Tags:, , , ,
Search:, , , ,

Os netos gémeos da F. já nasceram, antes de tempo, ainda antes de completarem os 7 meses. Estão ali, agarrados à vida, a batalhar há três semanas. Cada etapa, cada conquista (e alguns percalços e muitas incertezas). Notava-se que estava muito combalida, preocupada, cansada e, após algum tempo, ficou com os olhos cheios de lágrimas, a voz a falhar. Não aguentou mais. Nem ela, nem eu. Dei-lhe um abraço e tentei passar-lhe força. Conheço muitos casos de sucesso. Muitos mesmo. Lembrei-me logo do caso do , que nasceram com meio quilo, e deste fantástico texto que publicámos . E é nesses casos que temos de pensar. Apesar de não ser fácil...

Hoje apercebi-me do sofrimento de avó. Sofre pelos filhos e pelos netos, sem poder estar sempre por perto. Sofre longe, com o coração lá.

Hoje apercebi-me de que passamos muitas vezes a gravidez fartinhas e ansiosas (nunca foi o meu caso, por acaso), mas nem pensamos bem no importante que é eles ficarem cá dentro mais tempo, até ao fim e no quão imaturos nascem, mesmo ao fim de 40, 41, 42 semanas. Nem nos lembramos da luta que muitas famílias travam quando isso não acontece. A incerteza, aquelas caixas, o colo que não podem dar a quem mais precisa, os tubos, as picadas, as aspirações, o regressar e ver uma casa vazia, o cansaço e o medo. O nascimento de um bebé devia ser sempre motivo para felicidade e não de dor e de medo da perda ou de sequelas.

Hoje apercebi-me de que não basta ficar aqui a sentir-me triste por estas famílias e por estes bebés. Há coisas a fazer para minimizar todo o sofrimento destas famílias.

  • Esta avó disse-me que o filho e a nora estão nas casas da (para quem não sabe são "casas longe de casa" para os familiares de crianças doentes, que precisam de cuidados permanentes ou ambulatório) - já tínhamos falado sobre a fundação e dado a conhecer como podemos contribuir:  ou com  como bonecas de pano, almofadas, peluches, estojos (agora para o regresso às aulas, por exemplo!).

  • Perguntei-lhe também se os netinhos já tinham os polvos, que são uns polvos feitos em croché, 100% algodão, de que os prematuros gostam muito, por ajudarem a simular o ambiente no útero, onde tinham o cordão umbilical e que os ajudam a sentirem-se mais seguros (parecem fazer aumentar os níveis de oxgénio no sangue). Já tinham e a avó tinha aliás ido comprar linha para enviar para que se pudessem fazer mais polvinhos para mais prematuros. Esta iniciativa é fantástica! Vejam aqui no grupo ou na página como podem colaborar, seja com material, seja a fazerem os próprios polvos. 
(Este projecto nasceu em 2013 na Dinamarca, projecto OCTO, 
que já distribuiu mais de 26 mil polvos!!!!).



 
Sigam-nos no instagram  
a mim também  e à outra Joana .
O nosso canal de youtube é .
Enviem-nos um mail  à vontade.







Já fui pôr o DIU. Tenho colegas tão novas que acharam que ia ser eu a metê-lo na casa de banho. Que queridas. Não, não fui eu a pôr. 

Fui à minha GO que é um amor de pessoa, super relaxada e tranquila, com sentido de humor e tudo. Não sei porquê, acho que a parte do sentido de humor também é importante numa ginecologista-obstetra. Nem que seja porque como me vê em situações que estou mesmo muito nervosa, sempre consegue fazer-me rir. Tive uma que não era assim e que tinha as unhas muito grandes. Ah! Além das unhas, tinha uma câmara para ver dentro de mim e cujo ecrã também estava visível para mim. Não sei porquê, mas dispenso. Dispensei. 

Para ver o meu pipi na televisão, ao menos que seja depois de ter passado um recibo verde a alguém. Assim, não. 

Fui. Estava nervosa. Quando entrei na sala, a médica já sabia porque a recepcionista já se tinha descosido toda (com boa intenção, claro). Depois de mais uma breve explicação de como iria tudo acontecer, lá me fui "pôr a jeito". Nunca será agradável estar naquelas camas. Aliás, agora faço tanto ginásio que o meu instinto ainda foi procurar pela barra olímpica para fazer uns pull ups (o meu PT se lesse isto iria ficar orgulhoso - só não lê, porque não sabe! - brincadeira!!! lê livros e tudo!).

Tirei só para vos mostrar.
Ahahah!
Depois do habitual afastamen... porque é que vos estou a contar isto? Bem, vamos lá ao que interessa: deu. Doeu ao ponto de me terem saído uns dois f* e de ter dito umas 40 vezes p*ta na cabeça. Parece que tenho o útero em itálico e o facto de estar amenorreica não me permitiu ir menstruada o que faria com que fosse tipo side and splash só que para dentro - do que percebi. 

Mesmo com um ben-u-ron no bucho, nada evitou que eu sentisse dor muito semelhante às contracções do parto. Não gostei e só isso me deu algum alento de que me estava a proteger contra isso mesmo de que estava a sentir. 

Depois de meia hora a sentir pena de mim própria, fui trabalhar a sentir aquelas dores chatas de período e às 8h da noite com outro bur no bicho já não senti nada. Hoje fui treinar e tudo. 

Durante 5 anos não tenho que me preocupar com o facto de estar dotada do poder de gestação e, segundo consta, vou andar com muita mais vontade de "ir aos treinos". Além de que estou curiosa para ver como reage o meu problema de pele na cara à "ausência" da pílula e, já agora, se me vai ajudar na minha emotividade toda com a comida. 

A ver quem é a Joana menos drogadinha com hormonas. Cuidado! 

PS (como se isto fosse uma carta, adoro as bloggers que escrevem posts como se fossem cartas e que cumprimentam a malta e se despedem no fim, imagino-as sempre a lamber a cola do envelope e a saírem com um ar gratificado do correio) - só me custou 30 e tal euros porque isto é altamente comparticipado. Parece-me uma boa opção para quem ande a pensar "mais filhos nos próximos anos não" como eu! 

:::::::::::::::::::
Sigam-nos no instagram  
a mim também 
O nosso canal de youtube é 






Já tinha estado em Paris com 11 anos, em família. As memórias que tinha da cidade fundiam-se com as inúmeras que me invadiram no Fabuloso Destino de Amelie, Antes do Anoitecer, entre tantos outros... Sabia que lá havia de voltar, não sabia que seria com a minha bebé de seis meses. "Vais levar a Luísa?" "Ou vamos as duas ou não vai nenhuma." Além de ser amamentada, não estamos minimamente preparadas para nos separarmos. E assim foi. Carrinho bengala, Boba, mantinha emprestada de pelinho que era para o carrinho mas que adaptei ao babywear, gorro e lá fomos nós passear pela cidade que ficará no meu coração para sempre. Encantadora!





Uma viagem a convite da  (e com o apoio da Selectour Afat) que me fez sair da minha zona de conforto, conhecer gente nova, conhecer as novidades de puericultura, dermocosmética e produtos para as mães no Carreu du Temple, trocar palavras com bloggers de Espanha e França (entre os 300 de vários países que lá estavam), a sentir-me uma e a ter cada vez mais certeza do poder impactante e influenciador dos blogues.

Adorei!

O hotel, o jantar de gala num barco ao longo do Sena, o evento onde pudemos ouvir a Magda do falar sobre parentalidade positiva (adorei a dica de partilharmos com os nossos filhos o que nos aconteceu ao longo do dia, em vez de só querermos saber deles, faz TODO O SENTIDO), os passeios pela cidade, a cama gigante que dividi com a Luísa (adoro camas de hotel), as novas tias bloggers que a minha filha ganhou... e a confusão no voo de regresso, em que a Luísa chorou desaustinada, foi um grão de areia para o bem que me/nos fez sair de Santarém e da rotina.

Obrigada à doce Virginie () pela simpatia e disponibilidade, uma anfitriã do melhor que há. Espero voltar a ver-vos para o ano!

Ó pra elas todas jeitosas!
A Francisca do , a Mariana do , a Carolina do F, a Ana do , a Catarina do , eu,
a Patrícia do , a Inês do a Magda do e a Patrícia do .
Ah! E falta aqui o  

----

Ler mais sobre a viagem a Paris:
A conhecer todas as novidades das marcas no Carreau du Temple

A rapar 3 graus e a rezar para não ficar com gripe ;)
O vestido lindo é da

E o  também.
O nosso canal de youtube é .










Tenho perfeita consciência de que estou numa situação muito mais fácil que a maior parte de vocês. Penso sempre no exemplo da Joana Paixão Brás que foi obrigada a ir trabalhar ainda tinha a Isabelinha 3 meses - que desumano, que falta de direitos incrível! A Joana falará sobre isso, mas acho que ela pairou por essa dificuldade sem se afundar, entrou em modo de sobrevivência, porque "tinha que ser". 

A minha história é muito diferente. Aliás, foi uma das coisas que também me fez sentir confortável em ter "já" a Irene: o pai é freelancer e poderia ficar com ela até ela ter uma idade em que ficássemos ambos mais confortáveis que ela fosse para a creche. Acabei por tirar um ano sem vencimento da rádio e fiquei um ano e meio com ela em casa. O pai ficou, faz esta quarta-feira, praticamente um ano. com ela desde as 9 da manhã até à hora do lanche. 

Ela vai aos dois anos e meio para a creche. Poderia ir mais tarde, mas a verdade é que noto que a Irene vai beneficiar e muito de ter alguém constantemente interessada na sua aprendizagem e desenvolvimento, além de já notar nela uma vontade de socialização e de consciência do outro. Não apenas numa de "olha um bebé, mãe", mas está a aprender regras e limites, a aprender a lidar com as pessoas, com o mundo. 

Estou muito feliz. Sei que os meus problemas são "não problemas" porque, mais uma vez, tenho consciência do quanto tantas vocês têm de largar filhos em berçários e de ir trabalhar a seguir. Para umas é libertador e pacífico, para outras é de uma agressividade extrema, como se lhes estivessem a dar pontapés no coração. Lamento que tenhamos que passar por isto. Lamento que não haja mais empresas que tenham condições para podermos levar as nossas crianças para o trabalho e para podermos continuar a fazer parte do dia delas como quando estamos em casa ou parecido. Lamento, lamento, lamento. 

Prometo que se um dia for dona de alguma coisa ou patroa de alguém que tentarei facilitar tudo no que puder até porque sei que uma mulher e mãe equilibrada é melhor do que alguém desfeito em frente a um computador (ou o que for). 



Sinto-me em paz com a ida para a creche. Estou feliz por ela estar afastada do iPad. Agora, enquanto estiver no trabalho, sei que está a sentir-se incluída num grupo que terá os mesmos gostos e que andará a fazer experiências novas todos os dias com os novos amigos e com a professora. Creio que a culpa de ter que a passear sempre que chegava a casa do trabalho vai acabar. Ela vai ter dias variados e repletos de novidades. É isto que quero para ela. Menos um peso para mim, mais felicidade para ela. 

O pai diz que ela não vai chorar quando formos embora. Eu acho que é provável que sim mas que, mesmo que chore, sabe que voltamos. É a sorte dela já ir "crescida" e a falar. Já lhe expliquei que a vamos deixar na escola e que depois "vamos trabalhar" e que depois da sesta a iríamos buscar. Ela parece entusiasmada. Também já lhe expliquei que será outra pessoa a mudar-lhe a fralda, que irá um dia experimentar a sanita como os amigos, que vai comer sozinha... Ela parece-me feliz com a ideia!

Que privilégio poder explicar-lhe que eu depois volto. Lembro-me do meu regresso ao trabalho ao final do tal ano e meio em que me ia embora e ela chorava muito. Porém, parava minutos depois, envia-me o Frederico numa mensagem. Choram porque não querem que nos ausentemos, mas não porque não querem ficar no sítio onde estão.

Sonho com o dia em que a Irene chore porque não quer sair da escola. É isso que pretendo. É esse o meu objectivo. 

Uma curiosidade engraçada? Uma leitora do blogue tem-me ajudado muito a tirar monstros da cabeça. Quando fui à reunião com a educadora, ela estava a ir buscar a filha e reconheceu-me. Já tenho uma bff na creche que muito irei estimar e que, além disso, tem uma filha muuuito querida e que irá fazer as delícias da Irene. 

A Irene já me pode contar tudo o que fizer na creche. Acho que isso também contribui para que eu ande a conseguir dormir, apesar de já ter tido um pesadelo ou outro em que obviamente é o meu cérebro a processar esta "separação". 

Para vocês, mães, que estão tão assustadas que nem conseguem ver uma maneira das coisas correrem bem... Não consigo dizer-vos nada que vos ajude. Só que imensas já passaram por isso e ainda cá estão e que estão bem agora. Adorava poder abraçar-vos uma a uma porque... as mães também precisam de colo...

Força!






Olhem, fiquei espantada comigo própria. Até diria chocada. Aliás, vou dizer: chocada! 

Nunca me considerei uma pessoa muito ciumenta, sou apenas muito rígida nalgumas das minhas opiniões - demoro mais tempo a ouvir e a considerar mas, quando mudo de opinião, não tenho vergonha de dizer. 

Neste assunto, porém, ainda não consigo ser muito flexível: quando toda a gente sabe que existem regras e decidem não as cumprir, não podemos agir como se tal fosse normal.



Vou ser mais directa: ciúmes, ex-namoradas, etc. 

Quando uma ex-namorada entra em contacto com o ex-respectivo, sendo que este está numa nova relação e não existe nenhum motivo para manter contacto, é porque está a pedir estrilhinho. Se não estiver, pelo menos estará a fazê-lo sabendo que corre esse risco. Não me venham dizer que há mulheres que falam com ex-namorados (fora situações excepcionais em que são todos amigos, etc) e que não têm ideia de que tal possa vir a causar alguma coisa. É sempre uma escolha. E quando escolhem estar-se a borrifar, fico cheia de calores. Não é pelos ciúmes, é porque sinto falta de respeito. Acho que não devíamos ser porcalhotas umas para as outras e devíamos facilitar a vida de todos. Ninguém gosta que as ex se metam ao barulho, para quê fazer aos outros... blá, blá.

Acreditem que não tem (tenho mesmo quase a certeza que não) que ver com insegurança. É só porque sinto que há má vontade e desconsideração. Não por mim em concreto porque, em princípio, não serei conhecida da fêmea anterior, mas pelo meu género, por nós próprias.

Não vivo naquele mundo perfeito em que todos devamos e possamos ser amigos uns dos outros.

Aliás, não imagino motivo algum pelo qual deva manter na minha vida uma pessoa com a qual a única ligação que tenho a priori é saber mais coisas que eu sobre a pessoa de quem gosto. 

Não deu? Siga. Todos. 

É esta a minha perspectiva, mas tal só é possível se toda a gente ficar muito bem resolvida e conversada e tal depende muito da maturidade de cada um. 

Posto isto, sempre que vinha à baila alguma coisa que pudesse não ter que ver comigo tipo: 

A - Já viemos almoçar aqui.
B - Nope.
A - Não te lembras? 
B - Não foi comigo.


C - Vimos este filme e gostaste muito.
D - Nope.
C - Vimos, vimos, no El Corte Inglés.
D - Nunca fui ao El Corte Inglés na vida.


Nestes casos, eu não conseguia ficar calada e ia até à ultima das consequências para saber quem onde porquê e quanto (ahah brincadeira). 

Agora já me estou a borrifar. Quatro anos depois ou lá o que é, nem é pela maturidade da relação, creio ser pela minha. 

No entanto, não estava à espera desta.

Fomos ao hipermercado no outro dia e, quando estava a escolher o meu champô, ele disse: "compra este, adoro o cheiro, é dos melhores e cheira mesmo quando o cabelo está seco, é o meu preferido.".

Eu pensei: "olha que fofo, ele a escolher o meu champô, vou levar este para ele ficar contente". 

E fomos para as fraldas. De repente saiu-me "eish, nem te perguntei quem usava o champô!". E a verdade era essa. Já não importa. Quero lá saber qual das outras usava que champô, o meu marido gosta daquele cheiro, não me importo de usar. Passa a ser o champô da esposa. F*ck you b*tches - sim, aquela maturidade de que falei haha.

Estou orgulhosa de mim. Não que tenha feito algum esforço neste sentido, mas chegar a este patamar é mesmo sinónimo de quem está bem com a vida. Eu estou e até uso o champô dela, seja ela qual for ou quem for.

Agora... não escrevi a marca do champô não vá a moça ler isto e ficar contente. 

Estamos bem, mas não estamos parvas ;)



Sigam-nos no instragram 
E a mim também ;) 






A Isabel vai ser menina das alianças, juntamente com a Vitória, uma menina mais velha. Já as estou a imaginar, de mãos dadas, quais princesas sorridentes e eu a chorar baba e ranho com tudo aquilo. Choro em todos os casamentos. Todos. Então este... este vai ser especial. 

O que vai muito provavelmente acontecer: a Isabel sair disparada a correr na nossa direcção e ser a Vitória a tratar do resto. E aí vou rir-me, vai ter piada.

O vestidinho chegou ontem, já fizemos a prova e ficou um amor, com o laço para o cabelo a condizer!






Vestido -

Tenho de ver se até lá aprendo a fazer um laço de jeito (e tem de ser passado a ferro, eu sei hehe)






Nem a propósito. Parece que tenho um dedo que adivinha ou sei ler nos búzios. Ontem escrevi isto (), referindo-me mais à parte estética da escoliose e da minha postura. Mas o que vos tenho a dizer, minhas amigas, é que isto pode dar dores do demo!!! 

Passei a noite toda a chorar, com dores na zona da omoplata, do ombro e que me apanhava o braço todo até ao pulso (agora parecia mesmo uma velhota a falar). De vez em quando tinha descargas eléctricas pelo braço fora. HORRÍVEL! Só me fez lembrar um episódio de ciática quando estava grávida em que parecia que me ia "descadeirar" toda. Ainda por cima não tinha Voltaren em casa, tive de me enfrascar em Spidifen. As dores eram tantas que nem pensei e pus, mesmo com o David a dizer-me que não seria boa ideia, botijas de água quente nas costas, para aliviar momentaneamente e conseguir dormitar. ERRADO! Apesar de aliviar na hora, aumenta a inflamação. Deve colocar-se antes uma toalha molhada fria (espremida) a forrar uma botija de água quente para fazer um "quente húmido".

Não aguentei e já fui a um fisioterapeuta que me viu, além das contraturas enormes, duas vértebras torácicas deslocadas e uma cervical também deslocada (e pô-las no lugar). Disse que a região estava toda inflamada e que não me iria desfazer já as contraturas, só depois de passar a inflamação. Deu-me uns choques eléctricos, fez-me uma massagem com anti-inflamatórios e marcámos novo encontro para a semana.

Conselhos: 
 
- ir ao ortopedista, fazer Raio-x, e ter credencial para fazer fisioterapia

- fazer massagem pelo menos uma vez por mês (e não confundir com as massagens de SPA)

- fazer pilates e/ou ioga

- quando estou em frente ao computador, pôr uma caixa de sapatos ou algo dessa altura debaixo dos pés para me obrigar a endireitar as costas

- fazer coisas tão simples como espreguiçar-me várias vezes ao dia (para arranjar espaço entre as vértebras e lubrificar as articulações) 

- encostar-me de costas à parede, com os calcanhares colados à parede e ficar assim direita uns segundos, respirando fundo

- alongar o corpo algumas vezes ao dia, respirando fundo, sobretudo depois de dar colo, dar banho e tarefas que impliquem esforço nas costas


PALAVRAS QUE FICARAM A ECOAR NA MINHA CABEÇA:

Não posso "deixar isto neste estado", sou "demasiado nova para estar assim" e que "estas dores se vão repetir muitas vezes se não eu fizer nada". 

Era mesmo deste estalo na cara que eu precisava. Escrevo-vos ainda cheia de dores e aviso-vos já que não são levezinhas. Por isso, se estão neste estado (muitas de vocês responderam a dizer que estavam iguais), vão tratar de vocês, não se deixem chegar a este ponto em que chorei mais do que com as contracções mais fortes (daquelas que marcavam 127) do parto.







O César Mourão é um dos grandes. Ator e mestre no improviso, mas também apresentador, cantor: não há nadinha que ele faça que não saia bem feito. Até a filha. (Juro que ele não me subornou para dizer estas coisas nem eu ganho nadinha, até porque a entrevista já está feita. Hehe) 
O a Mãe é que sabe abre agora espaço aos pais e quer respostas rápidas a perguntas rápidas. Até porque eles não têm pachorra para falar sobre cocós e coisas que tais mais de 5 segundos seguidos. Vamos a isso!


1) primeira coisa que disseste quando soubeste que ias ser pai: "f*«4-se!", "a sério?", "e agora?" ou "que bom!"?
Acho que disse todas mas pela ordem inversa!

2) última coisa de que te despediste antes de ser pai
Do meu coração, passou a ser dela e a bater-me fora do peito


3) primeira coisa que disseste quando a Mariana nasceu

Perguntei à mãe se estava bem e disse-lhe que a Mariana era linda

4) trocaste muitas fraldas? Com mola no nariz ou sem?
Muitas e sem mola ;) mas sempre em pânico de a magoar

5) melhor coisa que a tua filha já te disse
Que me ama


6) e a pior coisa que já sentiste enquanto pai
Qualquer doença da Mariana

7) és bom pai em quê? (não vale dizer em tudo!)
Acho que sou bom pai na logística do dia a dia e no companheirismo com ela

8) em 2025, um marmanjo está à porta para sair com a tua filha. O que é que lhe dizes?
Ela não está, emigrou ;)


9) maior medo (que ela seja do Benfica?)
Que não seja inteligente (acabo por responder)

10) coisa mais irritante que os pais fazem
Tratar os filhos com demasiada infantilidade


11) o que juraste que nunca farias enquanto pai que afinal até fazes
Ir imediatamente acudir em pânico depois de uma simples queda

12) a mãe é que sabe? (muito cuidadinho...)
A mãe é que sente

Obrigada!






Ou desce... Como se diz não é para aqui chamado...

O que é para aqui chamado é que dói, pra chuchu!!! E isto para não dizer uma asneira daquelas! Das que começa com C e acaba no refogado.
Acho que a descida do leite (vou chamar-lhe assim porque me explicaram que tem mais lógica, uma vez que as glândulas que produzem leite começam junto às axilas e descem até ao mamilo - afinal era para aqui chamado sim...), a seguir ao parto (e aí nem posso dizer grande coisa, visto que só tive umas 2 horas de contracções a sério antes da epidural e depois fui para cesariana), é das dores mais horrorosas que uma mulher pode ter. E acho também que não estamos devidamente preparadas para tal acontecimento. Tudo bem, sabemos que vai acontecer, que vai doer, que as mamas vão ficar duras e tal. Mas nunca ninguém nos diz que vão ser dores daquelas em que suplicamos para nos darem alguma coisa para que parem.

Presumo que seja assim com a maioria das mulheres, mas no meu caso, de uma hora para a outra, as minhas mamas triplicaram de tamanho, ficaram rijas que nem pedras e a ferver! Eu sabia do curso de preparação para o parto, e na altura também os enfermeiros me disseram, que devia fazer massagens, que o bebé devia mamar (o que no meu caso também não dava muito jeito, uma vez que ele estava na incubadora da neonatologia e não sabia mamar um chavelho), e que o desconforto ia passar. O tanas!!! Foi uma noite inteira em que não dormi. Tinha de tirar leite com a bomba, ou um caganitogésimo de gota que foi o que aconteceu, e massagens nem vê-las, que só de tocar nas mamas só me apetecia gritar. E depois na minha ala ter um enfermeiro (homem) a dizer-me que não podia pôr gelo porque isto e porque aquilo e que tinha de aguentar também não abonou a favor da minha boa disposição. A minha vontade era dizer-lhe "Vá-se f****, o senhor não sabe um c****** daquilo que eu e as outras mulheres estamos a passar porque é homem!!! Por isso não me venha dizer o que eu tenho ou não tenho de aguentar!!!". Coitado, não tinha culpa, mas foi o que senti...

Portanto, senhores que fazem os cursos de preparação para o parto e malta das maternidades, é mesmo para assustar! Não chega dizerem que vai ser muito desconfortável. O melhor mesmo é serem directos e dizerem que vai doer horrores, porque assim ao menos não vamos enganadas.



codigo dessa postagem para Site & blogs em codigo html5




As 10 ultimas Paginas adicionadas
As 10 ultimas Paginas adicionadas


0





ul { list-style-type: none; margin: 0; padding: 0; overflow: hidden; background-color: #333; } li { float: left; } li a { display: block; color: white; text-align: center; padding: 14px 16px; text-decoration: none; } li a:hover:not(.active) { background-color: #111; } .active { background-color: #4CAF50; } DMCA report abuse Home Todas Pastas Auto Post sitemap Blog "Sem Imagens" oLink xxx var ad_idzone = "1877044", ad_width = "728", ad_height = "90"; Chorei com aquela avó de prematuros. Tags:#mais, #aqui, #para, #esta, Search:mais, aqui, para, esta, Os netos gémeos da F. já nasceram, antes de tempo, ainda antes de completarem os 7 meses. Estão ali, agarrados à vida, a batalhar há três semanas. Cada etapa, cada conquista (e alguns percalços e muitas incertezas). Notava-se que estava muito combalida, preocupada, cansada e, após algum tempo, ficou com os olhos cheios de lágrimas, a voz a falhar. Não aguentou mais. Nem ela, nem eu. Dei-lhe um abraço e tentei passar-lhe força. Conheço muitos casos de sucesso. Muitos mesmo. Lembrei-me logo do caso do Nós e as Marias, que nasceram com meio quilo, e deste fantástico texto que publicámos aqui. E é nesses casos que temos de pensar. Apesar de não ser fácil...Hoje apercebi-me do sofrimento de avó. Sofre pelos filhos e pelos netos, sem poder estar sempre por perto. Sofre longe, com o coração lá.Hoje apercebi-me de que passamos muitas vezes a gravidez fartinhas e ansiosas (nunca foi o meu caso, por acaso), mas nem pensamos bem no importante que é eles ficarem cá dentro mais tempo, até ao fim e no quão imaturos nascem, mesmo ao fim de 40, 41, 42 semanas. Nem nos lembramos da luta que muitas famílias travam quando isso não acontece. A incerteza, aquelas caixas, o colo que não podem dar a quem mais precisa, os tubos, as picadas, as aspirações, o regressar e ver uma casa vazia, o cansaço e o medo. O nascimento de um bebé devia ser sempre motivo para felicidade e não de dor e de medo da perda ou de sequelas.Hoje apercebi-me de que não basta ficar aqui a sentir-me triste por estas famílias e por estes bebés. Há coisas a fazer para minimizar todo o sofrimento destas famílias.Esta avó disse-me que o filho e a nora estão nas casas da Fundação Ronald Macdonald (para quem não sabe são "casas longe de casa" para os familiares de crianças doentes, que precisam de cuidados permanentes ou ambulatório) - já tínhamos falado sobre a fundação aqui e dado a conhecer como podemos contribuir: financeiramente ou com presentes solidários como bonecas de pano, almofadas, peluches, estojos (agora para o regresso às aulas, por exemplo!).Perguntei-lhe também se os netinhos já tinham os polvos, que são uns polvos feitos em croché, 100% algodão, de que os prematuros gostam muito, por ajudarem a simular o ambiente no útero, onde tinham o cordão umbilical e que os ajudam a sentirem-se mais seguros (parecem fazer aumentar os níveis de oxgénio no sangue). Já tinham e a avó tinha aliás ido comprar linha para enviar para que se pudessem fazer mais polvinhos para mais prematuros. Esta iniciativa é fantástica! Vejam aqui no grupo Polvo de Amor ou na página Migos como podem colaborar, seja com material, seja a fazerem os próprios polvos.  (Este projecto nasceu em 2013 na Dinamarca, projecto OCTO, que já distribuiu mais de 26 mil polvos!!!!).Nós e as Marias♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡  Sigam-nos no instagram aqui e a mim também aqui e à outra Joana aqui.O nosso canal de youtube é este.Enviem-nos um mail ✉ à vontade. aDIU aDIU! Já fui pôr o Diu! Já fui pôr o DIU. Tenho colegas tão novas que acharam que ia ser eu a metê-lo na casa de banho. Que queridas. Não, não fui eu a pôr. Fui à minha GO que é um amor de pessoa, super relaxada e tranquila, com sentido de humor e tudo. Não sei porquê, acho que a parte do sentido de humor também é importante numa ginecologista-obstetra. Nem que seja porque como me vê em situações que estou mesmo muito nervosa, sempre consegue fazer-me rir. Tive uma que não era assim e que tinha as unhas muito grandes. Ah! Além das unhas, tinha uma câmara para ver dentro de mim e cujo ecrã também estava visível para mim. Não sei porquê, mas dispenso. Dispensei. Para ver o meu pipi na televisão, ao menos que seja depois de ter passado um recibo verde a alguém. Assim, não. Fui. Estava nervosa. Quando entrei na sala, a médica já sabia porque a recepcionista já se tinha descosido toda (com boa intenção, claro). Depois de mais uma breve explicação de como iria tudo acontecer, lá me fui "pôr a jeito". Nunca será agradável estar naquelas camas. Aliás, agora faço tanto ginásio que o meu instinto ainda foi procurar pela barra olímpica para fazer uns pull ups (o meu PT se lesse isto iria ficar orgulhoso - só não lê, porque não sabe! - brincadeira!!! lê livros e tudo!).Tirei só para vos mostrar.Ahahah!Depois do habitual afastamen... porque é que vos estou a contar isto? Bem, vamos lá ao que interessa: deu. Doeu ao ponto de me terem saído uns dois f* e de ter dito umas 40 vezes p*ta na cabeça. Parece que tenho o útero em itálico e o facto de estar amenorreica não me permitiu ir menstruada o que faria com que fosse tipo side and splash só que para dentro - do que percebi. Mesmo com um ben-u-ron no bucho, nada evitou que eu sentisse dor muito semelhante às contracções do parto. Não gostei e só isso me deu algum alento de que me estava a proteger contra isso mesmo de que estava a sentir. Depois de meia hora a sentir pena de mim própria, fui trabalhar a sentir aquelas dores chatas de período e às 8h da noite com outro bur no bicho já não senti nada. Hoje fui treinar e tudo. Durante 5 anos não tenho que me preocupar com o facto de estar dotada do poder de gestação e, segundo consta, vou andar com muita mais vontade de "ir aos treinos". Além de que estou curiosa para ver como reage o meu problema de pele na cara à "ausência" da pílula e, já agora, se me vai ajudar na minha emotividade toda com a comida. A ver quem é a Joana menos drogadinha com hormonas. Cuidado! PS (como se isto fosse uma carta, adoro as bloggers que escrevem posts como se fossem cartas e que cumprimentam a malta e se despedem no fim, imagino-as sempre a lamber a cola do envelope e a saírem com um ar gratificado do correio) - só me custou 30 e tal euros porque isto é altamente comparticipado. Parece-me uma boa opção para quem ande a pensar "mais filhos nos próximos anos não" como eu! :::::::::::::::::::Sigam-nos no instagram aqui e a mim também aqui. O nosso canal de youtube é este. De Santarém para... PARIS! Já tinha estado em Paris com 11 anos, em família. As memórias que tinha da cidade fundiam-se com as inúmeras que me invadiram no Fabuloso Destino de Amelie, Antes do Anoitecer, entre tantos outros... Sabia que lá havia de voltar, não sabia que seria com a minha bebé de seis meses. "Vais levar a Luísa?" "Ou vamos as duas ou não vai nenhuma." Além de ser amamentada, não estamos minimamente preparadas para nos separarmos. E assim foi. Carrinho bengala, Boba, mantinha emprestada de pelinho que era para o carrinho mas que adaptei ao babywear, gorro e lá fomos nós passear pela cidade que ficará no meu coração para sempre. Encantadora!Uma viagem a convite da Parole de Mamans (e com o apoio da Selectour Afat) que me fez sair da minha zona de conforto, conhecer gente nova, conhecer as novidades de puericultura, dermocosmética e produtos para as mães no Carreu du Temple, trocar palavras com bloggers de Espanha e França (entre os 300 de vários países que lá estavam), a sentir-me uma Efluent e a ter cada vez mais certeza do poder impactante e influenciador dos blogues.Adorei!O hotel, o jantar de gala num barco ao longo do Sena, o evento onde pudemos ouvir a Magda do Mum's the Boss falar sobre parentalidade positiva (adorei a dica de partilharmos com os nossos filhos o que nos aconteceu ao longo do dia, em vez de só querermos saber deles, faz TODO O SENTIDO), os passeios pela cidade, a cama gigante que dividi com a Luísa (adoro camas de hotel), as novas tias bloggers que a minha filha ganhou... e a confusão no voo de regresso, em que a Luísa chorou desaustinada, foi um grão de areia para o bem que me/nos fez sair de Santarém e da rotina. Obrigada à doce Virginie (Maman Double) pela simpatia e disponibilidade, uma anfitriã do melhor que há. Espero voltar a ver-vos para o ano! Ó pra elas todas jeitosas! A Francisca do Maisena, a Mariana do Aos Pares, a Carolina do Família 3 e 1/2 , a Ana do Cacomae, a Catarina do Ties, eu, a Patrícia do Marcas Avant-Garde, a Inês do Eu, Mãe, a Magda do Mum's the boss e a Patrícia do Crónicas da Maternidade. Ah! E falta aqui o Daddy blogger ----Ler mais sobre a viagem a Paris:O pedido de conselhos - Vou a Paris (com uma bebé de 5 meses)?!?!  O look de gala - Uh la laOs Seis meses  da Luísa celebrados em Paris O regresso a casa e à Isabelinha - Voltar para elaA conhecer todas as novidades das marcas no Carreau du TempleA rapar 3 graus e a rezar para não ficar com gripe ;) O vestido lindo é da Chic by ChoiceSigam-me no instagram @JoanaPaixaoBras (muitas fotos em Paris) E o @aMaeequesabe também.O nosso canal de youtube é este. A Irene vai pela primeira vez à creche na quinta-feira. Tenho perfeita consciência de que estou numa situação muito mais fácil que a maior parte de vocês. Penso sempre no exemplo da Joana Paixão Brás que foi obrigada a ir trabalhar ainda tinha a Isabelinha 3 meses - que desumano, que falta de direitos incrível! A Joana falará sobre isso, mas acho que ela pairou por essa dificuldade sem se afundar, entrou em modo de sobrevivência, porque "tinha que ser". A minha história é muito diferente. Aliás, foi uma das coisas que também me fez sentir confortável em ter "já" a Irene: o pai é freelancer e poderia ficar com ela até ela ter uma idade em que ficássemos ambos mais confortáveis que ela fosse para a creche. Acabei por tirar um ano sem vencimento da rádio e fiquei um ano e meio com ela em casa. O pai ficou, faz esta quarta-feira, praticamente um ano. com ela desde as 9 da manhã até à hora do lanche. Ela vai aos dois anos e meio para a creche. Poderia ir mais tarde, mas a verdade é que noto que a Irene vai beneficiar e muito de ter alguém constantemente interessada na sua aprendizagem e desenvolvimento, além de já notar nela uma vontade de socialização e de consciência do outro. Não apenas numa de "olha um bebé, mãe", mas está a aprender regras e limites, a aprender a lidar com as pessoas, com o mundo. Estou muito feliz. Sei que os meus problemas são "não problemas" porque, mais uma vez, tenho consciência do quanto tantas vocês têm de largar filhos em berçários e de ir trabalhar a seguir. Para umas é libertador e pacífico, para outras é de uma agressividade extrema, como se lhes estivessem a dar pontapés no coração. Lamento que tenhamos que passar por isto. Lamento que não haja mais empresas que tenham condições para podermos levar as nossas crianças para o trabalho e para podermos continuar a fazer parte do dia delas como quando estamos em casa ou parecido. Lamento, lamento, lamento. Prometo que se um dia for dona de alguma coisa ou patroa de alguém que tentarei facilitar tudo no que puder até porque sei que uma mulher e mãe equilibrada é melhor do que alguém desfeito em frente a um computador (ou o que for). Sinto-me em paz com a ida para a creche. Estou feliz por ela estar afastada do iPad. Agora, enquanto estiver no trabalho, sei que está a sentir-se incluída num grupo que terá os mesmos gostos e que andará a fazer experiências novas todos os dias com os novos amigos e com a professora. Creio que a culpa de ter que a passear sempre que chegava a casa do trabalho vai acabar. Ela vai ter dias variados e repletos de novidades. É isto que quero para ela. Menos um peso para mim, mais felicidade para ela. O pai diz que ela não vai chorar quando formos embora. Eu acho que é provável que sim mas que, mesmo que chore, sabe que voltamos. É a sorte dela já ir "crescida" e a falar. Já lhe expliquei que a vamos deixar na escola e que depois "vamos trabalhar" e que depois da sesta a iríamos buscar. Ela parece entusiasmada. Também já lhe expliquei que será outra pessoa a mudar-lhe a fralda, que irá um dia experimentar a sanita como os amigos, que vai comer sozinha... Ela parece-me feliz com a ideia!Que privilégio poder explicar-lhe que eu depois volto. Lembro-me do meu regresso ao trabalho ao final do tal ano e meio em que me ia embora e ela chorava muito. Porém, parava minutos depois, envia-me o Frederico numa mensagem. Choram porque não querem que nos ausentemos, mas não porque não querem ficar no sítio onde estão.Sonho com o dia em que a Irene chore porque não quer sair da escola. É isso que pretendo. É esse o meu objectivo. Uma curiosidade engraçada? Uma leitora do blogue tem-me ajudado muito a tirar monstros da cabeça. Quando fui à reunião com a educadora, ela estava a ir buscar a filha e reconheceu-me. Já tenho uma bff na creche que muito irei estimar e que, além disso, tem uma filha muuuito querida e que irá fazer as delícias da Irene. A Irene já me pode contar tudo o que fizer na creche. Acho que isso também contribui para que eu ande a conseguir dormir, apesar de já ter tido um pesadelo ou outro em que obviamente é o meu cérebro a processar esta "separação". Para vocês, mães, que estão tão assustadas que nem conseguem ver uma maneira das coisas correrem bem... Não consigo dizer-vos nada que vos ajude. Só que imensas já passaram por isso e ainda cá estão e que estão bem agora. Adorava poder abraçar-vos uma a uma porque... as mães também precisam de colo...Força!Zero que ver com maternidade. Olhem, fiquei espantada comigo própria. Até diria chocada. Aliás, vou dizer: chocada! Nunca me considerei uma pessoa muito ciumenta, sou apenas muito rígida nalgumas das minhas opiniões - demoro mais tempo a ouvir e a considerar mas, quando mudo de opinião, não tenho vergonha de dizer. Neste assunto, porém, ainda não consigo ser muito flexível: quando toda a gente sabe que existem regras e decidem não as cumprir, não podemos agir como se tal fosse normal.Vou ser mais directa: ciúmes, ex-namoradas, etc. Quando uma ex-namorada entra em contacto com o ex-respectivo, sendo que este está numa nova relação e não existe nenhum motivo para manter contacto, é porque está a pedir estrilhinho. Se não estiver, pelo menos estará a fazê-lo sabendo que corre esse risco. Não me venham dizer que há mulheres que falam com ex-namorados (fora situações excepcionais em que são todos amigos, etc) e que não têm ideia de que tal possa vir a causar alguma coisa. É sempre uma escolha. E quando escolhem estar-se a borrifar, fico cheia de calores. Não é pelos ciúmes, é porque sinto falta de respeito. Acho que não devíamos ser porcalhotas umas para as outras e devíamos facilitar a vida de todos. Ninguém gosta que as ex se metam ao barulho, para quê fazer aos outros... blá, blá.Acreditem que não tem (tenho mesmo quase a certeza que não) que ver com insegurança. É só porque sinto que há má vontade e desconsideração. Não por mim em concreto porque, em princípio, não serei conhecida da fêmea anterior, mas pelo meu género, por nós próprias.Não vivo naquele mundo perfeito em que todos devamos e possamos ser amigos uns dos outros.Aliás, não imagino motivo algum pelo qual deva manter na minha vida uma pessoa com a qual a única ligação que tenho a priori é saber mais coisas que eu sobre a pessoa de quem gosto. Não deu? Siga. Todos. É esta a minha perspectiva, mas tal só é possível se toda a gente ficar muito bem resolvida e conversada e tal depende muito da maturidade de cada um. Posto isto, sempre que vinha à baila alguma coisa que pudesse não ter que ver comigo tipo: A - Já viemos almoçar aqui.B - Nope.A - Não te lembras? B - Não foi comigo.C - Vimos este filme e gostaste muito.D - Nope.C - Vimos, vimos, no El Corte Inglés.D - Nunca fui ao El Corte Inglés na vida.Nestes casos, eu não conseguia ficar calada e ia até à ultima das consequências para saber quem onde porquê e quanto (ahah brincadeira). Agora já me estou a borrifar. Quatro anos depois ou lá o que é, nem é pela maturidade da relação, creio ser pela minha. No entanto, não estava à espera desta.Fomos ao hipermercado no outro dia e, quando estava a escolher o meu champô, ele disse: "compra este, adoro o cheiro, é dos melhores e cheira mesmo quando o cabelo está seco, é o meu preferido.".Eu pensei: "olha que fofo, ele a escolher o meu champô, vou levar este para ele ficar contente". E fomos para as fraldas. De repente saiu-me "eish, nem te perguntei quem usava o champô!". E a verdade era essa. Já não importa. Quero lá saber qual das outras usava que champô, o meu marido gosta daquele cheiro, não me importo de usar. Passa a ser o champô da esposa. F*ck you b*tches - sim, aquela maturidade de que falei haha.Estou orgulhosa de mim. Não que tenha feito algum esforço neste sentido, mas chegar a este patamar é mesmo sinónimo de quem está bem com a vida. Eu estou e até uso o champô dela, seja ela qual for ou quem for.Agora... não escrevi a marca do champô não vá a moça ler isto e ficar contente. Estamos bem, mas não estamos parvas ;)Sigam-nos no instragram @aMãeequesabeE a mim também ;) @JoanaGamaJá chegou o vestido da menina das alianças! A Isabel vai ser menina das alianças, juntamente com a Vitória, uma menina mais velha. Já as estou a imaginar, de mãos dadas, quais princesas sorridentes e eu a chorar baba e ranho com tudo aquilo. Choro em todos os casamentos. Todos. Então este... este vai ser especial. O que vai muito provavelmente acontecer: a Isabel sair disparada a correr na nossa direcção e ser a Vitória a tratar do resto. E aí vou rir-me, vai ter piada. O vestidinho chegou ontem, já fizemos a prova e ficou um amor, com o laço para o cabelo a condizer!Vestido - C and F newbornsTenho de ver se até lá aprendo a fazer um laço de jeito (e tem de ser passado a ferro, eu sei hehe)Afinal estou mesmo toda f*%7p# das costas!!! Nem a propósito. Parece que tenho um dedo que adivinha ou sei ler nos búzios. Ontem escrevi isto (Estou mais corcunda que o outro da Disney), referindo-me mais à parte estética da escoliose e da minha postura. Mas o que vos tenho a dizer, minhas amigas, é que isto pode dar dores do demo!!! Passei a noite toda a chorar, com dores na zona da omoplata, do ombro e que me apanhava o braço todo até ao pulso (agora parecia mesmo uma velhota a falar). De vez em quando tinha descargas eléctricas pelo braço fora. HORRÍVEL! Só me fez lembrar um episódio de ciática quando estava grávida em que parecia que me ia "descadeirar" toda. Ainda por cima não tinha Voltaren em casa, tive de me enfrascar em Spidifen. As dores eram tantas que nem pensei e pus, mesmo com o David a dizer-me que não seria boa ideia, botijas de água quente nas costas, para aliviar momentaneamente e conseguir dormitar. ERRADO! Apesar de aliviar na hora, aumenta a inflamação. Deve colocar-se antes uma toalha molhada fria (espremida) a forrar uma botija de água quente para fazer um "quente húmido".Não aguentei e já fui a um fisioterapeuta que me viu, além das contraturas enormes, duas vértebras torácicas deslocadas e uma cervical também deslocada (e pô-las no lugar). Disse que a região estava toda inflamada e que não me iria desfazer já as contraturas, só depois de passar a inflamação. Deu-me uns choques eléctricos, fez-me uma massagem com anti-inflamatórios e marcámos novo encontro para a semana. Conselhos:   - ir ao ortopedista, fazer Raio-x, e ter credencial para fazer fisioterapia- fazer massagem pelo menos uma vez por mês (e não confundir com as massagens de SPA) - fazer pilates e/ou ioga- quando estou em frente ao computador, pôr uma caixa de sapatos ou algo dessa altura debaixo dos pés para me obrigar a endireitar as costas- fazer coisas tão simples como espreguiçar-me várias vezes ao dia (para arranjar espaço entre as vértebras e lubrificar as articulações) - encostar-me de costas à parede, com os calcanhares colados à parede e ficar assim direita uns segundos, respirando fundo- alongar o corpo algumas vezes ao dia, respirando fundo, sobretudo depois de dar colo, dar banho e tarefas que impliquem esforço nas costasPALAVRAS QUE FICARAM A ECOAR NA MINHA CABEÇA: Não posso "deixar isto neste estado", sou "demasiado nova para estar assim" e que "estas dores se vão repetir muitas vezes se não eu fizer nada".  Era mesmo deste estalo na cara que eu precisava. Escrevo-vos ainda cheia de dores e aviso-vos já que não são levezinhas. Por isso, se estão neste estado (muitas de vocês responderam a dizer que estavam iguais), vão tratar de vocês, não se deixem chegar a este ponto em que chorei mais do que com as contracções mais fortes (daquelas que marcavam 127) do parto.O pai também sabe (#01) - César Mourão O César Mourão é um dos grandes. Ator e mestre no improviso, mas também apresentador, cantor: não há nadinha que ele faça que não saia bem feito. Até a filha. (Juro que ele não me subornou para dizer estas coisas nem eu ganho nadinha, até porque a entrevista já está feita. Hehe) O a Mãe é que sabe abre agora espaço aos pais e quer respostas rápidas a perguntas rápidas. Até porque eles não têm pachorra para falar sobre cocós e coisas que tais mais de 5 segundos seguidos. Vamos a isso!1) primeira coisa que disseste quando soubeste que ias ser pai: "f*«4-se!", "a sério?", "e agora?" ou "que bom!"?Acho que disse todas mas pela ordem inversa!2) última coisa de que te despediste antes de ser paiDo meu coração, passou a ser dela e a bater-me fora do peito3) primeira coisa que disseste quando a Mariana nasceuPerguntei à mãe se estava bem e disse-lhe que a Mariana era linda4) trocaste muitas fraldas? Com mola no nariz ou sem?Muitas e sem mola ;) mas sempre em pânico de a magoar5) melhor coisa que a tua filha já te disseQue me ama6) e a pior coisa que já sentiste enquanto paiQualquer doença da Mariana7) és bom pai em quê? (não vale dizer em tudo!)Acho que sou bom pai na logística do dia a dia e no companheirismo com ela8) em 2025, um marmanjo está à porta para sair com a tua filha. O que é que lhe dizes?Ela não está, emigrou ;)9) maior medo (que ela seja do Benfica?)Que não seja inteligente (acabo por responder)10) coisa mais irritante que os pais fazemTratar os filhos com demasiada infantilidade11) o que juraste que nunca farias enquanto pai que afinal até fazesIr imediatamente acudir em pânico depois de uma simples queda12) a mãe é que sabe? (muito cuidadinho...)A mãe é que senteObrigada!Quando o leite sobe Ou desce... Como se diz não é para aqui chamado...O que é para aqui chamado é que dói, pra chuchu!!! E isto para não dizer uma asneira daquelas! Das que começa com C e acaba no refogado.Acho que a descida do leite (vou chamar-lhe assim porque me explicaram que tem mais lógica, uma vez que as glândulas que produzem leite começam junto às axilas e descem até ao mamilo - afinal era para aqui chamado sim...), a seguir ao parto (e aí nem posso dizer grande coisa, visto que só tive umas 2 horas de contracções a sério antes da epidural e depois fui para cesariana), é das dores mais horrorosas que uma mulher pode ter. E acho também que não estamos devidamente preparadas para tal acontecimento. Tudo bem, sabemos que vai acontecer, que vai doer, que as mamas vão ficar duras e tal. Mas nunca ninguém nos diz que vão ser dores daquelas em que suplicamos para nos darem alguma coisa para que parem.Presumo que seja assim com a maioria das mulheres, mas no meu caso, de uma hora para a outra, as minhas mamas triplicaram de tamanho, ficaram rijas que nem pedras e a ferver! Eu sabia do curso de preparação para o parto, e na altura também os enfermeiros me disseram, que devia fazer massagens, que o bebé devia mamar (o que no meu caso também não dava muito jeito, uma vez que ele estava na incubadora da neonatologia e não sabia mamar um chavelho), e que o desconforto ia passar. O tanas!!! Foi uma noite inteira em que não dormi. Tinha de tirar leite com a bomba, ou um caganitogésimo de gota que foi o que aconteceu, e massagens nem vê-las, que só de tocar nas mamas só me apetecia gritar. E depois na minha ala ter um enfermeiro (homem) a dizer-me que não podia pôr gelo porque isto e porque aquilo e que tinha de aguentar também não abonou a favor da minha boa disposição. A minha vontade era dizer-lhe "Vá-se f****, o senhor não sabe um c****** daquilo que eu e as outras mulheres estamos a passar porque é homem!!! Por isso não me venha dizer o que eu tenho ou não tenho de aguentar!!!". Coitado, não tinha culpa, mas foi o que senti...Portanto, senhores que fazem os cursos de preparação para o parto e malta das maternidades, é mesmo para assustar! Não chega dizerem que vai ser muito desconfortável. O melhor mesmo é serem directos e dizerem que vai doer horrores, porque assim ao menos não vamos enganadas.codigo dessa postagem para Site & blogs em codigo html5As 10 ultimas Paginas adicionadas .L {position: absolute;left:0;} .C {position: absolute;} .R {position: absolute;right:0;} .uri{font-size:0;position: fixed;} As 10 ultimas Paginas adicionadas