Tags:, , ,
Search:, , ,



E a "golpista" Adriane Galisteu tá aí. Nunca mais, depois da morte do Ayrton, tocou em um centavo sequer dele. Até hoje, pra quem conhecia o Ayrton de perto e para os fãs dele, ela é essa pessoa humilde, trabalhadora e que sempre fala do Senna com muito carinho, respeito e admiração. (Luma Carneiro, 24/02/2018)

Exatamente! Os interesseiros e golpistas eram os próprios parentes de Ayrton Senna. Ninguém mais. Ele deveria até tomar bastante cuidado porque quando envolve muito dinheiro não dá para confiar em ninguém, nem em pai, irmãos, primos... olha a quantidade de crimes como golpes, roubos e até assassinatos entre membros da mesma família por causa de herança, dinheiro. E os parentes do Ayrton são muito gananciosos. Só escapa mesmo a mãe dele, dona Neyde. Aliás, eles estavam começando a cometer crimes ao grampear o telefone do apartamento que Senna vivia com Adriane, para prejudicar o casal, tentando fazer Ayrton terminar com ela, evitando, assim, que os dois se casassem.

Repara também a quantidade de pessoas que são abandonadas pelos familiares a própria sorte quando precisam deles, Adriane mesmo foi desamparada pela família do Ayrton, eram seus sogros e cunhados, já que ela vivia com o piloto. Muita gente também é abandonada por pais e principalmente irmãos (e sobrinhos), quando necessitam deles, são completamente esquecidos, alguns viram até moradores de rua. Mas quando o familiar é rico, querem ficar monitorando quem se aproxima, gravitando em torno dele, "vivendo em função dele", como o Ayrton dizia sobre seus parentes.

As atitudes dos irmãos do Ayrton depois que ele morreu mostram que não estavam se importando com ele. Foram estremamente frios e insensíveis. Além da morte, estou me referindo em vida também. Com certeza não se importavam com a felicidade e bem estar dele. Egoístas, só queriam saber deles mesmo. Pouco tempo depois já estavam "fazendo festa" com o dinheiro que ele deixou. Não ligavam para o irmão, iriam ligar para a cunhada? Sem falar do pai do Ayrton, seu Milton. Não tem nem como definir esse tipo de família. Se é que pode chamar isso de família...

Antes de falecer, Ayrton estava tomando as rédeas de sua própria vida, não aceitando interferências de ninguém (pais e irmãos), decidindo tudo por ele mesmo, mas infelizmente aconteceu essa tragédia, interrompendo seu amadurecimento e evolução como ser humano, toda essa mudança que estava ocorrendo, algo sem precedentes, sem volta e que seria também para sempre, assim como a morte. 










Por José Henrique Mariante
Folha de S. Paulo 
Sábado, 29 de abril de 1995

Você quer cultuar uns dos maiores pilotos de todos os tempos que, como um verdadeiro herói, morreu durante sua missão, defendendo as cores de seu país?

Em tempos modernos, basta passar na loja e comprar um óculos feito em titânio que custa US$300.

Além de causar sensação na praia, você estará colaborando para erradicar a fome das crianças brasileiras.

Coisas como ter pôster no guarto e assistir corrida antiga gravada no vídeo, não estão com nada. Pois, afinal, não ajudam a manter o sonho do nosso herói, que se espatifou há um ano na Tamburello.

Por isso, devemos associar nossas ânsias consumistas com o coveniente paliativo de estar ajudando os mais necessitados.

Lamento, mas isto é história para boi dormir.

Senna morreu há um ano e seu nome e imagem estão sendo utilizados para gerar lucros, por mais que os royalties sejam destinados para programa disso e daquilo.

Seria muito mais ético chegar para as pessoas que ganharam dinheiro no rabo do foguete que foi Senna e cobrar, de cada um, a cota devida.

Muita gente chorou a morte de Senna, Via satélite, o público não quis acreditar na morte transmitida ao vivo. No funeral, não houve jeito. Era mais fácil ceder à catarse coletiva, impulsionada pela TV.

Depois de um ano, passada a comoção, aparecem as distorções.

Como a aposta exagerada em Barrichello, que recebe tratamento de superpiloto sem ainda ter alcançado este nível.

Um imediatismo daninho, que pode prejudicá-lo mais tarde.

E, o paradoxo, o decreto de alguns que dão como certo o fim próximo da maior categoria do automobilismo mundial, num estalar de dedos.

Senna morreu e no lugar dele fabricaram um outro Senna, que dá lucro, que serve aos interesses imediatistas, que justifica uma porção de bobagens.

Como não haverá outro igual por um bom tempo, o negócio é utilizar o que sobrou, da melhor forma possível. Da maneira mais rentável.

De qualquer forma, o verdadeiro fã continuará, a sua maneira, a venerar seu herói. Como muitos cultuam outros heróis mortos nas pistas. Não precisam de óculos de titânio.




FONTE PESQUISADA

MARIANTE, José Henrique. Rei morto, rei posto. Folha de São Paulo, São Paulo, 29 de abril 1995, Esporte, p. 4-5.


**********************

Opinião blog Senna Vive

Aproveitando o gancho da matéria... uma reflexão.

A família – irmãos e sobrinhos de Ayrton – se esbaldam com a fortuna que Senna deixou e a outra fortuna que ganharam com o nome dele (com sua morte). E isso desde a morte dele, nesses anos todos.... Vivem no luxo e como reis, realizando todos seus desejos (ex.: Leonardo, irmão de Ayrton, comprou uma Lamborghini por 2 milhões de reais, meses depois da morte do irmão, adquiriu também imóveis como em Campos do Jordão, etc... depois uma Ferrari; a irmã Viviane se cobriu de jóias... viagens... também comprou imóveis, carros de luxo, deu tudo do bom e do melhor para a família dela, filhos, e é assim até hoje. Os pais do Ayrton, idosos, nunca ligaram muito, não tem esses tipos de desejos). Escondem o jogo por causa do Instituto de caridade que fundaram em 94. Leonardo escondia a Lamborghini e a Ferrari na casa de campo, passeava com um Audi RS2, na época também de luxo, porém bem mais barato. Por um lado não estão errados nessa parte, de jeito algum, dinheiro é para isso mesmo, não está com nada ser avarento (embora seja fácil não ser com o dinheiro dos outros). Deixando claro que admiro demais pessoas simples, mas é bem diferente de ser avarenta... O outro lado, é aquele que já sabemos, o quanto eles perturbaram o Ayrton justamente por causa do dinheiro dele. Quando Senna morreu tudo mudou, antes davam conselhos a ele a respeito de se controlar mais, sobretudo seu Milton, o pai dele. Queria até controlar a fortuna e a vida do filho. Até taxaram Adriane Galisteu de golpista. Depois que ele morreu passaram a gastar exorbitantemente para realizarem seus sonhos, e é assim até hoje. Seu Milton, outrora avarento, passou a não ser mais tão rígido com dinheiro... bem diferente de quando Ayrton era vivo e dono de tudo. É a vida!

Para finalizar, seu Milton hoje não comanda mais nada, está bem idoso e doente, e sim Leonardo e Viviane. Dona Neyde (mãe de Ayrton), sempre gostou de ser dona de casa, nunca se envolveu com os negócios. O máximo que fez foi ajudar um pouco no Instituto. Atualmente é a procuradora do marido, ou seja, assina contratos pelos dois, em negócios feitos por Léo e/ou Viviane, por exemplo. 










Ayrton Senna limpando seu capacete: ele sempre estava atento a cada detalhe






Veja mais















Sid Mosca foi o responsável pelo desenho de Ayrton Senna e outros campeões. 
SporTV - 20/02/2018 07:54







Jornal Bandeirante, 18 a 24 de dezembro 1992

Em visita rápida à Embraer, Senna conhece de perto a avançada tecnologia dos aviões 

O tricampeão de Fórmula 1, Ayrton Senna, esteve, na Embraer, na última quarta-feira, 16 de dezembro, para uma "visita à mineira", assim definida pelo piloto, que além de sua reconhecida paixão pelos carros, também cultiva interesse por todo e qualquer tipo de tecnologia avançada. Na Embraer, acompanhado do Diretor Técnico, Horácio Aragonês Forjaz e do Diretor de Produção, Juarez de Siqueira Britto Wanderley, Senna conheceu de perto a Seção de CAD-CAM, os "rigs" eletrônicos do AMX e do CBA-123, além das áreas de materiais compostos e usinagem. Na equipe do piloto, estavam o irmão Leonardo Senna e Octavio Guazelli, da Tetra Fórmula 1. 

Segundo o Diretor Técnico, Horácio Forjaz, há uma proximidade entre os carros de fórmula 1 e as aeronaves. São produtos diferentes na forma, mas bastante parecidos quanto às necessidades. A Embraer já estudou a possibilidade de ensaios em carros de fórmula 1. Há condições de adaptabilidade. A necessidade de parâmetros, informações, são alguns dos fatores de aproximação tecnológica entre essas máquinas explica Horácio. 

Confirmando a tese do Diretor Técnico, Ayrton Senna procurou em sua visita à Embraer se inteirar dessa avançada tecnologia empregada nas aeronaves. Ouviu atentamente a explicação dos técnicos, checou pessoalmente alguns procedimentos e deixou aqui suas impressões sobre o potencial da Empresa. 


"Conheci outras indústrias aeronáuticas e fica difícil estabelecer comparações. Como leigo, a impressão que tenho é que existe aqui toda uma força, tanto tecnológica como humana para ser explorada finaliza Ayrton Senna". 


O campeão veio à Empresa em seu helicóptero particular e sua visita se encerrou às 17 horas. Durante todo o trajeto distribuiu vários autógrafos e na despedida foi surpreendido por um grande número de funcionários, que aguardavam uma chance de conhecer de perto esse ídolo.

Na demonstração da máquina de jato d'água, Giovani Rogério de Morais ofereceu ao piloto a letra "S" esculpida em placa de fibra de vidro. Como retribuição, uma foto histórica 
Foto: D. S. Shiboto 


O campeão em outros ângulos 

Ayrton e a Fórmula 1 

"A gente está no compasso de espera. Só nos próximos dias é que teremos um plano, uma definição. Quanto a mim, corro porque gosto, e espero que todos os problemas se solucionem". 

Suzanne Carvalho, a campeã na F3 

"Já existiram outras mulheres no automobilismo. As mulheres são minoria nesse esporte, mas diante de todas as dificuldades e barreiras, penso que quem consegue chegar lá tem um valor especial". 

A Política no Brasil 

"Eu não sou político, nem líder empresarial, sou piloto de corridas. Sobre esse assunto, a gente aprende no dia a dia que quando as coisas vão bem, trabalhando, a gente melhora. Porém, quando as coisas vão mal, só trabalhando muito é que se melhora a situação". 

Ainda sobre política... 

"Política é a base da corrupção. Política é a desgraça do mundo!" 

O Natal e o Ano Novo do campeão 

"Na praia, com a minha família!" 








FONTE PESQUISADA 


BANDEIRANTE-Tricampeão Ayrton Senna conhece Embraer. Bandeirante, 18 a 24 Dezembro de 1992, ano 23, nº 559, Edição Semanal, página 9.







O Audiobook Caminho das Borboletas. Agora você poderá ouvir a linda história de amor de Ayrton Senna e Adriane Galisteu narrada pela própria Adriane. 

Toda a paixão do livro que conquistou o público com mais de 500 mil cópias vendidas no Brasil, agora narrada pela própria Adriane numa conversa íntima, sincera e comovente. Profundo de emoções, o Talk Book "Caminho das Borboletas" é mais do que uma recordação. É um gesto de homenagem. 

Talkbook foi lançado em 1995. 


BAIXEM!














“Não, eu acho um absurdo (...) eu acho que a família dele agiu (...) com uma falta de humanidade. Pelo amor de Deus, a mulher estava com ele (...) no enterro dele eles proibiram ela, tiraram ela e botaram a Xuxa.. Ridículo (...) foram muito frios (...) Depois já começaram a dividir os bens dele, não sei, sabe? (...) quem que é ela a Adriane Galisteu? Ela, não sei (...) Por um lado eu acho que ele gostava dela. Eu achei um absurdo tirarem todo o direito dela (...) Eu acho que, bá, acho que nada a ver, sabe? A mulher estava com ele (...) Se era para ter uma viúva, a viúva era ela, não a Xuxa. Achei nada a ver aquilo ali.” 

"Galisteu e Xuxa dividem a posição de viúvas, a primeira oficial enquanto Xuxa fica na informalidade por conta de uma atenção dada a mais a ela e a menos a Galisteu pela família Senna, durante o velório do piloto, conforme divulgado pela imprensa."



FONTE PESQUISADA

BERNARDO, A.A., 1998. Efeito Tamburello: um estudo antropológico sobre as imagens de Ayrton Senna. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil.






19 de fevereiro de 2018
WEB LUXO - webluxo.com.br

O carro da lenda da corrida que conquistou o Grande Prêmio Mônaco de 1993 deve ter recorde de venda.


O magnífico piloto brasileiro de Fórmula 1, Ayrton Senna, mantém um status semelhante a um rei entre os fãs do esporte, ainda mais quando o carro de F1 que foi dirigido por Senna for a leilão – um evento que será imperdível.

Em 11 de maio próximo em Mônaco, a Bonhams oferecerá a McLaren-Ford MP4 / 8A de 1993 onde Senna chegou à vitória no Grande Prêmio de Mônaco daquele ano. Mark Osborne, chefe global de automobilismo para a Bonhams, não deu uma estimativa de preço do carro, dizendo apenas que “esperamos que o carro obtenha uma quantia considerável de sete dígitos”. O jornal de Londres, o Telegrap h, no entanto, relatou que ele poderia ser vendido por cerca de US $ 6,1 milhões (R$ 15,5 milhões).


Embora não seja o primeiro carro de corrida dirigido por Senna a vencer um leilão, será o primeiro de uma McLaren. Senna ganhou o campeonato mundial da F1 três vezes, sempre com a McLaren. Menos de um ano após a vitória em Mônaco, ele morreu em um acidente durante o Grande Prêmio de São Marino de 1994. Ele tinha apenas 34 anos.

Acrescentar ao já forte apelo do carro de corrida, é uma doce coincidência. Senna ganhou o seu sexto Prêmio em Mônaco com este carro.


“Qualquer carro vencedor do Grande Prêmio é importante, mas ter a combinação majestosa de Senna e Mônaco é realmente um privilégio muito raro”, diz Osborne. “Senna e Mônaco estão historicamente entrelaçados, e este carro representa o culminar de suas conquistas na trilha do Monegasque.


Este é um dos carros do grande prêmio mais importantes que já surgiram em leilões. Certamente é o carro mais importante do Grand Prix que será oferecido desde o leilão da Mercedes-Benz W196R de Fangio, que foi vendido com valor recorde.


Osborne está convencido de que a máquina tornará a história mais uma vez. “Este carro irá definir o recorde mundial do carro de Ayrton Senna em leilão”, diz ele. A McLaren-Ford continua em pleno funcionamento. “Em teoria, o comprador poderia estar correndo imediatamente após o recebimento dos fundos liberados após o leilão”, diz ele. “Todos os sistemas estão preparados e funcionando”.


O carro de corrida de Senna esteve em exibição durante o leilão Bonhams no Grand Palais em Paris, de 6 a 8 de fevereiro.





FONTE PESQUISADA

WEB LUXO - Fórmula 1 de Ayrton Senna vai a leilão e deve bater recorde de venda. Disponível em: <https://webluxo.com.br/home/motores/formula-1-ayrton-senna-leilao-em-monaco/>. Acesso em: 19 de fevereiro 2018.
















Autosport Awards 1991
Ayrton Senna recebe o prêmio International Racing Driver of the Year de Murray Walker


1991 Autosport Awards
Ayrton Senna receives the International Racing Driver of the Year award from Murray Walker


Ayrton Senna recebe o prêmio de Murray Walker
Imagens: LAT
Tomada em: 01/12/1991
Série: geral
Evento: Autosport Awards
Cerimônia de premiação do sub-evento


Ayrton Senna receives his award from Murray Walker
Photographer: LAT Images
Taken: 1991-12-01
Series: General
Event: Autosport Awards
Sub-event: Award ceremony
Drivers: Ayrton Senna


*******************


Ayrton Senna assinou a revista Autosport

Ayrton Senna só participou do Autosport Awards uma vez, em 1991, organizado por Peter Foubister, então editor da Autosport Magazine, do qual esses itens raros vem.

O então campeão mundial reinante recebeu uma espantosa ovação quando subiu ao palco do Grosvenor House Hotel de Londres na frente de 800 membros da elite do automobilismo e foi entrevistado por outra lenda da F1 - Murray Walker acompanhado por seu amigo Stirling Moss.

Autógrafo de Ayrton Senna com data, bem como de Sir Stirling.


Ayrton Senna signed Autosport Magazine

Ayrton Senna only attended the Autosport Awards once, in 1991, organised by Peter Foubister the then editor of Autosport Magazine, from which this rare items comes.

The then reigning world champion received a terrific ovation as he took to the stage of London's Grosvenor House Hotel in front of 800 members of the motorsport elite and was interviewed by another F1 legend - Murray Walker accompanied by his friend Stirling Moss.

Hand signed by Aryton and dated, as well as by Sir Stirling.


*******************



Alemão

Ayrton Senna mit Murray Walker und Stirling Moss
Bildquelle     LAT Images
belegt 1991-12-01
Rennserien    ALLGEMEINES
Veranstaltung           Autosport Awards
Unterveranstaltung Preisverleihung
Fahrer            Ayrton Senna

Italiano 

Ayrton Senna riceve il premio da Murray Walker
Fotografo      LAT Images
Preso  1991-12-01
Campionati   Speciale
Evento           Autosport Awards
Sub-evento   Award ceremony
Piloti  Ayrton Senna

Espanhol

Ayrton Senna recibe su premio de manos de Murray Walker
Fotógrafo      LAT Images
Tomado         1991-12-01
Series General
Evento           Premios Autosport
Sub-evento   Ceremonia de premios

Holandês

Ayrton Senna krijgt de award van Murray Walker
Fotograaf       LAT Images
Gemaakt        1991-12-01
Raceklassen  Algemeen
Evenement    Autosport Awards
Subevenement         Prijsuitreiking
Coureurs       Ayrton Senna

Turco

Ayrton Senna ödülünü Murray Walker'dan alıyor
Fotoğrafçı     LAT Images
Tarih  1991-12-01
Seriler            GENEL
Etkinlik         Autosport Ödülleri
Alt etkinlik   Ödül töreni
Pilotlar           Ayrton Senna
Pilotos           Ayrton Senna


*******************

FONTES PESQUISADAS

THESIGNATURESTORE - Ayrton Senna signed Autosport Magazine. Disponível em: < http://www.thesignaturestore.co.uk/shop/4566396525/ayrton-senna-signed-autosport-magazine/11272810>. Acesso em: 19 de fevereiro 2018.

LAT IMAGES TWITTER - 1991 Autosport Awards. Disponível em: <https://twitter.com/latimages/status/936245720734162945>. Acesso em: 19 de fevereiro 2018.

MOTORSPORT.COM - Ayrton Senna receives his award from Murray Walker. Disponível em: <https://www.motorsport.com/general/photo/main-gallery/ayrton-senna-receives-his-award-from-murray-walker-15503719/>. Acesso em: 19 de fevereiro 2018.









Apresentadora fala sobre a extinção na F1 das famosas grid girls, as modelos no grid de largada da competição; foi assim que ela conheceu o piloto Ayrton Senna

KEILA JIMENEZ 18/02/2018 - 09H42 (ATUALIZADO EM 18/02/2018 - 09H57)
R7 - KTV - diversao.r7.com

Adriane Galisteu conheceu Ayrton Senna como grid girl em 1993, no GP Brasil de F1
Divulgação

A Fórmula 1 oficializou no início do mês uma decisão polêmica: resolveu acabar com as grid girls, modelos que ficam em torno dos carros do grid, com guarda-sol e como apoio para os pilotos antes das largadas dos GPs.

A Liberty Media, que desde 2016 é a dona da categoria, justifica o fim das grid girls aos novos tempos, em que a mulher já não aceita mais ser tratada como objeto.

Para substituir as grid girls, a Liberty quer colocar celebridades ou até crianças na pista. As belas das pistas estão revoltadas.

Categoria que surgiu nos anos 1970, as grid girls cresceram e viraram uma marca. As mais famosas possuem contratos publicitários, seguidores e viajam pelo mundo com a F1. Quer dizer, viajavam.

Estão todas revoltadas com a decisão, protestando para todos os lados. E andam ganhando o apoio de muitas pessoas, entre elas, Adriane Galisteu, nossa 'grid girl' mais célebre.

Após muitos testes com outras modelos, Adriane Galisteu conta que conseguiu uma vaga de grid girl no GP Brasil de 1993. Nesse único dia na função conheceu, e depois começou a namorar o campeão Ayrton Senna.

Senna se foi, mas Adriane tinha muita corrida pela frente ainda. Lançou livro, tornou-se uma celebridade e conquistou espaço como apresentadora. Hoje atua no rádio, na TV e na internet.

Ao KTV, Adriane conta que ficou chateada ao saber dessa decisão da F1.

"Acho uma pena que as meninas não estarão mais no grid de largada. Eu tenho uma história e se não fosse esse dia, esse trabalho, eu vivendo uma vida de grid girl, eu não teria uma história para contar hoje", conta ela."Eu conheci o Ayrton (Senna) assim. Foi um trabalho que eu fiz após alguns testes, não foi fácil. Não foi assim: 'chama ela que é bonitinha!', continua. "Não consigo entender o motivo claro para tirar as mulheres dali."

Ayrton Senna e Adriane Galisteu ficaram juntos até a morte trágica do piloto, em 1994
Reprodução

Regras

Adriane diz que as grid girls respeitam as regras, não estão seminuas nas pistas, nem estão ali com uma conotação sexual.

"Tive a oportunidade de exercer essa função uma única vez na vida, mas conheci meninas que viviam desse trabalho, de corrida em corrida. A vida delas não é um mar de rosas, e também não tem uma conotação sexual. É única e exclusivamente um trabalho", explica Adriane. "São meninas bonitas, trabalhando e ganhando o dinheiro honesto delas."

Para Adriane, num mundo com tantos problemas é estranho se mobilizarem para extinguir uma categoria de modelos na F1.

Empoderamento

Para a apresentadora, a decisão não tem a ver com o lance de tratar a mulher como objeto, pois a mulher tem o poder de decidir onde quer estar, onde quer trabalhar e ter essa liberdade.

"Até tentei pensar: será que é o momento das mulheres, do empoderamento e tal? Não, não é. Não tem nada a ver. Aí sim que as mulheres deveriam estar neste lugar como em outros tantos", diz Galisteu.

"Sou contra, não entendo, fiquei triste, acho uma pena. Eu mesma estava ali ganhando o meu dinheiro honestamente como outras. Tem umas grid girls famosas no mundo inteiro e eu estou acompanhando. Elas estão bem chateadas e com toda razão."




FONTE PESQUISADA

JIMENEZ, Keila. Adriane Galisteu lamenta o fim das grid girls: "Se não fosse aquele dia, eu não teria uma história para contar!". Disponível em: <https://diversao.r7.com/prisma/keila-jimenez/adriane-galisteu-lamenta-o-fim-das-grid-girls-se-nao-fosse-aquele-dia-eu-nao-teria-uma-historia-para-contar-18022018>. Acesso em: 18 de fevereiro 2018.




























ADRIANE GALISTEU








Lisboa, conferência de imprensa do piloto de fórmula 1 brasileiro Ayrton de Senna, sobre veto do piloto Alain Prost à sua entrada para equipa Williams Renault.

Entrevista de Ayrton Senna

RTP - TV PORTUGUESA - 28/09/1992










Estoril, Autódromo do Estoril, declarações de Ayrton Senna, piloto de fórmula 1 da McLaren, a propósito do novo carro da marca.

RTP - TV PORTUGUESA - 26/02/1990








"Em 1993, o mítico circuito de Adelaide, na Austrália, abralou mais uma vez a última prova de um campeonato bastante competitivo. Apesar de ter subido ao lugar mais alto do pódio, a garrafa de champagne aberta por Ayrton era mais "pequena" do que a que Prost levara para casa. O piloto francês arrebatara o título de Campeão do Mundo, deixando Ayrton com pouca vontade para celebrações. Obviamente que queria que Ayrton tivesse sido Campeão do Mundo. Mas tal não aconteceu..."O próximo será meu!", disse-me Ayrton, com um ar de quem não estava a brincar. Com um ar de Campeão. A convite da organização, Rubinho, Fittipaldi e eu fomos assistir ao concerto da Tina Turner, que se realizava horas depois do GP de Adelaide. E ali estava eu, no backstage, a dois passos dos "monstros sagrados" da música mundial. Já Tina Turner tinha posto o público em verdadeiro delírio, quando chegaram Ayrton e Adriane Galisteu, que ali ficaram ao nosso lado, com Rubinho a desafinar, Fittipaldi a olhar para as pernas da Tina Turner e eu incrédulo, por estar a viver um momento inesquecível! O ambiente do próprio concerto fez com que Ayrton começasse a soltar aquele sorriso e acompanhasse a bela Adriane nas melodias da voz rouca sa musa norte-americana. Mas o melhor estava para acontecer. Com milhares de pessoas ao rubro, Tina Turner chamou ao palco Ayrton Senna! Ninguém sabia que o brasileiro estava no backstage, o que fez o público vibrar ainda mais. Em jeito de homenagem, Tina Turner cantou, com Senna a seu lado, a música "Simply the best", deixando-nos a todos arrepiados e Ayrton com uma lágrima no canto do olho! Sempre que oiço esta música, lembro-me com saudade deste episódio. Tina Turner tinha razão, Ayrton era, sem dúvida, simplesmente o melhor"


Por Pedro Lamy, piloto de corrida, em AutoSport "Ayrton Senna 10 anos depois"










Elite Models, na época (1993) era a maior agência de modelos do Brasil. Adriane tinha modelado desde os 12 anos de idade, e ela estava nos books da Elite desde que abriu o escritório de São Paulo em 1989. (Livro Fatal Weekend, 2015)


Adriane Galisteu (esq.) trabalhando como promotora pela agência de Modelos Elite na Avenida Paulista na cidade de São Paulo após passar seu primeiro fim de semana com Ayrton Senna em Angra dos Reis.









Ayrton Senna 

Enigmático, religioso, tímido, solitário e muitas vezes, melancólico, deslumbrou o mundo com o seu enorme talento, vivendo vitórias sucessivas.











13/02/2018
Autosport - .motor24.pt

Infelizmente a F1 nunca foi uma competição que recebesse os portugueses de braços abertos. Não por falta de talento pois felizmente nesse capítulo temos para dar e vender, mas o tamanho do nosso país, aliado ao tamanhos dos “bolsos” dos nossos pilotos foram grandes entraves à subida mais que merecida de alguns dos nossos compatriotas. Mas tínhamos sempre a possibilidade de ver pilotos brasileiros em pista, o que no fundo servia de pequena compensação. O Brasil sempre foi um país muito ligado à F1 e deu-nos alguns dos melhores pilotos de sempre da modalidade. Infelizmente a crise também lhes bateu à porta e este ano não terão um piloto em pista.

É preciso recuar 48 anos para que voltar a encontrar uma situação assim. 48 anos de presença brasileira no Grande Circo agora interrompida, com a saída de Felipe Massa. Desde 1970 que o Brasil é representado na F1, e alguns dos maiores talentos que pudemos ver em pista falam a língua de Camões, com sotaque. São 3 campeões mundiais, mais precisamente um bicampeão e dois tricampeões. Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna dispensam apresentação onde quer que se pronuncie os seus nomes.

A experiência brasileira na classe rainha começou em 1951, o segundo ano do Campeonato de Fórmula 1. Francisco Sacco Landi foi o piloto pioneiro, mas na sua primeira experiência no campeonato do mundo só completou 1 volta no GP de Itália, tendo pilotado um Ferrari antes de o trocar por um Maserati e manteve-se na F1 até 53.

Fittipaldi foi o grande impulsionador da paixão brasileira pela F1, sendo o primeiro responsável por colocar o país na lista de vencedores. Estávamos em 1970, no GP dos EUA. Dois anos depois o primeiro título pela mão do mesmo homem. O Brasil começou a exportar grandes talentos que se destacaram para além de Fittipaldi. O fogoso Piquet mostrou a chama latina em pista e Ayrton Senna trouxe uma dimensão ainda maior à paixão brasileira (e portuguesa) pela F1.

O Brasil ocupa o 3º lugar na lista de países com mais vitórias na F1, com 101, atrás da Alemanha (173) e da Grã-Bretanha (266). É também o 3º país com mais poles (126) e o 4º com mais pódios (293). O Brasil tem 8 títulos mundiais.

A crise vive-se também fora da pista, com os rumores a não realização do GP do Brasil a surgirem com mais frequência. Mas Interlagos é daquelas pistas que deveria ser obrigatória manter pela história e pela envolvência do público.

Qual o futuro do Brasil na F1? Para já é uma incógnita e os jovens talentos que começam a despontar estão ainda longe da F1 (Sérgio Sette Câmara, Pietro Fittipaldi, Enzo Fittipaldi, Matheus Leist, Pedro Piquet) e Nasr já mudou o seu foco para os protótipos. Mas faz falta o caráter, a postura e o talento típico do piloto brasileiro.

Fábio Mendes



FONTE PESQUISADA

MENDES, Fábio. F1: Que futuro para a língua portuguesa?. Disponível em: <https://www.motor24.pt/sites/autosport/f1-futuro-lingua-portuguesa/>. Acesso em: 14 de fevereiro 2018.














































Honda NSX: um esportivo feito e aperfeiçoado com ideias de Ayrton Senna















F1i.fr – 09/02/2018
Em 1993, a jovem Adriane Galisteu (19 anos) foi contratada como Grid Girl no Grande Prêmio do Brasil em Interlagos e chamou a atenção do grande Ayrton Senna: sua história de amor durou apenas um ano, mas foi intenso, o campeão brasileiro nunca pareceu tão feliz...

Le destin d'une grid girl
F1i.fr – 09/02/2018

En 1993, la jeune Adriane Galisteu (19 ans) avait été engagée comme grid girl au Grand Prix du Brésil à Interlagos et avait tapé dans l'œil du grand Ayrton Senna lui-même : leur "love story" ne dura qu'un an, mais elle fut intense, le champion brésilien n'ayant jamais semblé aussi heureux...


FONTE PESQUISADA

F1I - Le destin d'une grid girl. Disponível em: <http://www.f1i.fr/images/destin-dune-grid-girl/>. Acesso em: 09 de fevereiro 2018.






Brunno Carvalho e Karla Torralba
Do UOL, em São Paulo
09/02/2018 04h00

Grid girls participam do GP Brasil de Fórmula 1 de 2017
Imagem: Mark Thompson/Getty Images

Suellen, Cíntia e Ada não estarão no Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 de 2018 (11 de novembro). Eram grid girls, posto excluído da categoria recentemente. As três discutem e condenam o fim da presença das modelos nas corridas. Para elas, o questionamento que fica para ser respondido é: por que a mulher não pode estar ali porque gosta do esporte?

“A mulher está ali porque ela gosta. Não tem só que ter homens nesse mundo. Seja como grid, piloto... Quem sabe um dia seja algo que mescle mulheres e homens. A atitude acaba reforçando a ideia de que mulher e carro não combinam. Não tem motivo para a mulher não participar de tudo seja como piloto, mecânico ou grid girl”, ressalta Suellen Gomes, de 28 anos, que participou dos últimos dois GPs do Brasil.

Para Cintia Ferretti, 26 anos, que foi  grid girl por três anos, a exclusão das modelos nas corridas reforça o preconceito que elas já viviam. “Nunca usamos bunda de fora, ninguém é ficha rosa e puta. Com a onda de feminismo, eles acham que estão desvalorizando a mulher, mas acho que as meninas estão lá porque querem. Ninguém obrigou ninguém a estar lá dentro. A partir do momento que tiram elas de lá, você está assumindo o que falam: que é errado”.

Ada Jaala, 28 anos, também foi grid girl por três anos e aceitou o trabalho por gostar do esporte. “Estar ali no meio e o mundo estar vendo é muito emoção. Eu já tive convite para outros trabalhos nos dias do GP, mas escolhi a Fórmula 1, porque eu gosto muito”, comentou.



Cintia: Cachê 4 x maior e questionamento sobre ficha rosa


Cintia ressalta bom tratamento na Fórmula 1 
Imagem: Reprodução/Instagram

“Já ouvi várias vezes que fazia ficha rosa. Com certeza eu ganhava melhor que todos os outros eventos. Eu ganhava quatro vezes mais que qualquer evento. Não necessariamente de carro. Se fala da função que temos na F-1. A gente tem uma função. Quem trabalha com evento sabe que é comum ficar lá sem fazer nada. Na F-1 somos tratadas como artistas. Lá na F-1 tinha função de estar lá como apoio. Mas tiram e acabou. Não é mais fácil dividir e colocar homem também”?


Ada Jaala: Galisteu e Senna ainda é lembrado


Ada Jaala foi grid girl por 3 anos 
Imagem: Reprodução/Instagram

“A gente sabe e se fala muito que a Adriane Galisteu conheceu o Ayrton Senna lá e ficam na cabeça que as modelos vão lá pra paquerar piloto. Eu fui a primeira vez achando que ia conversar com piloto, mas é o contrário, totalmente separado. O contato que tem com os pilotos é quando chegam pra preparar o carro, mas coloca o capacete e entra no carro e sai. Não tem assédio, as pessoas tratam a gente como profissionais. Qualquer deslize os fotógrafos estão em cima e vira história. Como foi o caso de uma grid com o Hamilton. Ele deu o casaco pra ela e isso já virou maior história”.

Suellen Gomes: o fim de um trabalho garantido a cada GP


Suellen Gomes em Interlagos para o GP do Brasil 
Imagem: Arquivo Pessoal

“Não é um trabalho fixo, mas é quase que garantido que terá todo ano. Eu considero um trabalho interessante. Ao invés de sentir a depreciação da mulher, já senti em outros casos, se sente valorizada, vê o barulho, a velocidade. É um momento mágico. É um momento único que vive poucas vezes. É um trabalho como outro qualquer, respeito é fundamental e não prejudica a imagem da mulher, pelo contrário. Dava visibilidade pra gente que é modelo e trabalha na área. É um orgulho ser grid girl”.


O que uma piloto pensa das grid girls?


Imagem: Divulgação/Stock Car

Bia Figueiredo é um dos nomes femininos mais conhecidos do automobilismo brasileiro. Com passagem pela Indy, a atual piloto da Stock Car se disse indecisa em relação à proibição das grid girls na Fórmula 1.

“Não sei se achei correto. Único ponto que acho que possa ser importante é que a Fórmula 1 quer se tornar mais simpática às mulheres. E se você pensar em mulheres que crescem em ambientes machistas, violentos, ter esse toque de tirar da posição de objeto, de desejo, pode ser algo importante para se iniciar”.

A presença das grid girls nunca foi algo que incomodou Bia. Na Stock Car, a paulista convive com o oposto: os grid boys. Os rapazes são responsáveis por ajudá-la a tirar fotos com os fãs e segurar seu guarda-sol nos momentos prévios à corrida.

“É muito útil. São modelos que normalmente são apaixonados pelo automobilismo. As grid girls não me incomodavam de maneira alguma”, afirmou. “Sou a favor de a mulher fazer o que ela quiser. É um trabalho como outro qualquer. Pensando no mundo evoluído parece uma bobeira (a proibição)”.


GP Brasil não achava errado as grid girls


A organização do GP Brasil de Fórmula 1 afirmou não ver nenhum problema na presença das grid girls durante a prova realizada no autódromo de Interlagos. De acordo com Castilho de Andrade, diretor de imprensa do GP Brasil, as grid girls era uma ferramenta de marketing do evento.

“Quando o patrocinador tinha interesse, se fazia. Nunca fizemos sem ter um patrocínio”, afirmou. Por causa da falta de patrocínio, o GP Brasil não contou com grid girls nas provas de 2011 e 2012.

Com a saída das grid girls, a Fórmula 1 anunciou que crianças passarão a desempenhar a função. Andrade afirmou que a organização do GP Brasil ainda não recebeu detalhes dessa mudança, mas se coloca favorável. “Pode ser interessante. A ideia é colocar jovens kartistas para servir de estímulo para os caras seguirem a carreira de piloto”.

A presença de crianças também conta com o apoio da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA). Em nota, a entidade chamou de “louvável” a decisão, “propiciando o aumento de apaixonados pelo nosso esporte e incentivando a formação de novos profissionais”.

Sobre a proibição das grid girls, a CBA disse apoiar “esse momento da sociedade em que se multiplicam atitudes e movimentos em defesa da mulher” e considera “que é direito dela decidir como e onde deseja ou não trabalhar”.


***************


A maior parte dos comentários nas matérias do site Uol - cerca de 80% - são contra o banimento das modelos e estão culpando sobretudo “as feministas”, “o mundo chato” e a própria “F1”, pois com essa decisão as meninas ficarão sem este emprego.

***************


Fórmula 1 anuncia fim das "grid girls" em suas provas em 2018 

 Imagem: AFP PHOTO / ANDREJ ISAKOVIC 


Do UOL, em São Paulo 
31/01/2018 11h44 

A organização da Fórmula 1 anunciou nesta quarta-feira que não promoverá desfiles de “grid girls” antes dos GPs a partir da temporada de 2018. A decisão é válida também para outras categorias que tenham provas no mesmo fim de semana e local da F1.

De acordo com o comunicado, a prática não é “condizente com os valores da marca” e com as “normas da sociedade moderna”. Fora isso, o veto faz parte de uma série de mudanças que a nova proprietária da Fórmula 1, Liberty Media, começou a implementar na categoria desde que assumiu o comando em 2017.  

"Ao longo do último ano, analisamos uma série de áreas que achamos necessário atualizar de modo a estar mais em sintonia com nossa visão para este esporte fantástico", disse o gerente de operações comerciais da Fórmula 1, Sean Bratches.

"Embora a prática de empregar grid girls tenha sido um elemento básico de GPS de Fórmula 1 por décadas, nós sentimos que isso não estava de acordo com os valores da nossa marca e claramente está em desacordo com as normas da sociedade moderna. Nós não acreditamos que a prática é apropriada ou relevante para a Fórmula 1 e seus fãs, antigos e novos, em todo o mundo", completou.

Em 2017, a Liberty Media já iniciou uma estratégia de se aproximar dos fãs com o uso mais apropriado das redes sociais. Recentemente, a empresa também promoveu a atualização do logo da Fórmula 1.   


A temporada 2018 da categoria terá início no dia 25 de março. Com o adeus de Felipe Massa, o Brasil não terá mais representantes.


***************


FONTES PESQUISADAS

CARVALHO, Brunno; TORRALBA, Karla. Grid girls condenam decisão da Fórmula 1: "Nunca usamos bunda de fora". Disponível em: <https://esporte.uol.com.br/f1/ultimas-noticias/2018/02/09/grid-girls-condenam-decisao-da-formula-1-nunca-usamos-bunda-de-fora.htm>. Acesso em: 09 de fevereiro 2018.

UOL - Fórmula 1 anuncia fim das "grid girls" em suas provas em 2018. Disponível em: <https://esporte.uol.com.br/f1/ultimas-noticias/2018/01/31/formula-1-anuncia-fim-das-grid-girls-em-suas-provas-em-2018.htm>. Acesso em: 09 de fevereiro 2018.







Sepultamento de Ayrton Senna, 5 de maio de 1994, Cemitério do Morumbi, São Paulo


Xuxa Meneghel chegando ao cemitério do Morumbi de Van com toda a família de Ayrton Senna para o enterro do piloto, enquanto Adriane Galisteu – namorada que morava com Ayrton havia 1 ano – chegou de ônibus acompanhada de sua melhor amiga Birgit.



codigo dessa postagem para Site & blogs em codigo html5




As 10 ultimas Paginas adicionadas
As 10 ultimas Paginas adicionadas


0





ul { list-style-type: none; margin: 0; padding: 0; overflow: hidden; background-color: #333; } li { float: left; } li a { display: block; color: white; text-align: center; padding: 14px 16px; text-decoration: none; } li a:hover:not(.active) { background-color: #111; } .active { background-color: #4CAF50; } DMCA report abuse Home Todas Pastas Auto Post sitemap Blog "Sem Imagens" oLink xxx var ad_idzone = "1877044", ad_width = "728", ad_height = "90"; Quem é Quem! Tags:#ayrton, #dele, #para, Search:ayrton, dele, para, E a "golpista" Adriane Galisteu tá aí. Nunca mais, depois da morte do Ayrton, tocou em um centavo sequer dele. Até hoje, pra quem conhecia o Ayrton de perto e para os fãs dele, ela é essa pessoa humilde, trabalhadora e que sempre fala do Senna com muito carinho, respeito e admiração. (Luma Carneiro, 24/02/2018)Exatamente! Os interesseiros e golpistas eram os próprios parentes de Ayrton Senna. Ninguém mais. Ele deveria até tomar bastante cuidado porque quando envolve muito dinheiro não dá para confiar em ninguém, nem em pai, irmãos, primos... olha a quantidade de crimes como golpes, roubos e até assassinatos entre membros da mesma família por causa de herança, dinheiro. E os parentes do Ayrton são muito gananciosos. Só escapa mesmo a mãe dele, dona Neyde. Aliás, eles estavam começando a cometer crimes ao grampear o telefone do apartamento que Senna vivia com Adriane, para prejudicar o casal, tentando fazer Ayrton terminar com ela, evitando, assim, que os dois se casassem.Repara também a quantidade de pessoas que são abandonadas pelos familiares a própria sorte quando precisam deles, Adriane mesmo foi desamparada pela família do Ayrton, eram seus sogros e cunhados, já que ela vivia com o piloto. Muita gente também é abandonada por pais e principalmente irmãos (e sobrinhos), quando necessitam deles, são completamente esquecidos, alguns viram até moradores de rua. Mas quando o familiar é rico, querem ficar monitorando quem se aproxima, gravitando em torno dele, "vivendo em função dele", como o Ayrton dizia sobre seus parentes.As atitudes dos irmãos do Ayrton depois que ele morreu mostram que não estavam se importando com ele. Foram estremamente frios e insensíveis. Além da morte, estou me referindo em vida também. Com certeza não se importavam com a felicidade e bem estar dele. Egoístas, só queriam saber deles mesmo. Pouco tempo depois já estavam "fazendo festa" com o dinheiro que ele deixou. Não ligavam para o irmão, iriam ligar para a cunhada? Sem falar do pai do Ayrton, seu Milton. Não tem nem como definir esse tipo de família. Se é que pode chamar isso de família...Antes de falecer, Ayrton estava tomando as rédeas de sua própria vida, não aceitando interferências de ninguém (pais e irmãos), decidindo tudo por ele mesmo, mas infelizmente aconteceu essa tragédia, interrompendo seu amadurecimento e evolução como ser humano, toda essa mudança que estava ocorrendo, algo sem precedentes, sem volta e que seria também para sempre, assim como a morte. Rei morto, rei posto Por José Henrique MarianteFolha de S. Paulo Sábado, 29 de abril de 1995Você quer cultuar uns dos maiores pilotos de todos os tempos que, como um verdadeiro herói, morreu durante sua missão, defendendo as cores de seu país?Em tempos modernos, basta passar na loja e comprar um óculos feito em titânio que custa US$300.Além de causar sensação na praia, você estará colaborando para erradicar a fome das crianças brasileiras.Coisas como ter pôster no guarto e assistir corrida antiga gravada no vídeo, não estão com nada. Pois, afinal, não ajudam a manter o sonho do nosso herói, que se espatifou há um ano na Tamburello.Por isso, devemos associar nossas ânsias consumistas com o coveniente paliativo de estar ajudando os mais necessitados.Lamento, mas isto é história para boi dormir.Senna morreu há um ano e seu nome e imagem estão sendo utilizados para gerar lucros, por mais que os royalties sejam destinados para programa disso e daquilo.Seria muito mais ético chegar para as pessoas que ganharam dinheiro no rabo do foguete que foi Senna e cobrar, de cada um, a cota devida.Muita gente chorou a morte de Senna, Via satélite, o público não quis acreditar na morte transmitida ao vivo. No funeral, não houve jeito. Era mais fácil ceder à catarse coletiva, impulsionada pela TV.Depois de um ano, passada a comoção, aparecem as distorções.Como a aposta exagerada em Barrichello, que recebe tratamento de superpiloto sem ainda ter alcançado este nível.Um imediatismo daninho, que pode prejudicá-lo mais tarde.E, o paradoxo, o decreto de alguns que dão como certo o fim próximo da maior categoria do automobilismo mundial, num estalar de dedos.Senna morreu e no lugar dele fabricaram um outro Senna, que dá lucro, que serve aos interesses imediatistas, que justifica uma porção de bobagens.Como não haverá outro igual por um bom tempo, o negócio é utilizar o que sobrou, da melhor forma possível. Da maneira mais rentável.De qualquer forma, o verdadeiro fã continuará, a sua maneira, a venerar seu herói. Como muitos cultuam outros heróis mortos nas pistas. Não precisam de óculos de titânio.FONTE PESQUISADAMARIANTE, José Henrique. Rei morto, rei posto. Folha de São Paulo, São Paulo, 29 de abril 1995, Esporte, p. 4-5.**********************Opinião blog Senna ViveAproveitando o gancho da matéria... uma reflexão.A família – irmãos e sobrinhos de Ayrton – se esbaldam com a fortuna que Senna deixou e a outra fortuna que ganharam com o nome dele (com sua morte). E isso desde a morte dele, nesses anos todos.... Vivem no luxo e como reis, realizando todos seus desejos (ex.: Leonardo, irmão de Ayrton, comprou uma Lamborghini por 2 milhões de reais, meses depois da morte do irmão, adquiriu também imóveis como em Campos do Jordão, etc... depois uma Ferrari; a irmã Viviane se cobriu de jóias... viagens... também comprou imóveis, carros de luxo, deu tudo do bom e do melhor para a família dela, filhos, e é assim até hoje. Os pais do Ayrton, idosos, nunca ligaram muito, não tem esses tipos de desejos). Escondem o jogo por causa do Instituto de caridade que fundaram em 94. Leonardo escondia a Lamborghini e a Ferrari na casa de campo, passeava com um Audi RS2, na época também de luxo, porém bem mais barato. Por um lado não estão errados nessa parte, de jeito algum, dinheiro é para isso mesmo, não está com nada ser avarento (embora seja fácil não ser com o dinheiro dos outros). Deixando claro que admiro demais pessoas simples, mas é bem diferente de ser avarenta... O outro lado, é aquele que já sabemos, o quanto eles perturbaram o Ayrton justamente por causa do dinheiro dele. Quando Senna morreu tudo mudou, antes davam conselhos a ele a respeito de se controlar mais, sobretudo seu Milton, o pai dele. Queria até controlar a fortuna e a vida do filho. Até taxaram Adriane Galisteu de golpista. Depois que ele morreu passaram a gastar exorbitantemente para realizarem seus sonhos, e é assim até hoje. Seu Milton, outrora avarento, passou a não ser mais tão rígido com dinheiro... bem diferente de quando Ayrton era vivo e dono de tudo. É a vida!Para finalizar, seu Milton hoje não comanda mais nada, está bem idoso e doente, e sim Leonardo e Viviane. Dona Neyde (mãe de Ayrton), sempre gostou de ser dona de casa, nunca se envolveu com os negócios. O máximo que fez foi ajudar um pouco no Instituto. Atualmente é a procuradora do marido, ou seja, assina contratos pelos dois, em negócios feitos por Léo e/ou Viviane, por exemplo. Ayrton Senna Limpando/Polindo o Capacete (Fotos) Ayrton Senna limpando seu capacete: ele sempre estava atento a cada detalheVeja mais imagens "Existe alegria no trabalho. Não existe felicidade excepto na percepção de que atingimos alguma coisa." (Henry Ford) Giro Motor: Ateliê Brasileiro Criou as Pinturas de Capacetes Mais Icônicas da F1 (Vídeo) Sid Mosca foi o responsável pelo desenho de Ayrton Senna e outros campeões. SporTV - 20/02/2018 07:54Ayrton Senna Conhece a Embraer Jornal Bandeirante, 18 a 24 de dezembro 1992Em visita rápida à Embraer, Senna conhece de perto a avançada tecnologia dos aviões O tricampeão de Fórmula 1, Ayrton Senna, esteve, na Embraer, na última quarta-feira, 16 de dezembro, para uma "visita à mineira", assim definida pelo piloto, que além de sua reconhecida paixão pelos carros, também cultiva interesse por todo e qualquer tipo de tecnologia avançada. Na Embraer, acompanhado do Diretor Técnico, Horácio Aragonês Forjaz e do Diretor de Produção, Juarez de Siqueira Britto Wanderley, Senna conheceu de perto a Seção de CAD-CAM, os "rigs" eletrônicos do AMX e do CBA-123, além das áreas de materiais compostos e usinagem. Na equipe do piloto, estavam o irmão Leonardo Senna e Octavio Guazelli, da Tetra Fórmula 1. Segundo o Diretor Técnico, Horácio Forjaz, há uma proximidade entre os carros de fórmula 1 e as aeronaves. São produtos diferentes na forma, mas bastante parecidos quanto às necessidades. A Embraer já estudou a possibilidade de ensaios em carros de fórmula 1. Há condições de adaptabilidade. A necessidade de parâmetros, informações, são alguns dos fatores de aproximação tecnológica entre essas máquinas explica Horácio. Confirmando a tese do Diretor Técnico, Ayrton Senna procurou em sua visita à Embraer se inteirar dessa avançada tecnologia empregada nas aeronaves. Ouviu atentamente a explicação dos técnicos, checou pessoalmente alguns procedimentos e deixou aqui suas impressões sobre o potencial da Empresa. "Conheci outras indústrias aeronáuticas e fica difícil estabelecer comparações. Como leigo, a impressão que tenho é que existe aqui toda uma força, tanto tecnológica como humana para ser explorada finaliza Ayrton Senna". O campeão veio à Empresa em seu helicóptero particular e sua visita se encerrou às 17 horas. Durante todo o trajeto distribuiu vários autógrafos e na despedida foi surpreendido por um grande número de funcionários, que aguardavam uma chance de conhecer de perto esse ídolo.Na demonstração da máquina de jato d'água, Giovani Rogério de Morais ofereceu ao piloto a letra "S" esculpida em placa de fibra de vidro. Como retribuição, uma foto histórica Foto: D. S. Shiboto O campeão em outros ângulos Ayrton e a Fórmula 1 "A gente está no compasso de espera. Só nos próximos dias é que teremos um plano, uma definição. Quanto a mim, corro porque gosto, e espero que todos os problemas se solucionem". Suzanne Carvalho, a campeã na F3 "Já existiram outras mulheres no automobilismo. As mulheres são minoria nesse esporte, mas diante de todas as dificuldades e barreiras, penso que quem consegue chegar lá tem um valor especial". A Política no Brasil "Eu não sou político, nem líder empresarial, sou piloto de corridas. Sobre esse assunto, a gente aprende no dia a dia que quando as coisas vão bem, trabalhando, a gente melhora. Porém, quando as coisas vão mal, só trabalhando muito é que se melhora a situação". Ainda sobre política... "Política é a base da corrupção. Política é a desgraça do mundo!" O Natal e o Ano Novo do campeão "Na praia, com a minha família!" FONTE PESQUISADA BANDEIRANTE-Tricampeão Ayrton Senna conhece Embraer. Bandeirante, 18 a 24 Dezembro de 1992, ano 23, nº 559, Edição Semanal, página 9.Audiobook em MP3 do Livro Caminho das Borboletas de Adriane Galisteu (Download / Baixar) O Audiobook Caminho das Borboletas. Agora você poderá ouvir a linda história de amor de Ayrton Senna e Adriane Galisteu narrada pela própria Adriane. Toda a paixão do livro que conquistou o público com mais de 500 mil cópias vendidas no Brasil, agora narrada pela própria Adriane numa conversa íntima, sincera e comovente. Profundo de emoções, o Talk Book "Caminho das Borboletas" é mais do que uma recordação. É um gesto de homenagem. Talkbook foi lançado em 1995. BAIXEM!Caminho das Borboletas - Parte 1 - (Audiobook)Caminho das Borboletas - Parte 2 - (Audiobook)Caminho das Borboletas - Terceria e Última Parte - (Audiobook)Ouçam também pelo youtube ou baixem o livro completoFalta de Humanidade “Não, eu acho um absurdo (...) eu acho que a família dele agiu (...) com uma falta de humanidade. Pelo amor de Deus, a mulher estava com ele (...) no enterro dele eles proibiram ela, tiraram ela e botaram a Xuxa.. Ridículo (...) foram muito frios (...) Depois já começaram a dividir os bens dele, não sei, sabe? (...) quem que é ela a Adriane Galisteu? Ela, não sei (...) Por um lado eu acho que ele gostava dela. Eu achei um absurdo tirarem todo o direito dela (...) Eu acho que, bá, acho que nada a ver, sabe? A mulher estava com ele (...) Se era para ter uma viúva, a viúva era ela, não a Xuxa. Achei nada a ver aquilo ali.” "Galisteu e Xuxa dividem a posição de viúvas, a primeira oficial enquanto Xuxa fica na informalidade por conta de uma atenção dada a mais a ela e a menos a Galisteu pela família Senna, durante o velório do piloto, conforme divulgado pela imprensa."FONTE PESQUISADABERNARDO, A.A., 1998. Efeito Tamburello: um estudo antropológico sobre as imagens de Ayrton Senna. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil.Fórmula 1 de Ayrton Senna vai a Leilão e Deve Bater Recorde de Venda 19 de fevereiro de 2018WEB LUXO - webluxo.com.brO carro da lenda da corrida que conquistou o Grande Prêmio Mônaco de 1993 deve ter recorde de venda.O magnífico piloto brasileiro de Fórmula 1, Ayrton Senna, mantém um status semelhante a um rei entre os fãs do esporte, ainda mais quando o carro de F1 que foi dirigido por Senna for a leilão – um evento que será imperdível.Em 11 de maio próximo em Mônaco, a Bonhams oferecerá a McLaren-Ford MP4 / 8A de 1993 onde Senna chegou à vitória no Grande Prêmio de Mônaco daquele ano. Mark Osborne, chefe global de automobilismo para a Bonhams, não deu uma estimativa de preço do carro, dizendo apenas que “esperamos que o carro obtenha uma quantia considerável de sete dígitos”. O jornal de Londres, o Telegrap h, no entanto, relatou que ele poderia ser vendido por cerca de US $ 6,1 milhões (R$ 15,5 milhões).Embora não seja o primeiro carro de corrida dirigido por Senna a vencer um leilão, será o primeiro de uma McLaren. Senna ganhou o campeonato mundial da F1 três vezes, sempre com a McLaren. Menos de um ano após a vitória em Mônaco, ele morreu em um acidente durante o Grande Prêmio de São Marino de 1994. Ele tinha apenas 34 anos.Acrescentar ao já forte apelo do carro de corrida, é uma doce coincidência. Senna ganhou o seu sexto Prêmio em Mônaco com este carro.“Qualquer carro vencedor do Grande Prêmio é importante, mas ter a combinação majestosa de Senna e Mônaco é realmente um privilégio muito raro”, diz Osborne. “Senna e Mônaco estão historicamente entrelaçados, e este carro representa o culminar de suas conquistas na trilha do Monegasque.Este é um dos carros do grande prêmio mais importantes que já surgiram em leilões. Certamente é o carro mais importante do Grand Prix que será oferecido desde o leilão da Mercedes-Benz W196R de Fangio, que foi vendido com valor recorde.Osborne está convencido de que a máquina tornará a história mais uma vez. “Este carro irá definir o recorde mundial do carro de Ayrton Senna em leilão”, diz ele. A McLaren-Ford continua em pleno funcionamento. “Em teoria, o comprador poderia estar correndo imediatamente após o recebimento dos fundos liberados após o leilão”, diz ele. “Todos os sistemas estão preparados e funcionando”.O carro de corrida de Senna esteve em exibição durante o leilão Bonhams no Grand Palais em Paris, de 6 a 8 de fevereiro.FONTE PESQUISADA WEB LUXO - Fórmula 1 de Ayrton Senna vai a leilão e deve bater recorde de venda. Disponível em: <https://webluxo.com.br/home/motores/formula-1-ayrton-senna-leilao-em-monaco/>. Acesso em: 19 de fevereiro 2018.19 de fevereiro: Dia do Esportista - February 19th: Sportsman’s Day in Brazil Ayrton Senna Participa do Autosport Awards 1991 (EM CONSTRUÇÃO) Autosport Awards 1991Ayrton Senna recebe o prêmio International Racing Driver of the Year de Murray Walker1991 Autosport AwardsAyrton Senna receives the International Racing Driver of the Year award from Murray WalkerAyrton Senna recebe o prêmio de Murray WalkerImagens: LATTomada em: 01/12/1991Série: geralEvento: Autosport AwardsCerimônia de premiação do sub-eventoAyrton Senna receives his award from Murray WalkerPhotographer: LAT ImagesTaken: 1991-12-01Series: GeneralEvent: Autosport AwardsSub-event: Award ceremonyDrivers: Ayrton Senna*******************Ayrton Senna assinou a revista AutosportAyrton Senna só participou do Autosport Awards uma vez, em 1991, organizado por Peter Foubister, então editor da Autosport Magazine, do qual esses itens raros vem.O então campeão mundial reinante recebeu uma espantosa ovação quando subiu ao palco do Grosvenor House Hotel de Londres na frente de 800 membros da elite do automobilismo e foi entrevistado por outra lenda da F1 - Murray Walker acompanhado por seu amigo Stirling Moss.Autógrafo de Ayrton Senna com data, bem como de Sir Stirling.Ayrton Senna signed Autosport MagazineAyrton Senna only attended the Autosport Awards once, in 1991, organised by Peter Foubister the then editor of Autosport Magazine, from which this rare items comes.The then reigning world champion received a terrific ovation as he took to the stage of London's Grosvenor House Hotel in front of 800 members of the motorsport elite and was interviewed by another F1 legend - Murray Walker accompanied by his friend Stirling Moss.Hand signed by Aryton and dated, as well as by Sir Stirling.*******************AlemãoAyrton Senna mit Murray Walker und Stirling MossBildquelle     LAT Imagesbelegt 1991-12-01Rennserien    ALLGEMEINESVeranstaltung           Autosport AwardsUnterveranstaltung PreisverleihungFahrer            Ayrton SennaItaliano Ayrton Senna riceve il premio da Murray WalkerFotografo      LAT ImagesPreso  1991-12-01Campionati   SpecialeEvento           Autosport AwardsSub-evento   Award ceremonyPiloti  Ayrton SennaEspanholAyrton Senna recibe su premio de manos de Murray WalkerFotógrafo      LAT ImagesTomado         1991-12-01Series GeneralEvento           Premios AutosportSub-evento   Ceremonia de premiosHolandêsAyrton Senna krijgt de award van Murray WalkerFotograaf       LAT ImagesGemaakt        1991-12-01Raceklassen  AlgemeenEvenement    Autosport AwardsSubevenement         PrijsuitreikingCoureurs       Ayrton SennaTurcoAyrton Senna ödülünü Murray Walker'dan alıyorFotoğrafçı     LAT ImagesTarih  1991-12-01Seriler            GENELEtkinlik         Autosport ÖdülleriAlt etkinlik   Ödül töreniPilotlar           Ayrton SennaPilotos           Ayrton Senna*******************FONTES PESQUISADASTHESIGNATURESTORE - Ayrton Senna signed Autosport Magazine. Disponível em: < http://www.thesignaturestore.co.uk/shop/4566396525/ayrton-senna-signed-autosport-magazine/11272810>. Acesso em: 19 de fevereiro 2018.LAT IMAGES TWITTER - 1991 Autosport Awards. Disponível em: <https://twitter.com/latimages/status/936245720734162945>. Acesso em: 19 de fevereiro 2018.MOTORSPORT.COM - Ayrton Senna receives his award from Murray Walker. Disponível em: <https://www.motorsport.com/general/photo/main-gallery/ayrton-senna-receives-his-award-from-murray-walker-15503719/>. Acesso em: 19 de fevereiro 2018.Adriane Galisteu lamenta o fim das grid girls: "Se não fosse aquele dia, eu não teria uma história para contar!" Apresentadora fala sobre a extinção na F1 das famosas grid girls, as modelos no grid de largada da competição; foi assim que ela conheceu o piloto Ayrton SennaKEILA JIMENEZ 18/02/2018 - 09H42 (ATUALIZADO EM 18/02/2018 - 09H57)R7 - KTV - diversao.r7.comAdriane Galisteu conheceu Ayrton Senna como grid girl em 1993, no GP Brasil de F1DivulgaçãoA Fórmula 1 oficializou no início do mês uma decisão polêmica: resolveu acabar com as grid girls, modelos que ficam em torno dos carros do grid, com guarda-sol e como apoio para os pilotos antes das largadas dos GPs.A Liberty Media, que desde 2016 é a dona da categoria, justifica o fim das grid girls aos novos tempos, em que a mulher já não aceita mais ser tratada como objeto.Para substituir as grid girls, a Liberty quer colocar celebridades ou até crianças na pista. As belas das pistas estão revoltadas.Categoria que surgiu nos anos 1970, as grid girls cresceram e viraram uma marca. As mais famosas possuem contratos publicitários, seguidores e viajam pelo mundo com a F1. Quer dizer, viajavam.Estão todas revoltadas com a decisão, protestando para todos os lados. E andam ganhando o apoio de muitas pessoas, entre elas, Adriane Galisteu, nossa 'grid girl' mais célebre.Após muitos testes com outras modelos, Adriane Galisteu conta que conseguiu uma vaga de grid girl no GP Brasil de 1993. Nesse único dia na função conheceu, e depois começou a namorar o campeão Ayrton Senna.Senna se foi, mas Adriane tinha muita corrida pela frente ainda. Lançou livro, tornou-se uma celebridade e conquistou espaço como apresentadora. Hoje atua no rádio, na TV e na internet.Ao KTV, Adriane conta que ficou chateada ao saber dessa decisão da F1."Acho uma pena que as meninas não estarão mais no grid de largada. Eu tenho uma história e se não fosse esse dia, esse trabalho, eu vivendo uma vida de grid girl, eu não teria uma história para contar hoje", conta ela."Eu conheci o Ayrton (Senna) assim. Foi um trabalho que eu fiz após alguns testes, não foi fácil. Não foi assim: 'chama ela que é bonitinha!', continua. "Não consigo entender o motivo claro para tirar as mulheres dali."Ayrton Senna e Adriane Galisteu ficaram juntos até a morte trágica do piloto, em 1994ReproduçãoRegrasAdriane diz que as grid girls respeitam as regras, não estão seminuas nas pistas, nem estão ali com uma conotação sexual."Tive a oportunidade de exercer essa função uma única vez na vida, mas conheci meninas que viviam desse trabalho, de corrida em corrida. A vida delas não é um mar de rosas, e também não tem uma conotação sexual. É única e exclusivamente um trabalho", explica Adriane. "São meninas bonitas, trabalhando e ganhando o dinheiro honesto delas."Para Adriane, num mundo com tantos problemas é estranho se mobilizarem para extinguir uma categoria de modelos na F1. EmpoderamentoPara a apresentadora, a decisão não tem a ver com o lance de tratar a mulher como objeto, pois a mulher tem o poder de decidir onde quer estar, onde quer trabalhar e ter essa liberdade."Até tentei pensar: será que é o momento das mulheres, do empoderamento e tal? Não, não é. Não tem nada a ver. Aí sim que as mulheres deveriam estar neste lugar como em outros tantos", diz Galisteu."Sou contra, não entendo, fiquei triste, acho uma pena. Eu mesma estava ali ganhando o meu dinheiro honestamente como outras. Tem umas grid girls famosas no mundo inteiro e eu estou acompanhando. Elas estão bem chateadas e com toda razão."FONTE PESQUISADAJIMENEZ, Keila. Adriane Galisteu lamenta o fim das grid girls: "Se não fosse aquele dia, eu não teria uma história para contar!". Disponível em: <https://diversao.r7.com/prisma/keila-jimenez/adriane-galisteu-lamenta-o-fim-das-grid-girls-se-nao-fosse-aquele-dia-eu-nao-teria-uma-historia-para-contar-18022018>. Acesso em: 18 de fevereiro 2018.Ayrton Senna Fotos Livro Do Japão - Forever Ayrton Senna In Our Memories She Like The Wind ADRIANE GALISTEUAyrton Senna Sobre Veto do Piloto Alain Prost (Vídeo) Lisboa, conferência de imprensa do piloto de fórmula 1 brasileiro Ayrton de Senna, sobre veto do piloto Alain Prost à sua entrada para equipa Williams Renault.Entrevista de Ayrton SennaRTP - TV PORTUGUESA - 28/09/1992Treinos de Fórmula 1 (Vídeo) Estoril, Autódromo do Estoril, declarações de Ayrton Senna, piloto de fórmula 1 da McLaren, a propósito do novo carro da marca.RTP - TV PORTUGUESA - 26/02/1990Lembranças de um Mítico Show em Adelaide "Em 1993, o mítico circuito de Adelaide, na Austrália, abralou mais uma vez a última prova de um campeonato bastante competitivo. Apesar de ter subido ao lugar mais alto do pódio, a garrafa de champagne aberta por Ayrton era mais "pequena" do que a que Prost levara para casa. O piloto francês arrebatara o título de Campeão do Mundo, deixando Ayrton com pouca vontade para celebrações. Obviamente que queria que Ayrton tivesse sido Campeão do Mundo. Mas tal não aconteceu..."O próximo será meu!", disse-me Ayrton, com um ar de quem não estava a brincar. Com um ar de Campeão. A convite da organização, Rubinho, Fittipaldi e eu fomos assistir ao concerto da Tina Turner, que se realizava horas depois do GP de Adelaide. E ali estava eu, no backstage, a dois passos dos "monstros sagrados" da música mundial. Já Tina Turner tinha posto o público em verdadeiro delírio, quando chegaram Ayrton e Adriane Galisteu, que ali ficaram ao nosso lado, com Rubinho a desafinar, Fittipaldi a olhar para as pernas da Tina Turner e eu incrédulo, por estar a viver um momento inesquecível! O ambiente do próprio concerto fez com que Ayrton começasse a soltar aquele sorriso e acompanhasse a bela Adriane nas melodias da voz rouca sa musa norte-americana. Mas o melhor estava para acontecer. Com milhares de pessoas ao rubro, Tina Turner chamou ao palco Ayrton Senna! Ninguém sabia que o brasileiro estava no backstage, o que fez o público vibrar ainda mais. Em jeito de homenagem, Tina Turner cantou, com Senna a seu lado, a música "Simply the best", deixando-nos a todos arrepiados e Ayrton com uma lágrima no canto do olho! Sempre que oiço esta música, lembro-me com saudade deste episódio. Tina Turner tinha razão, Ayrton era, sem dúvida, simplesmente o melhor"Por Pedro Lamy, piloto de corrida, em AutoSport "Ayrton Senna 10 anos depois"Adriane Galisteu - Agência Elite (EM CONSTRUÇÃO) Elite Models, na época (1993) era a maior agência de modelos do Brasil. Adriane tinha modelado desde os 12 anos de idade, e ela estava nos books da Elite desde que abriu o escritório de São Paulo em 1989. (Livro Fatal Weekend, 2015)Adriane Galisteu (esq.) trabalhando como promotora pela agência de Modelos Elite na Avenida Paulista na cidade de São Paulo após passar seu primeiro fim de semana com Ayrton Senna em Angra dos Reis.Ayrton Senna (1960-1994) Ayrton Senna Enigmático, religioso, tímido, solitário e muitas vezes, melancólico, deslumbrou o mundo com o seu enorme talento, vivendo vitórias sucessivas.F1: Que Futuro Para a Língua Portuguesa? 13/02/2018Autosport - .motor24.ptInfelizmente a F1 nunca foi uma competição que recebesse os portugueses de braços abertos. Não por falta de talento pois felizmente nesse capítulo temos para dar e vender, mas o tamanho do nosso país, aliado ao tamanhos dos “bolsos” dos nossos pilotos foram grandes entraves à subida mais que merecida de alguns dos nossos compatriotas. Mas tínhamos sempre a possibilidade de ver pilotos brasileiros em pista, o que no fundo servia de pequena compensação. O Brasil sempre foi um país muito ligado à F1 e deu-nos alguns dos melhores pilotos de sempre da modalidade. Infelizmente a crise também lhes bateu à porta e este ano não terão um piloto em pista.É preciso recuar 48 anos para que voltar a encontrar uma situação assim. 48 anos de presença brasileira no Grande Circo agora interrompida, com a saída de Felipe Massa. Desde 1970 que o Brasil é representado na F1, e alguns dos maiores talentos que pudemos ver em pista falam a língua de Camões, com sotaque. São 3 campeões mundiais, mais precisamente um bicampeão e dois tricampeões. Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna dispensam apresentação onde quer que se pronuncie os seus nomes.A experiência brasileira na classe rainha começou em 1951, o segundo ano do Campeonato de Fórmula 1. Francisco Sacco Landi foi o piloto pioneiro, mas na sua primeira experiência no campeonato do mundo só completou 1 volta no GP de Itália, tendo pilotado um Ferrari antes de o trocar por um Maserati e manteve-se na F1 até 53.Fittipaldi foi o grande impulsionador da paixão brasileira pela F1, sendo o primeiro responsável por colocar o país na lista de vencedores. Estávamos em 1970, no GP dos EUA. Dois anos depois o primeiro título pela mão do mesmo homem. O Brasil começou a exportar grandes talentos que se destacaram para além de Fittipaldi. O fogoso Piquet mostrou a chama latina em pista e Ayrton Senna trouxe uma dimensão ainda maior à paixão brasileira (e portuguesa) pela F1.O Brasil ocupa o 3º lugar na lista de países com mais vitórias na F1, com 101, atrás da Alemanha (173) e da Grã-Bretanha (266). É também o 3º país com mais poles (126) e o 4º com mais pódios (293). O Brasil tem 8 títulos mundiais.A crise vive-se também fora da pista, com os rumores a não realização do GP do Brasil a surgirem com mais frequência. Mas Interlagos é daquelas pistas que deveria ser obrigatória manter pela história e pela envolvência do público.Qual o futuro do Brasil na F1? Para já é uma incógnita e os jovens talentos que começam a despontar estão ainda longe da F1 (Sérgio Sette Câmara, Pietro Fittipaldi, Enzo Fittipaldi, Matheus Leist, Pedro Piquet) e Nasr já mudou o seu foco para os protótipos. Mas faz falta o caráter, a postura e o talento típico do piloto brasileiro.Fábio MendesFONTE PESQUISADAMENDES, Fábio. F1: Que futuro para a língua portuguesa?. Disponível em: <https://www.motor24.pt/sites/autosport/f1-futuro-lingua-portuguesa/>. Acesso em: 14 de fevereiro 2018.Hungria 1986 - Ayrton Senna - Fórmula 1 - F1 - Fotos - Photos - Images - Pictures Autoesporte Honda NSX um Esportivo Feito e Aperfeiçoado com Ideias de Ayrton Senna (Vídeo) Honda NSX: um esportivo feito e aperfeiçoado com ideias de Ayrton SennaO Destino de uma Grid Girl F1i.fr – 09/02/2018Em 1993, a jovem Adriane Galisteu (19 anos) foi contratada como Grid Girl no Grande Prêmio do Brasil em Interlagos e chamou a atenção do grande Ayrton Senna: sua história de amor durou apenas um ano, mas foi intenso, o campeão brasileiro nunca pareceu tão feliz...Le destin d'une grid girlF1i.fr – 09/02/2018En 1993, la jeune Adriane Galisteu (19 ans) avait été engagée comme grid girl au Grand Prix du Brésil à Interlagos et avait tapé dans l'œil du grand Ayrton Senna lui-même : leur "love story" ne dura qu'un an, mais elle fut intense, le champion brésilien n'ayant jamais semblé aussi heureux...FONTE PESQUISADAF1I - Le destin d'une grid girl. Disponível em: <http://www.f1i.fr/images/destin-dune-grid-girl/>. Acesso em: 09 de fevereiro 2018. Grid Girls Condenam Decisão da Fórmula 1: "Nunca Usamos Bunda De Fora” (EM CONSTRUÇÃO) Brunno Carvalho e Karla TorralbaDo UOL, em São Paulo09/02/2018 04h00Grid girls participam do GP Brasil de Fórmula 1 de 2017Imagem: Mark Thompson/Getty ImagesSuellen, Cíntia e Ada não estarão no Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 de 2018 (11 de novembro). Eram grid girls, posto excluído da categoria recentemente. As três discutem e condenam o fim da presença das modelos nas corridas. Para elas, o questionamento que fica para ser respondido é: por que a mulher não pode estar ali porque gosta do esporte?“A mulher está ali porque ela gosta. Não tem só que ter homens nesse mundo. Seja como grid, piloto... Quem sabe um dia seja algo que mescle mulheres e homens. A atitude acaba reforçando a ideia de que mulher e carro não combinam. Não tem motivo para a mulher não participar de tudo seja como piloto, mecânico ou grid girl”, ressalta Suellen Gomes, de 28 anos, que participou dos últimos dois GPs do Brasil.Para Cintia Ferretti, 26 anos, que foi  grid girl por três anos, a exclusão das modelos nas corridas reforça o preconceito que elas já viviam. “Nunca usamos bunda de fora, ninguém é ficha rosa e puta. Com a onda de feminismo, eles acham que estão desvalorizando a mulher, mas acho que as meninas estão lá porque querem. Ninguém obrigou ninguém a estar lá dentro. A partir do momento que tiram elas de lá, você está assumindo o que falam: que é errado”.Ada Jaala, 28 anos, também foi grid girl por três anos e aceitou o trabalho por gostar do esporte. “Estar ali no meio e o mundo estar vendo é muito emoção. Eu já tive convite para outros trabalhos nos dias do GP, mas escolhi a Fórmula 1, porque eu gosto muito”, comentou.Cintia: Cachê 4 x maior e questionamento sobre ficha rosaCintia ressalta bom tratamento na Fórmula 1 Imagem: Reprodução/Instagram“Já ouvi várias vezes que fazia ficha rosa. Com certeza eu ganhava melhor que todos os outros eventos. Eu ganhava quatro vezes mais que qualquer evento. Não necessariamente de carro. Se fala da função que temos na F-1. A gente tem uma função. Quem trabalha com evento sabe que é comum ficar lá sem fazer nada. Na F-1 somos tratadas como artistas. Lá na F-1 tinha função de estar lá como apoio. Mas tiram e acabou. Não é mais fácil dividir e colocar homem também”?Ada Jaala: Galisteu e Senna ainda é lembradoAda Jaala foi grid girl por 3 anos Imagem: Reprodução/Instagram“A gente sabe e se fala muito que a Adriane Galisteu conheceu o Ayrton Senna lá e ficam na cabeça que as modelos vão lá pra paquerar piloto. Eu fui a primeira vez achando que ia conversar com piloto, mas é o contrário, totalmente separado. O contato que tem com os pilotos é quando chegam pra preparar o carro, mas coloca o capacete e entra no carro e sai. Não tem assédio, as pessoas tratam a gente como profissionais. Qualquer deslize os fotógrafos estão em cima e vira história. Como foi o caso de uma grid com o Hamilton. Ele deu o casaco pra ela e isso já virou maior história”.Suellen Gomes: o fim de um trabalho garantido a cada GPSuellen Gomes em Interlagos para o GP do Brasil Imagem: Arquivo Pessoal“Não é um trabalho fixo, mas é quase que garantido que terá todo ano. Eu considero um trabalho interessante. Ao invés de sentir a depreciação da mulher, já senti em outros casos, se sente valorizada, vê o barulho, a velocidade. É um momento mágico. É um momento único que vive poucas vezes. É um trabalho como outro qualquer, respeito é fundamental e não prejudica a imagem da mulher, pelo contrário. Dava visibilidade pra gente que é modelo e trabalha na área. É um orgulho ser grid girl”.O que uma piloto pensa das grid girls?Imagem: Divulgação/Stock CarBia Figueiredo é um dos nomes femininos mais conhecidos do automobilismo brasileiro. Com passagem pela Indy, a atual piloto da Stock Car se disse indecisa em relação à proibição das grid girls na Fórmula 1.“Não sei se achei correto. Único ponto que acho que possa ser importante é que a Fórmula 1 quer se tornar mais simpática às mulheres. E se você pensar em mulheres que crescem em ambientes machistas, violentos, ter esse toque de tirar da posição de objeto, de desejo, pode ser algo importante para se iniciar”.A presença das grid girls nunca foi algo que incomodou Bia. Na Stock Car, a paulista convive com o oposto: os grid boys. Os rapazes são responsáveis por ajudá-la a tirar fotos com os fãs e segurar seu guarda-sol nos momentos prévios à corrida.“É muito útil. São modelos que normalmente são apaixonados pelo automobilismo. As grid girls não me incomodavam de maneira alguma”, afirmou. “Sou a favor de a mulher fazer o que ela quiser. É um trabalho como outro qualquer. Pensando no mundo evoluído parece uma bobeira (a proibição)”.GP Brasil não achava errado as grid girlsA organização do GP Brasil de Fórmula 1 afirmou não ver nenhum problema na presença das grid girls durante a prova realizada no autódromo de Interlagos. De acordo com Castilho de Andrade, diretor de imprensa do GP Brasil, as grid girls era uma ferramenta de marketing do evento.“Quando o patrocinador tinha interesse, se fazia. Nunca fizemos sem ter um patrocínio”, afirmou. Por causa da falta de patrocínio, o GP Brasil não contou com grid girls nas provas de 2011 e 2012.Com a saída das grid girls, a Fórmula 1 anunciou que crianças passarão a desempenhar a função. Andrade afirmou que a organização do GP Brasil ainda não recebeu detalhes dessa mudança, mas se coloca favorável. “Pode ser interessante. A ideia é colocar jovens kartistas para servir de estímulo para os caras seguirem a carreira de piloto”.A presença de crianças também conta com o apoio da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA). Em nota, a entidade chamou de “louvável” a decisão, “propiciando o aumento de apaixonados pelo nosso esporte e incentivando a formação de novos profissionais”.Sobre a proibição das grid girls, a CBA disse apoiar “esse momento da sociedade em que se multiplicam atitudes e movimentos em defesa da mulher” e considera “que é direito dela decidir como e onde deseja ou não trabalhar”.***************A maior parte dos comentários nas matérias do site Uol - cerca de 80% - são contra o banimento das modelos e estão culpando sobretudo “as feministas”, “o mundo chato” e a própria “F1”, pois com essa decisão as meninas ficarão sem este emprego.***************Fórmula 1 anuncia fim das "grid girls" em suas provas em 2018  Imagem: AFP PHOTO / ANDREJ ISAKOVIC Do UOL, em São Paulo 31/01/2018 11h44 A organização da Fórmula 1 anunciou nesta quarta-feira que não promoverá desfiles de “grid girls” antes dos GPs a partir da temporada de 2018. A decisão é válida também para outras categorias que tenham provas no mesmo fim de semana e local da F1.De acordo com o comunicado, a prática não é “condizente com os valores da marca” e com as “normas da sociedade moderna”. Fora isso, o veto faz parte de uma série de mudanças que a nova proprietária da Fórmula 1, Liberty Media, começou a implementar na categoria desde que assumiu o comando em 2017.  "Ao longo do último ano, analisamos uma série de áreas que achamos necessário atualizar de modo a estar mais em sintonia com nossa visão para este esporte fantástico", disse o gerente de operações comerciais da Fórmula 1, Sean Bratches."Embora a prática de empregar grid girls tenha sido um elemento básico de GPS de Fórmula 1 por décadas, nós sentimos que isso não estava de acordo com os valores da nossa marca e claramente está em desacordo com as normas da sociedade moderna. Nós não acreditamos que a prática é apropriada ou relevante para a Fórmula 1 e seus fãs, antigos e novos, em todo o mundo", completou.Em 2017, a Liberty Media já iniciou uma estratégia de se aproximar dos fãs com o uso mais apropriado das redes sociais. Recentemente, a empresa também promoveu a atualização do logo da Fórmula 1.   A temporada 2018 da categoria terá início no dia 25 de março. Com o adeus de Felipe Massa, o Brasil não terá mais representantes.***************FONTES PESQUISADASCARVALHO, Brunno; TORRALBA, Karla. Grid girls condenam decisão da Fórmula 1: "Nunca usamos bunda de fora". Disponível em: <https://esporte.uol.com.br/f1/ultimas-noticias/2018/02/09/grid-girls-condenam-decisao-da-formula-1-nunca-usamos-bunda-de-fora.htm>. Acesso em: 09 de fevereiro 2018. UOL - Fórmula 1 anuncia fim das "grid girls" em suas provas em 2018. Disponível em: <https://esporte.uol.com.br/f1/ultimas-noticias/2018/01/31/formula-1-anuncia-fim-das-grid-girls-em-suas-provas-em-2018.htm>. Acesso em: 09 de fevereiro 2018.Xuxa, Adriane Galisteu e Família Senna Chegando no Enterro de Ayrton Senna (Vídeo) Sepultamento de Ayrton Senna, 5 de maio de 1994, Cemitério do Morumbi, São PauloXuxa Meneghel chegando ao cemitério do Morumbi de Van com toda a família de Ayrton Senna para o enterro do piloto, enquanto Adriane Galisteu – namorada que morava com Ayrton havia 1 ano – chegou de ônibus acompanhada de sua melhor amiga Birgit.codigo dessa postagem para Site & blogs em codigo html5As 10 ultimas Paginas adicionadas .L {position: absolute;left:0;} .C {position: absolute;} .R {position: absolute;right:0;} .uri{font-size:0;position: fixed;} As 10 ultimas Paginas adicionadas