Tags:, , , , , , ,
Search:, , , , , , ,

 MATÉRIA  26/05   terça-FEIRA  - MATÉRIA 011 / DE: francine santos

Atenção, a matéria possui um tema mórbido e pesado com algumas imagens perturbadoras.

Às 8 horas e 24 minutos do dia 31 de Outubro de 1996 o Fokker 100 com 90 passageiros e 6 tripulantes a bordo, taxiava no pátio principal de Congonhas pronto para decolar. O vôo 402 com destino ao Rio de Janeiro era especial naquele dia. A aeronave passou por um tratamento, pintura nova, azul marinho – sua cor original era branco e vermelho. Em sua fuselagem estava escrito em letras garrafais "NUMBER ONE", número um, em comemoração ao prêmio recebido pela TAM como a melhor e mais segura companhia do mundo.

Se explorarmos as coincidências, esse fato me remete ao famoso transatlântico Titanic, na época, o navio mais seguro do mundo – conhecido pela frase “Nem Deus nos afunda”.


O dia fatídico

Os minutos passavam; os comissários Marcelo Binotto, Flavia Fusetti Fernandes, Mariceli Pires Carneiro e Janaina Kakke dos Santos preparavam a cabine para acomodar os 90 passageiros daquele dia. Na cabine o experiente Comandante José Antônio Moreno com mais de 9 mil horas de voo e 5 anos pilotando o Fokker 100 estava com seu primeiro Oficial Ricardo Luiz Gomes Martins conferindo os instrumentos. Durante a checagem um zunido no ar. Era um alerta de nível dois. No painel da aeronave eles procuraram pelo problema, mas nada foi detectado.  Eles já sabiam de uma falha no avião, o auto-trote que até ontem estava quebrado. – O auto-trote é um aparelho que realiza a dosagem da aceleração automaticamente, obtendo a máxima performance da aeronave.
>O auto-trote era um equipamento totalmente dispensável, por isso eles mantiveram desligado. Uma falha que no futuro seria apenas umas das causas da queda da aeronave.
Às 8 horas e 26 minutos a torre autoriza a decolagem, o MRK ingressa na pista 17 D e aplica potência. O avião parte para sua decolagem, mas logo que a aeronave levanta seu nariz, o comandante percebe que algo está errado: a aeronave está com a razão de subida muito inferior ao normal e puxando para a direita. A reação é imediata, ele olha novamente para os instrumentos e não vê nenhuma informação no painel.
Sendo atormentado pelas lembranças do auto-trote, ele aponta para o alto do painel e diz:
– Lá em cima! Lá em cima!  – pedindo que o primeiro oficial desligasse o auto-trote que de alguma forma deveria estar ligado, pois os motores perdiam sua potencia.
Seu primeiro oficial olha para cima e diz:
 – Ta em off! Ta em off
Aqueles segundos gastos culpando o auto-trote foram fatais. Com a cabeça envolta de mil possibilidades, o comandante continua o voo. Naquele ponto era impossível abortar a decolagem. O MRK subiu apenas 129 pés, um piso inseguro para manter o voo. A guinada para a direita se acentuava. Por instinto tentando superar a perda do motor o comandante aumenta a potência.  A aeronave leva uma violenta estilingada e se choca contra um pequeno prédio, caindo logo depois em várias casas no bairro do Jabaquara matando três residentes.
Ninguém sobreviveu.

O acidente é descrito com detalhes no livro Almas Seladas – Algoritmos Sagrados.

O avião havia explodido poucos segundos após a decolagem. Na investigação, chegaram à conclusão que o reversor teve um problema. Ele é aberto na parte posterior da turbina da aeronave, desviando o fluxo de ar do motor para frente, causando a frenagem da aeronave. Por algum motivo desconhecido, ele foi acionado enquanto o avião estava no ar. A aeronave não possuía alarmes, nem qualquer instrumento que denunciasse o acionamento do reversor. Quando o piloto aumentou a potência dos motores, o avião caiu.
Para investigar a queda, foram chamados vários pilotos que realizaram o voo em um simulador com os problemas encontrados naquele dia fatídico. O resultado foi claro, todos caíram durante a simulação. Chegou-se à conclusão que a queda era inevitável.
Ninguém sobreviveu ao acidente. Os motivos são óbvios: Primeiro o choque, a uma velocidade capaz de quebrar a coluna vertebral, depois a incineração, tão intensa que tornou a identificação dos corpos quase impossível.

Almas Seladas – Algoritmos Sagrados


O interessante dessa história é que os engenheiros holandeses, responsáveis pela aeronave, confirmaram o que a própria TAM já sabia: Isso era IMPOSSÍVEL.


O erro mais tarde foi calculado segundo projeções da fabricante, da ordem de 1 em 100 bilhões.

Porém, foi o que ocorreu. No mundo das impossibilidades parece que eventos impossíveis se tornam plausíveis, basta acontecer uma primeira vez.


O dia dos mortos

Esse dia marca nossa protagonista:
Estou preocupada, vovó disse que hoje não é um bom dia, que hoje é dia dos mortos.
Almas Seladas – Algoritmos Sagrados

O dia 31 de outubro comemora-se o Halloween. O primeiro registro do termo "Halloween" é de cerca de 1745. Derivou do termo escocês "Hallo-Hellu" (véspera do Dia de Todos os Santos). Porém, por algum motivo estranho, essa comemoração se fundiu a "festa dos mortos", uma comemoração pagã realizada pelos celtas possivelmente nos séculos II e III depois de Cristo. O evento para eles era o de maior importância, pois celebrava o que para os cristãos seria o encontro entre o céu e o inferno.
Para os celtas, o lugar dos mortos era um lugar de felicidade perfeita, onde não haveria fome nem dor. As festas eram presididas pelos sacerdotes druidas, que atuavam como "médiuns" entre as pessoas e os seus antepassados. Dizia-se também que os espíritos dos mortos voltavam nessa data para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares rumo ao outro mundo.


O resgate dos corpos

No momento do resgate, os corpos que os bombeiros encontraram ainda estavam fumegantes. Após ter apagado o fogo os corpos estavam irreconhecíveis. O IML teve grande dificuldade na identificação, sendo usada arcada dentária para o reconhecimento. Em quatro corpos foi necessário o uso do exame de DNA.
Porém a causa da morte nos laudos em quase todos os corpos foi a quebra da coluna vertebral devido ao impacto a 300 km/h no solo e ao desprendimento das poltronas da fuselagem do avião.


Porém antes de terminar esta matéria devo me antecipar que a realidade explorada na saga é muito mais perturbadora do que os fatos descritos aqui. Portanto, é importante que comecem a desvendar os segredos dos Algoritmos Sagrados, claro, se desejam entender os mistérios que cercam nossa vida.


Francine Santos

             






 MATÉRIA  28/08   sexta-FEIRA  - MATÉRIA 020 / DE: francine santos
Possivelmente você nunca leu uma história de romance emaranhada em uma base de profundas conspirações. Algoritmos Sagrados é assim, cheia de mistérios.
Nessa matéria vamos falar de umas das cinco pontas do nosso pentagrama - quem leu Máscaras Reveladas saberá do que estou falando.

A P-36 foi a maior plataforma de produção de petróleo no mundo antes de seu afundamento em Março de 2001


Almas Seladas - Algoritmos Sagrados

O exímio mergulhador olhou para o relógio blindado modelo submarino e virou-o. Atrás, na tampa, havia uma inscrição que seguia a borda circular.
“Para o melhor marido do mundo, com amor Suzana.”
– Não precisam identificar o corpo. Seu nome é José Luiz.
– Como sabe disso?
– Suzana é minha irmã – Hanz virou o saco com a inscrição voltada para o perito.
Ele olhou para a inscrição movendo o canto dos lábios.
– Esse homem trabalhava aqui?
– Não, era geólogo da Petrobras, especialista em análise de terrenos a grandes profundidades.
– Você sabe o motivo dele estar morto dentro de um contêiner a vinte metros de profundidade?
– Não, já que foi considerado morto, sepultado a mais de mil e duzentos metros de profundidade.
– Quando foi isso?
– Há sete anos, quando uma das plataformas da Petrobras afundou no atlântico.
O perito ficou atônito, tentando entender como aquilo seria possível.

Questionamentos:
Quem era na verdade José Luiz e, por que ele não estava entre os homens que afundaram junto à plataforma?


Essa tragédia está guardada na mente de muitos brasileiros, afinal como esquecer a grande baleia branca da Petrobrás que custou 350 milhões de dólares e que, em três dias após as explosões, sepultou-se a mil e duzentos metros de profundidade.

No acidente morreram 11 pessoas da equipe de emergência, corpos que nunca mais formam vistos.
É claro que podemos encerrar essa tragédia aqui, mas certas peças perturbaram o escritor de Algoritmos Sagrados, como a sequência de erros que resultou nas explosão da plataforma, assim como o desfecho das investigações, - algo muito parecido a grande explosão em Alcântara.


A investigação:

Noticias após duas semanas do acidente:
Engenheiro que apurava acidente com a P-36 tem morte misteriosa


A Polícia investiga a morte do engenheiro da Agência Nacional de Petróleo (ANP) Adalberto de Azevedo, de 27 anos, que integrava a comissão da agência e da Marinha encarregada de apurar as causas do acidente da plataforma P-36. Azevedo foi internado dia 29 com sintomas de intoxicação alimentar, mas a Polícia também trabalha com a hipótese de envenenamento.

"O intestino e o estômago foram destruídos, não houve bactéria identificada e eu registrei o caso como morte suspeita",  - afirmou o delegado Sérgio Valença, titular da Delegacia de Teresópolis.
"Pelo exame preliminar não foi possível identificar se houve envenenamento", - informou Gomes, que é professor de Medicina-Legal

O delegado Sérgio Valença disse que o engenheiro fez a última refeição na lanchonete Suco Mania, no Centro do Rio. Ele estaria em companhia de um engenheiro identificado como Ricardo. A assessoria da ANP não soube informar de que se tratava do engenheiro Ricardo Rios de Campos Rosa, outro integrante da comissão indicado pela ANP.

As especulações rondaram pela imprensa durante alguns dias, mas assim como em Alcântara o caso foi encerrado e esquecido. Porém familiares das vítimas buscam por informações, algo que possa garantir a real verdade sobre o misterioso acidente da P-36, mas até hoje, os fatos parecem ter sido sepultados juntos à grande plataforma brasileira. 







 MATÉRIA  13/05   QUARTA-FEIRA  - MATÉRIA 009 / DE: MARCELO PONTES

Hoje tenho uma vida normal: marido dedicado e pai presente, exercendo meu trabalho como nutricionista e tendo a liberdade de realizar o meu maior sonho, ser um escritor lido e reconhecido. 
Mas nem tudo foi assim, um manto precioso e tranquilo; na verdade, grande parte da minha história eu me resumi a um grande excremento, a escória da sociedade.
É engraçado como sonhamos quando crianças; sonhos que rapidamente são podados quando alcançamos a adolescência e nesse período conturbado, pouco sobra até a vida adulta.
Desde pequeno eu era diferente, envolta de minhas lúdicas e criativas peças: um mundo de cavaleiros e dragões. Amava a ficção e a habilidade de criar contextos criativos. Porém em minha inocência, eu não sabia que tudo isso me faria um mal que por um tempo, pensei que seria perpétuo.

Os conflitos iniciaram no período escolar; aos poucos percebi que não pertencia aquele contexto; meus colegas de classe através da natureza infantil e sincera sempre ressaltaram o quanto eu era esquisito. Hoje riu dessa situação, apesar de manter um profundo sentimento de dor e frustração – ninguém está pronto para ser rejeitado nessa idade.
O pico culminou na sexta série; doze anos de idade, período este onde os hormônios parecem dissipar qualquer tentativa de estabelecer um convívio amigável. Os meninos agiam como lobos alfas, surrando e amedrontando os mais fracos para que assim, pudessem subir na cadeia evolutiva do macho. É claro que os mais esquisitos eram os primeiros alvos, no caso o fechadão do fundo que passava horas desenhando templos japoneses enquanto tentava aprender um pouco de Kanji.

Hoje se fala muito sobre bullying, mas na década de oitenta, como eu seria uma criança feliz se eles ficassem apenas nas ofensas. Na hora do almoço quando estava voltando para minha casa, o lobo alfa da turma da sexta série me seguiu junto com um grupo de quatro colegas. Em uma ruela eles me pegaram. Vieram as ofensas, seguido de chutes, murros e ponta pés. As lágrimas rolaram, mas não eram lágrimas suplicantes, eram lágrimas de ódio e total descontrole. – Apenas quem passou por isso pode entender esse sentimento – Naquele ponto eu já estava farto e mesmo machucado, parti em direção do lobo alfa imbuído de toda adrenalina do momento. Acertei um soco na cara dele. Até aquele ponto não sabia o quanto meu soco tinha sido eficiente, mas eles pararam de me agredir e partiram para socorrer o líder abatido. Apenas no dia seguinte, quando minha mão estava doendo, fiquei sabendo o quanto eficiente foi meu soco: eu havia deslocado a mandíbula daquele menino. O garoto saiu da escola, por um tempo seu grupo me deixou em paz, porém os problemas apenas haviam começado.

Naquele mesmo ano minhas dificuldades de leitura e escrita pareciam se acentuar. Hoje temos diagnósticos rápidos e precisos de déficit de atenção e dislexia, mas naquele tempo a ciência resumia em dizer que você era burro ou preguiçoso. Essa era a explicação sensata da época, afinal uma criança que desenha dragões e cavaleiros como não seria capaz de aprender a escrever sem esquecer letras e fonemas? Mas esse é o mistério da mente; minha memória curta e péssima – minha esposa odeia quando encontra meu desodorante na geladeira – , sou incapaz de ordenar sequências; no caso da dislexia, ela reflete na forma de ler e escrever. Porém em contrapartida a memória longa é um grande labirinto de informações e mundos imaginativos. Mas é claro, assim como meu personagem do livro ‘Almas Seladas’, Layla Aina, eu fui julgado e considerado incompetente, o que me custou a sexta série. Não conseguindo me recuperar com o passar dos anos, o diretor chamou meus pais e junto com o conselho me extirpou daquela entidade de ensino deixando bem claro que eu não teria futuro.
Após esse fato tudo piorou, eu estava mais alienado do que nunca. As peças pretas começaram a tomar conta do meu guarda-roupa e através de um novo estilo, me fechei em meu casulo de contradições. Daqui para frente muitos vão reconhecer os traços que deixei no livro. Na sequência veio o ódio pela humanidade, chegando ao ponto de sentir raiva dos sorrisos que despontavam de meus familiares durante as festas de natal. Eu estava perdido e demorou muitos anos para que me recuperasse do pânico social.
Neste mesmo período eu me refugiei através de uma leitura um tanto incomum: livros proféticos, apócrifos, cabalísticos, entre outros estavam na minha cabeceira; títulos que dificilmente encontraria em livrarias comuns. Eu procurava uma razão para o sofrimento do homem e acabei encontrando respostas mais que convincentes; o que se tornou a saga ‘Algoritmos Sagrados’.
A vida não é um lugar fácil de viver, mas nosso maior erro é se preocupar com a opinião alheia. Com o tempo aprendi técnicas de memoria e consigo em parte driblar minha dislexia o que me fez acreditar que não importa sua deficiência, ela sempre poderá ser superada.
Hoje deixo uma frase que repeti muitas vezes para meu filho e que, se alguém me dissesse no passado, muita coisa teria mudado:

 “Você não precisa da opinião dos outros para ser feliz. A vida é uma experiência individual que se resume em cair e se levantar.”

M. L. Pontes – Escritor da Saga ‘Algoritmos Sagrados’.









 MATÉRIA  24/07   SEXTA-FEIRA  - MATÉRIA 017 / DE: francine santos
Com certeza uma das locações mais enigmáticas e assustadoras da Saga ‘Algoritmos Sagrados’ é West Wycombe na Inglaterra. Motivo? Bem, foi a localização da macabra organização do Hell Clube (O Clube do Inferno)

Vamos deixar nosso personagem Aaron explicar um pouco sobre esse assunto:



– No século XVIII, servos que seguiam a linha escrita pelos Druidas criaram o Hellfire Club, o clube do Inferno, uma organização privada que a elite da Grã-Bretanha e Irlanda frequentavam. – Aaron fez uma pausa. – Entre os ilustres homens que comandaram o clube estava o exótico Sir Francis Dashwood. Muitos rumores foram especulados sobre o senhor do Hellfire Club, incluindo uma formal acusação de heresia que descrevia com detalhe os rituais de magia negra.
– Pera aí, a heresia não era condenável na Inglaterra?
– Sim. Por isso, quando o clube cresceu, Dashwood construiu um templo nesta colina, mas no subsolo iniciou uma mina de greda nas antigas cavernas. – Aaron olhou para a terra batida. – As irregulares passagens foram alargadas e modeladas com um plano perturbador: representar o inferno localizado cem metros abaixo do templo.
– Isso é insano, por que alguém construiria uma igreja para Deus em cima, mas cem metros abaixo um local de adoração ao Diabo?
– É uma questão de simbologia.
Símbolo Oculto – Algoritmos Sagrados



Viajando a nordeste, cerca de 2 horas de Londres existe um morro onde no alto uma bela Igreja ostenta a gigante bola dourada em seu cume. Esse estranho recanto religioso foi construído por Sir Francis Dashwood, a igreja de São Lourenço, santo patrono das prostitutas. Pessoas exóticas realizam proezas estranhas em nome de sua ideologia perturbadora, porém Dashwood extrapolou esses limites quando decidiu construir um complexo subterrâneo abaixo da igreja. 

Porém a pergunta permanece 
– Isso é insano, por que alguém construiria uma igreja para Deus em cima, mas cem metros abaixo um local de adoração ao Diabo?

No livro Símbolo Oculto somos enviados ao passado distante da perturbadora sociedade anglo-saxônica, um povo pagão, disposto a deflorar virgens e encher suas taças com sangue pueril. Porém vamos resgatar algo mais próximo ao nosso milênio. No séc XVII, a grande cidade de Londres ardeu em um grande incêndio. A explicação daquela ocorrência para época evidenciava a ira de Deus. Rumores se espalharam pelos sobreviventes, o ano de 1666 era a prova de que o anticristo estava solto no mundo. Entretanto enquanto os humildes camponeses se preparavam para o apocalipse, sociedades secretas lideradas pelas classes dominantes pareciam explorar a ideia de que o satanismo seria o caminho de uma nova era. 
Nesse período conturbado surgiram as sociedades secretas ligadas diretamente a devoção de Satã, entre elas o Clube do Inferno. 


A Hellfire Cave 
O principal local de encontro do clube do inferno era chamado Hellfire Cave. Todo o local foi escavado com auxilio de pás e picaretas. Sua forma é totalmente simbólica; lendo o livro você poderá se aprofundar na filosofia de Dashwood enquanto nossa protagonista desce até os confins desse labirinto de tuneis perturbadores para resgatar uma parte de seu amor. O covil secreto foi projetado para que qualquer um que descesse lá tivesse a ideia que estaria se aprofundado no próprio inferno. 


O trajeto inclui alcovas, máscaras demoníacas esculpidas na rocha, salão de banquete, baldaquinos e até um rio (Estige), onde no passado havia um barqueiro que atravessava seus membros. Embora todos os registros do clube tenham sido queimados após a sua última reunião em 1774, numerosos relatos de segunda mão afirmam que Dashwood estaria realmente de alguma forma querendo invocar o senhor das trevas e dominar o mundo. Quando Dashwood morreu de causas naturais em 1781 os segredos do clube se perderam para sempre. 

O lema do clube era Fais ce que voudras (Faça o que quiser) – será que essa ideia se remete aos nossos tempos? A revelação simbólica e amplitude de conhecimento sobre essa macabra ideia você terá apenas lendo a saga Algoritmos Sagrados. 

A revelação simbólica e amplitude de conhecimento sobre essa macabra ideia você terá apenas lendo a saga Algoritmos Sagrados.

Marcelo Pontes

Desafio para os leitores de Algoritmos Sagrados
Através dessa imagem você consegue desvendar os segredos por trás da simbologia? 

– Aaron encarou o símbolo com rosto consternado. 
– O que isso significa? Com um lenço, ele limpou a testa de Dasha. Layla abaixou-se e agarrou o corpo estendido da menina abatida. 
– O que faremos Aaron? – Não sei – disse ele voltando seus olhos para o símbolo borrado no lenço que revelava sua forma invertida. Naquele segundo ele teve uma epifania. – O feminino – com os olhos fixos, ele parecia vagar em pensamentos lúdicos. As lembranças vinham em sua mente como mosaicos que preenchiam a linha do tempo. – Aaron? – a voz de Layla parecia ecoar em outro plano. Piscando seus olhos, regressou sua mente à perturbadora realidade. Ele finalmente sabia a resposta, afinal Hanz já o havia ressaltado, assim como Dashwood e as cavernas de Hellfire. 


Símbolo Oculto – Algoritmos Sagrados 


Viaje junto com o livro Símbolo Oculto (click nas imagens para ampliá-las e no botão para abrir o google earth).


Na região lúgubre se podia ver a bela campina que entre árvores centenárias exibia uma bela paisagem de inverno para um passeio gelado. No céu, o sol se escondia entre as nuvens, enquanto no solo, permanecia a neve que pela manhã havia coberto a vegetação exibindo sua beleza monocromática.
Eles subiram a colina em direção a uma curiosa igreja que ostentava uma grande bola dourada no topo. Suas paredes de brita e a arquitetura gótica infundiam um ar místico característico de West Wycombe.


O mausoléu com planta hexagonal é um complexo com paredes extensas, sem teto, feito de pedras de Portland e sílex. Sua fachada com colunas e arcos imitava a arquitetura romana, destacando-se o plano eficiente das formas etruscas e as belas ornamentações gregas. 


Dentro, as sepulturas montadas de forma simétrica seguiam a área do complexo. No centro, entre colunas e grades de ferro, havia um baldaquino onde repousava uma grande urna em pedra.

Dentro, as sepulturas montadas de forma simétrica seguiam a área do complexo. No centro, entre colunas e grades de ferro, havia um baldaquino onde repousava uma grande urna em pedra.


Sob o templo havia uma caverna feita por alguns culpados e um escravo covarde, cujas ações foram levadas pelo medo e a repreensão. Um labirinto de caminhos intrincados e sinuoso que não se encontra sem uma pista, pois não há indícios; uma única passagem conhecida por poucos.



Com acabamento rústico sobre rochas calcárias, a sala em formato de sino era pequena. No centro, a representação teatral montada com bonecos de uma típica reunião de libertinagem dos membros do Hellfire: Daswood em frente a uma mesa de base grega exibia seu suntuoso e exótico traje de sultão, uma lembrança de suas viagens pelos antigos reinos otomanos. Seus membros ao redor se divertiam entre bebidas e mulheres. No fundo, iluminada por uma lamparina que descia do teto presa a uma corrente, estava a estátua de Vênus. 






 MATÉRIA  19/06   sexta-FEIRA  - MATÉRIA 014 / DE: francine santos

A saga “Algoritmos Sagrados” é repleta de simbologia.  Cada detalhe compõe de uma peça que se encaixa com perfeição no emaranhado e rico universo criado por M. L. Pontes.

Nessa matéria vamos nos focar na data de nascimento dos protagonistas:
Layla Aina tem sua data bem documentada – “Quando sua avó foi registrá-la declarou seu nascimento no dia 28 de Fevereiro de 1992 às 23:59 h”.
Victor Siegfried – nasceu no dia 1 março de 1992, mas não possui o seu horário de nascimento, porém é possível deduzir que seja por volta das 11:59 minutos, já que o casal partia para almoçar.

Agora que temos as datas vamos nos aprofundar na misteriosa filosofia por traz dos textos e seus números:
Para quem não sabe nosso calendário começava no dia 1 de março, por isso o mês de setembro (7), outubro (8), Novembro(9) e dezembro (10) seguiam com suas respectivas ordens – calendário de Romulo. O final do ano ocorria no último dia de fevereiro e exatamente nesse dia, fazia sentido o acréscimo de um novo dia (ano bissexto) – seguindo a ordem dos múltiplos para corrigi-lo.
O interessante é que justamente no último dia do ano – em fevereiro – os romanos ofereciam sacrifícios para expiar as suas faltas, caso contrário, seriam acometidos pelas pragas dos deuses.

Quem leu Almas Seladas já deve entender essa analogia.
O escritor também deixa suas marcas:
Quem recebeu a mãe de Layla no hospital: “- disse o auxiliar com seu avental respingado de sangue.”
Já o dia 1 março era considerado o dia da prosperidade e reconciliação espiritual.
Quem recebeu a mãe de Victor Siegfried no hospital: “Na recepção, um homem grisalho de boa aparência com seu jaleco fulgente veio recebê-los.”

O calendário juliano foi implantado pelo líder romano Júlio César, em 46 a.C., deixando-o confuso, iniciando o ano no mês de janeiro. Foi modificado ainda mais em 8 d.C., pelo imperador Augusto, e os nomes dos meses sofreram ainda várias mudanças ao longo do Império Romano. O calendário juliano acabou sofrendo sua última modificação em 1582, pelo Papa Gregório XIII, dando origem ao calendário gregoriano que foi adotado progressivamente por diversos países, e hoje é utilizado pela maioria dos países ocidentais.

Os maçons do rito Frances até hoje comemoram o início do ano em 1 de março e seu final em 28 de fevereiro.

Ano bissexto

A diferença de 6 horas entre o ano solar (365,25 dias) e o ano civil adotado (365 dias) era ajustada de 4 em 4 anos, repetindo-se o dia 24 do mês de fevereiro, que na época tinha 29 dias. Esses anos de 366 dias chamam-se bissextos porque os romanos repetiam o dia 24 de fevereiro "bis VI antediem calendas martias". Simplificadamente “bis VI”, ou “bissextum”. Essa foi a origem do ano bissexto – duas vezes o sexto dia antes do início de março – e não, como muita gente atribui, ao duplo seis em 366. Posteriormente o mês de fevereiro apenas era atualizado com o dia 29.

Como fica quem nasce no dia 29 de fevereiro?
O livro Almas Seladas explica esse fato muito bem.
Layla havia nascido em um ano bissexto, a Associação dos Notários e Registradores do Brasil permitia que os pais ou responsáveis dos que nasciam no dia 29 de Fevereiro, escolhessem na hora de registrar os filhos, o dia do nascimento, sendo ele: no dia 28 de Fevereiro, 29 de Fevereiro ou 1º de Março.
Quando sua avó foi registrá-la declarou seu nascimento no dia 28 de Fevereiro de 1992 às 23:59 h.
A partir daquele ano, uma nova lei declarava que todos nascidos em 29 de Fevereiro deveriam ser registrados neste mesmo dia.

Atualmente o aniversariante comemora no dia 1 de março e 29 de fevereiro nos anos bissextos. 

Hoje o ano bissexto não é nenhum mistério, porém ele arrasta consigo várias superstições. Durante a idade média acreditava-se que neste ano as pessoas não deveriam fazer qualquer tipo de escolha, se fizessem, seriam amaldiçoadas com toda forma de azar. Outros dizem que não se deve casar neste ano ou ter filhos, pois as consequências seriam terríveis.

A saga remete muita informação e mistérios aterradores sobre datas e números. Se você ficou curioso não perca tempo e comece já a sua leitura.



As discrepâncias entre os protagonistas estão em todas as partes da saga. Você seria capaz de discriminar todas elas?


Francine Santos






Apesar da atual crise, a saga Algoritmos Sagrados rendeu frutos, foram milhares de leitores atingidos (livro físico e digital). Por isso, nada mais justo que compartilhar esse sucesso com os leitores. Começaremos uma nova etapa, nossa meta é atingir os 10.000 leitores e para isso, vamos oferecer uma incrível oportunidade. Agora você poderá completar sua saga gratuitamente. Nenhuma editora até hoje ofereceu uma oportunidade como esta, serão 100 obras da Saga Algoritmos Sagrados. Para receber seu livro basta comentar em nossa página (comentários irrelevantes serão deletados). Os livros serão indicados aos TOP comentaristas, ou seja, os mais ativos e também para os compartilhamentos com a marcação da nossa página do Facebook  (apenas 1 vez). O leitor que receber o livro poderá continuar participando e completar a sua saga. A duração desta oportunidade será estendida até a finalização da série.


Contabilização:

Comentário 10 pontos, Compartilhamento 50 pontos (apenas 1 vez).

Critérios para seleção:

Nossa equipe estará contabilizando as postagens através de um sistema analítico. Não vamos determinar datas, nem o número de postagens necessárias para evitar que um único leitor realize as postagens de último momento para ganhar o livro. O número de postagens não irá acumular, a cada contemplado será realizado uma nova seleção, portanto todos terão chances iguais. O importante é a participação, pois nosso objetivo é que o blog seja uma extensão do livro, ou seja, o leitor poderá degustar de uma boa leitura complementar através de nossas postagens.

 !  Dica: Navegue na página, comente cada post, assim suas chances aumentarão. 












Contemplados até o momento:

Vitória Cholanda
Júnia Benvindo
Manoel Alves
Izabela Malaquias
















Aguardando seu comentário em nossas postagens. Venha levar seu livro.








 MATÉRIA  29/01   sexta-FEIRA  - MATÉRIA 026 / DE: FRANCINE SANTOS


Click na imagem para ampliá-la 

  1. Layla Aina – Nossa protagonista onde tudo parecer conspirar contra sua felicidade – envolvida em um manto que atrai o azar. Na imagem seu espírito é sugado para o topo da ampulheta. Enquanto ela está em cima, seu mundo parece ser sugado para parte de baixo. 
  2.  Victor Siegfried – Nosso protagonista onde tudo parece conspirar a favor de sua felicidade – envolvido em um manto que atrai a sorte. Na imagem seu espírito é sugado para a base da ampulheta. Enquanto ele está em baixo, seu mundo parece completá-lo vindo da parte de cima.
  3. As colunas da ampulheta o Esculápio – Personagem relacionado ao 13 signo dos zodíacos – o Serpentário, os maias e a nova era: o feminino. Descrições mais detalhadas no livro 1, 3 e 4 da saga.
  4. No fundo uma moeda (apenas vista com detalhe na capa da primeira edição) – Dom João II, 960 Reis. Patacão eram as moedas de 960 Réis cunhadas sob outras moedas, principalmente sob as de 8 reales das colônias espanholas na América. No Brasil, o patacão era uma moeda de prata de 960 réis. No verso a esfera armilar, um símbolo náutico – encontrado na bandeira de Portugal – que envolve templários e o grande mistério sobre a tomada de Jerusalém nas cruzadas.
  5. A Árvore da Vida é um sistema cabalístico hierárquico em forma de árvore, que é dividida em dez partes, ou dez frutos. Esses frutos têm sentido ambíguo, podendo eles ser interpretados tanto como estado do todo, do universo, como podem ser lidos como estados de consciência. Mencionado no livro 3 da saga e uma restrita relação com o sagrado feminino.
  6. Porta retrato de Layla Aina. A luz do abajur está apagada.
  7. Porta retrato de Victor Siegfried. A luz do abajur está acessa.
  8. Símbolos Cabalísticos em um estranho reflexo na parede.










 MATÉRIA  24/09   QUINTA-FEIRA  - MATÉRIA 021 / DE: FRANCINE SANTOS
A saga Algoritmos Sagrados é repleta de simbolismo, alguns ocultos outros mencionados com muita clareza. Essa matéria será dedicada ao círculo, símbolo mencionado e descrito pela primeira vez no livro ‘Máscaras Reveladas’. 

 O círculo é um símbolo antigo, mesclou-se em doutrinas de pagãos e cristãos, porém representando a mesma ideia, a do infinito. A filosofia por trás do circulo é a da imortalidade, ou “para sempre”. Claro que a definição de “para sempre” pode ser relativa. Na bíblia está escrito que as pessoas irão queimar no inferno para sempre, porém a mesma palavra aparece na descrição do rei Davi, reinará para sempre em Israel. Portanto há um idiomatismo, um erro de tradução; fica claro que Davi não está reinando em Israel no exato momento. 

Abraçando a ideia do “para sempre” vamos contextualizar essa filosofia em nossos tempos. 
Se você é casado com certeza deve ter uma aliança de ouro no dedo. Esse é outro exemplo do poder do círculo, você fez um voto de juramento a sua esposa ou marido, amar por toda eternidade "para sempre".

Porém por que o ouro? 
A resposta é bem simples, pois o ouro é a cor do sol. 
Reis de todos os países foram coroados com o círculo solar, é por isso que suas coroas, perfeitamente circulares, tinham pontas que irradiavam do centro, afinal, na monarquia dizia-se que o rei era o representante direto de Deus.
Essa ideia era tão poderosa que virou uma doutrina conhecida como O direito divino dos reis, segundo a qual o poder dos reis tem como fundamento a própria vontade de Deus.


Outro exemplo é a aureola ou nimbo. 

O circulo em muitas pinturas aparece como um halo de luz na cabeça dos personagens considerados santos. Isso era proposital, o pintor estava dizendo que aquele personagem era imortal, ou possuía um espírito imortal. 
– O ‘Símbolo Oculto’ é feminino, na verdade um espírito eterno; o círculo que não pode ser interrompido.
– O círculo, claro!
– Nas antigas pinturas havia um propósito de colocarem auréolas em certos personagens. Quando o pintor retratava uma figura com a auréola em sua cabeça, estava definindo que seu espírito era imortal.
(Símbolo Oculto - Algoritmos Sagrados)

É fato que todas as culturas idolatravam o circulo solar, por isso não é estranho que outras culturas utilizassem na iconografia o mesmo símbolo, de egípcios a maias. 
O círculo também aparecem na descrição dos sexos, porém a seta (Marte) e a cruz (Vênus) são agregadas a ela. O que podem significar? Não vou me estender, caso contrário poderia estar provocando um nocivo spoiler. 

Se quiser saber mais comece a ler a saga Algoritmos Sagrados. .



Francine Santos






A saga Algoritmos Sagrados é a única com total suporte aos seus leitores. Agora além da agradável leitura, você poderá acompanhar seus protagonistas em cada etapa através de uma experiência virtual. Sim você poderá está lá, em cada locação da saga, curtindo cada detalhe - é como viver a experiência descrita nas linhas de cada capítulo.
Então comece já a sua leitura e siga as pistas deixadas pelo autor M. L. Pontes nessa intrigante busca pela verdade.


 !  Atenção: 
Ao clicar em "quero estar lá" abrirá uma nova janela com a imagem do local indicado. Na tela, pressione e segure o botão do mouse sobre a imagem e arraste para os lados - o resultado é uma visualização em 360 graus. Alguns locais são fixos, impossibilitando sair de seu  ponto, outros permitem acesso livre, como caminhar, basta clicar adiante.

Almas Seladas
A L G O R I T M O S   S A G R A D O S
  Primeiro Livro da Saga                  1      
CLA - Alcântara Brasil
Capítulo I - Lançamento
Capitulo V - Lembranças 

 

Confidencial, impossível de estar lá 

Local de Trabalho de Rogério de Carvalho; trajédia
Palenque, México
Capítulo IV - Revelações


Viagem de Rogério de Carvalho; descobertas avassaladoras.
Leblon - Rio de Janeiro, Brasil
Capítulo XI - Confissões



Bairro: Residência de Victor Siegfried
Aterro do Flamengo - Rio de Janeiro, Brasil
Capítulo XIII - Mudanças



Importante jogo de Basquete

Estação de Ferro - Pindamonhangaba, Brasil
Capítulo XIV - Choque



Layla e Victor se encontram pela primeira vez
Estação de Ferro - Santo Antônio do Pinhal, Brasil
Capítulo XIV - Choque


Pausa após o grave acidente 
Horto Florestal - Campos do Jordão, Brasil
Capítulo XV - Amor e Ódio


Sem acesso, impossível de estar lá

Quebrando o gelo em um paraíso de possibilidades

Praça da Sé - São Paulo, Brasil
Capítulo XVIII - Reencontro


Um reencontro contra todas as possibilidades
Cristo Redentor - Rio de Janeiro, Brasil
Capítulo XXIV - Escuridão no mar



Fuga enlouquecida


Máscaras Reveladas
A L G O R I T M O S   S A G R A D O S
  Segundo Livro da Saga                  2      
Fundação CASA - São Paulo, Brasil
Capítulo II - Confinada



Confinamento, um novo lar

Mina da Passagem e Câmara Municipal - Mariana, Brasil
Capítulo III - Segredos sepultados



Segredos sepultados na escuridão de um passado doloroso

São José dos Campos, Brasil
Capítulo VI - Lista amaldiçoada


 

As propostas do Oráculo de Delfos
Paróquia São Francisco de Assis - São João del Rei, Brasil
Capítulo VII - Máscaras Reveladas


 

Um possuído em nome da vingança
Morro da Providência - Rio de Janeiro, Brasil
Capítulo XII - Inimigos Ocultos


 

Uma fuga improvável
Casa de Custódia -Taubaté, Brasil
Capítulo IX - Mentes perturbaras


 

A revelação de uma mente perturbada
Cemitério São João Batista - Rio de Janeiro, Brasil
Capítulo XII - Inimigos Ocultos


 

Revelação de um túmulo

Castelo de Montesiano - Viseu, Portugal
Capítulo XV - Folhas Secas

 

Sem acesso, local sem tempo e espaço

Os segredos da família Montesiano

Símbolo Oculto
A L G O R I T M O S   S A G R A D O S
  Terceiro Livro da Saga                  3      
Gamla Stan - Estolcolmo, Suécia
Capítulo I - Selo dos mortos


 

Os arautos de Alexandre o Grande
Catedral Metropolitana - Rio de Janeiro, Brasil
Capítulo IV - Buscando a verdade


 

Revelação assombrosa para uma pobre ateia

Parque Henrique Lage - Rio de Janeiro, Brasil
Capítulo V - Revelações



A realidade dos 'Algoritmos Sagrados' é revelada

Instituto Psiquiátrico Philippe Pinel - Rio de Janeiro, Brasil
Capítulo VI - A órfã alienada



A chave do abismo é uma mente perturbada

Borough Hall - New York, EUA
Capítulo VII - Memórias



Oráculo de Delfos na mira do mal

Hotel Cadogan - Londres, Inglaterra
Capítulo VIII - Um estranho entre nós



Uma entranha em minha mente

London Eye e Jubilee Gardens - Londres, Inglaterra
Capítulo X - Medo de amar



Confissões nas ruas de Londres

Warwick castle - Warwick, Inglaterra
Capítulo XI - Possuídos



A dança dos espíritos, a história se repete

Whitechapel Gunthorpe street - Londres, Inglaterra
Capítulo XII - O Colecionador



Caçada nas profundezas de Londres

Igreja de São Lourenço, Mausoleu Dashwood e Hell Fire Cave - West Wycombe, Inglaterra
Capítulo XIII - Portões do Inferno



A insana realidade de Dashwood

Igreja Santa Maria de Sião, Tsion - Axum, Etiópia
Capítulo XIII - Portões do Inferno


Sem acesso, impossível estar lá

Sião é revelada

Ruinas de Gorgora Nova - GN Etiópia
Capítulo XV - O sacerdote de Axum


Sem acesso, impossível estar lá

Buscando o santo Graal

Narga Selassié - Lago Tana, Etiópia
Capítulo XVI - O Graal


Sem acesso, impossível estar lá

A compreensão do Graal e o 'Simbolo Oculto'

Torre de Belém - Lisboa, Portugal
Capítulo XVII - Ponteiros à meia-noite


O apocalipse segundo a proposta dos Algoritmos Sagrados

Torre do Relógio - Bagdá, Iraque
Capítulo XX - Babel


Sem acesso, impossível estar lá

Uma corrida contra o relógio

Ruínas de Babilônia - Iraque
Capítulo XXI - O mausoléu


Sem acesso, impossível estar lá

Acordando os mortos


*Para os mais enlouquecidos, deixamos parte do simbolismo nas imagens reveladas do street view. Tenham uma boa caçada leitores.

Equipe AS - loucos pela leitura






 MATÉRIA  08/07   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 016 / DE: francine santos
A saga Algoritmos Sagrados é um mar de eventos catastróficos ligados ponto a ponto com a trama, o misterioso universo de Marcelo Pontes.
Entre estes acidentes temos a grande explosão de Alcântara.

Para quem não se lembra desse acidente em 2003:Às 13h 26min 05s (horário de Brasília), entre os quadros 26 e 27 gravados pelo Circuito Fechado de TV da Torre Móvel de Integração 1 , do dia 22 de agosto de 2003, três dias antes da data prevista para o lançamento, um enorme incêndio seguido de explosões destruiu o foguete brasileiro VLS-1 V03 em sua plataforma de lançamento no Centro de Alcântara durante os preparativos para o lançamento, matando 21 técnicos civis.


Rogério de Carvalho é um desses técnicos,  envolto de mistérios sobre um perturbador envolvimento com um secreto grupo chamado Oráculo de Delfos. Você pode acompanhar sua vida até o fatídico dia.

O Acidente é descrito com precisão no livro, com espaço para explicações:

A grande explosão destruiu o foguete VLS-1 V03, junto com o satélite SETEC e toda plataforma de lançamento. Todos que estavam presentes foram carbonizados. A fumaça subiu na forma de um grande cogumelo que podia ser vista a quilômetros de distância.

A investigação analisou os destroços. A conclusão foi prejudicada por tamanha destruição ocorrida na plataforma. Entretanto, algumas hipóteses foram afirmadas com os dados coletados:
Foram encontrados indícios de que o funcionamento prematuro do propulsor tenha sido causado por um dos detonadores do conjunto de ignição. Uma das hipóteses é que, uma corrente elétrica acionou os motores do foguete, provocando o incêndio.
Na perícia, foi comprovado que havia falta de blindagem dos fios, os mesmos que levavam energia aos detonadores dos propulsores do primeiro estágio e, uma possível indução eletrostática, poderia ter causado uma ignição.
A investigação concluiu que o baixo orçamento no projeto foi uma das causas do acidente. Houve rumores de sabotagem na mídia, mas nada foi comprovado.

 Almas Seladas - Algoritmos Sagrados

Apesar deste desfeche, quem acompanhou a história de Rogério de Carvalho durante o livro entenderá a relação de parte do mistério através do vídeo abaixo.



Se você quiser saber mais leia a saga Algoritmos Sagrados. 






MATÉRIA  29/02   segunda-FEIRA  - MATÉRIA 027 / DE: FRANCINE SANTOS

Kabbalah ou Cabala possui muitas definições de acordo com a fonte, isso porque sua ciência embasada em um aspecto místico com datas posteriores a própria religião sofreu atualização ao longo da história. Devemos lembrar que suas raízes pertencem ao judaísmo e, embora seja muito usado por algumas denominações, não é uma denominação religiosa em si. A Cabala é um conjunto de ensinamentos esotéricos feitos para explicar a relação entre o mundo espiritual e físico. Ele forma os fundamentos da interpretação religiosa mística.



A Cabala procura definir a natureza do universo e do ser humano, assim como o propósito da existência, e diversas outras questões. Também apresenta métodos para auxiliar a compreensão desses conceitos e, assim, atingir a realização espiritual. A cabala originalmente se desenvolveu inteiramente dentro do domínio do pensamento judaico, e cabalistas costumam usar fontes judaicas clássicas para explicar e demonstrar os seus ensinamentos esotéricos. Esses ensinamentos são mantidos pelos seguidores do judaísmo para definir o significado interno tanto da Bíblia hebraica como da literatura rabínica. 

Conceitos 
Alma humana 
O Zohar propõe que a alma humana possui três elementos, nefesh, ruach, e neshamah. O nefesh é encontrado em todos os seres humanos e entra no corpo físico durante o nascimento - é a fonte da natureza física e psicológica do indivíduo. As outras duas partes da alma não são implantadas durante o nascimento, mas criadas lentamente com o passar do tempo. Seu desenvolvimento depende das ações e crenças do indivíduo. Elas só existiriam por completo em pessoas espiritualmente despertas. Uma forma comum de explicar as três partes da alma é como mostrado a seguir: 


  • Nefesh - A parte inferior ou animal da alma. Está associada aos instintos e desejos corporais.
  • Ruach - A alma mediana, o espírito. Ela contém as virtudes morais e a habilidade de distinguir o bem e o mal. 
  • Neshamah - A alma superior, ou super-alma. Essa separa o homem de todas as outras formas de vida. Está relacionada ao intelecto, e permite ao homem aproveitar e se beneficiar da pós-vida. Essa parte da alma é fornecida tanto para judeus quanto para não-judeus no nascimento.Ela permite ao indivíduo ter alguma consciência da existência e presença de Deus.
A Raaya Meheimna, uma adição posterior ao Zohar, de autor desconhecido, sugere que haja mais duas partes da alma, a chayyah e a yehidah. Gershom Scholem escreveu que essas "eram consideradas como representantes dos níveis mais elevados de percepção intuitiva, ao alcance somente de alguns poucos escolhidos". 


  • Chayyah - A parte da alma que permite ao homem a percepção da divina força.
  • Yehidah - O mais alto nível da alma, pelo qual o homem pode atingir a união máxima com Deus. 


Árvore da Vida.

A Árvore da Vida é um sistema cabalístico hierárquico em forma de árvore, dividida em dez Sefirot (partes ou frutos), que tanto podem ser interpretadas como estágios do todo (Universo), quanto ser lidas como estados de consciência. As Sefirot são consideradas como emanações de Ain Soph, que permanece não manifestado e é incompreensível à inteligência humana. Os Sefirot emanados são, na sequência: Kether - Coroa Chokmah - Sabedoria Binah - Entendimento Chesed - Misericórdia Geburah - Julgamento Tipareth - Beleza Netzach - Vitória Hod - Esplendor Jesod - Fundamento Malkuth - Reino A Árvore da Vida começa em Kether, a centelha divina, a causa primeira de todas as coisas. Esta centelha desce na árvore tornando-se cada vez mais densa. A décima sefirah é Malkuth, a matéria densa, e representa o estado último das coisas. Subindo na Árvore, partindo de Malkuth, o homem eleva seu estado de consciência, aproximando-se cada vez mais de Kether. Desta forma, a Árvore da Vida pode ser usada tanto para explicar a criação do Universo quanto para hierarquizar o processo evolutivo do homem.









 MATÉRIA  19/05   trça-FEIRA  - MATÉRIA 008 / DE: FRANCINE SANTOS

M
açonaria, uma sociedade discreta, envolta de mistérios.
Encontramos no Painel da Loja de Aprendizes uma antiga imagem, uma escada que simbolicamente representa a ligação entre a Terra e os Céus. Os maçons a chamam de escada de Jacó.

Para quem conhece a Bíblia sabe do que estamos falando.
E (Jacó) sonhou: ”Eis que uma escada estava posta na terra, cujo topo chegava ao céu; e os anjos de Deus subiam e desciam por ela. Por cima dela estava o Senhor, que lhe disse: “Eu sou o Senhor…” (Gn. 28:12)

teste.

Jacó foi o terceiro patriarca era filho de Isaque e neto de Abraão. Os doze filhos homens de Jacó, que teve seu nome mudado a mando de Deus, deram origem às doze tribos como o novo nome Israel.

Para quem estiver lendo o livro Símbolo Oculto - Algoritmos Sagrados saberá a relação de Jacó com as 12 tribos de Israel.

Iremos revelar algumas simbologias, mas apenas lendo a saga Algoritmos Sagrados para compreender a verdade simbólica dos maçons.

Os maçons possuem uma hierarquia, sua ordem. Enquanto o neófito tem como razão apenas sua existência, outros conhecem segredos de acordo com o grau que vai galgando.
A escada de Jacó em parte mostra essa evolução. Se o Maçom não se aprimorar nas coisas elementares não conseguirá compreender os ensinos superiores – o conhecimento do carvalho, Símbolo Oculto.

Devemos lembrar também que todo símbolo maçônico pode alterar seu significado de acordo com seu contexto. A escada em diversas religiões está ligada à transcendência, à Iniciação e ao caminho que leva à divindade. Porém esse contexto está ligado diretamente a evolução do espírito e a hierarquia Maçônica.

Símbolos Maçônicos

A Escada de Jacó apresenta em sua estrutura alguns símbolos: A Cruz, a Âncora e a Taça. Claro, não podemos esquecer: perdido no espaço uma misteriosa chave.
Esses símbolos são os mesmo utilizados na Igreja Católica (e também da Anglicana, religião oficial da Inglaterra): a Fé (Cruz), a Esperança (Âncora) e a Caridade (Cálice ou Taça com a mão em atitude de alcançá-la).
A Cruz: Cada um deve levar a sua Cruz em sua subida buscando a perfeição.
A Âncora: Nos momentos de sofrimento devemos estar firmes e ancorados.
A Taça: Das três virtudes teologais (Fé, Esperança e Caridade), sem dúvida, como diz o Apóstolo, a maior delas é a Caridade. Ajudar ao próximo como a si mesmo.

Uma organização de homens

A palavra “Maçonaria” em francês, “Maçonnerie”, é derivada do francês “maçon”, construtor ou pedreiro; ou, como preferem alguns, do inglês “Masonry” (Maçonaria) e “mason”, igualmente, construtor ou pedreiro. Portanto, podemos explicar em parte o motivo dos membros serem homens e não mulheres. Porém para representar as três virtudes, os painéis sempre são pintados com três mulheres, algo estranho do ponto de vista maçom.  Mas, claro, essa colocação faz parte do mistério e a resposta a esse enigma, leva o título do terceiro livro da saga Algoritmos Sagrado – Símbolo Oculto, um símbolo feminino que é explicado através da misteriosa chave.

Será que os maçons conhecem os Algoritmos Sagrados?









 MATÉRIA  19/08   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 019 / DE: francine santos
Quem ainda não percebeu, Algoritmos Sagrados destrincha as antigas superstições em cada detalhe. Neste poste iremos falar sobre destros e canhotos, afinal, na bipolaridade simbólica de nossos protagonistas se revela parte do caminho que cada alma segue. 

Victor é destro:
– O que vou fazer? – perguntou-se, mas antes que viesse a resposta em sua mente, ele agiu por instinto: Victor bloqueou os adversários com o braço esquerdo, enquanto com a mão direita, agarrou a bola, arremessando-a com um gancho.
Layla é canhota:
Layla abriu seu estojo e pegou uma caneta. Apoiando a prancheta no pacote, começou a assinar seu nome.
Quando suavemente com a mão esquerda passou a caneta no papel, apenas o L de seu nome saiu, pois a esferográfica parou de funcionar. 

Hoje é muito comum convivermos com destros ou canhotos, mas durante um bom tempo a vida não era boa para quem usava a mão esquerda.



>A mão direita desde a antiguidade tem sido associada com todas as coisas boas e puras, já a mão esquerda, com tudo que é profano, mau e inferior. Este simbolismo está presente em quase todas as culturas, canhotos nunca foram bem aceitos.

No mundo católico, muitos foram mortos ou decepados. 

A imagem do mal sendo canhoto sempre esteve presente nos manuais católicos, o diabo era representado com a mão esquerda estendida. Sendo assim, não era por menos que a prática de queimar canhotos no madeiro era comum na inquisição – para eles se você praticou uma obra usando a mão esquerda, com certeza era um feiticeiro. 
Outras culturas também não se abstêm da maldição dos canhotos:

> Na Nova Zelândia, o lado esquerdo é dedicado a demônios e ao diabo.
> Os muçulmanos acreditam que Alá fala às pessoas na orelha direita, e o diabo na esquerda. Também proíbem tocar suas sagradas escrituras com a mão esquerda.
> Entre os índios americanos, a mão direita representa coragem e virilidade, e a mão esquerda, morte.
> Na China você só pode comer com a mão direita, política aplicada também pelos judeus.
> Em alguns países, uma esposa nunca deve tocar seu marido no rosto com a mão esquerda.
> Entre os gaúchos, passar a cuia de chimarrão com a mão esquerda é ofensa.
A lista de símbolos poderia continuar por páginas e mais páginas, sempre se referindo: o esquerdo ao profano e o direito ao sagrado.
Porém o interessante de todo esse contexto é que na verdade o esquerdo está ligado ao feminino: o errado.
É um ponto de vista extremamente machista, e onde tudo isso começou?
Na Bíblia… na costela esquerda de Adão…
No Judaísmo e no Cristianismo a bipolaridade é representada da seguinte forma: o lado direito representa o perfeito, já o esquerdo a sua imagem invertida, o imperfeito.
No Alcorão e na Bíblia cristã os consagrados de Deus sempre se sentam à sua direita, e os malditos à esquerda. Não é por menos que Judas nas imagens da santa-ceia sempre aparece à esquerda de Jesus Cristo.
No evangelho de Mateus tiramos qualquer duvida sobre o papel do lado direito e esquerdo.

E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas;
E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.
Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;
Mateus 25:32-34

A ovelha é o símbolo de Jesus Cristo, já o bode ou cabra seu rival, satanás.

Outra analogia é a da crucificação:

A cruz central é conhecida como Redenção, à esquerda de sua posição Rejeição, já à direita Aceitação. Na cruz central, Jesus Cristo morria como oferta pelo pecado; ao seu lado direito um ladrão morria para o bem - arrependido; já no lado esquerdo, outro ladrão morria para o mal - renegando.

Através destas analogias, a Igreja Católica sustentou por mais de mil anos que todo canhoto havia sido criado pelo diabo, e por isso ele era mau e diabólico.
Em pinturas representando o Juízo Final, o “domicílio divino” é mostrado aos fiéis pela mão direita de Deus, e o “domicílio do diabo”, com a mão esquerda. Então, o caminho da mão esquerda seria o caminho para o inferno.
É perturbador pensar que pessoas morreram por isso, mas isso só comprova o poder dos símbolos.
No contexto gramatical a palavra ‘canhoto’ também não é perdoada:
Em latim, vem de “sinister” o que originou a palavra sinistro. O “left” do inglês tem significado como fraco, inútil. No italiano, significa também desonesto, duvidoso. Em países africanos a palavra associada ao canhoto significa odiado, e no Japão, louco.
Superstições sempre relacionam a esquerda com coisas ruins, infelicidade, azar, maldição, venenoso, satânico.
Hoje não podemos negar o talento de muitos canhotos e como podemos amaldiçoa-los pelos tempos se destes já gozamos de suas magnificas obras?
Entre os grandes canhotos temos: Beethoven, Michelângelo, Rafael, Leonardo da Vinci, Goethe, Nietzsche, Picasso entre outros.
Mas é claro, os polos serão invertidos, e talvez possamos ser salvos por um símbolo feminino, o canhoto que desprezamos por centenas de anos.

Compreenda mais lendo a saga Algoritmos Sagrados
Francine Santos






 MATÉRIA  11/01   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 025 / DE: FRANCINE SANTOS

Há muitos símbolos na saga Algoritmos Sagrados, alguns claros, outros ocultos em linhas aparentemente inocentes. Hoje vamos saltar na história, para o terceiro livro, afinal, este de fato é considerado o mais complexo.

No terceiro livro nossa protagonista passa por um momento de aflição e um enigma é proposto a seu companheiro e mentor Aaron. 



– O que querem?
– Vingar nosso sangue.
– Como?
– Três são os patriarcas: Abraão, Isaque e Jacó, homens de valor que no passado humilharam os filhos de Mastema. Hoje é o dia, não haverá remissão amanhã. Três também são os símbolos, três são os pontos onde o sangue inocente será derramado. Haverá lamúria onde o manto de fumaça encobrirá os corpos para que Deus não os reconheça e assim, faça justiça perante nossos olhos.

– Do que está falando?

Símbolo Oculto - Algoritmos Sagrados

Com o enigma revelado uma corrida contra o tempo se inicia, o ponto de partida: a torre do Relógio de Bagdá. Muitos acidentes são descritos, mas o que envolve este enigma em questão parece ter saído da ficção. 
Por este motivo dei prioridade a ele, pois como todos os outros, este também foi real. No dia 25 de janeiro de 2010 três explosões de grande proporções atingiram um distrito popular na região do rio Tigre, em Bagdá, no Iraque. 

A região é conhecida por concentrar hotéis e restaurantes. Ao menos 36 pessoas morreram e 71 ficaram feridas, segundo a polícia iraquiana. As colunas de fumaça foram vista na região da explosão no centro de Bagdá, Iraque A primeira explosão aconteceu por volta das 3h40. 

O primeiro alvo o hotel Ishtar Sheraton. 
 A segunda explosão ocorreu junto ao Hotel Hamra. 
A terceira bomba explodiu no hotel Babylon.

 “Três são os patriarcas: Abraão, Isaque e Jacó”

Qual a relação? 
Você deve ler o livro para compreender o sentindo. 
Depois de ler e pesquisar muito ficará a dúvida, da onde o autor tirou essa arquitetação? Na verdade nunca foi mencionado esse paralelo, será que os terroristas pensaram em tudo isso? E os governos, será que nunca pensaram nessa hipótese? Parece linhas conspiratórias, mas essa e a proposta da saga, colocar um novo plano que permita explorar as possibilidades e, quem sabe, indicar um propósito para todas as coisas. 





Os atentados ocorridos neste dia ficaram marcados. O resultado: 36 mortos e pelo menos 71 feridos. Alguns analistas consideraram o saldo um milagre, pois devido a grande magnitude das explosões que derrubaram muros de contingência, o número de vítimas deveria ultrapassar centenas. Os três hotéis sofreram grandes danos, porém, sem comprometimento para a integridade dos edifícios.











A Modo Editora com parceria do escritor M. L Pontes traz uma super promoção para você. Agora todo mês estaremos sorteando um volume autografado da saga Algoritmos Sagrados - o sorteado escolherá o volume que desejar. Sim, você poderá completar a coleção Best Sellers Amazon de graça. Para participar siga o regulamento. (Em breve liberamos o link para o regulamento)








Sombras Noturnas - Algoritmos Sagrados
Volume 4 da saga.

SINÓPSE

Neste quarto volume da saga, após o rompimento do selo de Salomão, legiões de demônios são libertadas. Layla e Victor são submetidos a uma implacável perseguição. Orientados por seu mentor Aaron, eles se refugiam nas terras onde o bruxo de Pokrovskoe peregrinou. Vivendo em uma cabana abandonada aos redores de Verkhoturye — o portal Siberiano —, eles encontram motivos para restabelecer seus antigos laços com a vida. Mas o destino parece conspirar contra eles. Asmodeu, um dos sete espíritos do grande círculo do pecado, persegue o casal. Inicia-se uma disputa feroz pela sobrevivência. Porém, Victor e Layla não lutarão sozinhos, antigos inimigos serão aliados nesse confronto que começará na Terra e terminará no Inferno..

INFORMAÇÕES

  • Páginas: 218
  • Edição: 1
  • Ano de Publicação: 2017
  • Medidas: 16x23

Onde comprar

Os livros são encontrados nos catálogos das livrarias Cultura e Saraiva.

Com desconto direto com a editora (30%)
Na Amazon (digital por apenas R$ 5,99)







MATÉRIA  25/11   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 024 / DE: FRANCINE SANTOS

No dia 03 de novembro de 2012 uma fatalidade ocorreu. A automotriz que realiza o famoso passeio turístico entre Pindamonhangaba e Campos do Jordão descarrilhou, tombando em um ângulo de 45 graus na altura da estação de Santo Antônio do Pinhal. Três pessoas morreram nesse acidente.

Quem leu o livro Almas Seladas perceberá certa semelhança, porém o livro foi escrito antes do acidente. Em 2011 ele já havia conquistado uma posição em destaque no Clube de Autores – best-seller ficção.

As semelhanças não param por ai: no dia do acidente chovia e havia neblina. Segundo os passageiros o veículo levou um tranco e quando parou estava inclinado, o que amontoou os passageiros para o lado direito. Dos três passageiros que morreram naquele dia - todos do sexo feminino - estava uma senhora de 65 anos que fazia o trajeto pela primeira vez.

No book trailer do início de 2012 mostra o protagonista Victor Siegfried andando sobre a automotriz tombada. 


>Nessa história há algo curioso, a automotriz parou ao lado de uma cruz de pedra.
A cruz é uma homenagem ao motorneiro - condutor do bondinho - Benedito Viola da Silva, morto em 1959 em um acidente ocorrido no mesmo local.

Mesmo após o acidente deste sábado, a cruz de pedra permanece intacta. Ao lado dela está uma queda d'água e uma ribanceira. Se o trem tivesse seguido mais alguns metros, a tragédia seriamaior.


Em muitas ocasiões a arte imita a vida, mas desta vez foi a vida que imitou a arte. Ainda penso quantas surpresas ainda a saga irá me revelar. É bom parar e reler o que foi escrito, talvez encontremos surpresas que da primeira vez passaram despercebidas. 








MATÉRIA  17/03   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 028 / DE: FRANCINE SANTOS

Grigoriy Yefimovich Rasputin é um dos personagens da história explorado na saga Algoritmos Sagrados. Seu nome é mencionado pela primeira vez no livro Máscaras Reveladas, posteriormente, parte de sua vida é revelada em Símbolo Oculto. Mas é no livro Sombras Noturnas que seu corpo ganha forma, nas terras geladas da Russia.

Grigoriy Yefimovich Rasputin foi um ortodoxo russo cristão e místico que, através de sua íntima ligação com os Czares, influenciou os últimos dias do imperador russo Nicolau II, sua esposa Alexandra, e seu único filho Alexei. 

Opiniões bipolares são dispostas em diversos textos: nas grandes cidades ele era o devasso, enquanto em sua terra natal e zonas religiosas ele é reverenciado como um homem justo pelo clero. 

SUA VIDA
Rasputin nasceu um camponês na pequena aldeia de Pokrovskoye, ao longo do rio Tura na Tobolsk guberniya (agora Tyumen Oblast) na Sibéria. A data de seu nascimento é duvidosa mas estima-se em algum momento entre 1863 e 1873. Recentemente, novos documentos vieram à tona revelando a data de nascimento como 10 de janeiro de 1869 OS (equivalente a 22 de janeiro de 1869 NS).
O pouco que se sabe sobre sua infância foi provavelmente transmitida por seus familiares. Ele possuía dois irmãos conhecidos, uma irmã chamada Maria e um irmão mais velho chamado Dmitri. Sua irmã Maria era epiléptica e morreu afogada no Tura, o que se tornou um choque para ele. Após sua recuperação outro acidente. Rasputin brincava com seu irmão Dmitri quando este caiu no gelo. Rasputin saltou para salvá-lo, mas acabou caindo e afundando nas águas geladas. Ambos foram puxados para fora por um transeunte. Rasputin sobreviveu milagrosamente, mas Dmitri morreu devido ao choque. Ambas as mortes afetaram Rasputin e ele posteriormente nomeou dois de seus filhos: Maria e Dmitri. 
Os mitos que cercam Rasputin revelam indícios de poderes sobrenaturais que são catalogados em datas posteriores após os incidentes. Um exemplo desses poderes foi quando Efim Rasputin, o pai de Grigoriy Rasputin, teve um de seus cavalos roubados. O jovem Rasputin foi capaz de identificar o homem que havia cometido o roubo e, posteriormente, ele foi preso. Com dezoito anos de idade, Rasputin passou três meses no Mosteiro Verkhoturye, os motivos divergem. Alguns dizem que se tratava de uma peregrinação religiosa, outros, penitência por roubo. Sua experiência lá, combinada com uma visão relatada da Virgem Maria em seu retorno para Pokrovskoye ascendeu-o para o lado místico religioso. 
Há alguns relatos que ele entrou em contato com a seita cristã proibida conhecidos como os khlysty (flagelantes) cujas práticas sexuais, terminando em esgotamento físico, levou-o a sua fama como o pervertido insaciável. A relação com Khlysts ameaçou sua reputação que perdurou até sua morte.

Pouco depois de deixar o mosteiro, Rasputin visitou um homem santo chamado Makariy. Makariy vivia em uma cabana robusta e praticava alguns rituais semelhantes a antigas tradições xamânicas e tribais dos povos da Sibéria. Rasputin mencionou que o monge Makariy o havia curado de um distúrbio do sono grave, e treinou-o a praticar o hipnotismo e estilo de vida vegetariano que incluiu um pouco de álcool e também o uso de várias ervas daninhas e drogas para “transformação espiritual” de acordo com antigos rituais xamânicos. 


Posteriormente, Rasputin casou-se com Praskovia Fyodorovna Dubrovina em 1889 e tiveram três filhos: Dmitri, Varvara e Maria. Rasputin também tinha outro filho com outra mulher. 
Em 1901, ele deixou sua casa em Pokrovskoye como um strannik (peregrino) e, durante o tempo de sua jornada, viajou para a Grécia e Jerusalém. Em 1903 ele chegou em São Petersburgo, onde ele gradualmente ganhou sua reputação como um starets (homem sagrado) com poderes curativos e proféticos. Um nomeado sacerdote chamado João de Kronstadt, sacerdote dos Czares, abençoo Rasputin em 1903, este foi o marco para introduzi-lo na Família Imperial.


Rasputin estava vagando como um peregrino na Sibéria quando ouviu relatos da doença de Alexei, filho da Czarina Alexandra. Alexei tinha hemofilia, uma doença genética herdada da britânica Rainha Victoria, que era a bisavó de Alexei. Quando os médicos não podiam fazer mais nada por Alexei. Anna Vyrubova, a dama-de-companhia da Czarina, indicou o carismático camponês curandeiro Rasputin. Isso ocorreu em 1905. Os rumores na época era que Rasputin possuía a capacidade de curar através da oração, e era de fato, capaz de dar ao menino um pouco de alívio, apesar da previsão dos médicos que ele iria morrer. Rasputin respondeu aos apelos da Czarina. Em uma grave crise, Alexei foi curado. Após esse dia, toda vez que o menino tinha uma lesão que lhe causava hemorragia interna ou externa, a czarina convocava Rasputin. Os céticos dizem que ele fez isso por hipnose, afirmando que em alguns estudos existe uma relação direta dos sintomas com os níveis de estresse e, portanto, relações diretas com a sintomatologia da hemofilia. Porém, durante um particularmente grave crise em Spala, na Polónia em
1912, Rasputin enviou um telegrama de sua casa na Sibéria apenas com os dizeres: "Não deixe os médicos incomodá-lo muito; deixe-o descansar". No mesmo dia os sintomas desapareceram. Rasputin ganhou notoriedade, era conhecido pelos Czares como "nosso amigo" e um "homem santo", um sinal da confiança que a família tinha com ele. Rasputin teve uma influência pessoal e política considerável sobre Alexandra. Alexandra passou a acreditar que Deus falou com ela através de Rasputin. 

CONTROVÉRSIA 

Rasputin logo tornou-se uma figura controversa, tornando-se envolvido em um paradigma de luta política envolvendo monarquista, anti-monarquista, revolucionários e outros. Ele foi acusado por muitas pessoas eminentes de vários crimes, que vão desde uma vida sexual irrestrita (incluindo estupro de uma freira) a indevida dominação política sobre a família real. Mesmo sendo um oficial da corte, ele ficou por vigilância constante, e, consequentemente, existem algumas provas credíveis sobre seu estilo de vida na forma do famoso "notas de escada" - relatórios de espiões da polícia que não eram dados apenas para o czar, mas também publicados em jornais.

Rasputin foi profundamente contrário à guerra, tanto do ponto de vista moral como algo que era susceptível de conduzir à catástrofe política. Durante os anos da Primeira Guerra Mundial, aumentaram seus casos de embriaguez, a promiscuidade sexual e a relação corrupta com aliados políticos. 

Na guerra, o Czar Nicolau passou a assumir o comando pessoal do exército russo, com terríveis consequências para si mesmo, bem como para a Rússia. Enquanto ele estava longe, na frente de batalha, a influência de Rasputin sobre Alexandra aumentou. Ele logo se tornou seu confidente e conselheiro pessoal, e também a convenceu a preencher alguns escritórios governamentais com seus próprios candidatos escolhidos a dedo. 


Para promover o avanço do seu poder, Rasputin coabitou com mulheres da classe alta em troca da concessão de favores políticos. Por causa da Primeira Guerra Mundial e os efeitos ossificantes do feudalismo e uma burocracia intromissiva, a economia russa estava em declínio. Muitos na época culparam Alexandra e Rasputin. 
A influência de Rasputin sobre a família real foi usada contra ele. Os Romanov assim como jornalistas, arquitetaram planos para enfraquecer a integridade da dinastia e forçar o czar a desistir de seu poder político absoluto. Houve um rompimento, a elite Russa decidiu provocar e programar um assassinato.
Deve-se mencionar que os documentos encontrados recentemente provaram que as acusações de devassidão sexual de Rasputin eram falsas. 

ASSASSINATO 

Embora seja uma visão predominante de que Rasputin foi assassinado por razões políticas, os detalhes não são claros. Uma tentativa anterior sobre a vida de Rasputin tinha falhado: Rasputin foi visitar sua esposa e filhos em Pokrovskoye, sua cidade natal ao longo do rio Tura na Sibéria. Em 29 de junho de 1914, ele foi atacado repentinamente por Khionia Guseva, uma ex-prostituta que havia se tornado uma discípula do monge Iliodor,. Iliodor, que já era amigo de Rasputin, havia revoltado-se com seu comportamento desrespeitoso com a família real, por isso a encomenda do assassinato. Guseva enfiou uma faca no abdômen de Rasputin, e suas entranhas ficaram penduradas para fora. Foi uma ferida mortal. Convencidos de seu sucesso, Guseva supostamente gritou: “Eu matei o demônio!” Após a cirurgia intensiva, Rasputin recuperou-se milagrosamente. Foi dito de sua sobrevivência só foi possível devido à presença de um espírito que costurou suas entranhas” Sua filha, Maria, observou em suas memórias que ele nunca mais foi o mesmo homem depois disso: ele parecia cansar-se com frequência. Havia dores e ele usava do ópio para aliviar a dor. 


O assassinato de Rasputin tornou-se uma lenda, alguns deles inventados pelos mesmos homens que o mataram, razão pela qual tornou-se difícil de discernir o curso dos acontecimentos. Em 16 de Dezembro de 1916, tendo decidido que a influência de Rasputin sobre a Alexandra ameaça ao império, um grupo de nobres liderada pelo Príncipe Felix Yusupov, o Grão-Duque Dmitri Pavlovich, e o político de direita Vladimir Purishkevich criaram um plano para atrair Rasputin ao palácio  de Yusupovs Moika. 
Anteriormente, em novembro de 1916, o príncipe Yusupov fingiu que tinha dores no peito e obteve uma alta recomendação para se tornar um paciente de Rasputin. O Príncipe Felix Yusupov fez várias visitas a Rasputin como um paciente e logo fez amizade com o bruxo. Não se sabe o motivo, mas Felix Yusupov apresentou-lhe uma imagem de sua esposa, a bela princesa Irene Yusupov, sobrinha do Imperador czar Nicolau II. Rasputin imediatamente expressou seu desejo pela bela dama. Se Rasputin estava realmente interessado em Irene, é uma questão em aberto. Porém o que é sabido é que Felix Yusopov era conhecido por ser uma cômoda cruz, que regularmente divertiram-se pela noite em estabelecimentos de bebidas e restaurantes da moda em São Petersburgo, vestido de mulher. Era quase certo que seus hábitos travestis revelavam uma tendência bissexual. Em 16 de dezembro de 1916, o príncipe Felix Yusopov e seus colegas oficiais haviam programado a isca. Um convite formal foi feito para Rasputin, mulheres e bebidas foram mencionados. Rasputin não negou e foi visitar o príncipe. Logo de cara ele foi recebido com bolos e vinho tinto misturado com uma enorme quantidade de cianeto. Segundo a lenda, Rasputin foi levemente afetado, embora Vasily Maklakov tinha fornecido o veneno suficiente para matar cinco homens. Tem sido sugerido, por outro lado, que Rasputin tinha desenvolvido uma imunidade ao veneno devido à mithridatism (a prática de se proteger contra um veneno por gradualmente auto-administração). 


Os que relatos que se seguem é uma obra de tirar o fôlego (texto de Simbolo Oculto)
Determinado a terminar o trabalho, o príncipe Felix Yusupov correu para cima para consultar os outros e, em seguida, voltou armado. Sem pensar atirou em Rasputin. Mesmo com o sangue derramando-se pelo chão ele ergueu-se gritando o nome de Yussupov. Como um feroz leão, ele partiu de forma ágil para cima do príncipe amofinado. Aterrorizado com Grigoriy que se recusava a morrer, Yussupov correu para a antessala e trancou a porta. Seus comparsas aproximaram-se e escutaram o barulho da madeira arrebentando-se. O místico de Pokrovskoie estava destruindo a porta do palácio na tentativa de escapar. Yussupov e seus comparsas se armaram: três pistolas ao todo. Grigoriy finalmente arrombou a porta e correu para o pátio onde a neve cobria o chão com alguns centímetros. Vendo o místico a poucos metros, todos engatilharam as pistolas. Os tiros foram consecutivos, uma saraivada de balas atingiu o corpo, cinco no total. O fugitivo tombou, mas continuou se arrastando. Os homens correram e passaram a surrá-lo e a esfaqueá-lo, entretanto, o místico continuava sussurrando no chão. Inconformados, eles se entreolharam quando um inglês aproximou-se. Ele sacou sua pistola Webley.455 e disparou contra a testa de Grigoriy com uma única bala de prata. Orientados pelo homem desconhecido, os conspiradores trouxeram correntes e prenderam as pernas e os pulsos do místico. Após ensacar seu corpo, atiraram-no às águas geladas do rio Neva.Uma autópsia determinou que a causa da morte foi afogamento. Verificou-se que ele tinha realmente sido envenenado, e que o veneno por si só deveria ter sido suficiente para matá-lo. Há um relatório que depois que seu corpo foi recuperado, água foi encontrado nos pulmões, apoiando a ideia de que ele ainda estava vivo mesmo naquela condição. O corpo foi enterrado em Puchkin, Tsarkoe Celo, mas seu coração foi guardado na Academia Militar de Medicina, onde em 1930 foi roubado. O túmulo de Rasputin foi venerado por peregrinos, o que não era de bom grado aos comunistas. Assim, o exército vermelho marchou para destruir seu sepulcro. Quando removeram a tampa do caixão tiveram uma surpresa, ele estava vazio. Com medo de criarem um mártir, em sigilo eles levaram um corpo indigente em vagão fechado até a estação de metrô Lesnaya, onde cremaram os restos. 

O relatório oficial de sua autópsia desapareceram durante a era Stalin, assim como vários assistentes de pesquisa que tinham visto ele. Algumas evidências surgiu recentemente que o assassinato foi, de fato, organizado pelo SIS britânico. 






 MATÉRIA  14/10   QUINTA-FEIRA  - MATÉRIA 022 / DE: FRANCINE SANTOS


Já materializamos cada cenário da saga, agora para continuarmos nosso suporte ao leitor é a vez dos carros. Afinal, além de ser uma grande paixão, foram peças indispensáveis em muitas cenas da saga. Siga as descrições, elas podem dizer muito sobre os personagens, os donos.
 Primeiro Livro da Saga                  1      
Brasília

Dono: Felipe, pai de Layla. 

“Felipe, seu marido, conduzia uma decrépita Brasília vermelha que se destacava pela ferrugem.”





O Brasília foi um automóvel produzido de 1973 até 1982 pela Volkswagen do Brasil. Foi projetado para aliar a robustez do Volkswagen Fusca, um carro consagrado no mercado, com o conforto de um automóvel com maior espaço interno e desenho mais contemporâneo.  
Mercedes 300CE

Dono: Rômulo, pai de Victor. 

 “Rômulo seu marido, estava conduzindo uma Mercedes, modelo 300CE de 24 válvulas, que se destacava pelos belos aros de 18 polegadas.”



A Mercedes-Benz modelo 300CE foi produzida entre 1990-1993. O modelo CE era um dos mais belos e robustos carros da década de 90 com um belo motor de 24 válvulas. Hoje é considerado um carro raro e apreciado pelos colecionadores. 
BMW Série 3

Dono: Rômulo, pai de Victor;
mais usado pelo filho. 

 No veículo que o aguardava, uma BMW Série 3 conversível, ele colocou sua prancha no banco de trás.



O BMW Série 3 é um carro executivo compacto fabricado pela montadora alemã desde maio de 1975. Ele é o modelo mais vendido da BMW, representando cerca de 30% do total das vendas anuais da marca BMW. O modelo conversível é de 2007-2013 Série 3 Cabrio. 
Porsche

Dono: Victor

 “Quando avistou o Porsche prata, Victor correu acionando o alarme do carro. Ele abriu a porta e sentou-se no banco do motorista.”



O Porsche 911 é um carro desportivo produzido pela alemã Porsche AG de Stuttgart, Alemanha desde 1964. O modelo está em constante evolução desde seu lançamento em 1963 no Salão de Frankfurt, com o nome de 901. Em 2004, o 911 foi revisto de forma profunda e o clássico 996 foi substituído pelo 997, sendo este apresentado no livro. 

Hyundais Gênesis Coupé

Dono: Midas

 “Enquanto isso, no Cristo, os capangas após desvencilhar dos obstáculos humanos alcançaram o estacionamento. Eles entraram nos carros, dois Hyundais Genesis Coupé. Naquele segundo, a perseguição começou”


O Hyundai Genesis Coupe é um modelo esportivo da Hyundai Motor Company, lançado em 13 de outubro de 2008. É um modelo veloz da Hyundai com tração traseira e compartilha sua plataforma básica com o modelo Genesis sedã de luxo. 



 Segundo Livro da Saga                  2      

 Grand Cherokee

Dono: Bruna Filha de Rogério

 “Eles se dirigiram para a rua ao lado. Bruna entrou em seu jipe, uma Cherokee ano 2004, e seguiu pelas estreitas ruas da cidade.


A nova terceira geração Grand Cherokee (WK) foi inaugurada em 2004. O projeto enfatizou poder e luxo, com um trabalho significativo feito na redução de ruído, vibração e aspereza. No entanto, pela primeira vez, Jeep também enfatizou o desempenho on-road a um nível a pedra angular de sua marca, capacidade off-road. 

 Toyota Corolla

Dono: Hanz

 Hanz, em sua Toyota, dirigia-se à prefeitura municipal da cidade de Mariana.“


O Toyota Corolla é o modelo mais vendido da história, com produção nos cinco continentes. Assim como em outros modelos a Toyota procurar usar nomes em latim para seus carros, neste caso o significado é “Coroa de Flores”. 
 Dodge Challenger

Dono: Cristóvão

 “Cristóvão seguia por uma estrada tortuosa, dirigindo de forma tranquila seu possante Dodge Challenger.”


O Challenger é um modelo desportivo de duas portas da Dodge. A sua produção iniciou-se em 1970. Em 2006 a Dodge construiu um carro conceito denominado Challenger Concept, que trouxe de volta o Challenger equipado de um motor Hemi V8 de 425cv. A velocidade máxima dele pode chegar a 320 km/h e vai de 0 a 100 km/h em 3.5 segundos. 

 Terceiro Livro da Saga                  3      

 Austin FX4

Dono: Cristóvão

 “Na zona de táxis, o clássico Black Cab modelo Austin FX4 esperava-os para embarcar. – Que máquina linda! – exclamou Hanz admirando as curvas daquele modelo.”


Austin FX4 - Produzido de 1958 a 1981, o Austin FX4 tinha em sua primeira versão um motor a diesel 2.2 litros e 55 cv. O clássico táxi londrino passou por uma atualização em 1968, mas se manteve sem grandes alterações em seu design até ser substituído em 1996 por uma nova geração, porém virou um ícone londrino sendo circulado até hoje

 Bentley Continental GT

Dono: Primícius

 “Zac dirigia um Bentley Continental GT, enquanto Erick costurava o ferimento em seu ombro.


O Bentley Continental GT é um grand tourer de duas portas com capacidade para 4 passageiros lançado em 2003 como substituto do Continental R e T. É equipado com um motor W12 bi-turbo de 552 cavalos, sendo o primeiro motor de 12 cilindros na história da marca. Uma curiosidade do modelo é ter o maior disco de freio de um modelo de série em produção
 Fordson & Thames

Dono: Amigo, Aaron como motorista. 

 “Pelo retrovisor, no banco do motorista Aaron olhava a melancólica paisagem enquanto o clássico modelo da Van Fordson & Thames circulava derrapando na rua de terra batida.”


O Van Fordson & Thames, ou seja, E83W visava o pequeno mercado do transporte. No Reino Unido uma atualização da carroceira tornou-o perfeito para transportar mercadoria. Durante e após a II Guerra Mundial, muitas variações especializadas, tais como móveis, hortifrúti, vans de sorvete e até mesmo bombas de incêndio foram construídos no chassi E83W. 

 Hum-vee

Dono: Exército Americano. 

 “Ele olhou para o retrovisor. – Não acredito nisso! Dentre todos os veículos da segurança no Iraque tínhamos que nos deparar justo com um militar Hum-vee.” 


O Mobility Multipurpose Wheeled Vehicle (HMMWV), comumente conhecido como o Humvee é um quatro rodas motrizes militar caminhão leve produzido pela AM General. Apesar de ser construído para propósitos militares uma versão Humvee, não blindada, foi comercializada. 







 MATÉRIA  25/06   quinta-FEIRA  - MATÉRIA 015 / DE: francine santos
O terceiro livro da saga Algoritmos Sagrados possui o título de Símbolo Oculto. Claro que não vou liberar um spoiler, não pretendo ir tão fundo a ponto de explicar o título do livro – isso é uma surpresa. Mas posso adiantar que está ligado ao símbolo feminino.

Dawn Brown já falou muito sobre o símbolo feminino em seu livro O Código da Vinci, mas Marcelo Pontes mostra um lado completamente diferente sobre o assunto, com detalhamento histórico que antecede a Jesus Cristo.
  
O símbolo feminino não é nenhum mistério, talvez assim como o título do livro, apenas oculto. Na Bíblia ele aparece como duas mulheres, uma pura e outra embriagada. Essa mesma formulação também é encontrada em outras culturas.
Vamos despir essa simbologia para você; talvez parte dela possa ser compreendida no decorrer dessa matéria.

Você já ouviu falar sobre o símbolo feminino? Talvez não, mas com certeza deve conhecer a estátua da liberdade.
A Estátua da Liberdade foi um presente do povo francês ao povo norte-americano, para comemorar o centenário da Declaração de Independência dos Estados Unidos. Há um simbolismo controverso na famosa estátua de Nova Iorque, principalmente poque foi construída por maçons:

Placa próxima a estátua:
“Neste local em 5 de agosto de 1884, a pedra angular da Estátua da Liberdade Iluminando o Mundo foi colocada com uma cerimônia de William A. Brotte, William A. Brodie, Grande Mestre Macon do Estado de Nova Iorque. Membros da loja maçônica, representantes do Governo dos EUA e da Franca, oficiais do exército e da marinha, membros de Legações Estrangeiras e cidadãos ilustres estiveram presentes. Esta placa é dedicado aos maçons de Nova York, em comemoração do 100 º aniversário daquele acontecimento histórico.”

O fogo da tocha erguida pela mão direita da majestosa dama representa o caminho para a liberdade. Em sua coroa existem 25 janelas - as jóias encontradas naquelas terras. Os 7 raios que saem da aureola representam os sete continentes e os sete mares do mundo. Em sua mão esquerda segura uma tábua, na qual está escrita: 4 de Julho de 1776, em algarismos romanos.

Muito bem, agora vamos nos aprofundar utilizando uma segunda estátua que deveria ser tão famosa quanto à primeira.
           
Estando em cima da cúpula do Capitólio está a enigmática estátua da Liberdade em pé sobre uma forma esférica, o que representa a Terra. Contornando o mundo a faixa eclíptica  possui o ditado “E Pluribus Unum (Fora de Muitos, Um)”

A divindade acima do capitólio é uma figura feminina alegórica cuja mão direita segura o punho de uma espada embainhada, enquanto uma coroa de louros da vitória e o Escudo dos Estados Unidos estão entrelaçados em sua mão esquerda. O escudo heráldico é o mesmo que tem no Grande Selo dos Estados Unidos, com treze listras, exceto que o principal tem estrelas (mais uma vez, treze). Seus adereços são garantidos por um broche com a inscrição “E.U.A” e está parcialmente coberto por uma túnica pesada, com franjas e um cobertor jogado sobre o ombro esquerdo. Ela simbolicamente enfrenta o leste em direção à entrada principal do edifício, o que significa que aliás, que nunca o sol se põe sobre a Liberdade.
  
Agora fica a dúvida, qual a identidade dessa deusa de pé, no topo do edifício mais importante da América? Ela certamente não é a Virgem Maria - você ficaria surpreso com o número de pessoas que pensam isso. A verdade é que o bairro leva seu nome, DC = Distrito de Colúmbia. Ela é a deusa alegórica da América, a figura mitológica tipicamente americana, a Columbia.

Nunca ouviu falar dela? Acho que sim:

É claro que existe rumores, especulações diversas sobre a dama da Columbia Pictures, mas olhando para a imagem, não há como ter dúvida sobre a identidade simbólica desta imagem que se tornou um dos maiores ícones entre os cinéfilos de todo mundo. A Columbia é de fato a personificação feminina que protege os Estados Unidos da América.



Na pintura de título "American Progress" de John Gast temos uma referência à modernização, à ideia de progresso e melhoria nas áreas de tecnologia, política, economia e ciências. A peça de marketing muito influente, exibe no céu uma figura mítica como um espirito errante, uma anjo celestial (feminino) que ajuda no progresso da América. Essa figura é a famosa Columbia, a deusa que aderiu forma para se tornar um símbolo americano. A imagem está em boa resolução, recomendo que amplie esta imagem clicando sobre ela.

A Columbia Brasileira

De forma curiosa o Brasil também teve sua divindade, uma figura puramente alegórica. Na imagem ao lado temos a "República", um quadro de Manuel Lopes Rodrigues pertencente ao acervo do Museu de Arte da Bahia.


Não se pode negar a semelhança com a divindade Columbia - os mesmos símbolos presentes - , porém o fato é que tanto a república americana como a brasileira receberam forte influências de maçons, o que explicaria essa ligação, e não como alguns poucos dizem, um plágio do nosso país. 


O alegorismo para alguns remetem a frança, onde a personificação feminina foi escolhida como o símbolo da revolução e posteriormente influencio vários países a usurem a figura feminina. Entretanto, a própria revolução não criou essa forma e sim, usurpou das culturas mais antigas da Terra.  


Mas qual o verdadeiro significado? Talvez na imagem seguinte podemos esclarecer melhor.

Assim como Columbia essa figura tinha a ideia de um espectro, um espírito errante como mostra a charge da proclamação da República de José do Patrocínio. É claro que tudo isso não se trata de uma consciência, mas de um simbolismo presente através do símbolo feminino, um símbolo oculto.

Porém sendo ou não uma cópia, o simbolismo é o mesmo, uma forma de espírito protetor. Essa mesma referencia pode ser vista entre os cristãos, a mulher de branco, representando a igreja de Cristo, com os mesmos fins protetores da verdade e liberdade.


Se desejar saber mais, comece a ler a saga Algoritmos Sagrados.


Francine Santos






 MATÉRIA  27/05   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 012 / DE: francine santos
Etiópia é uma das escalas no livro "Símbolo Oculto - Algoritmos Sagrados"
Para quem não a conhece e tem em mente um país castigado pela fome e pobreza, com certeza se surpreenderá com a descrição que o escritor Marcelo Pontes deu a ela.

Repleto de mistérios e fenômenos considerados santos, esta terra de monges e peregrinos causa espanto para muitos. Para quem mora aos arredores de Lalibela é comum ver a transmutação da água em vinho. Mas este é apenas mais um dos vários fenômenos dessa terra miraculosa.

Pelas cidades, inúmeros peregrinos tomam as ruas em mantos brancos, uma procissão em volta da mais devastada terra da África.
Apesar da pobreza, existe outro lado dessa história na visão do autor, onde casas de barro, chão de terra batida e crianças subnutridas fazem parte do contexto:

Axum era uma cidade pequena. A poucos metros, Hanz sentia-se regressando no tempo entre casas de pedras irregulares e argamassa de barro, com teto de estrados de madeira cobertos com palha.
– Eu imaginava que as cidades etíopes eram pobres, mas é espantoso de estar aqui e ver com meus próprios olhos este lugar; parece que estou voltando para a pré-história – afirmou o mergulhador, surpreso com as humildes infraestruturas daquela terra castigada.
– Não é pobreza, e sim simplicidade – definiu Aaron.
– Não vejo simplicidade e sim, privação.
– Os etíopes não pensam como o resto do mundo.
– Como assim?
– O trabalho para eles é visto como transtorno ao corpo, como uma espécie de punição.
– Eles não trabalham?
– Apenas atividades sustentáveis.
– Mas, por quê?
– Eles possuem uma crença conhecida como iddil, uma corrente que flui empurrando as pessoas para a destruição. – Aaron levantou sua face para o alto do planalto. – Então não importa a determinação do indivíduo, o destino de cada um sempre será cumprido, retornando a seu estado primitivo. Por isso o progresso do ponto de vista etíope não faz sentido.
– Que visão negativista.
– Negativista?
– É como se não houvesse uma esperança para o amanhã.
– Exatamente, por isso eles também não vêm o tempo de forma linear, mas sim cíclica.
– Cíclica! – exclamou baixinho lembrando-se das explicações de José Armando. – “Rogério acreditava que existia uma força desconhecida que influenciava a probabilidade das ocorrências e gerava tais ciclos”.
Hanz caminhava de forma automatizada, pois seus pensamentos vagavam.
Alcançando uma estrada de terra, Aaron chamou sua atenção:
– Oh! Bela adormecida; acorda!
O mergulhador piscou seus olhos. – Desculpe.
Vendo crianças correndo e sorrindo pelo caminho, o velho corvo alegrou-se espiritualmente. Após bagunçar os cabelos revoltos de um dos meninos que corria ao seu redor, ele voltou-se para seu amigo descrente.
– A pobreza que você descreveu não está neste lugar.
– Como não?
– Olhe para o rosto desse povo. Estes vivem bem e sorrindo. Na Etiópia não há tristeza, depressão ou suicídio; todos contemplam a grandiosidade de cada dia neste planeta. – Aaron fez uma pausa. – Veja a diferença dos que habitam as grandes cidades, que exaltam a frustração e o pessimismo, trabalhando exaustivamente para dias melhores que nunca serão alcançados. Eles são incapazes de reconhecer a verdadeira beleza da vida, revelada em sua simplicidade. Se o mundo diz que estes são pobres, eu digo: estes são ricos, ricos em espírito e alegria.

Símbolo Oculto – Algoritmos Sagrados

Mas como já falamos, a Etiópia não tem apenas um pé, plantado na pobreza, sua riqueza cultural e religiosa surpreende até os descrentes.  É claro que podemos ficar aqui, escrevendo páginas e mais páginas sobre os diferentes pontos sagrados, mas iremos focar no monastério de Narga Selassié na ilha Dek, um dos locais descrito no livro.

Narga Selassié é um monastério na costa ocidental da ilha de Dek, a maior ilha do Lago Tana, no norte da Etiópia. O monastério foi construído no final do século 18, usando como material de construção o gigantesco figo-sicômoro, árvore que no passado estava no centro do monastério. Dentro do local conhecido como Santo, encontramos inúmeras pinturas, incluindo uma peça descrita no livro, a pintura de São Jorge. 


É fato que na Etiópia um de seus padroeiros é São Jorge, porém o que descreve no livro “Símbolo Oculto” é uma relação direta com o famoso Santo Graal. Claro que você já deve ter lido vários livros com esse tema, mas nenhum mostrando a verdadeira simbologia por trás da peça.  
Voltando a pintura ao lado, foque em seus detalhes. São muitos, mas vamos nos concentrar na lança, uma lança diferente com uma cruz na outra extremidade. Quem leu o livro até seu final sabe o desfecho poético de toda essa simbologia, mas se você ainda não leu, vou informa-lo que a imagem de São Jorge está sempre relacionada à crucificação em todas as pinturas existentes nos monastérios da ilha Dek. 

Não vou me estender mais as pinturas de Narga Selassié, caso contrário estaria cometendo um spoiler. 

A ordem dos Templários 

Outro ponto importante para comentarmos é a influência dos cavaleiros Templários na região. O livro fala um pouco sobre isso, principalmente descrevendo a interferência cultural sobre o povo etíope. Ainda hoje, podemos ver símbolos templários em todos os rituais na Etiópia. Mesmo após o triste final da organização em 1312, remanentes da atualizada Ordem de Cristo esteve participativa nas regiões Etíopes. 



Enquanto caminhava ao lado da margem seguindo seu guia, uma cena lhe chamou a atenção: à beira do lago alguns homens recolhiam pedras. Com a água nas pernas, eles erguiam as pesadas rochas sedimentares em dupla, depositando-as no barco.

– Você não me disse que etíopes evitavam o trabalho pesado? – indagou o mergulhador encarando os homens que sofriam com sua carga.

– Sim, por quê? – indagou Aaron.

– Por que aqueles homens estão carregando pedras a essa hora da manhã?

– Uma herança dos Templários.

– Templários?

– Sim, no passado eles usaram o povo etíope para erguerem construções monumentais.

– Que tipo de construções?

– Paciência, e você verá.

Algoritmos Sagrados - Símbolo Oculto



Agora fica a pergunta: o que eles queriam com a Etiópia? A resposta pode estar na pintura de São Jorge; para descobrir apenas lendo o livro.

Francine Santos







 MATÉRIA  04/06   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 013 / DE: francine santos
Inúmeros livros usam os Templários como pano de fundo, mas 'Algoritmos Sagrados' mostra um lado nunca antes explorado: fé e ciência se fundem; termos como religiosidade e teorias das cordas funcionam em um mesmo universo, sendo assegurados pelos cavaleiros Templários.

Lendo essa matéria você achará tudo muito bizarro, mas na saga a história é arquitetada de forma que se compreenda cada peça como um todo, sem apelações, principalmente que cada linha se encaixa em seu contexto simbólico.
Mas antes de nos aprofundarmos no gancho existente na saga vamos do início para quem não conhece esses nobres cavaleiros.
A Ordem dos Templários foi criada em 1096 e oficializada em 1118 na cidade de Jerusalém, por nove cavaleiros que fizeram um voto de santidade jurando proteger os peregrinos e a Terra Santa. Foram conhecidos também pelo nome de Cavaleiros de Salomão - quem leu o livro talvez perceba a ligação através das narrações do personagem Rogério Almeida de Carvalho e sua filha Bruna. Anos se passaram lutando contra os muçulmanos e, mesmo após o término das cruzadas, estes se mantiveram firmes nas terras sagradas. Porém nesse ponto, circulou a lenda de que os lendários Templários haviam pilhado muita riqueza, algo que possivelmente estava escondida em baixo do Templo Sagrado. No auge da ordem seguiram-se terríveis perdas, primeiro através das batalhas e a derrota da última cidade nas Terras Santas: São João de Acre. Depois veio a perseguição pelo rei Filipe IV da França que, de qualquer forma queria apropriar-se dos bens dos Templários. O marco do desfeche é mencionado no livro Símbolo Oculto.

– Deixe-me completar a história. Em outubro de 1307, uma sexta-feira no dia treze, Filipe IV, rei da França que cobiçava tal tesouro, iniciou uma tentativa de derrubar a Ordem dos Cavaleiros Templários afirmando que eles haviam entregado suas almas a Baphomet, o velho pentagrama invertido. A imagem da Ordem veio por terra, pois a heresia era um ato abominável perante a igreja. Nesse mesmo ano, os Templários encontrados na França foram queimados nos madeiros.

                Símbolo Oculto – Algoritmos Sagrados


Porém o mistério havia apenas começado. Logo após esse fato, toda a frota templária com seus 12 navios, os mais modernos da época, sumiram sem deixar vestígios.   

Ainda hoje se acredita que a Ordem de Salomão ou Ordem dos Templários, como é mais conhecida, guarda  os maiores segredos da humanidade; alguns comentam sobre a descendência de Jesus ou o Santo Graal, outros os restos mortais de Maria Madalena, mas a saga Algoritmos Sagrados leva a compreensão de um termo nunca antes lido, os Algoritmos Sagrados e o mistério sobre a imortalidade.

Mas a história não acabou por ai, em 1319 nasceu a Ordem de Cristo, fundada pelos remanescentes templários. Nesse período tiveram forte participação nas descobertas marítimas portuguesas, no século XV e XVI – coincidência? Nomes como Infante D. Henriques, Pedro Alvares Cabral, Vasco da Gama pertenciam à Ordem de Cristo, ou seja, nada mais eram do que templários de outros tempos.


Templários no Brasil

Alguns documentos evidenciam que a Ordem de Cristo veio ao Brasil em 1500, através de Pedro Alvares Cabral, com um propósito obscuro. Hoje, nas bandeiras e símbolos Brasileiros existem fortes indícios templários. Esta organização, mesmo com outra denominação, conseguiu sobreviver até aos dias de hoje. A única coisa que ainda não foi descoberta foi que segredos teriam descobertos com a tomada de Jerusalém e que destino tiveram os navios da sua frota. Será que Portugal foi foco das manobras e teria sido o verdadeiro porto de abrigo destes cavaleiros e monges, ou há mistérios envolvidos em outras partes do planeta? Estes são mistérios que, até você ler a saga, continuarão sendo um túmulo desconhecido.


A bandeira imperial do Brasil foi criada, originalmente, como pavilhão pessoal do Príncipe Real do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, a pedido de D. Pedro de Alcântara, ainda como príncipe-regente. Entre setembro e dezembro de 1822, o pavilhão passou a ser utilizado para representar a nação após sua independência, ainda considerada um reino. Apenas com a sagração de D. Pedro I como imperador é que foi substituída a coroa real do brasão pela imperial.

A nova bandeira ainda preservava muitos dos elementos do antigo reino e seu brasão, como a esfera armilar e a cruz da Ordem de Cristo, semelhante ao da bandeira cisplatina. A atual bandeira nacional mantém, embora um pouco modificado, o campo verde e o losango amarelo da bandeira imperial. Substituiu-se o brasão de armas imperial pelo círculo que, como a anterior, também representa a esfera celeste; a faixa eclíptica pela faixa azimutal e a cruz da Ordem de Cristo pelo Cruzeiro do Sul.


Francine Santos






 MATÉRIA  21/05   quinta-FEIRA  - MATÉRIA 010 / DE: francine santos

Com esse título posso com certeza ser ridicularizada, mas antes, leia esse texto até seu final. 
Lobisomens ou licantropo é um ser lendário de origem grega, apesar de várias culturas possuírem sua versão do famoso lobisomem, até tribos mais isoladas. Segundo as lendas, um homem pode se transformar em lobo ou em algo semelhante a um lobo em noites de lua cheia, só voltando à forma humana ao amanhecer. O mistério da lua cheia na verdade não é um mistério, esse fenômeno já vem sendo estudado há muitos anos. Não estou falando de homens virando lobos, mas de homens virando bestas selvagens. 

Vamos deixar Aaron Abrawanel explicar: 

– Pois bem, em um período curto de aproximadamente três dias o Nefeshe, eu digo, a natureza humana em sua forma mais primitiva, é liberada. Nesse momento, a raça humana se torna um alvo dos implacáveis demônios que aproveitam dessa fragilidade para suplantar suas necessidades da energia vital dos seres humanos.
– Isso é sério?
Aaron riu – Sim, ou por que acha que no período da lua cheia os homens enlouquecem?
– Como assim, enlouquecem?
– Isso não é nenhum segredo, afinal, existem inúmeras pesquisas pelo mundo que comprovam que a criminalidade associada a transtornos agressivos aumenta significativamente em períodos de lua cheia. Claro, o motivo dessa agressão ainda é um mistério, porém eles perceberam que animais também são afetados. Portanto, chegaram à conclusão de que existe alguma relação com nosso lado primitivo. – Aaron fez uma pausa com um sorriso ardiloso. – Esse é o Nefeshe, o portão que se abre para o inferno.

Símbolo Oculto – Algoritmos Sagrados


O que amo na saga é a visão mais próxima da realidade e não entorpecida por holofotes de Hollywood.
Então seguindo a linha de raciocínio, vamos reforçar a tese da existência de lobisomens.
Algoritmos Sagrado explora muito o ambiente primitivo judaico, o que me encanta, pois nos trás mais próximos da natureza mística da nossa civilização. Segundo o escritor, animais podem ser possuídos por demônios; na própria Bíblia temos um bom exemplo: Jesus exorcizou um homem que estava possuído na região dos Gerasenos. O louco estaria possuído pelo demônio conhecido como "Legião", uma coletividade de demônios.
Agora pensem comigo: se porcos foram possuídos, por que lobos não? Na verdade esse pensamento já foi compartilhado na literatura, principalmente os cabalistas que no passado, já lutaram contra a temida fera.  

Vamos voltar ao livro Máscaras Reveladas e fazer uma viagem na criativa história de M. L. Pontes.

Layla Aina, nossa protagonista, procurando escapar de sua maldição decide aceitar uma proposta de vir morar em um castelo na região de Viseu, Portugal. – Mas por que Viseu, Portugal? – Por que o escritor não dá ponto sem nó. Tudo o que sabemos sobre lobisomens surgiu através de lendas portuguesas; sim os portugueses conheciam bem o lobisomem.


Há vários covis de lobisomem (cova para os portugueses) nas regiões de Portugal, mas a mais importante está em Viseu Portugal.
Hoje temos estradas, o progresso tomou parte do cenário, mas as antigas lendas ainda são respeitadas pelos moradores mais conservadores.
Reza a lenda que em noites de lua cheia o lobisomem percorre as ruelas graníticas da povoação de Cambra, caçando quem apanhar desprevenido. As portadas das janelas fecham-se e as crianças escondem-se debaixo das mantas quando ouvem o tropel das suas patas na calçada. Mas que monstro é este que assim apavora as noites enluaradas?

Até o século XIX era costume as famílias de Portugal ter muitos filhos. Porém o sétimo filho deveria ter um nome especial, se fosse menina seria Custódia ou Benta e se fosse menino, Bento ou Custódio. Mas, nem todas se lembravam, ou então não acreditavam na maldição e assim outro nome era escolhido. Então, em todas as noites de lua cheia, essa criança, ao chegar à idade adolescente sofria uma terrível transformação: crescia-lhe os dentes e as orelhas, as unhas transformavam-se em garras e o corpo ficava coberto de pelo negro; o diabo havia tomado seu corpo e transformado-a em uma besta selvagem.
Nas noites mais escuras os olhos chamejantes vasculhavam o escuro. Ele saltava pela floresta procurando suas vítimas indefesas. Quando encontrava um perdido, caçava-o e depois o arrastava para seu esconderijo: uma gruta, na margem do rio Couto, perto de uma velha torre onde as devorava e deixava seus ossos.

A trilha que leva a Cova do Lobisomem, diferente da lenda, tem seu encanto. Riachos, construções antigas e uma vegetação linda, típica das florestas de carvalho de Viseu. Algumas casas rústicas ainda sobrevivem sobre seus alicerces, é como voltar ao tempo onde a lenda era uma realidade para os habitantes da região. Hoje a região se tornou um ponto turístico obrigatório para quem gosta do tema. Para muitos, o monstro ainda caminha pelas redondezas atrás de sua próxima vítima. Na imagem ao lado temos a torre descrita no mito, uma antiga construção medieval do final do século XIII.

A Cova do Lobisomem localiza-se próximo ao rio Couto. É caracterizada por uma galeria ou corredor cuja entrada mede 2,4m de altura por 2m de largura que vai estreitando gradualmente para o interior, conduzindo a uma vasta câmara de forma oval. A câmara tem cerca de 5m de comprimento, por 2,5m de largura e altura. O comprimento total da Cova do Lobisomem, incluindo galeria e câmara, é de 18m.

É claro que podemos estar falando de um mito, porém, assim como na visão do escritor, acredito que toda lenda é inspirada em fatos reais, experiências próximas que não tiveram a obrigação de explica-las. Então se você é um descrente, deveria começar por outras matérias deste blog, mas se acredita em uma força superior a nós, deveria rever os conceitos sobre a concepção do mal.

Quero deixar bem claro que Algoritmos Sagrados não é uma saga sobre lobisomens, ela apenas explora outras facetas do mal, segundo a concepção judaica e cristã. 


Francine Santos

Localisação no Google Eath 
próximo a  Cambra de Baixo, Viseu (Portugal)






 MATÉRIA  11/06   quinta-FEIRA  - MATÉRIA 012 / DE: Marcelo pontes
Talvez essa seja a pergunta mais frequente em nosso consciente.
Mas afinal por que devemos sofrer?

Sofrer com certeza faz parte da construção do nosso caráter, mas alguns parecem extrapolar os limites da dor.
Na saga Algoritmos Sagrados nossa protagonista Layla Aina é o exemplo da dor em sua essência. Durante a leitura de Almas Seladas o primeiro livro, você vai se perguntar se é possível alguém ser destinada a uma vida sem qualquer ato de felicidade. 
A resposta desse questionamento já é concedida de cara, logo no prefácio do livro:

... O termo probabilidade vem do latim probare, que significa provar ou testar. Está ligado diretamente ao provável, que descreve eventos futuros e associa-se com palavras como: risco, sorte ou azar.
Com a moeda entre os dedos lancei-a para o alto. A probabilidade pode ser compreendida apenas usando uma única moeda, basta sorteá-la e você terá 50% de chance de dar cara e 50%, coroa. A moeda caiu na palma de minha mão: deu cara. Lancei-a novamente, sabendo que agora, usando a probabilidade, teria 100% de conseguir uma coroa. Fui frustrado e novamente, saiu-me uma cara. Lancei-a consecutivamente e, por dez vezes, a moeda revelou sua cara aos meus olhos.
Aquela coincidência me perturbou.
Segui em direção ao mendigo segurando a moeda na mão. Quando fui lhe entregar, parei e me peguei olhando para ela. Alguns segundos passaram e fui advertido pelo mendigo que continuava com a mão estendida. Eu guardei a moeda em meu bolso e lhe entreguei uma nota de dez reais.
Assim que levantei meus olhos, lembrei-me da última frase ao término daquela matéria...
“Essas ocorrências ainda perturbam alguns cientistas.”...
.
                                             Almas Seladas – Algoritmos Sagrados

Então é um fato que determinadas pessoas nascerão predestinadas ao sofrimento, enquanto outras ao regozijo. Isso não é uma especulação, é matematicamente plausível.
Porém nem toda dor está ligada a infelicidade. O sofrimento só se aflora quando você o aceita. Talvez não esteja me entendendo por isso vou dar um exemplo através de uma teoria que criei para o livro, a teoria dos estratos:

Quero que você pense – (leia a lista até o fim)
  • Será que uma pessoa em estado vegetativo, sem a consciência de sua existência é menos feliz que uma pessoa com síndrome do confinamento, capaz apenas de piscar, mas com a consciência de sua existência?
  • E será que uma pessoa com síndrome do confinamento é menos feliz que uma pessoa tetraplégica? 
  • E uma pessoa tetraplégica é menos feliz que uma pessoa paraplégica? 
  • E um paraplégico é menos feliz que um manco? 
  • E um manco é menos feliz que uma pessoa sedentária? 
  • E uma pessoa sedentária é menos feliz que um esportista? 
  • E um esportista é menos feliz que um atleta? 
  • E um atleta é menos feliz que um pássaro que, apesar de voar, não possui a consciência de sua existência?

Como você pode perceber criei camadas (estratos) para representar diferentes perspectivas. Analisando esse conceito, algo que você pode perceber de cara é que sempre haverá uma camada superior. Sendo assim, a felicidade não está ligada a conquista de uma camada superior e sim se você está satisfeito em sua camada atual.

Vejamos o exemplo de Christy Brown que nasceu com deficiência física e paralisia cerebral. Durante anos ele passou sem falar ou se mexer. Os médicos deixaram claro que sua capacidade intelectual estava totalmente prejudicada. Sua mãe, no entanto, persistiu, e continuou a falar com ele e a lhe ensinar. Quando tinha cinco anos apenas seu pé esquerdo obedecia a seus comandos. Foi usando esse mesmo pé que ele passou a se comunicar. Com o passar do tempo ele foi se aperfeiçoando e acredite, ele se tornou escritor, poeta e pintor. Um dos seus grandes trabalhos é sua auto-biografia chamada “meu pé esquerdo”.O que fez Christy Brown superar sua dor; a rejeição do mundo as limitações físicas, a falta de comunicação entre outras dificuldades enfrentadas?

A resposta é muito simples, ele aceitou sua camada e fez dela o melhor lugar possível.
                
Ainda vou ressaltar que antigos pensadores gregos possuíam uma fórmula para a felicidade: realidade menos expectativa. Portanto desse ponto de vista, uma pessoa simples tem mais chances de ser feliz do que uma pessoa abastada em sua alta camada.

É claro que o sentimento de galgar camadas parece lhe conceder um estado de felicidade, porém essa sensação é uma ilusão, pois não se trata de felicidade e sim um estado nada saudável, a euforia.
                
Se você seguir por esse caminho, acreditando que essa é a chave da felicidade, você não descansará mais, e uma busca desenfreada começará.  No futuro, quando a doença aplacar seu corpo pelo desgaste de sua corrida frenética, você olhará para trás e descobrirá que perdeu algo que seu estado dentro de qualquer camada não poderá resgatar: este é o tempo.

Esse conceito que estou aplicando é levantado no quarto livro da saga Sombras Noturnas – Algoritmos Sagrados, mas também é a base de grande parte da história:


M. L. Pontes






MATÉRIA  20/10   TERçA-FEIRA  - MATÉRIA 023 / DE: FRANCINE SANTOS
No segundo livro da saga Algoritmos Sagrados Hanz, um exímio mergulhador, se vê em volta do grande mistério sobre seu cunhado e a organização Oráculo de Delfos. Em um dos pontos do livro, na casa de Custódia de Taubaté, símbolos estranhos e um homicida lunático o levam acreditar que parte do mistério está compreendido na interpretação Maia sobre a inversão dos polos. Não vou me estender mais, porém essa ideia é repassada por quase toda saga.

2012 não foi o fim mas sim o prelúdio de uma nova era que o autor denominou de era de Esculápio. O interessante de tudo isso é a montagem e articulações que o autor mostra em torno do símbolo feminino. No ano de 2012 já havíamos batido um recorde mundial, o maior número de mulheres liderando nações, algo que não se podia imaginar há um século onde o gênero feminino não tinham nem o direito ao voto. Em 2014 o número apenas aumentou, pela primeira vez, 25 mulheres estavam no comando de países ao redor do globo (não necessariamente ao mesmo tempo), em praticamente todos os continentes. E parece que realmente estamos entrando em uma nova era da nossa humanidade onde literalmente o feminino tende a dominar o mundo. 

Talvez isso se torne realida se a cadidata Hillary Clinton ganhar as eleições americanas. Ela mesmo já deixou bem claro em seu discurso: "Talvez não seja a mais jovem entre os candidatos a esta eleição", ironizou Hillary diante de milhares de simpatizantes em uma praça de Nova York. "Mas serei a mulher presidente mais jovem da história dos Estados Unidos.”

postagem complementar:

Lideres: Mulheres e seus países

Jamaica: Portia Simpson-Miller 
A primeira mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro na Jamaica foi eleita em 2006, mas ficou apenas um ano no cargo. Ela voltou ao poder nas eleições de 2011. Simpson-Miller cresceu em um gueto em Kingston. Ela apoia um rompimento com a monarquia britânica e acha que é chegada a hora de a Jamaica ter seu próprio presidente.

Trinidad e Tobago: Kamla Persad-Bissessar
Após uma vitória expressiva nas urnas, Kamla Persad-Bissessar é a primeira mulher a ser primeira-ministra de Trinidad e Tobago em 2010. Em 2011, a ex-procuradora geral denunciou um suposto plano para assassiná-la, bem como a outros membros de seu gabinete, depois que ela declarou estado de emergência no país para combater um aumento dos crimes violentos relacionados ao tráfico de drogas.

Brasil: Dilma Rousseff 
Filha de um advogado e empreendedor búlgaro, Dilma Rousseff foi a primeira mulher eleita presidente do Brasil em 2010. Após uma disputa acirrada, ela conseguiu mais um mandato em 2014, em meio a críticas de setores da esquerda e da direita. Nos anos 1970, durante o regime militar no Brasil, Rousseff foi aprisionada por três anos e torturada. Ela fazia parte do grupo armado de extrema esquerda VAR-Palmares.

Chile: Michelle Bachelet
Pediatra de formação, Michelle Bachelet foi reeleita presidente do Chile em 2013 com uma margem expressiva de votos. Seu primeiro mandato durou de 2006 a 2010. Entre governos, a política, que é agnóstica e tem três filhos, chefiou a ONU Mulheres, uma agência para a promoção da igualdade de gênero. 

Argentina: Cristina Fernandez de Kirchner
Cristina Kirchner, da coligação de esquerda Frente para a Vitória, é a primeira presidente eleita da Argentina. Antes dela, no entanto, Isabel Perón ocupou a presidência - de 1974 a 1976 - após a morte de seu marido, Juan Domingo Perón. Cristina também sucedeu seu marido, Nestor Kirchner, que cumpriu mandato presidencial de 2003 a 2007 e faleceu em 2010.

Libéria: Ellen Johnson Sirleaf 
Em 2005, Sirleaf, de 76 anos, se tornou a primeira chefe de Estado eleita de um país africano, após o fim da guerra civil de 14 anos na Libéria. Em 2011, ela ganhou o prêmio Nobel da Paz e foi reeleita presidente. Nos anos 1980, Sirleaf foi presa por criticar o regime militar no país. Anos depois, em 1997, após ser derrotada nas eleições presidenciais por Charles Taylor, ela foi acusada de traição e exilada.

República Centro-Africana: Catherine Samba-Panza
Catherine Samba-Panza se tornou prefeita da capital da República Centro-Africana, Bangui, em 2013. Pouco depois, ela foi eleita presidente interina no país – a primeira mulher a ocupar o cargo. Já conhecida como executiva e advogada corporativa de sucesso, ela é considerada politicamente neutra e pediu o fim da violência sectária no país em seu discurso de vitória.

Noruega Erna Solberg
A líder do partido conservador Erna Solberg se tornou a segunda primeira-ministra da Noruega em 2013, liderando um governo de coalizão da minoria de direita. Metade do seu gabinete é formado por mulheres. O endurecimento da política de imigração durante seu mandato como ministra para Governo Local e Desenvolvimento Regional a rendeu o apelido de "Erna de ferro" na mídia norueguesa.

Escócia: Nicola Sturgeon
Nicola Sturgeon assumiu como primeira-ministra do governo escocês em novembro de 2014. Apesar de fazer parte do Reino Unido, o governo local tem autonomia em questões domésticas como saúde, educação e justiça. Sturgeon vai liderar o Partido Nacionalista Escocês nas eleições de 2016 e deve lutar por ainda mais poder para o governo escocês - e cobrar as promessas neste sentido feitas pelo governo britânico durante a campanha para o referendo sobre a independência da Escócia, em que os eleitores decidiram que a nação deveria permanecer como parte da Grã-Bretanha. 

Dinamarca: Helle Thorning-Schmidt
Helle Thorning-Schmidt se tornou líder do partido Social Democrata dinamarquês em 2005 e a primeira mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro, em 2011. Durante a campanha, seu guarda-roupa inspirou o apelido de "Gucci Helle" na mídia local. No memorial de Nelson Mandela, ela foi alvo de polêmica ao posar para uma "selfie" com o primeiro-ministro britânico David Cameron e o presidente americano Barack Obama.

Alemanha: Angela Merkel 
Ex-pesquisadora científica, Angela Merkel se tornou a primeira mulher chanceler da Alemanha em 2005. A revista americana Forbes a elegeu como a mulher mais poderosa do mundo em 2014. Seu apelido, "Mutti" ("mamãe" em alemão), teria sido criado por oponentes de seu partido, o CDU, para tratá-la de forma condescendente. No entanto, a brincadeira se tornou uma poderosa arma em sua campanha. 

Croácia: Kolinda Grabar-Kitarovic 
Kolinda Grabar-Kitarovic venceu as eleições croatas em 2015 com uma pequena margem de votos. Ela é um membro conservador da União Democrática Croata, que pressionou pela independência do país da ex-Iugoslávia, em 1991. Grabar-Kitarovic, de 46 anos, foi ministra das Relações Exteriores e assistente do secretário-geral da Otan.

Malta: Marie Louise Coleiro Preca
Marie Louise Coleiro Preca sucedeu George Abela e se tornou a nona presidente de Malta em 2014. Ela tinha 55 anos quando assumiu a Presidência no ano passado, o que a torna a chefe de Estado mais jovem que o país já teve. Antes de ser eleita, ela foi ministra da Família e Solidariedade Social.

Polônia: Ewa Kopacz 
A ex-pediatra e clínica geral Ewa Kopacz foi a única mulher a ser presidente do Parlamento polonês, antes de ser escolhida para suceder o premiê Donald Tusk, depois que este deixou o cargo para ser presidente do Conselho da União Europeia. Ela assumiu em setembro de 2014 e se tornou a segunda mulher a servir como primeira-ministra da Polônia.

Kosovo: Atifete Jahjaga
Ao ser eleita pelo Parlamento como primeira mulher presidente do Kosovo em 2011, Atifete Jahjaga se tornou também a primeira mulher chefe de Estado da região dos Bálcãs. Jahjaga, que foi vice-diretora da Polícia do Kosovo e tem 39 anos, também é a mais nova política eleita para o cargo. O Kosovo ainda não tem um assento na ONU, mas é reconhecido por 108 dos 193 estados-membros. O Brasil está entre os que ainda não reconhecem o país.

Lituânia: Dalia Grybauskaite
A primeira mulher presidente da Lituânia teve uma vitória expressiva nas urnas em 2009 e foi reeleita em 2014, quando se tornou também a primeira chefe de Estado lituana a ter um segundo mandato. Em sua extensa carreira política, ela foi Ministra das Relações Econômicas Internacionais, dos Negócios Estrangeiros e das Finanças, além de Comissária Europeia para Educação, Cultura, Multilinguismo e Juventude. Grybauskaite também é faixa preta de caratê.

Letônia: Laimdota Straujuma
A coalizão de centro-direita de Laimdota Straujuma foi eleita para comandar o governo da Letônia em 2014, quando ela se tornou a primeira mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro no país. Straujuma é economista, foi ministra da Agricultura e, como presidente, prometeu continuar com as políticas de austeridade seu antecessor – uma tentativa de resgatar o país da falência após sua entrada na zona do euro. 

Bangladesh: Sheikh Hasina Wajed 
Filha do fundador e primeiro presidente de Bangladesh, Sheikh Mijibur Rahman, a primeira-ministra Sheikh Hasina deu início a seu terceiro mandato em 2014. Após o assassinato do pai em um golpe de Estado em 1975, ela foi forçada ao exílio, mas venceu as as eleições para o cargo em 1996. A política de 67 anos também sobreviveu a uma tentativa de assassinato.

Coreia do Sul: Park Geun-hye 
Em 2013, Park Geun-hye tornou-se a primeira mulher chefe de Estado na história moderna do nordeste da Ásia. Ela se tornou primeira-dama da Coreia do Sul aos 22 anos, substituindo sua mãe, que foi assassinada em 1974, morta por um tiro direcionado a seu pai, o então presidente Park Chung-hee. Cinco anos depois, ele também foi assassinado.’. 



codigo dessa postagem para Site & blogs em codigo html5




As 10 ultimas Paginas adicionadas
As 10 ultimas Paginas adicionadas


0





ul { list-style-type: none; margin: 0; padding: 0; overflow: hidden; background-color: #333; } li { float: left; } li a { display: block; color: white; text-align: center; padding: 14px 16px; text-decoration: none; } li a:hover:not(.active) { background-color: #111; } .active { background-color: #4CAF50; } DMCA report abuse Home Todas Pastas Auto Post sitemap Blog "Sem Imagens" oLink xxx O voo 402 - Uma passagem para a morte Tags:#para, #aeronave, #estava, #avio, #autotrote, #corpos, #esta, Search:para, aeronave, estava, avio, autotrote, corpos, esta,  MATÉRIA  26/05   terça-FEIRA  - MATÉRIA 011 / DE: francine santosAtenção, a matéria possui um tema mórbido e pesado com algumas imagens perturbadoras.Às 8 horas e 24 minutos do dia 31 de Outubro de 1996 o Fokker 100 com 90 passageiros e 6 tripulantes a bordo, taxiava no pátio principal de Congonhas pronto para decolar. O vôo 402 com destino ao Rio de Janeiro era especial naquele dia. A aeronave passou por um tratamento, pintura nova, azul marinho – sua cor original era branco e vermelho. Em sua fuselagem estava escrito em letras garrafais "NUMBER ONE", número um, em comemoração ao prêmio recebido pela TAM como a melhor e mais segura companhia do mundo.Se explorarmos as coincidências, esse fato me remete ao famoso transatlântico Titanic, na época, o navio mais seguro do mundo – conhecido pela frase “Nem Deus nos afunda”. O dia fatídicoOs minutos passavam; os comissários Marcelo Binotto, Flavia Fusetti Fernandes, Mariceli Pires Carneiro e Janaina Kakke dos Santos preparavam a cabine para acomodar os 90 passageiros daquele dia. Na cabine o experiente Comandante José Antônio Moreno com mais de 9 mil horas de voo e 5 anos pilotando o Fokker 100 estava com seu primeiro Oficial Ricardo Luiz Gomes Martins conferindo os instrumentos. Durante a checagem um zunido no ar. Era um alerta de nível dois. No painel da aeronave eles procuraram pelo problema, mas nada foi detectado.  Eles já sabiam de uma falha no avião, o auto-trote que até ontem estava quebrado. – O auto-trote é um aparelho que realiza a dosagem da aceleração automaticamente, obtendo a máxima performance da aeronave. >O auto-trote era um equipamento totalmente dispensável, por isso eles mantiveram desligado. Uma falha que no futuro seria apenas umas das causas da queda da aeronave. Às 8 horas e 26 minutos a torre autoriza a decolagem, o MRK ingressa na pista 17 D e aplica potência. O avião parte para sua decolagem, mas logo que a aeronave levanta seu nariz, o comandante percebe que algo está errado: a aeronave está com a razão de subida muito inferior ao normal e puxando para a direita. A reação é imediata, ele olha novamente para os instrumentos e não vê nenhuma informação no painel.Sendo atormentado pelas lembranças do auto-trote, ele aponta para o alto do painel e diz: – Lá em cima! Lá em cima!  – pedindo que o primeiro oficial desligasse o auto-trote que de alguma forma deveria estar ligado, pois os motores perdiam sua potencia. Seu primeiro oficial olha para cima e diz: – Ta em off! Ta em off!  Aqueles segundos gastos culpando o auto-trote foram fatais. Com a cabeça envolta de mil possibilidades, o comandante continua o voo. Naquele ponto era impossível abortar a decolagem. O MRK subiu apenas 129 pés, um piso inseguro para manter o voo. A guinada para a direita se acentuava. Por instinto tentando superar a perda do motor o comandante aumenta a potência.  A aeronave leva uma violenta estilingada e se choca contra um pequeno prédio, caindo logo depois em várias casas no bairro do Jabaquara matando três residentes.Ninguém sobreviveu.O acidente é descrito com detalhes no livro Almas Seladas – Algoritmos Sagrados. O avião havia explodido poucos segundos após a decolagem. Na investigação, chegaram à conclusão que o reversor teve um problema. Ele é aberto na parte posterior da turbina da aeronave, desviando o fluxo de ar do motor para frente, causando a frenagem da aeronave. Por algum motivo desconhecido, ele foi acionado enquanto o avião estava no ar. A aeronave não possuía alarmes, nem qualquer instrumento que denunciasse o acionamento do reversor. Quando o piloto aumentou a potência dos motores, o avião caiu. Para investigar a queda, foram chamados vários pilotos que realizaram o voo em um simulador com os problemas encontrados naquele dia fatídico. O resultado foi claro, todos caíram durante a simulação. Chegou-se à conclusão que a queda era inevitável.Ninguém sobreviveu ao acidente. Os motivos são óbvios: Primeiro o choque, a uma velocidade capaz de quebrar a coluna vertebral, depois a incineração, tão intensa que tornou a identificação dos corpos quase impossível. Almas Seladas – Algoritmos SagradosO interessante dessa história é que os engenheiros holandeses, responsáveis pela aeronave, confirmaram o que a própria TAM já sabia: Isso era IMPOSSÍVEL.O erro mais tarde foi calculado segundo projeções da fabricante, da ordem de 1 em 100 bilhões.Porém, foi o que ocorreu. No mundo das impossibilidades parece que eventos impossíveis se tornam plausíveis, basta acontecer uma primeira vez. O dia dos mortosEsse dia marca nossa protagonista:– Estou preocupada, vovó disse que hoje não é um bom dia, que hoje é dia dos mortos.Almas Seladas – Algoritmos SagradosO dia 31 de outubro comemora-se o Halloween. O primeiro registro do termo "Halloween" é de cerca de 1745. Derivou do termo escocês "Hallo-Hellu" (véspera do Dia de Todos os Santos). Porém, por algum motivo estranho, essa comemoração se fundiu a "festa dos mortos", uma comemoração pagã realizada pelos celtas possivelmente nos séculos II e III depois de Cristo. O evento para eles era o de maior importância, pois celebrava o que para os cristãos seria o encontro entre o céu e o inferno. Para os celtas, o lugar dos mortos era um lugar de felicidade perfeita, onde não haveria fome nem dor. As festas eram presididas pelos sacerdotes druidas, que atuavam como "médiuns" entre as pessoas e os seus antepassados. Dizia-se também que os espíritos dos mortos voltavam nessa data para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares rumo ao outro mundo.O resgate dos corposNo momento do resgate, os corpos que os bombeiros encontraram ainda estavam fumegantes. Após ter apagado o fogo os corpos estavam irreconhecíveis. O IML teve grande dificuldade na identificação, sendo usada arcada dentária para o reconhecimento. Em quatro corpos foi necessário o uso do exame de DNA.Porém a causa da morte nos laudos em quase todos os corpos foi a quebra da coluna vertebral devido ao impacto a 300 km/h no solo e ao desprendimento das poltronas da fuselagem do avião.Porém antes de terminar esta matéria devo me antecipar que a realidade explorada na saga é muito mais perturbadora do que os fatos descritos aqui. Portanto, é importante que comecem a desvendar os segredos dos Algoritmos Sagrados, claro, se desejam entender os mistérios que cercam nossa vida.Francine Santos             Um túmulo sob o mar profundo  MATÉRIA  28/08   sexta-FEIRA  - MATÉRIA 020 / DE: francine santosPossivelmente você nunca leu uma história de romance emaranhada em uma base de profundas conspirações. Algoritmos Sagrados é assim, cheia de mistérios.Nessa matéria vamos falar de umas das cinco pontas do nosso pentagrama - quem leu Máscaras Reveladas saberá do que estou falando. A P-36 foi a maior plataforma de produção de petróleo no mundo antes de seu afundamento em Março de 2001Almas Seladas - Algoritmos SagradosO exímio mergulhador olhou para o relógio blindado modelo submarino e virou-o. Atrás, na tampa, havia uma inscrição que seguia a borda circular.“Para o melhor marido do mundo, com amor Suzana.”– Não precisam identificar o corpo. Seu nome é José Luiz.– Como sabe disso?– Suzana é minha irmã – Hanz virou o saco com a inscrição voltada para o perito.Ele olhou para a inscrição movendo o canto dos lábios.– Esse homem trabalhava aqui?– Não, era geólogo da Petrobras, especialista em análise de terrenos a grandes profundidades.– Você sabe o motivo dele estar morto dentro de um contêiner a vinte metros de profundidade?– Não, já que foi considerado morto, sepultado a mais de mil e duzentos metros de profundidade.– Quando foi isso?– Há sete anos, quando uma das plataformas da Petrobras afundou no atlântico.O perito ficou atônito, tentando entender como aquilo seria possível.Questionamentos:Quem era na verdade José Luiz e, por que ele não estava entre os homens que afundaram junto à plataforma?Essa tragédia está guardada na mente de muitos brasileiros, afinal como esquecer a grande baleia branca da Petrobrás que custou 350 milhões de dólares e que, em três dias após as explosões, sepultou-se a mil e duzentos metros de profundidade. No acidente morreram 11 pessoas da equipe de emergência, corpos que nunca mais formam vistos.É claro que podemos encerrar essa tragédia aqui, mas certas peças perturbaram o escritor de Algoritmos Sagrados, como a sequência de erros que resultou nas explosão da plataforma, assim como o desfecho das investigações, - algo muito parecido a grande explosão em Alcântara.Matéria sobre Alcântara A investigação:Noticias após duas semanas do acidente:Engenheiro que apurava acidente com a P-36 tem morte misteriosa A Polícia investiga a morte do engenheiro da Agência Nacional de Petróleo (ANP) Adalberto de Azevedo, de 27 anos, que integrava a comissão da agência e da Marinha encarregada de apurar as causas do acidente da plataforma P-36. Azevedo foi internado dia 29 com sintomas de intoxicação alimentar, mas a Polícia também trabalha com a hipótese de envenenamento."O intestino e o estômago foram destruídos, não houve bactéria identificada e eu registrei o caso como morte suspeita",  - afirmou o delegado Sérgio Valença, titular da Delegacia de Teresópolis."Pelo exame preliminar não foi possível identificar se houve envenenamento", - informou Gomes, que é professor de Medicina-LegalO delegado Sérgio Valença disse que o engenheiro fez a última refeição na lanchonete Suco Mania, no Centro do Rio. Ele estaria em companhia de um engenheiro identificado como Ricardo. A assessoria da ANP não soube informar de que se tratava do engenheiro Ricardo Rios de Campos Rosa, outro integrante da comissão indicado pela ANP.As especulações rondaram pela imprensa durante alguns dias, mas assim como em Alcântara o caso foi encerrado e esquecido. Porém familiares das vítimas buscam por informações, algo que possa garantir a real verdade sobre o misterioso acidente da P-36, mas até hoje, os fatos parecem ter sido sepultados juntos à grande plataforma brasileira. Diário de um Disléxico  MATÉRIA  13/05   QUARTA-FEIRA  - MATÉRIA 009 / DE: MARCELO PONTESHoje tenho uma vida normal: marido dedicado e pai presente, exercendo meu trabalho como nutricionista e tendo a liberdade de realizar o meu maior sonho, ser um escritor lido e reconhecido. Mas nem tudo foi assim, um manto precioso e tranquilo; na verdade, grande parte da minha história eu me resumi a um grande excremento, a escória da sociedade.É engraçado como sonhamos quando crianças; sonhos que rapidamente são podados quando alcançamos a adolescência e nesse período conturbado, pouco sobra até a vida adulta.Desde pequeno eu era diferente, envolta de minhas lúdicas e criativas peças: um mundo de cavaleiros e dragões. Amava a ficção e a habilidade de criar contextos criativos. Porém em minha inocência, eu não sabia que tudo isso me faria um mal que por um tempo, pensei que seria perpétuo.Os conflitos iniciaram no período escolar; aos poucos percebi que não pertencia aquele contexto; meus colegas de classe através da natureza infantil e sincera sempre ressaltaram o quanto eu era esquisito. Hoje riu dessa situação, apesar de manter um profundo sentimento de dor e frustração – ninguém está pronto para ser rejeitado nessa idade.O pico culminou na sexta série; doze anos de idade, período este onde os hormônios parecem dissipar qualquer tentativa de estabelecer um convívio amigável. Os meninos agiam como lobos alfas, surrando e amedrontando os mais fracos para que assim, pudessem subir na cadeia evolutiva do macho. É claro que os mais esquisitos eram os primeiros alvos, no caso o fechadão do fundo que passava horas desenhando templos japoneses enquanto tentava aprender um pouco de Kanji.Hoje se fala muito sobre bullying, mas na década de oitenta, como eu seria uma criança feliz se eles ficassem apenas nas ofensas. Na hora do almoço quando estava voltando para minha casa, o lobo alfa da turma da sexta série me seguiu junto com um grupo de quatro colegas. Em uma ruela eles me pegaram. Vieram as ofensas, seguido de chutes, murros e ponta pés. As lágrimas rolaram, mas não eram lágrimas suplicantes, eram lágrimas de ódio e total descontrole. – Apenas quem passou por isso pode entender esse sentimento – Naquele ponto eu já estava farto e mesmo machucado, parti em direção do lobo alfa imbuído de toda adrenalina do momento. Acertei um soco na cara dele. Até aquele ponto não sabia o quanto meu soco tinha sido eficiente, mas eles pararam de me agredir e partiram para socorrer o líder abatido. Apenas no dia seguinte, quando minha mão estava doendo, fiquei sabendo o quanto eficiente foi meu soco: eu havia deslocado a mandíbula daquele menino. O garoto saiu da escola, por um tempo seu grupo me deixou em paz, porém os problemas apenas haviam começado.Naquele mesmo ano minhas dificuldades de leitura e escrita pareciam se acentuar. Hoje temos diagnósticos rápidos e precisos de déficit de atenção e dislexia, mas naquele tempo a ciência resumia em dizer que você era burro ou preguiçoso. Essa era a explicação sensata da época, afinal uma criança que desenha dragões e cavaleiros como não seria capaz de aprender a escrever sem esquecer letras e fonemas? Mas esse é o mistério da mente; minha memória curta e péssima – minha esposa odeia quando encontra meu desodorante na geladeira – , sou incapaz de ordenar sequências; no caso da dislexia, ela reflete na forma de ler e escrever. Porém em contrapartida a memória longa é um grande labirinto de informações e mundos imaginativos. Mas é claro, assim como meu personagem do livro ‘Almas Seladas’, Layla Aina, eu fui julgado e considerado incompetente, o que me custou a sexta série. Não conseguindo me recuperar com o passar dos anos, o diretor chamou meus pais e junto com o conselho me extirpou daquela entidade de ensino deixando bem claro que eu não teria futuro.Após esse fato tudo piorou, eu estava mais alienado do que nunca. As peças pretas começaram a tomar conta do meu guarda-roupa e através de um novo estilo, me fechei em meu casulo de contradições. Daqui para frente muitos vão reconhecer os traços que deixei no livro. Na sequência veio o ódio pela humanidade, chegando ao ponto de sentir raiva dos sorrisos que despontavam de meus familiares durante as festas de natal. Eu estava perdido e demorou muitos anos para que me recuperasse do pânico social.Neste mesmo período eu me refugiei através de uma leitura um tanto incomum: livros proféticos, apócrifos, cabalísticos, entre outros estavam na minha cabeceira; títulos que dificilmente encontraria em livrarias comuns. Eu procurava uma razão para o sofrimento do homem e acabei encontrando respostas mais que convincentes; o que se tornou a saga ‘Algoritmos Sagrados’.A vida não é um lugar fácil de viver, mas nosso maior erro é se preocupar com a opinião alheia. Com o tempo aprendi técnicas de memoria e consigo em parte driblar minha dislexia o que me fez acreditar que não importa sua deficiência, ela sempre poderá ser superada.Hoje deixo uma frase que repeti muitas vezes para meu filho e que, se alguém me dissesse no passado, muita coisa teria mudado: “Você não precisa da opinião dos outros para ser feliz. A vida é uma experiência individual que se resume em cair e se levantar.”M. L. Pontes – Escritor da Saga ‘Algoritmos Sagrados’.Bem-vindo ao inferno  MATÉRIA  24/07   SEXTA-FEIRA  - MATÉRIA 017 / DE: francine santosCom certeza uma das locações mais enigmáticas e assustadoras da Saga ‘Algoritmos Sagrados’ é West Wycombe na Inglaterra. Motivo? Bem, foi a localização da macabra organização do Hell Clube (O Clube do Inferno)Vamos deixar nosso personagem Aaron explicar um pouco sobre esse assunto: – No século XVIII, servos que seguiam a linha escrita pelos Druidas criaram o Hellfire Club, o clube do Inferno, uma organização privada que a elite da Grã-Bretanha e Irlanda frequentavam. – Aaron fez uma pausa. – Entre os ilustres homens que comandaram o clube estava o exótico Sir Francis Dashwood. Muitos rumores foram especulados sobre o senhor do Hellfire Club, incluindo uma formal acusação de heresia que descrevia com detalhe os rituais de magia negra. – Pera aí, a heresia não era condenável na Inglaterra? – Sim. Por isso, quando o clube cresceu, Dashwood construiu um templo nesta colina, mas no subsolo iniciou uma mina de greda nas antigas cavernas. – Aaron olhou para a terra batida. – As irregulares passagens foram alargadas e modeladas com um plano perturbador: representar o inferno localizado cem metros abaixo do templo.– Isso é insano, por que alguém construiria uma igreja para Deus em cima, mas cem metros abaixo um local de adoração ao Diabo?– É uma questão de simbologia.Símbolo Oculto – Algoritmos SagradosViajando a nordeste, cerca de 2 horas de Londres existe um morro onde no alto uma bela Igreja ostenta a gigante bola dourada em seu cume. Esse estranho recanto religioso foi construído por Sir Francis Dashwood, a igreja de São Lourenço, santo patrono das prostitutas. Pessoas exóticas realizam proezas estranhas em nome de sua ideologia perturbadora, porém Dashwood extrapolou esses limites quando decidiu construir um complexo subterrâneo abaixo da igreja. Porém a pergunta permanece – Isso é insano, por que alguém construiria uma igreja para Deus em cima, mas cem metros abaixo um local de adoração ao Diabo?No livro Símbolo Oculto somos enviados ao passado distante da perturbadora sociedade anglo-saxônica, um povo pagão, disposto a deflorar virgens e encher suas taças com sangue pueril. Porém vamos resgatar algo mais próximo ao nosso milênio. No séc XVII, a grande cidade de Londres ardeu em um grande incêndio. A explicação daquela ocorrência para época evidenciava a ira de Deus. Rumores se espalharam pelos sobreviventes, o ano de 1666 era a prova de que o anticristo estava solto no mundo. Entretanto enquanto os humildes camponeses se preparavam para o apocalipse, sociedades secretas lideradas pelas classes dominantes pareciam explorar a ideia de que o satanismo seria o caminho de uma nova era. Nesse período conturbado surgiram as sociedades secretas ligadas diretamente a devoção de Satã, entre elas o Clube do Inferno. A Hellfire Cave O principal local de encontro do clube do inferno era chamado Hellfire Cave. Todo o local foi escavado com auxilio de pás e picaretas. Sua forma é totalmente simbólica; lendo o livro você poderá se aprofundar na filosofia de Dashwood enquanto nossa protagonista desce até os confins desse labirinto de tuneis perturbadores para resgatar uma parte de seu amor. O covil secreto foi projetado para que qualquer um que descesse lá tivesse a ideia que estaria se aprofundado no próprio inferno. O trajeto inclui alcovas, máscaras demoníacas esculpidas na rocha, salão de banquete, baldaquinos e até um rio (Estige), onde no passado havia um barqueiro que atravessava seus membros. Embora todos os registros do clube tenham sido queimados após a sua última reunião em 1774, numerosos relatos de segunda mão afirmam que Dashwood estaria realmente de alguma forma querendo invocar o senhor das trevas e dominar o mundo. Quando Dashwood morreu de causas naturais em 1781 os segredos do clube se perderam para sempre. O lema do clube era Fais ce que voudras (Faça o que quiser) – será que essa ideia se remete aos nossos tempos? A revelação simbólica e amplitude de conhecimento sobre essa macabra ideia você terá apenas lendo a saga Algoritmos Sagrados. A revelação simbólica e amplitude de conhecimento sobre essa macabra ideia você terá apenas lendo a saga Algoritmos Sagrados.Marcelo PontesDesafio para os leitores de Algoritmos SagradosAtravés dessa imagem você consegue desvendar os segredos por trás da simbologia? – Aaron encarou o símbolo com rosto consternado. – O que isso significa? Com um lenço, ele limpou a testa de Dasha. Layla abaixou-se e agarrou o corpo estendido da menina abatida. – O que faremos Aaron? – Não sei – disse ele voltando seus olhos para o símbolo borrado no lenço que revelava sua forma invertida. Naquele segundo ele teve uma epifania. – O feminino – com os olhos fixos, ele parecia vagar em pensamentos lúdicos. As lembranças vinham em sua mente como mosaicos que preenchiam a linha do tempo. – Aaron? – a voz de Layla parecia ecoar em outro plano. Piscando seus olhos, regressou sua mente à perturbadora realidade. Ele finalmente sabia a resposta, afinal Hanz já o havia ressaltado, assim como Dashwood e as cavernas de Hellfire. Símbolo Oculto – Algoritmos Sagrados Viaje junto com o livro Símbolo Oculto (click nas imagens para ampliá-las e no botão para abrir o google earth).MAPA DE WEST WYCOMBE Na região lúgubre se podia ver a bela campina que entre árvores centenárias exibia uma bela paisagem de inverno para um passeio gelado. No céu, o sol se escondia entre as nuvens, enquanto no solo, permanecia a neve que pela manhã havia coberto a vegetação exibindo sua beleza monocromática. IGREJA DE SÃO LOUREÇO Eles subiram a colina em direção a uma curiosa igreja que ostentava uma grande bola dourada no topo. Suas paredes de brita e a arquitetura gótica infundiam um ar místico característico de West Wycombe.  MAUSOLÉU DE DASHWOODO mausoléu com planta hexagonal é um complexo com paredes extensas, sem teto, feito de pedras de Portland e sílex. Sua fachada com colunas e arcos imitava a arquitetura romana, destacando-se o plano eficiente das formas etruscas e as belas ornamentações gregas.   MAUSOLÉU INTERIOR Dentro, as sepulturas montadas de forma simétrica seguiam a área do complexo. No centro, entre colunas e grades de ferro, havia um baldaquino onde repousava uma grande urna em pedra.   MÁSCARA ESCULPIDADentro, as sepulturas montadas de forma simétrica seguiam a área do complexo. No centro, entre colunas e grades de ferro, havia um baldaquino onde repousava uma grande urna em pedra.    TEMPLO INFERIORSob o templo havia uma caverna feita por alguns culpados e um escravo covarde, cujas ações foram levadas pelo medo e a repreensão. Um labirinto de caminhos intrincados e sinuoso que não se encontra sem uma pista, pois não há indícios; uma única passagem conhecida por poucos. TEMPLO INFERIOR-VÊNUS AO FUNDOCom acabamento rústico sobre rochas calcárias, a sala em formato de sino era pequena. No centro, a representação teatral montada com bonecos de uma típica reunião de libertinagem dos membros do Hellfire: Daswood em frente a uma mesa de base grega exibia seu suntuoso e exótico traje de sultão, uma lembrança de suas viagens pelos antigos reinos otomanos. Seus membros ao redor se divertiam entre bebidas e mulheres. No fundo, iluminada por uma lamparina que descia do teto presa a uma corrente, estava a estátua de Vênus. A simbologia por trás do calendário  MATÉRIA  19/06   sexta-FEIRA  - MATÉRIA 014 / DE: francine santosA saga “Algoritmos Sagrados” é repleta de simbologia.  Cada detalhe compõe de uma peça que se encaixa com perfeição no emaranhado e rico universo criado por M. L. Pontes. Nessa matéria vamos nos focar na data de nascimento dos protagonistas:Layla Aina tem sua data bem documentada – “Quando sua avó foi registrá-la declarou seu nascimento no dia 28 de Fevereiro de 1992 às 23:59 h”.Victor Siegfried – nasceu no dia 1 março de 1992, mas não possui o seu horário de nascimento, porém é possível deduzir que seja por volta das 11:59 minutos, já que o casal partia para almoçar. Agora que temos as datas vamos nos aprofundar na misteriosa filosofia por traz dos textos e seus números: Para quem não sabe nosso calendário começava no dia 1 de março, por isso o mês de setembro (7), outubro (8), Novembro(9) e dezembro (10) seguiam com suas respectivas ordens – calendário de Romulo. O final do ano ocorria no último dia de fevereiro e exatamente nesse dia, fazia sentido o acréscimo de um novo dia (ano bissexto) – seguindo a ordem dos múltiplos para corrigi-lo. O interessante é que justamente no último dia do ano – em fevereiro – os romanos ofereciam sacrifícios para expiar as suas faltas, caso contrário, seriam acometidos pelas pragas dos deuses.Quem leu Almas Seladas já deve entender essa analogia. O escritor também deixa suas marcas:Quem recebeu a mãe de Layla no hospital: “- disse o auxiliar com seu avental respingado de sangue.”Já o dia 1 março era considerado o dia da prosperidade e reconciliação espiritual. Quem recebeu a mãe de Victor Siegfried no hospital: “Na recepção, um homem grisalho de boa aparência com seu jaleco fulgente veio recebê-los.”O calendário juliano foi implantado pelo líder romano Júlio César, em 46 a.C., deixando-o confuso, iniciando o ano no mês de janeiro. Foi modificado ainda mais em 8 d.C., pelo imperador Augusto, e os nomes dos meses sofreram ainda várias mudanças ao longo do Império Romano. O calendário juliano acabou sofrendo sua última modificação em 1582, pelo Papa Gregório XIII, dando origem ao calendário gregoriano que foi adotado progressivamente por diversos países, e hoje é utilizado pela maioria dos países ocidentais.Os maçons do rito Frances até hoje comemoram o início do ano em 1 de março e seu final em 28 de fevereiro.Ano bissextoA diferença de 6 horas entre o ano solar (365,25 dias) e o ano civil adotado (365 dias) era ajustada de 4 em 4 anos, repetindo-se o dia 24 do mês de fevereiro, que na época tinha 29 dias. Esses anos de 366 dias chamam-se bissextos porque os romanos repetiam o dia 24 de fevereiro "bis VI antediem calendas martias". Simplificadamente “bis VI”, ou “bissextum”. Essa foi a origem do ano bissexto – duas vezes o sexto dia antes do início de março – e não, como muita gente atribui, ao duplo seis em 366. Posteriormente o mês de fevereiro apenas era atualizado com o dia 29.Como fica quem nasce no dia 29 de fevereiro?O livro Almas Seladas explica esse fato muito bem.Layla havia nascido em um ano bissexto, a Associação dos Notários e Registradores do Brasil permitia que os pais ou responsáveis dos que nasciam no dia 29 de Fevereiro, escolhessem na hora de registrar os filhos, o dia do nascimento, sendo ele: no dia 28 de Fevereiro, 29 de Fevereiro ou 1º de Março.Quando sua avó foi registrá-la declarou seu nascimento no dia 28 de Fevereiro de 1992 às 23:59 h.A partir daquele ano, uma nova lei declarava que todos nascidos em 29 de Fevereiro deveriam ser registrados neste mesmo dia.Atualmente o aniversariante comemora no dia 1 de março e 29 de fevereiro nos anos bissextos. Hoje o ano bissexto não é nenhum mistério, porém ele arrasta consigo várias superstições. Durante a idade média acreditava-se que neste ano as pessoas não deveriam fazer qualquer tipo de escolha, se fizessem, seriam amaldiçoadas com toda forma de azar. Outros dizem que não se deve casar neste ano ou ter filhos, pois as consequências seriam terríveis.A saga remete muita informação e mistérios aterradores sobre datas e números. Se você ficou curioso não perca tempo e comece já a sua leitura.As discrepâncias entre os protagonistas estão em todas as partes da saga. Você seria capaz de discriminar todas elas?Francine SantosAdquira seu livro gratuitamente Apesar da atual crise, a saga Algoritmos Sagrados rendeu frutos, foram milhares de leitores atingidos (livro físico e digital). Por isso, nada mais justo que compartilhar esse sucesso com os leitores. Começaremos uma nova etapa, nossa meta é atingir os 10.000 leitores e para isso, vamos oferecer uma incrível oportunidade. Agora você poderá completar sua saga gratuitamente. Nenhuma editora até hoje ofereceu uma oportunidade como esta, serão 100 obras da Saga Algoritmos Sagrados. Para receber seu livro basta comentar em nossa página www.algoritmossagrados.com.br (comentários irrelevantes serão deletados). Os livros serão indicados aos TOP comentaristas, ou seja, os mais ativos e também para os compartilhamentos com a marcação da nossa página do Facebook Algoritmos Sagrados (apenas 1 vez). O leitor que receber o livro poderá continuar participando e completar a sua saga. A duração desta oportunidade será estendida até a finalização da série.Contabilização:Comentário 10 pontos, Compartilhamento 50 pontos (apenas 1 vez).Critérios para seleção:Nossa equipe estará contabilizando as postagens através de um sistema analítico. Não vamos determinar datas, nem o número de postagens necessárias para evitar que um único leitor realize as postagens de último momento para ganhar o livro. O número de postagens não irá acumular, a cada contemplado será realizado uma nova seleção, portanto todos terão chances iguais. O importante é a participação, pois nosso objetivo é que o blog seja uma extensão do livro, ou seja, o leitor poderá degustar de uma boa leitura complementar através de nossas postagens. !  Dica: Navegue na página, comente cada post, assim suas chances aumentarão. Contemplados até o momento:Vitória CholandaJúnia BenvindoManoel AlvesIzabela Malaquias Aguardando seu comentário em nossas postagens. Venha levar seu livro.Desvendando a capa de Almas Seladas  MATÉRIA  29/01   sexta-FEIRA  - MATÉRIA 026 / DE: FRANCINE SANTOSClick na imagem para ampliá-la Layla Aina – Nossa protagonista onde tudo parecer conspirar contra sua felicidade – envolvida em um manto que atrai o azar. Na imagem seu espírito é sugado para o topo da ampulheta. Enquanto ela está em cima, seu mundo parece ser sugado para parte de baixo.  Victor Siegfried – Nosso protagonista onde tudo parece conspirar a favor de sua felicidade – envolvido em um manto que atrai a sorte. Na imagem seu espírito é sugado para a base da ampulheta. Enquanto ele está em baixo, seu mundo parece completá-lo vindo da parte de cima.As colunas da ampulheta o Esculápio – Personagem relacionado ao 13 signo dos zodíacos – o Serpentário, os maias e a nova era: o feminino. Descrições mais detalhadas no livro 1, 3 e 4 da saga.No fundo uma moeda (apenas vista com detalhe na capa da primeira edição) – Dom João II, 960 Reis. Patacão eram as moedas de 960 Réis cunhadas sob outras moedas, principalmente sob as de 8 reales das colônias espanholas na América. No Brasil, o patacão era uma moeda de prata de 960 réis. No verso a esfera armilar, um símbolo náutico – encontrado na bandeira de Portugal – que envolve templários e o grande mistério sobre a tomada de Jerusalém nas cruzadas.A Árvore da Vida é um sistema cabalístico hierárquico em forma de árvore, que é dividida em dez partes, ou dez frutos. Esses frutos têm sentido ambíguo, podendo eles ser interpretados tanto como estado do todo, do universo, como podem ser lidos como estados de consciência. Mencionado no livro 3 da saga e uma restrita relação com o sagrado feminino.Porta retrato de Layla Aina. A luz do abajur está apagada.Porta retrato de Victor Siegfried. A luz do abajur está acessa.Símbolos Cabalísticos em um estranho reflexo na parede.O círculo sagrado  MATÉRIA  24/09   QUINTA-FEIRA  - MATÉRIA 021 / DE: FRANCINE SANTOSA saga Algoritmos Sagrados é repleta de simbolismo, alguns ocultos outros mencionados com muita clareza. Essa matéria será dedicada ao círculo, símbolo mencionado e descrito pela primeira vez no livro ‘Máscaras Reveladas’.  O círculo é um símbolo antigo, mesclou-se em doutrinas de pagãos e cristãos, porém representando a mesma ideia, a do infinito. A filosofia por trás do circulo é a da imortalidade, ou “para sempre”. Claro que a definição de “para sempre” pode ser relativa. Na bíblia está escrito que as pessoas irão queimar no inferno para sempre, porém a mesma palavra aparece na descrição do rei Davi, reinará para sempre em Israel. Portanto há um idiomatismo, um erro de tradução; fica claro que Davi não está reinando em Israel no exato momento. Abraçando a ideia do “para sempre” vamos contextualizar essa filosofia em nossos tempos. Se você é casado com certeza deve ter uma aliança de ouro no dedo. Esse é outro exemplo do poder do círculo, você fez um voto de juramento a sua esposa ou marido, amar por toda eternidade "para sempre".Porém por que o ouro? A resposta é bem simples, pois o ouro é a cor do sol. Reis de todos os países foram coroados com o círculo solar, é por isso que suas coroas, perfeitamente circulares, tinham pontas que irradiavam do centro, afinal, na monarquia dizia-se que o rei era o representante direto de Deus.Essa ideia era tão poderosa que virou uma doutrina conhecida como O direito divino dos reis, segundo a qual o poder dos reis tem como fundamento a própria vontade de Deus.Outro exemplo é a aureola ou nimbo. O circulo em muitas pinturas aparece como um halo de luz na cabeça dos personagens considerados santos. Isso era proposital, o pintor estava dizendo que aquele personagem era imortal, ou possuía um espírito imortal. – O ‘Símbolo Oculto’ é feminino, na verdade um espírito eterno; o círculo que não pode ser interrompido.– O círculo, claro!– Nas antigas pinturas havia um propósito de colocarem auréolas em certos personagens. Quando o pintor retratava uma figura com a auréola em sua cabeça, estava definindo que seu espírito era imortal.(Símbolo Oculto - Algoritmos Sagrados)É fato que todas as culturas idolatravam o circulo solar, por isso não é estranho que outras culturas utilizassem na iconografia o mesmo símbolo, de egípcios a maias. O círculo também aparecem na descrição dos sexos, porém a seta (Marte) e a cruz (Vênus) são agregadas a ela. O que podem significar? Não vou me estender, caso contrário poderia estar provocando um nocivo spoiler. Se quiser saber mais comece a ler a saga Algoritmos Sagrados. .Francine SantosViaje através dos Algoritmos Sagrados A saga Algoritmos Sagrados é a única com total suporte aos seus leitores. Agora além da agradável leitura, você poderá acompanhar seus protagonistas em cada etapa através de uma experiência virtual. Sim você poderá está lá, em cada locação da saga, curtindo cada detalhe - é como viver a experiência descrita nas linhas de cada capítulo.Então comece já a sua leitura e siga as pistas deixadas pelo autor M. L. Pontes nessa intrigante busca pela verdade. !  Atenção: Ao clicar em "quero estar lá" abrirá uma nova janela com a imagem do local indicado. Na tela, pressione e segure o botão do mouse sobre a imagem e arraste para os lados - o resultado é uma visualização em 360 graus. Alguns locais são fixos, impossibilitando sair de seu  ponto, outros permitem acesso livre, como caminhar, basta clicar adiante.Almas SeladasA L G O R I T M O S   S A G R A D O S  Primeiro Livro da Saga                  1      CLA - Alcântara BrasilCapítulo I - LançamentoCapitulo V - Lembranças  VIA SATÉLITEConfidencial, impossível de estar lá Local de Trabalho de Rogério de Carvalho; trajédiaPalenque, MéxicoCapítulo IV - Revelações VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁViagem de Rogério de Carvalho; descobertas avassaladoras.Leblon - Rio de Janeiro, BrasilCapítulo XI - Confissões Via Satélite QUERO ESTAR LÁBairro: Residência de Victor SiegfriedAterro do Flamengo - Rio de Janeiro, BrasilCapítulo XIII - Mudanças VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁImportante jogo de BasqueteEstação de Ferro - Pindamonhangaba, BrasilCapítulo XIV - Choque VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁLayla e Victor se encontram pela primeira vezEstação de Ferro - Santo Antônio do Pinhal, BrasilCapítulo XIV - Choque VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁPausa após o grave acidente Horto Florestal - Campos do Jordão, BrasilCapítulo XV - Amor e Ódio VIA SATÉLITESem acesso, impossível de estar láQuebrando o gelo em um paraíso de possibilidadesPraça da Sé - São Paulo, BrasilCapítulo XVIII - Reencontro VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁUm reencontro contra todas as possibilidadesCristo Redentor - Rio de Janeiro, BrasilCapítulo XXIV - Escuridão no mar VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁFuga enlouquecidaMáscaras ReveladasA L G O R I T M O S   S A G R A D O S  Segundo Livro da Saga                  2      Fundação CASA - São Paulo, BrasilCapítulo II - Confinada VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁConfinamento, um novo larMina da Passagem e Câmara Municipal - Mariana, BrasilCapítulo III - Segredos sepultados VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁSegredos sepultados na escuridão de um passado dolorosoSão José dos Campos, BrasilCapítulo VI - Lista amaldiçoada VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁAs propostas do Oráculo de DelfosParóquia São Francisco de Assis - São João del Rei, BrasilCapítulo VII - Máscaras Reveladas VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁUm possuído em nome da vingançaMorro da Providência - Rio de Janeiro, BrasilCapítulo XII - Inimigos Ocultos VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁUma fuga improvávelCasa de Custódia -Taubaté, BrasilCapítulo IX - Mentes perturbaras VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁA revelação de uma mente perturbadaCemitério São João Batista - Rio de Janeiro, BrasilCapítulo XII - Inimigos Ocultos VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁRevelação de um túmuloCastelo de Montesiano - Viseu, PortugalCapítulo XV - Folhas Secas VIA SATÉLITESem acesso, local sem tempo e espaçoOs segredos da família MontesianoSímbolo OcultoA L G O R I T M O S   S A G R A D O S  Terceiro Livro da Saga                  3      Gamla Stan - Estolcolmo, SuéciaCapítulo I - Selo dos mortos VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁOs arautos de Alexandre o GrandeCatedral Metropolitana - Rio de Janeiro, BrasilCapítulo IV - Buscando a verdade VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁRevelação assombrosa para uma pobre ateiaParque Henrique Lage - Rio de Janeiro, BrasilCapítulo V - Revelações VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁA realidade dos 'Algoritmos Sagrados' é reveladaInstituto Psiquiátrico Philippe Pinel - Rio de Janeiro, BrasilCapítulo VI - A órfã alienada VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁA chave do abismo é uma mente perturbadaBorough Hall - New York, EUACapítulo VII - Memórias VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁOráculo de Delfos na mira do malHotel Cadogan - Londres, InglaterraCapítulo VIII - Um estranho entre nós VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁUma entranha em minha menteLondon Eye e Jubilee Gardens - Londres, InglaterraCapítulo X - Medo de amar VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁConfissões nas ruas de LondresWarwick castle - Warwick, InglaterraCapítulo XI - Possuídos VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁA dança dos espíritos, a história se repeteWhitechapel Gunthorpe street - Londres, InglaterraCapítulo XII - O Colecionador VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁCaçada nas profundezas de LondresIgreja de São Lourenço, Mausoleu Dashwood e Hell Fire Cave - West Wycombe, InglaterraCapítulo XIII - Portões do Inferno VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁA insana realidade de DashwoodIgreja Santa Maria de Sião, Tsion - Axum, EtiópiaCapítulo XIII - Portões do Inferno VIA SATÉLITESem acesso, impossível estar láSião é reveladaRuinas de Gorgora Nova - GN EtiópiaCapítulo XV - O sacerdote de Axum VIA SATÉLITESem acesso, impossível estar láBuscando o santo GraalNarga Selassié - Lago Tana, EtiópiaCapítulo XVI - O Graal VIA SATÉLITESem acesso, impossível estar láA compreensão do Graal e o 'Simbolo Oculto'Torre de Belém - Lisboa, PortugalCapítulo XVII - Ponteiros à meia-noite VIA SATÉLITE QUERO ESTAR LÁO apocalipse segundo a proposta dos Algoritmos SagradosTorre do Relógio - Bagdá, IraqueCapítulo XX - Babel VIA SATÉLITESem acesso, impossível estar láUma corrida contra o relógioRuínas de Babilônia - IraqueCapítulo XXI - O mausoléu VIA SATÉLITESem acesso, impossível estar láAcordando os mortos*Para os mais enlouquecidos, deixamos parte do simbolismo nas imagens reveladas do street view. Tenham uma boa caçada leitores. Equipe AS - loucos pela leituraExplosão em Alcântara, acidente ou sabotagem?  MATÉRIA  08/07   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 016 / DE: francine santosA saga Algoritmos Sagrados é um mar de eventos catastróficos ligados ponto a ponto com a trama, o misterioso universo de Marcelo Pontes.Entre estes acidentes temos a grande explosão de Alcântara.Para quem não se lembra desse acidente em 2003:Às 13h 26min 05s (horário de Brasília), entre os quadros 26 e 27 gravados pelo Circuito Fechado de TV da Torre Móvel de Integração 1 , do dia 22 de agosto de 2003, três dias antes da data prevista para o lançamento, um enorme incêndio seguido de explosões destruiu o foguete brasileiro VLS-1 V03 em sua plataforma de lançamento no Centro de Alcântara durante os preparativos para o lançamento, matando 21 técnicos civis.Rogério de Carvalho é um desses técnicos,  envolto de mistérios sobre um perturbador envolvimento com um secreto grupo chamado Oráculo de Delfos. Você pode acompanhar sua vida até o fatídico dia.O Acidente é descrito com precisão no livro, com espaço para explicações:A grande explosão destruiu o foguete VLS-1 V03, junto com o satélite SETEC e toda plataforma de lançamento. Todos que estavam presentes foram carbonizados. A fumaça subiu na forma de um grande cogumelo que podia ser vista a quilômetros de distância.A investigação analisou os destroços. A conclusão foi prejudicada por tamanha destruição ocorrida na plataforma. Entretanto, algumas hipóteses foram afirmadas com os dados coletados:Foram encontrados indícios de que o funcionamento prematuro do propulsor tenha sido causado por um dos detonadores do conjunto de ignição. Uma das hipóteses é que, uma corrente elétrica acionou os motores do foguete, provocando o incêndio. Na perícia, foi comprovado que havia falta de blindagem dos fios, os mesmos que levavam energia aos detonadores dos propulsores do primeiro estágio e, uma possível indução eletrostática, poderia ter causado uma ignição.A investigação concluiu que o baixo orçamento no projeto foi uma das causas do acidente. Houve rumores de sabotagem na mídia, mas nada foi comprovado.  Almas Seladas - Algoritmos SagradosApesar deste desfeche, quem acompanhou a história de Rogério de Carvalho durante o livro entenderá a relação de parte do mistério através do vídeo abaixo. Se você quiser saber mais leia a saga Algoritmos Sagrados. Os mistérios da Cabala Judaica MATÉRIA  29/02   segunda-FEIRA  - MATÉRIA 027 / DE: FRANCINE SANTOSKabbalah ou Cabala possui muitas definições de acordo com a fonte, isso porque sua ciência embasada em um aspecto místico com datas posteriores a própria religião sofreu atualização ao longo da história. Devemos lembrar que suas raízes pertencem ao judaísmo e, embora seja muito usado por algumas denominações, não é uma denominação religiosa em si. A Cabala é um conjunto de ensinamentos esotéricos feitos para explicar a relação entre o mundo espiritual e físico. Ele forma os fundamentos da interpretação religiosa mística.A Cabala procura definir a natureza do universo e do ser humano, assim como o propósito da existência, e diversas outras questões. Também apresenta métodos para auxiliar a compreensão desses conceitos e, assim, atingir a realização espiritual. A cabala originalmente se desenvolveu inteiramente dentro do domínio do pensamento judaico, e cabalistas costumam usar fontes judaicas clássicas para explicar e demonstrar os seus ensinamentos esotéricos. Esses ensinamentos são mantidos pelos seguidores do judaísmo para definir o significado interno tanto da Bíblia hebraica como da literatura rabínica. Conceitos Alma humana O Zohar propõe que a alma humana possui três elementos, nefesh, ruach, e neshamah. O nefesh é encontrado em todos os seres humanos e entra no corpo físico durante o nascimento - é a fonte da natureza física e psicológica do indivíduo. As outras duas partes da alma não são implantadas durante o nascimento, mas criadas lentamente com o passar do tempo. Seu desenvolvimento depende das ações e crenças do indivíduo. Elas só existiriam por completo em pessoas espiritualmente despertas. Uma forma comum de explicar as três partes da alma é como mostrado a seguir: Nefesh - A parte inferior ou animal da alma. Está associada aos instintos e desejos corporais.Ruach - A alma mediana, o espírito. Ela contém as virtudes morais e a habilidade de distinguir o bem e o mal. Neshamah - A alma superior, ou super-alma. Essa separa o homem de todas as outras formas de vida. Está relacionada ao intelecto, e permite ao homem aproveitar e se beneficiar da pós-vida. Essa parte da alma é fornecida tanto para judeus quanto para não-judeus no nascimento.Ela permite ao indivíduo ter alguma consciência da existência e presença de Deus.A Raaya Meheimna, uma adição posterior ao Zohar, de autor desconhecido, sugere que haja mais duas partes da alma, a chayyah e a yehidah. Gershom Scholem escreveu que essas "eram consideradas como representantes dos níveis mais elevados de percepção intuitiva, ao alcance somente de alguns poucos escolhidos". Chayyah - A parte da alma que permite ao homem a percepção da divina força.Yehidah - O mais alto nível da alma, pelo qual o homem pode atingir a união máxima com Deus. Árvore da Vida.A Árvore da Vida é um sistema cabalístico hierárquico em forma de árvore, dividida em dez Sefirot (partes ou frutos), que tanto podem ser interpretadas como estágios do todo (Universo), quanto ser lidas como estados de consciência. As Sefirot são consideradas como emanações de Ain Soph, que permanece não manifestado e é incompreensível à inteligência humana. Os Sefirot emanados são, na sequência: Kether - Coroa Chokmah - Sabedoria Binah - Entendimento Chesed - Misericórdia Geburah - Julgamento Tipareth - Beleza Netzach - Vitória Hod - Esplendor Jesod - Fundamento Malkuth - Reino A Árvore da Vida começa em Kether, a centelha divina, a causa primeira de todas as coisas. Esta centelha desce na árvore tornando-se cada vez mais densa. A décima sefirah é Malkuth, a matéria densa, e representa o estado último das coisas. Subindo na Árvore, partindo de Malkuth, o homem eleva seu estado de consciência, aproximando-se cada vez mais de Kether. Desta forma, a Árvore da Vida pode ser usada tanto para explicar a criação do Universo quanto para hierarquizar o processo evolutivo do homem.Maçonaria e os Algoritmos Sagrados  MATÉRIA  19/05   trça-FEIRA  - MATÉRIA 008 / DE: FRANCINE SANTOSMaçonaria, uma sociedade discreta, envolta de mistérios.Encontramos no Painel da Loja de Aprendizes uma antiga imagem, uma escada que simbolicamente representa a ligação entre a Terra e os Céus. Os maçons a chamam de escada de Jacó.Para quem conhece a Bíblia sabe do que estamos falando. E (Jacó) sonhou: ”Eis que uma escada estava posta na terra, cujo topo chegava ao céu; e os anjos de Deus subiam e desciam por ela. Por cima dela estava o Senhor, que lhe disse: “Eu sou o Senhor…” (Gn. 28:12)teste.Jacó foi o terceiro patriarca era filho de Isaque e neto de Abraão. Os doze filhos homens de Jacó, que teve seu nome mudado a mando de Deus, deram origem às doze tribos como o novo nome Israel.Para quem estiver lendo o livro Símbolo Oculto - Algoritmos Sagrados saberá a relação de Jacó com as 12 tribos de Israel. Iremos revelar algumas simbologias, mas apenas lendo a saga Algoritmos Sagrados para compreender a verdade simbólica dos maçons.Os maçons possuem uma hierarquia, sua ordem. Enquanto o neófito tem como razão apenas sua existência, outros conhecem segredos de acordo com o grau que vai galgando.A escada de Jacó em parte mostra essa evolução. Se o Maçom não se aprimorar nas coisas elementares não conseguirá compreender os ensinos superiores – o conhecimento do carvalho, Símbolo Oculto.Devemos lembrar também que todo símbolo maçônico pode alterar seu significado de acordo com seu contexto. A escada em diversas religiões está ligada à transcendência, à Iniciação e ao caminho que leva à divindade. Porém esse contexto está ligado diretamente a evolução do espírito e a hierarquia Maçônica.Símbolos MaçônicosA Escada de Jacó apresenta em sua estrutura alguns símbolos: A Cruz, a Âncora e a Taça. Claro, não podemos esquecer: perdido no espaço uma misteriosa chave.Esses símbolos são os mesmo utilizados na Igreja Católica (e também da Anglicana, religião oficial da Inglaterra): a Fé (Cruz), a Esperança (Âncora) e a Caridade (Cálice ou Taça com a mão em atitude de alcançá-la). A Cruz: Cada um deve levar a sua Cruz em sua subida buscando a perfeição. A Âncora: Nos momentos de sofrimento devemos estar firmes e ancorados. A Taça: Das três virtudes teologais (Fé, Esperança e Caridade), sem dúvida, como diz o Apóstolo, a maior delas é a Caridade. Ajudar ao próximo como a si mesmo.Uma organização de homens A palavra “Maçonaria” em francês, “Maçonnerie”, é derivada do francês “maçon”, construtor ou pedreiro; ou, como preferem alguns, do inglês “Masonry” (Maçonaria) e “mason”, igualmente, construtor ou pedreiro. Portanto, podemos explicar em parte o motivo dos membros serem homens e não mulheres. Porém para representar as três virtudes, os painéis sempre são pintados com três mulheres, algo estranho do ponto de vista maçom.  Mas, claro, essa colocação faz parte do mistério e a resposta a esse enigma, leva o título do terceiro livro da saga Algoritmos Sagrado – Símbolo Oculto, um símbolo feminino que é explicado através da misteriosa chave.Será que os maçons conhecem os Algoritmos Sagrados?A maldição dos canhotos  MATÉRIA  19/08   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 019 / DE: francine santosQuem ainda não percebeu, Algoritmos Sagrados destrincha as antigas superstições em cada detalhe. Neste poste iremos falar sobre destros e canhotos, afinal, na bipolaridade simbólica de nossos protagonistas se revela parte do caminho que cada alma segue. Victor é destro:– O que vou fazer? – perguntou-se, mas antes que viesse a resposta em sua mente, ele agiu por instinto: Victor bloqueou os adversários com o braço esquerdo, enquanto com a mão direita, agarrou a bola, arremessando-a com um gancho.Layla é canhota:Layla abriu seu estojo e pegou uma caneta. Apoiando a prancheta no pacote, começou a assinar seu nome.Quando suavemente com a mão esquerda passou a caneta no papel, apenas o L de seu nome saiu, pois a esferográfica parou de funcionar. Hoje é muito comum convivermos com destros ou canhotos, mas durante um bom tempo a vida não era boa para quem usava a mão esquerda.>A mão direita desde a antiguidade tem sido associada com todas as coisas boas e puras, já a mão esquerda, com tudo que é profano, mau e inferior. Este simbolismo está presente em quase todas as culturas, canhotos nunca foram bem aceitos.No mundo católico, muitos foram mortos ou decepados. A imagem do mal sendo canhoto sempre esteve presente nos manuais católicos, o diabo era representado com a mão esquerda estendida. Sendo assim, não era por menos que a prática de queimar canhotos no madeiro era comum na inquisição – para eles se você praticou uma obra usando a mão esquerda, com certeza era um feiticeiro. Outras culturas também não se abstêm da maldição dos canhotos:> Na Nova Zelândia, o lado esquerdo é dedicado a demônios e ao diabo.> Os muçulmanos acreditam que Alá fala às pessoas na orelha direita, e o diabo na esquerda. Também proíbem tocar suas sagradas escrituras com a mão esquerda.> Entre os índios americanos, a mão direita representa coragem e virilidade, e a mão esquerda, morte.> Na China você só pode comer com a mão direita, política aplicada também pelos judeus.> Em alguns países, uma esposa nunca deve tocar seu marido no rosto com a mão esquerda.> Entre os gaúchos, passar a cuia de chimarrão com a mão esquerda é ofensa.A lista de símbolos poderia continuar por páginas e mais páginas, sempre se referindo: o esquerdo ao profano e o direito ao sagrado.Porém o interessante de todo esse contexto é que na verdade o esquerdo está ligado ao feminino: o errado. É um ponto de vista extremamente machista, e onde tudo isso começou? > Na Bíblia… na costela esquerda de Adão…No Judaísmo e no Cristianismo a bipolaridade é representada da seguinte forma: o lado direito representa o perfeito, já o esquerdo a sua imagem invertida, o imperfeito. No Alcorão e na Bíblia cristã os consagrados de Deus sempre se sentam à sua direita, e os malditos à esquerda. Não é por menos que Judas nas imagens da santa-ceia sempre aparece à esquerda de Jesus Cristo. No evangelho de Mateus tiramos qualquer duvida sobre o papel do lado direito e esquerdo. E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas;E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;Mateus 25:32-34A ovelha é o símbolo de Jesus Cristo, já o bode ou cabra seu rival, satanás. Outra analogia é a da crucificação:A cruz central é conhecida como Redenção, à esquerda de sua posição Rejeição, já à direita Aceitação. Na cruz central, Jesus Cristo morria como oferta pelo pecado; ao seu lado direito um ladrão morria para o bem - arrependido; já no lado esquerdo, outro ladrão morria para o mal - renegando.Através destas analogias, a Igreja Católica sustentou por mais de mil anos que todo canhoto havia sido criado pelo diabo, e por isso ele era mau e diabólico. Em pinturas representando o Juízo Final, o “domicílio divino” é mostrado aos fiéis pela mão direita de Deus, e o “domicílio do diabo”, com a mão esquerda. Então, o caminho da mão esquerda seria o caminho para o inferno. É perturbador pensar que pessoas morreram por isso, mas isso só comprova o poder dos símbolos. No contexto gramatical a palavra ‘canhoto’ também não é perdoada:Em latim, vem de “sinister” o que originou a palavra sinistro. O “left” do inglês tem significado como fraco, inútil. No italiano, significa também desonesto, duvidoso. Em países africanos a palavra associada ao canhoto significa odiado, e no Japão, louco.Superstições sempre relacionam a esquerda com coisas ruins, infelicidade, azar, maldição, venenoso, satânico.Hoje não podemos negar o talento de muitos canhotos e como podemos amaldiçoa-los pelos tempos se destes já gozamos de suas magnificas obras?Entre os grandes canhotos temos: Beethoven, Michelângelo, Rafael, Leonardo da Vinci, Goethe, Nietzsche, Picasso entre outros.Mas é claro, os polos serão invertidos, e talvez possamos ser salvos por um símbolo feminino, o canhoto que desprezamos por centenas de anos. Compreenda mais lendo a saga Algoritmos SagradosFrancine SantosOs patriarcas promovendo terrorismo?  MATÉRIA  11/01   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 025 / DE: FRANCINE SANTOSHá muitos símbolos na saga Algoritmos Sagrados, alguns claros, outros ocultos em linhas aparentemente inocentes. Hoje vamos saltar na história, para o terceiro livro, afinal, este de fato é considerado o mais complexo.No terceiro livro nossa protagonista passa por um momento de aflição e um enigma é proposto a seu companheiro e mentor Aaron. – O que querem?– Vingar nosso sangue.– Como?– Três são os patriarcas: Abraão, Isaque e Jacó, homens de valor que no passado humilharam os filhos de Mastema. Hoje é o dia, não haverá remissão amanhã. Três também são os símbolos, três são os pontos onde o sangue inocente será derramado. Haverá lamúria onde o manto de fumaça encobrirá os corpos para que Deus não os reconheça e assim, faça justiça perante nossos olhos.– Do que está falando?Símbolo Oculto - Algoritmos SagradosCom o enigma revelado uma corrida contra o tempo se inicia, o ponto de partida: a torre do Relógio de Bagdá. Muitos acidentes são descritos, mas o que envolve este enigma em questão parece ter saído da ficção. Por este motivo dei prioridade a ele, pois como todos os outros, este também foi real. No dia 25 de janeiro de 2010 três explosões de grande proporções atingiram um distrito popular na região do rio Tigre, em Bagdá, no Iraque. A região é conhecida por concentrar hotéis e restaurantes. Ao menos 36 pessoas morreram e 71 ficaram feridas, segundo a polícia iraquiana. As colunas de fumaça foram vista na região da explosão no centro de Bagdá, Iraque A primeira explosão aconteceu por volta das 3h40. O primeiro alvo o hotel Ishtar Sheraton.  A segunda explosão ocorreu junto ao Hotel Hamra. A terceira bomba explodiu no hotel Babylon. “Três são os patriarcas: Abraão, Isaque e Jacó”Qual a relação? Você deve ler o livro para compreender o sentindo. Depois de ler e pesquisar muito ficará a dúvida, da onde o autor tirou essa arquitetação? Na verdade nunca foi mencionado esse paralelo, será que os terroristas pensaram em tudo isso? E os governos, será que nunca pensaram nessa hipótese? Parece linhas conspiratórias, mas essa e a proposta da saga, colocar um novo plano que permita explorar as possibilidades e, quem sabe, indicar um propósito para todas as coisas. Os atentados ocorridos neste dia ficaram marcados. O resultado: 36 mortos e pelo menos 71 feridos. Alguns analistas consideraram o saldo um milagre, pois devido a grande magnitude das explosões que derrubaram muros de contingência, o número de vítimas deveria ultrapassar centenas. Os três hotéis sofreram grandes danos, porém, sem comprometimento para a integridade dos edifícios.Promoção Algoritmos Sagrados e Modo Editora A Modo Editora com parceria do escritor M. L Pontes traz uma super promoção para você. Agora todo mês estaremos sorteando um volume autografado da saga Algoritmos Sagrados - o sorteado escolherá o volume que desejar. Sim, você poderá completar a coleção Best Sellers Amazon de graça. Para participar siga o regulamento. (Em breve liberamos o link para o regulamento)Sombras Noturnas - Algoritmos Sagrados Sombras Noturnas - Algoritmos SagradosVolume 4 da saga.SINÓPSENeste quarto volume da saga, após o rompimento do selo de Salomão, legiões de demônios são libertadas. Layla e Victor são submetidos a uma implacável perseguição. Orientados por seu mentor Aaron, eles se refugiam nas terras onde o bruxo de Pokrovskoe peregrinou. Vivendo em uma cabana abandonada aos redores de Verkhoturye — o portal Siberiano —, eles encontram motivos para restabelecer seus antigos laços com a vida. Mas o destino parece conspirar contra eles. Asmodeu, um dos sete espíritos do grande círculo do pecado, persegue o casal. Inicia-se uma disputa feroz pela sobrevivência. Porém, Victor e Layla não lutarão sozinhos, antigos inimigos serão aliados nesse confronto que começará na Terra e terminará no Inferno..INFORMAÇÕESPáginas: 218Edição: 1Ano de Publicação: 2017Medidas: 16x23Onde comprarOs livros são encontrados nos catálogos das livrarias Cultura e Saraiva.Com desconto direto com a editora (30%)1 vol. http://www.modoeditora.com.br/livros-ver/almas-seladas-algoritmos-sagrados/592 vol. http://www.modoeditora.com.br/livros-ver/algoritmos-sagrados-mascaras-reveladas/563 vol. http://www.modoeditora.com.br/livros-ver/algoritmos-sagrados-simbolo-oculto/1404 vol. http://www.modoeditora.com.br/livros-ver/algoritmos-sagrados-sombras-noturnas/196Na Amazon (digital por apenas R$ 5,99)Almas SeladasMáscaras ReveladasSímbolo OcultoSombras NoturnasQuando a vida imita a arte MATÉRIA  25/11   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 024 / DE: FRANCINE SANTOSNo dia 03 de novembro de 2012 uma fatalidade ocorreu. A automotriz que realiza o famoso passeio turístico entre Pindamonhangaba e Campos do Jordão descarrilhou, tombando em um ângulo de 45 graus na altura da estação de Santo Antônio do Pinhal. Três pessoas morreram nesse acidente.Quem leu o livro Almas Seladas perceberá certa semelhança, porém o livro foi escrito antes do acidente. Em 2011 ele já havia conquistado uma posição em destaque no Clube de Autores – best-seller ficção.As semelhanças não param por ai: no dia do acidente chovia e havia neblina. Segundo os passageiros o veículo levou um tranco e quando parou estava inclinado, o que amontoou os passageiros para o lado direito. Dos três passageiros que morreram naquele dia - todos do sexo feminino - estava uma senhora de 65 anos que fazia o trajeto pela primeira vez.No book trailer do início de 2012 mostra o protagonista Victor Siegfried andando sobre a automotriz tombada. >Nessa história há algo curioso, a automotriz parou ao lado de uma cruz de pedra.A cruz é uma homenagem ao motorneiro - condutor do bondinho - Benedito Viola da Silva, morto em 1959 em um acidente ocorrido no mesmo local. Mesmo após o acidente deste sábado, a cruz de pedra permanece intacta. Ao lado dela está uma queda d'água e uma ribanceira. Se o trem tivesse seguido mais alguns metros, a tragédia seriamaior.Em muitas ocasiões a arte imita a vida, mas desta vez foi a vida que imitou a arte. Ainda penso quantas surpresas ainda a saga irá me revelar. É bom parar e reler o que foi escrito, talvez encontremos surpresas que da primeira vez passaram despercebidas. Rasputin o bruxo de Pokrovskoye MATÉRIA  17/03   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 028 / DE: FRANCINE SANTOSGrigoriy Yefimovich Rasputin é um dos personagens da história explorado na saga Algoritmos Sagrados. Seu nome é mencionado pela primeira vez no livro Máscaras Reveladas, posteriormente, parte de sua vida é revelada em Símbolo Oculto. Mas é no livro Sombras Noturnas que seu corpo ganha forma, nas terras geladas da Russia.Grigoriy Yefimovich Rasputin foi um ortodoxo russo cristão e místico que, através de sua íntima ligação com os Czares, influenciou os últimos dias do imperador russo Nicolau II, sua esposa Alexandra, e seu único filho Alexei. Opiniões bipolares são dispostas em diversos textos: nas grandes cidades ele era o devasso, enquanto em sua terra natal e zonas religiosas ele é reverenciado como um homem justo pelo clero. SUA VIDARasputin nasceu um camponês na pequena aldeia de Pokrovskoye, ao longo do rio Tura na Tobolsk guberniya (agora Tyumen Oblast) na Sibéria. A data de seu nascimento é duvidosa mas estima-se em algum momento entre 1863 e 1873. Recentemente, novos documentos vieram à tona revelando a data de nascimento como 10 de janeiro de 1869 OS (equivalente a 22 de janeiro de 1869 NS).O pouco que se sabe sobre sua infância foi provavelmente transmitida por seus familiares. Ele possuía dois irmãos conhecidos, uma irmã chamada Maria e um irmão mais velho chamado Dmitri. Sua irmã Maria era epiléptica e morreu afogada no Tura, o que se tornou um choque para ele. Após sua recuperação outro acidente. Rasputin brincava com seu irmão Dmitri quando este caiu no gelo. Rasputin saltou para salvá-lo, mas acabou caindo e afundando nas águas geladas. Ambos foram puxados para fora por um transeunte. Rasputin sobreviveu milagrosamente, mas Dmitri morreu devido ao choque. Ambas as mortes afetaram Rasputin e ele posteriormente nomeou dois de seus filhos: Maria e Dmitri. Os mitos que cercam Rasputin revelam indícios de poderes sobrenaturais que são catalogados em datas posteriores após os incidentes. Um exemplo desses poderes foi quando Efim Rasputin, o pai de Grigoriy Rasputin, teve um de seus cavalos roubados. O jovem Rasputin foi capaz de identificar o homem que havia cometido o roubo e, posteriormente, ele foi preso. Com dezoito anos de idade, Rasputin passou três meses no Mosteiro Verkhoturye, os motivos divergem. Alguns dizem que se tratava de uma peregrinação religiosa, outros, penitência por roubo. Sua experiência lá, combinada com uma visão relatada da Virgem Maria em seu retorno para Pokrovskoye ascendeu-o para o lado místico religioso. Há alguns relatos que ele entrou em contato com a seita cristã proibida conhecidos como os khlysty (flagelantes) cujas práticas sexuais, terminando em esgotamento físico, levou-o a sua fama como o pervertido insaciável. A relação com Khlysts ameaçou sua reputação que perdurou até sua morte.Pouco depois de deixar o mosteiro, Rasputin visitou um homem santo chamado Makariy. Makariy vivia em uma cabana robusta e praticava alguns rituais semelhantes a antigas tradições xamânicas e tribais dos povos da Sibéria. Rasputin mencionou que o monge Makariy o havia curado de um distúrbio do sono grave, e treinou-o a praticar o hipnotismo e estilo de vida vegetariano que incluiu um pouco de álcool e também o uso de várias ervas daninhas e drogas para “transformação espiritual” de acordo com antigos rituais xamânicos. Posteriormente, Rasputin casou-se com Praskovia Fyodorovna Dubrovina em 1889 e tiveram três filhos: Dmitri, Varvara e Maria. Rasputin também tinha outro filho com outra mulher. Em 1901, ele deixou sua casa em Pokrovskoye como um strannik (peregrino) e, durante o tempo de sua jornada, viajou para a Grécia e Jerusalém. Em 1903 ele chegou em São Petersburgo, onde ele gradualmente ganhou sua reputação como um starets (homem sagrado) com poderes curativos e proféticos. Um nomeado sacerdote chamado João de Kronstadt, sacerdote dos Czares, abençoo Rasputin em 1903, este foi o marco para introduzi-lo na Família Imperial.Rasputin estava vagando como um peregrino na Sibéria quando ouviu relatos da doença de Alexei, filho da Czarina Alexandra. Alexei tinha hemofilia, uma doença genética herdada da britânica Rainha Victoria, que era a bisavó de Alexei. Quando os médicos não podiam fazer mais nada por Alexei. Anna Vyrubova, a dama-de-companhia da Czarina, indicou o carismático camponês curandeiro Rasputin. Isso ocorreu em 1905. Os rumores na época era que Rasputin possuía a capacidade de curar através da oração, e era de fato, capaz de dar ao menino um pouco de alívio, apesar da previsão dos médicos que ele iria morrer. Rasputin respondeu aos apelos da Czarina. Em uma grave crise, Alexei foi curado. Após esse dia, toda vez que o menino tinha uma lesão que lhe causava hemorragia interna ou externa, a czarina convocava Rasputin. Os céticos dizem que ele fez isso por hipnose, afirmando que em alguns estudos existe uma relação direta dos sintomas com os níveis de estresse e, portanto, relações diretas com a sintomatologia da hemofilia. Porém, durante um particularmente grave crise em Spala, na Polónia em 1912, Rasputin enviou um telegrama de sua casa na Sibéria apenas com os dizeres: "Não deixe os médicos incomodá-lo muito; deixe-o descansar". No mesmo dia os sintomas desapareceram. Rasputin ganhou notoriedade, era conhecido pelos Czares como "nosso amigo" e um "homem santo", um sinal da confiança que a família tinha com ele. Rasputin teve uma influência pessoal e política considerável sobre Alexandra. Alexandra passou a acreditar que Deus falou com ela através de Rasputin. CONTROVÉRSIA Rasputin logo tornou-se uma figura controversa, tornando-se envolvido em um paradigma de luta política envolvendo monarquista, anti-monarquista, revolucionários e outros. Ele foi acusado por muitas pessoas eminentes de vários crimes, que vão desde uma vida sexual irrestrita (incluindo estupro de uma freira) a indevida dominação política sobre a família real. Mesmo sendo um oficial da corte, ele ficou por vigilância constante, e, consequentemente, existem algumas provas credíveis sobre seu estilo de vida na forma do famoso "notas de escada" - relatórios de espiões da polícia que não eram dados apenas para o czar, mas também publicados em jornais.Rasputin foi profundamente contrário à guerra, tanto do ponto de vista moral como algo que era susceptível de conduzir à catástrofe política. Durante os anos da Primeira Guerra Mundial, aumentaram seus casos de embriaguez, a promiscuidade sexual e a relação corrupta com aliados políticos. Na guerra, o Czar Nicolau passou a assumir o comando pessoal do exército russo, com terríveis consequências para si mesmo, bem como para a Rússia. Enquanto ele estava longe, na frente de batalha, a influência de Rasputin sobre Alexandra aumentou. Ele logo se tornou seu confidente e conselheiro pessoal, e também a convenceu a preencher alguns escritórios governamentais com seus próprios candidatos escolhidos a dedo. Para promover o avanço do seu poder, Rasputin coabitou com mulheres da classe alta em troca da concessão de favores políticos. Por causa da Primeira Guerra Mundial e os efeitos ossificantes do feudalismo e uma burocracia intromissiva, a economia russa estava em declínio. Muitos na época culparam Alexandra e Rasputin. A influência de Rasputin sobre a família real foi usada contra ele. Os Romanov assim como jornalistas, arquitetaram planos para enfraquecer a integridade da dinastia e forçar o czar a desistir de seu poder político absoluto. Houve um rompimento, a elite Russa decidiu provocar e programar um assassinato.Deve-se mencionar que os documentos encontrados recentemente provaram que as acusações de devassidão sexual de Rasputin eram falsas. ASSASSINATO Embora seja uma visão predominante de que Rasputin foi assassinado por razões políticas, os detalhes não são claros. Uma tentativa anterior sobre a vida de Rasputin tinha falhado: Rasputin foi visitar sua esposa e filhos em Pokrovskoye, sua cidade natal ao longo do rio Tura na Sibéria. Em 29 de junho de 1914, ele foi atacado repentinamente por Khionia Guseva, uma ex-prostituta que havia se tornado uma discípula do monge Iliodor,. Iliodor, que já era amigo de Rasputin, havia revoltado-se com seu comportamento desrespeitoso com a família real, por isso a encomenda do assassinato. Guseva enfiou uma faca no abdômen de Rasputin, e suas entranhas ficaram penduradas para fora. Foi uma ferida mortal. Convencidos de seu sucesso, Guseva supostamente gritou: “Eu matei o demônio!” Após a cirurgia intensiva, Rasputin recuperou-se milagrosamente. Foi dito de sua sobrevivência só foi possível devido à presença de um espírito que costurou suas entranhas” Sua filha, Maria, observou em suas memórias que ele nunca mais foi o mesmo homem depois disso: ele parecia cansar-se com frequência. Havia dores e ele usava do ópio para aliviar a dor. O assassinato de Rasputin tornou-se uma lenda, alguns deles inventados pelos mesmos homens que o mataram, razão pela qual tornou-se difícil de discernir o curso dos acontecimentos. Em 16 de Dezembro de 1916, tendo decidido que a influência de Rasputin sobre a Alexandra ameaça ao império, um grupo de nobres liderada pelo Príncipe Felix Yusupov, o Grão-Duque Dmitri Pavlovich, e o político de direita Vladimir Purishkevich criaram um plano para atrair Rasputin ao palácio  de Yusupovs Moika. Anteriormente, em novembro de 1916, o príncipe Yusupov fingiu que tinha dores no peito e obteve uma alta recomendação para se tornar um paciente de Rasputin. O Príncipe Felix Yusupov fez várias visitas a Rasputin como um paciente e logo fez amizade com o bruxo. Não se sabe o motivo, mas Felix Yusupov apresentou-lhe uma imagem de sua esposa, a bela princesa Irene Yusupov, sobrinha do Imperador czar Nicolau II. Rasputin imediatamente expressou seu desejo pela bela dama. Se Rasputin estava realmente interessado em Irene, é uma questão em aberto. Porém o que é sabido é que Felix Yusopov era conhecido por ser uma cômoda cruz, que regularmente divertiram-se pela noite em estabelecimentos de bebidas e restaurantes da moda em São Petersburgo, vestido de mulher. Era quase certo que seus hábitos travestis revelavam uma tendência bissexual. Em 16 de dezembro de 1916, o príncipe Felix Yusopov e seus colegas oficiais haviam programado a isca. Um convite formal foi feito para Rasputin, mulheres e bebidas foram mencionados. Rasputin não negou e foi visitar o príncipe. Logo de cara ele foi recebido com bolos e vinho tinto misturado com uma enorme quantidade de cianeto. Segundo a lenda, Rasputin foi levemente afetado, embora Vasily Maklakov tinha fornecido o veneno suficiente para matar cinco homens. Tem sido sugerido, por outro lado, que Rasputin tinha desenvolvido uma imunidade ao veneno devido à mithridatism (a prática de se proteger contra um veneno por gradualmente auto-administração). Os que relatos que se seguem é uma obra de tirar o fôlego (texto de Simbolo Oculto)Determinado a terminar o trabalho, o príncipe Felix Yusupov correu para cima para consultar os outros e, em seguida, voltou armado. Sem pensar atirou em Rasputin. Mesmo com o sangue derramando-se pelo chão ele ergueu-se gritando o nome de Yussupov. Como um feroz leão, ele partiu de forma ágil para cima do príncipe amofinado. Aterrorizado com Grigoriy que se recusava a morrer, Yussupov correu para a antessala e trancou a porta. Seus comparsas aproximaram-se e escutaram o barulho da madeira arrebentando-se. O místico de Pokrovskoie estava destruindo a porta do palácio na tentativa de escapar. Yussupov e seus comparsas se armaram: três pistolas ao todo. Grigoriy finalmente arrombou a porta e correu para o pátio onde a neve cobria o chão com alguns centímetros. Vendo o místico a poucos metros, todos engatilharam as pistolas. Os tiros foram consecutivos, uma saraivada de balas atingiu o corpo, cinco no total. O fugitivo tombou, mas continuou se arrastando. Os homens correram e passaram a surrá-lo e a esfaqueá-lo, entretanto, o místico continuava sussurrando no chão. Inconformados, eles se entreolharam quando um inglês aproximou-se. Ele sacou sua pistola Webley.455 e disparou contra a testa de Grigoriy com uma única bala de prata. Orientados pelo homem desconhecido, os conspiradores trouxeram correntes e prenderam as pernas e os pulsos do místico. Após ensacar seu corpo, atiraram-no às águas geladas do rio Neva.Uma autópsia determinou que a causa da morte foi afogamento. Verificou-se que ele tinha realmente sido envenenado, e que o veneno por si só deveria ter sido suficiente para matá-lo. Há um relatório que depois que seu corpo foi recuperado, água foi encontrado nos pulmões, apoiando a ideia de que ele ainda estava vivo mesmo naquela condição. O corpo foi enterrado em Puchkin, Tsarkoe Celo, mas seu coração foi guardado na Academia Militar de Medicina, onde em 1930 foi roubado. O túmulo de Rasputin foi venerado por peregrinos, o que não era de bom grado aos comunistas. Assim, o exército vermelho marchou para destruir seu sepulcro. Quando removeram a tampa do caixão tiveram uma surpresa, ele estava vazio. Com medo de criarem um mártir, em sigilo eles levaram um corpo indigente em vagão fechado até a estação de metrô Lesnaya, onde cremaram os restos. O relatório oficial de sua autópsia desapareceram durante a era Stalin, assim como vários assistentes de pesquisa que tinham visto ele. Algumas evidências surgiu recentemente que o assassinato foi, de fato, organizado pelo SIS britânico. Carros e seus donos  MATÉRIA  14/10   QUINTA-FEIRA  - MATÉRIA 022 / DE: FRANCINE SANTOSJá materializamos cada cenário da saga, agora para continuarmos nosso suporte ao leitor é a vez dos carros. Afinal, além de ser uma grande paixão, foram peças indispensáveis em muitas cenas da saga. Siga as descrições, elas podem dizer muito sobre os personagens, os donos. Primeiro Livro da Saga                  1      BrasíliaDono: Felipe, pai de Layla. “Felipe, seu marido, conduzia uma decrépita Brasília vermelha que se destacava pela ferrugem.”O Brasília foi um automóvel produzido de 1973 até 1982 pela Volkswagen do Brasil. Foi projetado para aliar a robustez do Volkswagen Fusca, um carro consagrado no mercado, com o conforto de um automóvel com maior espaço interno e desenho mais contemporâneo.  Mercedes 300CEDono: Rômulo, pai de Victor.  “Rômulo seu marido, estava conduzindo uma Mercedes, modelo 300CE de 24 válvulas, que se destacava pelos belos aros de 18 polegadas.”A Mercedes-Benz modelo 300CE foi produzida entre 1990-1993. O modelo CE era um dos mais belos e robustos carros da década de 90 com um belo motor de 24 válvulas. Hoje é considerado um carro raro e apreciado pelos colecionadores. BMW Série 3Dono: Rômulo, pai de Victor;mais usado pelo filho.  “No veículo que o aguardava, uma BMW Série 3 conversível, ele colocou sua prancha no banco de trás.”O BMW Série 3 é um carro executivo compacto fabricado pela montadora alemã desde maio de 1975. Ele é o modelo mais vendido da BMW, representando cerca de 30% do total das vendas anuais da marca BMW. O modelo conversível é de 2007-2013 Série 3 Cabrio. PorscheDono: Victor.  “Quando avistou o Porsche prata, Victor correu acionando o alarme do carro. Ele abriu a porta e sentou-se no banco do motorista.”O Porsche 911 é um carro desportivo produzido pela alemã Porsche AG de Stuttgart, Alemanha desde 1964. O modelo está em constante evolução desde seu lançamento em 1963 no Salão de Frankfurt, com o nome de 901. Em 2004, o 911 foi revisto de forma profunda e o clássico 996 foi substituído pelo 997, sendo este apresentado no livro. Hyundais Gênesis CoupéDono: Midas.  “Enquanto isso, no Cristo, os capangas após desvencilhar dos obstáculos humanos alcançaram o estacionamento. Eles entraram nos carros, dois Hyundais Genesis Coupé. Naquele segundo, a perseguição começou”O Hyundai Genesis Coupe é um modelo esportivo da Hyundai Motor Company, lançado em 13 de outubro de 2008. É um modelo veloz da Hyundai com tração traseira e compartilha sua plataforma básica com o modelo Genesis sedã de luxo.  Segundo Livro da Saga                  2       Grand CherokeeDono: Bruna Filha de Rogério.  “Eles se dirigiram para a rua ao lado. Bruna entrou em seu jipe, uma Cherokee ano 2004, e seguiu pelas estreitas ruas da cidade.”A nova terceira geração Grand Cherokee (WK) foi inaugurada em 2004. O projeto enfatizou poder e luxo, com um trabalho significativo feito na redução de ruído, vibração e aspereza. No entanto, pela primeira vez, Jeep também enfatizou o desempenho on-road a um nível a pedra angular de sua marca, capacidade off-road.  Toyota CorollaDono: Hanz.  “Hanz, em sua Toyota, dirigia-se à prefeitura municipal da cidade de Mariana.“O Toyota Corolla é o modelo mais vendido da história, com produção nos cinco continentes. Assim como em outros modelos a Toyota procurar usar nomes em latim para seus carros, neste caso o significado é “Coroa de Flores”.  Dodge ChallengerDono: Cristóvão.  “Cristóvão seguia por uma estrada tortuosa, dirigindo de forma tranquila seu possante Dodge Challenger.”O Challenger é um modelo desportivo de duas portas da Dodge. A sua produção iniciou-se em 1970. Em 2006 a Dodge construiu um carro conceito denominado Challenger Concept, que trouxe de volta o Challenger equipado de um motor Hemi V8 de 425cv. A velocidade máxima dele pode chegar a 320 km/h e vai de 0 a 100 km/h em 3.5 segundos.  Terceiro Livro da Saga                  3       Austin FX4Dono: Cristóvão.  “Na zona de táxis, o clássico Black Cab modelo Austin FX4 esperava-os para embarcar. – Que máquina linda! – exclamou Hanz admirando as curvas daquele modelo.”Austin FX4 - Produzido de 1958 a 1981, o Austin FX4 tinha em sua primeira versão um motor a diesel 2.2 litros e 55 cv. O clássico táxi londrino passou por uma atualização em 1968, mas se manteve sem grandes alterações em seu design até ser substituído em 1996 por uma nova geração, porém virou um ícone londrino sendo circulado até hoje.  Bentley Continental GTDono: Primícius.  “Zac dirigia um Bentley Continental GT, enquanto Erick costurava o ferimento em seu ombro.”O Bentley Continental GT é um grand tourer de duas portas com capacidade para 4 passageiros lançado em 2003 como substituto do Continental R e T. É equipado com um motor W12 bi-turbo de 552 cavalos, sendo o primeiro motor de 12 cilindros na história da marca. Uma curiosidade do modelo é ter o maior disco de freio de um modelo de série em produção.  Fordson & ThamesDono: Amigo, Aaron como motorista.  “Pelo retrovisor, no banco do motorista Aaron olhava a melancólica paisagem enquanto o clássico modelo da Van Fordson & Thames circulava derrapando na rua de terra batida.”O Van Fordson & Thames, ou seja, E83W visava o pequeno mercado do transporte. No Reino Unido uma atualização da carroceira tornou-o perfeito para transportar mercadoria. Durante e após a II Guerra Mundial, muitas variações especializadas, tais como móveis, hortifrúti, vans de sorvete e até mesmo bombas de incêndio foram construídos no chassi E83W.  Hum-veeDono: Exército Americano.  “Ele olhou para o retrovisor. – Não acredito nisso! Dentre todos os veículos da segurança no Iraque tínhamos que nos deparar justo com um militar Hum-vee.” O Mobility Multipurpose Wheeled Vehicle (HMMWV), comumente conhecido como o Humvee é um quatro rodas motrizes militar caminhão leve produzido pela AM General. Apesar de ser construído para propósitos militares uma versão Humvee, não blindada, foi comercializada. O segredo através do Símbolo Oculto  MATÉRIA  25/06   quinta-FEIRA  - MATÉRIA 015 / DE: francine santosO terceiro livro da saga Algoritmos Sagrados possui o título de Símbolo Oculto. Claro que não vou liberar um spoiler, não pretendo ir tão fundo a ponto de explicar o título do livro – isso é uma surpresa. Mas posso adiantar que está ligado ao símbolo feminino.Dawn Brown já falou muito sobre o símbolo feminino em seu livro O Código da Vinci, mas Marcelo Pontes mostra um lado completamente diferente sobre o assunto, com detalhamento histórico que antecede a Jesus Cristo.  O símbolo feminino não é nenhum mistério, talvez assim como o título do livro, apenas oculto. Na Bíblia ele aparece como duas mulheres, uma pura e outra embriagada. Essa mesma formulação também é encontrada em outras culturas.Vamos despir essa simbologia para você; talvez parte dela possa ser compreendida no decorrer dessa matéria.Você já ouviu falar sobre o símbolo feminino? Talvez não, mas com certeza deve conhecer a estátua da liberdade.A Estátua da Liberdade foi um presente do povo francês ao povo norte-americano, para comemorar o centenário da Declaração de Independência dos Estados Unidos. Há um simbolismo controverso na famosa estátua de Nova Iorque, principalmente poque foi construída por maçons:Placa próxima a estátua:“Neste local em 5 de agosto de 1884, a pedra angular da Estátua da Liberdade Iluminando o Mundo foi colocada com uma cerimônia de William A. Brotte, William A. Brodie, Grande Mestre Macon do Estado de Nova Iorque. Membros da loja maçônica, representantes do Governo dos EUA e da Franca, oficiais do exército e da marinha, membros de Legações Estrangeiras e cidadãos ilustres estiveram presentes. Esta placa é dedicado aos maçons de Nova York, em comemoração do 100 º aniversário daquele acontecimento histórico.”O fogo da tocha erguida pela mão direita da majestosa dama representa o caminho para a liberdade. Em sua coroa existem 25 janelas - as jóias encontradas naquelas terras. Os 7 raios que saem da aureola representam os sete continentes e os sete mares do mundo. Em sua mão esquerda segura uma tábua, na qual está escrita: 4 de Julho de 1776, em algarismos romanos.Muito bem, agora vamos nos aprofundar utilizando uma segunda estátua que deveria ser tão famosa quanto à primeira.           Estando em cima da cúpula do Capitólio está a enigmática estátua da Liberdade em pé sobre uma forma esférica, o que representa a Terra. Contornando o mundo a faixa eclíptica  possui o ditado “E Pluribus Unum (Fora de Muitos, Um)”A divindade acima do capitólio é uma figura feminina alegórica cuja mão direita segura o punho de uma espada embainhada, enquanto uma coroa de louros da vitória e o Escudo dos Estados Unidos estão entrelaçados em sua mão esquerda. O escudo heráldico é o mesmo que tem no Grande Selo dos Estados Unidos, com treze listras, exceto que o principal tem estrelas (mais uma vez, treze). Seus adereços são garantidos por um broche com a inscrição “E.U.A” e está parcialmente coberto por uma túnica pesada, com franjas e um cobertor jogado sobre o ombro esquerdo. Ela simbolicamente enfrenta o leste em direção à entrada principal do edifício, o que significa que aliás, que nunca o sol se põe sobre a Liberdade.  Agora fica a dúvida, qual a identidade dessa deusa de pé, no topo do edifício mais importante da América? Ela certamente não é a Virgem Maria - você ficaria surpreso com o número de pessoas que pensam isso. A verdade é que o bairro leva seu nome, DC = Distrito de Colúmbia. Ela é a deusa alegórica da América, a figura mitológica tipicamente americana, a Columbia.Nunca ouviu falar dela? Acho que sim:É claro que existe rumores, especulações diversas sobre a dama da Columbia Pictures, mas olhando para a imagem, não há como ter dúvida sobre a identidade simbólica desta imagem que se tornou um dos maiores ícones entre os cinéfilos de todo mundo. A Columbia é de fato a personificação feminina que protege os Estados Unidos da América.Na pintura de título "American Progress" de John Gast temos uma referência à modernização, à ideia de progresso e melhoria nas áreas de tecnologia, política, economia e ciências. A peça de marketing muito influente, exibe no céu uma figura mítica como um espirito errante, uma anjo celestial (feminino) que ajuda no progresso da América. Essa figura é a famosa Columbia, a deusa que aderiu forma para se tornar um símbolo americano. A imagem está em boa resolução, recomendo que amplie esta imagem clicando sobre ela.A Columbia Brasileira De forma curiosa o Brasil também teve sua divindade, uma figura puramente alegórica. Na imagem ao lado temos a "República", um quadro de Manuel Lopes Rodrigues pertencente ao acervo do Museu de Arte da Bahia.Não se pode negar a semelhança com a divindade Columbia - os mesmos símbolos presentes - , porém o fato é que tanto a república americana como a brasileira receberam forte influências de maçons, o que explicaria essa ligação, e não como alguns poucos dizem, um plágio do nosso país. O alegorismo para alguns remetem a frança, onde a personificação feminina foi escolhida como o símbolo da revolução e posteriormente influencio vários países a usurem a figura feminina. Entretanto, a própria revolução não criou essa forma e sim, usurpou das culturas mais antigas da Terra.  Mas qual o verdadeiro significado? Talvez na imagem seguinte podemos esclarecer melhor.Assim como Columbia essa figura tinha a ideia de um espectro, um espírito errante como mostra a charge da proclamação da República de José do Patrocínio. É claro que tudo isso não se trata de uma consciência, mas de um simbolismo presente através do símbolo feminino, um símbolo oculto.Porém sendo ou não uma cópia, o simbolismo é o mesmo, uma forma de espírito protetor. Essa mesma referencia pode ser vista entre os cristãos, a mulher de branco, representando a igreja de Cristo, com os mesmos fins protetores da verdade e liberdade.Se desejar saber mais, comece a ler a saga Algoritmos Sagrados.Francine SantosEtiópia uma terra de mistérios  MATÉRIA  27/05   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 012 / DE: francine santosEtiópia é uma das escalas no livro "Símbolo Oculto - Algoritmos Sagrados"Para quem não a conhece e tem em mente um país castigado pela fome e pobreza, com certeza se surpreenderá com a descrição que o escritor Marcelo Pontes deu a ela.Repleto de mistérios e fenômenos considerados santos, esta terra de monges e peregrinos causa espanto para muitos. Para quem mora aos arredores de Lalibela é comum ver a transmutação da água em vinho. Mas este é apenas mais um dos vários fenômenos dessa terra miraculosa.Pelas cidades, inúmeros peregrinos tomam as ruas em mantos brancos, uma procissão em volta da mais devastada terra da África.Apesar da pobreza, existe outro lado dessa história na visão do autor, onde casas de barro, chão de terra batida e crianças subnutridas fazem parte do contexto:Axum era uma cidade pequena. A poucos metros, Hanz sentia-se regressando no tempo entre casas de pedras irregulares e argamassa de barro, com teto de estrados de madeira cobertos com palha.– Eu imaginava que as cidades etíopes eram pobres, mas é espantoso de estar aqui e ver com meus próprios olhos este lugar; parece que estou voltando para a pré-história – afirmou o mergulhador, surpreso com as humildes infraestruturas daquela terra castigada.– Não é pobreza, e sim simplicidade – definiu Aaron.– Não vejo simplicidade e sim, privação.– Os etíopes não pensam como o resto do mundo.– Como assim?– O trabalho para eles é visto como transtorno ao corpo, como uma espécie de punição.– Eles não trabalham?– Apenas atividades sustentáveis.– Mas, por quê?– Eles possuem uma crença conhecida como iddil, uma corrente que flui empurrando as pessoas para a destruição. – Aaron levantou sua face para o alto do planalto. – Então não importa a determinação do indivíduo, o destino de cada um sempre será cumprido, retornando a seu estado primitivo. Por isso o progresso do ponto de vista etíope não faz sentido.– Que visão negativista.– Negativista?– É como se não houvesse uma esperança para o amanhã.– Exatamente, por isso eles também não vêm o tempo de forma linear, mas sim cíclica.– Cíclica! – exclamou baixinho lembrando-se das explicações de José Armando. – “Rogério acreditava que existia uma força desconhecida que influenciava a probabilidade das ocorrências e gerava tais ciclos”.Hanz caminhava de forma automatizada, pois seus pensamentos vagavam.Alcançando uma estrada de terra, Aaron chamou sua atenção:– Oh! Bela adormecida; acorda!O mergulhador piscou seus olhos. – Desculpe.Vendo crianças correndo e sorrindo pelo caminho, o velho corvo alegrou-se espiritualmente. Após bagunçar os cabelos revoltos de um dos meninos que corria ao seu redor, ele voltou-se para seu amigo descrente. – A pobreza que você descreveu não está neste lugar.– Como não?– Olhe para o rosto desse povo. Estes vivem bem e sorrindo. Na Etiópia não há tristeza, depressão ou suicídio; todos contemplam a grandiosidade de cada dia neste planeta. – Aaron fez uma pausa. – Veja a diferença dos que habitam as grandes cidades, que exaltam a frustração e o pessimismo, trabalhando exaustivamente para dias melhores que nunca serão alcançados. Eles são incapazes de reconhecer a verdadeira beleza da vida, revelada em sua simplicidade. Se o mundo diz que estes são pobres, eu digo: estes são ricos, ricos em espírito e alegria.Símbolo Oculto – Algoritmos SagradosMas como já falamos, a Etiópia não tem apenas um pé, plantado na pobreza, sua riqueza cultural e religiosa surpreende até os descrentes.  É claro que podemos ficar aqui, escrevendo páginas e mais páginas sobre os diferentes pontos sagrados, mas iremos focar no monastério de Narga Selassié na ilha Dek, um dos locais descrito no livro.Narga Selassié é um monastério na costa ocidental da ilha de Dek, a maior ilha do Lago Tana, no norte da Etiópia. O monastério foi construído no final do século 18, usando como material de construção o gigantesco figo-sicômoro, árvore que no passado estava no centro do monastério. Dentro do local conhecido como Santo, encontramos inúmeras pinturas, incluindo uma peça descrita no livro, a pintura de São Jorge. É fato que na Etiópia um de seus padroeiros é São Jorge, porém o que descreve no livro “Símbolo Oculto” é uma relação direta com o famoso Santo Graal. Claro que você já deve ter lido vários livros com esse tema, mas nenhum mostrando a verdadeira simbologia por trás da peça.  Voltando a pintura ao lado, foque em seus detalhes. São muitos, mas vamos nos concentrar na lança, uma lança diferente com uma cruz na outra extremidade. Quem leu o livro até seu final sabe o desfecho poético de toda essa simbologia, mas se você ainda não leu, vou informa-lo que a imagem de São Jorge está sempre relacionada à crucificação em todas as pinturas existentes nos monastérios da ilha Dek. Não vou me estender mais as pinturas de Narga Selassié, caso contrário estaria cometendo um spoiler. A ordem dos Templários Outro ponto importante para comentarmos é a influência dos cavaleiros Templários na região. O livro fala um pouco sobre isso, principalmente descrevendo a interferência cultural sobre o povo etíope. Ainda hoje, podemos ver símbolos templários em todos os rituais na Etiópia. Mesmo após o triste final da organização em 1312, remanentes da atualizada Ordem de Cristo esteve participativa nas regiões Etíopes. . Enquanto caminhava ao lado da margem seguindo seu guia, uma cena lhe chamou a atenção: à beira do lago alguns homens recolhiam pedras. Com a água nas pernas, eles erguiam as pesadas rochas sedimentares em dupla, depositando-as no barco.– Você não me disse que etíopes evitavam o trabalho pesado? – indagou o mergulhador encarando os homens que sofriam com sua carga.– Sim, por quê? – indagou Aaron.– Por que aqueles homens estão carregando pedras a essa hora da manhã?– Uma herança dos Templários.– Templários?– Sim, no passado eles usaram o povo etíope para erguerem construções monumentais.– Que tipo de construções?– Paciência, e você verá.Algoritmos Sagrados - Símbolo OcultoAgora fica a pergunta: o que eles queriam com a Etiópia? A resposta pode estar na pintura de São Jorge; para descobrir apenas lendo o livro.Francine SantosO tesouro dos Templários  MATÉRIA  04/06   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 013 / DE: francine santosInúmeros livros usam os Templários como pano de fundo, mas 'Algoritmos Sagrados' mostra um lado nunca antes explorado: fé e ciência se fundem; termos como religiosidade e teorias das cordas funcionam em um mesmo universo, sendo assegurados pelos cavaleiros Templários.Lendo essa matéria você achará tudo muito bizarro, mas na saga a história é arquitetada de forma que se compreenda cada peça como um todo, sem apelações, principalmente que cada linha se encaixa em seu contexto simbólico.Mas antes de nos aprofundarmos no gancho existente na saga vamos do início para quem não conhece esses nobres cavaleiros.A Ordem dos Templários foi criada em 1096 e oficializada em 1118 na cidade de Jerusalém, por nove cavaleiros que fizeram um voto de santidade jurando proteger os peregrinos e a Terra Santa. Foram conhecidos também pelo nome de Cavaleiros de Salomão - quem leu o livro talvez perceba a ligação através das narrações do personagem Rogério Almeida de Carvalho e sua filha Bruna. Anos se passaram lutando contra os muçulmanos e, mesmo após o término das cruzadas, estes se mantiveram firmes nas terras sagradas. Porém nesse ponto, circulou a lenda de que os lendários Templários haviam pilhado muita riqueza, algo que possivelmente estava escondida em baixo do Templo Sagrado. No auge da ordem seguiram-se terríveis perdas, primeiro através das batalhas e a derrota da última cidade nas Terras Santas: São João de Acre. Depois veio a perseguição pelo rei Filipe IV da França que, de qualquer forma queria apropriar-se dos bens dos Templários. O marco do desfeche é mencionado no livro Símbolo Oculto.– Deixe-me completar a história. Em outubro de 1307, uma sexta-feira no dia treze, Filipe IV, rei da França que cobiçava tal tesouro, iniciou uma tentativa de derrubar a Ordem dos Cavaleiros Templários afirmando que eles haviam entregado suas almas a Baphomet, o velho pentagrama invertido. A imagem da Ordem veio por terra, pois a heresia era um ato abominável perante a igreja. Nesse mesmo ano, os Templários encontrados na França foram queimados nos madeiros.                Símbolo Oculto – Algoritmos SagradosPorém o mistério havia apenas começado. Logo após esse fato, toda a frota templária com seus 12 navios, os mais modernos da época, sumiram sem deixar vestígios.   Ainda hoje se acredita que a Ordem de Salomão ou Ordem dos Templários, como é mais conhecida, guarda  os maiores segredos da humanidade; alguns comentam sobre a descendência de Jesus ou o Santo Graal, outros os restos mortais de Maria Madalena, mas a saga Algoritmos Sagrados leva a compreensão de um termo nunca antes lido, os Algoritmos Sagrados e o mistério sobre a imortalidade. Mas a história não acabou por ai, em 1319 nasceu a Ordem de Cristo, fundada pelos remanescentes templários. Nesse período tiveram forte participação nas descobertas marítimas portuguesas, no século XV e XVI – coincidência? Nomes como Infante D. Henriques, Pedro Alvares Cabral, Vasco da Gama pertenciam à Ordem de Cristo, ou seja, nada mais eram do que templários de outros tempos.Templários no BrasilAlguns documentos evidenciam que a Ordem de Cristo veio ao Brasil em 1500, através de Pedro Alvares Cabral, com um propósito obscuro. Hoje, nas bandeiras e símbolos Brasileiros existem fortes indícios templários. Esta organização, mesmo com outra denominação, conseguiu sobreviver até aos dias de hoje. A única coisa que ainda não foi descoberta foi que segredos teriam descobertos com a tomada de Jerusalém e que destino tiveram os navios da sua frota. Será que Portugal foi foco das manobras e teria sido o verdadeiro porto de abrigo destes cavaleiros e monges, ou há mistérios envolvidos em outras partes do planeta? Estes são mistérios que, até você ler a saga, continuarão sendo um túmulo desconhecido.A bandeira imperial do Brasil foi criada, originalmente, como pavilhão pessoal do Príncipe Real do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, a pedido de D. Pedro de Alcântara, ainda como príncipe-regente. Entre setembro e dezembro de 1822, o pavilhão passou a ser utilizado para representar a nação após sua independência, ainda considerada um reino. Apenas com a sagração de D. Pedro I como imperador é que foi substituída a coroa real do brasão pela imperial.A nova bandeira ainda preservava muitos dos elementos do antigo reino e seu brasão, como a esfera armilar e a cruz da Ordem de Cristo, semelhante ao da bandeira cisplatina. A atual bandeira nacional mantém, embora um pouco modificado, o campo verde e o losango amarelo da bandeira imperial. Substituiu-se o brasão de armas imperial pelo círculo que, como a anterior, também representa a esfera celeste; a faixa eclíptica pela faixa azimutal e a cruz da Ordem de Cristo pelo Cruzeiro do Sul.Francine SantosEu acredito em lobisomens  MATÉRIA  21/05   quinta-FEIRA  - MATÉRIA 010 / DE: francine santosCom esse título posso com certeza ser ridicularizada, mas antes, leia esse texto até seu final. Lobisomens ou licantropo é um ser lendário de origem grega, apesar de várias culturas possuírem sua versão do famoso lobisomem, até tribos mais isoladas. Segundo as lendas, um homem pode se transformar em lobo ou em algo semelhante a um lobo em noites de lua cheia, só voltando à forma humana ao amanhecer. O mistério da lua cheia na verdade não é um mistério, esse fenômeno já vem sendo estudado há muitos anos. Não estou falando de homens virando lobos, mas de homens virando bestas selvagens. Vamos deixar Aaron Abrawanel explicar: – Pois bem, em um período curto de aproximadamente três dias o Nefeshe, eu digo, a natureza humana em sua forma mais primitiva, é liberada. Nesse momento, a raça humana se torna um alvo dos implacáveis demônios que aproveitam dessa fragilidade para suplantar suas necessidades da energia vital dos seres humanos.– Isso é sério?Aaron riu – Sim, ou por que acha que no período da lua cheia os homens enlouquecem?– Como assim, enlouquecem?– Isso não é nenhum segredo, afinal, existem inúmeras pesquisas pelo mundo que comprovam que a criminalidade associada a transtornos agressivos aumenta significativamente em períodos de lua cheia. Claro, o motivo dessa agressão ainda é um mistério, porém eles perceberam que animais também são afetados. Portanto, chegaram à conclusão de que existe alguma relação com nosso lado primitivo. – Aaron fez uma pausa com um sorriso ardiloso. – Esse é o Nefeshe, o portão que se abre para o inferno.Símbolo Oculto – Algoritmos SagradosO que amo na saga é a visão mais próxima da realidade e não entorpecida por holofotes de Hollywood.Então seguindo a linha de raciocínio, vamos reforçar a tese da existência de lobisomens. Algoritmos Sagrado explora muito o ambiente primitivo judaico, o que me encanta, pois nos trás mais próximos da natureza mística da nossa civilização. Segundo o escritor, animais podem ser possuídos por demônios; na própria Bíblia temos um bom exemplo: Jesus exorcizou um homem que estava possuído na região dos Gerasenos. O louco estaria possuído pelo demônio conhecido como "Legião", uma coletividade de demônios. Agora pensem comigo: se porcos foram possuídos, por que lobos não? Na verdade esse pensamento já foi compartilhado na literatura, principalmente os cabalistas que no passado, já lutaram contra a temida fera.  Vamos voltar ao livro Máscaras Reveladas e fazer uma viagem na criativa história de M. L. Pontes.Layla Aina, nossa protagonista, procurando escapar de sua maldição decide aceitar uma proposta de vir morar em um castelo na região de Viseu, Portugal. – Mas por que Viseu, Portugal? – Por que o escritor não dá ponto sem nó. Tudo o que sabemos sobre lobisomens surgiu através de lendas portuguesas; sim os portugueses conheciam bem o lobisomem. Há vários covis de lobisomem (cova para os portugueses) nas regiões de Portugal, mas a mais importante está em Viseu Portugal. Hoje temos estradas, o progresso tomou parte do cenário, mas as antigas lendas ainda são respeitadas pelos moradores mais conservadores. Reza a lenda que em noites de lua cheia o lobisomem percorre as ruelas graníticas da povoação de Cambra, caçando quem apanhar desprevenido. As portadas das janelas fecham-se e as crianças escondem-se debaixo das mantas quando ouvem o tropel das suas patas na calçada. Mas que monstro é este que assim apavora as noites enluaradas?Até o século XIX era costume as famílias de Portugal ter muitos filhos. Porém o sétimo filho deveria ter um nome especial, se fosse menina seria Custódia ou Benta e se fosse menino, Bento ou Custódio. Mas, nem todas se lembravam, ou então não acreditavam na maldição e assim outro nome era escolhido. Então, em todas as noites de lua cheia, essa criança, ao chegar à idade adolescente sofria uma terrível transformação: crescia-lhe os dentes e as orelhas, as unhas transformavam-se em garras e o corpo ficava coberto de pelo negro; o diabo havia tomado seu corpo e transformado-a em uma besta selvagem. Nas noites mais escuras os olhos chamejantes vasculhavam o escuro. Ele saltava pela floresta procurando suas vítimas indefesas. Quando encontrava um perdido, caçava-o e depois o arrastava para seu esconderijo: uma gruta, na margem do rio Couto, perto de uma velha torre onde as devorava e deixava seus ossos. A trilha que leva a Cova do Lobisomem, diferente da lenda, tem seu encanto. Riachos, construções antigas e uma vegetação linda, típica das florestas de carvalho de Viseu. Algumas casas rústicas ainda sobrevivem sobre seus alicerces, é como voltar ao tempo onde a lenda era uma realidade para os habitantes da região. Hoje a região se tornou um ponto turístico obrigatório para quem gosta do tema. Para muitos, o monstro ainda caminha pelas redondezas atrás de sua próxima vítima. Na imagem ao lado temos a torre descrita no mito, uma antiga construção medieval do final do século XIII.A Cova do Lobisomem localiza-se próximo ao rio Couto. É caracterizada por uma galeria ou corredor cuja entrada mede 2,4m de altura por 2m de largura que vai estreitando gradualmente para o interior, conduzindo a uma vasta câmara de forma oval. A câmara tem cerca de 5m de comprimento, por 2,5m de largura e altura. O comprimento total da Cova do Lobisomem, incluindo galeria e câmara, é de 18m.É claro que podemos estar falando de um mito, porém, assim como na visão do escritor, acredito que toda lenda é inspirada em fatos reais, experiências próximas que não tiveram a obrigação de explica-las. Então se você é um descrente, deveria começar por outras matérias deste blog, mas se acredita em uma força superior a nós, deveria rever os conceitos sobre a concepção do mal. Quero deixar bem claro que Algoritmos Sagrados não é uma saga sobre lobisomens, ela apenas explora outras facetas do mal, segundo a concepção judaica e cristã. Francine SantosLocalisação no Google Eath 40.680580  -8.1624323próximo a  Cambra de Baixo, Viseu (Portugal)Por que devo sofrer?  MATÉRIA  11/06   quinta-FEIRA  - MATÉRIA 012 / DE: Marcelo pontesTalvez essa seja a pergunta mais frequente em nosso consciente.Mas afinal por que devemos sofrer? Sofrer com certeza faz parte da construção do nosso caráter, mas alguns parecem extrapolar os limites da dor. Na saga Algoritmos Sagrados nossa protagonista Layla Aina é o exemplo da dor em sua essência. Durante a leitura de Almas Seladas o primeiro livro, você vai se perguntar se é possível alguém ser destinada a uma vida sem qualquer ato de felicidade.  A resposta desse questionamento já é concedida de cara, logo no prefácio do livro:... O termo probabilidade vem do latim probare, que significa provar ou testar. Está ligado diretamente ao provável, que descreve eventos futuros e associa-se com palavras como: risco, sorte ou azar.Com a moeda entre os dedos lancei-a para o alto. A probabilidade pode ser compreendida apenas usando uma única moeda, basta sorteá-la e você terá 50% de chance de dar cara e 50%, coroa. A moeda caiu na palma de minha mão: deu cara. Lancei-a novamente, sabendo que agora, usando a probabilidade, teria 100% de conseguir uma coroa. Fui frustrado e novamente, saiu-me uma cara. Lancei-a consecutivamente e, por dez vezes, a moeda revelou sua cara aos meus olhos. Aquela coincidência me perturbou. Segui em direção ao mendigo segurando a moeda na mão. Quando fui lhe entregar, parei e me peguei olhando para ela. Alguns segundos passaram e fui advertido pelo mendigo que continuava com a mão estendida. Eu guardei a moeda em meu bolso e lhe entreguei uma nota de dez reais.Assim que levantei meus olhos, lembrei-me da última frase ao término daquela matéria... “Essas ocorrências ainda perturbam alguns cientistas.”....                                             Almas Seladas – Algoritmos SagradosEntão é um fato que determinadas pessoas nascerão predestinadas ao sofrimento, enquanto outras ao regozijo. Isso não é uma especulação, é matematicamente plausível. Porém nem toda dor está ligada a infelicidade. O sofrimento só se aflora quando você o aceita. Talvez não esteja me entendendo por isso vou dar um exemplo através de uma teoria que criei para o livro, a teoria dos estratos:Quero que você pense – (leia a lista até o fim)Será que uma pessoa em estado vegetativo, sem a consciência de sua existência é menos feliz que uma pessoa com síndrome do confinamento, capaz apenas de piscar, mas com a consciência de sua existência?E será que uma pessoa com síndrome do confinamento é menos feliz que uma pessoa tetraplégica? E uma pessoa tetraplégica é menos feliz que uma pessoa paraplégica? E um paraplégico é menos feliz que um manco? E um manco é menos feliz que uma pessoa sedentária? E uma pessoa sedentária é menos feliz que um esportista? E um esportista é menos feliz que um atleta? E um atleta é menos feliz que um pássaro que, apesar de voar, não possui a consciência de sua existência?Como você pode perceber criei camadas (estratos) para representar diferentes perspectivas. Analisando esse conceito, algo que você pode perceber de cara é que sempre haverá uma camada superior. Sendo assim, a felicidade não está ligada a conquista de uma camada superior e sim se você está satisfeito em sua camada atual.Vejamos o exemplo de Christy Brown que nasceu com deficiência física e paralisia cerebral. Durante anos ele passou sem falar ou se mexer. Os médicos deixaram claro que sua capacidade intelectual estava totalmente prejudicada. Sua mãe, no entanto, persistiu, e continuou a falar com ele e a lhe ensinar. Quando tinha cinco anos apenas seu pé esquerdo obedecia a seus comandos. Foi usando esse mesmo pé que ele passou a se comunicar. Com o passar do tempo ele foi se aperfeiçoando e acredite, ele se tornou escritor, poeta e pintor. Um dos seus grandes trabalhos é sua auto-biografia chamada “meu pé esquerdo”.O que fez Christy Brown superar sua dor; a rejeição do mundo as limitações físicas, a falta de comunicação entre outras dificuldades enfrentadas? A resposta é muito simples, ele aceitou sua camada e fez dela o melhor lugar possível.                Ainda vou ressaltar que antigos pensadores gregos possuíam uma fórmula para a felicidade: realidade menos expectativa. Portanto desse ponto de vista, uma pessoa simples tem mais chances de ser feliz do que uma pessoa abastada em sua alta camada. É claro que o sentimento de galgar camadas parece lhe conceder um estado de felicidade, porém essa sensação é uma ilusão, pois não se trata de felicidade e sim um estado nada saudável, a euforia.                 Se você seguir por esse caminho, acreditando que essa é a chave da felicidade, você não descansará mais, e uma busca desenfreada começará.  No futuro, quando a doença aplacar seu corpo pelo desgaste de sua corrida frenética, você olhará para trás e descobrirá que perdeu algo que seu estado dentro de qualquer camada não poderá resgatar: este é o tempo. Esse conceito que estou aplicando é levantado no quarto livro da saga Sombras Noturnas – Algoritmos Sagrados, mas também é a base de grande parte da história:M. L. PontesA inversão dos polos MATÉRIA  20/10   TERçA-FEIRA  - MATÉRIA 023 / DE: FRANCINE SANTOSNo segundo livro da saga Algoritmos Sagrados Hanz, um exímio mergulhador, se vê em volta do grande mistério sobre seu cunhado e a organização Oráculo de Delfos. Em um dos pontos do livro, na casa de Custódia de Taubaté, símbolos estranhos e um homicida lunático o levam acreditar que parte do mistério está compreendido na interpretação Maia sobre a inversão dos polos. Não vou me estender mais, porém essa ideia é repassada por quase toda saga.2012 não foi o fim mas sim o prelúdio de uma nova era que o autor denominou de era de Esculápio. O interessante de tudo isso é a montagem e articulações que o autor mostra em torno do símbolo feminino. No ano de 2012 já havíamos batido um recorde mundial, o maior número de mulheres liderando nações, algo que não se podia imaginar há um século onde o gênero feminino não tinham nem o direito ao voto. Em 2014 o número apenas aumentou, pela primeira vez, 25 mulheres estavam no comando de países ao redor do globo (não necessariamente ao mesmo tempo), em praticamente todos os continentes. E parece que realmente estamos entrando em uma nova era da nossa humanidade onde literalmente o feminino tende a dominar o mundo. Talvez isso se torne realida se a cadidata Hillary Clinton ganhar as eleições americanas. Ela mesmo já deixou bem claro em seu discurso: "Talvez não seja a mais jovem entre os candidatos a esta eleição", ironizou Hillary diante de milhares de simpatizantes em uma praça de Nova York. "Mas serei a mulher presidente mais jovem da história dos Estados Unidos.”postagem complementar:http://algoritmossagrados.blogspot.com.br/2015/07/bem-vindo-ao-inferno.htmlLideres: Mulheres e seus paísesJamaica: Portia Simpson-Miller A primeira mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro na Jamaica foi eleita em 2006, mas ficou apenas um ano no cargo. Ela voltou ao poder nas eleições de 2011. Simpson-Miller cresceu em um gueto em Kingston. Ela apoia um rompimento com a monarquia britânica e acha que é chegada a hora de a Jamaica ter seu próprio presidente.Trinidad e Tobago: Kamla Persad-BissessarApós uma vitória expressiva nas urnas, Kamla Persad-Bissessar é a primeira mulher a ser primeira-ministra de Trinidad e Tobago em 2010. Em 2011, a ex-procuradora geral denunciou um suposto plano para assassiná-la, bem como a outros membros de seu gabinete, depois que ela declarou estado de emergência no país para combater um aumento dos crimes violentos relacionados ao tráfico de drogas.Brasil: Dilma Rousseff Filha de um advogado e empreendedor búlgaro, Dilma Rousseff foi a primeira mulher eleita presidente do Brasil em 2010. Após uma disputa acirrada, ela conseguiu mais um mandato em 2014, em meio a críticas de setores da esquerda e da direita. Nos anos 1970, durante o regime militar no Brasil, Rousseff foi aprisionada por três anos e torturada. Ela fazia parte do grupo armado de extrema esquerda VAR-Palmares.Chile: Michelle BacheletPediatra de formação, Michelle Bachelet foi reeleita presidente do Chile em 2013 com uma margem expressiva de votos. Seu primeiro mandato durou de 2006 a 2010. Entre governos, a política, que é agnóstica e tem três filhos, chefiou a ONU Mulheres, uma agência para a promoção da igualdade de gênero. Argentina: Cristina Fernandez de KirchnerCristina Kirchner, da coligação de esquerda Frente para a Vitória, é a primeira presidente eleita da Argentina. Antes dela, no entanto, Isabel Perón ocupou a presidência - de 1974 a 1976 - após a morte de seu marido, Juan Domingo Perón. Cristina também sucedeu seu marido, Nestor Kirchner, que cumpriu mandato presidencial de 2003 a 2007 e faleceu em 2010.Libéria: Ellen Johnson Sirleaf Em 2005, Sirleaf, de 76 anos, se tornou a primeira chefe de Estado eleita de um país africano, após o fim da guerra civil de 14 anos na Libéria. Em 2011, ela ganhou o prêmio Nobel da Paz e foi reeleita presidente. Nos anos 1980, Sirleaf foi presa por criticar o regime militar no país. Anos depois, em 1997, após ser derrotada nas eleições presidenciais por Charles Taylor, ela foi acusada de traição e exilada.República Centro-Africana: Catherine Samba-Panza Catherine Samba-Panza se tornou prefeita da capital da República Centro-Africana, Bangui, em 2013. Pouco depois, ela foi eleita presidente interina no país – a primeira mulher a ocupar o cargo. Já conhecida como executiva e advogada corporativa de sucesso, ela é considerada politicamente neutra e pediu o fim da violência sectária no país em seu discurso de vitória.Noruega Erna SolbergA líder do partido conservador Erna Solberg se tornou a segunda primeira-ministra da Noruega em 2013, liderando um governo de coalizão da minoria de direita. Metade do seu gabinete é formado por mulheres. O endurecimento da política de imigração durante seu mandato como ministra para Governo Local e Desenvolvimento Regional a rendeu o apelido de "Erna de ferro" na mídia norueguesa.Escócia: Nicola SturgeonNicola Sturgeon assumiu como primeira-ministra do governo escocês em novembro de 2014. Apesar de fazer parte do Reino Unido, o governo local tem autonomia em questões domésticas como saúde, educação e justiça. Sturgeon vai liderar o Partido Nacionalista Escocês nas eleições de 2016 e deve lutar por ainda mais poder para o governo escocês - e cobrar as promessas neste sentido feitas pelo governo britânico durante a campanha para o referendo sobre a independência da Escócia, em que os eleitores decidiram que a nação deveria permanecer como parte da Grã-Bretanha. Dinamarca: Helle Thorning-SchmidtHelle Thorning-Schmidt se tornou líder do partido Social Democrata dinamarquês em 2005 e a primeira mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro, em 2011. Durante a campanha, seu guarda-roupa inspirou o apelido de "Gucci Helle" na mídia local. No memorial de Nelson Mandela, ela foi alvo de polêmica ao posar para uma "selfie" com o primeiro-ministro britânico David Cameron e o presidente americano Barack Obama.Alemanha: Angela Merkel Ex-pesquisadora científica, Angela Merkel se tornou a primeira mulher chanceler da Alemanha em 2005. A revista americana Forbes a elegeu como a mulher mais poderosa do mundo em 2014. Seu apelido, "Mutti" ("mamãe" em alemão), teria sido criado por oponentes de seu partido, o CDU, para tratá-la de forma condescendente. No entanto, a brincadeira se tornou uma poderosa arma em sua campanha. Croácia: Kolinda Grabar-Kitarovic Kolinda Grabar-Kitarovic venceu as eleições croatas em 2015 com uma pequena margem de votos. Ela é um membro conservador da União Democrática Croata, que pressionou pela independência do país da ex-Iugoslávia, em 1991. Grabar-Kitarovic, de 46 anos, foi ministra das Relações Exteriores e assistente do secretário-geral da Otan.Malta: Marie Louise Coleiro PrecaMarie Louise Coleiro Preca sucedeu George Abela e se tornou a nona presidente de Malta em 2014. Ela tinha 55 anos quando assumiu a Presidência no ano passado, o que a torna a chefe de Estado mais jovem que o país já teve. Antes de ser eleita, ela foi ministra da Família e Solidariedade Social.Polônia: Ewa Kopacz A ex-pediatra e clínica geral Ewa Kopacz foi a única mulher a ser presidente do Parlamento polonês, antes de ser escolhida para suceder o premiê Donald Tusk, depois que este deixou o cargo para ser presidente do Conselho da União Europeia. Ela assumiu em setembro de 2014 e se tornou a segunda mulher a servir como primeira-ministra da Polônia.Kosovo: Atifete JahjagaAo ser eleita pelo Parlamento como primeira mulher presidente do Kosovo em 2011, Atifete Jahjaga se tornou também a primeira mulher chefe de Estado da região dos Bálcãs. Jahjaga, que foi vice-diretora da Polícia do Kosovo e tem 39 anos, também é a mais nova política eleita para o cargo. O Kosovo ainda não tem um assento na ONU, mas é reconhecido por 108 dos 193 estados-membros. O Brasil está entre os que ainda não reconhecem o país.Lituânia: Dalia GrybauskaiteA primeira mulher presidente da Lituânia teve uma vitória expressiva nas urnas em 2009 e foi reeleita em 2014, quando se tornou também a primeira chefe de Estado lituana a ter um segundo mandato. Em sua extensa carreira política, ela foi Ministra das Relações Econômicas Internacionais, dos Negócios Estrangeiros e das Finanças, além de Comissária Europeia para Educação, Cultura, Multilinguismo e Juventude. Grybauskaite também é faixa preta de caratê.Letônia: Laimdota StraujumaA coalizão de centro-direita de Laimdota Straujuma foi eleita para comandar o governo da Letônia em 2014, quando ela se tornou a primeira mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro no país. Straujuma é economista, foi ministra da Agricultura e, como presidente, prometeu continuar com as políticas de austeridade seu antecessor – uma tentativa de resgatar o país da falência após sua entrada na zona do euro. Bangladesh: Sheikh Hasina Wajed Filha do fundador e primeiro presidente de Bangladesh, Sheikh Mijibur Rahman, a primeira-ministra Sheikh Hasina deu início a seu terceiro mandato em 2014. Após o assassinato do pai em um golpe de Estado em 1975, ela foi forçada ao exílio, mas venceu as as eleições para o cargo em 1996. A política de 67 anos também sobreviveu a uma tentativa de assassinato.Coreia do Sul: Park Geun-hye Em 2013, Park Geun-hye tornou-se a primeira mulher chefe de Estado na história moderna do nordeste da Ásia. Ela se tornou primeira-dama da Coreia do Sul aos 22 anos, substituindo sua mãe, que foi assassinada em 1974, morta por um tiro direcionado a seu pai, o então presidente Park Chung-hee. Cinco anos depois, ele também foi assassinado.’. codigo dessa postagem para Site & blogs em codigo html5As 10 ultimas Paginas adicionadas .L {position: absolute;left:0;} .C {position: absolute;} .R {position: absolute;right:0;} .uri{font-size:0;position: fixed;} As 10 ultimas Paginas adicionadas