por Marques Rebelo. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1943.
Provável retomada da tradução de E. Davidovich *1932).



Rudine. Tradução anônima. São Paulo: Clube do Livro, 1947.


Sinaida. Tradução anônima. Coleção Azul. Rio de Janeiro: Aurora, c.1946.



Terra virgem. Tradução de Jorge Moreira Nunes. Rio de Janeiro: Panamericana, 1944.


Um búlgaro – romance. Tradução anônima. Rio de Janeiro: Universal, 1933.

A título de curiosidade, vale notar que Um búlgaro, na tradução portuguesa de Lourenço Cayolla, foi uma das primeiras obras russas publicadas em livro no Brasil. Saiu em 1897 em nada menos que três editoras: pela Laemmert carioca e pelas pelotenses Echenique & Irmão (Livraria Universal) e Americana (de Carlos Pinto). Não me parece improvável que essa tradução anônima lançada pela Livraria Universal carioca em 1933 retome a mesma tradução de Cayolla.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),










Um dos melhores livros sobre a história editorial brasileira é o meticuloso estudo de Sônia Maria de Amorim, Em busca de um tempo perdido – Edição de literatura traduzida pela Editora Globo 1930-1950 (1999). Preciosa fonte de dados e informações, constitui um painel inestimável para pesquisadores e interessados na história da tradução no Brasil.

A obra traz ao final uma extensa e belíssima “Listagem dos títulos de literatura traduzida pela Livraria do Globo (1930-1950)", com o autor, o título do livro, o tradutor e a coleção.

Em busca de um tempo perdido é uma referência tão indispensável nessa nossa área de estudos que achei que valeria a pena complementar alguns créditos de tradução que estavam faltando. Seguem abaixo, na mesma ordem alfabética que Sônia Amorim utilizou.

Henri Ardel, Coração descrente, Branca Maria Bernardi [1927]
René Bazin, Terra que morre*
Bufalo Bill [William Frederick Cody], O grande atirador** 
Henri Bordeaux, O medo de viver, Jorge Jobim [1926]
Paulo Bourget, Lourença Albani, Eduardo Guimaraens [1926]
Jean de la Brète, Sonhar e viver, A.P. [1927]
John Buchan, Os 39 degraus, Irene Korsakoff 
B. de Buxi [Blanche de Buxy], Esmola florida*
_______, O lírio refém, Noemy Rosa de Amar
G.K. Chesterton, A superstição do divórcio* 
Agatha Christie, A casa perdida, Pepita de Leão
_____, Um crime no Expresso do Oriente, [Silvia Guaspari] 
J. Fenimore Cooper, O espião, “Gilberto Miranda”
_____, O piloto, Noah Moura
Jeanne de Coulomb, A floresta que canta, Mário de Sá
M. Delly, A casa dos rouxinóis, Léia Ribeiro de Alencar
_____, O fruto maduro*
D.H. [Dashiell Hammett], Estranha maldição, Wilson Velloso
Mignon Eberhart, O crime do hospital, não consta
Zénaïde Fleuriot, Águia e pomba, não consta
R. Austin Freeman, O mistério d’Arblay, não consta
Erle Stanley Gardner, O caso da jovem arisca, Marcelo Andrade
Frederico Gerstacker, Ouro, Henry Laurel [sic]
Zane Grey, Almas bárbaras [Almas de bárbaros], Silvia Guaspari
_____, O caçador de búfalos, J. de Sousa
Leon Groc, O carrasco fantasma, Pinto Ribeiro
Dashiell Hammett [D.H., vide notas abaixo]
Dashiell Hammett, Safra vermelha, Lino Vallandro
Sydney Horler, A casa dos segredos, Fay de Azevedo
_____, A volta de Vivanti, Marques Rebello
Cap. W.E. Johns, Biggles, comodoro do ar, Ernesto Vinhaes
_____, Biggles vai para a guerra, Ernesto Vinhaes
_____, Biggles voa para o Oeste, Ernesto Vinhaes
_____, Biggles voa para o Sul, Lauro G. Freitas
Ch. Lucieto, A virgem vermelha do Kremlin, Marina Guaspari
Heitor Malot, Em família*
Eugenia Marlitt, Gisela, condessa do império, [1928]**
Karl May, A quadrilha do deserto, Leopoldo Tietboehl
_____, Aventuras do rio da Prata, J. Sant’Anna
_____, Percorrendo as cordilheiras, Silva Viana e Walter Soares  
_____, Uma aventura na Tripolitânia, Leopoldo Tietboehl
Quentin Patrick, Um enigma para doidos, Hamílcar de Garcia
A.S. Puchkine, A filha do capitão, Paulo Corrêa Lopes
W. MacLeod Raine, Um cow-boy em Nova York**
M[ary] R. Rinehart, O homem do leito n. 10, Lourival Cunha
Sax Rohmer, Tóxico, Juvenal Jacinto
[Walther Schultz, O luar assassino – autor brasileiro]
Emmanuel Soy, Coração adormecido, Mario Sette
Elizabeth Spencer, A luz na piazza [1960? 1964?]**
Robert Louis Stevenson, A ilha do tesouro, Pepita de Leão
_____, As aventuras de David Balfour, Fernando Pio
[S.S. Van Dine, A série sangrenta, M.G. -> Marina Guaspari]
Gabor von Vaszary, Um pobre amor em Paris, Hipólito Kuntz
Edgar Wallace, A inteligência de Mr. Reeder, “Gilberto Miranda”
_____, A pista da vela dobrada, Cristovam Paledzki
_____, O hotel do terror, Luiza P. Ferreira
_____, Os três homens justos, Leonel Vallandro
Hugo Wast, Deserto de pedra, Almachio Cirne
_____, Flor de pessegueiro, Almachio Cirne
_____­­­­­, Vale Negro*
C[arolyn]. Wells, O esqueleto do festim [Um esqueleto no festim], não consta
Louis Wilton, As panteras, Walter Heckman
_____, O sinal fatídico, não consta
­­­_____, O tapete da morte, Pedro Bruno Deschinger


Comento agora alguns breves detalhes, referentes apenas aos títulos que estavam sem créditos de tradução e que acima procurei complementar. 

1. Embota o recorte da autora seja 1930-1950, há alguns poucos títulos que são anteriores a 1930. Coloquei a respectiva data de publicação entre colchetes.

2. Marquei com um asterisco seis obras das quais não consegui localizar um único exemplar e, portanto, não pude apurar o nome do tradutor. Marquei com dois asteriscos quatro obras cujos créditos de tradução ainda estou apurando.

3. Há cinco casos em que a publicação realmente não traz créditos de tradução, casos estes que assinalei com o aviso “não consta”.

4. Há, porém, o caso de Assassinato no Expresso do Oriente, de Agatha Christie, que tampouco traz créditos de tradução, mas aqui foi possível rastrear a identidade da tradutora: Sílvia Guaspari. Veja-se

5. Localizei duas ocorrências de créditos em nome de “Gilberto Miranda”: O espião, de J. Fenimore Cooper, e A inteligência de Mr. Reeder, de Edgar Wallace. Não se sabe quem foram os efetivos tradutores dessas obras. Há quem creia que "Gilberto Miranda" fosse um pseudônimo de Erico Veríssimo. Sobre esse equívoco, veja-se .

6. As iniciais D.H. aparecem na letra D da listagem, designando o autor de A estranha maldição. Trata-se de Dashiell Hammett, que comparece mais adiante, na letra H, e a obra vem novamente citada, em duplicata.

7. Por fim, O luar assassino consta no levantamento como obra traduzida. Não é o caso; trata-se de uma obra brasileira de autoria do músico gaúcho e escritor bissexto Walther Schultz.









Chchedrin, Nicolai (Nicolau; i.é, Mikhail Saltikhov-Schedrin)



“Dois pequenos mujiques”. In: Os russos: antigos e modernos. 
Trad. Maria Julieta e Carlos Drummond de Andrade. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.


“Um mujique alimenta dois funcionários públicos”. In: Os russos: antigos e modernos.
Trad. Rubem Braga. Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Cholokhov, Mikhail (Mikail, Sholokhov, Skholotchof, Scholochov, Cholokov)



O Don silencioso. Trad. Ligia Junqueira e, na parte poética, Agnaldo Junqueira Filho.
Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1945. Aqui na edição da Dois Amigos, 1965



“O pae”. In: Contos soviéticos. Os novos da Rússia. Trad. Gabriel Marques. Collecção
Literatura Moderna. São Paulo: Cultura Brasileira, c.1934. 
Reed. in: Contos soviéticos. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1944.



“Os grandes pelos pequenos”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos
autores. 1ª. Série. Trad. Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Terra e sangue. Trad. Gustavo Nonnenberg. São Paulo: Flama, 1945.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),








Simonov, Konstantin



“A vantagem de ser valente”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia. 
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



Sologub, Féodor



“O arco”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Luís Jardim. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Sosulia, Jefim



“O direito à vida”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944).



Surguchov, Ilia Dmitrievitch (J.)


“Os pais”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Marina Salles Goulart de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),









Ehrenburg, Ilya (Elias, Ilia, Ehrenbourg)



A epopéia russa. Diário de um jornalista junto ao Exército Vermelho. 
Tradução de Maslowa Gomes Venturi. Coleção A Marcha do Tempo, vol. 7. 
São Paulo: Brasiliense, 1946.



A queda de Paris. Tradução de Monteiro Lobato. Coleção Guerra e Paz, vol. 4. 
São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1944. 


As aventuras de Julio Jurenito. Tradução de Mauro Rosalvo. 
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1932.


Fevereiro sangrento – a Revolução de 1934 na Áustria. Tradução de Carlos Lacerda. 
Rio de Janeiro: Alba, c.1935.


“História de um cachimbo de barro”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
2ª. série. Tradução de Líbero Rangel de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Morte ao invasor alemão! Tradução de Moise Wainer. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



Moscou não crê em lágrimas. Tradução de Armando Gimenez. 
Coleção Clássicos de Hoje e Amanhã, 3. São Paulo: Edições Zumbi, 1958.



“O bar ‘Ao Descanso Vermelho’”. In: Contos soviéticos. Os novos da Rússia
Tradução de Gabriel Marques. Collecção Literatura Moderna. São Paulo: Cultura Brasileira, c.1934. Reed. in: Contos soviéticos. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1944.


O beco de Moscou: romance. Tradução de Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro, Vecchi, 1944.



“O cachimbo de Josué”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.



“O cachimbo do dr. Peterson”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia
Tradução de Líbero Rangel de Andrade. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



O degêlo. Tradução de David Medeiros. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



O segundo dia da criação. Tradução de Alfredo Ferreira. Coleção Eros. São Paulo: Prometeu, 1946.



“Três cachimbos”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Osório Borba. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.


Treze cachimbos. Tradução de David Medeiros. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),








uma bela entrevista do admirável ensaísta e tradutor flávio r. kothe a jorge henrique bastos, "celan e a barbárie", disponível .









Tolstói, Lev (Leon, Leão, Liev, Tolstoy)




A escravidão moderna. Tradução anônima. Collecções Econômicas SIP, Vol. 50.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1937.



“A morte de Ivan Ilitch”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Carlos Lacerda. Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



A morte de Ivan Ilitch. Inclui Amo e servidor. Tradução de Gulnara Lobato de Morais.
São Paulo: Saraiva, 1948.


A palavra de Jesus. Tradução anônima. Rio de Janeiro: H. Antunes, 1931.


A sonata a Kreutzer. Tradução anônima. Rio de Janeiro: J. Ribeiro dos Santos, 1905.*


A sonata a Kreutzer. Tradução anônima. Rio de Janeiro: Empreza Romantica, 1909.*


A sonata a Kreutzer. Tradução de Amando Fontes. Coleção Fogos Cruzados.
Rio de Janeiro: José Olympio, 1941.


A sonata a Kreutzer (romance). Tradução de Vicente Vaz. Rio de Janeiro: Miniatura, 1948.


A sonata de Kreutzer. Tradução anônima. São Paulo: Teixeira, 1913.*

* Essas três edições da Sonata muito provavelmente seguem a tradução de Maria Benedicta Pinho, publicada pela Guimarães Editores de Portugal.



A tortura da carne. Tradução anônima. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, c.1936.


A tortura da carne/ De onde viria o castigo? Tradução anônima. Edições Colête.
São Paulo: A Bolsa do Livro, 1945.


A verdadeira vida. Tradução de Rossini Tavares de Lima. Coleção Os Grandes Pensadores.
Rio de Janeiro: Vecchi, 1947.



“Alexis – o ‘pote’”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Joracy Camargo.
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Amo e creado. Tradução de “A. F.”. Rio de Janeiro: João do Rio, 1926.



Ana Karênina. Tradução de Lúcio Cardoso. Coleção Fogos Cruzados.
Rio de Janeiro: José Olympio, 1943.



Ana Karenina. Tradução revista por Marques Rebelo. Rio de Janeiro: Pongetti, 1943.


Ana Karênina. Tradução de Rui Lemos de Brito. Rio de Janeiro: Cia. Gráfica Lux, 1950.


Anna Karenine. Tradução anônima. São Paulo: Sociedade Impressora Paulista, 1930.
Reed. São Paulo: Nacional, 1930.



“As três palavras divinas”. In: As obras-primas do conto universal.
Tradução de Almiro R. Barbosa e Edgard Cavalheiro. Porto Alegre: Martins, 1943.



“De onde viria o castigo?”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia.
Tradução de José Dauster. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



Diários íntimos (com Sofia Tolstoi). Tradução de Frederico dos Reys Coutinho.
Rio de Janeiro: Vecchi, 1943.


Duas novelas: O príncipe Kassatsky e O diabo. Tradução de Caio Jardim.
Rio de Janeiro: Universitária, 1940.



“Francisca”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores.
Tradução de Marina Salles Goulart de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.



Guerra e paz. Tradução de Gustavo Nonnenberg. Coleção Biblioteca dos Séculos.
Porto Alegre: Globo, 1942.



Homens e escravos. Tradução de Cira Neri.
Coleção As 100 Obras-Primas da Literatura Universal. Rio de Janeiro: Pongetti, 1943.


“Ivan, o imbecil”. In: Três novelas russas. Tradução de Lúcio Cardoso.
Rio de Janeiro: A Noite, 1947.


Katia. Tradução de Lêdo Ivo. Rio de Janeiro: Panamericana, c.1944.



Khadji-Murat. Tradução anônima. [Georges Selzoff e Allyrio Meira Wanderley].
Bibliotheca de Auctores Russos. São Paulo: Cultura, 1931.



“Khadji-Murat”. In: Três novelas russas. “Tradução revista pelo departamento editorial”
[versão adulterada da tradução de Selzoff/ Wanderley, Cultura, 1931].
Coleção Grandes Romances Universais. São Paulo: W. M. Jackson, 1947.



Memórias (infância, adolescência e juventude). Tradução de Rachel de Queiroz.
Coleção Memórias, Diários, Confissões. Rio de Janeiro: José Olympio, 1944.


O canto do cysne. Tradução anônima. Collecções Econômicas SIP, vol. 59.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1937.



O diabo branco (Khadji-Murat). Tradução de António Sérgio.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1934.



O diabo branco. “Tradução revista”
[versão levemente adulterada da tradução de Selzoff/Wanderley, Cultura, 1931].
São Paulo: Publicações Brasil, c.1944.



O diabo branco. Tradução de Boris Solomonov [pseud. de Boris Schnaiderman].
Coleção Os maiores êxitos da tela. Rio de Janeiro: Vecchi, 1949.


O drama do padre Sérgio. Tradução anônima. São Paulo: Nosso Livro, c.1944.


O que eu penso da guerra. Tradução anônima. Rio de Janeiro: H. Antunes, 1909.


O quinhão da mulher, impressionante relato da própria heroína.
Tradução de João Cabral. Rio de Janeiro: Brasilica, 1940.


O trabalho (com Timoteo Bondareff). Tradução de João Cabral. Rio de Janeiro: Marisa, 1934.



Os cossacos. Tradução de Sérgio Azevedo. Rio de Janeiro: Livraria Marisa, 1931.


Os cossacos. Tradução anônima. São Paulo: Sociedade Impressora Paulista, 1932.
Reed. em Collecções Econômicas SIP, vol. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1934.



Os cossacos. Tradução de Almir de Andrade. Coleção Fogos Cruzados.
Rio de Janeiro: José Olympio, 1942.



Os cossacos. Tradução anônima. São Paulo: Clube do Livro, 1944.



Os martyres do dinheiro [Na floresta – novela (narrativa de um yunker) – 1854-1855].
Tradução anônima. Collecções Econômicas SIP, vol. 56. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1937.


“Os três staretzi”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Alfredo Mesquita.
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Padre Sergio. Tradução anônima. [Georges Selzoff e Allyrio Meira Wanderley].
Bibliotheca de Auctores Russos. São Paulo: Cultura, 1931.


Polikuchka. Tradução de Henrique Cordeiro. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.


Resurreição, romance celebre. Tradução de Carlos Cintra. Collecção de Obras Celebres.
Rio de Janeiro: Americana, 1931. Reed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1935.


Ressurreição. Tradução anônima. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936.



Ressurreição. Tradução de Waldemar Cavalcanti. Coleção Fogos Cruzados.
Rio de Janeiro: José Olympio, 1944.


Ressurreição. Tradução revista por Marina Salles Goulart de Andrade.
 Rio de Janeiro: Cia. Brasil, s/d [c. 1945].



Sebastopol. Tradução de F. J. da Silva Ramos. Coleção Excelsior, vol. 28.
São Paulo: Martins, 1944.


Senhor e servo. Tradução anônima. Coleção Azul. Rio de Janeiro: Aurora, c.1946.


Sonata de Kreutzer. Tradução anônima. São Paulo: Sociedade Impressora Paulista, c.1930.


Três novelas da Rússia. Contém: “O violinista Alberto”, “Um animal como poucos”
e “Romance inacabado”. Tradução anônima. São Paulo: Nosso Livro, 1944.



Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),









Tolstói, Alexis (Alexei)



A cultura soviética. Tradução de Paim Júnior. Rio de Janeiro: Vitória, 1945.


O soviet em Marte. Tradução anônima. Rio de Janeiro: Calvino, 1933.



“Os vurdalaks”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série.
Tradução de Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Pedro, o Grande. Coleção Documentos Humanos. Rio de Janeiro: Zélio Valverde, 1945.



“Um relato de Ivã Sudariev”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia.
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),









Teffi, Nadezhda (Nadine, Teffy)



“Cartas de amor”. In: Contos soviéticos. Tradução de Luiz Alípio de Barros.
Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1944.



“Estratégia no vagão”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série.
Tradução de J. da Cunha Borges. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.


“O faquir”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores.
Tradução de Frederico dos Reys Coutinho. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.



Tieliechóv, Nikolai (Nicolau, Telechov)


 “A miséria”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série.
Tradução de Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



“O duelo”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Wilson Velloso.
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Tikhonov, Nikolai (Nicolau)


“O califa”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Clóvis Ramalhete.
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



“Um novo ser”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia.
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



Tikhonov, Vladimir


“O lobo do mar”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Evandro Pequeno.
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.


“Paciência”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Evandro Pequeno.
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),









Púchkin, Aleksandr (Alexandre, Alexander; Pouskine, Pushkin, Pushkine, Puschkin)




“A camponesa disfarçada”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.



“A dama de espadas”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Dias da Costa. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



A dama de espadas. Tradução de Álvaro Moreyra. 
Rio de Janeiro: Confraria de Bibliófilos Brasileiros Cattleya Alba, 1944 [edição de luxo]. 
Reed. Rio de Janeiro: Brasilia Aeterna, 1945.



A filha do capitão. Tradução de Paulo Corrêa Lopes. Porto Alegre: Globo, 1933.



A filha do capitão. Tradução de Boris Solomonov (pseud. de Boris Schnaiderman). 
Coleção Os Maiores Êxitos da Tela. Rio de Janeiro: Vecchi, 1949.



“A tempestade de neve”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia. 
Tradução de Edison Carneiro. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



Águia negra. Tradução anônima. Collecções Econômicas SIP, vol. 32. 
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1935. 



Águia negra. Contém "Águia Negra", "A dama de espadas" e "Um tiro". Tradução de Cira Neri. 
Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1937.



Águia negra. Contém: “Águia negra”, “O negro de Pedro, o Grande”, “O encarregado da estação” e “Kirdjali”. Tradução de Boris Solomonov (pseud. de Boris Schnaiderman). 
Coleção Os Maiores Êxitos da Tela. Rio de Janeiro: Vecchi, 1949.


A adoção do título Águia negra para o título original Dubróvski se deve à adaptação para o cinema como The Eagle (1925), com Rodolfo Valentino no papel do Águia Negra, lançado no Brasil em 1926, e, para a edição da Vecchi em 1949, o reforço com o então recente Aquila Nera (1946).



“O chefe de posta”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Aníbal Machado. Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.


“Um disparo memorável”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série. Tradução de Carlos Casanova. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),








ilustração de alexandre nascimento


por meio de ana cláudia romano ribeiro, vim a saber que álvaro vieira pinto traduziu bastante, e obras importantes, sob pseudônimo.

vieira pinto, o principal propositor do projeto nacional-desenvolvimentista à frente do iseb, esteve entre os primeiros alvos de perseguição após o golpe de 1964. já em junho tem seus direitos políticos cassados e em outubro sofre demissão de sua cátedra na universidade do brasil [atual ufrj]. parte para o exílio. primeiro foi para a iugoslávia, onde ficou um ano, e depois, por sugestão de paulo freire, foi para o chile. 

resolve voltar ao brasil em 1968, imaginem só. foi uma dificuldade tremenda.

vieira pinto era poliglota: dominava o latim, o grego, o inglês, o francês, o russo, o italiano, o espanhol e o alemão. em seu precoce retorno do exílio passou a se dedicar à tradução, basicamente para a editora vozes. 

então vivendo uma vida muito reclusa, quase que na clandestinidade, suas traduções logo passaram a sair com pseudônimo: francisco m. guimarães, de 1970 a 1973; floriano de souza fernandes, de 1973 a 1975; mariano ferreira, de 1975 a 1978.  

  1. : Tradução literal sobre o texto grego, segundo Mullach. In: Diretório Acadêmico da Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, Rio de Janeiro, mar. 1951. p.11–15.
  2. JASPERS, Karl. Razão e anti-razão em nosso tempo. Tradução por Álvaro Vieira Pinto. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB), 1958. (Coleção Textos de Filosofia Contemporânea, 1)
  3. LENIN, Vladimir Ilitch. Obras Escolhidas de Lenin. Tradução por Álvaro Vieira Pinto. 3 vol. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1970.
  4. CLARKE, Arthur C. Perfil do Futuro. Tradução por Álvaro Borges Vieira Pinto. Petrópolis, RJ: Vozes, 1970. (Coleção Presença do Futuro, 4)
  5. RAPP, Hans Reinhard. Cibernética e Teologia: O Homem, Deus e o Número. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1970.
  6. TOYNBEE, Arnold Joseph. Experiências: ensaio autobiográfico de um dos maiores historiadores do século XX. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1970. 
  7. SMULEVICH, Boleslav IAkovlevich. Críticas de las teorías y la política burguesas de la población. Tradução por Álvaro Vieira Pinto, 1971. (Série E, 7)
  8. CHURCHMAN, C. West. Introdução à Teoria Dos Sistemas. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1971. (Coleção Teoria Dos Sistemas, 1)
  9. CHOMSKY, Noam. Linguagem e Pensamento. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1971. (Coleção Perspectivas Linguísticas, 3)
  10. CHOMSKY, Noam. Lingüística Cartesiana: um Capítulo da História do Pensamento Racionalista. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1972. (Coleção Perspectivas Linguísticas, 4)
  11. POSTGATE, John Raymond. Os Micróbios e o Homem. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1971. (Coleção Ciência Atual, 1)
  12. DAJOZ, Roger. Ecologia Geral. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1972.
  13. BERTALANFFY, Ludwig Von. Teoria Geral Dos Sistemas. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1972. (Coleção Teoria Dos Sistemas, 2)
  14. GÉRARD, Pierre. Introdução Ao Marketing. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1973. (Coleção Administração de Empresas)
  15. APTER, M. J. Cibernética e Psicologia. Tradução de Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1973.
  16. MALINOWSKI, Bronislaw. Sexo e Repressão na Sociedade Selvagem. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1973. (Coleção Antropologia, 4)
  17. LAWRENCE, Paul R.; LORSCH, Jay William. As Empresas e o Ambiente: diferenciação e integração administrativas. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1973. (Coleção Administração de Empresas, 9)
  18. PIAGET, Jean. Biologia e Conhecimento: ensaio sobre as relações entre as regulações orgânicas e os processos cognoscitivos. Tradução por Francisco M. Guimarães (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1973. (Coleção Psicologia da Inteligência, 1)
  19. BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. A Construção Social da Realidade: Tratado de Sociologia Do Conhecimento. Tradução por Floriano de Souza Fernandes (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1973. (Coleção Antropologia, 5)
  20. KANT, Immanuel. Textos seletos. Tradução de Floriano de Sousa Fernandes (pseudônimo) e Raimundo Vier. Petrópolis: Vozes, 1974.
  21. ROGIER, L. J.; BERTIER DE SAUVIGNY, L. B. F. de. Nova História da Igreja. Volume 5: A igreja na sociedade liberal e no mundo moderno. Tradução de Almir Ribeiro Guimarães; Floriano de Souza Fernandes (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1975.
  22. LOURAU, René. A Análise Institucional. Petrópolis, RJ: Vozes. Tradução por Mariano Ferreira (pseudônimo), 1975. (Coleção Psicanálise, 12).
  23. LÉVI-STRAUSS, Claude. As Estruturas Elementares do Parentesco. Roberto Augusto da Matta (Editor). Tradução por Mariano Ferreira (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1976. (Coleção Antropologia, 9).
  24. VAN GENNEP, Artur. Os Ritos de Passagem. Tradução por Mariano Ferreira (pseudônimo). Petrópolis, RJ: Vozes, 1978. (Coleção Antropologia, 11).

    listagem extraída do centro de estudos sobre álvaro vieira pinto, .
    vide comentário de luiz ernesto merkle, abaixo.









    Fadeiev, Aleksandr A.



    A derrota. Tradução de Helio de Andrade (pseud. de Leôncio Basbaum). São Paulo: Urania, 1931.


    Fedin, Konstantin (Constantino, Fedine)



    “Alma de cachorro”. In: Contos soviéticos. Os novos da Rússia. Tradução de Gabriel Marques. Collecção Literatura Moderna. São Paulo: Cultura Brasileira, c.1934. 
    Reed. in: Contos soviéticos. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1944.



    As cidades e os anos. Tradução de Humberto Schoenfeldt e Augusto de Sousa. 
    Coleção Oceano, vol. 3. São Paulo: IPÊ, 1947.



    O sanatório do doutor Klebe. Tradução de Jorge Amado. 
    Coleção Ontem e Hoje, vol. 13. São Paulo: Brasiliense, 1945. 
    [Na verdade, Jorge Amado apenas emprestou seu nome para as traduções dessa coleção.]



    “Um homem resoluto”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia
    Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



    Fibitch, Daniel



    Os libertos. Tradução de Zoran Ninitch. Coleção Aurora. São Paulo: Unitas, 1934.


    Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),







    agradeço a saulo von randow jr. pela imagem de capa


    tomo aqui a liberdade de reproduzir o minucioso levantamento de milton santos sobre a obra de leonid andréiev traduzida em portugal e no brasil.  se encontra a biblioteca digital de leonid andreyev em português.




    Leonid Andreiev em Português
    Leonid Andreyev in Portuguese
    Por/by Milton dos Santos ()
    Última atualização/last update: 14  Ago 2016.


    Alguns comentários sobre a lista:

    a.      Os títulos dos textos foram mantidos como nas publicações originais. Isso significa que alguns textos foram traduzidos com diferentes títulos em diferentes publicações. Os casos identificados foram os seguintes:

    a.      Loucura = O médico louco = A ideia = O pensamento
    b.      O riso = A máscara
    c.       A gargalhada vermelha = O riso vermelho
    d.      O nada = O repouso
    e.      A flor espezinhada = A flor pisada

    b.      O acesso a algumas publicações ainda não foi possível. Nestes casos, algumas informações não são conhecidas, como tradutores ou número de páginas. Estas situações estão identificadas com “?”. Assim que as publicações sejam acessadas, as informações serão complementadas.

    c.       Algumas publicações antigas não fornecem a data de edição. Nestes casos, sempre que possível e recorrendo a diversas fontes foi feita uma estimativa da data e registrada, por exemplo, como 194?, significando, neste exemplo, algum ano na década de 1940.

    d.      Em complemento so esforço de identificar e recolher todas as publicações de Andreiev em Português, também está sendo desenvolvido o esforço de digitalizar e disponibilizar ao público através do site . As publicações já disponibilizadas digitalmente estão indicadas nesta lista.

    e.      Se necessário, estão disponíveis, na quase totalidade dos itens, as imagens das capas em boa qualidade.

    f.        Eu aprecio e agradeço por qualquer nova informação, comentários ou sugestões dentro do propósito deste trabalho que é o de formar a mais completa biblioteca das publicações de Leonid Andreiev em português.

    g.      Eu agradeço, também, a divulgação do presente trabalho.    


    Lista de Publicações (ordem cronológica) / List of publications (chronological order):

    01.   O riso (Laugh). Tradução anônima (Anonymous translation). Revista Para Todos (For All Magazine) – Ano (Year) I – N. 11 – Rio de Janeiro – 1/Mar/1919 (Mar. 1st, 1919). – P. 2-3. – Formato (dimensions): ? – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    02.   Loucura? (Madness?). Tradução anônima (Anonymous translation). Revista Leitura Para Todos (Reading For All Magazine) – 2a fase (2nd phase) – Ano (Year) VIII – N. 86 – Rio de Janeiro – Setembro de 1926 (Sep. 1926). – P. 57-65. – Formato (dimensions): ? – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    03.   O muro (The wall). Tradução de (Translation by) J. J. Sá. Ilustrações de (Illustrations by) A. S. Rouiz. Revista Primeira: a revista por excelência (First: the magazine par excellence Magazine) – N. 5 – Rio de Janeiro – 25/Set/1927 (Sep. 25th, 1927). – P. 20-26. – Formato (dimensions): 24,0 cm x 16,0 cm.  – Disponível digitalmente em (Digitally available at):    

    04.   O gigante (The giant). Tradução de (Translation by) J. J. de Sá. Ilustrações de (Illustrations by) Atlântida. Revista Primeira: a revista por excelência (First: the magazine par excellence Magazine) – N. 11 – Rio de Janeiro – 25/Dez/1927 (Dec. 25th, 1927). – P. 14-16. – Formato (dimensions): 24,0cm x 16,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):
      
    05.   O riso (Laugh). Tradução anônima (Anonymous translation). Revista Primeira: a revista por excelência (First: the magazine par excellence Magazine) – N. 36 – Rio de Janeiro – 10/Jan/1929 (Jan. 10th, 1929). – P 41-44. – Formato (dimensions): 24,0cm x 16,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    06.   Juventude (Youth). Tradução Anônima (Anonymous translation). Revista Primeira: a revista por excelência (First: the magazine par excellence Magazine) – N. 40 – Rio de Janeiro – 10/Mar/1929 (Mar. 10th, 1929). – P. 38-46. – Formato (dimensions): 24,0cm x 16,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    07.   Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged). Tradução de (Translation by) ?. In: GORKI, M. e (and) ANDREIEFF, L. Contos Russos (Russian Tales). – Editorial PAX – São Paulo – 193?. P. ?. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    08.   O médico louco (Mad Doctor). Tradução de (Translation by) ?. In: GORKI, M. e (and) ANDREIEFF, L. Contos Russos (Russian Tales). – Editorial PAX – São Paulo – 193?. P. ?. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    09.   Judas Iscariotes (Judas Iscariot). Coleção “Bibliotheca dos Auctores Russos” (“Russian Writers Library” Collection). Tradução de (Translation by) Georges Selzoff, Fúlvio Abramo e/ou (and/or) Allyrio M. Wanderley – 1º Milheiro (1stThousand) – Edição Cultura – São Paulo – 1931. – 144 P. – Formato (dimensions): 18,0cm x 13,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):  .
    Nota: há uma controvérsia sobre a autoria da tradução (Note:there is a controversy on translation authorship).

    10.   _______________. Tradução de (Translation by) ?. In: LEBEDINSKY, I. A semana (The Week). – Editorial PAX – São Paulo – 1932. P. ?. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    11.   Os sete enforcados (The Seven Who Were Hanged). Coleção “Bibliotheca dos Auctores Russos” (“Russian Writers Library” Collection). Tradução de (Translation by) Georges Selzoff e (and) Orígenes Lessa (e/and Allyrio M. Wanderley?) – Edição Cultura – São Paulo – 1932. – 150 P. – Formato (dimensions): 18,0cm x 13,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .
    Nota: há uma controvérsia sobre a autoria da tradução (Note:there is a controversy on translation authorship).

    12.   O Diário de Satanás (Satan’s Diary). Tradução de (Translation by) Elias Davidovitch. Renascença – Rio de Janeiro – 1933. – 213 P. – Formato (dimensions): 18,0cm x 12,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    13.   Nada (Nothing). Tradução de (Translation by) Wilson Velloso. Revista A Novela (The Novel Magazine). – N. 26 – Porto Alegre – Nov 1938. – P. 186-190. – Formato (dimensions): 22,0cm x 14,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):  

    14.   História de Lázaro (Lazaru’s History). Tradução a partir de versão francesa por (Translation from a French version by) Correia Taipas. In: BALZAC, H. e outros (and others). Os mais belos contos do mundo (The most beutiful tales of the world). Primeira Série (First Serie). Seleção e apontamento de (Selection and notes by) Gentil Marques. – Desenhos de (Illustrations by) Antonio Domingues. – José Rodrigues Júnior, Editor – Agência Editorial Brasileira – Lisboa – 1945 – P. 129-158. – Formato (dimensions): 19,0cm x 12,5cm.
    Reedição (Reedition):   Editorial Cultura – Porto – 194? – P. 129-158.
    Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    15.   Os espectros (Spectra). Tradução de (Translation by) Lobo Vilela. Editorial Gleba – Lisboa – 194? – 177 P. – Formato (dimensions): 17,5cm x 12,0cm. – Sumário (Content): Os espectros (Spectra); Dois mundos (Two Worlds); Sobremortal (Super-mortal [?]); O mistério (Mistery); Vadio (Bummer).– Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    16.   Lázaro (Lazarus). Tradução de (Translation by) Eliezer Burlá. Ilustração de (Illustrations by) ?. Revista Vamos Ler (Let’s Read Magazine). – N. 190 – Rio de Janeiro – 21/Mar/1940 (Mar. 21st, 1940). – P. 8-13, 50-51. – Formato (dimensions): 25,0cm x 20,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    17.   O médico louco (Mad Doctor). Tradução de (Translation by) Mauro Saule. Novelas Inquérito (Inquérito Novels) – Vol. 35 – Editorial Inquérito – Lisboa – 1941 – 86 P. – Formato (dimensions): 19,0cm x 12,3cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    18.   O mistério (Mistery). Tradução de (Translation by) Domingos Monteiro. Novelas Inquérito (Inquérito Novels) – Vol. 49 – Editorial Inquérito – Lisboa – 1942 – 80 P. – Formato (dimensions): 19,0cm x 12,3cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    19.   Um homem original (An Unique Man). Tradução de (Translation by) Lobo Vilela. In: BOUNINE, I. e outros (and others). Uns olhos bizantinos (A bizantine eyes). Edições Sirius – Lisboa – 1942. 136 P. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    20.   Judas Iscariotes (Judas Iscariot). Tradução anônima (Anonymous translation). Norte Editora – Rio de Janeiro – 1942. 107 P. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    21.   A conversão do diabo (Satan’s Conversion). Tradução de (Translation by) Almiro R. Barbosa e (and) Edgard Cavalheiro. In: BARBOSA, A. R. e (and) CAVALHEIRO, E. (Orgs). As obras primas com conto universal. A marcha do espírito (The Masterpieces of Universal Tales. The March of the Spirit) – Vol. VI – Livraria Martins Editora – São Paulo – 1942. – P. 49-83. – Formato (dimensions): 20,5cm x 13,5cm.
    Edições (Editions):          1ª Edição (1st Edition): Nov. 1942
                                   2ª Edição (2nd Edition): Jan. 1943
                                   3ª Edição (3rd Edition): Jul. 1943
                                   Disponível digitalmente em (Digitally available at):
                                  
                                   4ª Edição (4th Edition): Jul. 1944

    22.   Silêncio (Silence). Tradução anônima (Anonymous translation). Agostinho Silva: Obra Reunida (Agostinho Silva: Gathered Work) – Vol. IV – Tomo 2 –  Antologia. Introdução aos Grandes Autores (1941-1947) (Antology: Introduction to the Great Writers [1941-1947]) – Edição do Autor – Lisboa – 1943. 22 P. – Formato (dimensions): 22,5cm x 15,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    23.   Bargamot e Garaska (Bargamot and Garaska). Tradução de (Translation by) ?. Revista Contos Magazine (Tales Magazine) – Ano (Year) VI – N. 146 - A Noite – Rio de Janeiro – 16/Fev/1944 (Feb. 16th, 1944). – P. ?. Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    24.   O mistério (Mistery). Tradução de (Translation by) Domingos Monteiro. Revista Contos Magazine (Tales Magazine) – Ano (Year) VI – N. 155 - A Noite – Rio de Janeiro – 01/Jul/1944 (Jul. 1st, 1944). – P. 4-35.  – Formato (dimensions): 18,5cm x 13,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    25.   Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged). Tradução de (Translation by) José de Barros Pinto. In: ANDREIEV, L.; TCHÉCOV, A.; GORKI, M. Três novelas russas. Antologia da Novela Universal - I (Three Russian Novels. Universal Novels Antology - I) – Flama – São Paulo – 1944. – P. 11-125. – Formato (dimensions): 23,5cm x 16,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    26.   Os sete enforcados. (Seven Who Were Hanged). Tradução de (Translation by) Orígenes Lessa (e Georges Selzof – crédito de tradução não mencionado; provavelmente a mesma tradução de 1931) (and Georges Selzoff – translation authorship uncredited; most likely the translation of the 1931 edition). In: BRAGA, R. (Coord.). Os russos: antigos e modernos (The Russians: ancient and modern). Leitura – Rio de Janeiro – 1944. P. 302-359. – Formato (dimensions): 17,5cm x 11,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    27.   Judas Iscariotes (Judas Iscariot). Tradução anônima (Anonymous translation). – Edições Colête (Colete Editions) – A Bolsa do Livro – São Paulo – 1944. – 128 P. – Formato (dimensions): 13,5cm x 9,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    28.   Por trás da janela (Behind the Window). Tradução de (Translation by) Manuel R. da Silva. In: PUCHKIN, A. e outros (and others). Os colossos do conto da velha e da nova Rússia (The Colossi of the Tale of the Old and New Russia) – Edições Mundo Latino – Rio de Janeiro – 1944. – P. 288-313. – Formato (dimensions): 21,0cm x 14,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):  .

    29.   Silêncio (Silence). Tradução de (Translation by) Enéias Marzano. In: DOSTOIÉVSKI, F. e outros (and others). Os mais belos contos russos dos mais famosos autores (The Most Beautiful Russian Tales of the Most Famous Authors) – Casa Editora Vecchi – Rio de Janeiro – 1944. – P. 174-186. – Formato (dimensions): 21,0 cm x 14,0 cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    30.   Uma flor espezinhada (A Crushed Flower). Tradução de (Translation by) Alfredo Ferreira. In: PUCHKIN, A. e outros (and others). Os mais belos contos russos dos mais famosos autores (The Most Beautiful Russian Tales of the Most Famous Authors) – Segunda Série (Second Serie) – Casa Editora Vecchi – Rio de Janeiro – 1944. – P. 280-297. – Formato (dimensions): 20,0 cm x 13,5 cm.  – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    31.   A gargalhada vermelha (The Red Laugh). Tradução de (Translation by) B. Siebel. Coleção Seleta (Select Collection) – Vol. VI – Assunção – São Paulo – 1945. – 144 P. – Formato (dimensions): 17,0cm x 11,0cm.  – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .
    Reedição (Reedition): Anchieta – São Paulo – 1946.

    32.   A conversão do diabo (Satan’s Conversion). Tradução anônima (Anonymous translation). Ilustração de (Illustrations by) Armando Moura. Revista Vamos Ler (Let’s Read Magazine).  – N. 557 – Rio de Janeiro – 05/Abr/1947 (Apr. 5th, 1947). – P. 12-20, 48, 55. – Formato (dimensions): 25,0 x 20,0 cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    33.   Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged). Tradução anônima, muito provavelmente da edição de 1931 (Anonymous translation, most likely from the 1931 edition). Tradução revista e adaptada pela editora (Translation reviewed and adapted by the publisher). In: GOGOL, N.; TOLSTOI, L.; ANDREIEV, L. Três novelas russas (Three Russian Novels). Coleção Grandes Romances Universais (Great Universal Romances Collection) – Vol. 7. – W. M. Jackson – São Paulo – 1947. – P. 369-474. – Formato (dimensions): 19,0cm x 12,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):
    Reedições (Reeditions): 1952, 1955, 1963.

    34.   A mentira – memórias de um louco (The Lie – Memoirs of a Mad Man). Tradução anônima (Anonymous translation). In: PENTEADO, J. (Introdução, Seleção e Noyas) (Introduction, selection and notes). Obras primas do conto fantástico (Masterpieces of the Fantastic Tales). – Capa de (Cover by) Darcy Penteado. – Livraria Martins Editora – 1956. – P. 307-315. – Formato (dimensions): 21,0 cm x 14,0 cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):
    Reedição (Reedition): 1966. – P. 277-287. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    35.   A conversão do diabo (Satan’s Conversion). Tradução anônima (Anonymous translation). Tradução revista por (Translation review by) T. Booker Washington. In: RIEDEL, D. (Org). Maravilhas do Conto Russo (Wonders of The Russian Tale). – Introdução e notas de (Introduction and notes by) Edgard Cavalheiro. –  Seleção de (Selection by) Serge Ivanovitch. – Capa de (Cover by) Mogens Ove Österbye. – Desenhos de (Ilustrations by) D. Nasi. – Cultrix – São Paulo – 1957. – P. 219-248. – Formato (dimensions): 21,0cm x 14,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    36.   O Grande Slam (The Grand Slam). Tradução de (Translation by) Cabral do Nascimento. In: PUSKINE, A. e outros (and others). Mestres do Conto Eslavo (Masters of Slavic Tale). – Antologias Universais – Conto (Universal Antologies – Tales). – Vol. XIX. – Portugália – Lisboa – 1957?. P. 383-396. – Formato (dimensions): 16,0cm x 12,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):  
     
    37.   Lázaro (Lazarus). Tradução anônima (Anonymous translation). In: SILVA, F. C da (Org.). Maravilhas do Conto Bíblico (Wonders of The Biblical Tale) – Cultrix – São Paulo – 1958. – P. 145-165. – Formato (dimensions): 21,0cm x 14,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    38.   Os espectros (Spectra). Tradução anônima (Anonymous translation). Coleção Mosaico - Pequena Antologia de Obras Primas (Mosaic Collection - Masterpieces Little Antology). – Vol. 48. – Fomento de Publicações – Lisboa – 1958?. – 48 P. – Formato (dimensions): 16,5 cm x 12,0 cm. –  Disponível digitalmente em (Digitally available at): ?
    Reedição (Reedition): 1959? – 52 P.

    39.   Aquele que recebe bofetadas (He Who Gets Slapped). Tradução anônima (Anonymous translation). Teatro Amadores de Pernambuco – Recife – 1960. – 80 P. –  Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    40.   Judas Iscariote (Judas Iscariot). Tradução anônima (Anonymous translation). Junco – São Paulo – 1960(?). – 102 P. – Formato (dimensions): 21,0cm x 14,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    41.   Judas Iscariotes (Judas Iscariot). Tradução de (Translation by) Henrique Losinsky Alves. – Clube do Livro – São Paulo – 1960. – 175 P. – Formato (dimensions): 18,5cm x 13,5cm. – Sumário (Content): Judas Iscariotes (Judas Iscariot); Era uma vez (Once upon a time); O nada (The Nothing); O grande slam (The Grand Slam); Valia (Valia); A máscara (Mask). – Disponível digitalmente em (Digitally available at):
    Reedições (Reeditions):              1984. – 159 P. – Formato (dimensions): 21,0cm x 14,0cm.
                                                   Judas Iscariotes e outras histórias (Judas Iscariot and Other Stories). –
    Claridade – São Paulo – 2004. – 144 P. – Formato (dimensions): 21,0cm x 14,0cm.

    42.   Judas Iscariotes (Judas Iscariot). Tradução de (Translation by) Armindo Rodrigues. Coleção ABZ (ABZ Collection) – Vol. 1. – Editorial Técnica e Artística – Lisboa – 1962. – 212 P. – Formato (dimensions): 18,5cm x 12,4cm. – Sumário (Content): Judas Iscariotes (Judas Iscariot); Lázaro (Lazarus). – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    43.   O médico louco (Mad Doctor). Tradução anônima (Anonymous translation). In: PENTEADO, J (Seleção,  organização e introdução) (Selection, organization and introduction). Primores do Conto Universal (Beauties of the Universal Tale). – Vol. 2 – Contos Russos (Russian Tales). – Sociedade Brasileira de Empreendimentos Editorial – Rio de Janeiro – 1962(?). – P. 195-239. – Formato (dimensions): 23,0cm x 16,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at): .

    44.   Os sete enforcados. (Seven Who Were Hanged). Tradução de (Translation by) Anna Weinberg. In: CARPEAUX, O. M. e (and) NEWEROWA, V. Antologia do conto russo (Russian Tale Antology). – Vol. VIII – Lux Editora – Rio de Janeiro – 1962. – P. ?. –  Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    45.   Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged). Tradução de (Translation by) Anna Weinberg – Biblioteca Universal Popular (Popular Universal Library) – São Paulo – 1963. – 169 P. – Formato (dimensions): 17,0cm x 10,5cm. –  Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    46.   O grande slam (The Grand Slam). Tradução anônima a partir de versão alemã (Anonymous translation from a German version). In: HOLLANDA, A. B. F. de e (and) RONAI, P. (Orgs). Mar de histórias (Sea of Stories). Antologia do Conto Mundial (World Tale Antology). Século XIX (3ª Parte) e Século XX (1ª Parte). (19th Century, 3rd Part, and 20th Century, 1st Part). – Vol. IV – José Olympio – Rio de Janeiro – 1963. – P. 312-323. – Formato (dimensions): 22,5 cm x 14,5 cm. –  Disponível digitalmente em (Digitally available at):
    Reedições (Reeditions):              2ª Edição rev. e amp. (2nd Ed. rev. and ext.) – No limiar do Século XX (In the Edge
                                                   of the 20th Century) – Vol. VIII – Nova Fronteira – Rio de Janeiro – 1986.
    3ª Edição (3rd Ed.) – Vol. VIII – Nova Fronteira – Rio de Janeiro – 1989. – P. 216-229. – Formato (dimensions): 21,0 cm x 14,0 cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):
                                                    
                                                   4ª Edição (4th Ed.) – Vol. VIII – Nova Fronteira – Rio de Janeiro – 1999.
                                                   5ª Edição (5th Ed.) – Vol. VIII – Nova Fronteira – Rio de Janeiro – 2013.

    47.   O amor ao próximo (Love to Neighbor). Tradução de (Translation by) Mário Salgueiro. Antologias Inquérito (Inquérito Antologies). Os melhores contos dos melhores contistas (Best Tales from Best Tales Writers). – Vol. 5 – Editorial Inquérito – Lisboa – 1964. – 230 P. – Formato (dimensions): 19,0cm x 12,5cm. – Sumário (Content): O amor ao próximo (Love to Neighbor); Perante o tribunal (In the Court); Um estrangeiro (A Foreigner); Ben-Tovit (Ben-Tovit); A “Marselhesa” (The “Marseillaise”); Um homem original (An unique man); Cristãos (Christians); Bargamot e Garaska (Bargamot and Garaska); Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged).

    48.   O grande slam (The Grand Slam). Tradução revista de (Reviewed translation by) Cabral do Nascimento. In: SILVA, H. (Selec). Obras primas do conto russo (Masterpieces of Russian Tales). Livraria Martins Editora – São Paulo – 1964. – P. 191-201. – Formato (dimensions) 21,0cm x 14,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    49.   O pensamento (The Tought). Drama em seis atos (Play in six acts). Tradução e adaptação de (Translated and adapted by) Carlos Semprun. Dom Quixote – Lisboa – 1965. – 106 P. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    50.   O riso vermelho e outras histórias (The Red Laugh and Other Stories). Tradução de (Translation by) Arsénio Simões Mota. Livraria Civilização – Porto – 1968. – 232 P. – Formato (dimensions): 16,0cm x 11,0cm. – Sumário (Content): O riso vermelho (The Red Laugh); A ideia (The Idea); Os espectros (Spectra); O grande “cheleme” (The Grand Slam); Ben-Tovit (Ben-Tovit). – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    51.   Silêncio (Silence). Tradução de (Translation by) Agostinho da Silva. In: TOLSTOI, L. e outros (and others). Contos russos (Russian Tales). Colecção Duas Horas de Leitura (Two Hours of Reading Collection) – Vol. 15 – Editorial Inova – Porto – 1973. – P. 23-34. – Formato (dimensions): 21,0cm x 14,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    52.   O governador (The Governor). Tradução de (Translation by) Egito Gonçalves. In: ANDREIEV, L. e outros (and others). O governador e outros contos soviéticos (The Governor and Other Soviet Tales). Coleção Metamorfoses (Metamorphoses  Collection). Nova série (New Serie). – Vol. 11 – Editorial Inova – Porto – 1974. – P. 9-66. – Formato (dimensions): 21,0cm x 14,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    53.   O Grande Slam (The Grand Slam). Tradução de (Translation by) Aurélio Buarque de Hollanda e Paulo Ronái. In: HOLLANDA, A. B. e (and) RONAI, P. (Selec.). Contos Russos (Russian Tales). – Ilustrações de (Illustrations by) Mário de Murtas.  – Ediouro – Rio de Janeiro – 1981(?). P. 199-212. – Formato (dimensions): 18,0cm x 11,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    54.   Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged). Tradução anônima, muito provavelmente da edição de 1931 (Anonymous translation, most likely from the edition of 1931). In: BRAGA, R. (Coord). O livro de ouro dos contos russos (The Golden Book of the Russian Tales). – Notas biográficas de (Biographical notes by) Waldemar Cavalcanti. – Prefácio de (Foreword by) Annibal M. Machado. – Supervisão de (Supervision by) Graciliano Ramos. – Ediouro – Rio de Janeiro – 1981(?). P. 212-248. – Formato (dimensions): 20,5cm x 15,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):  

    55.   Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged). Tradução anônima. In: BRAGA, R. (Coord e Apres.) (Coord. and Pres.). O livro de bolso dos contos russos (The Pocket Book of the Russian Tales). – Prefácio de (Foreword by) Annibal M. Machado. – Notas biográficas de (Biographical notes by) Waldemar Cavalcanti. – Supervisão de (Supervision by) Graciliano Ramos. – Edições de Ouro (Golden Editions) – Leão de Ouro – Rio de Janeiro – ____. P. _______. – Formato (dimensions): _________ – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    56.   Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged). Tradução de (Translation by) Orígenes Lessa. Ilustrações de (Illustrations by) Eugênio Hirsch. Rio de Janeiro – Alhambra – 1986. – 102 P. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    57.   Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged). Tradução de (Translation by) Eliana Sabino. Coleção Novelas Imortais (Immortal Novels Collection). Rocco – Rio de Janeiro – 1987. – 165 P. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):
    Reedição (Reedition):   2011

    58.   O riso vermelho (The Red Laugh). Tradução de (Translation by) Anibal Fernandes. Coleção Livro B (Book B Collection). – Vol. 52 – Editorial Estampa – Lisboa – 1988. – 138 P. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    59.   A conversão do diabo (Satan’s Conversion). Tradução de (Translation by) José Augusto Carvalho. In: CAMPOS, M. C. S. Coleção Contos Eternos (Eternal Tales Collection). Contos russos eternos (Eternal Russian Tales). – Vol. 2. – Bom Texto – Rio de Janeiro – 2004. – P. 215-246. – Formato (dimensions): 22,5cm x 15,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    60.   Os sete enforcados (Seven Who Were Hanged). Tradução anônima, muito provavelmente da edição de 1931 (Anonymous translation, most likely from the edition of 1931). In: BRAGA, R. (Coord). Contos russos: os clássicos (Russian Tales: Classics). Ediouro – Rio de Janeiro – 2004. P. 305-365. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    61.   Lázaro (Lazarus). Tradução de (Translation by) Augusto Alencastro. In: COSTA, F. M. (Org).  Os melhores contos bíblicos (The Best Biblical Tales). Ediouro – Rio de Janeiro – 2006. – P. 95-112. – Formato (dimensions): 24,0cm x 17,0cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    62.   A mentira - memórias de um louco (The Lie – Memoirs of a Mad Man). Tradução de (Translation by) Alves Moreira. In: COSTA, F. M. (Org). Os melhores contos de loucura (The Best Madness Tales). Ediouro – Rio de Janeiro – 2006. – P. 227-235. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    63.   A história dos sete enforcados (The Story of the Seven Who Were Hanged). Tradução de (Translation by) Nina Guerra e (and) Filipe Guerra. Hespéria – Lisboa – 2009. – 187 P. – Sumário (Content): A história dos sete enforcados (The Story of the Seven Who Were Hanged); O pensamento (The Tought). – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    64.   A flor pisada (The Crushed Flower). Tradução de (Translation by) Monica Cozacenco. Estrofe e Versos – Porto – 2009. – 92 P. – Sumário (Content): A flor pisada (The Crushed Flower); Lázaro (Lazarus). – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    65.   Lázaro (Lazarus). Tradução de (Translation by) Nina Guerra e (and) Filipe Guerra. In: ANDREEV, L; DOSTOIÉVSKI; F.; TOLSTOI, L. Contos russos (Russian Tales). Coleção Biblioteca de Babel (Babel Library Collection). -  Vol. 14 – Editorial Presença – Lisboa – 2010. – P. ?.– Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    66.   O abismo (Abyss). Tradução de (Translation by) Nivaldo dos Santos. In: GOMIDE, B. B. (Org). Nova antologia do conto russo (1792-1988) (New Antology of the Russian Tale). Coleção Leste (East Collection). – Editora 34 – São Paulo – 2011. – P. 307-322. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    67.   O Grande Slam (The Grand Slam). Tradução de (Translation by) Henrique Losinsky Alves. In: MUSSA, A. e (and) CHAO, S. (Orgs). Atlas Universal do Conto (Universal Atlas of Tale). – Record – Rio de Janeiro – 2013. – P. 299-309. – Formato (dimensions): 22,5cm x 15,5cm. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):  

    68.   O anjinho (Little Angel). Tradução de (Translation by) Gabriela Soares da Silva. Revista Arte e Letra – Estórias V (Art and Letter Magazine – Stories V). Revista de Literatura (Literature Magazine). Arte e Letra – Curitiba – 2013. – P. 36-38; 40-45. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    69.   O repouso (The rest). Tradução de (Translation by) Nivaldo dos Santos. In: CAVALIERE, A. (Apres). Editora 34 – São Paulo – 2015. – P. 465-473. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):

    70.   O retorno (The return). Tradução de (Translation by) Nivaldo dos Santos. In: CAVALIERE, A. (Apres). Editora 34 – São Paulo – 2015. – P. 474-482. – Disponível digitalmente em (Digitally available at):


    Relação dos títulos publicados (ordem alfabética) / List of published Works (alphabetical order- Pt):

    01.   Abismo, O (Abyss)
    02.   Amor ao próximo, O (Love to Neighbor)
    03.   Bargamot e Garaska (Bargamot and Garaska)
    04.   Ben-Tovit (Ben-Tovit)
    05.   Conversão do diabo, A (Satan’s Conversion)
    06.   Cristãos (Christians)
    07.   Diário de Satanás, O (Satan’s Diary)
    08.   Dois mundos (Two Worlds)
    09.   Era uma vez (Once Upon a Time)
    10.   Espectros, Os (Spectra)
    11.   Estrangeiro, Um (A Foreigner)
    12.   Flor pisada, A / Flor espezinhada, Uma (The Crushed Flower)
    13.   Gigante, O (The Giant)
    14.   Governador, O (The Governor)
    15.   Grande slam, O / Grand “cheleme”, O (The Grand Slam)
    16.   Homem original, Um (An Unique Man)
    17.   Ideia, A / Loucura?  / Médico louco, O / Pensamento; O – novela (Thought - novel)
    18.   Judas Iscariotes (Judas Iscariot)
    19.   Juventude (Youth)
    20.   Lázaro / História de Lázaro (Lazarus)
    21.   "Marselhesa", A (The “Marseillaise”)
    22.   Máscara, A (The Mask)
    23.   Mentira - memórias de um louco, A (The Lie – memoirs of a mad man)
    24.   Mistério, O (Mistery)
    25.   Muro, O (The Wall)
    26.   Nada, O / Repouso, O (Nothing)
    27.   Pensamento, O (peça) (Thought - play)
    28.   Perante o tribunal (In the Court)
    29.   Por trás da janela (Behind the Window)
    30.   Retorno, O (The Return)
    31.   Riso, O (Laugh)
    32.   Riso vermelho, O / Gargalhada vermelha, A (Red Laugh)
    33.   Sete enforcados, Os / História dos Sete Enforcados (The Seven Who Were Hanged)
    34.   Silêncio (Silence)
    35.   Sobremortal (Super-mortal)
    36.   Vadio (Bummer)
    37.   Valia (Valia)


    === FIM ===
    === THE END ===








    Chpanov, Nikolai (R., Shpanov)



    “O homem de óculos”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
    2ª. série. Trad. Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



    Dimov, Ossip (Osip, Dimof)


    “A falência”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 1ª. Série. 
    Trad. Marina Salles Goulart de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



    “Bancarrota”. In: Contos soviéticos. Os novos da Rússia. Trad. Gabriel Marques.
    Collecção Literatura Moderna. São Paulo: Cultura Brasileira, c.1934. 
    Reed. in: Contos soviéticos. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1944.


    Dorochevitch, Vlas (Vlass)


    “Assim falou Tchi-San”. In: Contos soviéticos. Trad. Luiz Alípio de Barros. 
    Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1944.


    “Os calcanhares são outros”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores.
    1ª. Série. Trad. Frederico dos Reys Coutinho. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.


    Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),








    Ivo Barroso



    Flores roubadas do jardim alheio


    “As Flores do Mal” – Charles Baudelaire – texto integral – Tr. Pietro Nassetti - Editora Martin Claret (São Paulo, 2001) – 192 págs. R$19,00
    Já tivemos aqui a oportunidade de mostrar como algumas obras literárias estão sendo criminosamente “apropriadas” por editores inescrupulosos e reeditadas sob o nome de falsos tradutores. No caso anterior, vimos como a tradução genial do “Cyrano de Bergerac”, de Edmond Rostand, devida ao falecido professor pernambucano Carlos Porto Carreiro, foi simplesmente “clonada” e atribuída a um desconhecido Sr. Fábio M. Alberti, que já devia ficar contente se seu nome aparecesse como autor das notas de pé de página que figuram na edição. Nelas há esclarecimentos sobre personagens e fatos um tanto ou quanto incomuns, pelo menos para a classe de leitores desses livros ditos “populares”, vendidos em bancas de jornal. Apressamo-nos em esclarecer que nada temos conta esse tipo de venda e achamos mesmo que se trata de um serviço prestado ao leitor médio, que pode assim adquirir livros de grandes autores a preços inegavelmente convidativos. O que não nos parece ético é o escamoteio e a usurpação do nome dos tradutores originais desses livros, seja pela prática da sua atribuição a outrem, seja pelo artifício vergonhoso do plágio disfarçado.
    Nessa última categoria podemos incluir, consistentemente, a edição de “As Flores do Mal”, o clássico livro de poemas de Charles Baudelaire, lançada “no verão de 2001” pela Martin Claret, de S. Paulo, em tradução ali atribuída a Pietro Nassetti, que, não se tratando de um pseudônimo de Jamil Almansur Haddad, responde certamente pelo nome de seu plagiário indecoroso, tal a maneira inequívoca com que se apropria da obra alheia.
    É sabido que temos no Brasil pelo menos duas edições integrais de “As Flores do Mal”. A mais conhecida e, a nosso ver, a mais bem realizada, a de Ivan Junqueira, foi editada pela Nova Fronteira, sendo de 1985 a última reimpressão, com o texto original de face à tradução. Foi essa a escolhida para figurar no volume “Charles Baudelaire – Poesia e Prosa”, que organizamos para a Editora Nova Aguilar e que foi editado em 1995, em papel bíblia, reunindo em português praticamente toda a obra do Poeta. A outra, mais antiga, de 1958, editada pela Difusão Européia do Livro na coleção Clássicos Garnier, é de Jamil Almansur Haddad, poeta paulista, autor de “A lua do remorso” (1951), que além de Baudelaire traduziu também “As Líricas”, de Safo, “O Cântico dos cânticos”, de Salomão, o “Rubaiyat”, de Omar Khayyam, o “Cancioneiro” de Petrarca, o “Decamerão” de Boccaccio e as “Odes” de Anacreonte. O leitor, ainda que não versado no assunto, pode bem imaginar o que representa de tempo e esforço a tarefa de traduzir poesia, principalmente no caso de um autor como Haddad que respeita a métrica e a rima existentes no original. Mas hoje parece estar se generalizando a prática certamente recriminável de se tomar um texto preexistente e maquiá-lo, mudando aqui uma palavra mais difícil, ali uma construção mais arrevesada, e, passando por cima dos ditames métricos e rímicos, apresentá-lo ao leitor numa “nova” edição popular, supostamente feita por outro tradutor.
    No presente caso a contrafação é tão explícita que chega a ser vergonhosa. Tomemos por exemplo o poema “Hino à Beleza”, dos mais característicos do estilo baudelairiano, com seus termos específicos e construções originais. As três primeiras quadras são iguais, ipsis litteris, coincidência que seria impossível de obter-se mesmo no caso de uma prova de tradução à qual se habilitassem centenas de candidatos. “Infernal et divin” é traduzido por ambos como “celestial e daninho”; “le couchant et l´aurore” por “matutina e noturna” e o verso “Qui font le héros lâche et l´enfant courageux” é impressionantemente resolvido da mesma forma: “Se à criança dão valor, tornam o herói covarde”. E naquele que encerra o terceiro quarteto: “Et tu gouvernes tout et ne réponds de rien” – o copiador chegou a incidir no mesmo erro de interpretação do seu modelo, traduzindo “réponds” por “respondes”, quando a construção francesa “réponds de rien” equivale a “submeter-se a nada”. “Bénissons ce flambeau!” é “Bendito lampadário” em ambos e “tombeau” (túmulo) é transformado também por ambos em “sudário”. Há momentos, no entanto, em que o copiador servil resolve “melhorar” (como talvez pense) o texto saqueado. Em geral isso ocorre diante de palavras que ele julga “difíceis” ou pouco atuais. Assim, onde Jamil escreveu “O amoroso anelante a pender sobre a bela”, o tradutor-xerox reescreve: “O namorado ofegante a pender sobre a bela”, não se importando com isso de sacrificar a métrica do verso. Neste mesmo poema há inúmeros exemplos dessa espécie: “Pisando mortos vais, com ar de desacato” (Jamil) e “Caminhas sobre os mortos, com ar de desacato” ( pseudo tradutor). O “papel carbono” parece ter achado que o “vão” (adjetivo) de “Sobre teu ventre vão dança amorosamente” poderia ser entendido pelos seus leitores como verbo e “conserta” para “Sobre teu ventre orgulhoso dança amorosamente”, conseguindo o fenômeno de um alexandrino de 14 versos. Outro: “Beleza! monstro ingênuo e de feição adunca!” lhe soa muito precioso e ele emenda para: “Beleza! monstro ingênuo, assustador e horrendo!” Mas pasmem que temos no início da quinta quadra o que se poderia chamar de dupla coincidência: No verso “Uma efêmera vai ao teu encontro, ó vela”, tanto na tradução de Jamil quanto na de seu “vampiro” Pietro Nassetti há uma nota de pé de página dizendo exatamente o mesmo: “Efêmera: substantivo comum, espécie de inseto”, que, se não fosse cópia servil seria um caso de duplicidade até na indigência definidora. Estender a amostragem seria recair ad infinitum na certeza que desde já se patenteia de que os poemas apresentados nesta edição de “As Flores do mal” foram subtraídos do berço alheio e criados por pais adotivos em proveito próprio.
    Essa prática inescrupulosa da apropriação de traduções alheias – pela cópia deslavada ou enganosa maquiagem – parece estar se ampliando junto a editores de livros em série ou coleções ditas populares. Há muitos títulos de obras clássicas que circulam por aí que, se examinados com cuidado, revelariam – como um triste palimpsesto – o nome apagado e explorado do tradutor original. 

    in http://www.jornaldepoesia.jor.br/ibarroso3.html 







    Andréiev, Leonid (Leonide, Leônidas, Andreev, Andreieff)



    A semana: novella, de Libedínski, traz, além da novela-título, três contos de Leonid Andréiev:
    “A flor espezinhada”,  “O advogado Kolosof” e “A conversão do Diabo”.
    Tradução de Cássio M. Fonseca. São Paulo: Pax, 1931.
    (Agradeço a Milton Santos pela informação.)



    “A conversão do Diabo”. In: As obras-primas do conto universal
    Tradução de Almiro R. Barbosa e Edgard Cavalheiro. Porto Alegre: Martins, 1943.



    A gargalhada vermelha. Tradução de B. Seibel. Coleção Seleta, vol. 6. 
    São Paulo: Assunção, c.1945. Reed. São Paulo: Anchieta, 1946. 



    Judas Iscariotes. Tradução anônima. [Georges Selzoff e Allyrio Meira Wanderley]. 
    Bibliotheca dos Auctores Russos.  São Paulo: Cultura, 1931.



    Judas Iscariotes. Tradução anônima [cópia da tradução de Selzoff/ Wanderley].
    Rio de Janeiro: Norte Editora, 1942.



     Judas Iscariotes. Tradução anônima [cópia da tradução de Selzoff/ Wanderley]. 
    Edições Colête. São Paulo: A Bolsa do Livro, 1944.



    O diário de Satanás. Tradução de Elias Davidovich. Rio de Janeiro: Renascença, 1933.


    “O médico louco”. In: Contos russos. Não localizei créditos de tradução. São Paulo: Pax, c. 1930.



    Os sete enforcados. Tradução de Georges Selzoff e Orígenes Lessa. Bibliotheca dos Auctores Russos.
     São Paulo: Cultura, 1932. Reed. in: Os russos: antigos e modernos 
    [porém indicando apenas Lessa nos créditos de tradução]. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.
    Devo essa preciosidade da imagem de capa a Saulo von Randow Jr.


    “Os sete enforcados”. In: Contos russos. Não localizei créditos de tradução. São Paulo: Pax, c. 1930.



    “Os sete enforcados”. In: 3 novelas russas. Tradução de José de Barros Pinto. 
    São Paulo: Flama, 1944.



    “Os sete enforcados”. In: Três novelas russas. “Tradução revista pelo departamento editorial” 
    [versão adulterada da tradução de Selzoff/ Lessa, Cultura, 1931]. 
    Coleção Grandes Romances Universais. São Paulo: W. M. Jackson, 1947. 



    “Por trás da janela”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia
    Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



    “Silêncio”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores
    Tradução de Enéias Marzano. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944. 


    “Uma flor espezinhada”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores
    2ª. série. Tradução de Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.


    Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950),









    COLEÇÃO BIBLIOTECA DO LEITOR MODERNO  
    EDITORA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA

    País
    Autor
    Obra
    Tradução
    Vol.
    Ano
    EUA
    Saroyan, William
    A comédia humana
    Alex Viany
    (EPASA, 1943)
    01
    1961
    China
    Yutang, Lin
    Uma folha na tempestade
    Ruth Lobato e Monteiro Lobato (Nacional, 1942, BEM 18)
    02
    1961
    EUA
    Burnett, W. R.
    O pequeno César
    Monteiro Lobato
    (Nacional, 1935)
    03
    1961
    Inglaterra
    Greene, Graham
    Um caso liquidado
    Brenno Silveira
    04
    1961
    Inglaterra
    Wells, H. G.
    O homem invisível
    Monteiro Lobato
    (Nacional, 1934)
    05
    1961
    Austrália
    West, Morris L.
    O advogado do diabo
    Brenno Silveira
    06
    1961
    Rússia
    Nabokov, Vladimir
    A verdadeira vida de Sebastião Knight
    Brenno Silveira
    07
    1961
    Inglaterra
    Waugh, Evelyn
    O bem amado
    Wilson Velloso
    08
    1961
    França
    Rochefort, Christiane
    O repouso do guerreiro
    [Luiz Carlos] Barreto Borges
    09
    1961
    Suíça
    Dürrenmatt, Friedrich
    A promessa
    Mário da Silva
    10
    1961
    França
    Sartre, Jean-Paul
    O muro
    H. Alcântara Silveira
    (I.P.E., 1948, Coleção Oceano; CB, 1957)
    11
    1961
    Itália/Cuba
    Céspedes, Alba de
    O caderno proibido
    Carla Inama de Queiroz
    12
    1962
    Itália/Cuba
    Céspedes, Alba de
    Ninguém volta atrás
    Augusto de Souza
    (I.P.E., 1947; Coleção Oceano, 5)
    13
    1962
    EUA
    Hersey, John
    Um seixo solitário
    Múcio Porphyrio Ferreira
    14
    1961
    Suíça
    Keller, Gottfried
    Sete lendas

    Paulo Rónai e Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira
    15
    1961
    Inglaterra
    Huxley, Aldous
    O gênio e a deusa
    João Guilherme Linke
    16
    1963
    Inglaterra
    Huxley, Aldous
    O macaco e a essência
    João Guilherme Linke
    17
    1961
    EUA
    Fitzgerald, F. Scott
    O grande Gatsby
    Brenno Silveira
    18
    1962
    EUA
    Fitzgerald, F. Scott
    Este lado do paraíso
    Brenno Silveira
    19
    1962
    EUA
    Fitzgerald, F. Scott
    Suave é a noite
    Lígia Junqueira
    20
    1964
    EUA
    James, Henry
    Outra volta do parafuso
    Brenno Silveira
    21
    1961
    França
    Philippe, Ch.-Louis
    Bubu de Montparnasse
    Newton Freitas
    22
    1962
    França
    Sartre, Jean-Paul
    A prostituta respeitosa
    Miroel Silveira
    23
    1961
    Portugal
    Castelo Branco, Camilo
    Cabeça, coração e estômago
    (escrito em português)
    24
    1961
    EUA
    Fitzgerald, F. Scott
    Seis contos da Era do Jazz
    Brenno Silveira
    25
    1962
    Inglaterra
    Maurier, Daphne du
    Rebecca
    Lígia Junqueira Caiuby e Monteiro Lobato
    (Nacional, 1940; BEM, 2)
    26
    1961
    Inglaterra
    Toynbee, Arnold J.
    Estudos de História Contemporânea
    Brenno Silveira e Luis de Senna
    27
    1961
    Argentina
    Sábato, Ernesto
    O túnel
    Noelini Souza
    28
    1961
    EUA
    Hemingway, Ernest
    Adeus às armas
    Monteiro Lobato
    (Nacional, 1942; BEM, 12)
    29
    1962
    Itália
    Malaparte, Curzio
    A pele
    Alexandre O’Neill
    (Livros do Brasil, 1960)
    30
    1962
    Austrália
    West, Morris L.
    Filha do silêncio
    Brenno Silveira
    31
    1962
    EUA
    Faulkner, William
    Os desgarrados
    Brenno Silveira
    32
    1963
    EUA
    Steinbeck, John
    O inverno da nossa desesperança
    Brenno Silveira
    33
    1963
    Itália
    Malaparte, Curzio
    Kaputt
    Mario e Celestino da Silva (Prometeu, 1943)
    34
    1963
    EUA
    Fitzgerald, F. Scott
    Belos e malditos
    Waltensir Dutra
    35
    1963
    Itália
    Arpino, Giovanni
    Um crime de honra
    Amélia Lo Presti Sparano
    36
    1963
    Inglaterra
    Waugh, Evelyn
    Malícia negra
    Helena Pessôa
    37
    1963
    Itália
    Pratolini, Vasco
    História de pobres amantes
    Carla Inama de Queirós
    38
    1963
    Alemanha
    Wassermann, Jakob
    O processo Maurizius
    Octavio de Faria e Adonias Filho (Fogos Cruzados, 67, José Olympio, 1946)
    39
    1963
    EUA
    Condon, Richard
    Uma infinidade de espelhos
    Elza Viany
    40
    1965
    EUA
    Lee, Harper
    O sol é para todos
    Maria Aparecida Moraes Rego
    41
    1963
    Inglaterra
    Huxley, Aldous
    As portas da percepção/ O céu e o inferno
    Oswaldo de Araújo Souza
    (CB, 1957)
    42
    1964
    Austrália
    West, Morris
    As sandálias do pescador
    Fernando de Castro Ferro
    43
    1963
    EUA
    Fast, Howard
    Poder
    Sylvio Monteiro
    44
    1964
    Alemanha
    Traven, B.
    O tesouro de Sierra Madre
    Fernando de Castro Ferro
    45
    1964
    Inglaterra
    Greene, Graham
    Uma sensação de realidade
    Fernando de Castro Ferro
    46
    1964
    Itália
    Arpino, Giovanni
    Um momento de ira
    Fátima de Souza
    47
    1964
    Inglaterra
    Huxley, Aldous
    A ilha
    Gisela Brigitte Laub
    48
    1964
    Inglaterra
    Greene, Graham
    É um campo de batalha
    Ruth Leão
    49
    1964
    Inglaterra
    Fowles, John
    O colecionador
    Fernando de Castro Ferro
    50
    1964
    Alemanha
    Traven, B.
    O barco da morte
    Fernando de Castro Ferro
    51
    1964
    EUA
    Rechy, John
    As cidades da noite
    Fernando Teles de Castro (pseud. de Fernando de Castro Ferro)
    52
    1964
    EUA
    Hemingway, Ernest
    O velho e o mar
    Fernando de Castro Ferro, revista por José Baptista da Luz (Livros do Brasil, 1954/ Lic. CB 1956)
    53
    1964
    EUA
    Morgan, Al
    O grande cartaz
    Elza e Alex Viany
    54
    1964
    Inglaterra
    Lawrence, D. H. (David Herbert)
    O amante de Lady Chatterley
    Rodrigo Richter
    (Minerva, 1938; CB, 1956)
    55
    1964
    Irlanda
    Joyce, James
    Dublinenses
    Hamilton Trevisan
    56
    1964
    Inglaterra
    Greene, Graham
    O crepúsculo de um romance
    Branca Maria de Queiroz Costa (CB, 1960)
    57
    1964
    Hungria
    Lukács, Georg
    Ensaios sobre literatura
    Leandro Konder, Carlos Nelson Coutinho e outros
    58
    1965
    Áustria
    Habe, Hans
    Tarnovska, a condessa libertina
    Leônidas Gontijo de Carvalho
    59
    1965
    EUA
    Hemingway, Ernest
    Contos de Hemingway
    A. Veiga Fialho [pseud.. Ênio Silveira]
    60
    1965
    Alemanha
    Traven, B.
    A rebelião dos torturados
    Carlos Alberto Oliveira Santos
    61
    1965
    Angola
    Santos Lima
    As sementes da liberdade
    (escrito em português)
    62
    1965
    Itália
    Arpino, Giovanni
    A sombra das colinas
    Não consta
    63
    1965
    Paraguai
    Roa Bastos, Augusto
    Filho do homem
    Marlene de Castro Correa
    64
    1965
    Hungria
    Móricz, Zsigmond
    Flor de abandono
    Geir Campos
    65
    1965
    EUA
    McCarthy
    O grupo
    Fernando de Castro Ferro
    66
    1965
    Alemanha
    Hesse, Hermann
    Sidarta
    Herbert Caro
    67
    1965
    Inglaterra
    Greene, Graham
    Bela e querida Inglaterra
    Lígia Junqueira
    68
    1963
    Alemanha
    Hesse, Hermann
    Demian
    Ivo Barroso
    69
    1965
    Líbano
    Gibran, Khalil
    Jesus, o filho do homem
    Mansour Challita
    70
    1965
    Líbano
    Gibran, Khalil
    O profeta
    Mansour Chalitta
    71
    1966
    Irlanda
    Joyce, James
    Ulisses
    Antonio Houaiss
    72
    1966
    EUA
    Hemingway, Ernest
    O sol também se levanta
    Berenice Xavier
    73
    1966
    EUA
    Mailer, Norman
    Um sonho americano
    Waltensir Dutra
    74
    1966
    EUA
    Mailer, Norman
    Cartas abertas ao presidente
    Leônidas Gontijo de Carvalho
    75
    1966
    Rússia
    Tolstoi, Aleksei Nikolaievich
    Duas irmãs (O caminho dos tormentos, vol. 1)
    Miguel Urbano Rodrigues
    76
    1966
    Rússia
    Tolstoi, Aleksei Nikolaievich
    O ano dezoito (O caminho dos tormentos, vol. 2)
    Miguel Urbano Rodrigues
    76-A
    1966
    Rússia
    Tolstoi, Aleksei Nikolaievich
    Manhã sombria (O caminho dos tormentos, vol. 3)
    Miguel Urbano Rodrigues
    76-B
    1966
    Romênia
    Sadoveanu, Mihail
    Contos de guerra
    Nelson Vainer e Lilia Freire
    77
    1966
    Inglaterra
    Greene, Graham
    Os comediantes
    Brenno Silveira
    78
    1966
    Irlanda
    Donleavy, J. P. (James Patrick)
    Sexta-feira triangular
    Mário Mascherpe
    79
    1967
    EUA
    Condon, Richard
    Um talento para o amor
    Elza Viany
    80
    1967
    EUA
    Burdick, Eugene
    O mistério de Nina
    Brenno Silveira
    81
    1967
    EUA
    McCarthy, Mary
    Dize-me com quem andas
    Roberto Pontual
    82
    1967
    EUA
    Hotchner, A. E.
    Papa Hemingway
    Brenno Silveira
    83
    1967
    EUA
    Hemingway, Ernest
    Paris é uma festa
    Ênio Silveira
    84
    1967
    Finlândia
    Waltari, Mika
    O romano
    José Laurênio de Melo
    85
    1967
    Rep. Tcheca
    Hasek, Jaroslav
    Aventuras do bravo soldado Schweik
    Dalton Boechat
    86
    1967
    EUA
    Purdy, James
    Os crimes de Cabot Wright
    Luís César Barroso
    87
    1967
    EUA
    Endore, Guy
    Sade: o santo diabólico
    Waltensir Dutra
    88
    1967
    EUA
    Baldwin, James
    Giovanni
    Affonso Blacheyre
    89
    1967
    Inglaterra
    Orwell, George
    Lutando na Espanha
    Affonso Blacheyre
    90
    1967
    EUA
    Trumbo, Dalton
    Uma arma para Johnny
    Elza Viany
    91
    1967
    EUA
    Mailer, Norman
    Canibais e cristãos
    Álvaro Cabral
    92
    1967
    EUA
    Fitzgerald, F. Scott
    O último magnata
    Roberto Pontual
    93
    1967
    EUA
    McCarthy, Mary
    Uma vida encantada
    Elza Viany
    94
    1967
    Alemanha
    Hesse, Hermann
    O lobo da estepe
    Ivo Barroso
    95
    1968
    Inglaterra
    Greene, Graham
    Empreste-nos seu marido
    José Laurênio de Melo
    96 
    1968
    Portugal
    Ferreira de Castro, José Maria
    O instinto supremo
    (escrito em português)
    (Guimarães Ed., 1968)
    96 
    1968
    EUA
    Levin, Ira
    A semente do diabo
    Cléo Marcondes Silveira
    97
    1968
    EUA
    Mailer, Norman
    Os nus e os mortos
    José Laurênio de Melo
    98
    1968
    EUA
    Hemingway, Ernest
    Ernest Hemingway, repórter: Vol. 1: Tempo de viver; Vol. 2: Tempo de morrer
    Álvaro Cabral
    99  e 99A
    1969
    Portugal
    Linhares, Temístocles (org.)
    Antologia do moderno conto português
    (escrito em português)
    99 
    1968
    Alemanha
    Hesse, Hermann
    Contos
    Angelina Peralva
    100
    1969
    Inglaterra
    Lewis, Norman
    Uma guerrinha sob medida
    Álvaro Cabral
    101
    1969
    Rep. Tcheca
    Kafka, Franz
    Metamorfose/O artista da fome/Na colônia penal
    Brenno Silveira/Eunice Duarte /Leandro Konder (Metamorfose, CB, 1956)
    102
    1969
    Inglaterra
    Huxley, Aldous
    O macaco e a essência
    João Guilherme Linke
    103 
    (17)
    1968
    Rússia
    Kuznetsov, Anatoly
    Bábi Iar
    Vera Newerowa/Dias da Costa
    103

    1969
    EUA
    Fitzgerald, F. Scott
    A derrocada e outros contos e textos autobiográficos
    Álvaro Cabral
    104
    1969
    Rússia
    Babel, Isaac
    A cavalaria vermelha
    Berenice Xavier